Regulamento Municipal de Gestão da Habitação Social em ... · Atualização e revisão ... das...

Click here to load reader

  • date post

    18-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Regulamento Municipal de Gestão da Habitação Social em ... · Atualização e revisão ... das...

  • MUNICPIO DE PENICHE

    1

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em

    Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2017

  • MUNICPIO DE PENICHE

    2

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    PREMBULO .............................................................................................................................. 5

    CAPTULO I ................................................................................................................................ 8

    DISPOSIES GERAIS E CONCEITOS .......................................................................................... 8

    Lei habilitante ........................................................................................................................ 8

    Objeto .................................................................................................................................... 8

    mbito de Aplicao ............................................................................................................. 9

    Conceitos ............................................................................................................................... 9

    CAPTULO II ............................................................................................................................. 12

    REGRAS PARA UTILIZAO E USO DA HABITAO SOCIAL ..................................................... 12

    Destino da habitao........................................................................................................... 12

    Requisitos gerais de ocupao ............................................................................................ 12

    Residncia permanente ...................................................................................................... 13

    Obrigaes de conduta nas habitaes sociais ................................................................... 13

    Animais Domsticos ............................................................................................................ 15

    CAPTULO III ............................................................................................................................ 16

    REAS DE UTILIZAO COMUM DOS PRDIOS ....................................................................... 16

    Espao de utilizao Comum ............................................................................................... 16

    Deveres dos arrendatrios quanto ao espao de utilizao comum .................................. 17

    Espaos exteriores ............................................................................................................... 19

    Relaes de Vizinhana ....................................................................................................... 19

    Gesto do espao de utilizao comum .............................................................................. 20

    Eleio dos representantes do Prdio/Piso ........................................................................ 20

    Funes do representante do Prdio/Piso.......................................................................... 20

    Condomnios ....................................................................................................................... 21

    CAPTULO IV ............................................................................................................................ 21

    RENDA EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO .............................................................. 21

    Arrendamento apoiado ....................................................................................................... 21

  • MUNICPIO DE PENICHE

    3

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Renda em regime de arrendamento apoiado ..................................................................... 21

    Atualizao e reviso da renda ........................................................................................... 22

    Pagamento da renda ........................................................................................................... 23

    Indemnizao Moratria ..................................................................................................... 23

    Incumprimento do dever de pagamento das rendas .......................................................... 23

    Confirmao das declaraes .............................................................................................. 24

    CAPTULO V ............................................................................................................................. 24

    CONTRATO DE ARRENDAMENTO ............................................................................................ 24

    Celebrao do Contrato de arrendamento ......................................................................... 24

    Cessao de contrato .......................................................................................................... 25

    Resoluo de contrato ........................................................................................................ 25

    Renncia de contrato .......................................................................................................... 26

    CAPTULO VI ............................................................................................................................ 27

    DOS ARRENDATRIOS ............................................................................................................. 27

    Direitos dos arrendatrios ................................................................................................... 27

    Deveres dos arrendatrios .................................................................................................. 28

    Apoio tcnico-social ............................................................................................................ 28

    CAPTULO VII ........................................................................................................................... 28

    VISTORIAS E OBRAS NAS HABITAES SOCIAIS ...................................................................... 28

    Acesso ao fogo Municipal.................................................................................................... 28

    Vistoria do fogo Municipal .................................................................................................. 29

    Obras de manuteno e conservao ................................................................................. 29

    Deveres do Municpio ......................................................................................................... 30

    Benfeitorias ......................................................................................................................... 32

    CAPTULO VIII .......................................................................................................................... 32

    TRANSFERNCIA E PERMUTA DE HABITAO ........................................................................ 32

    Transferncia e permuta a pedido do inquilino .................................................................. 32

  • MUNICPIO DE PENICHE

    4

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Transferncia e permuta por iniciativa do Municpio ......................................................... 33

    CAPTULO IX ............................................................................................................................ 33

    TRANSMISSO ......................................................................................................................... 33

    Transmisso da titularidade de ocupao do fogo ............................................................. 33

    Divrcio, separao judicial de pessoas e bens ou cessao da unio de facto ................. 34

    Transmisso por morte ....................................................................................................... 34

    Alterao do agregado familiar ........................................................................................... 35

    Coabitaes ......................................................................................................................... 36

    Locao ou hospedagem ..................................................................................................... 36

    CAPTULO X ............................................................................................................................. 37

    ALIENAO DOS FOGOS .......................................................................................................... 37

    Alienao ............................................................................................................................. 37

    CAPTULO XI ............................................................................................................................ 37

    DO DESPEJO ............................................................................................................................. 37

    Finalidade ............................................................................................................................ 37

    Deciso de Despejo ............................................................................................................. 37

    Procedimento de despejo ................................................................................................... 38

    CAPTULO XII ........................................................................................................................... 38

    Disposies Finais .................................................................................................................... 38

    Notificaes ......................................................................................................................... 38

    Declaraes ......................................................................................................................... 39

    Aplicao no tempo............................................................................................................. 39

    Dvidas e Omisses ............................................................................................................. 39

    Interpretao e preenchimento de lacunas ........................................................................ 39

    Alterao e reviso .............................................................................................................. 40

    ANEXO I ................................................................................................................................... 41

    ANEXO II..42

  • MUNICPIO DE PENICHE

    5

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    PREMBULO

    A Constituio da Repblica Portuguesa consagra no artigo 65. o direito a uma habitao com

    dimenso adequada em condies de higiene e conforto que preserve a intimidade pessoal e a

    privacidade familiar e exige do Estado a definio e execuo de uma poltica de habitao que

    garanta o exerccio daquele direito, estabelecendo um sistema de renda compatvel com o

    rendimento do agregado familiar.

    No mbito das atribuies e competncias dos Municpios ao nvel da promoo da habitao

    social e da gesto do respetivo patrimnio municipal, nos termos da alnea k) do n. 1 do

    artigo 33. do Anexo I da Lei n. 75/2013, de 12 de setembro, e para que a atuao pblica no

    domnio da habitao social, seja justa, proporcional e equitativa, respeitando os princpios

    consagrados na Constituio da Repblica Portuguesa, torna-se necessrio que o modelo de

    interveno municipal, no que respeita a esta matria seja acompanhado de um corpo de

    regras estruturado e transparente, que defina nos termos do novo regime do arrendamento

    apoiado, a gesto da utilizao das habitaes sociais pelos arrendatrios e respetivos

    agregados.

    Uma habitao condigna constitui uma das medidas prioritrias assumidas pelo Municpio de

    Peniche, por se tratar de uma medida estruturante na melhoria significativa da qualidade de

    vida dos indivduos/famlias em situao de vulnerabilidade social, nomeadamente ao nvel

    das suas condies de habitabilidade e insero social.

    Por se considerar que, a habitao por si s, no promotora do desenvolvimento do sistema

    familiar e comunitrio, o Municpio de Peniche adota uma interveno social sistmica e

    integrada em diferentes reas de atuao, tais como a educao, a formao, o emprego, a

    sade, a cultura, o lazer assente numa forte aposta na relao de proximidade e

    corresponsabilizao das famlias.

    Esta interveno assenta numa perspetiva de empowerment capacitando a famlia para a

    melhoria das suas condies de vida, com vista a que, a Habitao Social se torne uma medida

    temporria.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    6

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    O arrendamento social deve impor critrios de justia social e desenvolvimento das

    populaes visando resolver e/ou atenuar fenmenos de pobreza, excluso social e

    consequentemente, dignificar as condies de vida das pessoas e famlias com menores

    recursos proporcionando melhor qualidade de vida dos agregados familiares mais vulnerveis.

    Nesse sentido, torna-se crucial proceder elaborao de um instrumento regulador de acordo

    com o atual enquadramento legal, face entrada em vigor da Lei n. 81/2014, de 19 de

    dezembro, alterada e republicada pela Lei n. 32/2016, de 24 de agosto, relativa ao Novo

    Regime de Arrendamento Apoiado para Habitao.

    O presente regulamento visa estabelecer e sistematizar num nico documento regras e

    critrios de gesto que permitam ao Municpio de Peniche gerir a Habitao Social Municipal,

    no respeito pelos direitos e interesses dos cidados, procurando adequar o regime realidade

    local, respondendo a necessidades decorrentes da gesto social e patrimonial,

    regulamentando as especificidades contratuais do arrendamento, determinando de forma

    objetiva procedimentos a adotar, no que concerne a normas de utilizao das habitaes

    sociais e uniformizando o sistema de renda, com a aplicao da Lei n. 81/2014, de 19 de

    dezembro, na sua atual redao.

    O resultado final o presente regulamento que se encontra sistematizado em doze captulos,

    o primeiro com as disposies gerais e conceitos, o segundo dedicado a regras para a utilizao

    e uso da habitao social, o terceiro sobre a reas de utilizao comum dos prdios, o quarto

    sobre a renda em regime de arrendamento apoiado, o quinto refere-se ao contrato de

    arrendamento, o sexto aos arrendatrios, o stimo define as vistorias e obras nas habitaes

    sociais, o oitavo dedicado transferncia e permuta de habitao, o nono dedicado

    transmisso, o dcimo dedicado alienao dos fogos, o dcimo primeiro dedicado ao despejo

    e o dcimo segundo com as disposies finais.

    Nos termos do artigo 99. do Cdigo de Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-

    Lei n. 4/2015, de 7 de janeiro, a nota justificativa da proposta de regulamento deve ser

    acompanhada de uma ponderao dos custos e benefcios das medidas projetadas.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    7

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Dando cumprimento a esta exigncia, acentua-se que parte significativa das medidas

    propostas so decorrncia lgica da alterao introduzida ao Regime do Arrendamento

    Apoiado para Habitao, pela Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, pelo que o presente

    regulamento trar a vantagem de permitir concretizar e desenvolver o que se encontra

    previsto naquele diploma, garantindo, assim, a sua boa aplicao e, simultaneamente a

    concretizao dos seus objetivos especficos, concretamente os do estabelecimento de

    critrios de igualdade relativa ao acesso a apoios sociais e de uniformizao de procedimento,

    com vista a uma mais justa repartio dos recursos habitacionais do Municpio. Os princpios e

    valores da segurana, da estabilidade, transparncia e previsibilidade constituem corolrio dos

    princpios constitucionais reguladores da organizao e funcionamento da Administrao

    Pblica, e a positivao das normas do respetivo funcionamento concorre para a concretizao

    de um modelo de melhoria da prestao e gesto dos servios pblicos orientado pela

    economicidade, eficincia e eficcia, o que igualmente se pretende promover com a aprovao

    deste regulamento.

    As vantagens do presente regulamento so, essencialmente, de ordem imaterial, no

    contendendo diretamente com a receita financeira municipal, isto , no se aumenta, por via

    deste regulamento, a receita do Municpio, ainda que por via do seu cumprimento se possa

    incentivar a reintegrao de camadas mais desfavorecidas do Municpio, renovando a

    esperana e reinserindo-os na vida ativa, o que poder trazer proventos, a longo prazo,

    tambm de ordem econmica.

    Do ponto de vista dos encargos, o presente regulamento no implica despesas acrescidas para

    o Municpio, na medida em que, no se criam novos procedimentos que envolvam custos

    acrescidos na tramitao e na adaptao aos mesmos, sendo, ademais, suficientes os recursos

    humanos existentes.

    Resulta, assim, que a aprovao do presente regulamento se apresenta claramente como uma

    mais-valia para o Municpio de Peniche, contribuindo para que este se torne mais justo e

    harmonioso.

    Nestes termos e no uso das competncias e atribuies previstas pelo disposto no artigo 112.

    e do artigo 241. da Constituio da Repblica Portuguesa, e conferido pela alnea k) do n. 1

    do artigo 33. do Anexo I da Lei n. 75/2013, de 12 de setembro, a Cmara Municipal de

  • MUNICPIO DE PENICHE

    8

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Peniche elaborou e aprovou o presente Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social

    em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche, na sua reunio de

    __/__/____, deliberao n. ____, que nos termos do artigo 101. do Cdigo de Procedimento

    Administrativo foi submetido a consulta pblica.

    O presente Regulamento foi aprovado, nos termos do disposto na alnea g) do n. 1 do artigo

    25. do Anexo I da Lei n. 75/2013, de 12 de setembro, pela Assembleia Municipal de Peniche

    na sesso ordinria de __/__/_____.

    CAPTULO I

    DISPOSIES GERAIS E CONCEITOS

    Artigo 1.

    Lei habilitante

    O presente regulamento elaborado ao abrigo do n. 7 do artigo 112. e artigo 241. da

    Constituio da Repblica Portuguesa, no preceituado na alnea g) do n. 1 do artigo 25.,

    conjugado com a alnea k), do n. 1 do artigo 33., ambos do Anexo I da Lei n. 75/2013, de 12

    de setembro e no disposto na Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, na sua atual redao.

    Artigo 2.

    Objeto

    1 - O presente regulamento define e estabelece regras e condies aplicveis gesto e

    ocupao do Parque de Habitao Social do Municpio de Peniche.

    2 - Para efeitos do disposto no nmero anterior, so compreendidos no parque habitacional

    todos os prdios e fraes propriedade do Municpio de Peniche, cuja ocupao, por

    determinao municipal, deve ser submetida ao novo regime do arrendamento apoiado para a

    habitao, aprovado pela Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, na sua atual redao.

    3 - No mbito do referido no nmero 1 inclui-se a gesto dos espaos de uso comum dos

    prdios de habitao social.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    9

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 3.

    mbito de Aplicao

    O presente regulamento aplica-se aos arrendatrios titulares de cada fogo e respetivos

    elementos do agregado familiar, de acordo com o contrato de arrendamento em regime de

    arrendamento apoiado para a habitao, bem como, aos servios municipais a quem compete

    a sua aplicao.

    Artigo 4.

    Conceitos

    Para efeitos do presente regulamento considera-se:

    a) Agregado Familiar: conjunto de pessoas que residem em economia na habitao

    arrendada, constitudo pelo arrendatrio e pelas pessoas referidas nas alneas a), b), c), d)

    e e) do n. 2 do artigo 4. do Decreto-Lei n. 70/2010, de 16 de junho, bem como por

    quem tenha sido autorizado pelo senhorio a permanecer na habitao;

    b) Alterao da composio do agregado familiar: quer pelo aumento ou diminuio

    do nmero de elementos do agregado familiar, (casamento ou unio de facto, nascimento

    de filhos do titular, ou adoo, falecimento, divrcio ou existncia de outra alternativa

    habitacional por parte de algum elemento do agregado);

    c) Coabitante: pessoa, tambm, designada de morador no pertencente ao agregado

    familiar do arrendatrio titular do fogo que se encontre especialmente autorizada pelo

    Municpio a residir temporariamente na habitao;

    d) Contrato de Confisso de Dvida - CCD: contrato a celebrar entre o Municpio e o

    arrendatrio para pagamento de rendas em dvida, cujos prazos e parmetros so

    estabelecidos pelo acordo entre partes;

    e) Deficiente: a pessoa com deficincia com grau comprovado de incapacidade igual ou

    superior a 60%;

    f) Dependente: elemento do agregado familiar que seja menor ou, que, tendo idade

    inferior a 26 anos, no aufira rendimento mensal lquido superior ao indexante de apoios

    sociais (IAS);

  • MUNICPIO DE PENICHE

    10

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    g) Espaos de utilizao comum: correspondem a todas as reas que no sejam de uso

    exclusivo ligado a um titular de arrendamento, designadamente: trios de entrada, portas

    existentes nos espaos comuns, corredores de uso ou passagem comum, elevadores,

    espaos destinados a caixas do correio, fachadas do edifcio, telhados, instalaes

    eltricas e equipamentos, garagens e outros locais coletivos, elementos da estrutura dos

    edifcios, nomeadamente alicerces, pilares e paredes-mestras;

    h) Fator de capitao: a percentagem resultante da ponderao da composio do

    agregado familiar em funo do IAS, de acordo com tabela constante no Anexo I da Lei n.

    81/2014, de 19 de dezembro, alterada pela Lei n. 32/2016, de 24 de agosto;

    i) Habitao Social: unidade independente dos imveis que fazem parte do parque

    habitacional do Municpio de Peniche, destinadas ao regime de arrendamento apoiado;

    j) Indexante de apoios Sociais - IAS: valor que serve de base ao clculo das prestaes

    sociais fixado anualmente nos termos da portaria em vigor;

    k) Renda condicionada - RC: no regime de renda condicionada a renda inicial dos novos

    arrendamentos a que resultar de negociao entre as partes, no podendo, no entanto,

    exceder por ms o duodcimo do produto resultante da aplicao da taxa das rendas

    condicionadas ao valor patrimonial tributrio do fogo no ano da celebrao do contrato;

    l) Renda mxima - RM: A renda mxima em regime de arrendamento apoiado a

    renda mxima aplicada aos contratos de arrendamento para fim habitacional em regime

    de renda condicionada;

    m) Renda mnima - RM: valor abaixo do qual a renda no pode descer,

    independentemente dos rendimentos do agregado familiar;

    n) Rendimento mensal lquido: duodcimo da soma dos rendimentos anuais lquidos

    de todos os membros do agregado familiar, sendo o rendimento anual lquido de cada

    membro obtido:

    i) Subtraindo ao rendimento global o valor da coleta lquida, constantes da

    declarao de rendimentos das pessoas singulares, validada pela Autoridade

    Tributria e Aduaneira e respeitante ao ano anterior; caso os rendimentos se

    reportem a perodo inferior a um ano, considera-se a proporo correspondente

    ao nmero de meses em causa;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    11

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    ii) Sendo zero o valor da coleta lquida ou no tendo legalmente havido lugar

    entrega de declarao de rendimentos nos termos do Cdigo do Imposto sobre o

    Rendimento de Pessoas Singulares, calculando o total dos rendimentos anuais

    auferidos, considerados nos termos do artigo 3. do Decreto-Lei n. 70/2010, de

    16 de junho, alterado pela Lei n. 15/2011, de 3 de maio, e pelos Decretos-lei n.

    113/2011, de 29 de novembro, e 133/2012, de27 de junho; caso os rendimentos

    se reportem a perodo inferior a um ano, considera-se a proporo

    correspondente ao nmero de meses em causa;

    o) Rendimento Mensal Corrigido - RMC: o rendimento mensal lquido deduzido das

    quantias indicadas de seguida:

    i) 10% do indexante de apoios sociais pelo primeiro dependente;

    ii) 15% do indexante de apoios sociais pelo segundo dependente;

    iii) 20% do indexante de apoios sociais por cada dependente para alm do segundo;

    iv) 10% do indexante de apoios sociais por cada deficiente, que acresce aos

    anteriores se tambm couber a definio de dependente;

    v) 10% do indexante de apoios sociais por cada elemento do agregado familiar com

    idade igual ou superior a 65 anos;

    vi) 20% do indexante de apoios sociais em caso de famlia monoparental;

    vii) A quantia resultante da aplicao do fator de capitao, constante do Anexo I da

    Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, alterada pela Lei n. 32/2016, de 24 de

    agosto, ao indexante de apoios sociais.

    p) Rendimento per capita: calculado com base na seguinte frmula: R = RF - D/N

    Sendo:

    R - Rendimento per capita

    RF - Rendimento mensal ilquido do agregado familiar

    D - Despesas fixas

    N - Nmero de elementos do agregado familiar

    q) Residncia permanente: local onde o arrendatrio titular tem organizada a sua vida

    familiar, social e a sua economia domstica;

    r) Retribuio mnima mensal garantida - RMMG: retribuio mnima mensal garantida

    a todos os trabalhadores, fixada anualmente;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    12

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    s) Retribuio mnima nacional anual - RMNA: valor da retribuio mnima mensal

    garantida, multiplicado por 14 meses;

    t) Tipologia adequada: relao entre o nmero de elementos do agregado familiar e o

    nmero de quartos de dormir, conforme anexo I do presente regulamento.

    CAPTULO II

    REGRAS PARA UTILIZAO E USO DA HABITAO SOCIAL

    Artigo 5.

    Destino da habitao

    1 - Os fogos de habitao social destinam-se, exclusivamente, habitao permanente do

    titular e respetivo agregado familiar, conforme contrato de arrendamento, no podendo neles

    ser exercida qualquer atividade comercial ou industrial ou outra incompatvel com o uso

    habitacional, no sendo em caso algum admissvel a sublocao ou qualquer forma de

    cedncia.

    2 - O arrendatrio titular do fogo inteiramente responsvel pela utilizao do mesmo, pelo

    seu agregado, cabendo-lhes igualmente o dever de fazer cumprir pelos restantes elementos do

    agregado familiar as normas legais e regulamentares aplicveis utilizao da habitao e

    espaos comuns, nomeadamente as constantes do presente regulamento.

    Artigo 6.

    Requisitos gerais de ocupao

    So requisitos cumulativos de ocupao de habitao social do Municpio de Peniche:

    a) Cidados nacionais e cidados estrangeiros detentores de ttulos vlidos de

    permanncia no territrio nacional;

    b) O arrendatrio e/ou qualquer outro elemento do agregado familiar, no ser

    proprietrio, usufruturio, arrendatrio ou detentor a outro ttulo de prdio urbano ou

    de frao autnoma de prdio urbano destinado a habitao;

    c) O arrendatrio e/ou qualquer outro elemento do agregado familiar no esteja a

    usufruir e/ou no beneficie de apoios financeiros pblicos para fins habitacionais;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    13

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    d) O arrendatrio titular do fogo e respetivo agregado familiar, no se encontrem

    inscritos para efeitos fiscais, de segurana social ou outros, com outra residncia;

    e) O agregado familiar auferir um rendimento per capita igual ou inferior ao valor do IAS.

    Artigo 7.

    Residncia permanente

    1 - O arrendatrio e o respetivo agregado familiar devero manter residncia permanente no

    fogo habitacional que lhes foi atribudo.

    2 - O arrendatrio deve comunicar ao Municpio de Peniche todas a circunstncias que

    determinem a ausncia prolongada da habitao, indicando os respetivos motivos, sendo que,

    qualquer ausncia superior a seis meses tem que ser comunicada e comprovada por escrito.

    3 - Assume-se que o agregado familiar no mantm residncia permanente e efetiva, quando a

    habitao se mostre desabitada por perodo igual ou superior a seis meses, de forma contnua

    ou interpolada, existindo indcios srios e fiveis de que o agregado tem a sua economia

    domstica, em simultneo ou em exclusivo, em qualquer outro local.

    Artigo 8.

    Obrigaes de conduta nas habitaes sociais

    1- A utilizao das habitaes deve obedecer s exigncias normais de diligncia e zelo

    estando interdito o seu uso para fins que no os estabelecidos no presente regulamento.

    2 - Constituem obrigaes de todos os arrendatrios municipais:

    a) Pagar a renda no prazo estipulado pela Cmara Municipal;

    b) Permitir aos Servios Municipais o acesso habitao para vistoria ou para realizao

    de obras no mesmo, ou para visita domiciliria;

    c) Utilizar o fogo habitacional, as reas comuns e todas as demais estruturas e

    equipamentos pblicos com prudncia, zelando pela sua limpeza e conservao;

    d) No ter condutas perturbadoras da tranquilidade, ofensivas para terceiros, instigadoras

    de violncia e suscetveis de comprometer a paz social;

    e) No produzir rudo, em desrespeito pelo Regulamento Geral de Rudo, que atente

    contra a tranquilidade e bem-estar dos vizinhos, nem provocar, participar ou intervir

  • MUNICPIO DE PENICHE

    14

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    em desacatos e conflitos que interfiram com a paz e serenidade da vida quotidiana ou

    comprometam as boas relaes de vizinhana;

    f) No utilizar para seu uso exclusivo, os espaos comuns dos edifcios e terrenos

    adjacentes ao parque habitacional social;

    g) No depositar os lixos fora dos locais prprios existentes para o efeito, situados na via

    pblica, devendo o lixo ser devidamente acondicionado, em sacos de plstico, para que

    durante o seu transporte no ocorram derrames e no ponha em perigo a higiene e

    sade pblica;

    h) No hospedar, sublocar, total ou parcialmente, ou ceder a qualquer ttulo o fogo

    arrendado;

    i) No efetuar, sem autorizao prvia da Cmara Municipal, quaisquer obras ou

    instalaes que, excedendo a mera reparao ou conservao, modifiquem as

    condies de utilizao da habitao ou do respetivo logradouro;

    j) No colocar nos terraos, varandas ou janelas, objetos que no estejam devidamente

    resguardados quanto sua queda ou que no possuam dispositivos que impeam o

    eventual gotejamento e arrastamento de detritos sobre as outras habitaes e

    logradouros de uso privado, as partes comuns ou a via pblica;

    k) No proceder instalao de antenas exteriores de televiso, rdio ou similares e a

    furaes nas paredes interiores para passagem de cablagem, sem autorizao expressa

    da Cmara Municipal;

    l) Promover a instalao de contadores de gua e energia eltrica, cujas despesas so da

    responsabilidade do arrendatrio, tais como os respetivos consumos, no recorrendo a

    quaisquer ligaes ilegais;

    m) No habitar o fogo sem que o arrendatrio mantenha vigentes os contratos refentes s

    instalaes previstas na alnea anterior;

    n) No utilizar produtos abrasivos na limpeza e conservao, que possam deteriorar

    qualquer superfcie interior e exterior da habitao;

    o) No armazenar ou guardar combustvel ou produtos explosivos dentro do espao

    habitacional, bem como, utilizar velas como fonte de iluminao;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    15

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    p) No sacudir tapetes ou roupas, despejar guas, lanar lixos, pontas de cigarros ou

    detritos de qualquer natureza, pelas janelas ou varandas e nos espaos comuns ou em

    reas que afetem os vizinhos;

    q) No colocar marquises, ou outro tipo de estruturas que possam alterar o arranjo

    esttico do edifcio ou alado, bem como, no proceder construo de muros, taipais,

    telheiros, ou qualquer extenso de superfcie habitvel, sem autorizao explcita por

    escrito do Municpio;

    r) No afixar tabuletas identificadoras, com ou sem meno de profisso, em qualquer

    local da habitao;

    s) No conferir ao fogo habitacional um uso diferente do previsto no contrato de

    arrendamento, nem o destinar a usos ofensivos aos bons costumes, ordem pblica ou

    contrrios lei;

    t) Manter e restituir o fogo habitacional nas condies em que o mesmo foi entregue,

    respondendo pela sua conservao, sem prejuzo do desgaste resultante da sua normal

    utilizao.

    Artigo 9.

    Animais Domsticos

    1 - A permanncia de animais domsticos nas habitaes admitida nos termos permitidos

    por lei e desde que a mesma se coadune com as caratersticas do fogo e seja compatvel com

    as normais e desejveis condies de habitabilidade do mesmo, sendo condies obrigatrias

    para a sua manuteno:

    a) Que a permanncia do animal domstico no seja suscetvel de provocar incmodo

    srio para os vizinhos, nem qualquer tipo de danos na habitao ou qualquer prejuzo

    para a salubridade ou condies higiene-sanitrias da mesma;

    b) Que o animal domstico se encontre em condies adequadas de higiene, sade e

    bem-estar;

    c) Que o animal domstico esteja devidamente registado, desparasitado e vacinado, e

    sejam cumpridos os demais requisitos veterinrios e sanitrios nos termos da

    legislao em vigor.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    16

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2 - interdita a permanncia de animais nas partes comuns dos edifcios, bem como, a sua

    circulao sem acompanhamento dos seus responsveis.

    3 - Sem prejuzo do disposto no n. 1, no permitida a permanncia ou deteno no fogo de

    qualquer animal considerado como perigoso ou potencialmente perigoso, nos termos da

    legislao em vigor.

    4 - O arrendatrio fica inteiramente responsvel, a todos os ttulos, pela permanncia do

    animal domstico na habitao, devendo assegurar que o mesmo no causa quaisquer

    incmodos ou danos a pessoas e bens, respondendo pelos mesmos caso ocorram, no pondo

    em causa o bem-estar do animal.

    CAPTULO III

    REAS DE UTILIZAO COMUM DOS PRDIOS

    Artigo 10.

    Espao de utilizao Comum

    1- Na qualidade de arrendatrio de uma frao, cada um usufrui das partes comuns do edifcio

    onde habita.

    2- As reas comuns so constitudas pelo conjunto de todos os espaos de caixa da escada,

    desde a entrada principal do edifcio, at ao patamar que serve os fogos de cada piso.

    3- Consideram-se comuns as seguintes partes:

    a) Os trios de entrada, escadas e corredores de uso ou passagem comum a dois ou mais

    inquilinos;

    b) As portas de uso ou acesso comum;

    c) Espaos destinados a caixas de correio;

    d) Fachadas dos edifcios, telhados ou terraos de cobertura, instalaes tcnicas e

    equipamentos, garagens e outros locais de estacionamento coletivo;

    e) Os elevadores;

    f) Os ptios, jardins, zonas verdes ou de lazer, anexos aos edifcios;

    g) Outras, no especificadas e equiparadas s anteriores.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    17

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 11.

    Deveres dos arrendatrios quanto ao espao de utilizao comum

    1- Os arrendatrios devem utilizar os espaos comuns estritamente de acordo com a

    finalidade a que se destinam e faz-lo de modo a evitar quaisquer deterioraes e danos nas

    instalaes e equipamentos existentes nesses espaos, de forma a contribuir para a

    preservao e valorizao dos mesmos.

    2- No que respeita aos espaos de utilizao comum, os arrendatrios devem:

    a) Utilizar os espaos de modo a evitar que sofram deterioraes e danos que no

    correspondam a consequncias naturais do seu uso normal;

    b) Contribuir de todas as formas ao seu alcance para a respetiva preservao e valorizao;

    c) Respeitar rigorosamente os direitos dos restantes moradores;

    d) Manter as escadas e ptios limpos em condies de higiene e conservao adequadas;

    e) Limpar as escadas comuns segundo escala de limpeza existente aprovada em sede de

    reunio de moradores;

    f) Manter a porta do prdio fechada, e zelar pela sua conservao e bom estado do

    sistema de fechadura.

    3- No espao de utilizao comum, proibido:

    a) Deixar permanecer crianas nos vestbulos, patamares, escadas, corredores e elevadores

    sem superviso de um adulto responsvel;

    b) Deixar abertas as entradas comuns do prdio ou permitir a entrada e sada de estranhos

    sem se assegurarem da sua identidade, principalmente durante a noite;

    c) Permanecer na escadaria destinada exclusivamente ao acesso das habitaes, devendo

    o seu acesso ser efetuado com o menor rudo possvel;

    d) Adotar ou permitir s pessoas que de si dependam ou frequentem a sua habitao,

    comportamentos suscetveis de danificar ou sujar os espaos comuns e de perturbar o bom

    e regular funcionamento do prdio e a comodidade e o bem-estar dos seus residentes;

    e) Deixar circular livremente dentro das zonas e reas comuns, os animais de estimao

    permitidos no artigo 9. do presente regulamento, sem o uso de trelas ou similares

    devidamente acompanhados pela pessoa responsvel, bem como, permitir que estes

    deixem dejetos no espao comum, devendo neste caso promover imediatamente a sua

    limpeza;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    18

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    f) Desrespeitar o estabelecido no Regulamento Geral de Rudo, fazendo rudos que

    incomodem os vizinhos, nomeadamente no perodo de descanso definido entre as 23h00m

    e as 07h00m, sendo que dever ser tido em conta a situao de alguns inquilinos que

    trabalhem em horrio noturno sendo o seu perodo de descanso diurno;

    g) Fumar nos espaos comuns;

    h) Retirar ou alterar a localizao dos extintores;

    i) Aplicar letreiros ou tabuletas identificadoras, alusivas ou no a uma atividade

    profissional em qualquer rea das zonas comuns;

    j) Efetuar quaisquer obras;

    k) Ocupar os espaos comuns, com mobilirio ou equipamentos, nomeadamente:

    bicicletas, motorizadas, bilhas de gs, pequenos mveis e outros similares, qualquer tipo de

    reboque, carrinhos de beb e/ou estendais de roupa;

    l) A execuo de aes que produzam emisso de fumos, nomeadamente assados com

    carvo e queimadas de lixo;

    m) Depositar lixo nas escadas, corredores, elevadores, ptios e outras zonas comuns, ainda

    que exteriores, mas sim e apenas nos locais para o efeito destinados;

    n) Violar ou abrir as caixas relativas s prestaes de servios (gua, eletricidade, gs,

    telefone, etc.);

    o) Ocupar os espaos comuns dos edifcios com objetos pessoais e familiares, sendo

    permitido vasos com plantas, desde que no interfira com a circulao das pessoas;

    p) Alterar a programao do temporizador da luz de escada, bem como, fixar a mesma

    atravs da introduo de objetos nos interruptores de modo a que a luz fique acesa de

    forma contnua.

    4- Relativamente utilizao dos elevadores:

    a) No podem ser retidos nos patamares;

    b) No permitida a utilizao dos elevadores por crianas com idade inferior a 10 anos,

    salvo quando acompanhadas por adultos;

    c) Por razes de segurana, expressamente proibido fumar dentro dos elevadores;

    d) vedado o transporte a pessoas e coisas que ultrapassem a capacidade de carga ou que

    possam danificar ou sujar os elevadores;

    e) proibido o acesso casa das mquinas;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    19

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    f) Sempre que sujem os elevadores devero proceder imediatamente sua limpeza;

    g) Sempre que danifiquem os elevadores, devero ressarcir o Municpio de Peniche pelos

    danos causados.

    Artigo 12.

    Espaos exteriores

    1- Os espaos exteriores aos edifcios so aqueles que lhe so anexos ou afetos,

    designadamente, jardins e zonas relvadas, logradouros, parques desportivos e infantis e

    lugares de estacionamento, devendo ser tratados com cuidado e asseio.

    2- No que respeita aos jardins, proibido:

    a) O corte de flores;

    b) O acesso, aos mesmos, sem ser pelas zonas destinadas e para o efeito preparadas;

    c) Deixar dejetos de animais de estimao;

    d) Despejar lixo, detritos ou depositar bens particulares.

    3- totalmente proibida a deposio de lixos, nomeadamente de sucatas e o abandono de

    objetos e viaturas nos espaos exteriores, ficando os arrendatrios sujeitos legislao em

    vigor.

    Artigo 13.

    Relaes de vizinhana

    1- expressamente proibido aos arrendatrios municipais a adoo de qualquer conduta

    suscetvel de provocar incmodo aos vizinhos, designadamente:

    a) Promover festejos, celebraes ou outro tipo de atividades que provoquem rudos

    incomodativos para a vizinhana, em contraveno com a legislao e regulamentao

    aplicvel;

    b) Utilizar aparelhos eletrodomsticos, como televisores, rdios e similares, perturbando

    os demais arrendatrios, em contraveno com a legislao e regulamentao aplicvel;

    c) Instalar motores, mquinas ou equipamentos que possam perturbar a tranquilidade e a

    sade dos arrendatrios, contribuindo para a diminuio da sua qualidade de vida;

    d) Provocar fumos, vapores ou cheiros que possam perturbar os vizinhos;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    20

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    e) Provocar, participar ou de qualquer modo intervir em desacatos e conflitos ou causar

    barulhos que ponham em causa a tranquilidade do edifcio ou o bem-estar dos restantes

    moradores, sem prejuzo do disposto na alnea f) do n. 3 do artigo 11. do presente

    regulamento.

    2 - Os litgios entre moradores e conflitos de vizinhana que ocorram nos edifcios do Parque

    Habitacional Social do Municpio devero ser resolvidos pelas entidades e autoridades

    competentes para o efeito.

    Artigo 14.

    Gesto do espao de utilizao comum

    A administrao e gesto do espao de utilizao comum compete, em articulao com os

    representantes eleitos em sede de reunio de moradores, ao Municpio de Peniche.

    Artigo 15.

    Eleio dos representantes do prdio/piso

    1- Os representantes do prdio e/ou piso so eleitos, de entre os arrendatrios dos respetivos

    blocos ou por piso para o exerccio do cargo, em assembleia de arrendatrios, em local a

    definir pelo Municpio de Peniche, na qual estaro representantes desta.

    2- O mandato de cada representante ter a durao de um ano, s podendo ser dispensado,

    oficiosamente, a pedido do prprio, manifestando desinteresse pelas suas funes, ou por

    solicitao expressa dos arrendatrios ao Municpio de Peniche.

    3- Em sede de reunio de arrendatrios, no final de cada mandato ser feita a avaliao, que

    coincidir com a eleio de novos representantes, podendo o representante ser reeleito.

    4- As reunies de arrendatrios devero ocorrer anualmente, podendo em qualquer altura

    ocorrer reunio extraordinria sempre que se justifique.

    Artigo 16.

    Funes do representante do Prdio/Piso

    So funes do representante do prdio/piso o seguinte:

    a) Zelar pelo uso dos espaos ou objetos comuns e pela prestao dos servios de interesse

    coletivo;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    21

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    b) Representar um conjunto de arrendatrios perante o Municpio de Peniche ou

    representantes deste;

    c) Colaborar com Municpio no mbito da gesto do parque habitao social deste;

    d) Dar conhecimento ao Municpio de todos os atos relevantes relacionados com a gesto

    e administrao do prdio/piso;

    e) Esclarecer os arrendatrios sobre os direitos e inform-los sobre os deveres descritos no

    presente regulamento.

    Artigo 17.

    Condomnios

    1 - O presente regulamento aplica-se igualmente aos arrendatrios em regime de

    arrendamento apoiado para habitao, residentes em fraes de propriedade camarria

    inseridos em condomnios.

    2 A Cmara Municipal de Peniche poder delegar um representante com poderes para

    participar nas reunies de assembleia de condminos, por norma efetuadas anualmente.

    CAPTULO IV

    RENDA EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO

    Artigo 18.

    Arrendamento apoiado

    O regime de renda em vigor para o parque de habitao social do Municpio de Peniche

    calculado e definido pelo regime de arrendamento apoiado, em conformidade com o disposto

    na Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, na sua atual redao, ou regime legal que lhe vier a

    suceder.

    Artigo 19.

    Renda em regime de arrendamento apoiado

    1- As habitaes sociais do Municpio esto sujeitas ao pagamento de uma renda calculada

    nos termos do disposto no artigo 21. da Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, ou regime legal

    que lhe vier a suceder, atravs da frmula legalmente imposta.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    22

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2- Para determinao da renda, os agregados residentes tero que apresentar

    obrigatoriamente, os documentos comprovativos da sua condio socioeconmica, e proceder

    ao preenchimento de um formulrio de atualizao do agregado familiar, no prazo que for

    estabelecido para o efeito.

    3- O procedimento a que se refere o nmero anterior, efetuado no balco dos servios

    administrativos do Servio de Ao Social do Municpio de Peniche, devendo apresentar os

    documentos solicitados, acompanhados do formulrio de atualizao devidamente

    preenchido.

    4- A renda mnima no pode ser de valor inferior a 1% do indexante de apoios sociais (IAS)

    vigente em cada momento.

    5- A renda mxima em regime de arrendamento apoiado a renda mxima aplicvel aos

    contratos de arrendamento para fim habitacional em regime de renda condicionada, calculada

    de acordo com regime da Lei n. 80/2014, de 19 de dezembro, e legislao complementar.

    6- Em caso de ausncia total de rendimentos, aplica-se o valor da renda mnima, devendo o

    Municpio proceder ao encaminhamento da situao para as entidades de assistncia e ao

    social competentes.

    Artigo 20.

    Atualizao e reviso da renda

    1- As rendas so atualizadas anualmente, nos termos do artigo 23. da Lei n. 81/2014, de 19

    de dezembro, ou regime legal que lhe vier a suceder, procedendo o Municpio notificao

    atempada dos arrendatrios municipais, para entrega dos documentos a que se refere o

    nmero 2 do artigo anterior.

    2- Quando da reviso da renda, resultar o seu aumento e o arrendatrio no tenha entregue

    os documentos solicitados, no prazo de 30 dias a contar da data da notificao, pode ocorrer

    um agravamento correspondente ao dobro da diferena entre a renda paga e a renda devida

    desde a data da alterao.

    3- O incumprimento injustificado pelo arrendatrio, na apresentao obrigatria dos

    documentos necessrios atualizao da renda, por um prazo superior a 30 dias, d lugar ao

    pagamento por inteiro da respetiva renda mxima, sem prejuzo de constituir fundamento de

    resoluo do contrato de arrendamento.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    23

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 21.

    Pagamento da renda

    1- A renda vence-se no 1. dia til de cada ms, devendo ser paga at ao dia 15 do ms a que

    respeita.

    2- A renda dever ser paga na tesouraria do Municpio de Peniche, sita no Largo do Municpio

    ou atravs de outra forma de pagamento, por esta admitida.

    3- Decorrido o prazo definido no n.1, os arrendatrios titulares do fogo encontram-se em

    situao de incumprimento do pagamento da renda.

    Artigo 22.

    Indemnizao moratria

    1- Ultrapassado o prazo de pagamento referido no n. 1 do artigo anterior, os arrendatrios

    constituem-se em mora e a Cmara Municipal tem direito a exigir, alm das rendas uma

    indemnizao igual a:

    a) 10% do valor da renda at ao termino ms a que diz respeito;

    b) 35% do valor da renda se a mesma for liquidada aps o ms a que diz respeito.

    2 - O incumprimento do estabelecido no nmero anterior, correspondente a mora igual ou

    superior a dois meses de atraso no pagamento das rendas, confere Cmara Municipal de

    Peniche o direito resoluo do contrato, com o consequente despejo, sem prejuzo da

    cobrana das rendas vencidas, vincendas e da respetiva indemnizao.

    Artigo 23.

    Incumprimento do dever de pagamento das rendas

    1- A falta de pagamento das rendas, acrescidas da percentagem que for devida poder

    determinar a resoluo do contrato de arrendamento aps comunicao ao arrendatrio, nos

    termos legais.

    2- Os arrendatrios que apresentem rendas em dvida podero regularizar os pagamentos

    atravs de um plano de amortizao, estabelecido atravs de um Contrato de Confisso de

    Dvida assinado por ambas as partes.

    3- Cada arrendatrio no poder celebrar com o Municpio de Peniche mais do que trs

    Contratos de Confisso de Dvida.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    24

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    4- No caso de incumprimento do disposto nos nmeros anteriores, poder a Cmara

    Municipal deliberar sobre atualizao do mesmo, ou acionar outros mecanismos legais.

    Artigo 24.

    Confirmao das declaraes

    Os dados constantes na ficha social do processo de cada agregado familiar podem, a todo o

    tempo, ser confirmados junto de qualquer entidade pblica ou privada, atravs de visita

    domiciliria ou com pedido de documentos comprovativos da situao socioeconmica.

    CAPTULO V

    CONTRATO DE ARRENDAMENTO

    Artigo 25.

    Celebrao do contrato de arrendamento

    1- O contrato de arrendamento apoiado celebrado por escrito, sempre que possvel atravs

    de documento eletrnico com assinatura eletrnica qualificada, e contm, pelo menos, as

    seguintes menes:

    a) O regime legal do arrendamento;

    b) A identificao do senhorio;

    c) A identificao do arrendatrio ou arrendatrios e de todos os elementos do agregado

    familiar;

    d) A identificao e a localizao do locado;

    e) O prazo de arrendamento;

    f) O valor da renda inicial e a forma de atualizao e de reviso da mesma;

    g) O tempo, o lugar e a forma de pagamento da renda;

    h) A periodicidade da apresentao da declarao de rendimentos do agregado familiar,

    que no pode ser superior a trs anos;

    i) O valor que corresponderia ao valor real da renda sem o apoio.

    2- O contrato de arrendamento apoiado celebrado por um prazo de 10 anos, renovvel

    automaticamente, por igual perodo.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    25

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    3- Qualquer das partes se pode opor renovao do contrato, desde que o comunique

    contraparte com a antecedncia mnima de 240 dias, no caso de oposio do senhorio, e de

    120 dias, no caso de oposio do arrendatrio, relativamente ao termo do contrato ou da sua

    renovao.

    Artigo 26.

    Cessao de contrato

    O contrato de arrendamento pode cessar por acordo das partes, resoluo, renncia,

    caducidade ou denncia, nos termos constantes da legislao aplicvel.

    Artigo 27.

    Resoluo de contrato

    1- Constituem causas de resoluo de contrato, para alm das consignadas no presente

    regulamento e no Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU), no Cdigo Civil e na Lei n.

    81/2014, de 19 de dezembro, ou regime geral que lhe vier a suceder, os seguintes factos:

    a) O incumprimento das obrigaes impostas pelos artigos 8. e 9. do presente

    regulamento.

    b) O incumprimento reiterado do disposto no artigo 13 do presente regulamento;

    c) A falta de pagamento de renda nos termos e prazos previstos e fixados no artigo 21.

    deste regulamento, podendo o despejo suspender-se, caso, antes da sua execuo, o

    arrendatrio apresente documento comprovativo do seu pagamento;

    b) O incumprimento reiterado dos deveres dispostos no artigo 11. do presente

    regulamento, apesar de previamente ser concedido ao arrendatrio um prazo para a

    integral reposio da situao;

    c) A no-aceitao da renda atualizada nos termos do artigo 20. deste regulamento,

    apesar de regularmente comunicada ao arrendatrio;

    d) A recusa, depois de notificados para esse efeito, para demolir ou retirar obras ou

    instalaes, que tenham sido realizadas sem o consentimento da Cmara Municipal

    Peniche e em infrao ao disposto deste regulamento;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    26

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    e) A recusa, depois de notificados, em reparar os danos causados nas habitaes e espaos

    comuns, por responsabilidade do agregado familiar ou do prprio, ou em indemnizar o

    Municpio de Peniche pelas despesas efetuadas com a reparao desses danos;

    f) A ocupao ilegal de habitaes, sem qualquer comunicao Cmara Municipal de

    Peniche, sendo que neste caso h lugar a despejo;

    g) A prestao intencional de declaraes falsas ou a omisso de informaes que tenham

    contribudo para atualizao do processo e do respetivo clculo do valor da renda;

    h) A possibilidade de utilizar de imediato casa prpria ou arrendada;

    i) Incumprimento, aps terminado o prazo de notificao, no sentido de despejo de pessoas

    que no estejam previamente autorizadas pela Cmara Municipal de Peniche a coabitar

    com o arrendatrio;

    j) Subarrendar ou ceder, total ou parcialmente, a habitao arrendada;

    k) Utilizar a habitao para prticas ilcitas, imorais ou desonestas.

    2- Em situaes de ocupao abusiva, a Cmara Municipal Peniche, executar, com carcter de

    urgncia, a desocupao e o despejo dos fogos municipais sociais que se apresentem

    abusivamente ocupados por pessoas e bens.

    Artigo 28.

    Renncia de contrato

    1- O no uso da habitao por parte do arrendatrio ou do seu agregado familiar, por perodo

    superior a seis meses a contar da data da primeira tentativa de contato pessoal por parte do

    Municpio, constitui renncia ao contrato de arrendamento, com exceo dos seguintes casos

    limitados por um perodo at dois anos:

    a) Doena regressiva e incapacitante de permanncia na habitao;

    b) Prestao de trabalho por conta de outrem no estrangeiro ou cumprimento de

    comisso de servio pblico, civil ou militar, em ambos os casos por tempo

    determinado;

    c) Deteno em estabelecimento prisional;

    d) Prestao de apoios continuados a pessoas com deficincia com grau de incapacidade

    a 60%, incluindo a familiares.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    27

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2- A cessao do contrato opera no termo do prazo de seis meses a contar da primeira

    tentativa de contacto pessoal e confere o direito de tomar posse do locado e de considerar

    abandonados a seu favor os bens mveis nele existentes, se aps o decurso de um prazo de 30

    dias, sobre a tomada de posse do locado, no forem reclamados.

    CAPTULO VI

    DOS ARRENDATRIOS

    Artigo 29.

    Direitos dos arrendatrios

    Constituem direitos dos arrendatrios:

    a) O usufruto e utilizao da habitao e das zonas comuns, estas entendidas como

    espaos que no sejam de uso exclusivo de um nico morador;

    b) Requerer a alterao do valor da renda, devendo para o efeito apresentar todos os

    comprovativos necessrios solicitados pelo Municpio de Peniche;

    c) Solicitar transferncia de habitao ou transmisso de direito ao arrendamento nas

    condies estipuladas nos Captulos VIII e IX do presente regulamento;

    d) Exercer o direito de preferncia em caso de venda pelo Municpio de Peniche, da frao

    por si habitada;

    e) Requerer Cmara Municipal Peniche a realizao de obras de conservao quando se

    tornem necessrias ao nvel estrutural, de modo para assegurar o conforto e comodidade,

    desde que estas no se fiquem a dever a utilizao descuidada ou incorreta da habitao,

    de acordo com a prioridade e disponibilidade do servio;

    f) Apresentar sugestes que visem a melhoria do funcionamento dos servios do

    Municpio de Peniche, no que concerne gesto do parque habitacional social e ao

    aumento da qualidade de vida do bairro em que estas se inserem;

    g) Constituir associao de moradores, nos termos da legislao em vigor.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    28

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 30.

    Deveres dos arrendatrios

    Constituem deveres dos arrendatrios:

    a) Comprovar anualmente a composio do agregado familiar e respetivo rendimento

    anual, atravs da entrega de documentos comprovativos indicados pelo Municpio de

    Peniche;

    b) Conservar em bom estado as redes de gua, esgotos e gs, sendo tambm da sua

    responsabilidade as obras de conservao determinadas no artigo 34. do presente

    regulamento;

    c) No destruir nem prejudicar as zonas verdes das reas comuns, ficando consignado que

    o seu ajardinamento poder ser consentido aos moradores pela Cmara Municipal, desde

    que o mesmo contribua para a correta manuteno dessas zonas;

    d) Comunicar Cmara Municipal, por escrito, quaisquer deficincias detetadas na

    habitao;

    e) Indemnizar o Municpio de Peniche no montante por ele despendido na recuperao da

    habitao, por m utilizao.

    Artigo 31.

    Apoio tcnico-social

    O Municpio de Peniche disponibilizar o apoio tcnico-social aos arrendatrios, atravs de um

    acompanhamento integrado s famlias, privilegiado pela proximidade estalecida com os

    moradores, que visa contribuir para a capacitao e autonomizao dos agregados familiares.

    CAPTULO VII

    VISTORIAS E OBRAS NAS HABITAES SOCIAIS

    Artigo 32.

    Acesso ao fogo municipal

    1 - Os arrendatrios municipais devero permitir o acesso s habitaes, aos representantes

    do Municpio de Peniche, quando notificados nos termos previstos do artigo anterior, em data

    e hora a acordar entre as partes.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    29

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2 - A recusa reiterada e injustificada de permitir o acesso s habitaes municipais para os

    efeitos previstos no artigo anterior, confere incumprimento muito grave das obrigaes

    decorrentes da relao contratual, podendo constituir motivo para cessao de contrato de

    arrendamento apoiado.

    Artigo 33.

    Vistoria do fogo municipal

    1 - O Municpio de Peniche pode a todo o tempo, ordenar uma vistoria tcnica aos fogos

    habitacionais dos quais proprietrio.

    2 - A realizao da vistoria referida no nmero anterior tem como objetivo:

    a) Fiscalizar o cumprimento, das obrigaes impostas na legislao aplicvel e no

    presente regulamento, aos arrendatrios municipais;

    b) Verificar o estado de conservao dos fogos habitacionais, nos termos do Decreto-Lei

    n. 266-B/2012, de 31 de dezembro, com especial ateno ao grau de zelo dedicado ao

    mesmo pelos arrendatrios;

    c) Executar trabalhos e servios indispensveis realizao de decises municipais, tais

    como implementar medidas de segurana, corrigir defeitos no fogo ou nos fogos

    contguos ou adjacentes, proceder elaborao de plantas, medies e outros estudos

    destinados execuo de trabalhos de reabilitao, restauro ou com vista

    elaborao de candidaturas.

    3 - O arrendatrio ser previamente notificado da realizao da vistoria por qualquer meio

    legalmente admissvel.

    4 - Da vistoria realizada no fogo habitacional ser lavrado um relatrio com a descrio sucinta

    das diligncias efetuadas e dos trabalhos nele realizados.

    Artigo 34.

    Obras de manuteno e conservao

    1- O arrendatrio responder pelas obras de manuteno e conservao que derivam de

    utilizao normal do fogo, assim como, pelas obras necessrias para corrigir o deficiente

    estado de conservao ou salubridade do fogo habitacional que resulte da utilizao

    descuidada, imprudente e indevida do mesmo.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    30

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2- O arrendatrio responder tambm pelas obras destinadas a reparar todos os danos

    causados nas reas comuns quando os mesmos resultem de ato ou omisso culposa a si

    imputvel, ou a algum elemento do seu agregado familiar.

    3- Compete a todos os arrendatrios, a realizao de todas as obras independentemente da

    respetiva natureza, necessrias para reparar danos provocados, por ao ou omisso dos

    ocupantes e/ou visitantes do fogo habitacional.

    4- A cargo do arrendatrio, ficaro tambm os deveres de manuteno e reparao, nos quais

    se incluem tomadas, interruptores, lmpadas, estores, torneiras, vidros, peas sanitrias,

    pinturas interiores, bichas, fechaduras, autoclismo, ficando por sua conta as reparaes que se

    tornem necessrias.

    5- O arrendatrio s poder executar obras no interior da habitao com o prvio

    consentimento da Cmara Municipal de Peniche, e desde que:

    a) No contendam com a finalidade a que a habitao se destina nos termos previstos

    neste Regulamento;

    b) Sejam executadas com a observncia das regras tcnicas e das disposies legais e

    regulamentares aplicveis;

    c) No modifiquem ou alterem a estrutura das fraes ou de parte destas, tais como a

    abertura de janelas e orifcios, a demolio, no todo ou em parte, de paredes interiores e

    exteriores, ou a realizao de quaisquer construes ou instalaes;

    d) No afetem, nem prejudiquem as habitaes, os bens ou partes comuns, ou alterem

    por qualquer modo os elementos que fazem parte da estrutura do imvel e ainda a

    estabilidade e segurana do edifcio, a linha arquitetnica, o arranjo esttico e a

    uniformidade exterior do prdio, incluindo as respetivas fachadas.

    Artigo 35.

    Deveres do Municpio

    1 - So deveres gerais do Municpio de Peniche no mbito da gesto do parque de habitao

    social:

    a) Gerir o patrimnio habitacional municipal numa tica de sustentabilidade e interesse

    pblico e assegurar, nos termos legais aplicveis, as condies necessrias para garantir o

    fim a que se destina o arrendamento, promovendo, de forma sistemtica e programada, a

  • MUNICPIO DE PENICHE

    31

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    adoo de medidas de conservao do respetivo parque habitacional social em regime de

    arrendamento apoiado;

    b) Proceder verificao peridica das condies de habitabilidade das habitaes

    municipais, nos termos da lei;

    c) Assegurar que o arrendatrio do fogo assuma a limpeza, manuteno e conservao

    dos espaos comuns;

    d) Promover a capacitao do arrendatrio titular fogo e moradores dos fogos de

    habitao social municipal para a participao na gesto do edificado;

    e) Apoiar as iniciativas dos muncipes e das comunidades locais tendentes a resolver os

    respetivos problemas habitacionais;

    f) Suportar os custos com a manuteno peridica dos elevadores e outros equipamentos

    de utilizao coletiva, nomeadamente, antenas, campainhas, sistemas de bombagem,

    central de incndio, cisternas, entre outros desta natureza que existam ou possam vir a

    ser instalados nos diferentes conjuntos habitacionais;

    g) Proceder verificao peridica das condies de recursos dos agregados familiares

    para o arrendamento, nos termos da lei e do presente regulamento.

    2 - Ficam a cargo do Municpio de Peniche as obras de conservao, manuteno e

    reabilitao geral dos edifcios que integram o parque habitacional social municipal,

    designadamente:

    a) Elementos estruturais, tais como a reparao e reabilitao das fachadas e paredes

    exteriores, de manuteno e preservao da rede de gua e esgotos, dos circuitos

    eltricos e outras instalaes tcnicas e equipamentos integrados na reas comuns e de

    utilizao coletiva;

    b) Suportar os custos de manuteno elencados na aliena f) do ponto anterior.

    3 - Ficam ainda a cargo do Municpio de Peniche as obras no interior das habitaes, desde que

    a causa no seja a m e imprudente utilizao por parte do arrendatrio ou elemento do

    agregado familiar, no que respeita substituio de mveis de cozinha, janelas, portas

    interiores e exteriores, rodaps e pavimentos e bichas que de algum modo possam causar

    graves infiltraes.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    32

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 36.

    Benfeitorias

    As benfeitorias realizadas pelo arrendatrio fazem parte integrante do edifcio, no assistindo

    ao arrendatrio qualquer direito ou indemnizao por fora da realizao dessas obras.

    CAPTULO VIII

    TRANSFERNCIA E PERMUTA DE HABITAO

    Artigo 37.

    Transferncia e permuta a pedido do arrendatrio

    1 - O pedido ou proposta de transferncia e/ou permuta, ser formulado por escrito e

    instrudo com os documentos necessrios para comprovar os factos que lhe servem de

    fundamento.

    2 - S sero considerados e deferidos os pedidos de transferncia e/ou permuta de habitao

    do arrendatrio quando:

    a) Transferncia de fogos de tipologia idntica - somente justificvel em casos de doena

    grave ou crnica e deficincias, clinicamente comprovadas;

    b) No existam rendas em atraso;

    c) Por razes de sade crnicas devidamente comprovadas;

    d) As condies de habitabilidade do fogo onde habitam sejam consideradas

    inadequadas, por degradao do edificado;

    e) Quando a tipologia for desadequada ao nmero de elementos do agregado familiar.

    2 - Caso o arrendatrio recuse as habitaes propostas pelo Municpio de Peniche, no decurso

    da instruo do processo de transferncia, a pretenso ser indeferida, no sendo apreciado

    qualquer requerimento que o mesmo venha a formular, com contedo idntico, nos dois anos

    subsequentes aquela deciso.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    33

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 38.

    Transferncia e permuta por iniciativa do municpio

    1- Existindo sub, ou sobre ocupao da habitao arrendada, a Cmara Municipal pode

    determinar, sempre que exista tipologia adequada disponvel, a transferncia do arrendatrio

    e respetivo agregado familiar para habitao de tipologia adequada, nos seguintes casos:

    a) Transferncia de fogos de tipologia superior para tipologia inferior - quando a

    dimenso do agregado familiar justificar a opo pretendida;

    b) Transferncia de fogos de tipologia inferior para superior - quando existir um aumento

    do agregado familiar por nascimento ou adoo e ainda em situaes que existam

    crianas de sexo diferente, com diferena de idades igual ou superior a sete anos.

    CAPTULO IX

    TRANSMISSO

    Artigo 39.

    Transmisso da titularidade de ocupao do fogo

    1 - A titularidade da ocupao do fogo s poder ser objeto de transmisso mediante

    deliberao da Cmara Municipal de Peniche.

    2 A transmisso da titularidade do fogo s admitida nas seguintes situaes:

    a) Divrcio, separao judicial de pessoas e bens ou cessao da situao de unio de

    facto;

    b) Morte de um dos titulares;

    c) Ausncia permanente e definitiva de um dos titulares da ocupao do fogo, bem como

    a sua incapacidade.

    3 - A transmisso da titularidade da ocupao do fogo implica a transmisso de todos os

    direitos, obrigaes e competncias a ela inerentes, e formalizada atravs da elaborao de

    novo contrato de arrendamento.

    4 - O direito transmisso da titularidade da ocupao do fogo, no se verifica se o beneficirio

    desse direito for possuidor de casa prpria ou arrendada, adequada ao seu agregado familiar

    e suscetvel de ser utilizada de imediato.

    5 - A transmisso da titularidade da ocupao do fogo ficar dependente do resultado da

  • MUNICPIO DE PENICHE

    34

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    avaliao da carncia econmica do agregado, luz dos critrios em vigor, sendo autorizada

    apenas quando se mostrem preenchidos os requisitos constitutivos do direito transmisso e

    os requisitos de manuteno da habitao, nos termos do presente regulamento.

    6 - Para efeitos do previsto no presente artigo, os interessados devero apresentar ao Municpio

    de Peniche os respetivos comprovativos da situao que alegam, no prazo mximo de trinta

    dias a contar da verificao do facto.

    7 - No caso de cotitularidades nunca haver lugar a transmisso enquanto sobreviver um dos

    cotitulares, havendo, contudo, e verificando-se uma das situaes previstas no n. 2 do

    presente artigo, ser efetuada uma adenda ao contrato de arrendamento em vigor para atualizao

    do mesmo em conformidade.

    Artigo 40.

    Divrcio, separao judicial de pessoas e bens ou cessao da unio de facto

    1 - Em caso de divrcio ou de separao judicial de pessoas e bens, o destino do fogo,

    enquanto casa de morada de famlia, decidido por acordo dos cnjuges, podendo estes

    optar pela transmisso ou pela concentrao a favor de um deles.

    2 - O disposto no nmero anterior aplicvel com as devidas adaptaes aos arrendatrios do

    fogo que se encontrem em situao de unio de facto, nos termos do previsto na lei, em caso

    da cessao da respetiva unio de facto.

    3 - Na falta de acordo, nas situaes previstas nos nmeros anteriores, cabe ao tribunal

    decidir, a requerimento dos interessados.

    4 - O arrendatrio dever fazer prova junto do Municpio de Peniche da deciso de transmisso da

    casa de morada de famlia homologada pelo juiz ou pelo Conservador do Registo Civil.

    Artigo 41.

    Transmisso por morte

    1 - O direito de ocupao do fogo no caduca por morte do respetivo titular quando lhe

    sobreviva cnjuge com residncia na habitao ou pessoa que vivesse com o titular em unio

    de facto, constituda nos termos da lei, sendo nesse caso a titularidade da habitao objeto de

    transmisso para a pessoa em causa.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    35

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2 - Em caso de morte do arrendatrio titular do fogo, e na falta das pessoas indicadas no

    nmero anterior, a Cmara Municipal pode autorizar, a transmisso da titularidade do fogo

    para elemento do agregado familiar maior de idade, devidamente includo como parte

    integrante do agregado familiar.

    3 - Para efeito do previsto nos nmeros anteriores, havendo vrias pessoas com direito

    transmisso em igualdade de circunstncias, a titularidade do fogo transmite-se para o

    parente ou afim mais prximo ou, de entre estes, para o mais velho, desde que faa parte do

    agregado familiar em conformidade com o contrato de arrendamento.

    Artigo 42.

    Ausncia permanente e definitiva ou incapacidade de um dos titulares do fogo

    1 - A ausncia permanente e definitiva do titular da ocupao do fogo, bem como a sua

    incapacidade, devidamente comprovadas, conferem o direito transmisso da titularidade do

    fogo, a favor do seu cnjuge ou unido de facto, ou na falta deste a favor da pessoa que

    fazendo parte do agregado familiar, e se encontre inscrita no processo de habitao.

    2 - Para efeitos do previsto no nmero anterior, na falta de indicao pelo titular, o Municpio

    de Peniche escolhe, de entre os elementos que integrem o agregado familiar, a pessoa que

    rena as melhores condies para assumir a titularidade da ocupao do fogo.

    Artigo 43.

    Alterao do agregado familiar

    1- Apenas o arrendatrio e o agregado familiar inscrito podero residir no fogo habitacional

    atribudo.

    2- Qualquer alterao na composio do agregado familiar ter de ser previamente apreciada

    e autorizada pelo Municpio de Peniche, salvo as modificaes a seguir indicadas, que em todo

    o caso, tero obrigatoriamente de ser comunicadas e comprovadas para atualizao

    automtica:

    a) Nascimento de descendentes do arrendatrio;

    b) Falecimento ou abandono do lar de qualquer elemento do agregado familiar salvo o

    arrendatrio;

  • MUNICPIO DE PENICHE

    36

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    c) Integrao, no agregado familiar, de pessoas relativamente s quais exista obrigao

    legal de convivncia ou de alimentos devidamente comprovada.

    3- A comunicao que menciona o nmero anterior deve ser acompanhada dos documentos

    justificativos da relao de parentesco ou das obrigaes invocadas.

    4- A verificao de algumas das situaes enunciadas no n. 2 do presente artigo poder

    determinar a transferncia do agregado familiar, oficiosamente ou a requerimento dos

    interessados, para fogo habitacional com tipologia adequada nova composio do agregado

    familiar, caso se verifique disponibilidade para isso no parque habitacional.

    5- Sempre que se constitua um novo ncleo familiar, considera-se ter existido uma

    autonomizao desses elementos, pelo que os mesmos devero prever uma alternativa

    habitacional distinta e deixar de utilizar a habitao.

    Artigo 44.

    Coabitaes

    1 - As coabitaes s sero permitidas desde que oficialmente autorizadas pelo Municpio de

    Peniche e em casos devidamente fundamentados por escrito, se no conduzir sobrelotao

    do fogo arrendado, e desde que exista relao de parentesco devidamente comprovada com o

    arrendatrio.

    2 - Os rendimentos do coabitante no so tidos em considerao para efeitos de clculo do

    valor da renda, sem prejuzo da obrigatoriedade da sua entrega.

    4 - O coabitante no poder permanecer definitivamente na habitao por um perodo igual ou

    superior a seis meses sendo que este, no ter qualquer direito sobre a habitao, devendo

    ser comunicado aos respetivos servios, qual o perodo de durao da estadia e em que

    termos ir permanecer.

    Artigo 45.

    Locao ou hospedagem

    1- Os arrendatrios ou qualquer elemento do agregado familiar, esto proibidos de sublocar,

    total ou parcialmente, os fogos destinados habitao em regime de arrendamento apoiado.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    37

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    2- ainda, expressamente proibido aos arrendatrios permitir a permanncia na habitao

    social de pessoa que no pertena ao agregado familiar inscrito e no tenha sido autorizada a

    coabitar pelo Municpio de Peniche.

    CAPTULO X

    ALIENAO DOS FOGOS

    Artigo 46.

    Alienao

    A Cmara Municipal de Peniche poder deliberar a alienao de fogos afetos habitao

    social, fixando as condies dessa mesma alienao, tendo os respetivos inquilinos o direito

    preferencial na aquisio.

    CAPTULO XI

    DO DESPEJO

    Artigo 47.

    Finalidade

    O despejo destina-se a fazer cessar a situao jurdica de arrendamento das habitaes sociais

    propriedade do Municpio de Peniche, sempre que se verifique incumprimento do contrato de

    arrendamento pela ocorrncia de qualquer causa enunciada no artigo 27. e 28. do presente

    regulamento, verificando-se assim fundamento para a resoluo do mesmo.

    Artigo 48.

    Deciso de despejo

    1- O rgo com competncia para determinar o despejo a Cmara Municipal.

    2- Por via negocial com o arrendatrio, este ter trinta dias para desocupar a habitao de

    pessoas e bens e entregar as respetivas chaves no Municpio de Peniche.

    3- No caso de no ser possvel a negociao, a deciso de despejo seguir para o

    procedimento legalmente aplicvel.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    38

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    4- Quaisquer bens mveis deixados na habitao, aps qualquer forma de cessao do

    contrato e tomada de posse administrativa, so considerados abandonados a favor deste, caso

    no sejam reclamados no prazo de sessenta dias, que deles pode dispor de forma onerosa ou

    gratuita, sem direito a qualquer pedido de compensao por parte do arrendatrio.

    Artigo 49.

    Procedimento de despejo

    1- A comunicao da resoluo do contrato e cessao da utilizao realiza-se atravs de

    notificao, ao arrendatrio, efetuada por carta registada com aviso de receo, ou por

    notificao presencial, atravs de um tcnico do Municpio de Peniche.

    2- A comunicao referida no nmero anterior deve conter, pelo menos, a fundamentao da

    deciso de resoluo do contrato de arrendamento, a meno expressa obrigao de

    desocupao e entrega da habitao, bem como, o prazo concedido para esse efeito e as

    consequncias da inobservncia do mesmo.

    3- A desocupao e entrega da habitao pelo arrendatrio torna-se exigvel, nos termos da

    legislao em vigor, decorridos noventa dias a contar da data da receo da notificao.

    4- Caso no ocorra a desocupao e entrega da habitao nos termos previstos nos nmeros

    anteriores, a Cmara Municipal poder acionar todas as medidas que considerar adequadas.

    CAPTULO XII

    Disposies Finais

    Artigo 50.

    Notificaes

    1- Todas as notificaes efetuadas entre o Municpio de Peniche e os seus arrendatrios

    regem-se pelo estipulado nos nmeros 1 a 8 do artigo 34. da Lei n. 81/2014, de 19 de

    dezembro, na sua atual redao, podendo ser efetuadas por via postal ou pessoalmente.

    2- As notificaes que envolvam a cessao do contrato de arrendamento sero

    simultaneamente, realizadas nos termos do Cdigo do Procedimento Administrativo.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    39

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 51.

    Declaraes

    1- A prestao de falsas declaraes pelos arrendatrios municipais punvel nos termos da

    lei penal.

    2- Os documentos apresentados e as declaraes prestadas pelos arrendatrios municipais

    podem, a todo o tempo, ser confirmadas junto das entidades competentes para atestar os

    factos documentados e declarados.

    Artigo 52.

    Encaminhamento para a rede social

    Todas as situaes consideradas socialmente graves que sejam do conhecimento do

    Municpio de Peniche no mbito do presente Regulamento e cuja resoluo no seja da sua

    exclusiva competncia, sero objeto de encaminhamento para as entidades da rede social.

    Artigo 53.

    Aplicao no tempo

    O presente Regulamento aplica-se a todos os ttulos de ocupao de fogos de habitao

    vigentes e aos que sejam celebrados aps a data da sua entrada em vigor, bem como, s demais

    ocupaes de habitaes sociais propriedade do Municpio de Peniche que nessa data

    subsistam.

    Artigo 54.

    Dvidas e Omisses

    Em tudo o que no estiver disposto no presente Regulamento, aplicar-se- as disposies

    previstas da Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro, na sua atual redao, e demais legislao

    aplicvel.

    Artigo 55.

    Interpretao e preenchimento de lacunas

    Sem prejuzo da legislao aplicvel, a interpretao e os casos omissos ao presente

    Regulamento so resolvidos por deliberao da Cmara Municipal de Peniche.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    40

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    Artigo 56.

    Alterao e reviso

    O presente regulamento poder ser objeto de reviso ou alterao sempre que as condies

    assim o exigirem ou Cmara Municipal assim entender como necessrio.

    Artigo 57.

    Entrada em vigor

    O presente regulamento entra em vigor cinco dias aps a sua publicao no Dirio da

    Repblica, sem prejuzo da sua publicao na internet e nos locais estilo habituais e aplica-se

    quer aos processos iniciados aps a sua entrada em vigor, quer aos processos que, embora

    impulsionados em momento anterior, no tenham sido ainda objeto de deciso, expressa ou

    tcita.

  • MUNICPIO DE PENICHE

    41

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    ANEXO I

    (Anexo II da Lei n. 81/2014, de 19 de dezembro)

    Composio do agregado familiar (nmero e pessoas)

    Tipologia da habitao1 Mnima-mxima

    1.. 2.. 3.. 4.. 5.. 6.. 7.. 8.. 9 ou mais..

    T0 T1/2 T1/2 T2/4 T2/3 T3/6 T2/4 T3/6 T3/5 T4/8 T3/6 T4/8 T4/7 T5/9 T4/8 T5/9 T5/9 T6

    1 A tipologia da habitao definida pelo nmero de quarto de dormir e pela sua capacidade de

    alojamento (exemplo. T2/3 dois quartos, trs pessoas)

  • MUNICPIO DE PENICHE

    42

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    ANEXO II

    MINUTA

    CONTRATO DE ARRENDAMENTO EM REGIME DE ARRENDAMENTO APOIADO

    PARA HABITAO

    ------------- Entre:-------------------------------------------------------------------------------------------

    ------------- Municpio de Peniche, pessoa coletiva de direito pblico nmero 506 812

    820, com sede no Largo do Municpio, 2520-537 Peniche, neste ato representado

    pelo Presidente da Cmara Municipal, Antnio Jos Ferreira Sousa Correia Santos,

    adiante designado por Primeiro Outorgante ou Senhorio; -------------------------------------

    ------------- E__________________________(nome), _________________ (estado

    civil), portador do Carto de Cidado n. ______________, vlido at 00/00/000,

    nascido a ___/___/_____, (Bilhete de Identidade n.000000 de 00/00/0000 emitido

    em 00/00/0000) com o Nmero de Identificao Fiscal _________________,

    casado/a com ________________________(nome), ____________________

    (estado civil), portador do Carto de Cidado n. ______________, vlido at

    00/00/000, nascido a ___/___/_____, (Bilhete de Identidade n.000000 de 00/00/0000

    emitido em 00/00/0000) com o Nmero de Identificao Fiscal _________________,

    ambos com domiclio fiscal em____________________________________ (morada

    e cdigo postal), adiante designados por Segundo(s) Outorgante(s)ou

    Arrendatrio(s). -------------------------------------------------------------------------------------------

    ------------- celebrado e reciprocamente aceite, o presente contrato de

    arrendamento, em Regime de Arrendamento Apoiado para Habitao, no termos da

    Lei n. 81/2014 de 19 de dezembro, alterada e republicada pela Lei n. 32/2016, de

    24 de agosto, aprovado em reunio de cmara de __/__/____, deliberao n. ____,

    que se rege pelas clusulas seguintes: -------------------------------------------------------------

    Primeira

    (Objeto do contrato)

    1 - Pelo presente contrato, o Primeiro Outorgante, na qualidade de legtimo

    proprietrio, d de arrendamento, em regime de arrendamento apoiado, ao/s

    Segundo(s) Outorgante(s) o imvel descrito na Conservatria do Registo Predial sob

  • MUNICPIO DE PENICHE

    43

    Regulamento Municipal de Gesto da Habitao Social em Regime de Arrendamento Apoiado do Municpio de Peniche

    o n________ e inscrito na matriz predial sob o n ______, com o alvar de licena

    de utilizao n________ de tipologia T____ (tipologia), correspondente ao _____

    piso do prdio urbano situado no Bairro ____________________________, n

    _____, da freguesia de Peniche, em Peniche, composto por: sala comum, cozinha,

    _______ quarto (s), _____ casa de banho (s), com a rea total de _____, ----------------

    -------------- --------------------------------------------------------------------------------------------------

    2- O imvel arrendado ao Segundo Outorgante, destina-se exclusivamente ao uso

    habitacional do arrendatrio e seu agregado familiar composto pelos seguintes

    elementos: -------------------------------------------------------------------------------------------------

    a) - (nome completo), (carto de cidado), (NIF), (NISS), (DN), grau de

    parentesco; ---------------------------------------------------------------------------------------

    Segunda

    (Prazo do contrato)

    1 - O prazo de durao do contrato de arrendamento de 10 (dez) anos, com i