REGULAMENTO NACIONAL DE DRESSAGE 2012 - … · do ensino resultante da correcta interpretação da...

of 79 /79
REGULAMENTO NACIONAL DE DRESSAGE 2012

Embed Size (px)

Transcript of REGULAMENTO NACIONAL DE DRESSAGE 2012 - … · do ensino resultante da correcta interpretação da...

  • REGULAMENTO

    NACIONAL

    DE

    DRESSAGE

    2012

  • 1

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO I

    GENERALIDADES

    Art. 401 - Finalidades So finalidades e principais intenes do presente RND: 1. Estabelecer as normas gerais que regulam as actividades ligadas ao Ensino de Competio- DRESSAGE. 2. Orientar de forma racional a preparao do conjunto cavalo / cavaleiro de alta competio, com vista representao nacional ao mais alto nvel. 3. Promover a participao de novos cavalos e ou cavaleiros em competies de ensino, atravs de provas que Ihes so reservadas. 4. Ajudar os cavaleiros sem pretenses internacionais, pondo sua disposio um Regulamento didctico que possibilite o ensino das suas montadas de forma progressiva e criteriosa.

    Art. 402 - Vigncia e aplicao 1. O presente Regulamento entra em vigor a partir de 27 de Janeiro de 2012 e substitui toda a regulamentao precedente. 2. Este Regulamento deve ser aplicado em estreita correlao com os Estatutos, Regulamento Geral (RG) e Regulamento Veterinrio (RV), da FEP. 3. Em todos os casos omissos neste Regulamento, ser aplicado o Regulamento de Ensino da FEl, sendo as situaes no previstas resolvidas pelo Delegado Tcnico, Director de Concurso, pela Comisso de Recurso ou pela FEP. 4. O presente Regulamento pode ser revisto e actualizado anualmente, mantendo-se em vigor enquanto a FEP assim o entender.

  • 2

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO II

    DAS PROVAS

    Art. 403 - Nveis de competio As provas de Dressage disputam-se mundialmente, em dois nveis diferentes: a. Nvel Nacional, da responsabilidade das Federaes Nacionais; b. Nvel Internacional, promulgado pela FEl.

    Art. 404 - Graus de dificuldade Ao nvel de competio nacional, so estabelecidos os seguintes graus de dificuldade: Preliminar, Elementar, Mdio e Complementar.

    1 - Grau Preliminar (P) Visa iniciar o cavalo nos princpios bsicos da dressage de competio. Conquistada a confiana do poldro na domesticao, o cavaleiro deve, durante o desbaste, garantir a calma empregando ajudas simples e suaves, s quais o jovem cavalo seja capaz de obedecer sem tentar furtar-se ou lutar contra elas. Nestas provas, procura-se o movimento solto e ritmado para diante, em descontraco fsica e moral, entrando o cavalo nas rdeas (para se encostar). Mais do que a preciso da execuo, interessa a progressividade e o comportamento obediente do cavalo novo. Andamentos de trabalho, crculos grandes, transies progressivas e curta imobilidade, podem ser pedidos.

    2. Grau Elementar (E) J iniciados nas lides da dressage, o cavalo e cavaleiro tm agora que demonstrar que o fizeram de forma correcta, movimentando-se o animal com a facilidade resultante no s das bases anteriores, mas tambm da adaptao, controlada pelo cavaleiro, da encurvao da sua coluna vertebral, curvatura ou rectitude do exerccio pedido. Para alm daquela obedincia calma e descontrada, est j em causa a prontido de resposta s ajudas impulsivas, aceitao e procura do contacto com a mo do cavaleiro. So manifestaes desta suave mas inequvoca resposta s ajudas, a fixidez da atitude. Aumentos de amplitude das passadas, crculos mdios, serpentinas a trote, esboos de serpentina a galope e cedncia perna, podem ser pedidos.

    3. Grau Mdio (M) Controlada lateralmente a linha de cima (coluna vertebral com os msculos e ligamentos que a acompanham), h que desenvolver a sua flexibilidade longitudinal, a partir de uma activao e entrada dos posteriores para debaixo da massa, sem precipitao do andamento ou alterao da colocao e manuteno do cavalo na mo. Estas provas j exigem progressos no equilbrio e na impulso, que permitam ao cavaleiro, concentrar ou alargar os andamentos, bem como movimentos laterais. Digamos que o incio da

  • 3

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    concentrao, sem qualquer excesso ou bloqueio no quadro de ajudas do cavaleiro, vai comear a gerar uma certa distino nos andamentos do cavalo. Andamentos concentrados, mdios e largos, galope invertido ou ao revs, recuar, espdua a dentro, ladear, meia-pirueta a passo, passagens de mo simples (com transio pelo passo) e passagens de mo isoladas sem preciso de local, podem ser pedidos. Grau de dificuldade equivalente ao grau Children do RGE/FEI.

    4. Grau Complementar (C) Correspondendo ao grau de dificuldade mais elevado previsto neste Regulamento, estas provas foram concebidas para verificar se o cavalo j adquiriu, no s um elevado grau de impulso e equilbrio mas tambm a necessria rectitude e concentrao, sempre sem alterao do contacto elstico. A mais completa sujeio na concentrao e na extenso, deve manifestar-se por transies correctas, isto , enrgicas mas suaves, com clara converso de amplitude em elevao nos encurtamentos, e vice-versa nos alargamentos, sem alterao do ritmo do andamento. A qualidade do ensino resultante da correcta interpretao da Escala de Treino (ver art. 454 deste Regulamento) permitir ao conjunto ascender s provas de nvel Internacional. Contra-passagens de mo a trote, passagens de mo aproximadas e exerccios preparatrios para as meias piruetas a galope podem ser pedidos. Grau de dificuldade equivalente ao grau Juniors do RGE/FEI.

    Art. 405 - Conceito de qualificao 1. Na data de entrada em vigor deste Regulamento, consideram-se os conjuntos qualificados para os mesmos graus em que disputaram provas no ano anterior. Os conjuntos que no disputaram provas no ano anterior so qualificados para o grau que tinham no ano antecedente. 2. O critrio da qualificao resulta do seguinte conceito: a) Um conjunto poder sempre disputar provas do seu grau sem limite de tempo determinado,

    abrindo-se-lhe porm a hiptese de experimentar as provas do grau superior, s sendo obrigado a transitar para este quando obtenha por 5 vezes no espao de um ano, classificaes iguais ou superiores a 65%.

    b) A obrigao de transitar referida na alnea anterior s dever ser realizada no incio do ano seguinte aquele em que alcanou as referidas classificaes.

    c) Inversamente, permitido que os conjuntos regressem ao grau inferior at ao final do ano civil, sempre que por 3 vezes consecutivas obtenham percentagens inferiores a 55%.

    Art. 406 - Qualificao para os diversos graus

    1. Grau Preliminar Concebido prioritariamente para os cavalos com idade mnima de 4 anos.

  • 4

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    2. Grau Elementar Concebido prioritariamente para os cavalos com idade mnima de cinco anos.

    3. Graus Mdio e Complementar

    Destinado a cavalos com idade mnima de 6 anos. 4. Nvel Internacional

    As provas de nvel internacional so abertas a todos os cavalos a partir de:

    - Nvel Juniores FEI 6 ou mais anos - Nvel Young Riders / PSGeorge FEI - 7 ou mais anos - Nvel Grande Prmio 8 ou mais anos e mais de 149cm de altura, medidos ao garrote.

    Art. 407 - Cavaleiros Debutantes

    Considera-se debutante em dressage durante uma poca, o cavaleiro que nunca tenha disputado provas desta disciplina, incluindo as que fazem parte do Concurso Completo de Equitao e Equitao de Trabalho.

    Art. 408 - Nmero de provas permitido a cada conjunto por dia 1. Em cada concurso um concorrente poder montar at seis cavalos, sendo o limite normal de dois por prova. Poder a comisso organizadora aceitar at o mximo de trs cavalos por prova. Neste caso no ser obrigatrio que a ordem de entrada respeite o intervalo regulamentar de 30 minutos. 2. Diariamente, cada conjunto poder participar em duas provas sendo uma do grau para o qual est qualificado e outra de grau superior (Art 405, n2, alnea a)), ou inferior (neste ltimo caso fora de prmio). Esta possibilidade poder ser impedida pela Organizao de um Concurso por razes de tempo til. 3. O mesmo cavalo pode participar em duas provas por dia, com cavaleiros diferentes, desde que um deles seja Iniciado.

    Art. 409 - Participao de Iniciados, "Juvenis", "Juniores", Jovens Cavaleiros, Seniores e Veteranos

    1. Nos termos do Art.26 do RG/FEP: a) Iniciado o cavaleiro a partir do incio do ano em que atinge os 8 anos, at ao fim do ano em que perfaz 11 anos. b) Juvenil o cavaleiro a partir do incio do ano em que atinge os 12 anos, at ao fim do ano em que perfaz 13anos.

  • 5

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    c) Jnior o cavaleiro a partir do incio do ano em que atinge 14 anos, at ao fim do ano em que perfaz 18anos. d) Jovem Cavaleiro o praticante a partir do ano em que atinge os 16 anos, at ao fim do ano em que perfaz 21anos. e) Snior o praticante a partir do incio do ano em que atinge os 19 anos. f) So Veteranos os praticantes a partir do incio do ano em que atingem os 40 anos (Senhoras) e 45 anos (Homens). 2. Os cavaleiros Iniciados, Juvenis, Juniores e Jovens Cavaleiros podero participar nas provas para Seniores nas mesmas condies destes, com as seguintes limitaes: a) Aos cavaleiros Iniciados s permitida a participao nas provas at ao grau mdio. b) vedada aos Juniores e Jovens Cavaleiros a sua participao no Campeonato de Portugal de Seniores, desde que seja organizado o seu prprio Campeonato

    Art. 410- Provas livres com msica As provas livres com msica (Freestyle) foram concebidas para interessar o pblico, criar impacto junto dos meios de comunicao social e desenvolver o sentido artstico do cavaleiro. So provas de equitao clssica, com uma forte componente artstica, com acompanhamento musical que incluem todos os andamentos e excerccios prprios de cada grau de dificuldade. O cavaleiro , no entanto, completamente livre de criar a sua prpria coreografia dentro do limite de tempo especificado pelo regulamento. A coreografia dever demonstrar uma clara sincronia entre cavaleiro e cavalo bem como uma harmonia em todos os movimentos e transies. A FEP poder autorizar a realizao de provas livres com msica para todos os graus de dificuldade existentes no regulamento nacional bem como provas de pares (pas de deux) desde que tal lhe seja solicitado pelas Comisses Organizadoras e que sejam cumpridos todos os requisitos dos Regulamentos FEP e FEI.

  • 6

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO III

    DOS CONCURSOS

    Art. 411 - Categorias dos concursos 1. Os Concursos de Ensino ou Dressage, assim entendidos na interpretao do Art. 3 do RG/FEP, dividem-se nas seguintes categorias:

    - Concurso de Dressage Internacional .. CDI - Concurso de Dressage Nacional . CDN - Concurso de Dressage Especial .. CDE - Concurso de Dressage Regional .. CDR - Campeonato de Portugal de Dressage ... CPD - Campeonato de Portugal de Dressage OPEN ... CPDO - Critrios de Cavalos Novos ... CCN - Taa de Portugal de Dressage ............... TPD - Campeonato Regional dos Aores de Dressage ... CRAD - Taa Aores de Dressage ................ TAD - Critrios de Cavalos Novos dos Aores .. CCNA - Campeonato Nacional de Escolas ... CNED - Campeonato de Portugal de Equitao Adaptada CPEA - Campeonato de Portugal de Cavaleiros Profissionais . CPCP

    2. Com este escalonamento, pretende-se facultar s organizaes opes diversificadas no que respeita ao nvel das provas a realizar e correspondentes custos em prmios e infra-estruturas. 3. Assim, os Concursos de Dressage (CD) devem prever a realizao das seguintes provas:

    a) CDI - Concurso de Dressage Internacional Nestes Concursos, o programa sujeito a aprovao da FEI

    b) CDN Concurso de Dressage Nacional (De acordo com o Anexo K) Nestes Concursos realizam-se Provas dos seguintes graus: - Grau Preliminar - P

    - Grau Elementar E - Grau Mdio - M - Grau Complementar - C

    - Provas FEI cavalos novos de 4 anos - Provas FEI cavalos novos de 5 anos - Provas FEI cavalos novos de 6 anos

    - Grau S. George - PSG - Grau G. Prmio - GP c) CDE Concurso de Dressage Especial

  • 7

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Sem graus preestabelecidos, estes concursos, autorizados caso a caso pela FEP visam permitir s comisses organizadoras incluir provas de Dressage de vrios graus e nveis de dificuldade, para qualquer grupo etrio de cavaleiros, em eventos equestres de qualquer natureza, como sejam feiras, jumpings e outros. Estes concursos tm, obrigatoriamente, prmios pecunirios.

    d) CDR Concurso de Dressage Regional (de acordo com o Anexo V) Sem graus preestabelecidos, estes concursos, autorizados caso a caso pela FEP visam permitir aos Centros Hpicos e s Comisses Organizadoras realizar provas de Dressage de vrios graus e nveis de dificuldade, para qualquer grupo etrio de cavaleiros, em eventos equestres de qualquer natureza. Estes concursos no tm prmios pecunirios.

    e) CPD Conforme definido no artigo 413 f) CCN Conforme o definido no artigo 414 g) TPD Conforme definido no artigo 412 h) CRAD Conforme definido no Anexo O i) TAD - Conforme definido no Anexo P j) CCNA Conforme definido no Anexo Q k) CNED Conforme definido no Anexo R l) CPD OPEN Conforme definido no Anexo T m) CPCP Conforme definido no Anexo N

    Art. 412- Taa de Portugal de Dressage

    1. Com vista a garantir aos cavaleiros de Dressage um mnimo de Concursos anuais, (em regra 4 jornadas +1 final), suficientemente aliciantes e progressivos, que ponham prova a correta evoluo do ensino dos seus cavalos, realizar-se-o em cada ano, um conjunto de provas de ensino dos diferentes graus, designadas por Jornadas da Taa de Portugal de Dressage, a ltima destas jornadas designada por Final da Taa de Portugal de Dressage. 2. Tem acesso Final da Taa de Portugal de Dressage todos os conjuntos que obtenham nas Jornadas qualificativas, pelo menos dois resultados de 55% ou mais em cada um dos trs nveis de dificuldade do grau em que competem. 3. A Final da Taa de Portugal de Dressage ser realizada em trs dias seguidos e a classificao ser obtida pela adio dos pontos atribudos, em cada uma das trs provas que a constituem. A atribuio de pontos obedece ao seguinte critrio: - 1 Classificado n+1 - 2 n -1 - 3 n -2 - 4 n -3 (e assim sucessivamente at ao ltimo classificado que pontua 1 ponto). Sendo n igual ao nmero de conjuntos inscritos na prova.

  • 8

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4. Em caso de igualdade de pontos o desempate ser obtido pela maior percentagem obtida no terceiro dia de provas, se se mantiver, pela mdia das percentagens obtidas nos terceiro e segundo dias de provas, se se mantiver, pela mdia das percentagens obtidas nos trs dias de provas. 5. Cada cavalo apenas poder disputar um nico grau das Taas de Portugal. Excetuam-se desta regra apenas os cavalos que sejam tambm montados por Cavaleiros Iniciados. 6. As Taas de Portugal de Dressage (TPD) sero disputadas anualmente nos seguintes graus:

    - Preliminar: Reservado a cavalos de 4 anos - Elementar: Reservado a cavalos de 5 anos - Mdio: Reservado a cavalos de 6 anos - Complementar: Reservado a cavalos com o mnimo de 6 anos - S. George e Intermediria I: Reservado a cavalos com o mnimo de 7 anos - Intermediria II e Grande Prmio: Reservado a cavalos com o mnimo de 8 anos

    7. Paralelamente com as Jornadas da Taa de Portugal de Dressage (TPD) podero as Comisses Organizadoras realizar um CDE ou CDR aberto aos conjuntos federados cujas montadas no se enquadrem no nmero anterior. 8. Durante as jornadas classificativas os prmios sero responsabilidade das Comisses Organizadoras. Na Final da Taa, para alm dos Prmios pecunirios e dos diplomas, a FEP poder atribuir taas ou objetos de arte ao 1 lugar e medalhas aos 2 e 3 lugares de cada Grau. Os prmios pecunirios atribudos s sero distribudos aos conjuntos que obtiverem, na mdia das trs provas que constituem a Final, uma percentagem mnima de 62%.

    PROVAS A REALIZAR DURANTE AS VRIAS JORNADAS

    JORNADAS 1 DIA 2 DIA 3 DIA

    1 P, E, M, C Nvel 1 S. George Intermediria II

    P, E, M, C Nvel 1 S. George Intermediria II

    ---

    2 Grau P, E, M, C Nvel 1 S. George Intermediria II

    Grau P, E, M, C Nvel 2 Intermediria I Grande Prmio

    ---

    3 P, E, M, C Nvel 2 Intermediria I Grande Prmio

    P, E, M, C Nvel 2 Intermediria I G.Prmio Especial

    ---

    4 P, E, M, C Nvel 3 Intermediria I G. Prmio Especial

    P, E, M, C Nvel 3 Intermediria I Kur G.Prmio Kur

    ---

    Final P, E, M, C Nvel 1 S. George G. Prmio

    P, E, M, C Nvel 2 Intermediria I G. Prmio Especial

    P, E, M, C Nvel 3 Intermediria I Kur G. Prmio Kur

  • 9

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Art. 413 - Campeonatos de Portugal de Dressage

    1. Disputar-se-o anualmente os Campeonatos de Portugal de Dressage (CPD) dos seguintes escales:

    - Seniores - Iniciados - Juvenis - Juniores - Jovens Cavaleiros - Veteranos - Equitao Adaptada (segundo Regulamento prprio)

    2. Os CPD esto abertos a todos os cavaleiros federados de nacionalidade portuguesa, que tenham durante esse ano obtido determinadas percentagens em seis Provas Qualificativas do grau de dificuldade em que se disputaro os Campeonatos. 3. a) So qualificativos para o CPD os Concursos de Dressage das seguintes categorias: CDN, CDI e CDI-Y/J (disputados em Portugal ou no estrangeiro). Para a Equitao Adaptada, Provas Qualificativas so todas as anteriores bem como as Provas Internacionais/ FEI Paraequestrian a partir de Janeiro de 2010. b) Os cavaleiros que efectuem as qualificaes em Concursos de Dressage realizados fora de Portugal devem, atempadamente, fazer prova dos resultados obtidos mediante apresentao na FEP dos mapas de resultados das provas em que participaram, devidamente autenticados pela Federao Nacional ou Regional tutelar. c) Aos cavaleiros que, por qualquer motivo, no tenham efectuado provas qualificativas e desejem participar no CPD ser-lhes- facultada a possibilidade de se qualificarem obtendo na primeira prova (primeiro dia) da Grande Final pontuao correspondente percentagem mnima de 67%. Esta alnea aplica-se a todos os escales. 4. As percentagens mnimas exigidas no n 3 do presente artigo so as seguintes:

    - Para o escalo Snior...60% - Para o escalo Iniciado....55% - Para o escalo Juvenil..55% - Para o escalo Jnior....60% - Para o escalo Jovens Cavaleiros..60% - Para o escalo Veterano...60% - Para a Equitao Adaptada.....55%

    5. As qualificaes sero obtidas nos seguintes graus:

    - Escalo Snior: Intermediria II, Grande Prmio, G. Prmio Especial e G. Prmio Freestyle - Escalo Iniciado: Grau Elementar (E) - Escalo Juvenil: Grau Mdio (M) - Escalo Jnior: Grau Jnior FEI - Escalo Jovens Cavaleiros: Grau Young Riders FEI - Escalo Veterano: Grau Complementar (C) - Equitao Adaptada: segundo Regulamento prprio

    6. O CPD ser disputado sobre 3 Provas, em dias sucessivos ou intervalados. Estas Provas sero de nvel a definir em cada ano, podendo uma delas ser Livre com Msica.

  • 10

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    7. 3 Prova do CPD s sero admitidos os 10 melhores conjuntos (por adio de percentagens) de entre os que disputaram as duas primeiras provas, sendo entre eles encontrado o Campeo e Vice Campeo de Portugal de cada escalo (por adio de percentagens das 3 provas que constituem o CPD). 8. Em caso de empate sero as notas de conjunto ou as notas artsticas, relativas ltima prova realizada, que desempataro. Se ainda assim persistir o empate, ser a nota de Cavaleiro (posio e assento, correco e efeito do emprego das ajudas) obtida no conjunto das provas do CPD que desempatar. 9. Na ltima Prova do CPD nenhum cavaleiro poder montar mais de um cavalo. Caso tenha 2 ou mais cavalos apurados, ter que optar por um deles. 10. As Provas do CPD devero ser julgadas por 5 Juzes, sendo o Presidente Juiz Internacional ou Candidato a Juiz Internacional. 11. S se realizar o CPD de cada escalo desde que haja um mnimo de 3 conjuntos apurados e inscritos. Em quaisquer outras circunstncias no sero atribudos os ttulos de Campeo e Vice-Campeo de Portugal. 12. De acordo com o disposto no Art. 431 deste Regulamento, nas 3 Provas que constituem o CPD do escalo Snior, Jovens Cavaleiros e Jnior ser interdito o uso de vara em todo o recinto de provas; excepo do campo de aquecimento. 13. A ordem de entrada dos conjuntos dever ser objecto de sorteio para os 1 e 2 dias do CPD. Para o 3 dia os conjuntos entraro pela ordem inversa da classificao obtida no conjunto das duas primeiras provas. 14. Entende-se que o Campeonato de Portugal de Dressage, sendo a prova mxima do calendrio desportivo, deve ser referncia para a seleco das equipas nacionais representantes de Portugal nos Campeonatos de Dressage Internacionais Oficiais, Campeonatos da Europa, Campeonatos do Mundo e Jogos Olmpicos. Para integrar as equipas nacionais com representao nos eventos atrs referidos sero preferencialmente seleccionados os conjuntos que participaram no Campeonato de Portugal de Dressage do ano antecedente. Consideram-se excepes a esta regra os cavaleiros no residentes bem como situaes ponderosas de incapacidade fsica de cavalos ou cavaleiros.

    Art. 414 - Critrios de Cavalos Novos (CCN)

    1. Por Critrios de Cavalos Novos entendem-se os Concursos constitudos por um conjunto de provas com a finalidade de apurar, em cada ano, o melhor Cavalo de Dressage de 4, 5 e 6 anos. 2. Dada a sua finalidade, desejvel que estes Critrios (CCN) tenham lugar em simultneo e em conjunto com os Campeonatos de Portugal de Dressage (CPD). 3. Estes Critrios devem ser disputados em 2 dias, sendo as provas a realizar as seguintes: - 4 Anos: Provas FEI 4 anos e FEP P3 - 5 Anos: Provas FEI de 5 Anos - 6 Anos: Provas FEI de 6 Anos

  • 11

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4. Ser vencedor de cada Critrio o cavalo que obtenha a mdia de pontuao mais elevada no conjunto das duas provas realizadas.

    CAPTULO IV

    DA ORGANIZAO DOS CONCURSOS

    Art. 415 - Calendarizao e suspenso de concursos

    1. Nos termos do Art.18 do RG/FEP as Comisses Organizadoras (CO) que pretendam organizar Concursos de Dressage devem, at 15 de Outubro de cada ano, comunicar por escrito FEP a sua pretenso indicando a data e datas alternativas, bem como a categoria do Concurso que pretendem realizar.

    Este pedido deve ser acompanhado da taxa de organizao no valor anualmente fixado pela FEP a qual ser devolvida no caso do concurso no ser autorizado, por razes que a FEP entenda vlidas. 2. Igualmente nos termos do RG/FEP qualquer CO que desista de realizar o seu concurso deve, de imediato, comunicar esse facto FEP e aos tcnicos e concorrentes se for o caso. a) Se a desistncia se verificar antes do Programa aprovado, no ser restituda taxa de organizao; b) Se a desistncia se verificar depois do Programa aprovado, a CO, alm do regulamentado em a), fica sujeita a: (1) Obrigatoriamente, avisar por fax ou e-mail todos os tcnicos e cavaleiros inscritos e indemnizar das despesas os proprietrios dos cavalos que iniciarem viagem ou j tenham chegado ao local do concurso. Esta indemnizao ser acordada entre a CO e os interessados, e se no houver acordo ser arbitrada pela FEP Nota: Estes procedimentos s sero possveis e obrigatrios para os casos de boletins de inscrio devidamente preenchidos. (2) Multa da FEP c) Um concurso s se realizar, obrigatoriamente, com um mnimo de 10 conjuntos inscritos. No caso deste nmero mnimo no ser atingido devero as CO comunic-lo FEP, aos tcnicos e aos cavaleiros inscritos, sem o que incorrero nas sanes mencionadas em b).

    Art. 416 - Programas provisrio e definitivo

    1. Nos termos do RG/FEP, as CO devem enviar FEP os Programas Provisrios para aprovao at 2 meses antes da realizao do concurso. Estes Programas tero de ser enviados em suporte digital, de acordo com a minuta estabelecida para este fim e disponvel no site da FEP.

  • 12

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    2. Deste Programa devem constar os seguintes elementos: - Informao Geral

    Categoria do Concurso Horrio geral Comisso Organizadora Comisso de Honra Inspeco Veterinria Programa das Provas Indumentria Informao de sobre o alojamento dos cavalos (boxes, medidas, custo) Prmios

    - Elenco Tcnico

    Director de Concurso Juzes Comisso de Recurso Delegado Tcnico Assistncia Mdica Assistncia Veterinria Locuo Resultados Secretariado / Informao

    - Condies

    Pistas (piso e medidas) Pistas de aquecimento (piso, localizao e medidas)

    - Calendrio e local da prova - Condies de Inscrio

    Cavalos e cavaleiros autorizados Prazos Valor Limite do n. de cavalos

    - Documentao necessria para os Equinos - Reclamaes e caues - Instalaes de cavalos - Outras indicaes teis (indicao de hotis, itinerrios, contactos de interesse, etc. ...)

    3. Aps aprovao final pela FEP do Programa Provisrio, deve ser elaborado o Programa Definitivo e difundido a tempo dos concorrentes poderem cumprir os prazos de inscrio. 4. O Programa Definitivo, para fornecimento aos concorrentes e distribuio ou venda ao pblico, deve incluir, alm dos elementos obrigatrios do Programa Provisrio, os seguintes:

  • 13

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    a) Declarao que o concurso decorre sob os Regulamentos e aprovao da FEP;

    b) Horrio das provas;

    Art. 417 - Inscries

    1 - Desde que as Comisses Organizadoras publiquem os seus programas atempadamente, as inscries esto abertas desde o momento dessa publicao, no mnimo 30 dias antes do concurso. O fecho das inscries dever respeitar o prazo mnimo de 10 dias de abertura. A partir dessa data podero as CO aceitar concorrentes fora de prazo mediante o pagamento antecipado do dobro dos valores do aluguer de boxe e prpria inscrio. As inscries podem ser feitas em impresso prprio (anexo A) totalmente preenchido e assinado, ou por carta, fax ou email, devendo neste caso constar todos os elementos relevantes de identificao do conjunto e acompanhado do respectivo quantitativo da inscrio. Todos os conjuntos (cavaleiro e cavalo) que no indiquem o seu nmero FEP sero inscritos Fora de Prmio.

    2. Nos termos do art. 22 do RG/FEP as desistncias das inscries devem ser comunicadas at ao fecho das mesmas, podendo a CO, neste caso, reter 10% do seu valor, a ttulo de despesas de expediente.

    As desistncias feitas aps a data do fecho das inscries e at antevspera do incio das provas implicam a perda de 30% do valor da inscrio. Desistncias comunicadas posteriormente ou a falta de comparncia no justificada, incorrem em multa igual ao dobro do valor da inscrio ou da cauo bem como podero ainda sofrer sanes previstas no corpo do mesmo artigo 22 do RG/FEP 3. As inscries, irregulares, no oportunamente corrigidas, acarretaro:

    a) A sua anulao quando constatadas antes da prova; b) A eventual desclassificao e devoluo dos prmios, depois da prova; c) Em qualquer caso a perda do quantitativo da inscrio; d) Nenhum concorrente poder iniciar um Concurso sem ter efectuado o pagamento das suas

    inscries. 4. As CO devem exigir uma cauo no valor de 25 para que possa ser aceite a inscrio. O valor desta cauo ser conforme os casos, devolvido ou entrar em contas como uma vulgar inscrio. 5. As CO comprometem-se a s fazer o depsito dos cheques recebidos para o pagamento de caues ou inscries no dia seguinte ao da ltima prova de cada concurso. 6. O valor da inscrio tem de constar no programa do concurso. 7. Qualquer prova que no contemple a atribuio de prmios pecunirios no pode ter um valor de inscrio superior a 25 por conjunto. 8. Nas provas em que esteja contemplada a atribuio de prmios pecunirios, o valor da inscrio dever ser estipulado proporcionalmente ao montante dos prmios monetrios a atribuir em cada

  • 14

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    uma das respectivas provas, devendo, em qualquer caso, a sua fixao respeitar o facto de o valor dos prmios monetrios at ao 4 lugar, no ser inferior ao valor de inscrio.

    9. Podem ser estipulados valores de inscrio diferentes, para provas de diferentes graus de dificuldade, no entanto os limites anteriormente determinados devero ser sempre respeitados.

    Art. 418 - Ordem de entrada

    1. O sorteio da ordem de entrada dos concorrentes deve ser feito na presena do Delegado Tcnico da FEP ou do Presidente de Jri do Concurso. 2. Se um cavaleiro montar mais que um cavalo, a ordem de entrada deve ser estabelecida, de forma a garantir um intervalo mnimo de 30 minutos entre as suas apresentaes. 3. O jri no pode chamar um concorrente antes da hora afixada a no ser com a concordncia deste. 4. A ordem e hora de entrada dos concorrentes ser afixada, no mnimo, com 12 horas de antecedncia.

    Art. 419 - Secretariado 1. indispensvel a existncia de um responsvel pelo apoio de secretaria, o qual dever:

    a) Conhecer nas suas grandes linhas as Normas e Regulamentos; b) Proceder distribuio das pastas dos Juzes que devem conter as ordens de entrada e as folhas de notao; c) Ser assistido por:

    - 2 Secretrios auxiliares, encarregados do clculo e imediata afixao dos resultados provisrios;

    - 1 Secretrio leitor por cada um dos Juzes;

    - 1 Elemento de ligao entre o Jri e o Secretariado.

    Art. 420 - Processo do concurso

    1. Aps o Concurso, a CO deve enviar FEP no prazo de 8 dias, o processo do concurso acompanhado das verbas que de acordo com o RG lhe caibam.

    2. O Processo do Concurso consta de: a) Programa do Concurso; b) Lista dos concorrentes entrados em cada prova; c) Relao dos prmios atribudos, indicando os conjuntos premiados;

  • 15

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    d) Quadro contendo as pontuaes atribudas por cada Juiz, total geral, pontuao mdia, percentagem obtida por cada conjunto e classificao. (Quadro de resultados em anexo C); e) Justificativo das importncias devidas FEP: (1) eventualmente outras verbas que caibam FEP (multas, ou depsitos de recursos) f) Relatrio das infraces disciplinares havidas ou outras irregularidades, bem como dos procedimentos aplicados ou sanes impostas pelos Jris. g) Qualquer outro assunto ou sugesto

    Art. 421 - Encargos com os tcnicos

    1. As C. O. tm a seu encargo o alojamento, a alimentao e as despesas de transporte dos Oficiais da

    FEP nomeados para o concurso. Alm disso, devem atribuir um subsdio dirio aos membros do Jri e Comissrios (Anexo X).

    2. As despesas de transporte, para alm de 50 km, quando o Oficial viaja em automvel prprio,

    calculam-se com base no dobro dos quilmetros entre a residncia e o concurso, e tem por base os valores divulgados anualmente em circular pela FEP, ao que deve acrescer o valor gasto em portagens.

    Art. 422 - Difuso de resultados Alm da prvia propaganda junto do pblico, devem as CO prever, no fim de cada dia de provas, a difuso dos resultados pelos meios de comunicao social.

    Art. 423 - Inspees Veterinrias

    Sero unicamente obrigatrias no Campeonato de Portugal de Dressage, no Campeonato de Portugal de Dressage OPEN e na Taa de Portugal de Dressage.

    Haver contudo controle de documentos de identificao e sanidade de equinos efectuado pelo mdico-veterinrio de servio.

  • 16

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO V

    DAS ESTRUTURAS

    Art. 424 - Alojamento de cavalos e tratadores 1. A CO deve garantir alojamento para cavalos e tratadores desde dois dias antes do incio do concurso at um dia depois da sua concluso.

    a) A instalao para cavalos deve ser adequada e segura, tendo as boxes as dimenses mnimas de 9m2 (3x3) b) Poder ser facultado espao reservado para os arreios e respectivas caixas. No caso de se tratar de uma box dever ser solicitada pelo concorrente para o efeito, e ser paga ao preo que a organizao definir. c) Em todos os Concursos com mais de um dia de provas, tem de haver instalaes sanitrias para tratadores, se possvel com duche quente para homens e senhoras, de preferncia junto da instalao dos cavalos. Para os outros concursos so aconselhveis tais instalaes. d) Devem estar previstos locais onde os tratadores possam adquirir a sua alimentao. e) Deve existir palha/aparas e alimento concentrado (rao) que possam ser adquiridos para a cama e/ou alimentao dos cavalos.

    Art. 425 - Terreno e instalaes anexas 1. Piso e dimenses

    A pista deve ser plana e nivelada, com 60 metros (ou 40 metros) de comprimento e 20 metros de largura. A diferena de nvel ao longo da diagonal ou do comprimento no deve, em caso algum, exceder 0,60 metros (ou 0,40 metros) no comprimento e 0,20 metros na largura. O piso deve ser elstico e homogneo constitudo predominantemente por areia. A linha do meio, os trs pontos D, X e G e um metro para cada lado destes, devem ser marcados no terreno de forma discreta (com rolo ou ancinho). As medidas referidas so do interior da vedao a qual deve estar separada do pblico por uma distncia no inferior a 10 metros. A FEP poder conceder exceo a esta regra. Nas competies "indoors" a pista deve ter uma distncia, no mnimo, de 2 metros "teia" ou parede. A vedao deve ser branca com cerca de 0,30 metros de altura. A parte da vedao junto a "A" deve ser fcil de mover para a entrada e sada dos concorrentes. A entrada deve ter no mnimo 2 metros de largura. As cancelas ou vedao devem ser construdas de forma a evitar a possibilidade de acidentes se tocadas ou pisadas pelos cavalos. As letras sero colocadas fora da vedao, a cerca de 0,50 metros desta e perfeitamente visveis para concorrentes, juzes e pblico.

    2. Pausas a) Devem ser efectuadas pausas de cerca de 10 minutos por cada 6 a 10 conjuntos entrados em pista para regularizar o piso. b) A pausa ou interrupo de uma prova nunca dever exceder 2 horas e no deve ser interrompida por outra prova. Contudo, se o nmero de concorrentes numa prova exceder aproximadamente 40 conjuntos a C. O. deve dividi-la por dois dias.

  • 17

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    3. A pista de competio abre para treino na vspera das provas durante um mnimo de 8 horas, podendo ser publicado horrio de utilizao. A abertura da pista para treino poder no entanto no ser permitida, quando razes de fora maior, devidamente ponderadas pelas COs assim o determinarem.

    4. Colocao e acomodao do Jri de terreno:

    a) Os Juzes devem ser instalados em pequenos abrigos, elevados cerca de 50cm do nvel do cho, de modo a garantir uma boa visibilidade. Os abrigos colocam-se a 5 metros da vedao nas posies C (Presidente), M, H, B e E. b) De acordo com o Art.. 436 o nmero de juzes pode variar segundo o nvel das provas.

  • 18

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Recomenda-se a colocao de um juiz lateralmente na posio B ou na posio E. 5. Pista de Aquecimento Dever ter as mesmas dimenses, e piso semelhante pista da competio. A pista de aquecimento deve situar-se prxima daquela, mas suficientemente isolada para no prejudicar o decorrer das provas, e deve ser aberta aos concorrentes um dia antes do incio do concurso. a) Esta pista interdito ao trabalho de cavalos guia devendo existir local apropriado para esse fim. 6. Como equipamento mnimo necessrio para o desenrolar das provas, deve-se dispor de: . Uma sineta ou campainha para aviso do incio e interrupes das provas; . Instalao sonora para comunicao com os concorrentes e eventual emisso musical, para as

    provas livres com msica; . Um painel, visvel pelo pblico e concorrentes, para afixao das ordens e horrios de entrada e

    publicao imediata de resultados (Quadro de resultados conforme Anexo B). 7. A ordem e a hora de entrada dos concorrentes devem ser afixadas entrada da pista de aquecimento, obrigatoriamente com um mnimo de 12 horas de antecedncia.

    CAPTULO VI

    DOS PRMIOS

    Art. 426 - Generalidades

    1. As provas reservadas a Iniciados, Juvenis e Juniores so dotadas de Objectos de Arte, Taas e Laos e, eventualmente placas para o dono do cavalo, no havendo obrigatoriamente prmios pecunirios.

    2. Os conjuntos que numa prova obtenham percentagem mdia inferior a 60% no tero direito a prmio pecunirio, mantendo no entanto a sua classificao na prova e o direito aos restantes prmios.

    Art. 427 - Montante dos prmios 1. No incio de cada ano a FEP dever comunicar, atravs de circular, quais as provas com prmios pecunirios obrigatrios e quais os seus montantes. 2. Nas restantes provas do calendrio, os prmios pecunirios sero atribudos de acordo com o critrio das CO devendo, no entanto, ser respeitadas as percentagens de diferena entre cada grau de provas, como especificado no nmero seguinte.

  • 19

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    3. O grau Complementar dever ter menos 30% do quantitativo do grau mais baixo do nvel Internacional, o grau Mdio menos 20% que o Complementar, o grau Elementar menos 20% que o Mdio e o grau Preliminar menos 20% que o Elementar. 4. Os prmios no distribudos revertero para a Comisso Organizadora do Concurso. 5. Nas provas em que esteja estipulada a atribuio de prmios pecunirios, um em cada quatro concorrentes dessa prova, desde que obtenha uma percentagem superior a 60%, tem direito a prmio. 6. A distribuio dos prmios feita de acordo com a tabela seguinte. ainda considerado um prmio suplementar (igual ao 8), por cada 4 concorrentes a mais aps o trigsimo segundo participante.

    1 2 3 4 5 6 7 8 Suplem. 25 % 20 % 18 % 12 % 10 % 7 % 5 % 3 % Igual ao 8

    A percentagem indicada diz respeito ao montante total de cada uma das provas com prmios pecunirios. 7. No caso de uma prova registar um nmero no superior a 20 conjuntos inscritos, a distribuio dos prmios pecunirios deve ser feita de acordo com a tabela aqui definida:

    1 2 3 4 5

    27 % 23 % 19 % 17 % 14 % A percentagem indicada diz respeito ao montante total de cada uma das provas com prmios pecunirios. 8. As provas de cavalos novos quando realizadas no mbito de um CDN podem no contemplar a atribuio de prmios pecunirios.

    Art. 428 - Prmios especiais para CCN e CPD

    1. Critrios de Cavalos Novos (CCN) A sua execuo e patrocnios podero ser atribudos pela FEP a qualquer Comisso Organizadora. Estas provas podero ser dotadas de prmios especiais. 2. Campeonato de Portugal de Dressage As provas do Campeonato de Portugal, sero dotadas de prmios a definir pela FEP em concordncia com o nvel desta competio. O Campeo e Vice - Campeo recebero tambm trofus da FEP, com a inscrio respectiva.

  • 20

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO VII

    DOS CAVALEIROS

    Art. 429 - Nacionalidade

    Nos termos do art. 25 do RG/FEP; 1. A FEP reconhece, quanto a nacionalidades, os seguintes cavaleiros: a) Nacionais residentes - todo o cidado Portugus residente em territrio nacional. b) Nacionais no residentes - todo o cidado Portugus domiciliado no estrangeiro, desde que passe regularmente mais de 6 meses por ano nesse pas estrangeiro e obtenha a respectiva licena. c) Estrangeiro residente - todo o cidado estrangeiro domiciliado em Portugal, desde que aqui passe regularmente mais de 6 meses por ano e obtenha a respectiva licena.

    2. Os cavaleiros estrangeiros que desejam concorrer em Portugal, devem apresentar uma autorizao escrita da sua Federao para obterem a licena da FEP. 3. Os cavaleiros "estrangeiros residentes" que obtiverem licena da FEP so equiparados aos "nacionais residentes", excepto nos Campeonatos Nacionais. 4. Os cavaleiros referidos em 2. e 3. s podem participar em Concursos Internacionais, Campeonatos Europeus e do Mundo, Jogos Regionais e Olmpicos como representantes do Pas da sua Nacionalidade. 5. Os cavaleiros que sejam possuidores de mais do que uma nacionalidade, devem optar por uma vez, qual o Pas que pretendem representar quando dos Concursos referidos em 4.

    Art. 430 - Registos e licena

    Nos termos do art. 28 do RG/FEP; 1. Todos os cavaleiros que desejam tomar parte em concursos, devem estar registados e obter da FEP a respectiva licena anual, vlida desde a data em que feita at final do ano e sem a qual no podero concorrer; 2. So considerados os seguintes tipos de licena: a) Praticante concorrente - para todos os cavaleiros que queiram entrar em provas oficiais de acordo com a sua categoria (escalo etrio) ou daquela em que pretendam competir. b) Praticante no concorrente - para todos os cavaleiros que no desejam entrar em provas oficiais. 3. A restante matria relativa a este assunto encontra-se regulamentada nos outros nmeros do art. acima referido.

  • 21

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Art. 431 - Vesturio e equipamento

    1. Provas de nvel Internacional: obrigatrio o uso de casaca de abas, chapu alto, cales brancos, plastron branco ou gravata branca e luvas. igualmente obrigatrio o uso de botas altas pretas. 2. Provas de grau Complementar: aconselhvel o uso de vesturio igual ao das provas de nvel internacional. No sendo possvel, , no mnimo, obrigatrio vesturio idntico ao das provas indicadas no n seguinte. 3. Provas de grau Mdio, Elementar e Preliminar: obrigatrio o uso de casaca curta de cor escura ou preta, chapu de coco ou cartola, cales brancos, plastron ou gravata branca, luvas e botas altas pretas. 4. Nas Provas de grau Elementar e Preliminar admitido o uso de Toque de Caa preto em substituio do chapu de coco ou cartola. 5. Os Militares, membros e funcionrios de Estabelecimentos Militares e de Centros Nacionais de Criao Cavalar usaro em todas as Provas a farda respectiva. 6. Uso de esporas: - facultativo nas Provas de grau Preliminar - obrigatrio em todas as outras Provas. 7. Uso de vara: - facultativo em todas as categorias de Concursos previstas no art. 411 deste Regulamento, com

    excepo dos Concursos de Dressage Internacionais (CDI). - interdito, em todo o recinto de competio, para as provas de grau internacional da Taa de

    Portugal de Dressage (TPD) e no CPD, nos escales Snior, Jovens Cavaleiros e Jnior conforme consta do n 13 do art. 413 deste regulamento.

    CAPTULO VIII

    DOS CAVALOS

    Art. 432 - Idade dos cavalos 1. Nenhum cavalo pode tomar parte em Concursos Oficiais com menos de 4 anos de idade. 2. Para efeito do nmero anterior, considera-se que os cavalos fazem anos no dia 1 de Janeiro de cada ano. 3. obrigatria a idade mnima de 6 anos para um cavalo poder participar numa prova de nvel Internacional no escalo de Juniores, 7 anos nos graus ou escales de S. George ou Jovens Cavaleiros e de 8 anos para um cavalo poder participar numa prova de nvel Grande Prmio.

  • 22

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4. Para as provas internacionais de cavalos novos (FEI) a idade dos cavalos de 4, 5 ou 6 anos.

    Art. 433 - Categoria dos cavalos

    Para efeito de participao em provas exclusivas consideram-se as seguintes categorias:

    1. Cavalos Novos

    Considera-se "Cavalo Novo" o cavalo de 4, 5 e 6 anos de idade.

    2. Cavalos debutantes Considera-se debutante durante uma poca, o cavalo que nunca tenha disputado provas de ensino, incluindo as que fazem parte do Concurso Completo de Equitao e de Equitao de Trabalho. 3. Cavalos de Nvel Internacional Consideram-se cavalos de nvel internacional todos os que tenham disputado provas de grau S. George ou superiores.

    Art. 434 - Registos e licenas

    1. Nos termos dos art. 33 e 34 do RG/FEP um cavalo para poder participar em qualquer concurso tem de estar registado na FEP e possuir a respectiva licena anual.

    2. O registo inicial definitivo; a licena vlida desde a data em que feita at 31 de Dezembro do ano a que se refere.

    3. A restante matria acerca deste assunto encontra-se regulamentada nos outros nmeros do artigo acima referido.

    Art. 435 - Arreios

    1. obrigatrio o selim tipo ingls, sem coberturas e suadouro de cor branca ou creme. De acordo com o cabealho de cada prova usar-se- brido ou freio e brido. Est porm autorizado o uso de freio e brido aos cavaleiros Iniciados e Juvenis nas provas P e E, contudo esta opo acarretar uma penalizao de 3 pontos

    Com freio e brido obrigatrio o uso de focinheira simples, sendo facultativo o uso de proteco de focinheira ou barbela, bem como gamarrilha. Com brido facultativo o uso de focinheira simples ou das compostas por dois elementos (alem, flash, cruzada, etc.) com ou sem proteco. O tipo de embocaduras permitido est descrito no Anexo C. 2. Est proibido, em qualquer local do concurso, sob pena de eliminao do conjunto, que o cavaleiro monte o seu cavalo ou o trabalhe de outra forma usando gamarras, rodelas, quaisquer rdeas auxiliares deslizantes, adornos na cauda, antolhos, etc. Para alm do definido no pargrafo

  • 23

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    anterior, tambm proibido em prova o uso de proteces nos membros do cavalo. O uso de capuzes est sujeito aprovao prvia por parte do Presidente de Jri do concurso, mediante afixao de comunicado escrito valido para um dia. 3. A utilizao de rdeas fixas, s permitida quando o cavalo passado guia. 4. So permitidas a crina e a cauda entranadas. 5. As CO devem nomear comissrios que zelaro pelo cumprimento deste artigo, pela disciplina no campo de aquecimento, ordem de entrada, bem como se encarregaro de verificar as embocaduras e as esporas aps o final de cada prova.

    CAPTULO IX

    DO JULGAMENTO DAS PROVAS

    Art. 436 - Membros de um Jri

    Os membros do Jri de Concursos de Dressage devem ser propostos de entre os que figuram na lista de Juzes da FEP. Recomenda-se que, sejam diferentes de concurso para concurso possibilitando assim aos cavaleiros uma apreciao mais variada e aos Juzes mais oportunidades de julgamento. 1. Categorias Os juzes so classificados em 2 graus, sendo atribudos 2 nveis a cada grau. Assim, existirem:

    a. Candidato a Juiz Nacional nvel 1 (CJN 1) b. Candidato a Juiz Nacional nvel 2 (CJN 2) c. Juiz Nacional nvel 1 (JN 1) d. Juiz Nacional nvel 2 (JN2)

    2. Qualificao

    2.1. O Candidato a Juiz Nacional nvel 1 (CJN 1) deve:

    2.1.1. Informar a FEP, por carta, fax ou e-mail da sua pretenso, abrindo a FEP um processo para cada um dos formandos. Para a elaborao do processo de candidatura, o candidato deve remeter FEP:

    Curriculum vitae que ateste a sua ligao disciplina; Entrega de um formulrio (cedido pela FEP) aps cada concurso em que o candidato

    secretariou um juiz nacional. Neste formulrio deve constar o grau das provas que secretariou, a data e o local do evento, o nome e assinatura do juiz que o referido candidato secretariou.

  • 24

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    2.1.2. Somente os candidatos com dez provas secretariadas e comprovadas atravs dos formulrios, devida e completamente assinados e preenchidos, se podero candidatar ao curso de formao.

    2.1.3. Para a elaborao do processo de candidatura s contam as provas, secretariadas em concursos oficiais do calendrio da FEP / FEI, nomeadamente os descritos no n. 1 do art. 411. do RND.

    2.1.4. Aps a entrega do processo de candidatura, devida e completamente preenchido, o mesmo ser objecto de anlise pela Comisso Tcnica que deliberar sobre o pedido do candidato para frequentar o curso de formao. A rejeio de qualquer pedido de candidatura ter de ser devidamente fundamentada pela Comisso Tcnica (CT).

    2.1.5. O Candidato a Juiz Nacional nvel 1, s ser considerado apto pela CT, aps a frequncia do curso de formao e a realizao, com sucesso, de provas tericas e prticas, que visam demonstrar os conhecimentos equestres adquiridos, nomeadamente no que respeita ao conhecimento dos Regulamentos da FEP e da FEI.

    2.1.6. A aprovao no curso permitir a esta categoria de juiz (i.e. Candidato a Juiz Nacional nvel 1) julgar provas oficiais de ensino nos Graus Preliminar (P) e Elementar (E). 2.1.7. Os cursos de formao devem ser realizados durante concursos nacionais, criando-se assim a possibilidade de realizar os testes prticos suficientes para avaliar a capacidade de cada candidato.

    2.2. Para Candidato a Juiz Nacional nvel 2 (CJN 2):

    2.2.1. Ter passado no mnimo um ano sobre a aprovao como CJN 1, tendo sido membro de Jri

    de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art. 411 deste Regulamento e demonstrado competncia, interesse e assiduidade, nomeadamente secretariando Juzes de grau superior;

    2.2.2 Ter frequentado pelo menos uma Reciclagem do seu grau ou superior, promovida pela FEP;

    2.2.3 Esta qualificao permitir a esta categoria de Juiz julgar provas oficiais de ensino nos graus Mdio (M) e Complementar (C).

    2.3. Para Juiz Nacional nvel 1 (JN 1):

    2.3.1 Terem passado no mnimo 2 anos sobre a aprovao como CJN 2, tendo sido membro de

    Jri de pelo menos 4 Concursos de entre os previstos no art. 411 deste Regulamento, continuando a demonstrar competncia, interesse e assiduidade, nomeadamente secretariando Juzes de grau superior;

    2.3.2 Ter frequentado pelo menos uma Reciclagem de nvel superior, promovida pela FEP; 2.3.3 Ser considerado apto pela CT, aps a frequncia de um Curso de nvel superior promovido

    pela FEP, onde prestar provas tericas e prticas, demonstrando conhecimentos equestres, dos Regulamentos FEP e FEI, bem como capacidade para julgamento de provas de nvel internacional;

    2.3.4 A aprovao neste Curso permitir a esta categoria de Juiz julgar provas de ensino de nvel internacional nos graus S. George e Intermediria I.

    2.4 Para Juiz Nacional nvel 2

  • 25

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    2.4.1 Ter passado no mnimo 1 ano sobre a aprovao como JN 1, tendo sido membro do Jri de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art. 411 deste Regulamento, continuando a demonstrar competncia e interesse ;

    2.4.2 Ter frequentado pelo menos uma Reciclagem de nvel superior, promovida pela FEP; 2.4.3 Esta qualificao permitir a esta categoria de juiz julgar provas oficiais de ensino de nvel

    internacional nos graus Intermediria II e Grande Prmio .

    3. Desqualificaes Sero desqualificados, deixando de poder julgar quaisquer provas previstas no art 411 deste Regulamento, os juzes e candidatos a juiz nas condies seguintes:

    3.1. De Candidato a Juiz Nacional nvel 1 (CJN 1): Terem passado 2 anos desde a data em que foi considerado apto pela CT de Ensino e

    aceite pela FEP, sem ter sido membro do Jri de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art.411 deste Regulamento, nem durante esse perodo de tempo ter frequentado pelo menos uma Reciclagem do seu grau ou superior, promovido pela FEP;

    3.2 Juzes de qualquer categoria aps atingirem os 70 anos de idade 4. Desclassificaes

    Sero desclassificados, baixando categoria imediatamente inferior, os juzes e candidatos a juiz, nas situaes seguintes:

    De Candidato a Juiz Nacional nvel 2 (CJN 2): Terem passado 3 anos desde a data em que foi considerado apto pela CT de Ensino e aceite

    pela FEP, sem ter sido membro do Jri de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art. 411 deste Regulamento nem durante esse perodo de tempo ter frequentado pelo menos uma Reciclagem do seu nvel ou superior, promovida pela FEP;

    De Juiz Nacional nvel 1 (JN 1): Terem passado 2 anos desde a data em que foi considerado apto pela CT de Ensino e aceite

    pela FEP, sem ter sido membro do Jri de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art. 411 deste Regulamento nem durante esse perodo de tempo ter frequentado pelo menos uma Reciclagem de nvel superior, promovida pela FEP;

    De Juiz Nacional nvel 2 (JN 2): Terem passado 3 anos desde a data em que foi considerado apto pela CT de Ensino e aceite

    pela FEP, sem ter sido membro do Jri de pelo menos 2 Concursos de entre os previstos no art 411 deste Regulamento nem durante esse perodo de tempo ter frequentado pelo menos uma Reciclagem de nvel superior, promovida pela FEP

    5. Colgio de Juzes em funes:

    Os Candidatos a Juiz Nacional em funes em 31 de Dezembro de 2005 sero considerados para todos os efeitos como Candidatos a Juiz Nacional nvel 2 (CJN 2). Os Juzes Nacionais em funes em 31 de Dezembro de 2005 sero considerados para todos os efeitos como Juzes Nacionais nvel 2 (JN 2).

    6. Disponibilidade para julgar

    Compete a cada Juiz e Candidato a Juiz, no incio de cada ano e aps a publicao do Calendrio de Provas, apresentar FEP uma relao da sua previso de disponibilidades para julgar, ao longo do ano. A FEP, por sua vez, enviar s Comisses Organizadoras uma relao actualizada dos Juzes e Candidatos em exerccio, acompanhada das respectivas disponibilidades.

  • 26

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    7. Responsabilidade Civil dos Juzes

    7.1 Todos os Juzes dos Concursos aprovados pela FEP agem em nome da FEP, pelo que no tm qualquer responsabilidade pessoal pelas decises que so levados a tomar de acordo com o Regulamento Geral e este Regulamento.

    7.2 Os casos de negligncia grave ou aco fraudulenta de Juzes, devem ser participados

    Direco da FEP por intermdio do Presidente da Comisso de Recurso.

    Art. 437 - Composio do Jri

    1. Para as Provas de grau Preliminar e Elementar:

    O Jri nomeado pela CO e aprovado pela FEP deve ser constitudo por um mnimo de dois membros sendo o Presidente obrigatoriamente Juiz Nacional (1 ou 2) podendo os restantes ser Candidatos (1 ou 2).

    2. Para as Provas de grau Mdio e Complementar:

    O Jri nomeado pela CO e aprovado pela FEP deve ser constitudo por um mnimo de trs membros, sendo o Presidente obrigatoriamente Juiz Nacional (1 ou 2) e os restantes, no mnimo, Candidatos a Juiz Nacional nvel 2 (CJN 2).

    3. Para as Provas de nvel internacional grau S. George e Intermediria I:

    O Jri nomeado pela CO e aprovado pela FEP deve ser constitudo por um mnimo de trs membros, sendo o Presidente obrigatoriamente Juiz Nacional nvel 2 (JN 2) e os restantes, no mnimo Juzes Nacionais nvel 1 (JN1);

    4. Para as Provas de nvel internacional grau Intermediria II e Grande Prmio:

    O Jri nomeado pela C.O e aprovado pela FEP deve ser constitudo preferencialmente por cinco membros, todos Juzes Nacionais nvel 2 (JN 2). Na sua impossibilidade, ser constitudo obrigatoriamente por trs Juzes Nacionais nvel 2 (JN 2).

    5. Todo o juiz ou candidato a juiz internacional poder, obviamente, integrar o jri de qualquer

    concurso de ensino.

    Art. 438 - Incompatibilidade para julgar

    1. No podem exercer funes de juiz:

    a) Proprietrios de cavalos ou de coudelarias que participem na prova;

    b) Chefes de equipa, outros oficiais de equipa, treinadores habituais, empregadores ou empregados dos concorrentes;

    c) Entende-se por treinador habitual qualquer professor de equitao que tenha trabalhado com o cavaleiro e/ou cavalo mais de 3 dias durante os ltimos 12 meses antes da prova;

    d) Parentes, cnjuge ou afins de proprietrios, concorrentes, chefes de equipa, oficiais de equipa;

    e) Qualquer pessoa com interesses pessoais ou econmicos num cavalo e/ou cavaleiro em concurso;

  • 27

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    f) Ao aceitar convite para integrar o jri de terreno, dever o juiz informar Comisso Organizadora das suas incompatibilidades de julgamento;

    g) Quando se verificar alguma causa de impedimento e o juiz no se tenha declarado impedido pode qualquer concorrente, at ao final da prova, denunciar esse impedimento ao Delegado Tcnico da FEP, Director do Concurso ou Presidente do Jri da Prova.

    h) Em concursos que no esteja em causa a atribuio de qualquer ttulo possvel a presena de um juiz incompatvel, o qual se deve retirar, sendo ao concorrente em causa atribudas a mdia dos outros juzes, nas restantes situaes no podero ser nomeados juzes incompatveis.

    Art. 439 - Juiz obrigado a retirar- se

    Quando um membro do Jri for obrigado a retirar-se por motivo de fora maior, todas as notaes por si dadas anteriormente nessa prova, sero anuladas, rectificando-se as mdias eventualmente j publicadas.

    Art. 440 - Notao das provas

    1. Todas as figuras, constantes e numeradas nas folhas das provas, so classificadas pelos Juzes, de acordo com a seguinte tabela de notas:

    10 Excelente 4 - Insuficiente 9 - Muito Bom 3 - Quase Mau 8 - Bom 2 - Mau 7 - Quase Bom 1 - Muito Mau

    6 - Satisfatrio 0 - No Executado

    5 - Suficiente

    2. Por "no executado" deve entender-se que na prtica, nada do movimento foi executado.

    3. Aps cada concorrente ter terminado a sua prova, so-lhe atribudas, por todos os Juzes, "Notas de conjunto" classificativas dos seguintes aspectos:

    (1) Os andamentos

    (2) A impulso

    (3) A submisso

    (4) A colocao em sela e acordo de ajudas do cavaleiro. 4. As notas de conjunto bem como de algumas figuras das provas, podem ser afectadas por um coeficiente. 5. Se por lapso faltar uma nota a um concorrente, ser-lhe- atribuda uma nota igual mais alta dada pelo Jri na mesma figura.

  • 28

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    6. Na coluna de observaes, os Juzes faro registar, tanto quanto possvel, o motivo do seu julgamento, pelo menos quando a nota for de 5 ou inferior.

    Art. 441 - Erros

    1. Quando um concorrente comete um "erro de percurso" (esquece um movimento, volta para o lado errado, etc.), o Presidente do Jri avisa-o tocando a campainha. O Presidente indica, se for necessrio, o ponto onde deve recomear e o movimento seguinte a executar.

    No entanto, existem certos "erros de percurso" que o Presidente do Jri poder considerar como falta de preciso, cabendo-lhe neste caso a deciso de interromper ou no a prova. 2. Todo o erro de percurso indicado ou no pelo toque de campainha deve ser penalizado: - 1 Vez com 2 pontos; - 2 Vez com 4 pontos; - 3 Vez com eliminao, (Art 430.3 do RD/FEI) embora o concorrente seja autorizado a continuar sendo-lhe atribudas notas at ao fim da prova. 3. Quando um cavaleiro comete um "erro de texto" (trote levantado em vez de sentado, nos cumprimentos no segurar as duas rdeas numa s mo, etc.) penalizado como nos "erros de percurso".

    4. S o Presidente competente para julgar se foi cometido um erro, assinalando-o com a campainha. Assim, se um concorrente comeou a execuo de um movimento e tenta repeti-lo por sua iniciativa, os Juzes s devem tomar em considerao, o primeiro movimento e devem penaliz-lo como "erro de percurso". 5. Caso exista dvida sobre algum possvel erro cometido no dever o concorrente ser penalizado. Quando o Jri no se apercebeu de um erro, a dvida reverte a favor do concorrente.

    Art. 442 - Classificao

    Depois de atribudas as notas, a folha de cada Juiz ser entregue ao Secretrio encarregado do clculo de resultados.

    Este, aps introduo dos coeficientes devidos e apuramento do total de pontos obtidos, subtrair os pontos por eventuais erros. O total de pontos para a classificao obtm-se adicionando as pontuaes totais da folha de cada Juiz. vencedor o concorrente que obtenha o total de pontos e percentagem mais elevados. Em caso de igualdade de percentagens para um determinado lugar, os concorrentes so classificados "ex-aequo", ou h ainda a possibilidade de desempatar os concorrentes pelas melhores notas de conjunto. A deciso pertence ao Presidente do Jri e CO.

  • 29

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    CAPTULO X

    DA EXECUO DAS PROVAS

    Art. 443 - Provas realizadas de memria

    As provas oficiais da FEI devem ser executadas inteiramente de memria e todos os movimentos que comportam devem suceder-se na ordem indicada. (art. 430 do RD/FEI). Todas as outras provas podem ser ditadas tendo neste caso o concorrente a penalizao de 3 pontos por Juiz nas notas de conjunto

    Art. 444 - Limite de Tempo para Entrar em pista

    eliminado todo o concorrente que no tenha efectuado a sua entrada na pista de competio em A, nos 45 segundos que se seguem ao toque para a entrada. O mesmo acontece a todo o concorrente que fizer a sua entrada na pista de competio em A, antes do toque de entrada. (Art. 430.7 do RD/FEI).

    Art. 445 - Cavalo que Claudica

    No caso de claudicao bem definida, o Presidente do Jri avisa o concorrente de que eliminado. Esta deciso irrecorrvel (Art. 430.7 do RD/FEI).

    Art. 446 - Incio e final de uma prova

    1. Uma prova inicia-se no momento da entrada em A e termina depois do cumprimento final, aps o cavalo sair para diante. Todos os incidentes acontecidos antes do incio ou depois do fim da prova, no afectam em nada as notas dadas. O concorrente deve deixar a pista de competio da forma prescrita no texto da prova (art. 430.10 do RD/FEI).

    2. Durante o cumprimento os concorrentes devem segurar as rdeas numa s mo.

    Art. 447 - Preciso de um movimento Quando a execuo de um movimento pedida num ponto exacto do rectngulo, ser considerada como referncia da preciso, a passagem do busto do cavaleiro no ponto referido.

  • 30

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Art. 448 - Quedas

    Em caso de queda do cavalo e/ou cavaleiro, o conjunto eliminado. (art. 430.7 do RD/FEI).

    Art. 449 - Sada da Pista Um cavalo que na execuo de uma prova, entre o momento de entrada e o momento de sada por A, sair do rectngulo, com os 4 membros, deve ser eliminado (art. 430.7 do RD/FEI), desde que a vedao delimitadora da pista esteja completa e a porta de entrada fechada. No caso da vedao no ser contnua e/ou a entrada ficar aberta o conjunto sofrer penalizao no exerccio em curso e nas notas de conjunto.

    Art. 450 - Defesas

    Qualquer defesa do cavalo que impea a continuao da prova durante mais de 20 segundos implica a eliminao do concorrente (art. 430.7 do RD/FEI).

    Art. 451 - Ajudas exteriores

    Qualquer interveno do exterior (voz, sinais, etc.) considerada como ajuda dada ao cavaleiro ou ao cavalo e implica a eliminao do concorrente (art. 430.7 do RD/FEI).

    Art. 452 - Pormenores sobre a prova livre com msica Todas as provas livres comeam, obrigatoriamente, pela paragem e cumprimento, sendo o tempo da prova contado aps a sada desta paragem. Os movimentos e figuras autorizadas nesta prova so os indicados no texto respectivo. Qualquer outro movimento apresentado implica a eliminao. Quando um cavaleiro apresentar o mesmo exerccio mais do que uma vez, o juiz dar a esse exerccio uma nota final que a sntese das notas intermdias, no necessariamente a media aritmtica. O cavaleiro deve entrar em pista dentro dos 20 s seguintes ao incio da msica. A msica deve terminar ao cumprimento final (art. 430.11 do RD/FEI).

    Art. 453 - Crueldade e substncias proibidas

    Segue-se o disposto no art. 49, 50 e 51 do RG/FEP na parte aplicvel.

  • 31

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Art. 454 - Finalidade e Princpios Gerais de Dressage 1. A Dressage tem por finalidade desenvolver harmoniosamente o organismo e as faculdades do cavalo. Tem, por consequncia, torn-lo, ao mesmo tempo, calmo, suave, descontrado e flexvel, mas tambm confiante, atento e colaborante, realizando assim um entendimento perfeito com o seu cavaleiro.

    2. Estas qualidades obtm-se seguindo a progresso da escala de treino e manifestam-se por:

    2.1 Ritmo - Regularidade dos andamentos

    2.2 Souplesse - Flexibilidade, facilidade e simetria das encurvaes

    2.3 Contacto - Maneira constante leve e elstica como o cavalo se instala na mo 2.4 Impulso - Vontade de avanar com passadas amplas e elsticas e dorso ondulante 2.5 Rectitude - Perfeita e total adaptao s linhas rectas e curvas 2.6 Concentrao - O cavalo redondo de atitude erguida e fixa em todos os exerccios.

    Estes seis pontos que caracterizam o cavalo bem trabalhado (Escala de Treino), so tambm a progresso obrigatria desse trabalho e ainda referncias importantes para os juzes poderem atribuir as suas notas. Assim a erros nos trs primeiros pontos so quase sempre atribudas notas negativas, enquanto se podem dar notas positivas com erros de impulso, rectitude ou concentrao. 3. O cavalo d assim a impresso de executar por sua prpria vontade o que lhe est a ser pedido. Confiante e atento, entrega-se generosamente s ajudas do seu cavaleiro, conservando-se absolutamente direito em todos os seus movimentos em linha recta e ajustando a sua encurvao curvatura das outras linhas.

    4. O passo regular, franco e fcil. O trote souple, elstico, regular, saltado e activo. O galope regular, elstico e cadenciado. As ancas devem em qualquer circunstncia mostrar-se activas. Respondem menor solicitao do cavaleiro e animam, pela sua aco, todas as outras partes do cavalo.

    5. Graas sua impulso, sempre pronta, e souplesse das suas articulaes que nenhuma resistncia paralisa, o cavalo obedece de boa vontade e sem hesitaes, com calma e preciso, s diversas ajudas, manifestando um equilbrio natural e harmonioso, tanto fisicamente como moralmente.

    6. Em todo o seu trabalho, incluindo a paragem, o cavalo deve estar "na mo". Diz-se que o cavalo est "na mo" quando os curvilhes esto no seu lugar, o pescoo est mais ou menos elevado e arredondado conforme o grau de ensino e a amplitude ou concentrao do andamento e manifesta uma submisso com um ligeiro e macio contacto da boca com a embocadura e uma descontraco total. A cabea deve manter-se estvel e, regra geral, com o chanfro ligeiramente frente da vertical, a nuca flexvel, como o ponto mais elevado do pescoo, no opondo o cavalo qualquer resistncia ao cavaleiro.

  • 32

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    Art. 455 - A paragem (Art.. 402 do RD FEl)

    1. Na paragem o cavalo deve manter-se atento, imvel e direito, quadrado sobre os seus quatro membros, com os anteriores e os posteriores paralelos entre si. O pescoo erguido, tendo a nuca como o seu ponto mais elevado, e o chanfro ligeiramente frente da vertical. Mantm sempre um ligeiro e suave contacto com a mo, e deve estar pronto a avanar ao mnimo sinal do cavaleiro. 2. A paragem obtm-se por uma transferncia do peso do cavalo para trs por meio de uma aco adequada e progressiva do assento e das pernas do cavaleiro que empurra o cavalo para diante sobre uma mo que resiste cada vez mais, mas de maneira suave, at obter a paragem quase instantnea, mas nunca brusca, no local desejado.

    Art. 456 - O Passo (Art.. 403 do RD FEl)

    1. O passo um andamento marchado no qual os membros do cavalo se apoiam um aps outro em "quatro tempos" bem marcados e mantidos durante todo o trabalho. 2. Quando as quatro batidas deixam de ser bem marcadas, iguais e regulares, o andamento tende a tornar-se por laterais associados, deixa de ser passo, dizendo-se que uma andadura. 3. no "passo" que as imperfeies do ensino mais se fazem sentir. Esta tambm a razo pela qual no se deve exigir a um cavalo a passo uma perfeita colocao "na mo", desde o princpio, mas apenas aquela que esteja de acordo com o seu grau de ensino. Uma concentrao prematura altera no somente o passo concentrado mas tambm o mdio e o alongado. 4. Distinguem-se: o passo concentrado, o passo mdio, o passo largo e o passo livre.

    4.1 O passo concentrado

    O cavalo mantendo-se "na mo", anda resolutamente para diante, de pescoo erguido e arredondado. A posio da cabea, prxima da vertical, permite a manuteno de um contacto suave e contnuo com a boca. Os membros posteriores entram para debaixo da massa com um bom jogo dos curvilhes. O andamento continua marchado e enrgico, com uma sucesso regular dos apoios. Cada passada cobre menos terreno do que no passo mdio, e mais elevada pelo facto de haver mais flexo das articulaes.

    O cavalo antepista-se ou quando muito sobrepista-se. O passo concentrado sendo mais curto do que o mdio para que no se torne precipitado ou irregular tem que ser mais elevado.

    4.2 O passo mdio um passo franco, regular e fcil, com uma extenso mdia o cavalo mantendo-se "na mo", marcha energicamente, mas calmo, com passadas regulares e resolutas sobrepistando-se ou transpistando-se. O cavaleiro conserva um ligeiro contacto, suave e estvel com a boca do seu cavalo.

  • 33

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4.3 O passo largo No passo largo o cavalo cobre o mximo de terreno, que lhe possvel, sem precipitao e sem alterao da regularidade das batidas. O cavalo transpista-se muito nitidamente. O cavaleiro deixa que o seu cavalo estenda o pescoo e avance o "bico" sem, contudo, perder o contacto. 4.4 O passo livre

    O passo livre um andamento de repouso no qual se deixa ao cavalo inteira liberdade para baixar a cabea e estender o pescoo.

    Art. 457 - O Trote (Art.. 404 do RD FEl)

    1. O trote um andamento a "dois tempos" separados por um tempo de suspenso, e no qual o cavalo progride por bpedes diagonais associados, isto , com o apoio simultneo de um anterior e do posterior do lado oposto.

    2. O trote, sempre franco, activo e regular nas suas batidas deve ser tomado sem hesitao. 3. A qualidade do trote aprecia-se pela impresso de conjunto, pela regularidade e elasticidade das passadas, devidas souplesse do dorso e entrada dos posteriores, bem como pela capacidade de conservar o ritmo e o equilbrio natural, mesmo depois de uma transio de um trote a outro. 4. Distinguem-se: o trote concentrado, o trote de trabalho, o trote mdio e o trote largo. 4.1 O trote concentrado

    O cavalo, mantendo-se "na mo", progride com o pescoo erguido e arredondado. Os curvilhes nitidamente metidos mantm uma enrgica impulso, permitindo assim que as espduas se mobilizem com facilidade em todas as direces. O cavalo faz passadas mais curtas do que nos outros trotes, mas apresenta-se mais ligeiro e mais manejvel.

    Fig. 1 - O passo. (segundo RD FEI)

  • 34

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4.2 O trote de trabalho O trote de trabalho um andamento intermdio entre o trote concentrado e o trote mdio, no qual o cavalo, ainda no treinado e pronto para os andamentos concentrados, se apresenta em bom equilbrio. Mantido "na mo" avana com passadas iguais e elsticas, conservando as ancas muito activas. A expresso ancas activa no significa que a concentrao seja obrigatria neste andamento. Sublinha apenas a importncia da impulso resultante da atividade do post-mo. (O cavalo sobrepista-se).

    4.3 O trote mdio

    O trote mdio um andamento intermdio entre o trote de trabalho e o trote largo, mas mais elevado e "redondo" do que este. O cavalo progride francamente, alonga moderadamente as passadas com uma ntida impulso vinda do post-mo. O cavaleiro consente ao cavalo um alongamento da silhueta. As passadas devem ser regulares e o movimento no seu conjunto equilibrado e fcil. O cavalo transpista-se.

    4.4 O trote largo No trote o cavalo cobre o mximo de terreno a cada passada. Conservando a cadncia, alarga as passadas ao mximo, graas a uma enorme impulso. O cavaleiro permite ao cavalo, mantido "na mo" o alongamento da silhueta, sem procurar um ponto de apoio sobre a embocadura, para evitar um andamento elevado. Os anteriores no devem poisar-se atrs da sua projeco no solo. Todo o movimento deve ser feito em equilbrio e a transio para o trote concentrado deve ser executada suavemente transferindo mais peso para o post-mo. O cavalo transpista-se francamente.

    5. Todo o trabalho a trote deve ser executado em trote sentado salvo indicao contrria no texto da prova.

    Art. 458 - O Galope (Art 405 do RD FEl) 1. O Galope um andamento a trs tempos no qual, para a direita por exemplo, as batidas se sucedem na seguinte ordem: posterior esquerdo, diagonal esquerda (anterior esquerdo e posterior

    Fig. 2 - O trote. (segundo RD FEI)

  • 35

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    direito) e, finalmente, o anterior direito, seguido de um tempo de suspenso dos quatro membros antes do incio da passada seguinte.

    2. O Galope, sempre com passadas regulares, cadenciadas e executadas com ligeireza, deve ser tomado sem hesitao. 3. A qualidade do Galope avalia-se pela impresso do conjunto, a regularidade e a ligeireza nos "trs tempos" consequncia da aceitao da mo, com uma nuca elstica, e da entrada dos posteriores como resultado da atividade do post-mo, e tambm pela capacidade em conservar o mesmo ritmo e um equilbrio natural mesmo depois de uma transio de um galope a outro. O cavalo deve manter-se absolutamente direito sobre as linhas rectas.

    4. Distinguem-se: o galope concentrado, o galope de trabalho, o galope mdio e o galope largo. 4.1 O Galope Concentrado

    No galope concentrado, o cavalo "na mo" desloca-se de pescoo erguido e arredondado. Este andamento caracterizado pela ligeireza do ante-mo e a entrada dos posteriores, isto , as espduas descontradas, livres e mveis e o post-mo muito ativo. As passadas so mais curtas do que nos outros galopes, mas o cavalo torna-se mais ligeiro e manejvel.

    4.2 O Galope de Trabalho

    um andamento intermdio entre o galope concentrado e o galope mdio. Neste andamento, um cavalo ainda no treinado e pronto para os movimentos concentrados, apresenta-se num bom equilbrio "na mo", avana com passadas iguais, ligeiras e cadenciadas; as ancas mantm-se activas. A expresso ancas activa no significa que a concentrao seja obrigatria neste andamento. Sublinha apenas a importncia da impulso resultante da atividade do post-mo. 4.3 O Galope Mdio

    um andamento intermdio entre o galope de trabalho e o galope largo. O cavalo avana francamente conservando o equilbrio alarga moderadamente as suas passadas com uma ntida

    Fig. 3 - O galope. (segundo RD FEI)

  • 36

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    impulso proveniente do post-mo. O cavaleiro permite ao cavalo, ficando embora "na mo", que alongue a silhueta. As passadas devem ser alongadas e regulares, e o movimento no seu conjunto equilibrado e fcil. 4.4 O Galope Largo

    No galope largo, o cavalo cobre o mximo de terreno. Conservando o mesmo ritmo, alarga as passadas ao mximo, sem perca da calma nem da ligeireza, graas a uma enorme impulso. O cavaleiro permite ao cavalo que, "na mo" alongue a silhueta.

    A cadncia deve ser mantida nas transies do galope mdio e do galope largo para o galope concentrado. 5. O Galope Invertido ou ao Revs

    um movimento no qual o cavaleiro, por exemplo sobre um crculo para a esquerda, faz voluntariamente galopar o cavalo na mo direita. O galope invertido um exerccio de flexibilizao. O cavalo mantm a sua colocao natural, com uma ligeira flexo na nuca para o lado exterior do crculo, ou por outras palavras, conserva a encurvao correspondente ao galope para a mo em que ia. A sua conformao ope-se a uma encurvao da coluna vertebral segundo o crculo que descreve. O cavaleiro, evitando qualquer contoro geradora de contraces e de desordem, procura sobretudo impedir que a garupa descaia para o exterior do crculo e limita as suas exigncias ao grau de flexibilidade do cavalo. 6. Passagem de Mo Simples uma mudana de mo do galope na qual o cavalo trazido directamente ao passo e 2 a 5 passadas depois deve sair de novo directamente a galope para a outra mo. 7. Passagem de Mo no Ar uma passagem de mo executada durante o tempo de suspenso que se segue a cada passada de galope. As passagens de mo podem ser isoladas ou aproximadas, a 4, 3, 2 tempos e a tempo. Mesmo nas passagens de mo aproximadas, o cavalo deve permanecer ligeiro, calmo, direito e impulsionado. A cadncia e o equilbrio no devem ser modificados ao longo do exerccio. O grau de concentrao nas passagens de mo aproximadas dever ser um pouco menor do que o normalmente exigido no galope concentrado, a fim de evitar um encurtamento da passada e uma diminuio da ligeireza e da naturalidade das passadas de mo.

    Art. 459 - O recuar (Art. 406 do RD FEl)

    1. O recuar um movimento retrgrado, simtrico, no qual os membros se levantam nitidamente e se apoiam por pares diagonais.

    2. Durante a paragem e imobilidade que precedem o recuar e do mesmo modo durante o recuar, o cavalo deve manter-se na mo conservando contudo o desejo de avanar.

    3. Qualquer antecipao ou precipitao do movimento, qualquer resistncia ou defesa contra a mo, qualquer desvio das ancas, qualquer abertura ou preguia dos posteriores ou arrastar dos anteriores, so faltas graves.

  • 37

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    4. Se, no decurso de uma prova, o trote ou o galope se seguem ao recuar, o cavalo deve romper imediatamente nesse andamento, sem paragem, nem passadas intermdias de outros andamentos.

    Art. 460 - As transies (Art. 407 do RD FEl)

    1. As mudanas de andamento e de velocidade devem efectuar-se com nitidez na letra do picadeiro prescrita; devem ser executadas rapidamente, mas de forma suave, sem brusquido. A cadncia anterior deve ser conservada at ao momento em que o cavalo toma o novo andamento ou marca a paragem. O cavalo deve manter-se ligeiro na mo, calmo e numa colocao correcta. 2. O mesmo deve acontecer nas transies de um movimento para outro como por exemplo da passage ao piaffer ou inversamente.

    Art. 461 - A meia paragem (Art. 408 do RD FEl)

    A meia paragem, que deve ser quase imperceptvel, resulta de uma aco quase simultnea e coordenada do assento, das pernas e da mo do cavaleiro. Tem por finalidade aumentar a ateno e o equilbrio do cavalo antes de executar certos movimentos ou transies para andamentos inferiores ou superiores. Ao transferir ligeiramente mais peso para o post-mo do cavalo, a entrada dos posteriores e o abaixamento das ancas so mais fceis, favorecendo o aligeiramento do ante-mo e um melhor equilbrio geral do cavalo.

    Art. 462 - As mudanas de direo (Art. 409 do RD FEl)

    1. Nas mudanas de direco, o cavalo deve ajustar a sua encurvao da linha que segue, mantendo-se flexvel, e seguir as indicaes do cavaleiro sem qualquer resistncia, nem modificao de andamento, de ritmo ou de velocidade.

    2. Nas mudanas de direco em ngulo recto, por exemplo na passagem dos cantos, o cavalo deve descrever um quarto de volta de cerca de 6 metros de dimetro nos andamentos concentrados e de cerca de 10 metros de dimetro nos andamentos de trabalho.

  • 38

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    3. Nas contra passagens de mo, a ladear o cavaleiro deixa a sua direco primitiva por uma linha oblqua e marcha at linha de quarto ou at linha do meio, ou at pista do lado oposto, de onde regressa linha que seguia no comeo do movimento por uma linha igualmente oblqua.

    4. Na contra passagem de mo, o cavaleiro endireita o cavalo um instante antes de mudar de direco.

    5. Quando o nmero de metros ou de passadas determinado no texto de apresentao, por exemplo para uma contra passagem de mo a ladear para cada lado da linha do meio do picadeiro este nmero deve ser estritamente respeitado e o movimento deve ser executado de maneira simtrica.

    Art. 463 - Figuras de picadeiro (Art. 410 do RD FEl)

    1. Volta

    A volta um crculo de 6 a 10 metros de dimetro. Para alm de 10 metros, emprega-se a designao de Crculo com a indicao do dimetro.

    2. Serpentina

    Para executar uma serpentina o cavaleiro comea o primeiro arco afastando-se progressivamente do meio de um lado menor do picadeiro e termina o ltimo arco aproximando-se progressivamente do outro lado menor. Comear e terminar uma serpentina no canto incorrecto.

    Fig. 4 Mudanas de Direco

  • Aprovado em Reunio de Direco da FEP de

    Art. 464 - Movimentos laterais (Art. 411 e 412 d

    1. Os movimentos laterais tm por fim:

    1.1 Aperfeioar a obedincia do cavalo ao acordo das ajudas.

    1.2 Flexibilizar o cavalo no seu conjunto e aumentar assim a liberdade das espduas e flexibilidade do post-mo tanto como a elasticidade da ligao entre a boca, a nuca, o pescoo, o dorso e as ancas ("dar o dorso").

    1.3 Aperfeioar a cadncia e harmonizar 1.4 Desenvolver e aperfeioar a entrada dos posteriores e por isso mesmo a concentrao

    Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    FIG.5

    Movimentos laterais (Art. 411 e 412 do RD FEl)

    Os movimentos laterais tm por fim:

    Aperfeioar a obedincia do cavalo ao acordo das ajudas.

    Flexibilizar o cavalo no seu conjunto e aumentar assim a liberdade das espduas e flexibilidade mo tanto como a elasticidade da ligao entre a boca, a nuca, o pescoo, o dorso e as

    Aperfeioar a cadncia e harmonizar o equilbrio com o andamento. Desenvolver e aperfeioar a entrada dos posteriores e por isso mesmo a concentrao

    39

    Flexibilizar o cavalo no seu conjunto e aumentar assim a liberdade das espduas e flexibilidade mo tanto como a elasticidade da ligao entre a boca, a nuca, o pescoo, o dorso e as

    Desenvolver e aperfeioar a entrada dos posteriores e por isso mesmo a concentrao

  • Aprovado em Reunio de Direco da FEP de

    2. Em todos os movimentos laterais somente pela nuca - o cavalo est encurvado da cabea garupa. Marcha com o antepost-mo sobre pistas distintas. 3. Dado que, de uma forma geral, a encutoda a coluna vertebral, a encurvao ou flexo no devem nunca ser exagerados; o equilbrio e o vontade do movimento seriam por isso dificultados. Isto verdade sobretudo na cedncia perna e no ladear no qual a encurvao deve ser menor do que na espdua a dentro, no "travers" ou cabea ao muro e no "renvers" ou garupa ao muro.

    4. Nos movimentos laterais, o andamento deve ser fcil e regular mantido por uma impulso constante. Porm deve continuaruma perda de impulso devida principalmente preocupao do cavaleiro em encurvar o cavalo e for-lo a deslocar-se lateralmente.

    5. Os movimentos laterais no devem ser pedidos seno por umcurto, interrompido de tempos a tempos por uma reposio enrgica do movimento para diante, nomeadamente com o intuito de manter ou aumentar a impulso.

    6. Em todos os movimentos laterais, o lado para que o cavalo deve estaro lado interior do cavalo, e o lado oposto exterior.

    7. Os movimentos laterais compreendem: A cedncia perna, a espdua a dentro, o travers ou ladear de cabea ao muro, o renvers ou ladear de garupa ao muro e o ladear.

    7.1 A Cedncia Perna (marcha lateral)

    O cavalo vai completamente direito, salvo uma ligeira flexo lateral da nuca; o cavaleiro apenas se deve aperceber da arcada supraciliar e da narina do lado da flexo do cavalo; os membros do lado interior cruzam os do lado exterior. O cavalo olha na direcA cedncia perna a base fundamental do trabalho de duas pistas e deve ser comeada no trabalho de um cavalo antes que ele esteja pronto para qualquer trabalho concentrado. Depois, com a espdua a dentro, exerccio mais adiantado, a cedncia perna o melhor meio de tornar o

    Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    FIG.6

    . Em todos os movimentos laterais - com excepo da cedncia perna em que o cavalo flecte o cavalo est encurvado da cabea garupa. Marcha com o ante

    mo sobre pistas distintas.

    Dado que, de uma forma geral, a encurvao ou flexo da nuca e do pescoo se repercutem a toda a coluna vertebral, a encurvao ou flexo no devem nunca ser exagerados; o equilbrio e o vontade do movimento seriam por isso dificultados. Isto verdade sobretudo na cedncia perna e

    dear no qual a encurvao deve ser menor do que na espdua a dentro, no "travers" ou cabea ao muro e no "renvers" ou garupa ao muro.

    Nos movimentos laterais, o andamento deve ser fcil e regular mantido por uma impulso constante. Porm deve continuar elstico, cadenciado e equilibrado. Constata-se frequentemente uma perda de impulso devida principalmente preocupao do cavaleiro em encurvar o cavalo e

    se lateralmente.

    Os movimentos laterais no devem ser pedidos seno por um lapso de tempo relativamente curto, interrompido de tempos a tempos por uma reposio enrgica do movimento para diante, nomeadamente com o intuito de manter ou aumentar a impulso.

    todos os movimentos laterais, o lado para que o cavalo deve estar encurvado por definio o lado interior do cavalo, e o lado oposto exterior.

    . Os movimentos laterais compreendem: A cedncia perna, a espdua a dentro, o travers ou ladear de cabea ao muro, o renvers ou ladear de garupa ao muro e o ladear.

    (marcha lateral)

    O cavalo vai completamente direito, salvo uma ligeira flexo lateral da nuca; o cavaleiro apenas se deve aperceber da arcada supraciliar e da narina do lado da flexo do cavalo; os membros do lado interior cruzam os do lado exterior. O cavalo olha na direco oposta ao sentido da sua deslocao. A cedncia perna a base fundamental do trabalho de duas pistas e deve ser comeada no trabalho de um cavalo antes que ele esteja pronto para qualquer trabalho concentrado. Depois, com

    io mais adiantado, a cedncia perna o melhor meio de tornar o

    40

    com excepo da cedncia perna em que o cavalo flecte o cavalo est encurvado da cabea garupa. Marcha com o ante-mo e o

    rvao ou flexo da nuca e do pescoo se repercutem a toda a coluna vertebral, a encurvao ou flexo no devem nunca ser exagerados; o equilbrio e o vontade do movimento seriam por isso dificultados. Isto verdade sobretudo na cedncia perna e

    dear no qual a encurvao deve ser menor do que na espdua a dentro, no "travers" ou cabea

    Nos movimentos laterais, o andamento deve ser fcil e regular mantido por uma impulso se frequentemente

    uma perda de impulso devida principalmente preocupao do cavaleiro em encurvar o cavalo e

    lapso de tempo relativamente curto, interrompido de tempos a tempos por uma reposio enrgica do movimento para diante,

    encurvado por definio

    . Os movimentos laterais compreendem: A cedncia perna, a espdua a dentro, o travers ou

    O cavalo vai completamente direito, salvo uma ligeira flexo lateral da nuca; o cavaleiro apenas se deve aperceber da arcada supraciliar e da narina do lado da flexo do cavalo; os membros do lado

    o oposta ao sentido da sua deslocao. A cedncia perna a base fundamental do trabalho de duas pistas e deve ser comeada no trabalho de um cavalo antes que ele esteja pronto para qualquer trabalho concentrado. Depois, com

    io mais adiantado, a cedncia perna o melhor meio de tornar o

  • 41

    Aprovado em Reunio de Direco da FEP de 27 de Janeiro de 2012

    cavalo flexvel, solto e fcil. Melhora a franqueza, a elasticidade e a " regularidade dos andamentos, do mesmo modo que a harmonia, a ligeireza e o vontade dos seus movimentos. A cedncia perna pode executar-se sobre a diagonal do picadeiro. Neste caso o cavalo deve manter-se to paralelo, quanto possvel, pista do lado maior do picadeiro.

    7.2 Espdua a Dentro O cavalo vai ligeiramente encurvado em torno da perna interior do cavaleiro, O membro anterior interior do cavalo cruza o do lado exterior; o posterior interior apoia-se frente do lado exterior, O cavalo olha na direco oposta ao sentido da marcha. A espdua a dentro quando efectuada de forma clssica, com o cavalo encurvado em torno da perna interior do cavaleiro, com um ngulo correcto, no somente um exerccio de flexibilizao, mas tambm de concentrao; com efeito o cavalo em cada passada deve meter o seu