Reunio Mensal da USE RP Dezembro de do Testamento do Cristo, ... Fonte: Jesus, o maior psiclogo...

download Reunio Mensal da USE RP Dezembro de   do Testamento do Cristo, ... Fonte: Jesus, o maior psiclogo que j existiu Mark W. Baker ... antigo “Cristo do juzo-final

of 12

  • date post

    16-May-2018
  • Category

    Documents

  • view

    234
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Reunio Mensal da USE RP Dezembro de do Testamento do Cristo, ... Fonte: Jesus, o maior psiclogo...

  • Reunio Mensal da USE RPDezembro de 2017

    USE INTERMUNICIPAL DE RIBEIRO PRETOCidades da rea de atuao da USE: Brodowski, Cajuru, Cravinhos, Dumont, Guatapar,Jardinpolis, Lus Antnio, Pontal, Pradpolis, Ribeiro Preto, Santa Cruz da Esperana,Santa Rita do Passa Quatro, Santa Rosa de Viterbo, So Simo, Serra Azul, Serrana, Sertozinho.

    Ano XXXII - N 383 - Dezembro de 2017 - www.userp.org.br

    Convocao/Convite:Membros do Conselho

    Deliberativo, Representantese Trabalhadores das Casas

    Espritas, diretores daComisso Executiva e

    Diretores de Departamentos.

    16 de dezembro de 2017SBADO - das 15h s 17h

    Local: SociedadeEsprita Critas

    Rua Osrio Ferreira 244Jardim Castelo Branco

    Ribeiro Preto - SP

    Seja assinante/colaboradordo JORNAL

    VERDADE

    E LUZPgina 10

    A mais comovente histriaque j se escreveu.O maior amor que omundo conheceu.O exemplo mais fecundoque jamais existiu.A vida de Jesus o permanenteapelo mansido, dignidade,ao amor, verdade.Am-Lo comear a viv-Lo.Conhec-Lo plasm-Lo namente e no corao.A vida que comporta a histria denossa vida - eis a vida de Jesus!A perene alegria, a boa mensagemde jbilo eis o Evangelho!

    Amlia Rodrigues

    Fique sabendodas notcias do

    MovimentoEsprita Local,

    Regional, Estaduale NacionalPginas 6, 7, 9 e 12.

    O NATAL DEJesusJesus

    Nossas homenagens a JesusPginas 3, 4, 5 e 11

  • 2 Dezembro de 2017

    Mensagem da Comisso Executiva

    Expediente

    rgo de Divulgao do MovimentoEsprita de Ribeiro Preto e regio.Editado pelo Departamento deComunicaes da USE - Unio dasSociedades Espritas Intermunicipalde Ribeiro Preto (Orgo da USE -Unio das Sociedades Espritas doEstado de So Paulo).CNPJ-MF 54.171.038/0001-56Registro Civil de Pessoas Jurdicas(do jornal) n. 32.007.

    Conselho Editorial e Consultivo:Comisso Executiva da USE RPJonalista Responsvel:Ednir da Silva MalvestioREGISTRO 0017633/SPDiagramao: Ney ToscaImpresso: Fullgraphics3.000 exemplaresAssinatura anual: R$ 35,00Valores devero ser remetidosem nome da USE Intermunicipalde Ribeiro Preto.S sero publicadas matrias que es-tiverem de acordo com a orientaodoutrinria do Jornal.Os originais dos artigosno publicados no serodevolvidos aos seus autores.Correspondncia para este jornal deveser enviada para Caixa Postal n. 827CEP: 14001-970 - Rib. Preto - SPTelefone: (16) 3610-1120e-mails: jornal@userp.org.brjornalverdadeeluz@gmail.com

    Diretoria Executiva da USE2015/2018

    PresidenteMrio Gonalves Filho1 Vice PresidenteJos Antnio Luiz Balieiro2 Vice PresidenteLus PacciulioSecretrio GeralAna Maria de Souza1 SecretrioAbrao Cleto2 SecretrioAdilson dos SantosTesoureiro GeralIvanir Fernandes Passos1 TesoureiroAntnio Malvstio2 TesoureiroAndr ZollaDiretor de PatrimnioMauricio Carrenho

    Dezembro! Mais umano se passou. Mais umaetapa concluda. Tempode avaliao!

    Todos ns que traba-lhamos nas casas espritase na unificao do Movi-mento Esprita, devemosrefletir sobre as aes re-alizadas durante este ano.Contribumos para forta-lecer, facilitar, ampliar eaprimorar a ao do Mo-vimento Esprita em suaatividade-fim, que pro-mover o estudo, a difusoe a prtica da DoutrinaEsprita? No se trata defazer um relatrio de ati-vidades e/ou aes execu-tadas, mas sim de, intima-mente, avaliar nosso tra-

    E eis que estou convosco todos os dias,at a consumao da era

    Jesus (Mateus 28:20)balho e renovarmos nos-sa disposio para maisum ciclo que se inicia como novo ano.

    Quando nos propomosa trabalhar na seara espri-ta, comprometemos - nostanto com nossa prpriamelhoria como em colabo-rar com o bem comum,incansavelmente. Para tan-to, temos um modelo! Onosso Mestre Jesus!

    Joo termina seu Evan-gelho dando um testemu-nho pessoal sobre os fei-tos de Jesus, quando en-carnado entre ns: H,porm, ainda muitas ou-tras coisas que Jesus reali-zou, que se fossem escri-tas uma por uma, nem

    mesmo suponho - omundo teria lugar para oslivros escritos (Joo21:25). E seu trabalho nocessou ai! Continua a go-vernar nosso planeta e aenviar seus prepostos paraorientar nossos passos.Por isso, temos o dever deseguirmos firmes no pro-psito de agir e servir.

    Jesus, aps seu desen-carne, na terceira manifes-tao aos seus apstolos,prometeu que estariasempre com eles. Jesusno formularia uma pro-messa v. E quem so seusapstolos nos dias atuais?Todos os que se compro-metem com sua seara deamor. Ele est e estar

    sempre conosco! Entre-tanto, Emmanuel 1 nos es-clarece: ... a Doutrina Es-prita, suplementando asanotaes do Testamentodo Cristo, vem explicar,sem sombra de dvida,que o Mestre est e estarcom toda a humanidade,mas apenas conheceremosfruto visvel e imediata-mente aproveitvel de suapresena sublime na cria-tura terrestre, dessa oudaquela posio, que este-ja tambm com Ele.

    1 Presena Divina Emmanuel,pela psicografia de F. C. Xavier -mensagem publicada no Reforma-dor, em novembro de 1960.

    Ana Maria de Souza

  • Dezembro de 2017 3

    Homenagem Jesus

    Jesus, o doce e meigonazareno, o tipo mais per-feito que Deus tem ofereci-do ao homem para servir deguia e modelo (O livro dos

    Em O Livro dos Espritosem sua 3 parte, falando dasLeis Morais, na pergunta 625o Codificador, Allan Kardec,faz o seguinte questionamen-to aos Espritos: Qual o tipomais perfeito que Deus temoferecido ao homem para lheservir de guia e modelo?

    E os instrutores espirituais,por sua vez, no titubearamem responder: Jesus.

    E continuam ... Para o ho-mem, Jesus constitui o tipo daperfeio moral a que a Hu-manidade pode aspirar na Ter-ra. Deus no-lo oferece como omais perfeito modelo, e a dou-trina que ensinou a expres-so mais pura da lei do Senhor,porque, o Esprito Divino oanimava, e porque foi o sermais puro de quantos tmaparecido na Terra.

    Quanto aos que, preten-dendo instruir o homem na leide Deus, o tm transviado,ensinando-lhe falsos princpi-os, isso aconteceu por have-rem deixado que os dominas-sem sentimentos demasiadoterrenos e por terem confun-dido as leis que regulam ascondies da vida da alma,com as que regem a vida docorpo. Muitos ho apresenta-do como leis divinas simplesleis humanas estatudas paraservir s paixes e dominar oshomens.

    Isto , Jesus no deve serIdolatrado como o Cristomstico, o Jesus esotricoinventado pelos homens, queafirmavam ter Ele ostentadoum corpo fludico carregadode mistrios e segredos ca-ractersticos de um Ser sobre-natural do suprassumo cs-mico. Aquele que rompeucom as leis naturais ou fsicasda Terra!

    Em A Gnese, no Captu-

    Jesus e o ensinopor parbolas

    Com que comparamos o reino de Deus ou que pa-rbola usaremos para descrev-lo? Ele como a se-mente de mostarda, que a menor semente que plan-tamos no solo. No entanto, quando plantada, ela cres-ce e torna-se a maior de todas as plantas do jardim,com ramos to grandes que os pssaros podem se abri-gar sua sombra.

    Com muitas parbolas como esta Jesus anunciava aseus adeptos a palavra conforme podiam entender. Eleno lhes falava nada a no ser em parbolas. (Marcos4:30,34)

    Jesus sabia que quase tudo o que fazemos na vida sebaseia simplesmente na f. A maior parte das nossas de-cises tomada inicialmente em razo do que sentimosou acreditamos. S depois racionalizamos para justificarnossas escolhas. Jesus usava parbolas para nos obrigara lidar com as nossas crenas, e no com nossos racioc-nios lgicos.

    A pessoa verdadeiramente sbia sempre humilde.Jesus nunca escreveu um livro, falou por meio de par-bolas e conduziu as pessoas atravs do seu exemplo vivo.Ele era confiante, sem ser arrogante, acreditava em valo-res absolutos, sem ser rgido e tinha clareza sobre suaprpria identidade, sem julgar os outros.

    Jesus abordava as pessoas com tcnicas psicolgicasque estamos apenas comeando a entender nos dias dehoje. Ao invs de se mostrar superior, utilizando o seualto nvel de conhecimento, Ele humildemente dizia oque queria ensinar, atravs de simples histrias. Falavade uma forma que levava as pessoas a ouvirem, porquesabia o que o que precisavam escutar.

    Suas crticas mais severas eram dirigidas aos profes-sores da religio judaica. Jesus no os censurava peloconhecimento que possuam, mas pela arrogncia quedemonstravam. Para Ele era claro que quanto maisaprendemos, mais deveramos perceber que existemmuitas coisas que ainda no sabemos. Jesus compre-endia a forma de pensar das pessoas. Ele foi o maiormestre da histria porque sabia que cada pessoa spode compreender as coisas a partir da sua perspecti-va pessoal, por isso ensinava por parbolas. A parbola uma histria que nos ajuda a compreender a realida-de. Podemos extrair dela as verdades que formos capa-zes de entender e aplic-las em nossas vidas medidaque crescemos e evolumos.

    Fonte: Jesus, o maior psiclogo que j existiu Mark W. Baker

    Geraldo Valadares

    lo XV intitulado Os Milagresdo Evangelho em seu primei-ro item Superioridade danatureza de Jesus, Allan Kar-dec explica que nosso Mes-tre Maior, quando encarnouna Terra, esteve longe deapresentar-se com um corpofludico:

    Como homem, tinha aorganizao dos seres carnais;porm, como Esprito puro,desprendido da matria, ha-via de viver mais da vida espi-ritual, do que da vida corpo-ral, de cujas fraquezas no erapassvel. A sua superioridadecom relao aos homens noderivava das qualidades par-ticulares do seu corpo, mas dasdo seu Esprito, que domina-va de modo absoluto a mat-ria e da do seu perisprito, ti-rado da parte mais quintes-senciada1 dos fluidos terres-tres. (Cap. XIV item 9)

    Jesus Esprito puro quej alcanou o grau supremoda perfeio. Jamais, estevepassvel de sofrer as paixesterrenas, pois que, toda pai-xo humana est condiciona-da ao elemento material.

    Sempre, ns humanosbuscamos encontrar umnovo significado a Jesus Cris-to de acordo com os nossosinteresses pessoais e tambmsociais que vivenciamos emdeterminado momento. Oantigo Cristo do juzo-final(que o Cristo condenadoridealiz