Revista Capital 52

download Revista Capital 52

of 52

  • date post

    18-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    320
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Revista Capital 52

FRICA Banco Mundial prope fim de barreiras comerciais em frica

ECONOMIA Carvo vai estimular exportaes em 17%

DOSSIER Millennium Challenge Account d impulso ao Norte

Publicao mensal da S.A. Media Holding . abril de 2012 . 100 Mt

TURISMO Pas entre os melhores destinos DESENVOLVIMENTO Malonda capta investimentos para o Niassa

NIASSA qUER FAzER NEgCIORESENHA JURDICA Exerccio da actividade seguradora em Moambique

Niassa waNts tO dO busiNessFISCALIDADE O uso de meios electrnicos no cumprimento das obrigaes fiscais

N 52 . Ano 05

AfritoolAv. 25 de Setembro, Nr. 2009 Caixa Postal Nr. 2183 Tel. +258 21309068/328998 Fax. +258 21328997/333809 [email protected] Maputo - Moambique

A mAis de 13 Anos A proporcionAr os mAis Altos pAdres de servios, com produtos de QuAlidAde, preos competitivos, ideiAs inovAdorAs, Atendimento personAlizAdoMoAMbique TANzANiA ChiPre SwAzilNdiA

delegAeS em quelimane, Tete e Nampula

eMaterialMd

Equipamento

FerramentaseImplementosAgricolas

Motocultivador

Motores

ico

editora capital c editora capital c

6 SUMRIO

dossierDR

ECONOMIADR

FACTOS & NMEROSDR

VALORES

19

22DOSSIER

24

19 30TDM, p 02 AFRITOOL, p 03 MMEC, p 04 MCEL, p 05 STANDARD BANK, p 08 ZAP, p 11 EDITORA CAPITAL, p 15

Millenium Challenge Account d impulso ao norteOs investimentos aplicados pela Millenium Challenge Account em prol do desenvolvimento so notrios nas provncias do norte de Moambique. As reas das infraestruturas, abastecimento de gua, acesso e posse segura de terras, entre outras, esto na ordem do dia daquele organismo, visando gerar uma grande dinmica na vida das comunidades daquelas provncias.

DESENVOLVIMENTOMalonda capta investimentos para a provncia do NiassaReduzir a pobreza e melhorar os meios de subsistncia das comunidades rurais das comunidades mais desfavorecidas no Niassa so os objectivos da Fundao Malonda, que tem atrado investimentos para a provncia, alm de apoiar o sector privado e mediar possveis conflitos.

NDICE DE ANUNCIANTESTIM, p 17 CR HOLDING, p 19 AFRIN, p 37 PWC, p 41 SUPERBRANDS, p 47 CORRE, p 51 BCI p 52

SUMRIO 7

OBSERVATRIODR DR

SECTORDR DR

viso

33

34ENTREVISTA

39

50

O nacional est a aprender a fazer negcioA rea florestal e o turismo so as cartas que a provncia do Niassa tm na manga para incrementar o desenvolvimento local. Entretanto, a falta de vias de acesso e de mercados para comercializao constituem o calcanhar de Aquiles para que a provncia d este importante passo.

26 38

ANLISECriar espaos energticos comunitrios pode ser uma soluoA expanso das energias renovveis uma realidade benfica para as comunidades. Nesse contexto, um maior conhecimento e maior aceitao pblica das tecnologias seriam certamente importantes para impulsionar este tipo de energias.

EDITORIAL 9

Desenvolver sim, mas de olhos postos na ComunidadeNiassa possui oportunidades imensas no que diz respeito ao desenvolvimento de negcios sustentveis. O agro-business o seu cavalo de tria, e embora a provncia tenha subido no ranking de investimentos graas aos projectos florestais, as florestas assumem-se como uma clara aposta num horizonte temporal um pouco mais distante. A adicionar ao rol de riquezas da terra surge o cultivo do algodo, milho, sorgo, feijo manteiga, arroz, tabaco, madeiras e pedras semi-preciosas. Dizem os locais, com uma pitada de orgulho, que a provncia possui das maiores reservas de carvo mineral do pas, j para no falar do mundo. Outra mais valia reside no sector do turismo que vive intensamente da atraco que o Lago exerce nos visitantes nacionais, mas sobretudo nos estrangeiros. Alm das 60 mil espcies de peixes ornamentais existentes naquelas guas lmpidas, h a acrescentar ainda a flora e a fauna abundante assim como uma terra frtil que parece tocar o cu. Apesar de abenoada pela Natureza, a provncia luta com a falta de vias de acesso e de mercados para a comercializao dos seus produtos, e lida com sonhos de grandes projectos que tardam a acontecer. Perfilam-se misses empresariais originrias do Brasil, cujo interesse recai sobre o cultivo da soja e do milho e sobre a produo pecuria, e o Programa de Inovao em Agronegcios (Inovagro) estende os seus tentculos para alm da Zambzia, Nampula e Cabo Delgado, chegando igualmente quelas paragens. Por outro lado, encontra-se prevista para este ano a implementao de uma fbrica de empacotamento de feijo em Lichinga. Contudo, no existe financiamento para o arranque do projecto. E igualmente expectvel a montagem de uma fbrica de rao destinada indstria avcola. Ao mesmo tempo, a Associao para o Desenvolvimento Comunitrio do Niassa encontra-se a licenciar-se no sentido de desenvolver o microcrdito e a AMODER procura preencher as lacunas sentidas pelos empreendedores, concedendo crditos a agricultores e transportadores. No ano passado, o governador provincial do Niassa convidou os actores da cadeia de produo e de valores a se envolverem cada vez mais no aumento da produo e produtividade agrrias, aproveitando todas as oportunidades agro-ecolgicas e, sobretudo, as que o Governo colocou disposio para o fomento de agricultura, atravs do Fundo Distrital de Desenvolvimento. J a Fundao Malonda assume-se como uma parceira inquestionvel no s na promoo como na facilitao do desenvolvimento do sector privado no Niassa, sobretudo no sector das florestas; agricultura; turismo; geologia e mineralogia. Resumindo e concluindo, a dinmica da provncia no pra, apesar da distncia que a medeia de outros centros nevrlgicos, das dificuldades de financiamento, da falta de vias de comunicao e de mercados para a comercializao dos produtos agrcolas, entre outras. Alis, um estudo feito pela KPMG garante que os empresrios do Niassa so os mais optimistas em relao ao clima de negcios. E esse o esprito que Niassa parece desenvolver: o de ser positivo.c

O

Helga Nunes

[email protected]

FICHA TCNICAPropriedade e Edio: Southern Africa Media Holding, Lda., Capital Magazine, Av. Mao Tse Tung, 1245 Telefone/Fax (+258) 21 303188 [email protected] Directora geral: Andr Dauane [email protected] Directora Editorial: Helga Neida Nunes [email protected] Redaco: Arsnia Sithoye - [email protected]; Srgio Mabombo [email protected] Secretariado Administrativo: Mrcia Cruz [email protected]; Cooperao: CTA; Ernst & Young; Ferreira Rocha e Associados; PriceWaterHouseCoopers, ISCIM, INATUR, INTERCAMPUS Colunistas: Antnio Batel Anjo, E. Vasques; Elias Matsinhe; Federico Vignati; Fernando Ferreira; Hermes Sueia; Joca Estvo; Jos V. Claro; Leonardo Jnior; Levi Muthemba; Maria Uamba; Mrio Henriques; Nadim Cassamo (ISCIM/IPCI); Paulo Deves; Ragendra de Sousa, Rita Neves, Rolando Wane; Rui Batista; Sara L. Grosso, Vanessa Loureno; Fotografia: Lus Muianga, Amndio Vilanculo; Gettyimages.pt, Google.com; Ilustraes: Marta Batista; Pinto Zulu; Raimundo Macaringue; Rui Batista; Vasco B. Capa: Helga Neida Paginao: A. Magaia Design e Grafismo: SA Media Holding Traduo: Pedro Amaral Departamento Comercial: Neusa Simbine [email protected]; Distribuio: Nito Machaiana nito. [email protected]; SA Media Holding; Mabuko, Lda. Registo: N. 046/GABINFO-DEC/2007 - Tiragem: 7.500 exemplares. Os artigos assinados reflectem a opinio dos autores e no necessariamente da revista. Toda a transcrio ou reproduo, parcial ou total, autorizada desde que citada a fonte.

abril 2012

revista capital

10 BOLSA DE VALORES EM ALTA JANELA NICA ELECTRNICAAtravs da Janela nica Electrnica, as Alfndegas de Moambique colectaram no TIMAR - Terminal Internacional Martima, no Porto de Maputo, cerca de 130 milhes de meticais nos primeiros dois meses deste ano, em resultado da submisso de 172 despachos electrnicos. O montante corresponde a cerca de 27 % da receita recuperada pelo TIMAR.

CAPITOON

DVIDA MOAMBICANAO ministro de Planificao e Desenvolvimento de Moambique, Aiuba Cuereneia, revelou que esto a ser fechadas as negociaes e as devidas compensaes da dvida externa de Moambique para com Angola. De referir que a dvida de Moambique a Angola resultou de importaes de petrleo, na dcada de 1980.

PRODUO DE ACARA Aucareira de Moambique (AM), sob gesto da firma sul-africana Tongaat Hulett, atingiu, em 2011, uma produo recorde de 63 mil toneladas de acar, contra cerca de 44 mil toneladas de 2010. O representante daquela unidade fabril, George Naude, disse que o sucesso alcanado deveu-se introduo de novas tcnicas de produo agrria, no mbito da produo do acar naquela fbrica, cujo accionista minoritrio o Governo com 15 % de aces.

EM BAIXA EMBARCAO ESPANHOLAAs autoridades moambicanas apreenderam uma embarcao espanhola que foi encontrada a praticar pesca ilegal, tendo capturado 1.200 quilos de atum na Zona Exclusiva do Pas. Trata-se da embarcao Txori Argi, que foi ordenada a dirigir-se ao Porto de Nacala, provncia nortenha de Nampula, para inspeces e averiguaes aprofundadas, na sequncia do seu envolvimento na pesca ilegal. O navio espanhol foi condenado a pagar mais de 1.200.000 dlares pela infraco cometida.

COISAS QUE SE DIZEMquem nos dera Estender os benefcios para toda a sociedade, Desejo de Ernesto gove, manifestado aquando do 36 Conselho Consultivo do Banco de Moambique D sade e faz crescer Sem um povo educado e saudvel podemos ter crescimento econmico, mas no desenvolvimento econmico, Economista Ragendra de Sousa, no mbito do Conselho Consultivo do BM As meliantes! So as empresas pblicas que pressionam a taxa de juro, Idem Uma prosperidade que exige ingredientes completos A abundncia em recursos naturais no um passaporte automtico para a prosperidade Relatrio