Revista ON 02 2016

Click here to load reader

  • date post

    29-Jul-2016
  • Category

    Documents

  • view

    224
  • download

    0

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Revista ON 02 2016

  • REVISTA ON #2 P. 1

  • P. 2 REVISTA ON #2

  • REVISTA ON #2 P. 3

    Revista ONRevista da Ordem dos Nutricionistasn. 2

    PropriedadeOrdem dos NutricionistasRua do Pinheiro Manso, 1744100-409 PortoT. +351 222 083 876 | F. +351 220 931 856E. [email protected]

    DireoAlexandra Bento (Bastonrio)

    Coordenao e EdioDepartamento de Comunicao e Eventos da Ordem dos Nutricionistas

    RedaoBruno Sousa Clara Matos Conceio CalhauGraa Raimundo Helena vila Hermnio CarrasqueiraJoana SousaLus Amaro Maria Palma MateusNair Mota Pedro Miguel PintoRui da SilvaSnia Mendes Tnia Cordeiro

    Edio Grfica e PaginaoSOOCHY*

    FotografiaDepartamento de Comunicao e Eventos da Ordem dos NutricionistasGustavo Machado

    Design de capaRui da SIlva

    PeriodicidadeSemestral

  • P. 4 REVISTA ON #2

    EDITORIAL

    MAIS MUDANA,AS MESMAS CONVICES

  • REVISTA ON #2 P. 5

    EDITORIAL

    Findo o mandato edificador da Ordem dos Nutricionistas, iniciamos em novembro de 2015 o segundo mandato da (ainda curta) histria da Ordem dos Nutricionistas. Com um novo Estatuto implementado, o processo de convergncia j operacionalizado e muito trabalho feito em prol dos direitos e do reconhecimento da profisso, da qualidade da formao acadmica do nutricionista em Portugal e dos esforos por mais e melhor emprego, continuamos empenhados para garantir a excelncia para a nossa profisso.

    Somos uma equipa renovada mas as determinaes continuam as mesmas: zelar pelo bem-estar da populao, elevando a classe profissional sempre a novos patamares de excelncia e reconhecimento.

    Para este mandado so muitos os projetos que traamos. Grandes, porque precisamos de ambio mais do que nunca, mas todos eles realistas.

    Este nmero da Revista sai num momento em que muito trabalho foi j concretizado junto de diversos organismos nacionais. Mas a 2015 que damos nfase nesta edio, para garantir que lhe oferecemos um documento que alicera tudo aquilo que precisa de saber para que compreenda a base dos projetos que abraamos agora.

    Destacamos, neste nmero, um dos documentos que mais orientaro os nossos atuais objetivos. Um documento que foi entregue ao Senhor Ministro da Sade, aps um longo trabalho feito por vrios colegas de reconhecido mrito, que compila e fundamenta uma srie de propostas com vista a auxiliarem na sustentabilidade do Servio Nacional de Sade e, consequentemente, ao reconhecimento pblico e desenvolvimento da nossa profisso e dos nossos profissionais.

    Tudo concretizvel se continuarmos a manter presente que unidos somos mais fortes. Por isso, s remando para o mesmo lado, em sintonia e com a mesma convico, conseguiremos assegurar a concretizao de todas estas metas de interesse comum.

    Boas leituras.

    Alexandra BentoBastonrio da Ordem dos Nutricionistas

  • P. 6 REVISTA ON #2

    32

    1

    NO

    TCIAS P

    GIN

    A D

    O G

    AB

    INETE

    JUR

    DICO

    NO

    VO

    S

    RG

    O

    S

    ATIV

    IDaD

    ES O

    N

    P.8 P.21P.13

    7ESTU

    DO

    P.44

    4

    56

    CJ INFO

    RM

    A

    DESTA

    QU

    E

    P.35 P.39 P.50

  • REVISTA ON #2 P. 7

    10 13

    149

    118

    12

    AN

    U

    RIO

    DE

    NO

    TCIAS

    P

    GIN

    A D

    O G

    AB

    INETE

    DE EST

    GIO

    S

    N

    MER

    OS O

    N

    PR

    OCESSO

    DE

    CON

    VER

    GN

    CIA

    A O

    RD

    EM EM

    AG

    END

    A

    DEN

    N

    CIAS E

    EXER

    CCIO ILEG

    AL

    EDITA

    L

    P.61 P.74 P.80P.56 P.69P.53 P.72

    NDICE

  • NOTCIAS

  • REVISTA ON #2 P. 9

    ORDEM DOS NUTRICIONISTAS PARTICIPA NO COMPROMISSO DO MINISTRIO DA SADE PARA A SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO DO SNS

    A Bastonrio da Ordem dos Nutricionistas reuniu, no dia 14 de dezembro de 2015, com o Ministro da Sade a propsito da reforma do Servio Nacional de Sade (SNS), semelhana daquilo que aconteceu com outras entidades do setor da Sade.

    Aps a reunio, a Ordem dos Nutricionistas comprometeu-se a elaborar um documento (o qual ficar a conhecer com esta edio da Revista ON) a ser entregue ao Ministrio da Sade, com o objetivo de demonstrar a importncia da nutrio na sustentabilidade do SNS.

    A reunio assentou, essencialmente, no propsito de promover a compreenso por parte do Ministrio da Sade das principais metas e prioridades que a nutrio enfrenta, com vista a tornar o SNS mais sustentvel e ajustado s necessidades da populao, que ter que passar pelo aumento de nutricionistas, designadamente nos cuidados de sade primrios, onde se dever prever o aumento das consultas de nutrio, bem como programas de promoo de sade e preveno da doena atravs da alimentao.

    A Bastonrio da Ordem dos Nutricionistas considera que este nvel de envolvimento da Ordem dos Nutricionistas ser certamente um importante contributo para a afirmao dos nutricionistas junto das polticas de sade nacionais e, em particular, no que toca ao seu reconhecimento e estabilidade no SNS.

    Recorde-se que, no incio de janeiro, o Ministrio da Sade nomeou trs coordenadores nacionais (para os cuidados de sade primrios, hospitalares e continuados) para apresentarem propostas concretas para a reforma do SNS, elencando as prioridades para um horizonte temporal de 100 dias.

    REFORMA DO SNS CONTEMPLA MAIS NUTRICIONISTAS

    O Ministrio da Sade apresentou um Plano Estratgico da Reforma do Servio Nacional de Sade (SNS) para os Cuidados de Sade Primrios.

    A inteno de reverter a integrao insuficiente de nutricionistas nos centros de sade uma das medidas prioritrias j manifestadas pelo Ministrio.

    Outros objetivos contemplados na reforma passam, por exemplo, pela atribuio de um mdico de famlia, um enfermeiro e um secretrio clnico a cada cidado inscrito nos centros de sade, bem como pela integrao de outros servios de sade como as consultas de sade oral, de oftalmologia, fisioterapia, psicologia e de assistncia social nos cuidados de sade primrios.

    Tambm as taxas moderadoras vo diminuir 50 cntimos nas consultas nos centros de sade, para 4,5, valores significativamente abaixo daquilo que cobrado nas consultas hospitalares, que passaro agora para 7.

    NOTCIAS

  • P. 10 REVISTA ON #2

    A Ordem dos Nutricionistas tem encetado as devidas diligncias junto do governo para que o papel do nutricionista ganhe mais peso nos servios de sade. Aps a entrega do documento Propostas de Contributos para a Sustentabilidade do Servio Nacional de Sade, a Ordem dos Nutricionista v agora de mais perto a realidade do incremento de nutricionistas nos cuidados de sade primrios nos cuidados de sade primrios.

    Contudo, continuamos a lutar pela garantia da operacionalizao das medidas propostas que pretendem melhorar a sade da populao e defender os interesses dos nutricionistas.

    FAO: 2016 O ANO INTERNACIONAL DAS LEGUMINOSAS

    Sob o lema Sementes nutritivas para um futuro sustentvel, a Assembleia Geral da ONU declarou 2016 o Ano Internacional das Leguminosas, para criar conscincia dos seus benefcios, promover a sua produo e comrcio e fomentar novos usos em toda a cadeia alimentar.

    A ONU tem assim como objetivo promover o poder das protenas e os benefcios para a sade das leguminosas (como o feijo, gro-de-bico, ervilha, soja, lentilha ou a fava) e relembrar a importncia da segurana alimentar, principalmente para a populao dos pases em desenvolvimento.

    NUTRICIONISTA ESCOLAR, UMA NECESSIDADE

    O Plano Nacional de Sade: Reviso e Extenso a 2020, da Direo-Geral da Sade, considera a reduo dos fatores de risco relacionados com as doenas no transmissveis, incluindo a obesidade, como uma das suas principais metas para 2020. O reconhecimento da Obesidade Infantil como um dos eixos prioritrios do Plano Nacional de Sade tambm uma realidade aqui contemplada.

    No entanto, facto que, apesar da evoluo positiva nos nmeros da obesidade infantil em Portugal, o nosso pas continua a ser um dos que regista maior prevalncia de excesso de peso e obesidade infantil (Childhood Obesity Surveillance Initiative 2013).

    A nvel escolar, os estabelecimentos de ensino surgem com um ambiente ideal para educar do ponto de vista alimentar, contribuindo para a formao de hbitos alimentares saudveis em idades precoces. Para alm da importncia da educao alimentar em ambiente escolar, os estabelecimentos de ensino devem assumir-se como espaos saudveis, proporcionado para isso uma oferta alimentar nutricionalmente adequada.

    Perante a importncia de que se revestem estas con-sideraes, e estando definida como uma misso prio-ritria do seu plano de ao, a Ordem dos Nutricionis-tas encontra-se a encetar vrias diligncias junto dos rgos soberanos no sentido de promover a criao desta figura.

  • REVISTA ON #2 P. 11

    Inqurito Nacional de Sade 2014

    MAIS DE METADE DA POPULAO COM 18 OU MAIS ANOS TINHA EXCESSO DE PESO

    O Instituto Nacional de Estatstica, em colaborao com o Instituto Nacional de Sade Doutor Ricardo Jorge, efetuou, em 2014, o Inqurito Nacional de Sade (INS 2014) em todo o territrio nacional, com o objetivo primordial de caracterizar a populao residente com 15 ou mais anos em termos de estado de sade, de cuidados de sade e de determinantes de sade relacionadas com estilos de vida. O INS 2014 harmonizado e regulamentado a nvel europeu (Regulamento UE n. 141/2013), permitindo a comparao internacional dos resultados.

    Entre as principais concluses do inqurito, verificou-se que, em 2014, 52,8% da populao com 18 ou mais anos, tinha excesso de peso e que o aumento da obesidade foi o mais expressivo, tendo afetado principalmente as mulheres e a populao com idades entre 45 e