Revista Sempre Alerta

Click here to load reader

  • date post

    16-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Revista-laboratório da turma de Mídia Impressa da Universidade de Caxias do Sul - 2011

Transcript of Revista Sempre Alerta

  • Revista-laboratrio de Mdia Impressa UCS

  • Revista-laboratrio da turma de Mdia Impressa da Universi-dade de Caxias do Sul - 2011.

    Reitor: Isidoro Zorzi

    Vice-Reitor: Jos Carlos Keche

    Diretora do Centro de Cincias da Comunicao: Marliva Vanti Gonalves

    Professora: Alessandra Rech

    Alunos:

    Aline dos Santos

    Aline Pereira Rodrigues

    Ariadne Teles da Roza

    Calebe Silva Rosa

    Clarissa Zandon Valente

    Daiane Girelli

    Fernanda Dalalba

    Fernando Floriano

    Gabriel da Rosa Rodrigues

    Gabriel Pereira da Silva

    Ivan Sgarabotto

    Jonathan Zanotto

    Lilian Regina Radke

    Lvia B. Cipolla

    Lucas Guarnieri

    Lucas Gusatto Antoniazzi

    Luciane Huf Correa

    Maysa Seibert Perozzo

    Tiago Luiz Menegaz

    Foto de capa: Maysa S. Perozzo

    250 exemplares

    Impresso: Grfica Calbria

    Para mais informaes sobre o Movimento Escoteiro acesse:

    www.maisescoteiros.blogspot.com

    facebook.com/maisescoteiros

    twitter @26Distrito

    SempreAlerta

    2

  • O que, a princpio, pode parecer uma pergunta fcil de responder, na maioria das vezes uma das per-guntas que os escoteiros mais te-mem responder. Isso no acontece porque eles no sabem a resposta, mas na verdade porque difcil de-finir em palavras uma filosofia de vida.

    A Revista Sempre Alerta, revis-ta-laboratrio da turma de Mdia Impressa da Universidade de Ca-xias do Sul, escolheu como tema o Movimento Escoteiro. So 20 estu-dantes de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relaes Pblicas, coordenados pela professora e Jor-nalista Alessandra Rech, que nas prximas pginas contaro a his-tria desse movimento centenrio, seus princpios e valores e como so as atividades dos grupos escoteiros na regio nos dias atuais.

    O escotismo, criado por Robert

    Stephenson Smith Baden-Powell em 1907, na Inglaterra, hoje o maior movimento educacional e voluntrio para jovens e adultos. So mais de 30 milhes de partici-pantes em todo o planeta, sendo 60 mil no Brasil e 8 mil no Rio Gran-de do Sul. A Revista Sempre Alerta buscou histrias sobre os grupos da regio e suas atividades em pleno sculo 21.

    Quando o Escotismo foi criado, o objetivo inicial era tirar os jovens londrinos das ruas e propor ativi-dades junto natureza. Hoje ain-da existe esse pensamento, porm muito mais do que isso o escotismo voltado para a formao pessoal, o desenvolvimento do carter, a pre-parao de cidados que trabalhem em prol de sua ptria, de sua crena e, principalmente, do prximo.

    Conectados s mdias sociais e ao radioamadorismo - como ve-remos na pgina 11, sobre Bento

    Gonalves; realizando atividades ldicas em meio a um clima de fantasia de quem no quer cres-cer - como o Bivaque de Lobinhos inspirado em Peter Pan (pgs. 4 e 5); reunindo 300 jovens, vindos de todo o Estado, para realizarem um dia de atividade comunitria em Caxias, que ser explicada melhor na matria do Ramo Pioneiro (pgs. 9 e 10), o Escotismo continua for-te e no para de crescer em todo o mundo. Por esses e outros motivos que a Revista Sempre Alerta ir tra-tar do Movimento Escoteiro. Com certeza uma fonte de aprendizado e crescimento pessoal para todos que em algum momento tiverem acesso a essa prtica que j mudou a vida de mais de 250 milhes de pessoas no ltimo sculo.

    O QUE escotismo?EDITORIAL

    3

    Gabriel Rodrigues, Pioneiro, Grupo Escoteiro Baden Powell, estudante de Jornalismo.

    Milena Leal

  • Crianas de 6 a 10 anos de idade de ambos os sexos que entram no escotis-mo so chamadas de lobinhos em referncia a esse animal muito es-perto, e que sabe viver bem em gru-po. Mas para ser um deles preci-so fazer a promessa e cumprir a lei.

    O programa educativo e as etapas do lobinho visam aos primeiros ensina-mentos para a vida no campo, vida em equipe e desenvolvimento da lideran-a. Na Alcateia, a criana aprende a se preparar para, quando tiver a idade certa, seguir para a Tropa Escoteira. O termo alcateia inspirado no "Livro da Jangal", de Rudyard Kipling, resumido em "Mogli, o menino-lobo". A organi-zao da Alcateia pode ser s de lobi-nhos, lobinhas ou mista, e dividida em

    O Ramo LobinhoAprendizado, educao e determinao: o futuro depende deles

    equipes denominadas matilhas, cada uma com quatro a seis crianas, nas quais so realizadas atividades de pri-

    EN

    QU

    ET

    Emeiros- socorros, economia, trabalhos manuais, vivncia no campo e jogos.

    Texto e foto: Daiane Girelli

    @RevSempreAlertaO pessoal da redao da Revista Sempre Alerta quer saber: qual dica voc daria para algum que quer se tornar um bom escoteiro?

    [email protected] cumpra a promessa e a lei, seja um escoteiro de verdade, com ou sem o uniforme, na sede ou na faculdade... em qualquer lugar

    [email protected] Seja prtico e esteja sempre alerta, voc nunca sabe quando o chefe vai apitar.

    @RevSempreAlertaO que te levou a conhecer o escotismo? O que o faz continuar at os dias de hoje?

    [email protected] uma amigo da rua j fazia, foi ateno e os ensinamentos que tive l, os amigos que formei e os momen-

    tos que passei l.

    @RevSempreAlertaUm acampamento para valer a pena, o que no pode faltar?

    ronierodrigues @RevSempreAlerta muito trabalho duran-te o dia, e uma boa conversa ao p do fogo no fim da noite, com msicas, histrias e muita risada.

    [email protected] amigos

    @RevSempreAlertaO pessoal citou lama, amigos, uma boa conversa ao p do fogo e msica escotei-ra. Qual a msica escoteira que seu Grupo sempre canta?

    [email protected] uhum da amizade, acenda fogo acenda, kumbia, e claro, a cano da despedida entre vrias outras.

    4

    4

    Promessa:Prometo fazer o melhor possvel para: Cumprir meus deveres para com Deus e minha Ptria; Obedecer Lei do Lobi-nho e fazer todos os dias uma boa ao.

    Artigos da lei:I O Lobinho ouve sempre os Velhos Lobos. II O Lobinho pensa primeiro nos outros. III O Lobinho abre os olhos e os ouvidos. IV O Lobinho limpo e est sempre alegre. V O Lobinho diz sempre a verdade.

    Fernanda Dalalba e Gabriel Rodrigues

  • Realizado em Caxias do Sul no dia 8 de outubro, o en-contro regional dos lobos, o Bilo (Bivaque de lobos), mais uma das atividades que vm acres-centar magia ao cotidiano dos lobi-nhos. A narrativa de Mogli, o Meni-no Lobo na floresta Jngal, serve de inspirao para o universo ldico dos lobinhos, que neste ano trabalharam com outro tema da fantasia: Peter Pan, no encontro. O resultado foi en-cantamento para as 330 crianas ins-critas, vindas de sete cidades. Caxias do Sul, Canela, Farroupilha, Flores da Cunha, So Marcos, So Sebastio do Ca e Vacaria, somando 15 gru-pos: G.E. do Mar Baro de Teff, Mo-acara, Ismar Bauler, Imigrante, Saint Hilaire, Baden-Powell, Amigo Panda, Bandeirantes irmo Bonifcio, Aba-ete, Alberto Mattione, Guaracy, Salto Ventoso, Rouxinol Da Serra, Tabaja-ra, Porteira do Rio Grande e Taquato.

    De acordo com a coordenadora do evento, a akel Jlia dos Santos, a ideia veio sendo trabalhada desde dezembro de 2010. Nesses encon-tros, os akels depositam muito ca-rinho, trocando ideias, procurando fazer o melhor para as crianas, e a cada ano que passa todos aprendem e crescem, acreditando na magia do Bilo, mas tambm trabalhando coor-denao, equilbrio, ateno e a edu-

    cao ambiental com a reciclagem e a preservao do meio ambiente.

    Jlia afirma que, a cada encontro que passa, o grupo tem a percepo de crescimento e de que as ideias viram realidade. Ela destaca a inte-grao e o conhecimento de variados grupos, levando-os a uma troca de conhecimentos, jogos e brincadeiras.

    Pedro, lobo do ImigranteH um ano no escotismo, leva-

    do pelo pai, Pedro diz que o melhor do Bilo a possibilidade de aprender coisas novas e legais e tambm os amigos. A brincadeira que chamou

    sua ateno foi a travessia na cor-da, que exigiu dele muito equilbrio.

    DesenvolvimentoAs mes Catia, Sabrina, e Leonora

    dizem que o aprendizado, educao, rotina e o desenvolvimento melhoraram a partir do momento em que seus seus filhos entraram no escotismo. Nesse momento em que nos encontramos frente a tantos problemas no mundo, a melhor maneira de fazer com que nossos filhos sejam pessoas do bem darmos o exemplo. O Bilo uma forma de voltar ao passado e fazer com que resgatem as brincadeiras, afirmam.

    Lobos: uma forma de reeducar o mundoAcima de tudo o aprendizado, a educao

    5

  • As atividades realizadas pe-los escoteiros so ligadas natureza, como passeios, acampamento, acantonamento, trilhas e jornadas. Mas numa gerao onde as novas mdias esto cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas, esses jovens que participam de um grupo escoteiro tm toda liberdade de usar os meios tecnolgicos e so in-centivados a se integrar dessa forma, porm, procurando no interferir no objetivo principal das atividades pro-postas, que a atividade prtica e ao ar livre.

    Nesse constante desenvolvimento digital, foi criado o JOTI (Jamboree on the internet), que acontece anualmen-te online. uma forma de Jamboree (encontro de escoteiros que acontece anualmente, sempre num pas diferen-te e rene escoteiros de todo os can-tos do mundo). O JOTI composto de uma srie de atividades, onde escotei-ros e bandeirantes em todo o mundo, totalizando em mdia 500 mil partici-pantes, fazem contato entre si, reali-zam atividades propostas e postam os vdeos na Internet. um Jamboree virtual, onde experincias escoteiras so trocadas e os ideais so compar-tilhados, contribuindo assim para a grande fraternidade mundial.

    EscoteirosEscoteiros uma etapa que suce-

    de a dos Lobinhos. Dela fazem parte meninos e meninas entre 11 a 15 anos de idade, que so divididos em grupos de cinco a oito jovens, formando as patrulhas. O conjunto de quatro patr