Revista%2 b ecologia%2b%2528conteúdo%2bonline%2529%2b-%2bplantas%2bvasp%2bv%2b0.3

Click here to load reader

  • date post

    13-Aug-2015
  • Category

    Education

  • view

    41
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Revista%2 b ecologia%2b%2528conteúdo%2bonline%2529%2b-%2bplantas%2bvasp%2bv%2b0.3

  1. 1. 2 Science4you S.A. 2012 Faculdade de Cincias da Universidade de Lisboa Edifcio Tec Labs, Campo Grande 1749-016 Lisboa Telef: (+351) 217500180 E-mail: [email protected] www.science4you.pt Editorial Daniela Silva _ Autor Jorge Faria _ Design Grfico Grfica SerSilito - Empresa Grfica, Lda. Distribuio VASP- Sociedade de Transporte e Distribuio, Lda. MLP - Quinta do Grajal Venda Seca 2739-511 Agualva Cacm Depsito Legal: 352406/12 / ISBN: 560772710613500003 _ Avisos - Este kit contm peas pequenas que podem ser ingeridas. Em caso de ingesto contactar imediata- mente os servios de emergncia. - Alguns contedos deste kit apresentam arestas pontiagudas que devem ser manuseadas com cuidado. - As sementes devem manter-se afastadas da boca, nariz e olhos. Caso entrem em contacto com os olhos ou com a boca, lavar imediata e abundantemente com gua corrente. Consultar os servios de urgncia caso a irritao persista. Todas as experincias deste kit devero ser realizadas sob a superviso de um adulto. Este kit no apresenta perigos de maior, no entanto, podero ocorrer pequenas irritaes ou ferimentos no decorrer das experincias se os componentes forem manuseados de forma incorreta. As instrues devem ser lidas cuidadosamente antes de se iniciarem as experincias. Em caso de ocorrncia de sintomas de alerta no referidos nesta edio, contactar imediatamente os servios de urgncia. Em caso de emergncia, contactar imediatamente Servio Nacional de Emergncia 112
  2. 2. 3 A|Vasos 2 unidades B|Saqueta de sementes 3 unidades C|Copo de mistura grande 1 unidade D|Copo de mistura pequeno 1 unidade E|Caixa de Petri 1 unidade F|Pipeta 1unidade G|Saco de plstico 1 unidade H|Vareta de madeira 1 unidade _ ndice _ Contedo I|Cordel 1 unidade J|Folha de carto: Medidor, Suporte para plantas e Placas de identificao 1 unidade 4|Introduo 4|Plantas a| Clula vegetal b| Fotossntese 9|Morfologia de uma planta a| Raz b| Caule c| Folha d| Flor e| Fruto f| Vasos condutores 12|Reino das plantas a| Brifitos b| Traquefitos 15|Reproduo 16|Curiosidades das plantas 18|Ecologia aplicada s plantas a| Cadeia alimentar b| Desenvolvimento sustentvel c| alteraes climticas 20|E xperincias 11| e 12| 22|Questionrio 23|Concelhos teis para ser um bom amigo do ambiente 24|Esquema das plantas 25|Esquema dos seres vivos
  3. 3. 4 Dentro dos ecossistemas podemos distinguir dois tipos de fatores: Fatores Abiticos: conjunto dos componentes do ecossistema que no so dotados de vida. Exemplos: Terra, gua, rochas, entre outros. Fatores Biticos: conjunto de componentes do ecossistema dotados de vida. Exemplos: animais, plantas, etc. 2| Plantas 2.1| Clula vegetal 1| Introduo Neste manual so retratados os aspetos mais importan- tes das plantas (Reino Plantae), tais como: a estrutura da clula vegetal, o processo de fotossntese, a morfologia de uma planta e a diversidade do reino Plantae. Vamos concentrar-nos nos seus aspetos gerais, nas suas aplica- es e no uso que estas tm no nosso quotidiano. Comeamos, ento, por definir o que uma planta: Planta: o principal objeto de estudo da Botnica e em termos cientficos so os organismos multicelulares constitudos por clulas vegetais. Por outras palavras, so os seres vivos que captam a energia solar necessria produo de matria org- nica, atravs dos cloroplastos, num fenmeno designa- do por fotossntese. Existe uma grande diversidade de plantas no reino Plantae que veremos mais adiante. Alm do estudo das plantas iremos incidir numa temti- ca extremamente importante e atual: a Ecologia. Vamos definir ecologia: Ecologia: tem origem no gregoOko(casa) eyo (conhecimento) e a cincia que estuda os ecossiste- mas (Margalef, 1998). Ecossistema: o conjunto dos seres vivos, do ambien- te, da sua distribuio, abundncia e o modo como estes se relacionam entre si. Figura 1| Imagem representativa do Reino Plantae. Figura 3| Fatores abiticos. Figura 4| Fatores biticos. Figura 2| Imagem representativa dos Ecossistemas. 2 1 3 4 5 6 7 8 9 Introduo
  4. 4. 5 1. Parede celular 2. Membrana celular 3. Citoplasma 4. Vacolo 5. Plastos (cloroplastos) 6. Complexo de Golgi 7. Mitocndria 8. Retculo endoplasmtico 9. Ncleo Legenda: Como vimos no ponto anterior, as plantas so organis- mos multicelulares, isto , consti-tudas por muitas clu- las, que so as suas unidades fundamentais. Estas clulas denominam-se por clulas vegetais e apre- sentam estruturas que permitem desempenhar funes vitais para as plantas tais como a nutrio, a reproduo e relaes com o meio envolvente. As clulas vegetais so, assim, constitudas por organe- los, ou seja, estruturas que permitem planta executar estas funes especficas, dos quais podemos distinguir: 1. Parede celular: a estrutura mais externa da clula vegetal. Por no existir em clulas animais, constitui-se como uma caracterstica que permite diferenciar a clu- la vegetal da animal, no sendo, no entanto, a nica. A parede celular assumiu uma importncia extrema na evoluo das plantas, j que permitiu que estas passas- sem do meio aquoso, para um meio seco (a terra). Enquanto habitavam num meio aquoso as plantas es- tavam em contacto direto com o seu alimento (gua e sais minerais), assim, a passagem para um meio seco desencadeou o desenvolvimento de um sistema de transporte que permite s plantas desempenhar funes de nutrio, atravs do xilema e do floema. As principais funes deste organelo so: - Proteo do contedo celular - Confere rigidez estrutura celular - Compartimentao das clulas - Medeia as relaes entre a clula e o meio externo, as- sim como entre clulas Figura 5| Parede celular. 2. Membrana celular: a estrutura que vem imediata- mente a seguir parede celular e que envolve o cito- plasma. Tem como papel fundamental o controlo da passagem das substncias para o interior da clula. Dentrodaclulaexistemoutrosorganelosquepossuem, tambm, uma membrana tais como: os Cloroplastos, as Mitocndrias, o Retculo Endoplasmtico, o Aparelho de Golgi, os Lisossomas e os Vacolos. Tambm nestes or- ganelos, a membrana desempenha as mesmas funes. 3. Citoplasma: essencialmente constitudo por hia- loplasma, uma soluo coloidal, ou seja, um sistema formado por substncias slidas e lquidas onde se en- contram os diversos organelos e o ncleo. De entre as inmeras substncias presentes no Hialoplasma, iremos abordar as mais importantes: -leos: Diferem de acordo com a planta. Temos como exemplos ilustrativos o produto extrado: . Oliveira (Olea europaea) : utilizado na alimentao e em cosmtica (figura 7); . Girassol (Helianthus annuus): usado nas nossas cozi- nhas como leo alimentar ou na indstria (figura 8); . Lavanda (Lavandula stoechas) utilizado como perfume (figura 9). Figura6| Membrana celular. Figura 8. Espcie Helianthus annuus Figura 9. Espcie Lavandula stoechas Figura 7. Espcie Olea europaea Sabias que... Uma das aplicaes prticas mais promissoras do mercado a utilizao dos leos extrados de plan- tas como os girassois (Helainthus annus), a soja (Gly- cine max), ou o nabo (Brassica napus) como biocom- bustvel, em substituio do petrleo? As Plantas
  5. 5. 6 Figura 10| leos de girassol, milho e soja. - Mucilagem: um dos componentes constituintes de inmeros medicamentos. - Taninos: So toxinas que para alm de permitirem a defesa das plantas, intervm em processos como a mat- urao das frutas. Nos vinhos, a sua concentrao per- mite determinar a qualidade dos mesmos. - Cristais: So acumulaes de clcio que funcionam como reservas para a planta. Temos como exemplos de- monstrativos as rfides. Figura 11| Mucilagem segregada por plantas carnvoras para apanhar as suas presas. 4. Vacolo: Os vacolos tm como principais funes a acumulao de substncias e a produo de presso de turgescncia, ou seja, a presso exercida sobre as pare- des celulares originada pela entrada de gua na clula. Esta presso permite clula crescer. Em geral, as clulas contm diferentes vacolos dependendo do tempo de vida, da localizao geogrfica e do tipo de planta. Nas clulas vegetais os vacolos so de grandes dimenses e em pequeno nmero, ao contrrio do que ocorre nas clulas animais. 5. Retculo endoplasmtico: Este organelo compreen- de dois sistemas: Retculo Endoplasmtico Liso (REL): o responsvel pela sntese de lpidos, designados nor- malmente porgorduras. Os lpidos so essenciais vida das plantas, uma vez que deles que provm a energia essencial aos seus processos vitais. Estes compostos so fundamentais para a sntese de novos compostos, como as membranas celulares e as membranas dos diferentes organelos, sendo os princi- pais constituintes. O retculo endoplasmtico liso responsvel, tambm, pela comunicao entre o ncleo e o citoplasma. Retculo Endoplasmtico Rugoso (RER): O retculo endoplasmtico rugoso diferencia-se do liso pela presena de ribossomas na sua parte exterior. Estas pequenas verrugas, os ribossomas, so responsveis pela denominao de rugoso e tm como funo a sn- tese de protenas. As protenas apresentam funes similares s dos lpi- dos, fazendo tambm elas parte integrante das mem- branas. No entanto estas possuem funes to inte- ressantes como a defesa do organismo e a regulao hormonal de determinados processos. Figura 12| Taninos. Figura 13| Rfides. Figura 14| Vacolo. As Plantas
  6. 6. 7 6. Complexo de Golgi: As substncias produzidas no retculo endoplasmtico vo para o Complexo de Golgi, onde so transformadas e encaminhadas para os locais onde so necessrias. O seu transporte feito em vesculas, que no so mais que pequenas bolsas dealimento, que podem ir para o citoplasma, ou para fora da clula, eventualmente, para outros locais da planta. Este organelo encontra-se mais desenvolvido na clula vegetal do que na clula animal. 7. Ncleo: o organelo mais importante, quer na clula animal quer na clula vegetal, uma vez que a que se encontra a informao gentica: o ADN. responsvel pela diviso celular, ou seja, a multiplicao das clulas. 8. Plastos: Conjunto de organelos que constituem as c- lulas vegetais, cuja principal funo a produo e arma- zenamento de compostos qumicos utilizados pela c