Sa 8000 Norma Sobre Resposanbilidade Social

Click here to load reader

  • date post

    04-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    1.758
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Sa 8000 Norma Sobre Resposanbilidade Social

UNIB - UNIVERSIDADE IBIRAPUERAADMINISTRAO DE EMPRESAS

Responsabilidade Social Empresarial A Norma SA8000 como Ferramenta de Gesto

Aldemir Soares de Morais Aline Vasconcelos Vivas Andr Washington Vereda Fabiana Amigo

So Paulo 2006

ALDEMIR SOARES DE MORAIS ALINE VASCONCELOS VIVAS ANDR WASHINGTON VEREDA FABIANA AMIGO

Responsabilidade Social Empresarial A Norma SA8000 como Ferramenta de Gesto

Monografia apresentada Banca Examinadora da UNIB UNIVERSIDADE IBIRAPUERA, como exigncia parcial para obteno do ttulo de bacharel em Administrao de Empresas sob orientao do Professor Carlos Eduardo Rollo Ribeiro.

UNIB - UNIVERSIDADE IBIRAPUERA TCC em Administrao

AMIGO, Fabiana 1983 MORAIS, Aldemir Soares 1966 VEREDA, Andr Washington 1971 VIVAS, Aline Vasconcelos - 1976 Responsabilidade Social Empresarial A Norma SA8000 como Ferramenta de Gesto. 132 p. - Monografia UNIB Universidade Ibirapuera, 2006

1. Responsabilidade Social Empresarial 2. SA8000

_____________________________________ Prof. Carlos Eduardo Rollo Ribeiro Orientador

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao nosso orientador pela dedicao, orientao e correes durante todo o desenvolvimento do trabalho. Agradecemos as empresas JY Comercial, Marcopolo, Mendes Jnior Trading e Engenharia e Polytechno Indstrias Qumicas por acreditar em nosso projeto e pela ateno recebida dos seus gestores, sendo fundamental para a concluso do trabalho. Agradecemos tambm aos nossos professores que nos conduziram durante esses quatro anos, demonstrando sua importncia e relevncia na formao de profissionais cada vez mais competentes.

SUMRIO Introduo 1 DESENVOLVIMENTO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL 1.1 Incio das Relaes Humanas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.2 Consequncias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.3 Um Novo Modelo de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 RESPONSABILIDADE SOCIAL - RS 2.1 tica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.2 Responsabilidade Social Empresarial - RSE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.2.1 Responsabilidade Social Empresarial no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.2.2 Social Accountability International - SAI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 SISTEMA DE GESTO DE RS: A NORMA SA8000 3.1 Histria da SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2 Organizao Internacional do Trabalho OIT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3 Questes Abordadas pela SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 IMPLANTAO DA SA8000: UM GRANDE DESAFIO 4.1 Desenvolvendo o Sistema de Gesto baseado na SA8000 . . . . . . . . . . . . . 4.2 Poltica de Responsabilidade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.3 Representantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.4 Planejamento e Implementao da SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.5 Controle de Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.6 Treinamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4.7 Registro das Informaes: Adotando Formulrios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 PARTES INTERESSADAS 5.1 Conceito de Partes Interessadas PIs. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.2 A SA8000 e as PIs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.3 Organizaes No-Governamentais - ONGs. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.4 Sindicatos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.5 Ministrio Nacional do Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 AUDITORIA 6.1 Em Busca da Convergncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6.2 Auditando a SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 - ANLISE DE CASOS 7.1 Estudo de Caso Polytechno Indstrias Qumicas Ltda. . . . . . . . . . . . . . . 7.1.1 Caractersticas Organizacionais Histrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1.2 SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1.2.1 Poltica de Responsabilidade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1.2.2 Sistema de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1.2.3 Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7.1.2.4 Partes Interessadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 3 4 6 7 7 7 11 12 14 14 16 17 22 22 25 26 26 29 32 33 34 34 35 36 37 38 40 40 41 45 46 46 46 46 48 50 50

7.1.2.5 7.1.2.6 7.2 7.2.1 7.2.1.1 7.2.1.2 7.2.1.3 7.2.2 7.2.2.1 7.2.2.2 7.2.2.3 7.2.2.4 7.2.2.5 7.2.2.6 7.2.3 7.2.3.1 7.2.4 7.2.4.1 7.2.4.2 7.2.4.3 7.2.4.4 7.3 7.3.1 7.3.2 7.3.2.1 7.3.2.2 7.3.2.3 7.3.2.4 7.3.2.5 7.3.2.6 7.4 7.4.1 7.4.2 7.4.2.1 7.4.2.2 7.4.2.3 7.4.2.4 7.4.2.5 7.4.2.6 7.5 7.5.1 7.5.2 7.5.2.1 7.5.2.2 7.5.2.3

Benefcios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opinio Final do Gestor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pesquisa Qualitativa Realizada na Polytechno Indstrias Qumicas Ltda Poltica de RSE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Descrio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comunicao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comit Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sistemas de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Anlise Crtica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comunicao Formulrios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Representantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Segurana no Trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ambiente Legal Trabalhista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Acidentes de Trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Avaliao Independente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Auditoria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Auditoria Interna - Planejamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informaes Disponveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Entrevista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fechamento da Auditoria Externa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo de Caso - Mendes Jnior Trading e Engenharia S.A. . . . . . . . . . . . Caractersticas Organizacionais Histrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poltica de Responsabilidade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sistema de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Partes Interessadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Benefcios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opinio Final do Gestor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo de Caso - JY Comercial Ltda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caractersticas Organizacionais Histrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poltica de Responsabilidade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sistema de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Partes Interessadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Benefcios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opinio Final do Gestor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo de caso - Marcopolo S/A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caractersticas Organizacionais Histrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poltica de Responsabilidade Social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sistema de Gesto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fornecedores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

51 51 52 52 52 52 53 53 53 54 55 56 58 60 60 60 61 61 61 62 62 64 64 65 65 65 68 69 70 70 71 71 71 71 72 74 75 75 75 76 76 76 76 78 80

7.5.2.4 7.5.2.5 7.5.2.6 7.6 7.6.1 7.6.2 7.6.3 7.6.4

Partes Interessadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Benefcios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opinio Final do Gestor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comparativo dos Casos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caractersticas Organizacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dificuldades no SGS Baseado na SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Benefcios da SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Consideraes Finais sobre os Casos Estudados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

80 81 81 82 82 83 84 86 87

CONCLUSO APNDICES 1 - QUESTIONRIOS PARA ESTUDO DA IMPLANTAO DO SISTEMA DE GESTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DE ACORDO COM SA8000 1.1 Questionrio da empresa Polytechno Indstrias Qumicas Ltda. . . . . . . . . 1.2 Questionrio Da Empresa Mendes Jnior Trading E Engenharia S.A. . . . . 1.3 Questionrio da empresa JY Comercial Ltda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.4 Questionrio Da Empresa Marcopolo S/A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 - PROJETO DE PESQUISA PARA ESTGIO SUPERVISIONADO RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL A NORMA SA8000 COMO FERRAMENTA DE GESTO 2 Introduo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.1 Contextualizao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.2 Problema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2.3 Problematizao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 3.1 3.2 4 5 6 ANEXOS BIBLIOGRAFIA Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Objetivos Gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Objetivos Especficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Relevncia ou Justificativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Hipteses. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Metodologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

90 91 98 113 119 127

127 127 128 128 129 129 129 130 131 132

SUMRIO DE QUADROS, FIGURAS E MAPAS

QUADRO 2.1 QUADRO 7.1 QUADRO 7.2 QUADRO 7.3

A Empresa e seus Parceiros (Stakeholders) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Resumo das Caractersticas Organizacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dificuldades na Implementao e Manuteno da SA8000. . . . . . . . . . . Benefcios da SA8000. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

9 82 83 84

MAPA 3.1

Pases que Adotam a Norma SA8000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

15

FIGURA 6.1

O Ciclo de Auditoria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

43

LISTA DE SIGLAS ABNT ASE AVCB CEATS CEPPA CIPA CLT DIEESE EPI ETE FGTS IBASE ISO9001 ISO14001 VCL MARGUSA MJTESA MTE NC OHSAS18001 OIT ONG ONU PCMSO Associao Brasileira de Normas Tcnicas rea de Suprimentos e Equipamentos Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros Centro de Empreendedorismo Social e Administrao do Terceiro Setor Council of Economic Priorities Accreditation Agency Comisso Interna de Preveno de Acidentes Consolidao das Leis do Trabalho Departamento Intersindical de Estatstica e Estudos Scio-Econmicos Equipamento de Proteo Individual Estao de Tratamento de Efluente Fundo de Garantia por Tempo de Servio Instituto Brasileiro de Anlises Scio-Econmicas Quality Management Systems (Sistema de Gesto da Qualidade) Environmental Management Systems (Sistema de Gesto Ambiental) Veculos Comerciais Leves Maranho Gusa S.A. Mendes Jnior Trading e Engenharia S.A. Ministrio do Trabalho e Emprego No Conformidade Occupational Health and Safety Zone (Sistema de Gesto de Segurana e Sade no Trabalho) Organizao Internacional do Trabalho Organizao No Governamental Organizao das Naes Unidas Programa de Controle Mdico e Sade Ocupacional

PDCA PI PPRA QMSR RH RNC RS RSE SA8000 SAC SAI SAP SENAI SIMASA SGS SIG

Plan-Do-Check-Action (Planejamento-Execuo-Verificao-Deciso) Parte Interessada Programa de Preveno de Acidentes Qualidade, Meio Ambiente, Responsabilidade Social Recursos Humanos Relatrio de No Conformidade Responsabilidade Social Responsabilidade Social Empresarial Social Accountability 8000 Solicitao de Aes Corretivas Social Accountability International Social Accountability Policy Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Siderrgica do Maranho S.A Sistema de Gesto Social Sistema de Gesto Integrado Segurana e Sade Ocupacional e

RESUMOA SA8000 - Social Accountability 8000 uma norma de gesto social que estabelece critrios para que sejam oferecidas condies dignas de trabalho no ambiente organizacional, tendo como foco principal o trabalhador, o que a diferencia de outras normas de conduta, que visam mais questes operacionais, eficincia, meio ambiente, segurana, entre outros. A Norma composta por nove requisitos bsicos que so: Trabalho Infantil, Trabalho Forado, Sade e Segurana, Liberdade de Associao e Direito Negociao Coletiva, Discriminao, Prticas Disciplinares, Horrio de Trabalho, Remunerao e Sistemas de Gesto. O objetivo do trabalho demonstrar a implantao do Sistema de Gesto de Responsabilidade Social baseado na Norma, seus pontos crticos e dificuldades de implementao, assim como os benefcios gerados as organizaes.

ABSTRACTThe SA8000 Social Accountability is a social management standard that

specifies requirements for worthy labor conditions to organizations with foccus on the employees. Thats the main difference of the other standards that aim operational questions, efficiency, environment, security, among others. The standard presents nine regular requirements, as follows: Child Labour, Forced Labour, Health and Safety, Freedom of Association and Right to Collective Bargaining, Discrimination, Disciplinary Practices, Working Hours, Remuneration, Management Systems. The objective of this paper work is to demonstrate the implementation of Social Accountability Management System in the organizations, its critical points and difficulties and also the effective benefits.

1

IntroduoO tema capital humano est atualmente no centro dos debates, porm, em algumas prticas empresariais notria a desconsiderao deste elemento. A maioria das empresas contemporneas utiliza mtodos que enfatizam perspectivas de anlises exclusivamente quantitativas, apoiadas em conceitos econmicos tradicionais, encontrando dificuldades em mudar suas estruturas ou se acomodando as polticas viciadas, pois, partir para o novo exige abandonar o conhecido, ignorar a apatia e a incredulidade. A recente evoluo da economia mundial com a integrao de mercados e queda das barreiras comerciais est exigindo mudanas de comportamento por parte das empresas, obrigando-as a substituir radicalmente suas estratgias de negcios e padres gerenciais para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades decorrentes da ampliao de seus mercados potenciais, do surgimento de seus novos concorrentes e novas demandas sociais. A sociedade est quebrando paradigmas vindos de tempos remotos, exercendo uma cobrana maior nas empresas, atravs da participao e monitoramento de prticas e comportamentos abusivos. As Organizaes NoGovernamentais - ONGs e instituies sem fins lucrativos, que lutam pelo bem estar da sociedade e pelos direitos humanos, tambm cobram a participao e atuao das organizaes no aspecto social, surgindo assim o tema Responsabilidade Social Empresarial - RSE. Saber defini-la, no entanto, tarefa difcil. A RSE faz parte do planejamento estratgico, tratando diretamente dos negcios da empresa, sendo um instrumento de gesto, enquanto outra ao social, como filantropia, por exemplo, trata-se apenas de relao social da organizao com a comunidade. Nas ltimas dcadas diversas instituies foram criadas com o objetivo de disseminar e difundir o conceito de Responsabilidade Social Empresarial, visando melhoria das prticas empresariais e a introduo do capital humano no aspecto

2

estratgico da organizao, melhorando assim a qualidade e o bem estar dos funcionrios. Dentre essas instituies, destacamos a SAI - Social Accountability Internacional, uma organizao no-governamental, sem fins lucrativos, dedicada melhoria das condies de trabalho atravs do desenvolvimento e da implantao de normas que vo de encontro ao bem estar social dentro das organizaes, beneficiando a sociedade como um todo. A SAI tem por misso proporcionar a possibilidade das organizaes tornarem-se socialmente responsveis com a adoo de princpios ticos, e aprimoramento da sua cultura em prol do crescimento e desenvolvimento sustentvel. Partindo destes princpios, a SAI decidiu elaborar uma norma para avaliar, de forma independente, as condies de trabalho praticadas em diversas partes do mundo. Foram avaliados minuciosamente documentos de entidades que tinham uma alta credibilidade, como a Declarao Universal dos Direitos Humanos, da ONU e as convenes da Organizao Internacional do Trabalho, buscando diretrizes para a adoo de uma conduta que vai de acordo com a filosofia da entidade. Assim foi lanada a SA8000 Social Accountability 8000, norma que

possibilita s empresas proporcionar um ambiente de trabalho mais saudvel e justo aos seus colaboradores. Ela considerada a resposta aos problemas do direito do trabalhador e dos direitos humanos, garantindo a isonomia de padres de trabalho no mundo, evitando assim, a concorrncia desleal, alm de proporcionar polticas trabalhistas mais justas. Os temas bsicos da norma, como trabalho infantil, remunerao, discriminao, segurana no trabalho, entre outros, fazem dela um padro mundial na luta contra prticas abusivas e exploratrias. Neste trabalho, busca-se avaliar o atual momento vivido dentro das organizaes sobre o tema RSE, a identificao dos pontos crticos no processo de implantao da norma e suas dificuldades, alm de analisar os benefcios gerados empresa, aos colaboradores e a sociedade.

3

1. Desenvolvimento do Ambiente Organizacional1.1 Incio das Relaes Humanas O desenvolvimento da atividade produtiva tem como pressuposto bsico a concorrncia econmica, uma vez que na sociedade do sculo XX, o trabalho representa o status quo para a vida humana, onde seus valores so moldados pela capacidade de produo, colocada disposio das empresas que oferecem disponibilidade de mo de obra. Neste contexto, as organizaes moldam os trabalhadores da forma que mais lhe convm, no qual o indivduo deve desempenhar suas funes profissionais incessantemente, demonstrando claramente a definio de papis que devem exercer. A promessa de felicidade e de satisfao pessoal e material do trabalhador acaba sendo frustrada pelo descontentamento profissional, em funo das condies impostas pela sociedade capitalista, superando todas as expectativas possveis, desencadeando desta forma, o sofrimento humano dentro das organizaes. Segundo DEJOURS (1992) a situao ocorreu com mais intensidade a partir de 1968, quando houve uma acelerao desigual das foras produtivas, das cincias, das tcnicas e das mquinas. Todos esses fatores aliados com as novas condies de trabalho, que podem ser entendidas por meio do ambiente fsico e biolgico, pelas condies de higiene, sade e segurana. Aliada a essas mudanas o conceito produtividade ganha desenvolvimento com a Escola Taylorista da Administrao. A proposta de Taylor em suas pesquisas na Ford, no nascimento da produo em massa, teve como principal objetivo os sistemas de administrao, em que tempos e movimentos, subsidiado pelas idias da administrao cientfica, eram desenhados para tarefas simples, fragmentadas e essencialmente manufatureiras, aumentando a produo por meio de mtodos racionais (TAYLOR, 1986).

4

A dimenso humana, no entanto, est submersa nessa importante escola. O trabalho muito simplificado, repetitivo, alienado. Em tempos mais recentes, essa concepo evoluiu gradativamente e passou a incorporar novos elementos crticos, gerando constrangimentos ao indivduo no ambiente de trabalho. 1.2 Consequncias A globalizao tem impulsionado novas relaes de trabalho e tendncias que, certamente, esto refletindo na vida do trabalhador. Esta apenas uma dentre vrias questes que envolvem o ambiente organizacional. Cada vez mais, fenmenos especficos como: sade, segurana, condies de trabalho, tcnicas de produo, salrios, horas trabalhadas, liberdade de associao, entre outros, permitem refletir at que ponto as organizaes usam do seu poder de influncia.[...] a produo de bens na sociedade envolve a participao do ser humano como elemento fundamental do processo de trabalho, a despeito da crescente utilizao de equipamentos automatizados. Parte de complexos ecossistemas produtivos, os trabalhadores enfrentam constantes desafios no decorrer de suas vidas. Estes desafios so devidos no s a situaes de risco ocupacional, classicamente sade que, estudada como as doenas a

relacionadas com o ambiente de trabalho, mas tambm a numerosos fatores perturbadores da embora no apresentem especificidade dos agentes ocupacionais citados em lei, trazem desconforto, restringem a participao dos trabalhadores nas atividades scio-familiares, so potencializadores de doenas e diminuem a qualidade de vida. 1

Para FRANA (2004), alguns fatores que envolvem a organizao do trabalho e comprometem a vida do indivduo so: ritmos de produo mecnica ou eletronicamente controlados, repetio de ciclos de trabalho, baixa utilizao dos conhecimentos dos trabalhadores, equipamentos auxiliares e locais de trabalho no compatveis, longos perodos de ateno sustentada, pausas insuficientes para descanso. Esses fatores, mesmo com a aplicao de novas tecnologias de trabalho e programas de reengenharia e de qualidade total em algumas empresas, reduzem

5

significativamente o bem estar dos indivduos. Alm disso, muitas organizaes, direta ou indiretamente, adotam prticas que comprometem os direitos trabalhistas e humanos. Essas prticas, que vo desde trabalho forado, infantil at questes relacionadas ao ambiente legal trabalhista, fazem parte do cotidiano contemporneo, colocando em risco a confiana das organizaes. Segundo relatrio divulgado pela OIT - Organizao Internacional do Trabalho, do dia 28/04/2005, todos os dias morrem no mundo 6000 pessoas de acidentes ou doenas ocupacionais; todo ano, aproximadamente 270 milhes de trabalhadores so vtimas de acidentes de trabalho; 4% do produto interno bruto mundial se perdem com custos relativos a leses, mortes e doenas ocupacionais; as substncias perigosas matam aproximadamente 438.000 trabalhadores por ano.2 Desta forma, as questes abordadas permitem chegar a concluses aviltantes. As condies impostas pela sociedade capitalista e a falta de preocupao por parte das organizaes com o indivduo acabam por trazer agravantes sade e qualidade de vida do trabalhador, comprometendo os direitos de todos os trabalhadores.

1 FRANA, Ana Cristina Limongi. Qualidade de Vida no trabalho QVT 2 edio. So Paulo. Edit. Atlas 2004 p. 41 2 Dia mundial da Sade e segurana no trabalho (28/04/2005) Indicadores mundiais - Organizao Internacional do trabalho (OIT) http://www.oitbrasil.org.br

6

1.3 Um Novo Modelo de Gesto A nova economia da era digital, os novos paradigmas da gesto organizacional, a globalizao econmica, a modernidade ou ps-modernidade da cultura e a difcil unio entre qualidade de vida e estabilidade tm permitido reflexes por parte dos administradores e das organizaes a respeito do indivduo nos ltimos anos.[...] sob o aspecto organizacional, simultaneamente separao dos recursos humanos das atividades fins, so criadas organizaes paralelas que sustentam o novo modelo organizacional. Surgem terceirizaes, as quarteirizaes, as parcerias, os contratos temporrios de consultoria, o trabalho a distncia, entre outras novas formas de vnculos. Esses novos modelos de gesto so mecanismos de adaptao aos processos e conceitos de modernizao do sistema produtivo, construdos sob valores de sobrevivncia das organizaes e do sacrifcio tanto moral como econmico das pessoas. Neste ambiente, as manifestaes de necessidade de cuidados com a vida ganham novo espao. 3

As mudanas que esto ocorrendo no perfil das organizaes demonstram claramente que o indivduo vem sendo tratado como pea fundamental para qualquer estratgia empresarial, embora ainda haja uma enorme lacuna entre o discurso e a ao. Assim, fica evidente que a empresa moderna aquela que apresenta qualidade de relaes sociais e polticas que permite ao individuo reivindicar seu direito de ser ator social.

3 FRANA, Ana Cristina Limongi. Qualidade de Vida no trabalho Atlas 2004. p. 8

QVT

2 edio. So Paulo. Edit.

7

2. Responsabilidade Social - RS2.1 tica A busca pelo conceito adequado e responsvel de administrar e almejar maior comprometimento por parte das organizaes na questo do indivduo, permite refletir sobre seu comportamento, se est alinhado ou no a essa nova competncia de gesto. At que ponto existe uma postura tica e princpios morais sobre o que certo ou errado em situaes especficas das relaes que ocorrem no ambiente empresarial? Este assunto est intimamente relacionado com as prticas das organizaes.Quando se trata de moldar o comportamento tico, as empresas devem orientar-se por trs princpios: respeito pelos valores humanos essenciais, que determina o limiar moral absoluto para todas as atividades de negcio; respeito pelas tradies locais; crena em que o contexto importante nas decises sobre o que certo e errado. 1

O reconhecimento das organizaes pelos empregados, clientes e fornecedores fundamental para se criar uma cultura organizacional enraizada em padres ticos. Respeito aos direitos bsicos dos trabalhadores, evitar atitudes que violem os direitos humanos relacionados sade, segurana, educao e um padro de vida adequado. Esses valores s fortalecem a isonomia a que todos os envolvidos tm direito. 2.2 Responsabilidade Social Empresarial - RSE A qualidade de vida no trabalho, a tica, a conduta moral, questes que, por si s, no so suficientes para uma organizao trilhar o caminho da sustentabilidade. O crescente nvel de informao e conscientizao da sociedade exige mudanas na gesto das empresas impelindo-as a assumirem novos compromissos que vo alm daqueles definidos pela ordem econmica centrada no

1 RODRIGUEZ Y ROPDRIGUES, Martius Vicente tica e Responsabilidade Social nas empresas Harvard Business Review. Edit. Campus 2005 p. 27

8

mercado. Anlises de ambiente se tornam estratgicos para um reposicionamento das organizaes frente s novas expectativas de mercado. Segundo CHIAVENATO (1987), do ambiente que a organizao obtm recursos e informaes necessrias para seu funcionamento, e nele que colocam o resultado de suas operaes. Na medida em que ocorrem mudanas no ambiente, as operaes das organizaes so influenciadas por essas mudanas. Este ambiente assume importncia singular nas decises dos

administradores, que necessitam estar em sintonia com um numero maior de variveis, dentre as quais esto s demandas empresariais no apenas de acionistas, dirigentes e trabalhadores, mas de uma variedade de grupos e indivduos com os quais as organizaes mantm algum tipo de relao.O ambiente, algumas vezes referenciando como meio ambiente, meio externo, meio ou entorno, divide-se em interno e externo. Os grupos ou elementos que de alguma forma investem seu empenho na organizao, caracterizando o ambiente empresarial, tambm recebem a denominao de stakeholder2 e enquadra-se em duas categorias; stakeholders internos e externos. Estes grupos podem variar de acordo com a natureza organizao.3

Na categoria dos stakeholders internos incluem os dirigentes, empregados, acionistas e investidores. J no grupo externo encontram-se consumidores, fornecedores, os concorrentes, governos, grupos de interesses especiais, mdia, sindicatos de trabalhadores, instituies financeiras, ONGs, etc., conforme demonstra o quadro 2.1 a seguir:

2 Segundo o Michaelis, ingls/portugus, stake significa marcar, delimitar com estacas, aposta, dinheiro apostado, risco, interesse, parte ao. Hold: ao de segurar, pegar, reter, possuir, ocupar (p. 506). Literalmente, seria aquele que retm, possui um interesse, ocupa um espao de influncia. Traduzir como agente social no refletiria o seu significado mais amplo; um agente social que interage com a empresa, contraparte, tampouco reflete a interao com a empresa. Para conservar essa noo, optamos por usar o termo partes interessadas, grupos de interesse ou em conservar o termo stakeholder. 3 KARKOTLI, Gilson / ARAGO, Sueli Duarte. Responsabilidade Social - Uma contribuio gesto transformadora das organizaes 2 ed. Edit. Vozes 2005 p. 19

9

Quadro 2.1 A empresa e seus parceiros (stakeholders). Parceiros (Stakeholders) Acionistas Contribuies Capital. Demandas Bsicas Lucros e dividendos; Preservao do patrimnio Remunerao justa; Condies adequadas de trabalho; Segurana, sade e proteo; Reconhecimento, realizao pessoal. Respeito aos contratos; Negociao leal; Parceria. Segurana e boa qualidade dos produtos e servios; Preo acessvel; Atendimento de necessidades. Lealdade na concorrncia; Propaganda honesta. Obedincia s leis; Pagamento de tributos. Proteo ambiental; Respeito aos direitos das minorias; Respeito aos acordos salariais. Respeito ao interesse comunitrio; Contribuio para a melhoria da qualidade de vida da comunidade; Conservao dos recursos naturais, etc.

Empregados

Mo de obra; Criatividade; Idias; Tempo.

Fornecedores

Mercadorias.

Clientes

Dinheiro.

Concorrentes Governos

Competio; referncia de mercado. Suporte institucional, jurdico e poltico. Aportes scio-culturais diversos.

Grupos e movimentos

Comunidades

Infra-estrutura.

Fonte

Adaptada

Responsabilidade Social (Arago 2005)4

4 Quadro 2.1 Adap. Id. p. 25

10

Observa-se, de forma sucinta, o relacionamento dos vrios parceiros, em termos das contribuies sociais que proporcionam o funcionamento da empresa e as contrapartidas que dela demandam no contexto dos dias atuais. As empresas no so mais uma entidade independente e o capital por si s no produz riquezas. Desta forma, o tema Responsabilidade Social Empresarial entra em foco, assunto que tem sido, definitivamente, considerado estratgico para condicionar suas incansveis buscas de crescimento com as necessidades de todos os envolvidos no processo. As organizaes que internalizam a responsabilidade social em suas estratgias do planejamento ao e passam e ter uma gesto socialmente

responsvel, estabelece padres ticos no relacionamento para com seus diferentes pblicos, os stakeholders, criando valor para a sociedade.A essncia da responsabilidade social reconhecer o valor do dilogo com os stakeholders externos e depende da compreenso dos valores e princpios dos que participam das atividades das empresas. Estas, por sua vez, devem conhecer a viso dos stakeholders-chave em relao s questes sociais, ambientais e ticas e precisam tambm saber como essas vises mudam no tempo e como vo afetar o relacionamento entre a empresa e os stakeholders.5

Com essa relao, aliado a transparncia e a postura tica como poltica e estratgia de gerenciamento e ao, as organizaes tero resultados refletidos em imagem e sucesso. As prticas de RSE expressam a convico de que a empresa tem de exercitar sua funo interativa na sociedade, influenciando, de maneira prativa e com sentido de equidade, todas as partes que se encontram no seu entorno.

5 BORGER, Fernanda Gabriela. Responsabilidade Social: Efeitos da atuao social na Dinmica empresarial. Tese de Mestrado. USP 2001 p. 62

11

2.2.1 Responsabilidade Social Empresarial no Brasil Em comparao a outros pases da Amrica do Sul, o movimento pela responsabilidade social no pas tem avanado muito, em termos de produo de eventos, informaes na mdia e adeso de empresas, e maior envolvimento por parte da sociedade. Mas ainda existem srios problemas sociais a serem tratados. Segundo SUCUPIRA (2004), o Brasil um dos campees em acidentes de trabalho no mundo. Alm disso, grande parte das empresas est longe de respeitar a diversidade do gnero e raa, no s fora, mas, como dentro de casa. Nas 238 empresas que publicam balano social sob os critrios do Instituto Brasileiro de Anlises Scio-Econmicas IBASE, somente 18% das mulheres e 2% dos negros

ocupam cargo de chefia. Em relao ao nmero total de funcionrios dessas empresas, as mulheres representam 30% e os negros 13,7%. (CARTA CAPITAL..., 2004, p.6)6 Infelizmente esses agravantes fazem parte de nosso cotidiano. Apesar disso, houve um aumento significativo no atributo da responsabilidade social nas companhias, mostrando nitidamente a repercusso que o tema tem gerado no meio empresarial, alm do recrudescimento de instituies no-governamentais voltadas ao assunto. O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, uma organizao no-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1998, tem como objetivo mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negcios de forma socialmente responsvel, fazendo com que elas sejam parceiras na constituio de uma sociedade sustentvel. (INSTITUTO ETHOS....2006) 7 Seguindo nesta direo, a Petrobras, maior produtora e exportadora de petrleo do pas, prova deste comportamento. Preocupada com o mercado latino americano, onde 44% da populao vivem abaixo da linha da pobreza, a empresa se tornou uma das lderes em RSE no pas. Hoje a empresa toca mais de mil6 CARTA CAPITAL, Revista. Edio especial Responsabilidade social em evoluo. Agosto de 2004 p. 6 7 INSTITUTO ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social - www.ethos.org.br

12

programas culturais, educacionais e ambientais. Nos ltimos trs anos foram investidos mais de R$ 6 bilhes, de olho em reverter a imagem abalada por uma srie de acidentes ambientais. (CARTA CAPITAL..., 2004, p.19)8 E esse comportamento no privilgio de grandes multinacionais. Segundo pesquisa realizada pelo CEATS - Centro de Empreendedorismo Social e Administrao em Terceiro Setor, com 60 empresas, na sua maioria de mdio porte, mostra que 81% investem em projetos sociais na regio onde esto instaladas; 35,7% delas tm faturamento superior a R$ 2 bilhes; 26,8% faturam entre R$ 50 e 500 milhes; 19,2% dessas empresas investem acima de 1% do faturamento bruto em projetos, sendo que 65% delas concordam com o fortalecimento da marca. (ECONOMIA..., 2006, p. b16). 9 No se pode deixar passar despercebida esta evoluo da RSE nos ltimos anos e a importncia que os meios empresariais tm tratado deste assunto, sendo um grande exemplo a ser seguido e adotado cada vez mais pelas organizaes de qualquer porte. 2.2.2 Social Accountability International - SAI Na dcada de 90 a RSE ganhou fora, pois, empresas dos Estados Unidos apresentaram diversos problemas e passaram a publicar normas de conduta. Porm, surgiram dificuldades para monitoramento devido inconsistncia de terminologia, bem como falta de avaliadores independentes e qualificados (OLIVEIRA, 2002). Para LEIPZIGER (2003), a confuso por parte dos fornecedores devido variedade de cdigos tambm causa conflitos, alm de gerar desconfiana das auditorias realizadas na prpria sociedade. Outro limitador dos cdigos de conduta est relacionado s leis trabalhistas, que nem sempre esto em consonncia com as definidas nas Convenes da OIT. Os cdigos restringiam-se aos fornecedores diretos, excluindo os trabalhadores domsticos, alm do monitoramento e implementao dos cdigos de tica feitos por8 CARTA CAPITAL, Revista. Responsabilidade Social em Evoluo. Edio especial. Agosto 2004 p. 19 ap 9 ECONOMIA. Projetos Sociais. O Estado. So Paulo. Quarta Feira, 18 de janeiro de 2006. p. b16.

13

pessoal interno, sem acompanhamento de um rgo competente que definisse as normas de auditoria, e sem participao das Partes Interessadas conhecidas como stakeholders (OLIVEIRA e SIMFRONIO, 2002). Preocupado com essas disparidades e parcialidade por parte dos cdigos de conduta, a Council of Economic Priorities Accreditation Agency CEPPA, rgo PIs, tambm

credenciador do Conselho de Prioridades Econmicas (EUA), decidiu realizar estudos sobre esses cdigos. Foi quando em 1997, lanou a norma SA8000 - Social Acountability 8000, que se refere ao ambiente de trabalho, numa iniciativa coletiva que visa reunir os cdigos de conduta cada vez mais fragmentados e oferecer definies claras de termos na rea do direito do trabalhador. (MCINTOSH, 2001). Em 2000, a CEPAA mudou o nome para Accountability Social International (SAI), caracterizando-se como uma organizao beneficente, voltada melhoria das condies de trabalho e das comunidades pela implantao de normas socialmente responsveis. A SAI elabora projetos de desenvolvimento respaldado por ONGs, empresas, sindicatos e colaboradores em diversos continentes. Alm disso, oferecem treinamentos, workshops e desenvolve trabalhos relacionados ao consumo consciente. A entidade tambm responsvel pela avaliao independente dos organismos de certificao (credenciamento), pelo monitoramento da conformidade de tais organismos em relao s diretrizes da certificao, frum de reclamao sobre as empresas certificadas e sobre entidades certificadoras, responde por reclamaes e apelao, realiza auditorias piloto em todo o mundo e promove a divulgao e atualizao da norma. O trabalho da SAI s busca agregar valor a todas as partes, desenvolvendo comunidades, capacitando trabalhadores e conscientizaes trabalhistas,

demonstrando nitidamente sua importncia nas organizaes e na sociedade.

14

3. Sistema de Gesto de RS: A Norma SA80003.1 Histria da SA8000 Proporcionar condies dignas do ambiente de trabalho, adotar novas estratgias e competncia administrativa, preocupar-se com as partes envolvidas. Esses temas convergem para um nico caminho, a aplicao de regras e condutas nas organizaes que visam, em especial, o bem estar do indivduo.A Social Accountability 8000 - SA8000 uma norma mundial verificvel para administrar, auditar e certificar a colaborao com as questes envolvendo o ambiente de trabalho. Baseada em convenes da OIT e nos instrumentos internacionais relacionados aos direitos humanos incluindose Declarao Universal dos Direitos Humanos e a Declarao das Naes Unidas sobre o Direito da Criana -, a SA8000 visa garantir os direitos bsicos dos trabalhadores. 1

Atravs de um controle rigoroso, auditadas por empresas especficas, a SA8000 visa tambm uma aproximao dos stakeholders, permitindo as partes envolvidas uma participao significativa em toda estratgia relacionadas s condies de trabalho das organizaes.O padro SA8000 da SAI reconhecido amplamente pelo negcio, pelas unies de comrcio e por Organizaes No Governamentais - ONGs, como um dos padres ticos mais eficazes e de maior credibilidade do ambiente de trabalho (workplace). A certificao a este padro significa que os sistemas de gerenciamento poderosos esto no lugar para alcanar e sustentar boas condies de funcionamento. Nossa base de consultas das partes interessadas (PIs) reconhece que as condies melhoradas do workplace so essenciais como uma matria da justia social e como um princpio de sustentabilidade do negcio. Finalmente, a SA8000 uma ferramenta para criar ambientes em que os trabalhadores e a gerncia podem florescer, cobrindo todos os direitos internacionais do trabalho.2

1 LEIPZIGER, Dbora. SA 8000 O guia definitivo para a Norma Social Edit. Qualitymark 2003 p. 8 2 Social Accountability internacional (SAI). http://www.sa-intl.org/index.cfm?&stopRedirect=1

2002.

15

No Brasil so 87 as empresas beneficiadas pela SA8000, totalizando 881 em todo mundo e envolvendo 50 pases. O mapa 3.1 a seguir define os continentes onde a norma difundida; Mapa 3.1 Pases que adotam a Norma SA8000

16

Fonte - Promoting the Human Rights of Workers Around the World 20053 Independente do segmento que a organizao atua, a norma possui mecanismos que permite sua implantao sem nenhuma interferncia, claro que isso no significa que a empresa no ter dificuldades de implement-la, mas que tal justificativa no seja empecilho para a adoo. Para isso, a SAI proporciona toda assistncia e informao necessria para as organizaes, habilitando-a a desenvolver, manter e reforar polticas e procedimentos, deixando por conta da prpria empresa a formulao, gerenciamento, controle e influncias nas questes da responsabilidade social dentro da organizao. 3.2 Organizao Internacional do Trabalho - OIT A SA8000 est embasada na filosofia de que os direitos humanos so primordiais no ambiente organizacional, independente do pas de origem, por isto que ela respaldada pelas normas da OIT, tendo esta organizao como ponto de referncia, pela sua dedicao e engajamento na luta contra as prticas abusivas de trabalho no mundo por vrias dcadas.Em 1998, aps o fim da Guerra Fria, foi adotada a Declarao da OIT sobre os Princpios e Direitos Fundamentais no Trabalho e seu Seguimento. O documento uma reafirmao universal da obrigao de respeitar, promover e tornar realidade os princpios refletidos nas Convenes fundamentais da OIT, ainda que no tenham sido ratificados pelos Estados Membros. Desde 1999, a OIT trabalha pela manuteno de seus valores e objetivos em prol de uma agenda social que viabilize a continuidade do processo de globalizao atravs de um equilbrio entre objetivos de eficincia econmica e de equidade social.4

As questes mais relevantes que abrangem as leis da OIT esto relacionadas liberdade sindical, negociao coletiva, trabalho infantil, trabalho forado, discriminao de gnero e raa, sade e segurana ocupacional e meio ambiente, por meio de clusulas sociais. Segundo a OIT, para cada um destes temas, existem declaraes especficas sobre os Princpios Fundamentais do Trabalho, no qual o Brasil 3 Mapa 3.1 Social Accountability International - -Promoting the Human Rights of Workers Around the World 2005.- www.sa-intl.org 4 Organizao Internacional do trabalho (OIT) http://www.oitbrasil.org.br/index.php

17

signatrio, adotado pela Conferncia Internacional do Trabalho (1998), em funo dos desafios impostos pela globalizao, obrigando a implementao desses direitos pelos pases membros, e solicitando aos pases que no ratificaram agirem de boa f em conformidade com a Constituio. Tudo isto controlado por meio de relatrios peridicos anuais sobre a evoluo da aplicao dos princpios estabelecidos nas convenes. (OIT, 1998) Para tanto, vale salientar a importncia que a SA8000 tem no contexto organizacional, no apenas no seu ambiente interno, mas principalmente no externo, pois trata-se tambm do engajamento e da luta contra as atrocidades impostas sociedade, na liberdade de associao dos indivduos, na conscientizao dos empresrios e sua responsabilidade, e tambm no desenvolvimento da prpria economia, proporcionando condies dignas de trabalho, desenvolvendo assim uma sociedade mais justa. 3.3 Questes Abordadas pela SA8000 A SA8000 tem como premissa estabelecer requisitos para a RSE visando capacitar a empresa a desenvolver e reforar polticas, assim como ser mais transparentes com as Partes Interessadas (PIs) sobre procedimentos e prticas conforme a norma estabelece, aplicando de forma universal a qualquer organizao que deseja implement-la.A emisso da poltica de Responsabilidade Social a primeira ao que a direo tem que tomar para a implementao da norma. Tal poltica deve refletir a cultura da organizao e ser expressa em linguagem de fcil entendimento. Deve abrir o Manual da Responsabilidade Social e ser assinada pelo mais alto dirigente da organizao.5

As organizaes que adotam a norma assumem compromissos em buscar padres bsicos para adquirir um ambiente de trabalho seguro e saudvel, respeitando todos os direitos dos trabalhadores, dando total liberdade de associao, sem distino de classe social, cor, raa ou gnero, assim como coibir qualquer forma de trabalho forado ou infantil, alm de adotar uma jornada de trabalho coerente e em conformidade com o ambiente legal de suas localidades e5 OLIVEIRA, Marcos Antonio. SA 8000 O Modelo ISO 9000 Aplicado Responsabilidade Social. Ed. Qualitmark 2003 p. 26

18

uma remunerao justa, permitindo aos seus colaboradores condies dignas e mais humanas de trabalho. Os requisitos que a norma SA8000 adota, assim como os principais critrios que as empresas devem seguir so: a) infantil; a empresa no deve expor crianas ou trabalhadores jovens a Trabalho Infantil: a empresa no deve se envolver com ou apoiar a utilizao de trabalho

situaes dentro ou fora do local de trabalho que sejam perigosas, inseguras ou insalubres; b) Trabalho forado: a empresa no deve se envolver com ou apoiar a utilizao de trabalho depsitos ou deixar

forado, nem se deve solicitar dos funcionrios fazer

documentos de identidade quando iniciarem o trabalho com a empresa; c) Sade e Segurana: a empresa, tendo em mente o conhecimento corrente da indstria e

quaisquer perigos especficos, deve proporcionar um ambiente de trabalho seguro e saudvel e deve tomar as medidas adequadas para prevenir acidentes e danos sade que surjam no curso do trabalho, minimizando, tanto quanto seja razoavelmente praticvel, as causas de perigos inerentes ao ambiente de trabalho; d) Liberdade de associao e direito negociao coletiva: a empresa deve respeitar o direito de todos os funcionrios de

formarem e associarem-se a sindicatos de trabalhadores de sua escolha e de negociarem coletivamente; a empresa deve naquelas situaes em que o direito liberdade de

associao e negociao for restringido por lei, facilitar meios paralelos de associao livre e independente e de negociao para todos esses funcionrios;

19

-

a empresa deve assegurar que os representantes de tais funcionrios

no sejam sujeitos discriminao e que tais representantes tenham acesso aos membros de seu sindicato no local de trabalho; e) Discriminao: a empresa no deve se envolver ou apoiar a discriminao na

contratao, remunerao, acesso a treinamento, promoo, encerramento de contrato ou aposentadoria, com base em raa, classe social, nacionalidade, religio, deficincia, sexo, orientao sexual, associao a sindicato ou afiliao poltica, ou idade; a empresa no deve interferir com o exerccio dos direitos dos

funcionrios em observar preceitos ou prticas, ou em atender s necessidades relativas raa, classe social, nacionalidade, religio, deficincia, sexo, orientao sexual, associao a sindicato ou afiliao poltica; f) Prticas Disciplinares: a empresa no deve se envolver com ou apoiar a utilizao de punio

corporal, mental ou coero fsica e abuso verbal; g) Horrio de Trabalho: a empresa deve cumprir com as leis aplicveis e com os padres da

indstria sobre horrio de trabalho. A semana de trabalho normal deve ser conforme definido por lei, mas no deve regularmente exceder a 48 horas. Aos empregados deve ser garantido, pelo menos, um dia de folga a cada perodo de sete dias. Todo trabalho extra, deve ser remunerado em base especial e, em nenhuma circunstncia, deve exceder a 12 horas por empregado por semana; h) Remunerao: a empresa deve assegurar que os salrios pagos por uma semana

padro de trabalho devem satisfazer os padres mnimos da indstria e ser suficientes para atender s necessidades bsicas dos funcionrios e proporcionar alguma renda extra;

20

-

a empresa deve assegurar que a composio de salrios e benefcios

seja detalhada clara e regularmente para os trabalhadores; a empresa deve tambm assegurar que os salrios e benefcios sejam

pagos de plena conformidade com todas as leis aplicveis e que a remunerao seja feita ou em espcie ou na forma de cheque; i) Sistema de Gesto: requisito fundamental para implantao da norma,

que envolve: Poltica Social, Anlise Crtica pela Alta Direo, Representantes da Empresa, Planejamento e Implementao, Controle de Fornecedores

/Subcontratados e Sub-fornecedores, Ao Corretiva, Comunicao Externa e Acesso para Verificao e Registros. Tanto os requisitos como os critrios so considerados a estrutura da SA8000, pois so atravs destes atributos que sero estabelecidos regras e condutas que as organizaes devem seguir a risca. Para cada um desses requisitos, necessrio definir claramente todas as questes abordadas. Depois de elaborada e descrita as definies, a organizao dever documentar todas as aes de adequao da SA8000 que sero implantadas. Na JY Comercial Ltda., que atua no ramo de vlvulas e instrumentao desde 1988, foi elaborado um relatrio de avaliao, detalhando todas as aes relativas sade e segurana, como demonstra exemplo a seguir;Aes de adequao elemento trs. Sade e Segurana: Elaborado e

aprovado o captulo Sade e Segurana, no incio da implantao surgiram vrias necessidades de reformas, como, reforma da fiao, do

posicionamento do botijo de gs, da iluminao das salas e das caixas de energia para que toda a infra-estrutura estivesse adequada e apta para a verificao e obteno da Licena do Corpo de Bombeiros. Todas estas reformas e mudanas foram feitas e hoje temos na entrada da empresa o AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros), o Certificado de Brigada de Incndio e Primeiro Socorros. Estamos efetuando 01 vez por ano curso de Brigada de incndio, primeiro socorros e simulao de emergncia com abandono para no mnimo 60% dos funcionrios. Tudo isso proporcionou um ambiente de trabalho agradvel e seguro para os colaboradores, clientes, fornecedores e prestadores de servios. At o momento estamos

21

com ndice zero de acidente de trabalho, este um dos principais objetivos da JY Comercial.6

A empresa discriminou detalhadamente as aes relacionadas sade e segurana, identificando os pontos crticos, quais medidas foram tomadas e os benefcios alcanados, tanto no ambiente interno quanto para seus fornecedores e prestadores de servio. Caso o leitor queira saber mais sobre os critrios da SA8000, poder encontrar em Anexo I, na parte final deste trabalho, a norma completa, suas definies e todas as instituies internacionais que serviram como base norma.

6 JY COMIERCIAL LTDA. http://www.jy.com.br/29jan.htm

22

4. Implantao da SA8000: Um grande desafio4.1 Desenvolvendo o Sistema de Gesto baseado na SA8000 Para que a implementao da norma possa ser factvel, e no apenas mais um projeto aleatrio, e at mesmo para que a norma possa se diferenciar da maioria dos cdigos de conduta, o sistema de gesto da SA8000 de vital importncia para sua viabilidade, dando garantias para as questes sociais, e que, mesmo aps a auditoria, que elaborada periodicamente, a norma possa surtir efeito sobre a organizao e as PIs.Os sistemas de gesto incluem: programas de treinamento, comunicaes, representantes fornecedores e eleitos, representantes bem gerenciais com oramentos adequados, linhas ntidas de autoridade, revises gerenciais, controle de planejamento, como polticas, procedimentos,

formulrios e listas de verificao para registrar a observncia de cada item da norma. Efetuando-se a integrao da SA8000 nestes sistemas, ela se torna parte da cultura da empresa.1

Talvez, a primeira vista, a adoo de todos esses procedimentos pode causar um pouco de desalento, por se tratar de questes nas quais, provavelmente, algumas organizaes nunca tiveram a oportunidade de lidar. Por isso o Sistema de Gesto (SG), ir auxiliar as organizaes a monitorarem o desenvolvimento da implementao da norma. A Marcopolo S/A, empresa voltada fabricao de carrocerias de nibus rodovirios, urbanos e micros, adotou a seguinte poltica relacionada ao sistema de gesto:Sistema de Gesto - A empresa deve estabelecer uma poltica de responsabilidade social e procedimentos que permitam a contnua adequao da organizao aos requisitos da gesto social, monitorando e registrando a melhoria contnua do sistema. 2

1 LEIPZIGER, Dbora. SA 8000 78

O guia definitivo para a Norma Social

Edit. Qualitymark

2002 p

2MARCOPOLOS.A.http://www.marcopolo.com.br/novo_site/portugues/content/empresa/as_trabvolunt ario.asp?Acao_Social_id=43

23

Segundo LEIPZIGER (2003), para facilitar sua implantao, podem-se dividir o processo em quatro partes, sendo planejamento-execuo-verificao-deciso, conduzindo cada uma delas de acordo com suas caractersticas. Essas partes podero auxili-los em questes como: identificar reas mais problemticas, verificar o meio mais eficiente de comunicar os trabalhadores, assim como eleger os representantes da norma, estabelecer uma data para uma auditoria prvia, e o envolvimento de todas as PIs no processo e evoluo da norma SA8000, os stakeholders. A seguir o Sistema de Gesto, o ltimo requisito da norma (vide anexo I), e seus quatro primeiros critrios que definem: a Poltica de Responsabilidade Social, Anlise Crtica, Representantes, Planejamento e Implementao: a) Poltica: A alta direo deve definir a poltica da empresa quanto

responsabilidade social e as condies para assegurar que ela: inclua um comprometimento para estar em conformidade com todos os

requisitos desta norma; inclua um comprometimento para estar em conformidade com as leis

nacionais e outras leis aplicveis, com outros requisitos aos quais as empresas subscrever e a respeitar os instrumentos internacionais e suas interpretaes; inclua um comprometimento com a melhoria contnua; seja efetivamente documentada, implementada, mantida, comunicada

e seja acessvel de forma abrangente para todos os funcionrios, incluindo-se diretores, executivos, gerncias, supervisores e a administrao, quer seja diretamente empregado, contratado ou de alguma forma representando a empresa e esteja publicamente disponvel. b) Anlise Crtica pela Alta Direo: A alta direo periodicamente deve analisar criticamente a adequao,

aplicabilidade e contnua eficcia da poltica da empresa, dos procedimentos e dos

24

resultados de desempenho, em particular em relao aos requisitos desta norma e outros requisitos aos quais a empresa subscrever. As alteraes e melhorias de sistema devem ser implementadas quando apropriado; c) Representantes da Empresa: A empresa deve nomear um representante da alta direo o qual deve

assegurar que os requisitos desta norma sejam atendidos; A empresa deve proporcionar condies para que funcionrios sem

funo gerencial escolham um representante de seu prprio grupo para facilitar a comunicao com a alta direo sobre assuntos relacionados com esta norma; d) Planejamento e Implementao: A empresa deve assegurar que os requisitos desta norma sejam

entendidos e implementados em todos os nveis da organizao; Os mtodos incluem a clara definio de papis, responsabilidades e

autoridade, treinamento peridico de empregados e programas de conscientizao para os empregados existentes, monitorao contnua das atividades e resultados para demonstrar a eficcia dos sistemas implementados, visando atender poltica da empresa e aos requisitos desta norma. O desenvolvimento dessas polticas visa aprimorar e delinear exatamente quais so as prioridades a serem colocadas em prtica no processo de implantao da SA8000, onde, desta forma, os envolvidos podero ver que a organizao realmente est desenvolvendo um trabalho de melhoria na relao entre as PIs e na qualidade de vida do trabalhador.

25

4.2 Poltica de Responsabilidade Social O Sistema de Gesto da SA8000 um requisito fundamental para implantar uma Poltica de Responsabilidade Social (Social Accountability Policy SAP), dentro

da organizao. Mesmo sendo o ltimo requisito da norma, deve-se iniciar por ele. A adoo dessa poltica ratifica o compromisso da organizao em fabricar produtos de alta qualidade, de forma tica, alm de no manter relacionamento comercial com qualquer empresa que no compartilhe destes valores. Para LEIPZIGER (2003), a empresa deve repudiar toda ao relacionada ao trabalho infantil e forado, oferecendo um ambiente de trabalho seguro e saudvel, respeitando os direitos dos trabalhadores de se sindicalizarem, e promovendo uma atmosfera livre de discriminao. Devem tambm proibir punies corporais, consentir com as leis aplicveis e padres industriais a respeito da jornada de trabalho, oferecer remunerao que observa os padres mnimos, alm de implementar um sistema de gesto que assegura a observncia e melhorias continuas do desempenho da empresa em cumprimento ao cdigo de conduta.Para que a poltica seja mais facilmente lembrada pelos empregados, recomendamos que ela seja escrita na forma de frases. Sugerimos trs ou quatro frases tratando dos seguintes assuntos: clientes, empregados, compromisso com a melhoria contnua, preveno do trabalho infantil. 3

A Sabin Laboratrio Clnico, o primeiro laboratrio no mundo a adquirir o certificado SA8000, e que ganhou o Premio Valor Social 2005, do jornal Valor Econmico, no quesito Respeito ao Consumidor, demonstra sua SAP em seu site, conforme descrito nos exemplos a seguir;1) Cumprir os requisitos elencados na norma SA8000, bem como respeitar a legislao nacional, os acordos e convenes coletivas e os instrumentos internacionais de proteo ao trabalhador cuja eficcia tenha sido confirmada pelo Governo Brasileiro. 2) No utilizar nem apoiar a utilizao por seus fornecedores e subcontratados de mo-de-obra infantil, nem expe jovens trabalhadores a situaes perigosas, inseguras ou insalubres. 4

3 OLIVEIRA, Marcos Antonio. SA 8000 O Modelo ISO 9000 Aplicado Responsabilidade Social. Ed. Qualitmark 2002 p. 26 4 SABIN LABORATRIO CLNICO. http://www.sabinonline.com.br/documento.cfm?IdeDoc=362* Representante da alta gerncia.

26

A SAP deve ser bem transparente, especfica, e demonstrar detalhadamente seu escopo. Tambm solicitado que seja entregue um exemplar da SAP para cada novo funcionrio. Alm da adoo da poltica, necessria a implantao de um Comit de Responsabilidade Social, que ir, periodicamente, fazer uma anlise detalhada do desenvolvimento da norma dentro da organizao, avaliando possveis percalos e, se necessrio, fazer as alteraes e modificaes onde foi detectado algum tipo de falha. 4.3 Representantes A escolha de representantes, que iro acompanhar e monitorar o desempenho da SA8000 fundamental para a manuteno da norma, ficando a cargo da alta gerncia a responsabilidade da escolha. O papel que esses representantes exercero na manuteno da norma ser vital, pois so eles que iro assegurar seu bom funcionamento. So eles: representante da alta gerncia; representante administrativo, devidamente capacitado em sade e segurana; representante sem funo gerencial, por meio de eleies. Cada um desses representantes ter sua descrio de cargo definida, sendo documentada todas suas atribuies. Sero responsveis por adoo de treinamentos, reunies, emitirem relatrios peridicos, segurana e higiene, assim como acompanhar as auditorias peridicas, entre outras funes. conveniente tambm contratar um profissional especializado em sade e segurana, apesar de no ser exigncia da norma. 4.4 Planejamento a Implementao da SA8000 Obter o conhecimento detalhado da SA8000 quesito bsico para qualquer organizao que deseja implant-la. A SAI oferece cursos e seminrios que proporcionam aos participantes informaes que iro auxili-los nas questes mais complexas. Proporcionando aos envolvidos treinamento adequado, claras definies de cargos e oramentos correspondentes, a SAI permite uma implementao da norma bem sucedida.

27

muito importante realizao do monitoramento contnuo dos resultados, pois gera um aumento de feedback. Ao avaliar os benefcios da implementao, os funcionrios se sentiro mais capacitados a implementar os sistemas de gesto. Este feedback pode tambm ser til no convencimento de fornecedores resistentes5

acerca

dos

benefcios

comerciais da implementao da SA8000.

Uma sugesto a adoo de um manual da SA8000, que permite identificar todas essas questes relacionadas, que devem estar disponveis para todos os envolvidos no processo. O prximo critrio do Sistema de Gesto o Controle de Fornecedores / Subcontratados e Sub-fornecedores, definidos da seguinte forma: a) A empresa deve estabelecer e manter procedimentos apropriados para

avaliar e selecionar Fornecedores / Subcontratados (e, quando apropriado, subfornecedores), com base em sua capacidade de atender os requisitos desta norma; b) A empresa deve manter registros apropriados do comprometimento de

Fornecedores / subcontratados (e, quando apropriado, sub-fornecedores) para com a responsabilidade social, incluindo: Estar em conformidade com todos os requisitos desta norma; Prontamente implementar ao de reparao e ao corretiva para

tratar quaisquer no conformidades identificadas contra os requisitos desta norma; todas as Pronta e completamente informar empresa sobre qualquer e sobre relaes de negcio relevantes com outro(s) Fornecedores /

Subcontratados. c) A empresa deve manter evidncia razovel de que os requisitos desta

norma estejam sendo atendidos pelos Fornecedores / Subcontratados; d) Quando a empresa receber, manusear ou promover bens e/ou servios

de Fornecedores / Subcontratados ou Sub-fornecedores que sejam classificados5 LEIPZIGER, Dbora. SA 8000 p.90 O guia definitivo para a Norma Social Edit. Qualitymark 2002

28

como trabalhadores em domiclio, a empresa deve tomar medidas especiais para assegurar que a tais trabalhadores em domiclio seja proporcionado um nvel similar de proteo ao que seria proporcionado aos funcionrios empregados diretamente, sob os requisitos desta norma. Tais medidas especiais devem incluir, mas no se limitarem a: Estabelecer contratos de aquisio por escrito e com valor legal que

requeiram conformidade com critrios mnimos; Assegurar que os requisitos do contrato de aquisio celebrado sejam

entendidos e implementado pelos trabalhadores em domiclio e todas as outras partes envolvidas no contrato de aquisio, mantendo nas instalaes da empresa, registros abrangentes detalhando as identidades desses trabalhadores; Atividades de monitorao programadas e no programadas para

verificar a conformidade com os termos do contrato de aquisio celebrado. A preocupao por parte dos consumidores em saber da procedncia do produto ou servio comercializado j faz parte da sociedade contempornea. Portanto, saber e conhecer bem seus parceiros e fornecedores fundamental para a sade da organizao. Em um relatrio de inspeo feito pelo Observatrio Social, entre os dias 08 e 17 de maro de 2004, em carvoarias ligadas a Siderrgica do Maranho S/A SIMASA, do grupo Queiroz Galvo, e a Maranho Gusa S/A MARGUSA, do grupo

Gerdau, o procurador do trabalho Luercy Lino Lopes apontou o envolvimento direto das siderrgicas com o trabalho escravo.

29

De um modo geral, em todas as carvoarias inspecionadas observou-se: (...) O trabalho realizado em condies absolutamente aviltantes e degradantes, em total ofensa prpria dignidade dos trabalhadores, o que, segundo entendo pela atual redao do artigo 149 do Cdigo Penal Brasileiro, tipifica a conduta pertinente reduo condio anloga de escravo. 6

Foi a partir dessas denncias que tanto a Gerdau como a Queiroz Galvo resolveram tomar providncias no sentido de sanar esses problemas. A Gerdau disse em nota que est mudando as prticas de prestao de servios e conscientizando as empresas fornecedoras sobre a importncia do respeito aos direitos trabalhistas e dignidade humana. J a Queiroz Galvo diz que a primeira iniciativa a ser tomada orientar, auxiliar e fiscalizar todas as atividades relacionadas com a cadeia de produo do carvo, inclusive o fornecimento s indstrias siderrgicas dos estados do Maranho, Par ou Tocantins, como seus beneficirios finais, com vistas ao cumprimento da legislao trabalhista e demais normas de proteo segurana e sade do trabalhador, e preservao do ambiente de trabalho. Fica claro o grau de risco que uma organizao pode sofrer com sua imagem denegrida, devido ao desconhecimento das prticas abusivas adotadas pelos seus fornecedores, evidenciando a importncia de adotar uma poltica de controle e conscientizao social por parte das empresas junto as PIs. O prximo captulo esclarece quais passos tomarem para adoo desse controle. 4.5 Controle de Fornecedores Uma dos critrios da SA8000 o controle de fornecedores, onde as empresas e os fornecedores devero se adaptar a esse requisito. Estas regras devero ser homologadas, de forma que o fornecedor descrever detalhadamente quais as novas aes socialmente responsveis, inclusive de mdio e longo prazo, devendo ser registrados periodicamente por meio de formulrios. A organizao tambm pode elaborar questionrios para saber se os fornecedores esto se adequando s expectativas da norma.6 Trabalho escravo no Brasil. O Drama dos Carvoeiros. A Responsabilidade das Siderrgicas. A Campanha para Erradicao. Revista Observatrio Social. N 6 Junho 2004 pg. 14

30

Segundo LEIPZIGER (2003) conduzir uma anlise de risco pode ser uma til alternativa nestas condies, antecipando fatores que podero causar algum tipo de transtorno futuro, como: tipo de produtos utilizados na indstria fornecedora; local onde situa a empresa, e se existe alta incidncia de trabalho escravo ou infantil; registros sobre possveis acidentes trabalhistas ocorridos, que pode ser consultado pelos sindicatos locais; extenso da cadeia de fornecimento; porte da empresa, entre outros. Essa anlise permite definir com quais fornecedores haver parcerias, alm de proporcionar contratos mais longos, permitir maiores garantias e aumentar a fidelidade. Na AVON, empresa lder no setor de cosmticos no pas, desde o incio da implementao da SA8000, os fornecedores tm desempenhado um papel fundamental na adequao dos requisitos sociais. O Compromisso Empresarial foi enviado para mais de 250 fornecedores da cadeia produtiva de cosmticos, incluindo os terceiros internos e externos. Alm dos requisitos da norma, a AVON est exigindo que seus fornecedores sejam avaliados de forma independente. Como suporte aos fornecedores, realiza eventos para expor aos seus parceiros o conceito e a importncia da SA8000 no contexto de responsabilidade empresarial. (GESTO E RH...,2006)7 Se existem trabalhadores que exercem funes em domiclio, eles devem ter total garantia de que recebero os mesmos benefcios que um empregado de fbrica, alm de detalhar toda a produtividade elaborada, desde horas trabalhadas, at volume de produo. Abaixo os ltimos critrios do Sistema de Gesto, que envolvem: Aes Corretivas, Comunicao Externa, Acesso para Verificao e Registros: a) Tratando das Preocupaes e Tomando Ao Corretiva: A empresa deve investigar e responder s preocupaes de

empregados e outras partes interessadas, com respeito conformidades/no conformidades frente poltica da empresa e/ou aos requisitos desta norma;

7 Gesto & RH Editora. http://www.rhcidadao.com.br/conteudo/case_04.php ap

31

-

A empresa deve evitar repreender ou discriminar contra qualquer

empregado que tenha fornecido informaes relativas observncia desta norma, assim como implementar ao corretiva e alocar os recursos necessrios natureza e de qualquer no conformidade identificada contra a poltica da empresa e/ou desta norma. b) Comunicao Externa: A empresa deve estabelecer e manter procedimentos para comunicar

regularmente a todas as partes interessadas dados e outras informaes relativas ao desempenho frente aos requisitos deste documento, incluindo os resultados das anlises crticas pela alta administrao e das atividades de monitorao. c) Acesso para Verificao: Quando requerido em contrato, a empresa deve oferecer informaes

razoveis e acesso s partes interessadas, as quais buscam verificar conformidade com os requisitos desta norma; Quando ademais solicitado em contrato, informaes similares e

acesso devem tambm ser proporcionados pelos fornecedores e subcontratados da empresa, atravs da incorporao de tal requisito aos contratos de compra da empresa. d) Registros: A empresa deve manter registros apropriados para demonstrar

conformidade com os requisitos desta norma. A monitorao e observncia da SA8000 so de vital importncia, pois s assim que se podem detectar possveis falhas, tanto na implantao como na manuteno da norma. Esta responsabilidade envolve a alta administrao, colaboradores e as PIs. Salienta-se que um dos critrios de que ningum pode ser repreendido, de nenhuma forma, caso identifiquem algo fora dos padres da norma.

32

Caso seja detectado, a empresa tem que tomar as medidas cabveis visando o aprimoramento e aperfeioamento da ao, sempre objetivando a prisma no quesito qualidade, segurana e bem estar no ambiente de trabalho.Aes corretivas devem ser implementadas sempre que houver uma indicao de falha no Sistema de Responsabilidade Social. O objetivo da ao corretiva analisar o problema, descobrir sua causa e tomar uma ao que garanta que ele no voltar a se repetir. 8

Os representantes da SA8000 tm tambm como escopo conscientizar os trabalhadores para que no se intimidem em manifestar qualquer disparidade relacionada norma, pois, so eles os que mais sentem a influncia de suas benfeitorias, causando impactos diretos na produtividade, no ambiente de trabalho, no sistema de informao interno, e no relacionamento com outras partes envolvidas. 4.6 Treinamento Permitir que os envolvidos pudessem exercer suas responsabilidades no que diz respeito manuteno da SA8000 exige treinamentos constantes, que envolve capacitao e adaptao aos novos procedimentos adotados dentro da organizao. Alm de envolver os representantes selecionados pela empresa, o treinamento permite tambm que sindicatos e ONGs tambm participem.O treinamento um aspecto fundamental da SA8000, porque promove a colaborao e o comprometimento dos trabalhadores. O treinamento serve tambm como ponte para as partes interessadas. Os sindicatos tambm podem exercer um papel importante no treinamento.9

A SAI tambm desenvolve treinamentos no tocante a SA8000 em todo o mundo, incluindo espaos dedicados aos sindicatos e ONGs. Este treinamento deve ser praticado pela organizao constantemente, pois dessa forma a organizao sempre se mantm atualizada, reciclando e evoluindo cada vez mais no que diz respeito aos princpios bsicos da norma.

8 OLIVEIRA, Marcos Antonio. SA 8000 O Modelo ISO 9000 Aplicado Responsabilidade Social. Ed. Qualitmark 2003 p. 37 9 LEIPZIGER, Dbora. SA 8000 96 O guia definitivo para a Norma Social Edit. Qualitymark 2002 p.

33

Quanto aos treinamentos regulares, podemos destacar: explanao do objetivo da SA8000, assim como da SAP; conscientizao sobre os requisitos da norma; treinamento sobre sade e segurana, destacando a utilizao de acessrios de segurana e sobre o ambiente de trabalho. Alm disso, relatar periodicamente os acidentes, e da mesma forma as conquistas na preveno, podem causar uma imagem positiva, tanto interna como externamente, aumentando ainda mais o comprometimento da organizao com sua poltica de Responsabilidade Social. 4.7 Registro das Informaes: Adotando Formulrios Para mostrar que realmente a organizao est desenvolvendo a SA8000 de acordo com os critrios e requisitos, necessria a adoo de formulrios especficos para todas as questes abordadas da norma. Entre elas destacamos as listas de verificao de conformidade do fornecedor com a SA8000, destacando todos os tpicos. Para que se registrem todas as atribuies da organizao relacionadas norma, necessrio elaborar um Manual da Empresa destacando os sistemas de gesto, que devem ser apresentados a todos os trabalhadores, assim como s PIs. Este manual ir proporcionar maior identidade com a norma, pois sero expostas todas as polticas que a organizao dever adotar em funo da SA8000. Enquanto o Sistema de Gesto da SA8000 requerem a manuteno de listas de verificao e formulrios, importante ressaltar que, ao mesmo tempo em que so teis, as listas so apenas parte de um todo. Elas, entre outros recursos, demandam treinamento, equipe, oramentos para desenvolver um sistema de gesto eficiente, e conscientizao de todos os envolvidos no processo de adaptao da SAP, propiciando, desta forma, maior confiana por parte dos colaboradores de que realmente a organizao est engajada nesta sua nova empreitada.

34

5. Partes Interessadas5.1 Conceito de Partes Interessadas PIs H uma crescente compreenso dos benefcios de uma abordagem prativa responsabilidade social, assim como uma presso sobre as empresas para que reconheam suas responsabilidades sociais globais. Fica cada vez mais evidente a percepo de que o governo, sozinho, no pode resolver os problemas da pobreza e da degradao ambiental. Essa responsabilidade tem que ser repartida entre todas as camadas e setores da economia, havendo um consenso e uma compreenso de que apenas com governo, sociedade civil e negcios trabalhando em conjunto sero possveis construir comunidades sadias e seguras. O cerne dessa discusso est embasado nas relaes que envolvem os processos do desenvolvimento e ambiente organizacional, sejam eles internos ou externos, permitindo desta forma a insero no conceito fundamental de que um relacionamento saudvel entre as partes interessadas ou stakeholders, crucial para manter a competitividade em um mundo onde as diferenas sociais ainda predominam de forma avassaladora.O conceito de stakeholder atenta para o fato de que a atividade empresarial no somente uma transao de mercado, mas uma rede de relaes cooperativas e competitivas de um grande nmero de pessoas organizadas de vrias maneiras. A empresa uma organizao na qual e pela qual muitos indivduos e grupos empreendem esforos para atingir seus fins.1

Esta nova essncia, fincada em um contexto genuno de fazer novos negcios, que parece ligeiramente diferente, baseia-se em uma compreenso da singularidade desses fatores externos e internos. Em particular, significa desenvolver e manter relaes com uma variedade diversa de interessados, prioridade estratgica de operar de uma maneira que satisfaa todos os seus envolvidos, sejam eles acionistas, funcionrios, governos e clientes, ONGs ou sindicatos.

1 BORGER, Fernanda Gabriela. Responsabilidade Social: Efeitos da atuao social na Dinmica empresarial. Tese de Mestrado. USP 2001 p. 54

35

5.2 A SA8000 e as PIs Vivemos em um mundo mais transparente, ficando cada vez mais difcil no ser investigado. Alm disso, necessrio, cada vez mais, absorver mais responsabilidades perante diversos interessados. Esses dois aspectos fazem com que as empresas precisem monitorar suas cadeias de suprimento para verificarem se os seus parceiros, subcontratados, fornecedores esto em conformidade com as normas bsicas das cobranas exigidas pela sociedade como um todo. A norma SA8000 enftica nesta questo do monitoramento das PIs. Saber trabalhar em conjunto, aperfeioar o relacionamento, implantar as questes bsicas que agregam norma, e identificar possveis parceiros que no condizem com as novas perspectivas da empresa, relacionadas SA8000, determinaro o sucesso ou fracasso da implantao do sistema.As partes interessadas, quando recebidas como participantes valiosos e demonstrarem um srio compromisso em oferecer boas condies para os trabalhadores, podem tornar-se aliadas que ajudam a empresa a detectar e solucionar problemas. Quando so ignoradas ou tratadas como estorvo, elas podem gerar problemas com a mdia e a clientela.2

No captulo 2, demonstramos o conceito de stakeholders, que , de forma sucinta, nada mais que uma pessoa ou grupo preocupado ou afetado pelo desempenho social da empresa. Identificamos tambm quem so essas partes, como ONGs, sindicatos, governos, acionistas, clientes, fornecedores, empregados, concorrentes, entre outros. Identificar quem so as PIs o primeiro passo no mapeamento dos parceiros. Alm dessa identificao, buscar a melhor maneira de se trabalhar, desenvolver essas parcerias, estudar quais sero os desafios a enfrentar no trabalho em conjunto com as PIs, e viabilizar a possibilidade do envolvimento das ONGs empresariais, permitem almejar de forma mais branda este quesito. A outra questo que os interesses das PIs so distintos. Defini-los pode auxiliar melhor nas tomadas de deciso quando o assunto de interesse mtuo.2 LEIPZIGER, Dbora. SA 8000 2003 p. 114 O guia definitivo para a Norma Social Edit. Qualitymark 2002.

36

Para MCINTOSH (2001) a realidade das empresas que o capital de relacionamento e a imagem da marca so de enorme importncia para o sucesso nos negcios. O mapeamento dos interessados pretende encontrar alguma base entre a percepo dos diferentes interessados. Engajar os interessados em dilogos e consultas uma forma de encontrar uma maneira comum de levar adiante uma sociedade fragmentada. 5.3 Organizaes No-Governamentais ONGs As Organizaes No-Governamentais ONGs hoje fazem parte do atual

cenrio social, poltico e governamental da idade contempornea. Talvez, a tarefa mais difcil seja poder defini-la claramente, em funo dos diversos papis que atua na sociedade.Denominadas genericamente de filantrpicas, organizaes sociais,

organizaes no-governamentais, dentre outras nomenclaturas possveis, as organizaes da sociedade civil vm, sem dvida, ocupando um espao cada vez mais importante na vida nacional, seja oferecendo ajuda e servios populao carente, promovendo iniciativas de gerao de renda em localidades pobres ou alijadas do mercado, levando ao conhecimento da opinio pblica agresses ao meio ambiente, fiscalizando os gastos do poder pblico, interferindo no processo de elaborao de polticas pblicas nas mais diversas reas, dentre tantas outras atividades que hoje praticada por aquilo que podemos denominar genericamente de Terceiro Setor ou sociedade civil organizada brasileira.3

Talvez o grande motivo e benefcio de se trabalhar com as ONGs seja demonstrar transparncia nas polticas empresariais, que afetam diretamente todos os envolvidos no processo. Elas tambm compreendem as necessidades dos constituintes a que servem, gerando credibilidade na comunidade em que se encontra, enquanto criam especializao em questes relacionadas SA8000.

3 HAUS, Paulo - Fortalecer a sociedade civil para fortalecer a democracia: reflexes sobre a legislao para o Terceiro Setor pg 5 http://www.socioambiental.org/inst/docs/download/paulo_haus.pd -

37

Algumas ONGs que oferecem treinamento, educao ou servio mdico podem ser parceiras importantes para as empresas que pretendem adotar a SA8000. Em uma era em que governantes do mundo inteiro esto reduzindo drasticamente seus gastos em projetos sociais, as ONGs esto se tornando cada vez mais poderosas e capazes de oferecer mais servios freqentes com um mnimo de burocracia do que os governos antigamente ofereciam.4

Em 1995, a Timberland, fbrica de sapatos com presena em mais de 51 pases, criou uma parceria com a City Year, na qual jovens e os prprios executivos trabalham para fazer a diferena nas reas urbanas infestadas pela pobreza, retirando lixo de terrenos baldios, dando assistncia a idosos, proporcionando assim o aprendizado de trabalho em equipe. A parceria se tornou um cenrio vencedor que beneficia as cidades e emprega jovens, muitos dos quais de alto risco. O programa ganhou at elogios do ex-presidente Bill Clinton. (MCINTOSH 2001) O trabalho com ONGs, quando abordado com princpios ticos e morais, poder proporcionar um grande retorno as organizaes, beneficiando comunidades carentes, sensibilizando funcionrios e executivos, aumentando o relacionamento com os consumidores e permitindo a incluso social. 5.4 Sindicatos Organizados por setor, regio geogrfica ou por instalao, os sindicatos so das partes mais importantes, na qualidade de representantes oficiais dos trabalhadores. Eles podem ser estruturados em nvel de representao municipal (distritos), nacional, onde os distritos so conhecidos como regies, e os representantes de todas as categorias constituem-se no Sindicato Nacional. Segundo LEIPZIGER (2003), devido ao incentivo para que os auditores da SA8000 renam-se com os representantes sindicais de vrios nveis, eles podem ser teis para travar contatos com funcionrios importantes dentro dos sindicatos. Os planos de implementao para a SA8000 devem ser discutidos com os integrantes sindicais da fbrica.

4 LEIPZIGER, Dbora. SA8000 119

O guia definitivo para a Norma Social

Edit. Qualitymark

2003 p.

38

A parceria com os sindicatos poder gerar um grande nmero de informaes, como situao social da regio onde a empresa se encontra, utilizao de trabalho infantil, discriminao racial, podendo auxiliar a organizao em suas polticas sociais e influncia sobre o governo local para implantarem e desenvolverem melhorias estruturais na regio. 5.5 Ministrio Nacional do Trabalho Manter um bom relacionamento com essas partes auxilia na implantao da SA8000, pois eles atuam como fontes de informao acerca das mudanas das regulamentaes, legislaes regionais e de nvel nacional. Os inspetores trabalhistas podem exercer uma funo crucial ao dispor de informaes sobre fornecedores, podendo ser teis principalmente onde as instituies democrticas so precrias.O Brasil possui um dos mais detalhados conjuntos de leis e decretos. Os mais importantes so conhecidos pelas siglas PPRA (Programa de Preveno de Acidentes) e PCMSO (Programa de Controle Mdico e Sade Ocupacional). Esses dois programas foram introduzidos como normas h poucos anos. Embora j estejam apresentando resultados positivos, continuam sendo os itens mais cobrados pela fiscalizao do MTE.5

Alm desses programas, o Ministrio do Trabalho e Emprego (MTE), tambm tem tido uma atuao extremamente ativa na fiscalizao e autuao de empresas onde foram identificadas prticas abusivas nas questes relacionadas ao trabalho forado e infantil, causando grande repercusso nos meios de comunicao. Assim, a norma SA8000 ser mais um agente na luta contra as indiferenas, seja no ambiente interno ou externo. Vale salientar que a norma jamais substituir essas entidades, dada importncia e relevncia que cada uma possui em seu campo de atuao.

5 FRANA, Ana Cristina Limongi. Qualidade de Vida no trabalho Atlas 2004 p. 40

QVT

2 edio. So Paulo. Edit.

39

Mas no se pode deixar passar despercebido o quanto norma poder auxiliar na busca de um ambiente de trabalho mais homogneo, de forma a incrementar mais ainda a observncia da legislao trabalhista, cooperando com essas agncias, e inibindo prticas e aes que manipulam os direitos individuais de todo trabalhador.

40

6. Auditoria6.1 Em Busca da Convergncia Tendo como referncia a ISO9001, norma de Sistema de Gesto da Qualidade, e a ISO14001, norma de Sistema de Gesto Ambiental, a SA8000 foi desenvolvida atravs de plenas consultas de normas internacionais e no governamentais, com o apoio de alguns governos, mais sem seu envolvimento direto. Mesmo com essa comunicao eficiente entre partes to distintas, no foi possvel desenvolver uma forma de integrar as auditorias, sendo um dos objetivos mais cobiados pelas organizaes como forma de otimizar todo seu processo.As auditorias nas reas de qualidade, social e ambiental so muito diferentes. A auditoria social depende fortemente de entrevistas, enquanto isto no representa tanta importncia para outros tipos de auditoria. As auditorias de qualidade exigem apenas algumas poucas entrevistas com trabalhadores, limitando-se as questes variadas acerca de alguns conhecimentos. Na auditoria da SA8000, as entrevistas com trabalhadores constituem-se em importante evidncia objetiva.1 [...] pode ser feita uma distino entre auditorias ticas e sociais. Auditorias ticas so essencialmente ferramentas de gesto interna e uma forma de ouvir idias dos interessados, especialmente as do que trabalham na empresa, enquanto auditorias sociais so primariamente voltadas para fazer com que a organizao preste contas de seu impacto social.2

Mas evidente que uma empresa que j adota outras normas de conduta ter muito mais flexibilidade em lidar com a questo da auditoria, uma vez que ela j est habituada com as questes de verificao de registros, fiscalizao do ambiente, monitorao de requisitos bsicos, assim como aperfeioamentos relacionados s normas. Segundo LEIPZIGER (2003), a verificao dos registros poderia ser integrada. A reviso da gerncia tambm similar em ambas.

1 LEIPZIGER, Dbora. SA8000 O guia definitivo para a Norma Social Edit. Qualitymark 2003 p. 158 2 MCINTOSH, Malcom. Cidadania Corporativa: estratgias bem sucedidas para empresas responsveis. Traduo de Bazan Tecnologia e Lingstica. Rio de Janeiro. Edit. Qualitymark. 200l. p 261

41

O principal objeto de discusso fazer com que, tanto os consumidores quanto os fornecedores no se sintam cticos com relao s normas de conduta, em funo de suas disparidades de interpretao. Integrar as auditorias assunto central para a responsabilidade corporativa social, permitindo assim o planejamento de novas tcnicas, compartilhando informaes de forma a integr-las em um nico relatrio, possibilitando a unificao da auditoria sobre normas de condutas sociais, de qualidade e ambientais, economizando tempo, minimizando custos e concentrando esforos em um nico ciclo de auditorias. 6.2 Auditando a SA8000 Enquanto a auditoria tica testa a conscincia de valores em toda a organizao, a auditoria social avalia o impacto social e o comportamento tico de uma organizao em relao aos seus objetivos e os de seus interessados. MCINTOSH (2001) define as questes ticas a serem abordadas pelas auditorias como: valores da organizao; como foram derivadas; consistncia pela maneira que a empresa trabalha e aquilo que faz; e se esto em conformidade com os valores pessoais dos colaboradores. A auditoria social mede: a percepo por parte dos interessados perante a organizao; como cumprem suas metas; e como a organizao trabalha em conformidade com suas prprias declaraes de valores. Esta definio expe a importncia da auditoria da norma SA8000, garantindo a transparncia do Sistema de Gesto da Responsabilidade Social e dos trabalhos em constante mutao, sendo desenvolvidos para melhorar as questes sociais dentro da organizao. A organizao deve selecionar um auditor interno (coordenador), que dever participar de treinamento de formao, e ir acompanhar todo o processo de fiscalizao junto aos auditores externos.

42

Um planejamento anual das auditorias deve ser elaborado. O seu controle ficar sob a responsabilidade do representante da Direo designado. O plano de auditoria tem de relacionar o setor auditado, os requisitos da norma aplicveis aquele setor, o nome do auditor e o ms da realizao da auditoria.3

A auditoria da SA8000 envolve anlise do controle de documentos e registros, conhecimento da SAP, no conformidades e aes corretivas,

treinament