Sabadao 70

Click here to load reader

  • date post

    07-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    224
  • download

    1

Embed Size (px)

description

Jornal semanal de circulação gratuita em Lençóis Paulista, Borebi e Agudos!

Transcript of Sabadao 70

  • 21 DE JUNHO DE 2014 - EDIO N 70 - ANO 2 - LENIS PAULISTA - CIRCULAO REGIONAL Mxima: 25Minina: 13C

    Mxima: 26CMinina: 14C

    HOJE AMANH

    Fonte: Climatempo

    MatrizRua Anita Garibaldi, 650

    Centro - Lenis Paulista/SP(14) 3264-3340

    3263-3985

    FilialAv. Pe. Saltio R. Machado, 563

    Centro - Ao lado do Frum(14) 3264-8248

    KOUBO - A FRUTA QUE EMAGRECE!

    Veculos so incendiados em Lenis Paulista esta semana

    Rapaz linchado em casa luz do dia na Vila Repke

    Fotos: Billy Mao

    Billy Mao

    TIJOLO - Em ritmo lento, obra do Posto de Sade do Jardim Ubirama continua causando transtorno aos usurios do servio, no bairro. Durante esta semana a reportagem esteve na obra e no encontrou nenhum funcionrio da empresa contratada para executar o servio que comentarsse a paralizao temporria. Apesar de estar dentro do prazo de entrega, obra est pela metade e no dever ficar pronta at a data de entrega Pgina 6

    TC aponta irregularidades em contrataes de Marise

    O Koubo uma opo natural para quem busca emagrecer de forma rpida, segura e sadavel.Qualidade e eficincia comprovados pela Anvisa

    O Demutran (Departamen-to Municipal de Trnsito) vai interditar na prxima tera--feira, 24 de junho, um trecho da Rua 28 de Abril, entre as ruas 13 de Maio e Coronel Virglio Rocha, para a execu-o de obras de recuperao do pavimento.

    O trecho ser interditado nos dois sentidos em virtude da movimentao de mqui-nas e funcionrios durante o perodo da realizao dos servios. O trabalho inclui a retirada do pavimento que apresenta irregularidades, colocao de base asfltica e pavimentao do trecho que ser recuperado.

    Passos lentosna Sade

    O Tribunal de Con-tas do Estado no aca-tou o pedido de recurso feito pela prefeita Iza-bel Lorenzetti (PSDB)

    sobre irregularidade de contratao de pro-fessor pelo ex-prefeito Jos Antonio Marise, em 2006.

    O recurso era contra a sentena publicada no Dirio Oficial do Estado, que julgou ir-regulares, a admisso

    de pessoal por tempo determinado, realizada pela Prefeitura Munici-pal de Lenis Paulista, no exerccio de 2006,

    do ento prefeito e hoje diretor do SAAE.

    O ex-prefeito j havia tido uma deciso favor-vel, em parecer do TC,

    na qual o Conselheiro Robson Marinho o be-neficiou no mesmo tipo de contratao ocorrida em 2007. Pgina 5

    Trecho da 28 de Abril ser interditado natera-feira, dia 24

    Estria esta semana no Sabado a Coluna Direito e Cidadania

    O Corpo de Bombeiros de Lenis Paulista combateu, na quarta-feira, dia 18, dois incn-dios em veculos em diferentes bairros da cidade. O primeiro chamado aconteceu por volta da meia noite no bairro Nova Lenis, onde um veculo Pas-sat, que estava estacionado em frente a uma oficina, foi total-mente destrudo pelas chamas.

    O comunicado do segundo incndio em veculo foi feito cerca de meia hora depois da

    primeira solicitao, na Vila Cruzeiro, onde um Fiat Tempra estava com a parte do motor em chamas. Em nenhum dos dois incndios houve vtimas.

    Os dois casos sero inves-tigados, mas o Corpo de Bom-beiros no descarta que se trate de incndio criminoso.

    No momento do incndio uma testemunha teria ouvido um barulho e visto um rapaz correndo na rua, jogando obje-tos e entrando em outro veculo.

    Um rapaz de 24 anos foi brutalmente agredido por cer-ca de 10 homens, no incio da tarde desta sexta-feira, dia 20, na Vila Repke. Segundo infor-maes do Tenente da Polcia Militar Andr Arashiro, o rapaz teria tentado se refugiar em uma casa do bairro, pe-dindo socorro aos moradores e depois se proteger em outra

    residncia, onde foi atacado pelos homens que estavam armados com pedaes de pau.

    Aps o espancamento, o rapaz foi socorrido e levado ao Pronto Socorro Municipal onde permanecia em observa-o at o fechamento desta edi-o, aguardando tranferncia para Bauru, devido gravidade dos ferimentos que sofreu.

    Segundo informaes, o rapaz seria usurio de drogas e estaria envolvido em diversos furtos que ocorriam na regio. Mas, apenas a investigao da Polcia Civil deve apontar os motivos da agresso e deve identificar os agressores. At o fechamento desta edio, nenhum dos agressores havia sido identificado ou preso.

    O estudante de Direito Rail-son Rodrigues escrever em sua coluna, na pgina 6, sobre os mais variados assuntos ligado ao Direito. Voc pode mandar sugestes e duvidas para o e-mail: [email protected] e fazer parte dos assuntos que sero apresentados pelo autor . Voc tambm pode ver o programa na TVLP.com.br .

    MISSA - Pe. Silvano Palmeira realizou a procisso de Corpus Christi na Igreja Cristo Ressucitado. A procisso percorreu as ruas ao redor da igreja no final da tarde de quinta-feira. Cerca de 600 fiis acompanharam a prociso entre cantos e palavras de f de Silvano. Veja fotos do evento religioso na pgina 8

    Passos santosno bairro

  • LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014OPINIO2

    FALE CONOSCO

    CNPJ: 14.647.331./0001-22 IE: 416.050.229.111

    Jornalista Responsvel: Tnia Morbi - Mtb: 52.193Redao e administrao Lenis Paulista

    Av. Jos Antonio Lorenzetti, 537Telefone (14) [email protected]

    CONTATO COMERCIAL: (14) [email protected]

    Sugesto de Pautas: (14) 3263-1740

    Registrado no Cartrio de Registros de Pessoas Jurdicasde Lenis Paulista sob nmero 008 - Folha 15 - Livro B1

    TODOS OS ARTIGOS SO DE RESPONSABILIDADEDE SEUS AUTORES

    Tiragem: 3.000 exemplaresCaderno DeCasaEmCasa: 20.000 exemplaresLenis Paulista - Borebi - Agudos - Macatuba

    EDITORIALDecises pblicas municipais

    billy mao

    Todos podemos ser Walter Mitty

    Famlia, o ideal de Deus pr. antonio carlos cabral

    O povo hebreu no Antigo Testamento, rece-beu ordens expressas de Deus com relao ao ensino religioso na famlia: Ame ao Senhor teu Deus de todo o teu corao, de toda a tua alma e de todas as tuas foras. Que todas as palavras que hoje te ordeno estejam em teu corao. Ensine-as a teus filhos, converse com eles quando estiver sentado em tua casa, quan-do estiver andando pelo caminho, quando te deitares e quando te levantares. Amarre-as como um sinal no teu brao e prenda-as na tua testa. Escreve-as nos batentes das portas da tua casa e em seus portes (Deut. 6.5-9). O no cumprimento dessa prtica traria con-sequncias danosas para a famlia.

    No Novo testamento, a famlia crist ver-dadeira e comprometida com o reino de Deus no se descuidava da educao religiosa dos filhos. Isso no era atribuio exclusiva do pai, apesar de ser considerado o sacerdote da famlia. Recordo-me da f no fingida, que primeiro habitou em tua av Loide e em tua me Eunice e estou convencido que tambm habita em ti. (2 Tim. 1.5)

    So muitos os desafios que os membros de nossas famlias enfrentam todos os dias. Nossos filhos travam verdadeiras batalhas no campo das influncias e dos maus exemplos, tomando decises que podem comprometer seriamente o prprio futuro. Isso sem mencio-

    nar as mais diferentes formas de lutas dirias que homens e mulheres, maridos e esposas, pais e mes enfrentam no cotidiano para de-fender seus ideais.

    Lawrence, monge da ordem dos Carmelitas do sculo XV, ensinou a prtica da presena de Deus. Ele era o cozinheiro do mosteiro. En-quanto caminhava catando gravetos pensava no fogo que aquecia sua f. Enquanto lavava suas panelas, conversava com Jesus sobre a necessidade de manter sua vida sempre limpa e em condies de ser usada. Enquanto empi-lhava suas panelas, pedia foras a Deus para colocar em ordem o que estava desarrumado em sua vida. Enquanto descascava as batatas, dava graas a Deus pelo sustento dirio. Assim era a sua vida de orao, alm dos momentos de quietude em seu quarto ou no santurio.

    Como cristos, podemos agir de forma semelhante, conciliando nossos deveres dirios com nossa vida devocional. Quando passamos em frente a uma creche, escola ou universidade, podemos lembrar que ali esto acadmicos. Quando ao andar pelas ruas da cidade e encontramos pessoas, podemos lembrar de nosso cnjuge no trabalho ou no lar. Quando olhamos fotos de familiares ou amigos, lembramos deles nos momentos passados. Numa despedida para o trabalho ou para a escola, pode ser transformada numa prece. Em nossas caminhadas, pode-mos elevar o pensamento a Deus em favor das famlias, quando passamos em frente s suas residncias.

    Tudo isso pode parecer utopia, porm se considerarmos que h pessoas que saem de suas casas sem ao menos um Deus te acompanhe, ou um Deus te abenoe como forma de proteo. Uma ao dessa natureza no ser sacrifcio a ningum. Um exerccio espiritual com regularidade, poder se tornar um hbito saudvel, prazeroso e agradvel a Deus e uma pequena contribuio ao ideal de Deus que a famlia.

    Antnio Carlos Cabral Bacharel em Teologia pela Faculdade Teolgica Batista Grande ABC.

    leonardo boff

    Quem envergonhou o Brasil aqui e l fora?

    Pertence cultura popular do futebol a vaia a certos jogadores, a juzes e eventualmente a alguma autoridade presente. Insultos e xingamentos com linguagem de baixo calo que sequer crianas podem ouvir coisa inaudita no futebol do Brasil. Foram dirigidos mais alta autoridade do pais, Presidenta Dilma Rousseff, retrada nos fundos da arquibancada oficial.

    Esses insultos vergonhosos s podiam vir de um tipo de gente que ainda tm visibilidade do pais, gente branqussima e de classe A, com falta de educao e sexista como comentou a sociloga do Centro Feminista de Estudos, Ana Thurler.

    Quem conhece um pouco a histria do Brasil ou quem leu Gilberto Freyre, Jos Honrio Rodrigues ou Srgio Buarque de Hollanda sabe logo identi-ficar tais grupos. So setores de nossa elite, dos mais conservadores do mundo e retardatrios no processo civilizatrio mundial, como costumava enfatizar Darcy Ribeiro, setores que por 500 anos ocuparam o espao do Estado e dele se beneficia-ram a mais no poder, negando direitos cidados para garantir privilgios corporativos. Estes grupos no conseguiram ainda se livrar da Casa Grande que a tem entranhada na cabea e nunca esquece-ram o pelourinho onde eram flagelados escravos negros. No apenas a boca suja; esta suja por-que sua mente suja. So velhistas e pensam ainda dentro dos velhos paradigmas do passado quando viviam no luxo e no consumo conspcuo como no tempo dos prncipes renascentistas.

    Na linguagem dura de nosso maior historiador mulato Capistrano de Abreu, grande parte da elite sempre capou e recapou, sangrou e ressangrou o povo brasileiro. E continua fazendo. Sem qualquer senso de limite e por isso, arrogante, pensa que pode dizer os palavres que quiser e desrespeitar qualquer autoridade.

    O que ocorreu revelou aos demais brasilei-ros e ao mundo que tipo de lideranas temos ainda no Brasil. Envergonharam-nos aqui e l fora. Ignorante, sem educao e descarado no o povo, como costumam pensar e dizer. Descarado, sem educao e ignorante o gru-po que pensa e diz isso do povo. So setores em sua grande maioria rentistas que vivem da especulao financeira e que mantm milhes e milhes de dlares fora do pas, em bancos estrangeiros ou em parasos fiscais.

    Bem disse a Presidenta Dilma: o povo no reage assim; civilizado e extremamente genero-so e educado. Ele pode vaiar e muito. Mas no insulta com linguagem xula e machista a uma mulher, exatamente aquela que ocupa a mais alta representao do pas. Com serenidade e senso de soberania pessoal deu a estes incivilizados uma resposta de cunho pessoal: Suportei agresses fsicas quase insuportveis e nada me tirou do rumo. Referia-se s suas torturas sofridas dos agentes do Estado de terror que se havia instalado no Brasil a partir de 1968. O pronunciamento que fez posteriormente na TV mostrou que nada a tira

    do rumo nem a abala porque vive de outros valores e pretende estar altura da grandeza de nosso pas.

    Esse fato vergonhoso recebeu a repulsa da maioria dos analistas e dos que sairam a pblico para se manifestar. Lamentvel, entretanto, foi a reao dos dois candidatos a substitui-la no cargo de Presidente. Praticamente usaram as mesmas expresses, na linha dos grupos embrutecidos: Ela colhe o que plantou. Ou o outro deu a entender que fez por merecer os insultos que recebeu. S espritos tacanhos e faltos de senso de dignidade podiam reagir desta forma. E estes se apresentam como aqueles que querem definir os destinos do pas. E logo com este esprito! Estamos fartos de lideranas medocres que quais galinhas continuam ciscando o cho, incapazes de erguer o voo alto das guias que merecemos e que tenham a grandeza proporcional ao tamanho de nosso pas.

    Um amigo de Munique que sabe bem o portu-gus, perplexo com os insultos comentou: Nem no tempo do nazismo se insultavam desta forma as autoridades. que ele talvez no saiba de que pr-histria ns viemos e que tipo de setores eli-tistas ainda dominam e que de forma prepotente se mostram e se fazem ouvir. So eles os principais agentes que nos mantm no subdesenvolvimento social, cultural e tico. Fazem-nos passar uma vergonha que, realmente, no merecemos.

    Leonardo Boff telogo, escritor e professor emrito de tica

    Por recomendao de um amigo assisti ao filme A vida secreta de Walter Mitty (Ben Stiller). O personagem o responsvel pelo departamento de arquivo e revelao de fo-tografias da tradicional revista Life. Ele um homem tmido, levando uma vida simples, perdido em seus sonhos. Ao receber um pacote com negativos do importante fotgrafo Sean OConnell (Sean Penn), ele percebe que est faltando uma foto. O problema que trata-se justamente da foto escolhida para ser a capa da ltima edio da revista. quando, Walter, com o apoio de Cheryl (Kristen Wiig) obrigado a embarcar em uma verdadeira aventura.

    O filme me levou a pensar nosso dia a dia. A forma como tratamos nosso trabalho e o sentido que ele d para nossa vida. Normal-mente estamos dormentes quanto as possi-bilidades que a vida oferece diariamente em detrimento dele.

    J trabalhei na mesma funo que

    Walter, no em uma revista, mas em uma universidade.

    O sentimento de quem pega nas mos um negativo fotogrfico percebendo as nuances e belezas da foto ali contidas algo quase indis-critvel. Hoje a tecnologia digitalizada nos d um amontoado de pixels na tela do computador e trabalhamos com isso. Antes era um amonto-ado de sais de prata, quimicamente chamados de haletos de prata, que se transformavam nas mos do laboratorista, moldados entre o tempo, temperatura e propores qumicas.

    Alm da nostalgia que o filme remete com muita sensibilidade, o que realmente me agra-dou foi o despertar de Walter, do seu mundo de sonhos e ir, realmente, viv-los. Sentir a vida alm das imagens que nos chegam sem parar atravs de todos os meios de comuni-cao disponvel.

    Em determinada cena do filme o persona-gem fotgrafo diz para Walter que, as vezes,

    no fotografa, apenas aprecia o momento da foto, guardando para s o sentimento do mo-mento. fantstico. O que pode ser melhor do que poder apreciar um momento de nossa vida e carreg-lo na memria?

    Para conseguir gravar essas imagens e sen-timentos em nosso ser, precisamos antes de mais nada, sair do nosso mundo de sonhos e aceitar o desafio de viver plenamente. A cena do filme se passa no topo do Imalaia.

    Posso dizer que tenho um arquivo gi-gante de imagens e sentimentos em meu interior - fora as que tenho digitalizadas em DVDs e HDs, e realmente extraordinrio poder senti-las. Imagine-se no meio de um rio da Amaznia com uma minscula canoa percebendo a natureza ao redor, a pureza do oxignio? Feliz da vida e privilegiado por Deus, posso me dar ao prazer de relembrar essa cena que vivi, sem ter um negativo, uma digitalizao.

    Sabado online: issuu.com/billymao/docs/

    ReflexoVoc no fotografa com

    sua mquina. Voc fotografa com toda sua cultura

    SEBASTIO SALGADO

    Interferncia sobre charge de Dlcio

    Atos praticados em determinados mo-mentos por administradores pblicos so alvo certeiro de fiscalizaes do Tribunal de Contas do Estado e da Unio, que com seus apontamentos norteiam aes que podem parecer corretas, mas que acabam resultan-do em prejuzos seja para os cofres pblicos, para os cidados afetados diretamente por elas, ou ainda aos prprios princpios que devem nortear a administrao pblica: le-galidade, impessoalidade, moralidade, pu-blicidade e eficincia.

    Mesmo que os erros ou incorrees sejam cometidos por imprudncia ou sob uma ale-gao recorrente aos governantes, por boas intenes, no se pode aceitar que a pessoa que ocupe um cargo pblico eletivo de to alta responsabilidade brinque com seu po-der temporrio para decidir da forma que ela mesma julgar a mais correta e assim beneficie este ou aquele. Ainda mais se esse posiciona-mento se repete, incorrendo na persistncia ao desafio do que legal e moral.

    O ex-prefeito de Lenis Paulista e atual diretor de uma de suas autarquias de maior importncia, o SAAE, Jos Antnio Marise, responde a apontamentos de irregularidades que teriam sido cometidas durante uma de suas gestes frente da administrao mu-nicipal, durante a contratao por tempo de-terminado de professores.

    A atual ao relativa ao ano de 2006, e segundo o TC, teria beneficiado um grupo de professores devido maneira como estes foram contratados, sem concurso pblico e considerando avaliaes que no so aceitas pelo Tribunal como vlidas para este tipo de contratao. Marise j teve apontamentos se-melhantes feitos pelo Tribunal de Contas, de aes semelhantes ocorridas em 2007, neste caso, com deciso favorvel com trnsito em julgado. Da mesma poca, outro prefeito da regio no teve o mesmo mrito e ainda hoje responde Justia por ao semelhante.

    Em que se considerem as razes argu-mentadas pelo administrador em sua po-ca, o que se espera de uma pessoa que se coloque frente dos interesses de uma po-pulao que ela os defenda antes e acima de qualquer outro.

    A administrao municipal pode ser um prato cheio para armadilhas que possam le-var os administradores a cometerem erros dos mais leves aos mais graves. Mas, ao mes-mo tempo oferece um nmero irrestrito de opes para que estes mesmos agentes ajam da maneira mais correta possvel. Por isso mesmo, o cidado comum no pode aceitar a ideia de que estes mesmos administradores possuam inocncia o bastante para se deixa-rem cair nestas mesmas armadilhas. Inclusi-ve, mais de uma vez.

    Pelo contrrio, o que se tem visto em todas as esferas do poder poltico deste pas so senhores e senhoras repletos de ferramentas que, infelizmente, na maior parte do tempo, os tm ajudado a burlar leis e cdigos de con-duta, e contribudo para livr-los de terem que responder por seus erros e incorrees. Isso, apesar das investidas da Justia, tam-bm em todas as suas esferas, e do trabalho rduo de fiscalizar, corrigir e punir quem age em desacordo com a lei.

    O pagamento apropriado dos erros cometi-dos, sejam por quais razes forem, o que se espera para todos os feitos de homens e mu-lheres pblicos, para que assim a sociedade de forma geral permanea certa de que suas escolhas sejam as melhores e que reflitam sempre de forma positiva.

  • POLTICA 3

    FISCAL

    VISO | Nardeli da Silva atento as mudanas que afetam dire-tamente o setor industrial da cidade e a populao geral

    ESPAO | Plenrio e Galeria, du-rante a sesso do dia 16 de junho.

    VEIO | A Cmara de Lenis Paulista rece-beu a visita do presi-dente do Legislativo da cidade de Louveiras, no dia 17. Na foto com Pita

    LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014

    Talvez????? - O vereador Anderson Prado (PV) criticou a deciso da Prefeitura de recorrer Justia, atravs de uma ADIN para no ter que avisar com antecedncia sobre a realizao de obras, tanto pela administrao quanto pelo SAAE. No sei at o momento porque a prefeita entrou com uma Adin. Talvez o poder Executivo no esteja interessado em avisar os pequenos comerciantes. O ve-reador iria se reunir com a prefeita para tratar deste assunto, entre outros, segundo ele.

    Na placa - Um projeto do Executivo votado na sesso do Legislati-vo do dia 16, que acata orientao do Ministrio Pblico, disciplina a nomeao de ruas e prdios pblicos, j que em Lenis Paulista, diferente do que recomenda o MP, os prprios pblicos vinham sendo nomeados com nome de pessoas vivas, quando deveriam homenagear apenas quem j morreu. Alis, gente que concorre a cargo pblico.

    Mas eu te disse, no disse - No ano passado, antes da recomen-dao do MP administrao municipal, o assunto foi mostrado em matria do jornal Sabado do Povo, que expunha a prtica conside-rada irregular pela legislao federal (Lei 6.454), alterada em janei-ro de 2013. Na poca, a administrao se defendeu alegando que o entendimento era de que o nome de pessoas vivas no poderia ser dado apenas a prdio da Unio. Pelo entendimento da lei, o uso do nome de pessoas vivas pode evidenciar privilegio ou promoo pol-tica do homenageado, e no reconhecimento por seus feitos.

    S eu posso - Na proposta votada esta semana pelos vereadores lenoenses, o Executivo regulamenta que ruas e prdios munici-pais recebam nomes apenas de pessoas mortas. O problema que a mesma proposta tirou dos vereadores a possibilidade de indicar os homenageados. Historicamente, a Cmara sempre indicou pessoas para que tivessem seus nomes dados a espaos pblicos, e segundo os prprios vereadores, nunca houve ingerncia por parte do Exe-cutivo em relao a isso.

    Carimbo - Mas, na lei enviada pela prefeita Izabel e aprovada pe-los vereadores, foi preciso uma emenda que garantisse a possibili-dade dos legisladores, j que no texto do projeto no constava que os vereadores pudessem fazer a indicao, e sim apenas a prpria prefeita. O projeto segue para sano da prefeita e, na avaliao dos vereadores, caso ela vete a emenda que d aos legisladores a possibilidade de indicar nomes de homenageados, estar demons-trando falta de respeito Cmara.

    Piada - At agora, a prefeita no vetou nenhum, ento se vetar ago-ra por picuinha. No acredito que isso v acontecer, mas se acon-tecer por uma questo estritamente pessoal por parte da prefeita contra os vereadores, disse Ailton Tip. A prefeita pode ingressar com uma ADIM, como fez contra os avisos prvios de obras, para impedir que os vereadores indiquem os homenageados.

    Fogo amigo - Em Borebi, o prefeito Manoel Frias Filho fez o que poucos polticos tem coragem de fazer: bateu de frente com os vereadores de Borebi. Coisa que eles ainda no tinham enfrentado. Um borebiense contou Coluna que parece que a os vereadores so um grupo de bebes chores quando perdem a mamadeira.

    No d - O cidado contou que a ala que se intitula oposicionis-ta ao governo Man Frias, no sai da casa do ex-prefeito e estaria sendo guiada pelo ex-alcaide para que, de alguma forma, tente desestabilizar a administrao, jogando contra a populao.

    Apoiado - No entanto, segundo a fonte, existem muitas pessoas na cidade que no viram nada extravagante nas declaraes do atu-al prefeito. O cidado ainda contou que o problema que o atual prefeito est fazendo tudo que necessrio pela cidade, com isso, sobrando tempo para os vereadores agirem como criana mimada.

    Na telinha - Ao ver o vdeo que est rolando pelo Facebook o pre-feito teria expressado descontrao e humor. Segundo um interlo-cutor da prefeitura, Man teria comentado que ele teria coisas mais srias para resolver, que diz respeito populao de Borebi e que no daria ateno ao vdeo nem aos comentrios.

    Metralhas - Man Frias enfrenta ainda o chamado fogo amigo, em Borebi. Muita gente que votou e at gente que est prximo dele, insiste em atac-lo. Inclusive, segundo conversas da poltica da cidade, gente que ele empregou e reconheceu o trabalho, estaria falando mal da administrao pelos cantos. Com o vdeo dos eds agudenses, as piadas teriam aumentado ainda mais.

    Cabresto - Nestas conversas tambm rola a prosa de que os mes-mos que falam mal da administrao, por terem estabilidade, se es-quecem que nas gestes anteriores eram tratados a rdea curta. Tal-vs esteja faltando uma mo de ferro no governo Man Frias, dizem.

    Antena - De todos os papos e prosas que chegaram at a Coluna, a que mais deveria ser levada a srio por funcionrios que utili-zam a rdio peo um fato simples: no est satisfeito? (mesmo tendo conquistado benefcios como a cesta bsica e ter uma admi-nistrao preocupada com a cidade e com esse mesmo funcionalis-mo), pega o bon e tchau. Ningum obrigado a ficar no empre-go. Porm, sempre bom lembrar que direto de todos expressar opinio. Em Lenis j aconteceu de uma funcionria pblica no satisfeita com o local de trabalho, pegor suas coisas e sair.

    Fotos: Billy Mao

    Executivo prope mudanas em programa de incentivo

    por Tania Morbi

    Tnia MorbiUm projeto de lei de autoria

    do Executivo municipal de Lenis Paulista, que tramita na Cmara, altera o programa de incentivos fiscais para a instalao de empresas no municpio, criado pela prefeita Izabel Lorenzetti (PSDB), em 2011. A alterao reduz para menos da metade o Valor Adicionado necessrio para que empresas que se instalem no municpio tenham direito a concesso de isenes tribut-rias e fiscais.

    De acordo com a legislao municipal, o valor adicionado aquele utilizado para deter-minar o ndice de participao do municpio na arrecadao do ICMS (Imposto sobre Mercadorias e Servios). A lei prev que empresas dos setores industriais e comer-ciais tm direito a uma srie de incentivos se incremen-tarem ao Valor Adicionado do municpio a partir de R$ 24 milhes, com a alterao proposta esse valor passa para R$ 10 milhes.

    De acordo com a lei origi-nal, o programa prev, entre outros estmulos, a iseno total de ITBI (Imposto so-bre Transmisso de Bens Imveis), iseno total sobre ISSQN (Impostos sobre Ser-vios de Qualquer Natureza), iseno total por 10 anos sobre taxas e sobre o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Mas, apenas para empresas consideradas de grande porte, que incrementarem de forma significativa o valor do ICMS.

    A alterao na lei, que amplia possibilidade de ins-talao de empresas de menor porte no municpio, se jus-tifica, segundo o Executivo, devido mudana no cenrio econmico do pas, usando como argumento principal a crise mundial. A atividade econmica, de modo geral, estava em ascenso e no havia sinais de reflexos da crise mundial e de prejuzos economia brasileira.

    Desde 2011, nenhuma nova empresa se instalou e passou a funcionar no municpio, que pudesse ser beneficiada pela lei criada pela adminis-trao municipal. Estamos em 2014 e tal cenrio sofreu abrupta alterao, em razo da escassez da economia devido a vrios fatores, e tambm, infelizmente, per-cebida atravs da diminuio da receita do municpio e do volume de negcios em nossa cidade, diz o projeto.

    Prefeitura quer reduzir em mais de 50% o valor que empresas teriam que adicionar ao ICMS para terem direito a incentivos fiscais; lei de 2011 no beneficiou nenhuma empresa

    O projeto que altera a lei deu entrada na Cmara na sesso de segunda-feira, 16, e segue em anlise pelas co-misses e pelo departamento jurdico, antes de entrar na pauta de votaes.

    Outro valornico vereador a se ma-

    nifestar sobre o projeto de alterao, Nardeli da Sil-va (PROS) relembrou seus protestos quando da criao do programa de incentivos. Nardeli chegou a apresentar emenda lei propondo, ainda em 2011, a reduo de R$ 24 milhes para R$ 6 milhes o Valor Adicionado arreca-dao para que as empresas pudessem ser beneficiadas.

    Na poca, Nardeli apresen-tou um estudo que avaliava o resultado entre as cidades de Indaiatuba, Sorocaba e Campinas, que implantaram programas semelhantes, para defender a reduo. O estu-do mostrou que para a gente arrumar uma empresa que incorporasse R$ 24 milhes de ICMS acima da nossa ar-recadao, que na poca era de cerca de R$ 53 milhes, era totalmente invivel. Eu disse na poca que no iramos achar empresas que pudessem vir a ter esse incentivo e foi o que aconteceu, disse em entrevista aps a sesso da ltima segunda-feira.

    A forma de avaliao das empresas que podero receber os incentivos, que pela lei atravs de decreto da prefeita, permanece como um risco da iniciativa, de acordo com o vereador. Eu disse e reafirmo, que por decreto no funciona. Abre a possibilidade de a

    Prefeitura fazer o que quiser, um recebe e outro no. Em Campinas, se o empresrio apoiasse a Prefeitura tinha incentivo, se no apoiasse, era reprovado. Ento, como con-tinua nas mos do Executivo, permanece o risco de ocorrer o toma l da c, conclui Nardeli, que tambm defendia que empresas j instaladas tivessem direito ao programa.

    Em 2011, antes da aprova-o do programa de incenti-vos, Nardeli retirou a emenda, depois que a equipe da prefeita Izabel Cristina defendeu o tex-to original. Na poca, o argu-mento era de que o programa municipal seguia orientaes do governo estadual.

    Outro setorEmbora indstrias e empre-

    sas no tenham se instalado no municpio durante a validade do texto original da lei, para a Acilpa (Associao Comercial e Industrial de Lenis Paulis-ta), apesar do momento de vi-

    gilncia, no possvel falar em crise no comrcio local, que representa atualmente a maior fonte de emprego e renda do municpio. O mercado sente a insegurana da economia, mas ela mais sentida pela indstria do que pelo comrcio. O comrcio lenoense no est crescen-do, mas tambm no est vendendo menos, afirma Anderson Prado de Lima, presidente da Acilpa.

    Para a entidade, o momento de estagnao da economia explicado principalmente pelas incertezas criadas pela expectativa do ano eleitoral, o que na avaliao de seu pre-sidente, algo recorrente em ano de eleies majoritrias . A incerteza natural em ano eleitoral. Lenis Paulista est em uma regio historicamente eleitora do PSDB e temos a possibilidade do partido no reeleger o governador, ento esse um momento de incer-tezas, afirmou Prado.

    Na manh de tera-feira a Cmara Municipal de Lenis Paulista, por seu presidente Humberto Pita, vereadores e assessoria, bem como o quadro funcional, recepcio-naram o vereador Estanislau Steck (PSD), presidente da Cmara Municipal de Lou-veira, regio de Campinas, o qual se fez acompanhar pelos servidores Luis Carlos Rossi (dos Recursos Humanos), de Carlos M Souza Lima (chefe de transportes) e da assessora Daniela Prate, do cerimonial e comunicao.

    O objetivo da visita, con-forme destacou o presidente Steck, foi o de conhecer uma Cmara Municipal que, como a de Louveira, promove uma verdadeira mudana de paradigmas, dando exemplo

    Cmara recebe visita do presidente do Legislativo de Louveirasde transparncia, eficincia, trabalho dedicado e fortaleci-mento do Poder Legislativo.

    Steck disse, ainda, que ao tomar conhecimento de que a atual legislatura lenoense estava com o processo de gesto de qualidade, para a implantao da certificao ISO 9001, procurou saber o que mais havia em comum e logo identificou semelhanas com a Cmara de Louveira.

    Mais, ele, que medico veterinrio, e estudou com

    um lenoense na Universida-de Federal do Rio de Janeiro, disse que a identificao com a cidade tambm pelo fato de aqui ter estado por vrias vezes,nas exposies de ani-mais no Recinto da Facilpa (Expovelha).

    O vereador louveirense, por duas gestes como presi-dente, apresentou os projetos que desenvolve na Cmara Municipal, dentre os quais, o de gesto de qualidade com a norma internacional, Escola do Legislativo (com cursos e atividades para a Cmara e populao), Biblioteca e acesso internet/incluso digital, Projeto Conhecendo a Cmara - destinado a alunos das escolas de sua cidade, Museu virtual e programa de sustentabilidade, cujas aes

    j permitem a solicitao, de-senvolvimento e manuteno do ISO 14001 (sustentabilida-de e acessibilidade).

    O Dr. Humberto Pita, sau-dou a visita do colega verea-dor e presidente, dizendo ter identificado a maior parte das aes com as j em curso em Lenis Paulista. Pita agra-deceu o convite para visitar Louveira e a promoo de in-terao entre esses dois Legis-lativos, sobretudo nas aes que cada um desenvolve e que vo possibilitar o aperfeioa-mento mtuo ao que ambos defendem: um Poder Legis-lativo unido, independente, forte, transparente e eficiente que esteja cumprindo com seus preceitos constitucionais em favor e defesa do povo e do patrimnio pblico! (As-

  • Fotos: Billy Mao

    Ubirama reclama por mudana de atendimentodo bairro para unidade do Monte Azul

    BAIRRO - POLCIA 4LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014

    A CASA CAIUCOLUNA POLICIAL

    PM prende rapaz por agresso e enquadrado na Lei Maria da Penha

    Tnia Morbi A reforma da unidade bsi-

    ca de sade da Vila Ubirama tem gerado reclamaes entre os moradores do bairro, de-pois que o atendimento passou a ser oferecido no PSF do Jar-dim Monte Azul. A distncia e a demanda de atendimentos so as principais reclamaes dos moradores, que tambm podem procurar o Centro de Especialidades, da Avenida Brasil. Mas, a informao de que a obra no est parada e tem prazo para ser concluda apenas em dezembro deste ano.

    A insatisfao dos morado-res chegou at a Cmara, onde alguns vereadores, entre eles, o mdico Humberto Jos Pita, comentaram sobre a aparente paralisao da obra.

    Inicialmente anunciada pelo diretor de Sade Mr-cio Santarm e pela prefeita Izabel Lorenzetti para durar cerca de seis meses, a obra de ampliao e reforma, que comeou em fevereiro deve se prolongar at dezembro, segundo informou esta sema-na a assessoria da diretoria de Sade. A diferena do prazo foi definida na assinatura do contrato com a empresa ven-cedora da licitao, segundo a assessoria.

    Quando foi divulgada a reestruturao do prdio, o anncio foi de a prefeitura teria disponveis R$ 305 mil para a obra, tendo recebido R$ 89 mil do Ministrio da Sade e R$ 216 mil do governo es-tadual, atravs do programa Valorizao da Sade Bsica. A demora na liberao dos recursos federais teria atrasa-do o incio da reforma em um ano, afirmaram a prefeita e o diretor na poca.

    Mas, esta semana a infor-mao foi de que os recursos do governo do Estado so liberados em parcelas, o que estaria dando um andamento mais lento obra. A assesso-ria informou que na semana passada houve a liberao de nova parcela de R$ 64 mil, por isso os trabalhos devem

    A principal reclamao quanto quantidade de pacientes atendidos, j que unidade passou a acolher tambm moradores da regio; reforma na Ubirama vai at dezembro, mas obra est temporriamente paralizada

    ser retomados.A demora no andamento

    da obra tambm tem gerado apreenso dos moradores, fato confirmado pela reportagem esta semana, que esteve no bairro e ouviu alguns deles. Porm, a principal reclamao quanto ao atendimento no prdio do Monte Azul, uma vez que quando o servio foi transferido para o local, a equipe passou a atender um nmero bem maior de pacientes da regio, que no contavam com o servio no bairro.

    Na Ubirama o atendimento mdio dirio era de 50 a 70 pessoas, com a obra de am-pliao deve passar a oferecer at 100 atendimentos dirios. A Prefeitura no divulgou quantos atendimentos so re-alizados atualmente no posto do Monte Azul.

    Apesar da mudana, a equi-pe de agentes comunitrios da UBS do Jardim Ubirama se manteve no bairro, e de acordo com a assessoria, mantm o mesmo atendimento de visita s casas para atender pacientes acamados ou que necessitem de acompanhamento domi-ciliar. A equipe tem feito um trabalho exemplar com

    a populao que faz controle da hipertenso e diabetes, especialmente os mais idosos, em encontros semanais. Essas atividades, alm de avaliar as condies de sade, ainda tm carter preventivo, afirmou a nota da assessoria.

    Palavra de mdicoO mdico e vereador Dr.

    Humbero Jos Pita comentou o transtorno vivido pelos mo-radores do Jardim Ubirama na tarde de quarta-feira. A pre-feitura deveria disponibilizar

    um nibus no bairro para levar os usurios da Ubiorama at o Monte Azul. Uma soluo simples que beneficiaria de imediato toda aquela popula-o, disse o mdico.

    difcil para algumas famlias se deslocarem uma distncia to grande para receber atendimento, precisa-mos beneficiar essa populao dando atendimento no prprio bairro. E cada bairro tem sua popualao, seus usurios do servio pblico. Assim di-fcil.

    As diretorias de Sade e Tecnologia da Informao esto concluindo a implanta-o do Pronturio Eletrnico da Sade no RAIS Mulher e no Ambulatrio de Especia-lidades da Avenida Brasil. O sistema j est em funciona-mento em todas as unidades de Estratgias de Sade da Famlia de Lenis Paulista: Alfredo Guedes, Caju, Jlio Ferrari, Jardim das Naes, Cruzeiro, So Joo e Maria Cristina.

    A implantao do sistema no servio de Especialidades marca uma nova fase para o Pronturio Eletrnico e foi dividia em trs etapas: im-plantao do novo sistema de agendamento de consultas, implantao do novo sistema da recepo e pr-consulta e implantao do mdulo de atendimento, de uso de todos os profissionais atendentes: mdicos, enfermeiras, psic-logos, entre outros. Tanto no Ambulatrio de Especialida-des quanto no RAIS Mulher est sendo finalizada a implan-tao da segunda etapa.

    O mdulo em implantao integrado ao de atendimen-to, sendo possvel agendar a futura consulta ou mesmo re-

    torno atravs da numerao do encaminhamento mdico que gerada pelo sistema, dando maior agilidade e confiabili-dade. Esse vnculo de aten-dimentos facilita o processo e elimina algumas possveis falhas humanas, por exemplo, de que a consulta seja marcada para outro paciente que tenha nome idntico.

    Para os usurios, a partir de agora fundamental a apre-sentao do carto cidado e carto de agendamento (nas unidades onde utilizado) para agendamentos de con-sultas e outros procedimentos.

    Entre as diversas mudanas no atendimento, na recepo o sistema cria, automaticamen-te, uma lista de pacientes a serem atendidos, respeitando a ordem de chegada, uso de pre-nome social e as prioridades previstas em lei, entre outros.

    Com o novo sistema, um dos objetivos exibio automtica de todos os re-sultados de exames para o profissional de sade, pos-sibilitando diagnsticos efi-cientes e efetivos.

    Com a mudana, a solicita-es de exames, encaminha-mentos, atestados e declaraes j so impressos diretamente

    pelo sistema, haver emisso de alertas, como de vacinas atrasadas, por exemplo, e de relatrios para que os gestores de Sade possam gerenciar os seus servios, servindo de apoio

    Pronturio Eletrnico chega ao Ambulatrio de Especialidades e RAIS, no centro

    para as tomadas de deciso.At o dia 10 de junho de

    2014, foram realizados 41.916 atendimentos pelo sistema eletrnico. A implantao comeou em maro de 2013.

    A Polcia Militar de Len-is Paulista prendeu no in-cio da noite de quinta-feira, 19, Joelmir Jos Langona, 28 anos, em flagrante por agres-so contra sua esposa, no bairro Maestro Jlio Ferari.

    Joelmir alegou aos poli-ciais que havia tomado algu-mas doses de cachaa e no se recordava de ter agredido algum. Disse que sabia que teria jogado um fogo da famlia no meio da rua.

    O rapaz j teria passado pelo sistema prisional e fi-

    cado detido por nove meses. Para conter a fria do rapaz

    a polcia precisou usar fora moderada, mesmo assim, ele conseguiu quebrar vrios utenslios da residncia.

    Joelmir foi enquadrado na Lei Maria da Penha e foi encaminhado para uma Cadeia Pblica da regio, de pois de efetuado o Boletim de Ocorrncia.

    A Polcia pede que as pesso-as que so agredidas em casa, que entrem em contato com a PM e denunciem. Ligue 190.

    Um motorista embriagado e sem Carteira Nacional de Habilitao foi preso em fla-grante na segunda-feira, dia 16, depois de se envolver em uma coliso frontal que dei-xou cinco vtimas, uma delas em estado grave, na rodovia Osni Mateus, em Macatuba.

    Segundo a polcia, o aci-dente ocorreu por volta das 18h, na altura do quilmetro 119 da rodovia. Testemunhas relataram que o condutor de um Monza trafegava em alta velocidade pela via, senti-do Lenis Paulista. Aps ultrapassar vrios veculos pelo acostamento, ainda de acordo com a polcia, ele teria perdido o controle do veculo, colidindo de frente com uma caminhonete S-10. Dois homens, que eram pas-sageiros do Monza, tiveram ferimentos leves.

    Um casal, passageiro da caminhonete, tambm teve leses leves. O condutor da S-10 ficou preso nas fer-ragens e foi retirado pelo Corpo de Bombeiros com ferimentos graves, inclusive fratura no brao. O motorista

    do Monza no se machucou.Indagado, ele assumiu que

    havia ingerido bebida alco-lica e tentou fugir a p, mas foi detido em um canavial a cerca de um quilmetro do local da coliso. Conduzido ao Pronto-Socorro, o mdico de planto confirmou o al-coolismo, atravs dos sinais clnicos.

    O motorista, que admitiu ter ingerido oito latas de cer-veja, tambm aceitou fazer o teste do etilmetro (bafme-tro), que constatou a presena de 0,82 miligramas de lcool por litro do ar expelido dos pulmes.

    Ele foi levado delegacia e autuado pelo delegado Marcelo Bertoli Gimenes por leses corporais culposas (quando no h inteno) na direo de veculo automotor, embriaguez ao volante, fuga do local do acidente e dirigir sem ser habilitado. A fiana foi arbitrada no valor de 10 salrios mnimos, ou R$ 7.240,00. O motorista seria conduzido cadeia pblica de Ava, caso no pagasse a fiana.

    Motorista embriagado provoca acidente naOsni Mateus

    A morte de um homem de 44 anos ocorrida no Hospital de Base de Bauru, na noite de domingo, dia 11, foi comu-nicada Central de Polcia Judiciria. Segundo infor-maes do Jornal da Cidade, consta no registro policial que o hospital informou que a vtima, Luiz Aparecido Moreira, foi encontrada cada em via pblica, em Lenis Paulista, com sangramento intracraniano, foi socorrido

    e encaminhado ao HB. Po-rm, no resistiu e morreu devido s complicaes dos ferimentos.

    Ainda segundo o boletim, foi feito um levantamento dos dados da vtima e, de acordo com a assistente social, no foi possvel verificar nenhum registro de boletim de ocor-rncia em relao s causas do acidente. Foi solicitado exame necroscpico e a Polcia Civil investigar o caso.

    Lenoense morre em Hospital de Base de Bauru

    Motor a gasolina - chipada para lcool

    ACESSRIOS - TRAVA - ALARME LONA MARTIMATIMO ESTADO

    TRATAR: 991219398 - 3263.5540

    VENDE-SE SAVEIRO 98

    SADE | Obras paradas no Posto da Vila Ubirama: transtornos

    BILHETE | Papel colado por morador diz: Mais uma obra sem planejamento

    TELINHA | Sistema digital para utili-zao do Pronturio Eletrnico

    E AGORA JOS? | Quando vi, estava aqui

  • GERAL 5

    Billy Mao

    LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014

    CONTAS PBLICAS

    TCE no acata pedido e apontamento poder virar ao de improbidade do governo Marise

    Conselheiros divergem sobre entendimentode irregularidade em contrataes pblicas

    Da Folha de S. PauloAps seis anos de investi-

    gaes, o Ministrio Pblico apresentou Justia a pri-meira ao contra o conse-lheiro do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de So Paulo) Robson Marinho, acu-sado de ter recebido suborno da multinacional Alstom.

    Marinho o mais gradu-ado tucano a ser acusado no caso que apura se a Alstom pagou propina em 1998 para conseguir, sem licitao, um contrato com estatais paulis-tas da rea de energia.

    Como chefe da Casa Civil, ele foi o principal secretrio do governador Mrio Covas (PSDB) no perodo de janeiro de 1995 a abril de 1997. A Promotoria aponta ao todo 11 acusados. Esto na lista a Alstom e trs ex-diretores do grupo da multinacional francesa, alm de outras empresas suspeitas de envol-vimento no esquema.

    Os consultores Romeu Pin-to Jnior e Sabino Indelicato, que foi scio de Marinho, so apontados como os donos de companhias que interme-diaram a propina simulando servios de consultoria.

    A acusao feita, prin-cipalmente, com base em documentos enviados por autoridades da Sua e da Frana. Se a Justia aceitar a denncia, o conselheiro do TCE passar condio de ru em ao de improbidade. Ele no est participando das sesses do TCE porque pediu a concesso de duas licenas--prmio consecutivas.

    Os acusados podem ser condenados a ressarcir os cofres pblicos e perda

    dos direitos polticos, entre outras penas previstas na lei. A Sua bloqueou uma conta atribuda a Marinho naquele pas, cujo saldo era de US$ 3 milhes (R$ 6,7 milhes) em 2013, por causa da apurao.

    A Folha (de S. Paulo) revelou na segunda (16) que Marinho usou empresas em dois parasos fiscais para tentar ocultar que ele era o dono dessa conta. Uma das principais provas da Promo-toria no caso uma comu-nicao interna da Alstom. O manuscrito, com data de outubro de 1997, trata da negociao de um contrato com as estatais Eletropaulo e EPTE (Empresa Paulista de Transmisso de Energia).

    A explicao sobre um dos valores envolvidos traz a seguinte afirmao: Trata--se da remunerao para o poder poltico existente. Ela est sendo negociada via um ex-secretrio do governador (R.M.). Com base em de-poimentos de ex-diretores franceses do grupo Alstom, o Ministrio Pblico aponta que R.M. Robson Marinho.

    De acordo com o papel, a remunerao serviria para cobrir as finanas do parti-do, o Tribunal de Contas e a Secretaria de Energia. O contrato mencionado na nota foi fechado seis meses depois, em abril de 1998, sem licitao, por R$ 181 milhes, em valores atualizados.

    Em janeiro deste ano, a Folha revelou um depoimen-to de um ex-diretor do grupo Alstom Justia da Sua, no qual ele admitiu que a mul-tinacional pagou propinas a agentes pblicos brasileiros.

    MP move primeira aocontra Robson Marinhopor acusao de propina

    Pedido de revio de parecer sobre irregularidade em contratao de professor feita em 2006 por ex-prefeito negado por Conselheira e dever seguir para anlise do Ministrio Pblico depois dos trmites no Tribunal de Contas

    Da redaoO Tribunal de Contas do

    Estado no acatou o pedido de recurso feito pela prefeita Izabel Lorenzetti (PSDB) sobre irregularidade de con-tratao de professor pelo ex-prefeito Jos Antonio Marise, em 2006.

    O recurso era contra a sentena publicada no Dirio Oficial do Estado -D.O.E.- de 18-02-09, que julgou irregulares, a admisso de pessoal por tempo determi-nado, realizada pela Prefei-tura Municipal de Lenis Paulista, no exerccio de 2006, do ento prefeito e hoje diretor do SAAE.

    O ex-prefeito j havia tido uma deciso favorvel, em parecer do TC, o Conselheiro Robson Marinho o beneficiou no mesmo tipo de contratao ocorrida em 2007.

    Naquele ano, Marise con-

    tratou professor para a Edu-cao Bsica I e II atravs do cadastro de docentes da prefeitura sem, para isso, rea-lizar o concurso pblico, exi-gido por Lei. Para justificar, foi classificado a contratao de professores substitutos como sendo de excepcional interesse pblico. Agora o TC no entendeu assim.

    A Primeira Cmara do Tribunal de Contas do Esta-do de So Paulo, em Sesso do dia 06 de maio, pelo voto da Conselheira Cristiana de Castro Moraes, Presidente e Relatora, bem como do Conselheiro Dimas Eduardo Ramalho e do Substituto de Conselheiro Mrcio Martins de Camargo, no concordou com a argumentao do cor-po jurdico que defendeu a prefeitura e deu parecer des-favorvel, mantendo assim o ato de irregularidade por

    parte do ex-prefeito, naquele mandato.

    Em seu relatrio, a Con-selheira Cristiana de Castro Moraes detalhou seu enten-dimento para fundamentar a deciso. O TC fundamentou sua deciso nos seguintes aspectos: ausncia de pro-cesso seletivo, afrontan-do Deliberao TC-A-15248/026/04; atribuio de pontos por tempo de servio prestado nas escolas de Len-is Paulista, privilegiando docentes que j prestaram servios ao municpio; e cur-to espao de tempo entre a edio do Decreto Executivo n 259/2006, que estabeleceu os parmetros para seleo do projeto de reforo educa-cional e o incio da contrata-o da professora que venceu o concurso (fls. 274/278).

    Em suas razes recursais, a prefeita do municpio alega

    Da redaoEm 16 de outubro de 2010

    o ento Conselheiro Robson Marinho, Presidente e Relator do Tribunal de Contas do Es-tado e ex-chefe da Casa Civil do governo Covas, deu, preli-minarmente, conhecimento do Recurso Ordinrio proposto pelo ento prefeito tucano, Jos Antonio Marise (PSDB) sobre parecer do TC, apontando irre-gularidades em contratao de professor em 2007.

    Hoje Marinho est afastado do TCE e responde acusao de de envolvimento em suborno da Alstom (a Justia sua atribuiu a ele conta nas Ilhas Virgens Bri-tnicas, no Caribe, que recebeu pagamentos da multinacional francesa de US$ 2,7 milhes, entre 1998 e 2005). Quanto ao mrito do recurso proposto pela prefeitura de Lenis Paulista, deu-lhe provimento parcial, para que fosse adequado o formato. ...para o fim de determinar o registro dos atos de admisso dos professores classificados em concurso pblico anteriormente realizado, em 2007.

    Em 28 de maio de 2013 o conselheiro Dimas Eduardo Ra-malho, em seu parecer, deixou claro que as medidas necessrias sobre as contrataes de 2007 no haviam sido tomadas e reme-teria o parecer para o Ministrio Pblico. A Prefeitura Municipal de Lenis Paulista demonstrou que foi excluda dos editais de contratao temporria de pro-fessores substitutos a atribuio de pontos exclusivamente por servio pblico na rede municipal de ensino, entendendo, assim, sa-nada a falha apontada nos autos.

    As providncias anunciadas, no entanto, mostraram-se insa-tisfatrias. Para Dimas, todos os atos administrativos praticados para demonstrar que as providn-cias foram adotadas, em face do julgamento pela irregularidade da matria, e o envio da remessa

    para o Ministrio Pblico, no foram suficientes para dar cons-cistncia aos argumentos, j que a prefeitura deixou de apurar os responsveis que deram causa s irregularidades constatadas pela Corte.

    Neste contexto, de rigor, o encaminhamento de peas deste processo ao Ministrio Pblico, a fim de que possa tomar as me-didas que entender cabveis., definiu Dimas.

    Posteriormente, sob o exerc-cio da prefeita Izabel Lorenzetti, foi protocolada uma petio de Agravo sobre a deciso de Dimas de enviar ao Ministrio Pblico os autos analizados.

    Em 27 de junho de 2013 o Conselheiro Dimas Eduardo informou a presidncia do TC: Inconformada, a interessada apresentou a pea de fls. 842/843, denominada como agravo, atra-vs da qual busca desconstituir a referida deciso, para que sejam consideradas satisfatrias as me-didas adotadas pela administra-o municipal, finalizou Dimas.

    Com isso, os autos voltaram para as mos de Robson Marinho que em 16 de janeiro deste ano mandou publicar o acrdo exi-mindo o ex -prefeito da suposta irregularidade cometida em 2007.

    Marinho entendeu estarem corretas as alegaes, conside-rando satisfatrias as medidas adotadas e tornando sem efeito a determinao de envio dos autos ao Ministrio Pblico pelo con-selheiro Dimas Ramalho.

    Na ocasio em que Marinho era o presidente que avaliou o re-curso, escreveu em seu relatrio: inquestionvel o excepcional interesse pblico envolvido na contratao de professores. A meu ver, as razes recursais fo-ram suficientes para comprovar a necessidade temporria do pessoal, o carter transitrio da contratao. No se deve des-prezar, tambm, o disposto na citada Nota Interativa SDG n 16

    que as admisses decorre-ram de processo seletivo. ... obedeceram a ordem de classificao estabelecida no certame; encerram-se no mesmo exerccio; e foram necessrias para atender ex-cepcional interesse pblico, enfatizando o esforo da administrao para evitar transtornos ao ensino muni-cipal (fls. 280/291).

    Os acrscimos apresen-tados foram submetidos ao exame dos rgos tcnicos, que ratificaram posiciona-mentos pelo desprovimento do recurso interposto pela prefeita.

    Se encaminhado para o Ministrio Pblico, o pare-cer do Tribunal de Contas poder e tornar uma Ao Civil Pblica por ato de improbidade administra-t iva cometido pelo ex--prefeito Marise.

    (a relao de rgos ou entidades que de acordo com o disposto no artigo 103 da Lei Complementar 709, de 1993, ficaram proibidos de novos recebimentos de aux-lios, subvenes ou contribuies do Estado ou dos Municpios at que regularizassem sua situao perante o Tribunal).

    Sobre o processo atualmente em andamento no Tribunal de Contas, a conselheira Cristiana de Castro Moraes no entendeu dessa forma o recurso protocolado pela municipalidade a fim de anular o parecer de 2006 do TC, que trata do mesmo assunto: a contratao irregular de professor. Solicitado o parecer da Secretaria da Direto-ria Geral (SDG) (fls. 355), a digna Secretaria menciona que os atos

    praticados so posteriores De-liberao (TC-A-15248/026/04), situao que torna obrigatria a realizao de processo seleti-vo para legitimar os contratos temporrios. Nesses termos, conclui seu exame pelo no provimento do recurso.

    Com este parecer negativo sobre as contrataes de 2006, o relatrio do Tribunal de Contas dever seguir os trmites nor-mais dentro do rgo, apenas com o diferencial de que no deve ser analizado por Robson Marinho, que, sob suspeita, no poder mais acompanhar os tr-mites em processo semelhante aos qual ele deu parecer favor-vel, no passado, ao ex-prefeito Jos Antonio Marise.(BM/TM)

    Foi preso na noite de s-bado, dia 14, na cidade de Taquarituba, o ex-vereador de Lenis Paulista Ismael de Assis Carlos (PSDB), o For-migo. Ele estaria escondido na cidade desde quando foi expedida sua priso preventi-va pela Justia.

    Ele foi apontado por um casal como autor de assal-tos na regio e o pedido de priso foi feito pela Polcia Civil de Areipolis.

    Segundo informaes, uma

    viatura da Polcia Militar da-quela cidade patrulhava a re-gio central da cidade, quando abordou Ismael caminhando pela Rua Presidente Kennedy, falando ao celular. Os poli-ciais suspeitaram de que algo errado, pois o ex-vereador teria sido visto h trs dias pela mesma equipe com a mesma roupa, sem aparentar ser andarilho.

    Durante a abordagem, Isma-el teria comentado que dormia em meio ao mato h 10 dias e

    saa apenas para pedir comida a moradores, j que havia aca-bado seu dinheiro. Ao verificar o celular, policiais teriam en-contrado mensagens de texto (SMS) do ex-vereador com contedo sobre sua priso e que deveria se apresentar acompa-nhado de um advogado.

    Conduzido ao Planto da Polcia Civil, consultado seu nome no sistema, nada de irregular foi constatado. Mas, diante das suspeitas e pelas mensagens do celular, os

    policiais fizeram buscas pela internet e encontraram uma reportagem do Jornal da Cida-de, de Bauru, do ltimo dia 6, com foto de Ismael, sobre sua priso decretada. Em contato com a Polcia Civil de Arei-polis, foi confirmado o pedido de priso preventiva.

    No ltimo domingo, For-migo foi transferido para o CDP (Centro de Deteno Provisria) de Bauru e depois seria encaminhado para a ca-deia pblica de Duartina.

    Ex-vereador Formigo preso em Taquarituba

    TAMO JUNTO! | Marise e Izabel Lorenzetti durante Culto de Ao de Graas, no Csec

    SERA? | Marinho apontado em esquema de suborno no Tribunal de Contas do Estado

    CRISTIANA | Depois de 90 anos uma mulher faz toda a diferena no Tribunal de Contas

    Julia Moraes/FolhaPress

  • Billy Mao

    GERAL6LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014

    ECONOMIA

    Segundo o IBGE, em 2006, Lenis Paulista tinha 2.186 empresas instaladas, com 13.985 trabalhadores assalariados e salrio mdio de 3,3 salrios mnimos

    DIREITO E

    CIDADANIA

    DIREITO E

    CIDADANIARailson Rodrigues

    Tania MorbiDados do IBGE (Institu-

    to Brasileiro de Geografia e Estatstica) mostram que o salrio mdio mensal do trabalhador lenoense enco-lheu significativamente nos ltimos seis anos, entre 2006 e 2012, segundo os dados es-tatsticos do Cadastro Central de Empresas, que registra informaes relacionadas ao setor empresarial de todos os municpios brasileiros. Entre elas, o nmero de empresas instaladas e de pessoas ocu-padas nos municpios.

    Segundo o IBGE, em 2006, Lenis Paulista tinha 2.186 empresas instaladas, com 13.985 trabalhadores assala-riados e salrio mdio mensal equivalente a 3,3 salrios mnimos. Em 2012, o nmero aumentou para 2.714 empre-sas, com 18.577 trabalhadores assalariados, mas o salrio mdio mensal caiu e passou a ser equivalente a 2,9 salrios mnimos.

    Segundo o IBGE, o valor do salrio mdio mensal do lenoense vem diminuindo continuamente nos ltimos seis anos e se manteve equi-valente a 3 salrios mnimos at o ano de 2010. A partir de 2011 chegou em 2,9, mesmo patamar de 2012. Os valores referentes a 2013 no foram divulgados.

    Em 2007, o ganho mdio

    Trabalhador lenoense perde valor do salrio em seis anos

    mensal do trabalhador leno-ense era de 3,2 salrios mni-mos; em 2008, 3,1 salrios; nos anos de 2009 e 2010, de 3 salrios mnimos.

    Entre 2009 e 2012, o n-mero de empresas atuantes no municpio passou de 2.352 para 2.714, aumento de pou-co mais de 360 empresas em quatro anos. Se considerados todos os anos apontados pelo IBGE, o aumento no nmero de empresas locais no mu-nicpio passou de 2.186, em 2006, para as 2.875, em 2012, o que representa aumento de 689 empresas registradas

    como locais pelo IBGE em seis anos.

    Porm, o mesmo registro no informa quantas empre-sas deixaram de funcionar no mesmo perodo. Mas informa o nmero de trabalhadores assalariados dos perodos. Em 2006 eram 13.958 pessoas assalariadas, total que passou para 18.577, em 2012.

    Na regio prxima a Len-is, o nico municpio que se mantinha com valor mdio mensal de 3 salrios mnimos, em 2012, era Pederneiras, as demais cidades tinham mdia inferior. Em Macatuba, o tra-

    balhador tinha salrio mdio mensal de 2,7 salrios; em Agudos tinha o valor de 2,5 salrios, e em Borebi o sa-lrio mdio era de 2 salrios mnimos.

    Porm, nem todas apresen-tavam queda constante dos va-lores relativos, como ocorreu em Lenis. Em Pederneiras, por exemplo, nos anos de 2006 a 2008, o valor mdio se man-teve em 3,1 salrios mnimos. No ano de 2009 caiu para 3 salrios mnimos; em 2010, para 2,9 salrios mnimos, mas em 2011 o valor mdio voltou a ser de 3,2 salrios mnimos.

    A diretoria de Assistncia Social iniciou durante a se-mana a distribuio de 1,7 toneladas de agasalhos arre-cadados entre os funcionrios do Grupo Lwart e repassados para o municpio. Famlias cadastradas no CRAS (Centro de Referncia de Assistncia Social) e CREAS (Centro de Referncia Especializado de Assistncia Social) foram orientadas a comparecer ao recinto da Facilpa. A distri-buio das peas de vesturio masculino, feminino, infantil, e calados, mantas e cober-tores acontece no estande de exposio de artesanato at o

    final do ms de julho.Outras 1,7 mil peas foram

    arrecadadas por alunos da es-cola estadual Dr. Paulo Zillo. A direo da escola repassou as doaes para a diretoria de Assistncia Social e Casa Abrigo Amorada.

    Alm das doaes feitas pela Lwart e Paulo Zillo, a campanha do Agasalho promovida pela diretoria de Assistncia Social arrecadou 15 mil peas, entre roupas, cobertores e pares de sapato, entre os dias 11 de abril e 11 de junho. Segundo a diretoria, 156 famlias cadastradas j receberam doaes.

    Assistncia realiza distribuio de agasalhosna Facilpa com doao do Grupo Lwart

    O Santa Luzia venceu o Grmio da Vila, por 4 a 0, na rodada do ltimo final de semana do Campeonato de Futebol Amador, organizado pela Liga Lenoense de Fu-tebol Amador. O Santa havia empatado na rodada anterior com o Palestra e o Grmio perdido por 1 a 0. Amanh a rodada vlida pelo Grupo A ter o jogo s 15h, adiantado para as 9h no estdio muni-cipal Joo Roberto Vagula, o Vagulo, os demais sero rea-lizados no estdio Archangelo Brega, s 8h e s 10h.

    Helder Gotardi fez o pri-meiro do Santa Luzia, Jariel fez dois e Gilson completou o placar.

    No jogo seguinte, o So Jos perdeu novamente, desta vez para o So Cris-

    Amanh jogos do Amador sero no Brego e no Vagulo, no Ncleo

    tvo, por 2 a 0.No terceiro jogo, o Ex-

    pressinho venceu o Palestra por 1 a 0.

    Com estes resultados, Ex-pressinho e So Cristvo lideram o Grupo B, com 6 pontos cada. Em seguida vem o Santa Luzia, com 4 pontos e Palestra com um ponto ganho. Na lanterna esto So Jos e Grmio da Vila que ainda no pontuaram.

    Amanh, a abertura da ro-dada ser no estdio Brego. s 8h jogam Paulistano e Ju-ventus, e s 10h, P.S. Guedes e Alfredo Guedes. No estdio Vagulo jogam, s 9h, Grmio Cecap e Sport Lenis.

    A competio tem apoio da Prefeitura Municipal, atravs da diretoria de Esportes e Re-creao..

    SINDICATO DOS SERVIDORES PBLICOSMUNICIPAIS DE LENIS PAULISTA

    EDITAL DE CONVOCAO

    Fao saber aos diretores e associados interessados que, no dia 28 de Junho de 2014, ser realizada Assembleia Geral Extraor-dinria, das 09h00 s 12h00, na Rua Guaianazes, n 351, Bairro Jardim Monte Azul, Lenis Paulista/SP, para deliberar a seguinte ordem do dia:Alterao de endereo da sede do Sindicato;Outros Assuntos de interesse da entidade; Lenis Paulista, 21 de Junho de 2.014

    MARCOS ANTONIO GABRIELPresidente

    Procura-se casa 2/3 cmodos ou kit para alugar direto com o dono. 99769.1093 ou 99881.8731

    com Graciele.

    CASA DE ALUGUEL

    ApresentaoComo deu para notar, a coluna Direito e Cidada-nia est estreando hoje aqui no Jornal Sabado do Povo.Permita que me apresente. Meu nome Railson Rodrigues, sou um mero estudante de Direito, Assessor Legislativo na Cmara Municipal de Lenis Paulista e apresentador do novo progra-ma da Tv LP, Direito e Cidadania.Busco sempre esclarecer as questes cotidianas que envolvem o direito. Lembrando tambm dos deveres de cada cidado. O programa estreou na semana passada e o Sabado do Povo props que fosse estendido a este espao, e com pra-zer que vou tentar, aos pouquinhos, falar sobre direito a todos vocs, esforando-me para no ser cansativo.

    O Processo LegalApesar de muita gente dizer que bandido bom bandido morto, triste saber que, mesmo com todo o cuidado do Judicirio, muitos ino-centes ainda so presos aps acusaes injustas. A garantia de um devido processo legal a todos os acusados dada por nossa Constituio.Ainda assim, tem muita gente achando que deve fazer justia com as prprias mos. E o pior que h quem apoie!S nos resta torcer para que ns ou, ainda, para que essas pessoas que apoiam os linchamentos, no sejamos vtimas de acusaes injustas ou inverdicas. Mas, caso isso venha a acontecer, temos que torcer para que no sejamos lincha-dos e possamos provar nossa inocncia atravs de um processo com a garantia do contraditrio e da ampla defesa.

    Quem criminoso?Se, para voc, criminosa qualquer pessoa que contrarie as leis penais ou de contravenes, tenho tristes notcias: Voc, provavelmente, um criminoso!Ainda que existam algumas mazelas para se esquivar da letra da lei, comprar aquele DVD pirata, baratinho, considerado crime.Sabia que jogar no bicho uma contraveno penal? E voc, j teve aquele sonho legal e pro-curou uma banca para fazer a sua aposta?Apresentando-se publicamente em estado de embriaguez, a depender do seu comportamen-to, tambm estar sujeito lei de contravenes penais.So tantos crimes tipificados por nossa legisla-o, que, dificilmente, algum de ns passaria ileso.

    Lei da palmadaAcredito que muita gente achou absurda a tal lei da palmada. Mas peo a todos que se acalmem ao criticar a lei, antes que meream umas boas palmadas!A chamada lei da palmada no acrescenta ne-nhuma novidade nossa legislao. Advogados esclareceram que a lei visa punir os castigos fsicos que venham causar leses, e tais castigos j so previstos na lei penal brasileira. A lei da palmada apenas faz com que passemos a ter um efeito simblico sobre aqueles que ultrapassam limites, pois caber ao juiz analisar se houve abuso por parte de quem castigou.Portanto, a lei da palmada no vem proibir a palmada corretiva e sim aquelas que possuem carter excessivo.

    O programa DIREITO e CIDADANIA pode ser visto tambm no meu canal do Youtube:

    www.youtube.com.br/RailsonRodrigues7.Mande suas sugestes e dvidas para

    [email protected] ou ligue para a redao(14) 3263.1740

    LABUTA | Vista do centro comercial de Lenis Paulista a partir da Cmara Municipal: salrio virando fumaa

    AQUECE | Pessoas participam da distri-buio de agasalhos doados por voluntrios

    CHUTA | Partida aquecida no Campeona-to Amador - srie B, no Brego, domingo

  • HORSCOPO - CULINRIA 7LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014

    Billy Mao

    HORSCOPO

    ARI

    ES

    TOU

    RO

    GEM

    EOS

    CAN

    CR

    LE

    O

    VIRG

    EM

    LIBR

    A

    ESCO

    RPI

    O

    SARG

    ITRI

    O

    CAPR

    IC

    RNIO

    AQU

    RIO

    PEIX

    ES

    Problemas amorosos mal resolvidos podem vir tona. Evite deixar que in-seguranas tirem o brilho da paixo. Cuidado para no priorizar demais os as-

    suntos profissionais em detrimento da sua vida familiar. J as finanas atravessam um perodo tenso. Evite gastar toa. Poder adotar uma postura mais impessoal com os familiares. No se aborrea por pouco.

    Problemas amorosos mal resolvidos podem vir tona. Evite deixar que inseguran-as tirem o brilho da paixo. Cuidado para no priorizar demais os assuntos profission-

    ais em detrimento da sua vida familiar. J as finanas atravessam um perodo tenso. Evite gastar toa. Poder adotar uma postura mais impessoal com os familiares. No se aborrea por pouco.

    Quanto mais liberdade tiver mais forte ser a relao a dois. O astral pede mais alegria. Vida sexual repleta de criatividade. A Lua em seu signo te deixa mais

    vontade para agir ao seu modo. Quanto mais se identificar com o que faz, maior ser o seu sucesso. Tenha cautela com pes-soas interesseiras. Sua ligao com o lar e os parentes estar forte.

    2014Encontro com gente de fora promete atiar seu corao. Na vida a dois, a confiana mtua pode ser a chave do sucesso. No tra-balho, deixe a sua individuali-

    dade de lado e procure somar forar com os colegas. A troca de ideias ser favorecida. Lute pelo que deseja, principalmente nas finanas. Estar mais presente aos acontecimentos do-msticos. Mas afaste interferncias.

    2014Se quer fisgar algum, aproxime-se e insinue seu interesse, pois no ficar sem resposta. Evite comen-tar sobre sua intimidade para no ter problemas.

    Profisses que exijam anonimato vo servir como luva pra voc. Quanto mais privaci-dade tiver, mais confortvel estar para agir. A intuio ser uma arma poderosa para lidar com o dinheiro. Altos e baixos em casa!

    A Lua em Aqurio au-menta o seu charme. Novas conquistas esto previstas. Porm, cime e insegurana podem afetar a unio. Sexu-alidade tinindo. Ter uma

    maior percepo do valor de suas atividades e do seu prprio valor. Poder descobrir no-vas alternativas de fontes de renda. Ter que se desdobrar para dar conta das exigncias familiares.

    Na vida a dois, as brigas podem ser definitivas. Na paquera, semana ideal para quebrar alguns tabus e se aventurar um pouco mais. Servio que envolva algum

    tipo de deslocamento ser favorecido, bem como os contatos com pessoa de outra cidade. Com pulso firme, conseguir mel-horar as finanas. Seu jeito descontrado vai favorecer o convvio com todos.

    Um certo mistrio pode envolver o relacionamento a dois. A sexualidade vai estar pra l de quente. Evite contudo, valorizar demais a atrao fsica. No trabalho,

    no descarte os seus pressentimentos, pois tudo indica que eles esto corretos. Convm ser mais realista com o que ganha e gasta. Procure olhar com mais carinho para seu lar e seus parentes.

    Tenha cuidado coma tendncia a se impor pessoa amada. Aprenda a fazer concesses. A sua re-alizao sexual depender da confiana que tiver em

    seu par. Estar mais atenta s ne-cessidades dos outros, o que lhe coloca em vantagem ao trabalho com o pblico. Segure os gasto e fuja de emprstimos. Clima de in-tegrao com a famlia.

    No convm insistir numa relao desgastada. Abra seu corao para experin-cias diferentes e no vai se arrepender. o momento de lutar por seus interes-

    ses. Quanto mais envolvida estiver com a sua carreira, melhor vai ser. Mantenha um controle rgido sobre os seus gastos. Eco-nomize para o futuro! Em famlia, todos vo estar mais solidrios.

    Saia com os amigos, v a festas, amplie seus con-tatos e vai se dar bem na paquera. Divirta-se sem culpa! Surpreender quem ama vai ser uma tarefa

    fcil: comprove! No trabalho, vai ser fcil convencer as pessoas a aderirem ao seu ponto de vista. Pode ter sucesso nos acor-dos. Contenha os gastos. Perodo ideal para reunir quem gosta na sua casa.

    H chances de se envolver com algum que tenha afini-dades. Encontro com gente de fora promete alegrias. A Lua desperta em voc o seu lado mais criativo, podendo se sair bem em tudo que en-

    volva crianas, recreao ou informtica. Uma ideia simples poder abrir as portas para lu-cros e vantagens materiais. Seu lar estar cheio de boas energias!

    Receitaspara voc!Por Paulo Campanholi

    TIRINHAS

    RABADA NORDESTINA

    NA TERRA | Plantao de milho na regio de Alfredo Guedes, em Lenis Paulista

    As inscries para os cursos gastronmicos do SENAR abriro no dia 24 de junho no Centro do Empreendedor

    Da redaoEsto abertas as inscri-

    es para o curso gratuito de caf na gastronomia e processamento artesanal de milho. Os interessados devem procurar o Centro do Empreendedor a partir do dia 24 de junho. O curso oferecido pela parceria entre o SENAR (Servio de Aprendizagem Rural) e a diretoria de Desenvolvi-mento, Gerao de Empre-go e Renda.

    O curso de Caf na gas-tronomia acontecer entre os dia 2 e 4 de julho, das 8h s 17h, no Centro do Em-preendedor. Haver alimen-tao para os participantes. Os alunos aprendero a uti-lizar o caf na gastronomia

    Cursos ensinam a lidar com caf e milho na gastronomiacomo ingrediente, visando vrios aspectos culturais e de sade.

    No curso de Processa-mento artesanal de milho, que ser oferecido nos dias 8 e 9 de julho, das 8h s 17h, os alunos aprende-ro a transformar o milho em subprodutos e prepar--los por meio de tcnicas artesanais, para o consu-mo familiar. Tambm ser oferecida alimentao aos participantes.

    O Centro do Empreen-dedor fica na Rua Coronel Joaquim Gabriel, n 11. Para se inscrever basta ter mais de 16 anos, ser alfa-betizado e apresentar cpia do CPF, RG e comprovante de residncia.

    A cidade de Agudos par-ticipou da entrega do prmio para os melhores do ano da gastronomia, promovido pela revista Prazeres da Mesa. O evento aconteceu no domingo passado, dia 08 de junho, no Hotel Renaissance, localizado na capital paulista. Na ocasio, Agudos foi representada pelos proprietrios da Doces Caseiros Nay, Regina Rmoli De Conti e Arsenio De Conti Neto (foto).

    O evento marcou o aniver-srio de onze anos da revista. Durante a festa, foram pre-miados o chef do ano, o chef revelao, o melhor restaurante do ano, melhor restaurante de culinria brasileira, melhor barman, bar do ano, melhor pizzaria, melhor doce e melhor servio de cerveja. Esta edio tambm marcou a incluso de

    Doce de Agudos marca presena em premiao gastronmicanovas categorias na premiao, entre elas a de melhor comida de rua, melhor petisco de bar, mestre cervejeiro do ano, o melhor caf da manh e a melhor padaria. A votao dos melhores foi feita pela internet e reuniu mais de 20 mil partici-pantes no site da revista.

    Segundo Regina, a premia-o estava muito bem organi-zada e a recepo ao doce de leite de corte com frutas pro-duzido em Agudos foi exce-lente. Ns fomos convidados para representar o Sabor So Paulo neste evento, que esta-va maravilhoso. Nosso doce foi um sucesso, fizemos uma grande degustao para mais de 500 pessoas e todo mundo elogiou. Ficamos muito sa-tisfeitos com a aprovao de tanta gente especializada do

    Brasil todo, acrescenta ela.A revista que organizou o

    evento possui tiragem de 40 mil exemplares e circulao nacio-nal. Em suas pginas possvel encontrar contedo especializa-

    do, produzido por um renomado time de colunistas nacionais e internacionais, com reportagens especiais, entrevistas, receitas e guia de restaurantes. (Assessoria de Imprensa)

    O ltimo final de semana da 92 edio da Quermesse de Santo Antnio promete agradar em cheio os amantes da msica sertaneja. Hoje e manh duplas sertanejas vo se apresentar no palco mon-tado na Praa Santo Antnio. A comisso organizadora do evento espera superar o pblico dos outros dias com os shows.

    Na sexta-feira, dia 20 de junho, a animao ficou por conta da dupla Jean Carlos

    e Guilherme. Neste sbado, dia 21, a vez de Beto Souza e Cristiano colocarem todo mundo pra danar. Por ltimo, amanh, dia 22, a msica de raiz vem com tudo no show da tradicional dupla Craveiro e Cravinho.

    A Quermesse de Santo Antnio, de Agudos, tambm oferece ao pblico parque de diverses e praa de alimen-tao com diversas comidas tpicas. (Assessoria de Im-prensa)

    Final de semana tem msicasertaneja na quermesse deSanto Antnio, em Agudos

    INGREDIENTES:

    1 KG RABO DE BOI1 UNIDADE LIMOQUANTO BASTE SAL COLH CAFE COMINHO EM PQB PIMENTA DO REINO MODA30 ML LEO2 DENTES ALHO AMASSADO100 G CEBOLA PICADA03 TOMATE S/ PELE E SEMENTE EM CUBINHOS1 COLH CH MANJERONA PICADA02 COL. SOPA SALSA PICADINHA01 COL. SOPA COENTRO FRESCO PICADINHO1 COLH CH HORTEL FRESCA PICADINHAQUANTO BASTE GUA QUENTEQB FARINHA DE MANDIOCA

    MOLHO LAMBO:GUA(50 ML), VINAGRE(30 ML), UM FIO DE AZEITE, SAL, PIMENTA MALAGUETA PICADINHA, TOMATE, CEBOLA E PIMENTO BEM PICADINHOS

    Modo de Preparo:1. Limpe bem o rabo bovino, corte em pedaos e deixe de molho em um pouco de gua

    quente com o suco de limo. . Escorra bem e tempere-o com sal, cominho, vinagre e pimenta do reino. Leve-o para refogar no leo, fritando bem. Junte os demais temperos e deixe refogar um pouco.

    2. Acrescente gua quente suficiente para cobrir e deixe cozinhar, tomando cuidado para que a gua no seque pois esse caldo servir para fazer o piro.

    3. Na hora de servir, retire os pedaos da carne. Coe o caldo e engrosse-o com a farinha de mandioca colocada bem devagar e mexendo sempre para no embolar. O piro dever ter uma consistncia leve. Sirva a carne sobre uma cama de piro acompanhado do molho lambo.

  • LENIS PAULISTA, 21 DE JUNHO DE 2014SUA IMAGEM10

    AvilapanAvilapanPRODUTOS DE PADARIAS E CONFEITARIASFERMENTO FRESCO LEVASAF

    Elson Avila

    (14) 99643.4517Rua Otaviano Brizola, 168 - Vila Mamedina _ Lenis Paulista - SP

    Fone: 14-3263.7300 - e-mail: [email protected]

    ACEITA-SE CARTES DE CRDITO

    Fotos: Jos Roberto Silva

    Fotos: Billy Mao

    Em Borebi, os fiis retomaram depois de 16 anos a tradio de cele-brar o Corpus Christi decorando as ruas. O presidente da celebrao, Padre Alberico, conduziu os fiis pelas ruas da cidade, que foram coloridas com flores e desenhos alusivos ao dia. A missa de Corpus Christi tambm foi especial e celebrada na praa central da cidade.

    EM LENIS PAULISTA - Todas as parquias de Lenis Paulista celebraram na quinta-feira, 19, o Corpus Christi, e a tradio de enfeitar ruas se manteve, com os fiis iniciando os trabalhos ainda na noite de quarta-feira, ou durante a madrugada de quinta. A doao de produtos usados na decorao, como fraldas geritricas, tambm foi preservada. Para os enfeites foram usados desenhos, tapetes, toalhas e at cobertores. Confira alguns cliques do Sabado, na Cecap.

    A gente olha o mundo de forma diferente.

    _GoBack_GoBack_GoBack_GoBack_GoBack_GoBack