Seqüência pedagógica Natacao

Click here to load reader

  • date post

    25-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    13.516
  • download

    14

Embed Size (px)

Transcript of Seqüência pedagógica Natacao

Seqncia Pedaggica da

Natao

Etapas da Seqncia Pedaggica1- Adaptao ao meio lquido 2- Adaptao respiratria 3- Adaptao oculo-visual oculo4- Flutuao e deslize 5- Nado Crawl (Propulses e Fundamentos) 6- Nado Costas(Propul. e Fundamentos) 7- Nado Peito (Propul. e Fundamentos) 8- Nado Borboleta (Propul. e Fundamentos)

1- Adaptao ao meio lquidoConsiste em ambientar o praticante ao meio lquido. - Estabelecer uma relao segura com a gua. - Tornar a convivncia com o meio lquido a mais agradvel possvel. - Importante para construo da afinidade com a gua.-

2- Adaptao Respiratria-

-

Objetiva tornar natural o ciclo respiratrio dentro da gua. (Inspirao e Expirao) Processo de inverso das vias respiratrias. Preparao para respirao tcnica dos quatro estilos de nado.

3- Adaptao oculo-visual- Tem a finalidade de proporcionar uma

viso confortvel dentro da gua sem a utilizao do culos de natao. - Adaptar o olho aos elementos qumicos utilizados para o tratamento da piscina.

4- Flutuao e Deslize-

-

-

-

Desenvolve a capacidade de manter o corpo na superfcie da gua. Aumento da percepo do espao que o corpo ocupa no meio lquido. Noo de deslocamento e maior domnio na gua, contribuindo para o estilo ( Tcnica ). Desenvolvimento das tcnicas de flutuao: ventral dorsal vertical lateral

NADO CRAWL

NADO CRAWLAnlise Tcnica O nado crawl sofre variaes de acordo com a individualidade de cada nadador. Essas variaes esto relacionadas a propulso de perna e o ciclo da braada. Normalmente nadadores com maior freqncia de pernas possuem uma melhor flutuao. * Nmero de pernadas por ciclo de braos.

* 2/1

* 4/1

* 6/1

NADO CRAWLPropulso de perna Importante no somente para o deslocamento, mas tambm para o equilbrio e sustentao(flutuao). O professor deve dar uma noo aprimorada dos movimentos de perna. Objetiva fortalecer e educar a musculatura dos membros inferiores, acostumando o corpo ao esforo na horizontal. Principal funo da perna estabilizar, neutralizar e trazer uma maior aerodinmica ao corpo.

NADO CRAWLPropulso de perna Caractersticas: - Afastamento entre as pernas deve ser a largura da distncia do quadril. - O movimento comea na articulao coxofemural, com as pernas retas ou estendidas. - O movimento se inicia com uma leve flexo, partindo do quadril, passando pelo joelho, e finalizando no tornozelo. - A presso da resistncia da gua deve ser colocada no peito dos ps.

NADO CRAWLPropulso de brao

Fase area

Fase sub-aqutica

1. PREPARAO 2. ATAQUE 3. ENTRADA

1. APOIO 2. TRAO 3. EMPURRO

NADO CRAWLPropulso de brao A seqncia do movimento subaqutico das braadas comea com a entrada da mo na gua ligeiramente inclinada para fora, primeiramente a mo e depois o punho, antebrao e brao frente do corpo e na linha do ombro, evitando uma maior resistncia frontal. Com o brao alongado a frente, a mo realiza um leve movimento de afastamento lateral, depois em direo linha mediana do corpo, com o objetivo de empurrar grande quantidade de gua, finalizando na coxa.

NADO CRAWLPropulso de brao

A fase area comea depois do empurro, com a sada do brao da gua elevando o cotovelo sempre mais alto que as mos. Mantendo sempre o brao relaxado, direcionando a mo frente da cabea, observando o momento da entrada na gua.

NADO CRAWLCoordenao de brao com respirao Unilateral: 2 braadas / 1 respirao 4 braadas / 1 respirao

Bilateral: 3 braadas / 1 respirao 5 braadas / 1 respirao

NADO COSTAS

NADO COSTASAnlise Tcnica Flutuao e Respirao so etapas da seqncia pedaggica que possuem caractersticas prprias no nado costas. A flutuao dorsal com a gravidade invertida, exige do professor cuidados especiais com o seu desenvolvimento. Importante sempre manter uma das mos apoiando a cabea, e a outra na regio lombar. O ciclo de respirao possui uma pequena diferena entre o tempo da inspirao e a expirao, que objetiva uma melhor flutuao.

NADO COSTASPropulso de perna A pernada fundamental para ajudar a manter o quadril elevado, melhorando a posio do corpo na horizontal. Assim como no nado crawl a pernada se inicia na articulao coxofemoral passando pelo joelho e finalizando no tornozelo. O afastamento entre as pernas a largura da distncia do quadril.

NADO COSTASPropulso de brao Fase Area ou Recuperao: - Iniciamos com a palma da mo prxima ao corpo,com nfase na elevao do ombro e o polegar voltado para cima - Na altura da cabea quando o brao forma um ngulo de 90 em relao ao tronco, se inicia uma rotao externa com o brao estendido e a palma da mo para fora entrando com o dedo mnimo na gua diminuindo o atrito com gua

NADO COSTASPropulso de brao Fase Sub-Aqutica ou Trao: - Aps a entrada na gua, a mo afunda aproximadamente 20 centmetros abaixo da superfcie da gua - O cotovelo realiza uma flexo enquanto o brao puxado para baixo e lateralmente acentuando a flexo com a palma da mo voltada em direo aos ps - Aps a passagem do brao pelo alinhamento do ombro, o cotovelo atinge a sua flexo mxima de 90o e comea a se estender trazendo a mo prxima ao corpo, finalizando o movimento com o brao em extenso e com a palma das mo prxima da coxa com o polegar para cima

NADO COSTASPontos Importantes da Fase Area1. Elevao do brao ao lado do corpo 2. No inicio polegar voltado para acima 3. Na altura do ombro palma das mos voltadas para fora 4. Finaliza a fase (toque na gua) com o dedo mnimo

NADO COSTASPontos Importantes da Fase Subaqutica1. Inicia-se quando o dedo mnimo penetra na gua 2. Leve o brao para baixo e para o lado 3. Comece a flexionar o cotovelo aos poucos 4. Palma das mos comea a se voltar para trs 5. Na linha do ombro a flexo atinge 90o 6. Comece a estender os cotovelos at as mos ficarem perto da coxa 7. No final as palmas das mos devem estar voltadas para baixo

NADO PEITO

NADO PEITOAnlise Tcnica o nado que mais sofreu modificaes tcnicas. Nos anos 60, a propulso das pernas representavam a fora de deslocamento do nado, enquanto o brao dava o apoio para respirao. No final dos anos 60 um brasileiro, Jos Fiolo, bate o recorde mundial dos 100P aumentando a nfase da braada. No inicio dos anos 70, os nadadores finalizavam a pernada, j fazendo uma maior trao com os braos, e deslizavam alongados a frente. (palmas p/ baixo)

NADO PEITOAnlise TcnicaEm 1976 o nadador ingls David Wilkie, bate o recorde dos 200P, aumentando a freqncia de braadas, diminuindo o deslize. Na mesma poca a nadadora americana Tracy Caulkins traz a ondulao para o nado, o que feito at hoje. Em 1986 os americanos tentaram trazer a recuperao com os braos acima da gua, com os estudos biomecnicos, constatou-se um gasto energtico maior que a eficincia do nado.

NADO PEITOSeqncia dos movimentosInicia com a braada afastando lateralmente os braos estendidos com as mos ligeiramente inclinadas para fora. Aps os braos atingirem a linha dos ombros, comea a trao para trs e para baixo at a linha do ombro.(cabea na gua e pernas paradas) Finalizando a trao(fase propulsiva)a cabea sai para a respirao e recuperao total. A cabea entra na gua quando realizada a flexo em 90 do joelho para propulso de perna com os braos alongados a frente iniciando um novo ciclo.

NADO PEITOMovimentos de Pernas A propulso de pernas realizado de maneira simultnea e simtrica. A ao das pernas decompemse de duas fases: recuperao e impulso

Recuperao:O inicio da fase com as pernas estendidas e unidas, com os ps em extenso e voltados para trs. Faz uma flexo das pernas com objetivo de trazer os ps para junto aos quadris. Formar um ngulo de 125o entre o tronco e o joelho. Esta posio lhe proporciona uma forte impulso com a sola dos ps.

NADO PEITOMovimentos de Pernas

ImpulsoDividimos em impulso e fechamento -Impulso Propriamente Dita As pernas que esto flexionadas, vo se estender, empurrando a gua inicialmente para o lado e depois para trs. -Fechamento As pernas esto esticadas e com as pontas dos ps voltadas para o lado. Flexo do joelho em aproximadamente 125 com os joelhos unidos.

NADO PEITOMovimentos de Braos So 5 as fases da braada: - Deslizamento - Apoio - Trao - Recuperao - Lanamento

NADO PEITO-Deslizamento Nesta fase os braos devem estar esticados, palmas das mos voltadas para baixo, aproveitando a ao propulsora das pernas. Nesta fase existe uma pausa que permite ao praticante coordenar os movimentos de braos e pernas.

NADO PEITO- ApoioFase preparatria para a trao, proporciona palmateio das massas de gua, trazendo mais eficincia trao. Inicio com as palmas das mos voltadas para fora e a uma profundidade de 20cm. As mos se separam, com os cotovelos estendidos, quando as mos estiverem afastadas aproximadamente 30cm, se inicia uma rpida flexo do cotovelo.

NADO PEITO-TraoAs palmas das mos voltam-se para trs, mantendo o adiantamento dos ombros, cotovelos sempre mais alto que as mos, o ngulo entre os braos e o antebrao deve ser de aproximadamente 110o. Mantenha os cotovelos altos, acima das mos mais sem deixar ultrapassar o nvel dos ombros.

NADO PEITO- Recuperao As mos comeam a se direcionar uma contra a outra, voltadas diagonalmente para baixo, havendo para isto uma pequena flexo dos cotovelos. Esta passagem da trao para a recuperao deve ser feita do modo continuo, sem que os braos se detenham em seus movimentos.

NADO PEITO- Lanamento

a fase que apresenta atrito e ao freadora de propulso. Este movimento se realiza levando-se, as levandomos e braos frente desde o queixo at a posio de deslizamento. Este movimento pode ser feito por baixo ou por cima da gua. O nadador deve ter a sensao que esta passando por dentro de um arco imaginrio, situado sua frente, para isto necessrio que exista um estreitamento do dimetro biacromial e um alongamento de todo o corpo.

NADO BORBOLETA

NADO BORBOLETAAnlise Tcnica Muito conhecido como estilo golfinho, pois seu principio bsico a golfinhada. Ultimo estilo a ser aprendido, por que exige do nadador muita habilidade e fora. Nos anos 60, antes dos estudos biomecnicos, acreditavaacreditava-se que o nado golfinho utilizado nas provas de borboleta, passa a superar as marcas das provas anteriores.

NADO BORBOLETAMovimentos de Braos As mos entram na gua na linha dos ombros, ligeiramente inclinada. Dedo entra primeiro, criando menor resistncia. Mos entrando fora da linha dos ombros, aumenta a resistncia frontal. Aps a entrada das mos na gua realiza-se o afastamento lateral dos braos auxiliando o apoio e a imerso das mos. O final da braada ocorre com o afastamento das mos para a lateral e posteriormente a elevao dos cotovelos. Durante a recuperao dos braos, primeiro colocamos a cabea na gua, e depois as mos iniciando um novo ciclo.

NADO BORBOLETAMovimento dos Braos Dividido em duas fases: - Area ou recuperao. - Sub-aqutica ou esforo Sub* Area ou Recuperao - Os braos so levados frente simultaneamente, por cima da superfcie da gua. As mos saem ao lado dos quadris (coxa). Os cotovelos so ligeiramente flexionado e elevados, carregando os braos que so levados lateralmente frente, fazendo o ataque gua, mais ou menos como no nado de crawl.

NADO BORBOLETA

Subaqutica ou Esforo . Pegada ou apoio . Trao . Empurro Pegada ou apoio: Braos a frente da cabea, aproveitando o deslizamento produzido pela ao das pernas. Os braos so levados ligeiramente para o lado e para trs, fazendo uma pegada, para dar inicio puxada, flexionando ligeiramente os cotovelos.

NADO BORBOLETA- Trao: Logo aps a realizao da pegada, os braos comeam a tracionar a gua para trs e para baixo, chegando a passar as mos por debaixo do corpo, flexionando mais ainda os cotovelos, fazendo um ngulo prximo aos 90o. - Empurro: Passagem do brao de flexo para extenso, empurrando a gua para trs e depois para o lado dos quadris, com a extenso total dos braos.

NADO BORBOLETA

-Movimento de Respirao: Respirao frontal, realizado com elevao da cabea e abertura da boca, quando o corpo por efeito da ondulao do batimento descendente as pernas, saem da gua e os braos esto finalizando a fase de empurro. -Coordenao dos Movimento: Duas pernadas para uma braada. Pernada forte ao final do empurro, quadris para baixo. Pernada mais fraca no inicio da recuperao, quadris para cima. Respirao, com os braos no final do empurro e inicio da recuperao. Ao inicio da fase de recuperao a cabea deve voltar-se voltarpara baixo, com o olhar voltado para a borda a frente.