Tecido Muscular Aula Robinson

download Tecido Muscular Aula Robinson

of 51

  • date post

    11-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    5.626
  • download

    42

Embed Size (px)

Transcript of Tecido Muscular Aula Robinson

TECIDO MUSCULAR

INFORMAES GERAISTem origem mesodrmica. . Liberam calor; formado por clulas alongadas denominadas fibras, que apresentam grande capacidade de contrao.

ORIGEM MESODRMICA

INFORMAES GERAIS

o responsvel pelos movimentos corporais. Caracteriza-se pela sua contratibilidade, ou seja, pela capacidade de se contrair, e pela sua excitabilidade, ou seja, capacidade de responder a um estmulo nervoso.

TIPOS

Tecido Muscular Estriados ou Esqueltico: apresentam-se listradas, pela presena de um padro alternado de complexos proticos, so multinucleadas e responsveis pelos movimentos, contrao vigorosa, rpida e voluntria;

TIPOS

Tecido Muscular Liso ou Visceral: so dispostas em lminas, e esto em contato eltrico umas as outras permitindo a propagao do potencial de ao entre elas, contrao lenta e involuntria;

TIPOS

Msculo Cardaco ou Miocrdio: apresentam uma estrutura ramificada, o que aumenta a sua resistncia mecnica, vermelho e estriado, contrao vigorosa, rtmica e involuntria;

Esqueltico

Liso

Cardaco

Formam a carne do corpo, tracionam os ossos nos movimentos voluntrios

Dispem-se em camadas dentro de rgos: por exemplo, nos intestinos

Exclusivo do corao, nunca se cansa no trabalho de bombear sangue para o corpo

Esqueltico

Liso

Cardaco

NOMENCLATURA ESPECIALFibra: clula muscular; Sarcoplasma: citoplasma; Sarcossoma: mitocndria; Sarcolema (plasmalena): membrana plasmtica; Retculo sarcoplasmtico: retculo endoplasmtico; Miofibrilas: fibrilas contrteis (actina e miosina).

TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELTICO constitudo de clulas estriadas (fibras musculares envoltas por camadas de tecido conjuntivo (endomsio, perimsio e epimsio); Tais clulas caracterizam-se por serem bastante compridas e polinucleadas, com ncleos localizados sob o sarcolema (membrana plasmtica das clulas musculares); Um tpico msculo esqueltico formado por numerosos conjuntos de fibras contrteis.

TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELTICOEpimsio: tecido conjuntivo fibroso que envolve vrios fascculos musculares; Perimsio: tecido conjuntivo que envolve um fascculo muscular; Endomsio: tecido conjuntivo frouxo (com fibras elsticas e reticulares) que envolve cada fibra muscular.

FUNOMovimento e a manuteno da postura; Proteo e a alterao da presso para auxiliar a circulao; Absorventes de choques para proteger o corpo.

FORMA DO MSCULO

Msculo largo

Msculo orbital Msculo Msculo circular plano

Msculo curto

O tecido muscular no constitudo apenas por fibras musculares. H o tecido conjuntivo que as envolve e se prolongam, formando os tendes ou aponeuroses que fixam o msculo a um osso.

TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELTICOA fibra apresenta uma resistente membrana que separa o seu meio interno do externo, denominada sarcolema. No interior da fibra se encontra um lquido intracelular denominado sarcoplasma. Submersos no sarcoplasma encontram-se numerosas unidades menores denominadas miofibrilas.

TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELTICONo interior das miofibrilas encontram-se milhares de delgados filamentos proticos: Actina e Miosina. Quando a fibra muscular se contrai, os filamentos finos de actina deslizam sobre os filamentos grossos de miosina. A contrao forte, rpida e voluntria.

ncleo Banda I Banda A Linha Z mitocndrias Abertura dos tbulos transversos Retculos sarcoplasmtico Cisternas terminais tbulos transversos sarcolema sarcoplasma miofibrilas

O SARCMERO A UNIDADE CONTRTIL BSICA DO MSCULO

CONTRAO MUSCULARO estmulo para contrao muscular um impulso nervoso atravs de um nervo; O impulso nervoso propaga-se pela membrana das fibras musculares (sarcolema) e atinge o retculo sarcoplasmtico, liberando o Ca no citosol; O Ca desbloqueia os stios de ligao da actina e permite que se ligue miosina, iniciando a contrao muscular;

CONTRAO MUSCULARAssim que cessa o estmulo, o Ca imediatamente rebombeado para o interior do retculo sarcoplasmtico, cessando a contrao; A actina e a miosina so cadeias proticas que se deslizam para encurtar e alongar a fibra muscular, podendo diminuir cerca de 2/3 do seu comprimento, ou at mesmo metade.

CONTRAO MUSCULAREnergia fornecida pela glicose e armazenada como ATP e fosfocreatina; O retculo sarcoplasmtico e o sistema T liberam ons de Ca++ e Mg++ para o citoplasma; Em presena desses dois ons, a miosina desdobra o ATP liberando a energia de um radical fosfato; A energia liberada provoca o deslizamento da actina entre os filamentos de miosina, encurtamento as miofibrilas.

CONTRAO MUSCULARNa fibra muscular a glicose e a fonte primria de energia para contrao (a gliclise, o Ciclo de Krebs e a cadeia respiratria produzem o ATP necessrio contrao); A contrao da fibra muscular regulada pelo sistema nervoso; A rea de contato sinptico entre a extremidade da membrana do axnio e a membrana da fibra muscular a placa motora, e so liberados mediadores qumicos (neurotransmissores) pelos neurnios.

FONTE DE ENERGIAOs msculos armazenam glicognio, na respirao, as molculas de glicose so degradadas e liberam energia para a sntese de ATP. A energia contida no ATP convertida em energia mecnica, fazendo o deslizamento de actina sobre a miosina, (a contrao muscular) e liberando calor. A degradao da glicose na respirao celular forma: ATP, H2O e CO2.

FONTE DE ENERGIAParte das molculas de ATP so utilizadas na contrao muscular, e outra quebrada e o fosfato combinado com a creatina, acumula-se em forma de reserva energtica. Assim, quando o suprimento de ATP diminui, a creatina-fosfato fornece fosfatos de alta energia para o ADP, formando molculas de ATP. No msculo em repouso, a respirao fornece energia que permite a formao de novas molculas de creatina-fosfato.

UNIDADES MOTORASSo o conjunto de fibras musculares inervado pela arborizao terminal de um nico neurnio motor. O nmero de unidades motoras de cada msculo est relacionado com o tipo de funo que o msculo deve desempenhar. Quando o nervo de um msculo seccionado, este se atrofia. Mas, se houver regenerao do nervo (reinervao do msculo), ele recupera suas funes no espao de um ano aproximadamente.

UNIDADES MOTORAS

UNIDADES MOTORAS

TECIDO MUSCULAR LISOClulas alongadas (0,02-0,5 mm), fusiformes, sem estriaes e com um nico ncleo central; funes contrtil e de sntese; sintetizam colgeno tipo III, fibras elsticas, glicoprotenas, proteoglicanas, fatores de crescimento e hormnio (renina);

TECIDO MUSCULAR LISOrevestida por lmina basal e unidas por rede muito delicada de fibras reticulares; Presente em volta de rgos ocos, nas paredes de vasos sangneos e constituindo o msculo eretor dos plos.

TECIDO MUSCULAR LISOJunes neuro-musculares: dilataes axnicas tecido conjuntivo clula muscular; Um axnio pode inervar uma clula ou um grupo de clulas lisas; Neuro-transmissores: acetilcolina e adrenalina.

TECIDO MUSCULAR CARDACOFibras musculares mononucleadas ou 2 ncleos alongadas, ramificadas com estrias transversais; Presena de discos intercalares entre fibras musculares; Maior quantidade de mitocndrias, mioglobina e glicognio do que as clulas esquelticas; As fibras so circundadas por tecido conjuntivo muito vascularizado; Menor capacidade de regenerao (baixa capacidade mittica).

CONTRAO MUSCULARRegulao: Sistema gerador e condutor do impulso pelo sistema nervoso autnomo (ausncia de placa motora entre nervos e clula muscular); Presena de fibras de Purkinje: clulas na poro final do feixe atrioventricular que contactam as clulas musculares cardacas;

CONTRAO MUSCULARPassagem de clcio para a clula por transporte ativo; Sistema gerador e condutor do impulso: clulas que geram impulso para contrao.

REGENERAO DO TECIDO MUSCULARO msculo cardaco no se regenera, o estriado esqueltico regenera-se parcialmente e o msculo liso regenera-se com facilidade.