Técnicas de Dinâmicas em Grupo

Click here to load reader

  • date post

    13-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    307
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Técnicas de Dinâmicas em Grupo

TCNICAS DE DINMICAS DE GRUPO E PERFIL DO PROFISSIONAL DE GRUPOS Nilsa Lira e Sandra Paz1 Os conceitos referentes Dinmica de Grupo permite situar seu real objetivo, desmitificando, assim, a idia de que esta prtica sinnimo de brincadeira e/ou entretenimento, como imaginada por algumas pessoas. Essa diferenciao necessria, especialmente porque a Dinmica de Grupo exige princpios bsicos de fundamental importncia. So eles: * Ambiente local que favorea a comunicao face face; comodidade; possibilidade de participao; espontaneidade e cooperao de todos os membros do grupo. * Reduo de Temores relao aberta entre os membros do grupo, onde todos sintam confiana ao expor opinies e comunicar experincias. * Liderana Democrtica o trabalho deve ser conduzido de forma que todos os integrantes desenvolvam suas capacidades sem que algum ordene o que todos tm * Objetivos Definidos os objetivos devem ser definidos coletivamente, evitando-se, assim, eu fiz, eu planejei, eu consegui. Mas ns fizemos, nos planejamos, ns conseguimos. Isto permitir a identificao de todos com os fins do grupo. * Flexibilidade se a necessidade do grupo assim determinar, os objetivos podem variar em sua meta final e na forma de chegar a esta adaptao. * Consenso programar aes e tomar decises coletivamente, em consenso grupal, sem interesses individuais ou de subgrupos. * Compreenso do Processo observar a atuao de cada pessoa; solicitar feedback; evitar julgamentos, juzo de valores, etc. Para que se adquira maior * Avaliao contnua revisar constantemente a execuo das aes propostas e consecuo das metas a curto e longo prazos, para no perder de vista os objetivos a alcanar e realizar possveis modificaes. Considera-se importante, tambm, explicar o conceito de Tcnicas de Dinmicas de Grupo utilizado. A palavra Tcnica significa uma seqncia de etapas necessrias elaborao de um mtodo de trabalho. So formas de executar a dinmica de grupo, e podem ser aplicadas para diferentes propsitos e temas, sendo sua aplicao ilimitada. So os mtodos, meios e processos que fazem a interligao entre o grupo e os seus objetivos. Por mais simples que parea ser a tcnica, deve-se realizar os seguintes passos: - Determinar o uso que ser dado; - Estabelecer os objetivos; - Preparar o material necessrio; - Levar em considerao aspectos importantes, tais como: nvel educativo do grupo

nmero de participantes condies do local recursos disponveis tempo para realizao das atividades atualizao pessoal para discutir o tema proposto; - Orientar os educandos com clareza, preciso e objetividade, quanto ao que vai ser feito, como vai ser feito e em quanto tempo vai ser feito; - Desenvolver a atividade com motivao, segurana, atuao concentrada e certeza de que o grupo encontra-se integrado e descontrado; - Analisar e resumir as apresentaes a partir da anlise dos prprios participantes, com perguntas que estimulem a participao geral. Algumas tcnicas tendem a fracassar se no forem considerados os seguintes fatores: - Falta de conhecimento e habilidade do educador; - M seleo da tcnica para o propsito; - Conduo inadequada; - Desconhecimento dos membros do grupo. Alm de tudo isso, faz-se necessrio colocar algumas caractersticas importantes no perfil do educador, principalmente quando se trata de atuao com grupos. Para que o profissional de grupos tenha uma prxis condizente com esta demanda social imprescindvel que seja, antes de tudo, capaz de agir e refletir o seu papel enquanto agente transformador do seu meio. Assim como no h homem sem mundo, nem mundo sem homem, no pode haver reflexo e ao fora da relao do homem-realidade. O seu compromisso profissional um compromisso com o mundo, que uma responsabilidade histrica. Pois ele, antes de ser profissional homem e ser comprometido por si mesmo. Se o profissional est alienado diante de seu papel provvel que seja decorrente de sua alienao enquanto ser histrico. preciso ter conscincia social e poltica, firmeza ideolgica e um srio compromisso social que supere o meramente profissional. Entender a realidade no como algo enclausurado em departamentos estanques, mas num processo dinmico e mutvel. O profissional deve facilitar esta interao, abolindo as hierarquias de poder, a postura tecnocrata adquirida por instituies aliengenas e postura autoritria de um empresrio particular. Deve substituir tudo isso por um compromisso efetivo com o social. Esse compromisso com o social uma condio bsica no desenvolvimento do trabalho com grupos, uma vez que o facilitador de grupo vai atuar, impreterivelmente, em assuntos de interesse social. No h definies de liderana, regulamentos, estatutos e manuais de atribuies do facilitador de grupos ou educador que sejam fixos e preestabelecidos, e mesmo que existam, cada facilitador deve adquirir estilo e capacidades prprias e ningum pode imitar a aptido de liderana e atuao de outra pessoa, nem copi-las de manuais.

No existe frmula, mas algumas sugestes podero ser teis, como por exemplo: a capacidade de ouvir, a real estima pelas pessoas e a verdadeira aceitao dos pontos de vista dos outros, alm de um acentuado senso de humor. Outra qualificao essencial a convico e a certeza de que o trabalho de grupo que decidiu realizar importante. muito difcil, seno impossvel, conduzir as atividades tendo-se dvidas acerca da validade e dos objetivos dos mesmos. So tambm importantes caractersticas da personalidade, tais como: calma, segurana, equilbrio, otimismo e uma maneira positiva de encarar a vida. Os bons facilitadores de grupo devem ser pessoas desejosas de aprender a crescer, devem procurar adquirir mais conhecimentos e maior compreenso humana, no processo de partilha de saberes com os demais participantes do grupo. Alm disso, devem ser: amigveis, calorosos, sociveis e ter um verdadeiro interesse pelas pessoas. certo que o facilitador de grupos , acima de tudo, uma pessoa, sujeita dificuldades particulares e variaes de humor. No entanto, dever ser prudente e nunca sobrecarregar o grupo com os seus problemas pessoais. Outra caracterstica essencial a habilidade em fazer com que os outros participem da responsabilidade do grupo, evitando centralizar o trabalho com uma postura egocntrica, perfeccionista e narcisista. Deve confiar nas pessoas e ganhar a confiana destas, numa relao de aceitao de como elas so, podendo assim, sentir como elas e com elas se entender. absolutamente certo que nenhum facilitador de grupo tenha todas essas caractersticas em igual proporo, mas dever procurar desenvolv-las para obter melhores resultados no seu trabalho. Ainda em relao s dinmicas, os tipos e suas tcnicas so diversos . Mas pode-se separar, de forma didtica, as dinmicas em quatro classificaes: de apresentao, de descontrao, de aplicao e de avaliao. Dinmicas de Apresentao: quando se inicia uma atividade educativa necessrio desenvolver tcnicas de dinmica de grupo que permitam eliminar as tenses, reduzir a timidez, proporcionar um ambiente de cordialidade e um clima de aceitao mtua. Se no incio for conseguido um entusiasmo suficiente, os participantes mantero esta atmosfera durante a atividade. A participao ativa e a segurana dos componentes do grupo so os fatores mais importantes no processo de ensino-aprendizagem. Dinmicas de Descontrao: tem por objetivo descontrair, fazer o grupo sair da monotonia, realizando uma brincadeira que envolva todos os participantes, uma msica, um jogral, etc. Este tipo de dinmica pode tambm ser utilizada para despertar o interesse do grupo por um tema especfico, predispondo o grupo a uma participao mais efetiva. Esta atividade oportuniza aos participantes serem mais espontneos e livres em seus comentrios. Dinmicas de Aplicao: estas contribuem no repasse do contedo, facilitando a assimilao do mesmo pelos participantes. Pode-se citar como exemplos: um estudo dirigido em grupo; a construo de cartazes a partir do que foi estudado; dramatizaes; msicas e poesias construdas no processo de reflexo, debate e estudo dos participantes. O facilitador deve estar constantemente atento para reorientar os grupos e resolver suas dvidas, alimentando-os mas sem lhes dar solues. Dinmicas de Avaliao: contribuem para que, aps as atividades, os participantes avaliem o desenvolvimento do estudo os pontos fortes e os pontos fracos como tambm apresentem sugestes para melhoramentos. As dinmicas de avaliao tambm constituem um momento celebrativo do grupo. conveniente tirar um breve resumo das expectativas que no foram

atingidas e que apaream com freqncia nas avaliaes dos grupos para planejar futuras atividades. OFICINAS DESENVOLVIDAS NOS PROJETOS

A partir das classificaes relacionadas s dinmicas, apresenta-se exemplos de algumas dinmicas trabalhadas, com bons resultados, pela equipe de educadores do Movimento Tortura Nunca Mais, durante os dois projetos Tecendo a Cidadania e Educando para o Futuro.Dinmica de Apresentao * DUPLAS ROTATIVAS I. Pblico: Adultos e jovens de ambos os sexos II. Nmero de participantes: 20 pessoas III. Tempo de durao: 30 minutos IV. Objetivos: - Possibilitar aproximao entre os membros do grupo; - Conhecer o nome e as principais caractersticas de cada participante; - Estabelecer clima ldico que permita a livre expresso de idias e sentimentos. VI. Material: Aparelho de som e CD ou apito VII. Procedimento: a) Organizar o grupo em crculo de p; b) Solicitar que dividam-se em dois subgrupos com a mesma quantidade de pessoas em cada um dos grupos; c) Formar dois crculos, um interno e outro externo, e pedir para os participantes organizaremse em duplas voltadas para frente e compostas por uma pessoa de cada crculo; d) Iniciar o jogo duplas rotativas, que devero identificar-se pelo nome, qualidades, gostos, etc; e) A cada sinal emitido pelo facilitador o crculo interno dever movimentar-se, trocando de dupla. O externo continuar parado; f) A atividade ser encerrada quando as duplas voltarem a posio original; g) O facilitador ir conduzir a discusso, solicitando que cada pessoa expresse o sentimento