Trabalho Intercom 2013

Click here to load reader

  • date post

    29-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    10
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Trabalho Intercom 2013

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    1

    Trem do Samba: Paisagem Sonora da Central do Brasil Oswaldo Cruz1

    Paola MEIRELLES2

    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

    Resumo

    O presente trabalho tem como objetivo abordar o samba enquanto prtica cultural associada

    a determinadas localidades da cidade do Rio de Janeiro, a partir do conceito de

    territorialidade acstica de La Belle (2010). O caso analisado especificamente ser o do

    bairro de Oswaldo Cruz, localizado no subrbio carioca s margens da linha frrea. O mote

    dessa abordagem ser o evento conhecido como Trem do Samba (ou Pagode do Trem), que

    parte da estao Central do Brasil e termina com uma grande festa em Oswaldo Cruz,

    fazendo com que anualmente este percurso seja uma verdadeira paisagem sonora.

    Palavras-chave: Trem do Samba; Oswaldo Cruz; paisagem sonora; polticas pblicas.

    1- Introduo

    Uma das principais motivaes para a concretizao do evento do Trem do Samba

    a possibilidade do resgate da memria da cultura deste gnero musical e, nesse sentido, da

    importncia histrica do bairro de Oswaldo Cruz. Isso se evidencia pelo slogan Nos trilhos

    da tradio carioca e por sua realizao ter como pretexto a comemorao do Dia Nacional

    do Samba.

    Visando entender mais profundamente esta manifestao da cultura popular de rua

    que o Pagode do Trem, vamos considerar quem so seus idealizadores, patrocinadores e

    promotores, destacando o duplo papel do Estado como agente colaborador e formatador.

    Desse modo, poderemos analisar as diversas atraes e prticas do evento no sentido

    de confirmar sua vocao popular e seus objetivos de resgate da memria e da tradio,

    destacando o papel privilegiado do bairro de Oswaldo Cruz no passado e presente, se

    afirmando como paisagem sonora do samba carioca.

    1 Trabalho apresentado no GP Comunicao, Msica e Entretenimento, evento componente do XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao.

    2 Mestranda da Linha Mdia e Mediaes Socioculturais da ECO-UFRJ, email: [email protected]

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    2

    importante ressaltar ainda que a abordagem do samba neste trabalho se d a partir

    do conceito de nacional-popular em Gramsci. O samba, apesar das diferenas socioculturais

    regionais de um pas to amplo e diverso como o Brasil, consegue ter carter nacional

    porque dialoga com o povo, traz tona as suas contradies.

    Ele pde se afirmar como uma manifestao da cultura nacional-popular brasileira

    justamente porque existe uma identificao de concepo de mundo entre os sambistas e o

    povo, at porque, neste caso, a maioria deles de fato provm do povo. Para alm da

    identidade de classes, ocorre uma identidade ideolgica.

    Sendo assim, temos o samba como materializao musical da dialtica entre o

    nacional e o popular, razo e paixo, contedo e forma. Isto porque, at os dias de hoje,

    um dos gneros presentes no imaginrio e universo simblico popular em suas diversas

    manifestaes samba de raiz, samba enredo, pagode, partido alto, etc.

    2 Samba e Identidade Nacional

    Ao tratarmos o samba como objeto de anlise no podemos deixar de levar em conta

    que este possui um imenso significado na construo da identidade nacional e do sentido de

    brasilidade. Mais do que isso, deve ser ressaltado que um gnero musical de origem

    afrobrasileira tenha se constitudo como tal, o que nos permite uma reflexo sobre a nossa

    sociedade e a contribuio sociocultural das populaes negras e mestias para a formao

    do Brasil.

    O samba nasceu de um setor social especfico e suas caractersticas musicais tanto

    em termos de melodia quanto de letra sofrem influncia direta dos aspectos da

    experincia sociocultural desses setores, sendo uma manifestao da cultura popular

    brasileira.

    Abordar um evento que tem como objetivo o resgate da memria e tradio ligada

    ao samba de alguma maneira adentrar a questo da cultura e identidade negras, que so

    elementos formadores deste gnero musical e da prpria identidade brasileira. Por isso

    importante destacar a centralidade da cultura no que concerne s prticas sociais.

    Os estudos culturais nos serviro de base para a compreenso do papel do samba

    para a formao das identidades dos afrodescendentes num contexto histrico de dispora e

    ps-abolio nas Amricas e tambm para a construo de uma identidade nacional. Tal

    elucidao ser ancorada na obra de Stuart Hall, principalmente em Da dispora

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    3

    identidades e mediaes culturais (2003) e no texto A centralidade da cultura: notas sobre

    as revolues culturais do nosso tempo (1997). Em ambos os trabalhos, o autor discute os

    termos em que devemos orientar os estudos culturais:

    Tal paradigma se ope ao esquema base-superestrutura de formulao da relao entre as foras ideais e materiais, especialmente onde a base

    definida pelo "econmico", em um sentido simples. Essa linha de

    pensamento prefere a formulao mais ampla a dialtica entre o ser e a conscincia social: inseparveis em seus polos distintos [...] Ela define

    cultura ao mesmo tempo como os sentidos e valores que nascem entre as

    classes e grupos sociais diferentes, com base em suas relaes e condies histricas, pelas quais eles lidam com suas condies de existncia e

    respondem a estas; e tambm como as tradies e prticas vividas atravs

    das quais esses "entendimentos" so expressos e nos quais esto

    incorporados. (HALL, 2003, p. 141)

    Nesse sentido, trataremos as identidades no como essncia do ser, mas sim como

    subjetividades construdas a partir de certo contexto histrico, territorialidade e demandas

    sociais que perpassam os indivduos. De acordo com Hall:

    o que significa dizer que devemos pensar as identidades sociais como

    construdas no interior da representao, atravs da cultura, no fora delas.

    Elas so o resultado de um processo de identificao que permite que nos

    posicionemos no interior das definies que os discursos culturais (exteriores) fornecem ou que nos subjetivemos (dentro deles). Nossas

    chamadas subjetividades so, ento, produzidas parcialmente de modo

    discursivo e dialgico. (HALL, 1997, p. 8)

    Os discursos e representaes identitrias presentes no mundo so assim abraados

    por determinados sujeitos que, a partir deles constroem as subjetivaes acerca de si

    prprios. Deste modo, no basta ser brasileiro para abraar o samba como constitutivo de

    sua identidade nacional, assim como no basta ter a cor da pele escura para que se assuma a

    negritude. necessria a adeso de determinados valores de ordem social, cultural e at

    mesmo psicolgica.

    3 O Evento

    O Trem do Samba um evento realizado anualmente para comemorar o dia nacional

    do samba (02 de dezembro) e est na sua 17 edio. Nos anos de 1920 o percurso da

    Central Oswaldo Cruz j era feito pelo Conjunto Carnavalesco de Oswaldo Cruz (embrio

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    4

    da escola de samba Portela) que utilizava o vago Deodoro como sede mvel, capitaneados

    por Paulo Benjamim de Oliveira (posteriormente conhecido como Paulo da Portela). O trem

    era uma espcie de quadra na ausncia de uma sede fixa e meio de fuga da represso

    policial sofrida pelo samba naqueles tempos.

    Nos anos de 1990, o sambista Marquinhos de Oswaldo Cruz idealizou um

    movimento denominado Acorda Oswaldo Cruz visando o resgate das origens e valorizao

    histrica sambista do bairro. nesse contexto que, em 1995, realizada a primeira edio

    do trem do samba (ou pagode do trem, como conhecido originalmente). No site do evento

    Marquinhos explicita a sua finalidade:

    O Trem do Samba nasceu com o objetivo de promover a interao entre os

    grandes nomes do samba e o pblico, alm de levar conhecimento por meio do resgate dessa cultura. O que ns estamos fazendo uma recriao

    das rodas de samba tradicionais.3

    Em todas as edies a aquisio do bilhete do trem se d pela troca de 1Kg de

    alimento e os shows e rodas so gratuitos. Em cada ano um grande nome do samba

    homenageado, sendo Chico Santana representante da Velha Guarda e compositor do hino

    da Portela a figura da 17 edio.

    As atraes do ano de 2012 se sucederam por trs dias consecutivos, de 29 de

    novembro a 01 de dezembro. Constaram de 01 palco na Central do Brasil, 04 palcos em

    Oswaldo Cruz, 32 vages de trem com sambistas que se espalham pelo bairro de Oswaldo

    Cruz em 15 rodas de samba e uma lona do conhecimento, que foi a inovao desta edio,

    afirmando a necessidade do resgate da memria e da reflexo dos novos rumos da cultura

    do samba.

    Como se d em geral em todos os anos, estas atraes englobaram os velhos mestres

    sambistas (desde os mais populares at os reconhecidos somente no universo do gnero) e

    as novas geraes, o que demonstra a preocupao dos organizadores do evento com o

    binmio memria e atualizao. Incluem artistas de menor peso e profissionais famosos

    com espao na mdia e no mercado musical, sendo estes os que obtm a maior visibilidade

    no marketing oficial do evento. Em geral, so estes os sambistas que iro apresentar os

    shows nos palcos.

    3 Disponvel em: . Acesso em: 09 de janeiro. 2013.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    5

    Apesar do objetivo de recriao das rodas de samba tradicionais, estas so as

    atraes de menor destaque em toda a programao, no havendo muita nfase na sua

    publicidade, o que nos leva concluso de que os palcos esto dirigidos ao grande pblico e

    as rodas para queles mais ligados cultura do samba.

    Como patrocinadores do Trem do Samba temos a Secretaria de Estado e de Cultura

    do RJ, a Prefeitura do Rio de Janeiro, a Ambev, a Petrobrs e a Caixa Econmica

    Federal. Apesar da maior parte deles serem ligados ao Estado, a presena que se destaca no

    evento a da cerveja Antrtica, da empresa Ambev (que no por acaso tambm

    patrocinadora do carnaval carioca) .

    Na Central do Brasil, at porque a estao e os trens da Supervia servem como

    espaos do evento, o patrocnio pblico fica mais evidente, mas em Oswaldo Cruz a Boa

    do Samba que marca presena hegemnica. Isso se nota no s pela decorao do evento

    como tambm pela exclusividade de venda desta marca de cerveja.

    A promoo do evento foi realizada pela Rdio MPB FM 90.3 MHz e pela Globo

    Rio, alm da propaganda via internet (http://tremdosamba.com/) e redes sociais

    (https://www.facebook.com/tremdosamba), o que acarretou em uma divulgao espontnea

    a partir dos compartilhamentos na web e a construo de comunidades virtuais dedicadas ao

    evento (https://www.facebook.com/Dia.Mondial.do.Samba). Sendo que, a principal

    divulgao oficial dedicada aos shows dos palcos com artistas renomados para atrair

    maior pblico.

    O evento direcionado para os cariocas e moradores do estado do Rio de Janeiro,

    diferente do carnaval que uma atrao voltada para todo o pas e para o exterior (apesar da

    Riotur tambm estar envolvida). Tanto que no site do Trem do Samba os destaques das

    notcias so do Portal G1, Jornal O Fluminense, Jornal O Globo Rio, todos veculos da

    mdia local4.

    4 Oswaldo Cruz, Paisagem Sonora do Samba Carioca

    A festa do Dia Nacional do Samba comea na estao Central do Brasil, pega o trem

    e termina em Oswaldo Cruz justamente por sua tradio como bairro ligado s razes do

    samba carioca. E foi atravs do samba que este local pde se reinventar e abrigar por tantos

    anos um evento do porte do Trem do Samba.

    4 Na TV a divulgao principal se d pelo telejornal RJTV.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    6

    4.1 O Bairro

    Cortado pela linha frrea, Oswaldo Cruz um bairro carioca tipicamente residencial.

    Fez parte da freguesia de Iraj, criada em 1644, mas em fins do sculo XIX e incios do XX

    a economia da regio, amparada pelo trabalho escravo, entrou em crise. Os antigos

    latifndios ento comearam a ser repartidos pela populao pobre, em sua grande parte

    formada por pessoas marginalizadas pelas reformas urbanas realizadas no centro da cidade,

    na gesto do prefeito Pereira Passos.

    Em 1890 inaugurada a Estao Dona Clara de trens, que daria nome quela rea de

    limites ainda indefinidos. Em 1917, com a morte do mdico e sanitarista Oswaldo Cruz, a

    estao local renomeada e com o tempo este nome acaba sendo atribudo tambm ao

    bairro.

    A tradio do bairro est ligada ao samba. Ele conhecido por ser o bero

    da Portela, pois era l que estavam os blocos que a originaram. Tanto que o primeiro nome

    da agremiao era Conjunto Carnavalesco de Oswaldo Cruz e o prprio legendrio

    sambista Paulo da Portela, fundador desta escola de samba, na realidade era morador do

    bairro.

    4.2 Aplicao do Conceito de Paisagem Sonora/ Territorialidade Acstica

    Partindo de La Belle (2010) temos que o conceito de territorialidade acstica ou

    paisagem sonora se aplica s espacialidades que so desintegradas e reconfiguradas pelo

    som. Criam-se no tempo, so mltiplas, itinerrias e nos informam sobre a geografia urbana

    a partir de sua sonoridade.

    No remetem a um espao territorial fixo, concreto, mas a uma geografia relacional

    que emocional, contenciosa e fluida. Um significado para explorar as mltiplas

    perspectivas do presente, j que, espaos urbanos fracionados tm sido reconfigurados pelas

    sonoridades, inclusive (re)constituindo identidades e vnculos comunitrios

    contemporneos.

    A regio de Oswaldo Cruz e Madureira pode ser considerada uma territorialidade

    snico-musical do samba carioca. Estes bairros da zona norte esto ligados desde os seus

    primrdios cultura do samba. Sua ocupao residencial se deu acompanhada da

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    7

    disseminao desta cultura e este gnero musical faz parte do desenvolvimento desta rea

    tanto quanto as construes que l se fixaram.

    A presena do samba, portanto, no s gera uma identidade para estes bairros, mas

    para o subrbio carioca de uma maneira geral. Uma espcie de cultura do subrbio na qual

    est presente o samba (msica e dana), o pagode, o boteco, a cerveja, o churrasquinho, etc.

    no subrbio (e nas favelas) que se concentram a maior parte dos afrodescendentes e a

    cultura do samba remete, valoriza e (re)significa este estar no mundo.

    Madureira historicamente nunca se dissociou desse status de bero do samba,

    mesmo quando do ostracismo comercial do gnero, at porque l esto localizadas duas das

    escolas mais tradicionais do Rio de Janeiro: Portela e Imprio Serrano. Mas essa no a

    histria de Oswaldo Cruz.

    4.3 Des-territorializao e Re-territorializao:

    Des-territorializao e re-territorializao a dupla chave terica para pensar

    Oswaldo Cruz como paisagem sonora do samba carioca e marcar sua diferena com

    Madureira, voltando-se para as rupturas e continuidades que fazem com que ele possa ser

    assim representado nos dias de hoje.

    Citando Herschmann (2012) sobre a questo imbricada entre experincia e

    territorialidade snica pode-se compreender melhor a relao entre o samba, o bairro de

    Oswaldo Cruz e o evento do Trem do Samba:

    A capacidade de mobilizao das experincias e das interaes realizadas em certos ambientes, em algumas paisagens sonoras que integram de forma harmoniosa vetores como sonoridade e espacialidade

    vm revitalizando diferentes localidades e reconstruindo o imaginrio

    urbano. Pode-se dizer que as experincias musicais [...] vm amalgamando uma sociabilidade que se constri tendo a msica como

    lan social. Essa musicabilidade floresceu das insurgncias das ruas (e no

    do planejamento tecnocrtico), gerando novos processos de re-territorializao.5

    A re-territorializao do bairro de Oswaldo Cruz como paisagem sonora do samba

    carioca contemporneo se deu a partir dos anos 1990, com o engajamento de atores sociais

    (com destaque para Marquinhos de Oswaldo Cruz) ligados ao bairro visando o resgate de

    5 Citao retirada do texto do slide n 16 da Aula 8 - Importncia das territorialidades snico-musicais na

    trama urbana. Problematizao das articulaes e tenses entre msica e desenvolvimento local.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    8

    suas origens histricas. Foram movimentos como Acorda Oswaldo Cruz, Quilombos do

    Samba, Semana Paulo da Portela, Feira das Yabs e a reativao do Pagode do Trem que

    possibilitaram o processo de reapropriao e resignificao do bairro a partir da

    musicalidade, forma de superao de uma viso instrumental ou meramente mercadolgica

    das prticas culturais.

    Tais movimentos e eventos musicais que constituem essa territorialidade acstica

    resgatam no s elementos da cultura negra, mas tambm da cultura suburbana carioca. Um

    dos poucos eventos de grande porte direcionado prioritariamente para o povo, realizado no

    subrbio (e no no Centro e na Zona Sul como de costume).

    O Trem do Samba, por exemplo, no se sustenta somente pela msica mas tambm

    pela gastronomia e pelo grande apelo popular. A presena hegemnica das classes

    populares se d na forma de pblico e como comerciantes (barraqueiros) de bebidas e

    comidas tpicas.

    O evento para comemorar o Dia Nacional do Samba ocupa todo o bairro de

    Oswaldo Cruz. Se os palcos com as grandes atraes esto localizados nas praas e ruas

    principais, so as rodas de samba que agitam as ruelas e os botequins.

    5 As Rodas de Samba, valorizando a experincia h tempos imemoriais

    Mafesolli (2006) nos indica que h processos constantes de re-territorializao dos

    grupos em prol do estar junto e a msica ao vivo seria uma experincia social, sensorial e

    esttica. A roda de samba, que traz em si elementos tpicos da cultura negra, traz tona

    desde seus primrdios a to valorizada experincia que se fala nos dias de hoje.

    O que se pode experimentar nas rodas de samba est alm da estesia da msica ao

    vivo. Nelas, artistas e pblico esto mesclados, todos fazem parte da prtica sociocultural.

    No h separao rgida entre os sambistas e os que se colocam proximamente sua volta

    para cantar, bater palmas, danar, puxar uma msica. Os msicos e ritmistas vo se

    alternando entre eles, dando espao para os que chegam tambm participar. Existe uma

    recproca entre quem assiste e quem toca.

    Essa experincia pode ser vivenciada em Oswaldo Cruz nas comemoraes do Dia

    Nacional do Samba (diferentemente de muitas casas de show da Lapa, por exemplo). So

    15 rodas de samba que iniciam nos vages dos trens que partem da Central e vo se

    espalhando por todo o interior do bairro.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    9

    Uma distino que se pode fazer entre o pblico maior concentrado nos shows dos

    palcos e os que seguem para explorar as diversas rodas, a prpria ligao com a cultura do

    samba. A preferncia por acompanhar repertrios menos massificados e msicos fora do

    mainstream pede uma identificao com o universo do samba fora dos grandes eventos e do

    carnaval. No a toa que essas pessoas de fato interagem com a roda da maneira que ela

    convida: danando, cantando, puxando um samba. As rodas so para quem demandam uma

    experincia menos formatada que a oferecida pelos palcos.

    Por ser uma experincia musical coletiva, ligada a formatos e contedos histricos,

    pode-se considerar a roda de samba como um agente de comunicao intertemporal, aquela

    que se d entre geraes, responsvel pela manuteno e/ou atualizao das tradies.

    As rodas que resguardam caractersticas mais tradicionais fazem parte de prticas

    socioculturais contra hegemnicas por estarem mais ao largo da indstria cultural e da

    grande mdia. Essas manifestaes vo se dar em espaos no hegemonizados que

    configuram territorialidades sonoras como as ruas, centros de resistncia cultural negra (a

    exemplo do Grmio Recreativo Escola de Samba Quilombo), blocos e botequins.

    6 Polticas pblicas e institucionalizao

    Partindo do estudo de Hershmann (2009) sobre desenvolvimento local sustentvel e

    diversidade cultural, temos que, a partir de 1990, as estratgias de desenvolvimento local

    foram se afirmando, cada vez mais, como uma alternativa para a reconstituio dos vnculos

    produtivos entre agentes, comunidades e instituies do governo. Esse o contexto no

    qual os j citados movimentos de revitalizao de Oswaldo Cruz se inserem, visto que, a

    partir da atuao de atores sociais envolvidos com o bairro comeam a se desenvolver

    projetos com apoio do Estado e de empresas pblicas.

    Nesse sentido interessante o aprofundamento da questo das polticas pblicas

    para nos esclarecer sobre a atuao governamental frente s demandas sociais. O conceito

    aqui utilizado ser o desenvolvido por Jos Luis Exeni Rodrguez, autor cujo trabalho

    Polticas de comunicacin: retos y seales para no renunciar a la utopia (1998) se dedica a

    analisar a relao entre o Estado, o sistema miditico e as indstrias culturais.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    10

    Ele parte6 de um arsenal terico que entende as polticas de uma maneira geral como

    um conjunto de normas jurdicas, morais, sociais e culturais que tm objetivos definidos

    quanto estimulao ou no de determinados modos de atuao (BELTRN, 1974); o

    Estado como fonte e defensor principal das normas de determinado territrio/sociedade

    (THERBORN, 1989); e polticas pblicas (ou estatais) como um conjunto de respostas do

    Estado em face de questes tidas como problemas sociais (SALAZAR, 1995).

    Levando-se em conta as consideraes acima, Exeni define por polticas pblicas

    um

    [...] conjunto de princpios, normas, aspiraes e respostas deliberadamente adotadas no marco de um ou mais objetivos previamente

    estabelecidos de predio, deciso e ao para enfrentar situaes e/ou

    problemas socialmente considerados, em um momento e lugar

    determinados, mediante processos de estimulao positiva fomento, apoio, recompensa ou negativa inibio, proibio, sano de comportamentos individuais, grupais, institucionais e/ou sociais, cuja

    fonte principal pode ser o Estado, a sociedade ou ambos, mas cuja forma final sempre definida pela estrutura estatal que estabelece os

    mecanismos e instrumentos necessrios para seu cumprimento. (EXENI,

    1998, p. 92, traduo nossa).

    Vale ressaltar que seu entendimento sobre as polticas pblicas abarca a perspectiva

    de uma planificao racional e intencional, atendendo prioritariamente aos problemas

    socialmente considerados (EXENI, 1998, p. 91) e coloca a absteno do Estado como

    posio por omisso. Alem disso, amplia a definio de Salazar no que concerne

    iniciativa da formulao da poltica ao incluir tambm o mbito social como proponente

    (atores/grupos sociais como grupos de presso) para alm da atuao unicamente estatal.

    O evento do Trem do Samba pode ser entendido dentro desta concepo de polticas

    pblicas, j que, tem como proponente de realizao e organizador o sambista Marquinhos

    de Oswaldo Cruz em colaborao com a Secretaria de Estado de Cultura do RJ, que tem

    como misso assumida:

    Formular, implantar e gerir, atravs do dilogo com a sociedade, polticas

    pblicas para democratizar o acesso cultura e garantir a diversidade

    cultural, considerando a riqueza do patrimnio cultural do Estado, a sua

    6 Dentre outros conceitos e autores no citados. Os que aqui foram referenciados constam em EXENI, 1998,

    pp. 90-91.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    11

    vocao para as indstrias culturais e o ambiente de transformao tecnolgica e digital.

    7

    Sendo assim, o Trem do Samba a concretizao de um projeto cuja demanda social

    foi atendida pelo poder pblico estadual. Esta colaborao fica clara no trecho da matria

    Samba sobre Trilhos, divulgada no site do referido rgo:

    Uma novidade da edio desse ano a Lona do Conhecimento, erguida na

    Rua tila da Silveira, esquina com a Rua Carolina Machado, em Oswaldo

    Cruz. Segundo Marquinhos, a ideia inicial era fazer o Trem do Samba se espalhar pela cidade. Mas a Secretria de Estado de Cultura, Adriana Rattes, me chamou ateno para no pulverizar demais a festa. O bacana

    do Trem do Samba Oswaldo Cruz, ento as pessoas tm que ir l conferir o que est acontecendo, explica.8

    Assim como o Pagode do Trem e outros eventos j citados como a Feira das Yabs,

    a incluso de Oswaldo Cruz no projeto da prefeitura Bairro Maravilha afirma a incluso do

    bairro nos marcos das polticas pblicas em mbito local. Esses programas, entretanto, so

    em geral limitados e muitas vezes realizam obras de infraestrutura que removem moradores

    e alteram reas histricas. fcil notar a explorao cultural de Oswaldo Cruz sem a

    realizao de importantes obras de infraestrutura como rampas para atravessar a estao de

    trem e a despoluio do ftido rio que atravessa o bairro.

    Certamente a concretizao de projetos como o Trem do Samba com apoio estatal

    uma vitria, principalmente porque este afirmao e visibilidade de uma cultura popular

    atravs de um evento gratuito em um bairro do subrbio. a realizao de um projeto que

    nasce de atores sociais engajados na afirmao do samba e de um bairro da zona norte.

    Entretanto, a institucionalizao tambm acarreta em alguns revezes que vo contra

    a sua proposta inicial: a cada ano que passa a comemorao do Dia Nacional do Samba no

    Rio de Janeiro vai se resumindo ao evento do trem em si, esvaziando seu significado

    simblico. Desde o ano passado a festa principal no se d mais no dia 02 de dezembro e

    sim no sbado prximo. O que pode ser uma tentativa da prefeitura de organizar a festa fora

    dos dias teis para no afetar a Supervia. Deste modo, o dia do samba vira dia do Trem

    do Samba.

    7 Disponvel em: < http://www.rj.gov.br/web/sec/exibeconteudo?article-id=140931>. Acesso em: 10 de

    janeiro. 2013.

    8 Disponvel em: . Acesso em: 10 de janeiro.

    2013.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    12

    A realizao do Trem do Samba costumava ser integrada s outras celebraes

    tradicionais do Dia Nacional do Samba a exemplo da lavagem da Pedra do Sal seguida de

    samba e feijoada. Entretanto, a prefeitura, os patrocinadores e os promotores divulgam o

    evento isolado, no acoplado s outras festas, o que se intensifica pela j citada alterao da

    data da comemorao.

    Endossando essa posio, um frequentador da Pedra do Sal postou no facebook

    sobre o esvaziamento do dia 02 de dezembro deste ano naquele espao:

    Um dos problemas causados pela comemorao do dia nacional do samba (02/12), no sbado dia 01/12 [] o esvaziamento das comemoraes na pedra do sal... eles conseguiram, atravs da

    institucionalizao do dia, com o aval de muita gente do mundo do samba, consciente ou inconscientemente!!! Ano que vem temos que reverter

    isto!!! Antes reclamaram que quando caa dia de semana "tumultuava" a

    Central do Brasil, no domingo tumultuaria o que???? Dia 2 dia 2 ...voc no concorda?

    9

    7 Consideraes Finais:

    Ao longo deste trabalho desenvolvemos a hiptese de que o percurso frreo da

    Central do Brasil Oswaldo Cruz uma paisagem sonora do samba carioca, focando nos

    processos de desterritorializao e reterritorializao que este bairro sofreu historicamente.

    Sua redefinio como bero do samba pde se concretizar atravs da revitalizao local

    deste gnero musical a partir da atuao de atores sociais engajados com a colaborao de

    polticas pblicas para o setor cultural, que no Rio de Janeiro tem uma grande expresso do

    samba.

    Endossamos a proposio j exposta acima da conquista do reconhecimento oficial

    de uma manifestao popular de raiz negra, que pode contar com o apoio do Estado para

    sua perpetuao, principalmente em regies menos favorecidas da cidade, como o caso de

    Oswaldo Cruz. Tudo isso reafirma a necessidade de mobilizao e engajamento da

    sociedade para o triunfo de projetos como estes, que so demandas socioculturais

    especficas que no so contempladas pela lgica capitalista das indstrias culturais.

    Entretanto, importante estar atento aos rumos que a institucionalizao de eventos

    como este pode causar, como foi o caso dos desfiles das escolas de samba. Frente s

    9 No ano de 2012 o dia 02/12 caiu em um domingo. Disponvel em:

    . Acesso em: 11 de dezembro. 2012.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    13

    questes colocadas pelos rgos governamentais e pelas presses dos patrocinadores

    (principalmente os privados em busca de promoo) crucial a viglia dos grupos sociais

    engajados na cultura do samba para que o Pagode do Trem e o Dia Nacional do Samba

    conservem seu carter popular, de resgate e manuteno de uma tradio musical que se

    atualiza, posto que histrica, mas que deve manter laos com sua ancestralidade para

    permanecer culturalmente rica.

    A partir desta exposio, algumas questes sero levantadas para uma futura

    reflexo, mas que necessitam continuar sendo foco de pesquisas para sua melhor

    elucidao:

    Ser que privilegiar o Trem do Samba como nico foco de comemorao do dia 02

    de dezembro para vender mais Antrtica, a Boa do Samba, j que ela patrocinadora do

    evento e tem exclusividade, o que no acontece nas outras celebraes? Ou porque facilita a

    cobertura da Globo Rio?

    Ser que a Supervia deve ser poupada de tumulto em dias de semana, j que, so

    os prprios usurios do trem os primeiros a encher os vages dedicados ao samba?

    Ser que a prefeitura tem pretenses de transformar o Trem do Samba em uma

    espcie de Rock in Rio da zona norte para se vangloriar da visibilidade e experincia social

    que eventos como esse proporcionam?

    Bom, estas questes ficam para uma outra oportunidade de pesquisa!

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    14

    8 Referncias bibliogrficas

    EXENI R., J. L. Polticas de comunicacin: retos y seales para no renunciar a la utopia. La Paz:

    Plural Editores, 1998.

    GRAMSCI, A. Literatura e vida nacional. Rio de Janeiro: Civilizao Brasileira, 1968.

    HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revolues culturais do nosso tempo. Traduo

    e reviso de Ricardo Uebel, Maria Isabel Bujes e Marisa Vorraber Costa. Disponvel em: . Acesso em: 29/05/2012.

    ________. Da dispora: identidades e mediaes culturais. Organizao Liv Sovik; Traduo de

    Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: UFMG; Braslia: UNESCO, 2003.

    HERSCHMANN, M.; QUEIROZ, T. Balano da experincia sonora e ldica da edio 2011 do

    Rock in Rio. In: FERNANDES, Cntia S.; MAIA, Joo; HERSCHMANN, Micael. Comunicao e

    Territorialidade: Rio de Janeiro em cena. So Paulo: Anadarco Editora, 2012.

    HERSCHMANN, M. Diversidade Cultural e desenvolvimento local sustentvel hoje. Revisitando o

    estudo de caso do circuito do samba e choro da Lapa avaliando oportunidades e desafios. Trabalho apresentado ao GT Economia Poltica e Polticas de Comunicao . XVIII Encontro da

    Comps. PUC-MG , Belo Horizonte, 2009.

    ________. Lapa, cidade da msica. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

    ________. Ruas que cantam. In: HERSCHMANN, Micael (org.) Nas bordas e fora do mainstream.

    Novas tendncias da Msica Independente no incio do sculo XXI. So Paulo: Editora Estao das

    Letras e das Cores, 2011.

    LABELLE, B. Acustic territories. Nova York: Continuum, 2010.

    MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. Rio de Janeiro: Forense-Universitria, 1987.

    SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA DO RIO DE JANEIRO. Colaborao de Marianna

    Salles Falco. Samba sobre trilhos. Disponvel em: . Acesso em: 10 de janeiro. 2013.

    SODR, M. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

  • Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicao XXXVI Congresso Brasileiro de Cincias da Comunicao Manaus, AM 4 a 7/9/2013

    15

    8 Sites consultados