TREINO DA RESISTÊNCIA - areas.fmh.utl.ptareas.fmh.utl.pt/~apaulo/Gestão_Desporto/Metodologia do...

of 27 /27
Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Embed Size (px)

Transcript of TREINO DA RESISTÊNCIA - areas.fmh.utl.ptareas.fmh.utl.pt/~apaulo/Gestão_Desporto/Metodologia do...

  • Faculdade de Motricidade HumanaUnidade Orgnica de Cincias do Desporto

    TREINO DA RESISTNCIA

  • A capacidade do organismo de resistir fadiga numa actividade motora prolongada.

    Entende-se por fadiga a diminuio transitria e reversvel da capacidade de trabalho do atleta.

    (Bompa, 1999)

    RESISTNCIA

  • Adiar a instalao da fadiga; Diminuir as consequncias da fadiga

    durante o esforo fsico; Promover a optimizao dos processos

    de recuperao aps o esforo.

    RESISTNCIANum contexto desportivo o desenvolvimento da resistncia implica:

  • RESISTNCIAO conceito de resistncia aplica-se a

    diversos perodos de tempo de exerccio.

  • RESISTNCIA

    O objectivo do treino de resistncia consiste em manter a mais elevada intensidade mdia de trabalho possvel para um determinado perodo de esforo.

  • RESISTNCIA

    Lidar de modo optimizado com a fadiga uma necessidade indispensvel em todas as especialidades desportivas, com importncia relativa variada.

  • desenvolvimento dos sistemas energticos; rendimento do trabalho executado; aptido em utilizar eficazmente a totalidade do

    potencial energtico em competio; preparao mental que permita suportar a

    fadiga e o desconforto prprios da execuode exerccios prolongados com intensidadeelevada.

    (Platonov, 2001)

    RESISTNCIAreas de incidncia do treino da

    resistncia:

  • O desenvolvimento dos sistemas energticos

    3 vias metablicas de regenerao do ATP: Desagregao de fosfocreatina (PCr); Degradao anaerbia dos carbohidratos

    (glicognio) gliclise; Metabolismo aerbio.

    RESISTNCIA

  • O rendimento do trabalho executado

    Conceito de economia (eficincia) do movimento:

    Diminuio do custo energtico da tarefa (reduo do trabalho mecnico desnecessrio).

    RESISTNCIA

  • Necessidade de integrao das adaptaes orgnicas adquiridas no desempenho competitivo:

    RESISTNCIAA aptido em utilizar a totalidade do potencial energtico em competio

    Ligao entre o treino de resistncia e o treino tcnico-tctico;Importncia do treino especfico.

    Estado de treino Estado de preparao

    Grande potencial energtico no garante um bom nvel de resistncia.

  • RESISTNCIA

    Preparao mental que permita suportar a fadiga e o desconforto

    prprios da execuo de exerccios prolongados com intensidade elevada

    Importncia dos factores psicolgicos na eficcia do processo de treino.

  • Objectivos do treino Manter durante o mximo tempo possvel uma

    intensidade ptima do exerccio;

    Reduzir o decrscimo inevitvel de intensidade quando setrata de exerccios prolongados;

    Aumentar a capacidade de suportar as cargas de trabalhodurante o treino e a competio;

    Melhorar a capacidade de recuperao;

    Estabilizar a tcnica desportiva e a capacidade deconcentrao.

    (Zintl, 1991)

    RESISTNCIA

  • FORMAS DE MANIFESTAO

    A. Quanto participao do sistema muscular

    B. Quanto ao regime de contraco muscular

    C. Quanto solicitao metablica

    D. Tendo como referncia a situao de competio

    RESISTNCIA

  • A. Quanto participao do sistema muscular

    Geral Mais de 1/6 a 1/7 de toda a musculatura esqueltica. Limites: sistemas cardiocirculatrio e respiratrio (absoro e transporte de O2), utilizao perifrica de O2.

    Local Menos de 1/6 a 1/7 de toda a musculatura esqueltica. Depende da fora de resistncia especial, das adaptaes anaerbias locais, da coordenao neuro-muscular especfica .

    RESISTNCIA

  • B. Quanto ao regime de contraco muscular

    DINMICA ESTTICA

    LOCALLOCAL GERAL GERAL

    RESISTNCIA

  • Resistncia LocalContracomuscular Esttica Dinmica

    Intensidade da

    contracomuscular

    Solicitao metablica

    (% da contraco voluntria mxima)

    < 15 %

    15 - 30 %

    30 - 50 %

    > 50 %

    < 25 - 30 %

    30 - 50 %

    50 - 70 %

    > 70 %

    Aerbia

    Predominnciaaerbia

    Predominncia anaerbia

    Anaerbia

  • C. Quanto solicitao metablica as zonas de intensidade

    As zonas de intensidade so as reas funcionais solicitadas por um exerccio de treino que visam adaptaes orgnicas especficas.

    RESISTNCIA

  • Custo energtico e vias metablicas

    Variao do custo energtico de um exerccio mximo a intensidade constante.

    Finn, J., Gastin, P., Withers, R. & Green, S. (2000). Estimation of peak power and anaerobic capacity of athletes. In C.J. Gore (ed.), Physiological tests for elite athletes. Champaign: Human Kinetics. Pp. 43-49.

    C. Quanto solicitao metablica

  • Gastin, P.B. (2001). Energy system interaction and relative contribution during maximal exercise. Sports Med., 31(10): 725-41.

  • Capacidade aerbia (limiar anaerbio)

    Potncia aerbia (VO2 mx.)

    Capacidade anaerbia lctica (tolerncia lctica)

    Potncia anaerbia lctica

    Capacidade anaerbia alctica

    Potncia anaerbia alctica

    Adaptado de Skinner e Morgan (1985)

    > 15'

    2' - 15'

    30 - 3'

    10"- 45"

    3" - 20"

    1" - 5"

    C. Quanto solicitao metablicaRESISTNCIA

  • Determinao da Intensidade

    Frequncia cardaca. Procedimento de grande valor prtico mas pouco rigoroso.Aplicao relativa do sistema cardiovascular (% VO2 mx.)Lactatemia (curvas lactatemia / velocidade)

    Velocidade (de corrida, de nado, etc.)Resistncia a vencer x frequncia gestual

    ndices externos da carga

    ndices internos da carga

  • Zonas de Intensidade bsicas para o treino da resistncia

    Zona Designao Caracterizao metablica

    Frequncia cardaca

    LA Limiar anaerbio

    [La] 2 4,5 mmol.l-1; 50 - 90 % VO2 max

    120-180

    PA Potncia aerbia

    [La] 4,58,0mmol.l-1; > 90 % VO2 max

    > 180

    TL Tolerncia lctica

    [La] > 6 mmol.l-1

    100 % VO2 maxMxima

    PL Potncia Lctica

    [La] > 6 mmol.l-1 Mxima

  • Zonas de Intensidade

    Aer 1 (resistncia de base - [La] 2 - 3 mmol.l-1; 50 - 75 % VO2 max

    resistncia de base

    aquecimento

    recuperao

    Aer 2 (limiar anaerbio) - [La] 3.5 - 4.5 mmol.l-1; 75 - 90 % VO2 max

    PA (potncia aerbia) - [La] 4.5 - 10 mmol.l-1; > 90 % VO2 max

    TL (tolerncia lctica) - [La] > 6 mmol.l-1

    ALM (acumulao lctica mxima ) - [La] > 10 mmol.l-1

    PL (potncia lctica) - [La] < 6 mmol.l-1

    Disciplinas desportivas cclicas:Velocidade e meio-fundo

  • Nveis de intensidade para o treino aerbio

    % VO2max % FCmax

    Nvel I 55 - 65 60 - 70

    Nvel II 66 - 75 71 - 75

    Nvel III 76 - 80 76 - 80

    Nvel IV 81 - 90 81 - 90

    Nvel V 91 - 100 91 - 100

    Atletas de fundo

  • D. Tendo como referncia a situao de competioRESISTNCIA

    Resistncia de base Relacionada com a faculdade de suportar cargas de grande volume ou com grande frequncia, com a superao da fadiga em competies de longa durao e com a recuperao rpida aps cargas de treino e de competio.

    Resistncia especficaDiz respeito capacidade de adaptao estrutura de carga de uma actividade desportiva em situao de competio.

  • RESISTNCIAAspectos a ter em considerao no treino

    da resistncia especficaTreino proporcional ao nvel da solicitao metablica em competio;

    A utilizao das diferentes zonas de intensidade deve estar adequada condio motora especfica de cada atleta;

    O treino aerbio deve ser considerado como a base da preparao mais intensa e especfica.

  • RESISTNCIA

    MTODOS DE TREINO

    POR INTERVALOSCONTNUOS

    UNIFORME VARIADOPAUSA

    INCOMPLETAPAUSA

    COMPLETA

    INTERVALADO REPETIES

    Slide Number 1 Slide Number 12Slide Number 13 Slide Number 17Slide Number 18Slide Number 19 Determinao da IntensidadeZonas de Intensidade bsicas para o treino da resistnciaZonas de IntensidadeNveis de intensidade para o treino aerbioSlide Number 25Slide Number 26Slide Number 27