TREVO DE IDÉIAS - pensesite.com.brpensesite.com.br/livros/livros-xavier01/301 Trevo de...

of 39/39
www.autoresespiritasclassicos.com TREVO DE IDÉIAS Francisco Cândido Xavier Espírito de Emmanuel
  • date post

    08-Jan-2019
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of TREVO DE IDÉIAS - pensesite.com.brpensesite.com.br/livros/livros-xavier01/301 Trevo de...

www.autoresespiritasclassicos.com

TREVO DE IDIAS

Francisco Cndido Xavier Esprito de Emmanuel

Sumrio Trevo de idias 1 - Vontade e destino / 04 2 - Saibamos esperar / 06 3 - Auxilie sempre / 08 4 - S tu quem ame / 10 5 - Quem ama / 12 6 - No temas / 13 7 - Na trilha da Paz / 14 8 - Personalidade medinica / 16 9 - Sinais de luz / 18 10 - Ouro alm da morte / 19 11 - Perdoa e vivers / 21 12 - Palavra e orao / 23 13 - Perdo e liberdade / 25 14 - A Carne fraca? / 27 15 - Tolerncia / 29 16 - Examinando a orao / 30 17 - Recorda Jesus / 32 18 - Jesus e kardec / 33 19 - Orao da Caridade aos companheiros da Terra / 36 20 Poder / 38

3

Amigo leitor. Foi um simpsio formado de amigos. Cada qual sugerindo determinada abertura de caminhos espirituais,

destinados a auxiliar a comunidade humana. Comentou-se o trabalho da assistncia social; de preveno contra

acidentes; do apoio de urgncia penria desvalida; de proteo infncia; de auxlio a idosos desamparados; da extino dos processos de violncia; do socorro s vtimas das enfermidades contagiosas; de amparo aos doentes sanatorizados e de liberao e alvio dos obsidiados.

* Ao termo das tarefas, um amigo me observou: - A nossa reunio parece ter sido um trevo de idias. Estradas

abertas para diversos rumos, planos de ao, considerando diversos objetivos... Concordamos.

* E tanta originalidade encontramos na imagem do companheiro, que

neste nosso despretensioso livro de reflexes e de notas colocamos no frontispcio:

- Trevo de Idias. Emmanuel

Uberaba, 28 de fevereiro de 1987

4

1

VONTADE E DESTINO Tudo est matematicamente dosado nas formaes da natureza,

entretanto, as leis divinas estabelecem que a vontade consciente da criatura tome os ingredientes do mundo, com a possibilidade constante de tudo alterar, modificar, fazer e refazer, construir e reconstruir nas trilhas da existncia.

* Nitroglicerina e matria silicosa constituem a dinamite, capaz de

efetuar depredaes e arrasamentos, mas, se o homem lhe controla as exploses, nela encontra valioso auxiliar de servio.

* Ferro e carbono, habilmente conjugados, compem o ao comum

que tanto satisfaz na prtica belicista, como atende na base da indstria ou na garantia da construo.

* Lama e detrito criam o charco; no entanto, se algum lhe aplica

drenagem conveniente, ei-lo que se converte em celeiro de po. *

A laranjeira rstica estende pomos azedos, contudo, se recebe enxertia adequada, esparze larga cpia de frutos suculentos.

* Assim tambm o destino. Culpa e resgate somam dificuldade e dor, mas se empregamos f

viva em nossa capacidade de realizar o melhor, aceitando o sofrimento por recurso de correo e aprimoramento, ainda mesmo na sombra do

5

extremo infortnio, podemos traar o caminho da paz e acender a chama da elevao.

6

2

SAIBAMOS ESPERAR

Na maioria das vezes, aquilo que nomeamos como sendo

"ingratido" nos outros no passa de desespero e rebelio em ns mesmos.

* Lamentar decepes e desenganos, quase sempre, significa desertar

de nossas prprias tarefas, atravs da expectativa injustificvel, quanto alheia cooperao.

* Recorda a bno do tempo e convence-te de que a vitria a

construo daqueles que sabem esperar. *

Vejamos a lio das coisas simples na esfera da natureza... *

A erva tenra no pode ser acusada pela ausncia do fruto. *

A charco menosprezado no consegue, de improviso, responder aos imperativos da sementeira.

* O charco menosprezado no consegue, de improviso, responder aos

imperativos da sementeira. *

A pea derretida ao calor da forja no dispe de recursos para atender, de imediato, a exigncia domestica.

* Pomicultores, semeadores e artfices sabem aguardar a hora justa,

em que o grelo frgil converter-se- em tronco amigo, em que o

7

pntano ressurgir como leira frtil e em que o minrio no braseiro estar convertido em apetrecho do lar, mas nem por isso demoram-se em atitude preguiosa ou inoperante.

Adubam a planta, drenam a terra sacrificada e prestam eficiente auxlio bigorna esfogueante.

* No peas, assim, dos outros, pensamentos, palavras e atos que

ainda no sejam capazes de produzir. *

Se tens raciocnio e sentimento para sondar-lhes as chagas e as fraquezas, aprende a auxili-los com segurana para que te correspondam aos programas de trabalho e aos anseios de amor.

* Cristo, alm da cruz, no se deteve a chorar pela defeco dos

companheiros queridos, e sim valeu-se do tempo para restitu-los ao servio do bem e reajust-los na prpria f.

* No te percas na neblina enregelante das lgrimas vazias e inteis.

* Trabalhemos infatigavelmente, na bno do hoje, para que se erga

mais alta, em nosso caminho, a bno do amanh.

8

3

AUXILIE SEMPRE

No desesperes, nas trevas da noite, ainda mesmo quando o frio da adversidade te fira o corao.

* Foge da nuvem que te obscurece o entendimento e escuta as

aflies a se alongarem, junto de ti... *

Aqui, percebers os que soluam nas grades da dor e da morte, os que gemem nas garras da delinqncia, os que foram mutilados no bero, os que jazem no catre do infortnio e abandonados estendem-te as mos que a fome aoita; alm, mes infelizes e crianas sem lar te mostram faces lvidas!...

* Por que o desnimo e a desero, quando ainda podes auxiliar?

* Trazes, possivelmente, o corao em chaga aberta, mas possuis

mente clara e braos livres. *

Recorda que uma frase de boa vontade e um sorriso fraterno podem fazer sol e paz em muitas vidas.

* Consola, e a consolao aos outros se far msica adentro de tua

prpria alma. *

Levanta os cados e sers sustentado. *

9

Reparte o teu po com amor e o amor do prximo abenoar o po

que te alimenta. *

Atravs das prprias lgrimas, inflama a alegria no peito dos semelhantes e a alegria que acenderes te aquecer o peito glido.

* Ora no silncio da coragem, contemplando as estrelas que

fulguraram, alm da sombra... *

Todo nevoeiro chega e passa. *

Em breves horas raiar outro dia. *

E as migalhas do bem que tiveres semeado ser-te-o farta colheita de luz...

* Auxilia sem perguntar, auxilia e segue, auxilia sempre...

* Lembra-te de que o Divino Mestre passou pela Terra, amparando e

perdoando, auxiliando e servindo, e, nas horas derradeiras do seu Apostolado de Amor e Luz, aceitou o sacrifcio e a morte na cruz, flagelado e aparentemente vencido, mas de braos abertos.

10

4

S TU QUEM AME

No esperes pela ofensa de quem ainda te no pode compreender

para exercitares o perdo. *

Reconcilia-te com a vida, com as leis que te regem, com os irmos de experincia que seguem ao teu lado, cada dia.

* Cessemos a produo da crtica envenenada, apaguemos os

impulsos de destruio, emudeamos a palavra amarga, afastemo-nos em definitivo, da injria, da maldade, da ingratido.

* No bastam afirmativas labiais de bondade.

* No valem promessas constantemente adiadas de apaziguamento e

colaborao. *

indispensvel pensar e agir em termos de amor, confiando alma e corao fraternidade.

* Algum nos desatende? Prossigamos servindo.

* H quem nos atire espinhos da indiferena? Avancemos no plantio

do bem. *

Se o clima social no nos favorece, saibamos favorec-lo com a reafirmao de nossos testemunhos de trabalho incessante, no culto da conscincia reta.

11

*

Se a instituio a que pretendemos auxiliar no nos estende o concurso sincero, faamos silncio e continuemos oferecendo o melhor de ns mesmos aos companheiros de ideal.

* Apaguemos a fogueia do dio em nossas manifestaes

verbalsticas e acendamos a luz da solidariedade para com todos, a fim de que nosso passo seja til na senda de nossos semelhantes.

* O mundo est repleto de censores, de juzes gratuitos, de gnios da

sombra, invariavelmente prontos a atacar e perturbar, de petroleiros da discrdia e da separao! ...

* S tu quem auxilie, quem encoraje a esperana, quem aclare o

caminho e quem estende sobre a vida o manto da paz, e ters brilhando sobre ti a luz do Mestre Divino, que, em se imolando, por amor, na cruz do sacrifcio, reconciliou o transviado homem da Terra com a Luz Celestial.

12

5

QUEM AMA

Quem ama, onde estiver, Serve sem perguntar. Trabalha o quanto pode Na construo do bem. Encontra, em qualquer parte, Companheiros e irmos. No se isola, convive. No reprova, perdoa. Aprende a se omitir, Dando valor aos outros. Quem ama reina sempre, Porque reina com Deus.

13

6

NO TEMAS Dar receber. Morrer reviver. Auxlio crescimento. No procures reter os dons que o Senhor te confiou, a fim de que

no sofras o desastre da estagnao. O poo fechado cova de vermes. A enxada que se distancia do servio vtima da ferrugem. A semente que foge luz desaparece nas profundezas do solo. O ouro escondido, com receio do progresso, o purgatrio da

avareza. Necessrio saber auxiliar para sermos naturalmente auxiliados. Quase sempre perdendo para a existncia efmera que lucramos

para o esprito imperecvel. Sacrificando-nos, encontramos a prpria elevao. Estejamos certos de que o esforo e o suor aparecem na base dos

mnimos setores da civilizao, e o mundo, em verdade, somente persevera atravs do crebro, dos braos e das palavras daqueles que elegerem o ideal de servir por norma de ao comum, na romagem da Terra para o Cu.

No temas o sofrimento, a dificuldade, o desengano e a sombra. Recorda que a cruz do Cristo era condenao e morte, no dia do

Calvrio, mas, logo aps, em breves horas, converteu-se em libertao e triunfo para o mundo inteiro.

14

7

NA TRILHA DA PAZ A arte mais sublime da vida o amor, capaz de plasmar em nossa

conscincia a paz imperturbvel, desde que estendamos a famlia a parentes, amigos, humanidade e, enfim, a Deus, nosso Pai.

A verdadeira trilha da paz, atravs dos nossos passos, est na importncia do sentimento, do pensamento, da palavra, do gesto, da conduta, para que a paz atinja a maior extenso do reino da harmonia e de amor entre as criaturas.

Para dissipar as intolerncias, intemperanas, vaidades e outros sentimentos egosticos, cada um de ns tem de colocar as armas fraternais na nossa atitude, tanto no lar como no trabalho, para que haja concrdia no ambiente pois, assim, outras virtudes aparecem por fora cio Amor. As intolerncias pessoais somente levam discrdia, depreciao de sentimentos, ao desequilbrio, o que leva a perder a essncia do bom senso, da verdadeira alegria e da paz no corao.

Indispensvel abrir o corao bondade, o crebro compreenso, a existncia ao trabalho, o passo ao bem, o verbo fraternidade! Ento, sejamos fraternos para com todos, no dia-a-dia, sem preconceitos, e os nossos sentimentos sero fecundados na beno da paz!

Fcil dizer que somos imperfeitos diante da evoluo espiritual; no entanto, todos ns sofremos e temos a fonte viva do amor, l no fundo, como seiva to natural para o burilamento ntimo, que nos d foras para superar as vicissitudes da vida e compreender e auxiliar, no que for possvel, o nosso prximo. Ento, deixemos fora da trilha da paz o orgulho que cega o raciocnio e desequilibra o sentimento, desalentando a nossa conduta.

15

Com amor, cativamos a paz imperturbvel na conscincia, desde que atendamos com respeito os coraes que nos cercam. E no nos esqueamos do sorriso nos lbios, porque abre o caminho para o entusiasmo de viver, plasmando, com f e gratido, a bondade de Deus!

16

8

PERSONALIDADE MEDINICA Orientao para desenvolvimento medinico esclarecimento

solicitado s dezenas. *

Justo ponderar que, se a mediunidade pode ser definida em seus caractersticos gerais, cada mdium um instrumento por si, reclamando diferentes medidas de educao.

* Assim como o avio, at certo ponto, depende da inteligncia que o

dirige, at certo limite, a mediunidade depende do mdium. *

Observe em cada medianeiro dos espritos as impropriedades de que se veja portador e busque suprimi-las com sinceridade, melhorando os prprios recursos de ligao com os Instrutores Espirituais, a fim de interpret-los devidamente.

* Por preceitos atribuveis conduta de qualquer mdium esprita,

enumeremos alguns daqueles de que nenhum se afastar sem desvincular-se das influncias edificantes:

acolher os talentos medinicos de que seja depositrio, com a responsabilidade de quem recolhe determinados valores dos quais prestar contas no momento oportuno;

cultivar a prtica medinica, situando-a, acima de tudo, em construes morais de consolo e esperana, instruo e beneficncia;

consagrar-se ao estudo, entesourando discernimento; zelar pela sade do corpo fsico;

17

praticar a higiene mental, evitando qualquer induo irritabilidade e malcia;

atender ao exato desempenho dos deveres que abraou; devotar-se ao prprio equilbrio; auxiliar sem a pretenso de convencer; respeitar a seara de servio que lhe foi confiada; e fugir de suscetibilidades, aceitando o sofrimento e a crtica por

agentes naturais e indispensveis ao burilamento das faculdades que lhe digam respeito.

* Decerto que, no aperfeioamento medinico, preciso que se faa

sempre mais e mais esforo nos domnios da elevao; no entanto, apenas nos reportamos aos pontos indicados para considerar que, se necessrio especializar o trabalhador para garantir o rendimento da mquina, imprescindvel construir a personalidade medinica, a fim de que a mediunidade apresente todo o bem que seja capaz de produzir.

18

9

SINAIS DE LUZ

"Aceitar a existncia, Melhorando a ns mesmos; Cumprir a obrigao Que o momento nos mostra; Trabalhar e servir Sem reclamar louvores; Receber agresses Desculpando-as sem queixas; Nunca desanimar Na prtica do bem; Eis alguns sinais Da Presena de Deus."

19

10

OURO ALM DA MORTE A influncia do ouro no termina no p do sepulcro, arremessando

no caminho daqueles que o possuram a faixa libertadora da luz ou o rastilho escravizante da sombra.

* Para os pais amorosos que o despenderam na educao dos filhos,

bno de alegria, conservando-os em paz; no entanto, para aqueles que o retiveram, em regime de avareza, envenenando a prole com a febre da ambio, ferrete de injria, a algemar-lhes o ser na cobia domstica sobre a lama do mundo.

* Para quem o gastou, amparando a carncia, flama de beleza a

indicar-lhe o roteiro para o esplendor solar; todavia, para quem o investiu no prazer vicioso amarga lembrana, atormentando-lhe as horas.

* Para quem o elevou ao socorro espontneo criana infeliz e ao

doente sem lar, prece de consolo a exaltar-lhe a esperana; entretanto, para aquele que o exigiu das mos de vivas e enfermos, agravando na estrada as dores alheias, transforma-se, de chofre, em pesadelo plasmando o remorso em que passa a viver.

* Todos os bens da vida so pertences do Pai e tudo usufrumos por

emprstimos de amor.

20

No olvides que todos os recursos que hoje nos felicitam constituem talentos da Infinita Bondade, que nos segue, de perto, as decises e os passos, multiplicando concesses e favores ao nosso impulso firme na direo do bem, mas cobrando-nos sempre, pelas mos da justia, a conta de nossos desajustes, quando no abuso pleno da proteo celeste segregamos os tesouros de Deus no azinhavre do orgulho ou nas trevas do mal.

21

11

PERDOA E VIVERS Algum te haver ofendido, entretanto, se no perdoas a esse

algum, criars em ti mesmo as desvantagens do ressentimento, que se te condensaro na prpria alma, por determinado ponto enfermio.

* Antes de qualquer atitude contra o suposto ofensor, considera que,

provavelmente, no ter ele tido qualquer inteno de ferir-te e talvez at mesmo ignore qualquer tpico alusivo ao assunto que te aborrece.

* Concentrando a mgoa contigo, predispors alma e corpo doena

e ao desequilbrio. *

Ainda que no queiras, o ressentimento por ti acalentado estender sombra e pesar, no ambiente em que vives, atingindo aqueles que mais amas.

* Pessoa alguma consegue prever os males que surgiro nos entes

queridos quando se deixam possuir pelo azedume. *

Recorda que amanh, possvel que estejas necessitando do perdo de teu imaginrio ofensor, por faltas mais graves que hajas cometido em momentos de exagerada impulsividade.

* Quando no seja em teu prprio favor, talvez chegue o dia, no qual

as circunstncias te aproximaro desse ou daquele desafeto, a fim de rogar apoio, a benefcio de criaturas do teu prprio crculo familiar.

22

* Lembra-te, nas crises da vida, de que o ressentimento nunca rendeu

paz ou felicidade para ningum. *

O perdo liberta sempre e restaura, em qualquer tempo, as oportunidades favorveis nossa marcha nas trilhas da experincia, para que venhamos a descobrir o Reino de Deus que existe e palpita em nos mesmos.

* Eis por que Jesus recomendou-nos a todos, atravs do Apstolo:

Perdoa no sete vezes, mas setenta vezes sete, o que equivale a dizer: Perdoa e realmente viveras.

23

12

PALAVRA E ORAO No olvides que a boa palavra combustvel de amor para que a

chama da prece te clareie o caminho. *

Guarda-a contigo por talento da caridade e a simpatia da vida prestigiar-te- todas as peties.

* Em casa, ser o po de alegria com que entreters a confiana na

lareira domstica. *

Na via pblica, angariar-te- o socorro da gentileza para que teu passo seja mantido com segurana.

* Junto aos amigos, dar-te- de retorno o estmulo ao trabalho que o

mundo te solicita desempenhar. *

Perante os adversrios, transformar-se- em respeito e admirao no nimo de quantos ainda te no possam compreender.

* Ante o ministrio pblico dos que foram chamados a administrar,

ser-te- nota de crdito e gratido na justia que pede o amparo e o entendimento de todos.

* Lembra-te de que a palavra edificante ser sempre doao de teu

pensamento e de tua boca, beneficiando a senda em que transites, e,

24

seja ensinando nas assemblias ou conversando na intimidade, omite toda a imagem do mal para que o bem reine sempre.

* A frase construtiva e generosa princpio de soluo nos mais

complicados processos de sofrimento. *

Unge o dom de falar no blsamo que lhe flui da faculdade de levantar e servir, e a tua orao, quando proferida, influenciar todas as almas que te partilham a marcha, feio de luz fendendo o espao em raio ascendente de esperana, para trazer-te a resposta do Cu, por intermdio daqueles que te acompanham, com a fora da realizao e com a suavidade da bno.

25

13

PERDO E LIBERDADE Aprendamos a perdoar, conquistando a liberdade de servir.

* E imprescindvel esquecer o mal para que o bem se efetue.

* Onde trabalhes, guarda o entendimento fraterno, a fim de que a

sombra no te algeme o esprito ao desespero. *

Onde estiveres e onde fores, lembra-te do perdo incondicional, para que o auxlio dos outros te assegure paz vida.

* indispensvel que a compreenso reine hoje entre ns, para que

amanh no estejamos encarcerados na rede das trevas. *

A morte no libertao pura e simples. *

Desencarnar-se a alma do corpo no exonerar-se dos sentimentos que lhe so prprios. Muitos conduzem consigo, alm-tmulo, uma taa de fel envenenado com que aniquilam os melhores sonhos dos que ficaram na Terra, e muitos dos que ficam na Terra conservam consigo no corao um vaso de fogo vivo com que destroem as melhores esperanas dos que demandam o cinzento portal do tmulo.

* No procures para tua alma o inferno invisvel do dio.

*

26

Acomoda-te com o adversrio ainda hoje, procurando entend-lo e servi-lo, para que amanh no te matricules em aflitivas contendas com foras ocultas.

* Transferir a reconciliao para o caminho da morte atormentar o

caminho da prpria vida. *

Desculpa sempre, reconhecendo que no prescindimos da pacincia alheia.

* Nem sempre somos ns a vtima real, de vez que, por atitudes

imanifestas, induzimos o prximo a agir contra ns convertendo-nos, ante os tribunais da Justia Divina, em autores, intelectuais dos delitos que passamos a lamentar indebitamente.

* Toda intolerncia violncia.

* Toda aspereza avinagrada crueldade.

* Quase sempre, a crtica corrosivo do bem, tanto quanto a

acusao habitualmente, um chicote de brasas. *

E sabendo que encontraremos na estrada a projeo de ns mesmos, conservemos o perdo por defensor de nossa liberdade, ajudando agora para que no sejamos desajudados depois.

27

14

A CARNE FRACA?

"Se vivemos em esprito, andemos tambm em esprito." - Paulo (Glatas, 5:25) Quase sempre, quando se fala de espiritualidade, apresentam-se

muitas pessoas que se queixam das exigncias da carne. *

verdade que os apstolos muitas vezes falaram de concupiscncias do corpo, de seus impulsos e desejos nocivos.

* Ns mesmos, freqentemente, nos sentimos na necessidade de

aproveitar o smbolo para tornar mais acessveis as lies do Evangelho. O prprio Mestre figurou que o esprito, como elemento divino, forte, mas que a carne, como expresso humana, fraca.

* Entretanto, que a carne? Cada personalidade espiritual tem o seu corpo fludico, e ainda no

percebestes, porventura, que a carne um composto de fluidos condensados?

Naturalmente, esses fluidos, em se reunindo, obedecero aos imperativos da existncia terrestre, no que designais por lei de hereditariedade; mas esse conjunto passivo e no determina por si.

Podemos figur-lo na condio de casa terrestre, na qual o esprito dirigente, habitao essa que tomar as caractersticas boas ou ms do possuidor.

*

28

Quando falamos em erros da carne, podemos traduzir a expresso por faltas devidas posio inferior do homem espiritual sobre o Planeta.

* Os desejos aviltantes, os impulsos deprimentes, a ingratido, a m

f, o trao do traidor, nunca foram da carne. *

E preciso que se instale no homem a compreenso da necessidade de autodomnio, acordando-lhe as faculdades de disciplinados e renovador de si mesmo, em Jesus Cristo.

* Um dos maiores absurdos de alguns discpulos atribuir ao

conjunto de clulas passivas, que servem ao homem, a paternidade dos delitos da Terra, quando sabemos que tudo precede das escolhas e decises do Esprito.

29

15

TOLERNCIA

O trabalho edifica. A solidariedade aperfeioa. A tolerncia eleva.

* Trabalhando, melhoraremos a ns mesmos. Solidarizando-nos, enriqueceremos o mundo. Tolerando-nos engrandeceremos a vida.

* Para trabalhar, com xito, necessrio obedecer lei. Para solidarizar-nos, com proveito, indispensvel compreender o

bem e cultiv-lo. Para tolerar-nos, em sentido construtivo, imprescindvel amar.

* Em vista disso, o Mestre dos Mestres, h quase dois milnios,

afirmou para o mundo: Meu Pai trabalha, at hoje, e eu trabalho tambm. Estarei convosco at o fim dos sculos. Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei.

* Trabalhemos, construindo. Solidarizemo-nos, beneficiando. Toleremo-nos, amando sempre.

* Vinculada aos fundamentos da Verdade, a sublime trilogia de Allan

Kardec plataforma permanente, em nossos crculos doutrinrios, constituindo lema substancial que no pode empalidecer.

30

16

EXAMINANDO A ORAO Muitas vezes, clamars, desconsoladamente: - Orei, suplicando para que a morte no me invadisse o lar, e a

morte destruiu-me a esperana e esfacelou-me o corao... - Supliquei ao Cu para que determinados acontecimentos no me

conturbassem a marcha, e os acontecimentos temidos desabaram sobre mim quais tempestades arrasadoras.

- Roguei ao Alto para que a molstia me abandonasse o corpo, e a enfermidade me corri a existncia...

E, quase sempre, substituis a claridade da confiana pela sombra do desespero, qual se a Terra devesse obedecer aos nossos caprichos.

* Imagina, no entanto, o que seria da vida se todos ns

alcanssemos satisfao imediata dos mnimos desejos, e reconhecers que o desequilbrio e o infortnio campeariam em todas as direes.

* Foi por isso que Jesus, antes de tudo, na orao dominical, ensinou-

nos a louvar a Sabedoria e a Providncia do Todo-Misericordioso, com a nossa integral rendio aos seus desgnios.

* No abandones a prece, sob o pretexto de cansao e desiluso.

* Ora sempre, mas aprende a pedir ombros fortes ao invs de rogar o

afastamento da cruz que te conduzir para a luz da sublimao. *

31

Sobretudo, entendamos que, embora a palavra impossvel no exista para a Bondade de Deus, a orao deve ser adotada por ns na condio de luz a clarear-nos por dentro, sem que venhamos a guardar com ela a presuno de alterar as circunstncias exteriores.

* Lembremo-nos de que a prece pode sanar a cegueira e a paralisia, a

surdez e a cadaverizao de nossas almas, e qual acontece ao enfermo que v modificar-se a vida e o mundo, ante a bno da prpria cura, o esprito transformado pela orao pode encontrar nas tribulaes que inadvertidamente criou para si mesmo o abenoado caminho da ascenso aos Altos Cus.

32

17

RECORDA JESUS Se queres paz contigo, No olvides Jesus. Onde estivesse, andava Sob enormes problemas. Viveu servindo aos outros Suportando inimigos. Se achou algum descanso Foi somente em si prprio. At para morrer No encontrou lugar; Pois, foi alado cruz Que ele mesmo arrastou.

33

18

JESUS E KARDEC Ante a Revelao Divina, assevera Jesus: - Eu no vim destruir a Lei. E reafirma Allan Kardec: - Tambm o Espiritismo diz: - no venho destruir a lei crist, mas

dar-lhe execuo. *

Perante a grandeza da vida, exclama o Divino Mestre: - H muitas moradas na casa de meu Pai. E Allan Kardec acentua: - A casa do Pai o Universo. As diferentes moradas so os

mundos que circulam no espao infinito e oferecem aos Espritos, que neles reencarnam, moradas correspondentes ao adiantamento que lhes prprio.

* Exalando a lei de amor que rege o destino de todas as criaturas,

advertiu-nos o Senhor: - Amai-vos uns aos outros como eu vos amei. E Allan Kardec proclama: - Fora da caridade no h salvao.

* Destacando a necessidade de progresso para o conhecimento e para

a virtude, recomenda o Cristo: - No oculteis a candeia sob o alqueire. E Allan Kardec acrescenta:

34

- Para ser proveitosa, tem a f que ser ativa; no deve entorpecer-se.

* Encarecendo o imperativo do esforo prprio, sentencia o Senhor: - Buscai e achareis. E Allan Kardec dispe: - Ajuda a ti mesmo que o Cu te ajudar. Salientando o impositivo da educao, disse o Excelso Orientador: - Sede perfeitos como perfeito o vosso Pai Celestial. E Allan Kardec adiciona: - Reconhece-se o verdadeiro esprita pela sua transformao moral

e pelos esforos que emprega para domar as inclinaes infelizes. *

Enaltecendo o esprito de servio, notificou o Eterno Amigo: - "Meu Pai trabalha at hoje e eu trabalho tambm" E Allan Kardec confirma: - Se Deus houvesse isentado o homem do trabalho corpreo, seus

membros ter-se-iam atrofiado, e, se o houvesse isentado do trabalho da inteligncia, seu esprito teria permanecido na infncia, no estado de instinto animal.

* Louvando a responsabilidade, ponderou o Senhor: - Muito se pedir a quem muito recebeu. E Allan Kardec conclui: - Aos espritas muito ser pedido, porque muito ho recebido.

* Exaltando a filosofia da evoluo, atravs das existncias

numerosas que nos aperfeioam o ser, na reencarnao necessria, esclarece o Excelso Instrutor:

- Ningum poder ver o Reino de Deus se no nascer de novo.

35

E Allan Kardec conclama: - Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal a

lei. *

Consagrando a elevada misso da verdadeira cincia, avisa o Mestre dos Mestres:

- Conhecereis a verdade e a verdade vos far livres. E Allan Kardec anuncia: - F inabalvel s aquela que pode encarar a razo face a face.

* To extremamente identificado com o Mestre Divino surge o

Apstolo da Codificao, que os augustos mensageiros, que lhe supervisionam a obra, foram positivos nesta sntese que recolhemos da Resposta Pergunta nmero 627, em O Livro dos Espritos:

- Estamos incumbidos de preparar o Reino do Bem que Jesus anunciou.

* Eis por que, ante o primeiro centenrio das pginas basilares da

Codificao, saudamos no Espiritismo Chama da F Viva a resplender sobre o combustvel da Filosofia e da Cincia o Cristianismo Restaurado ou a Religio do Amor e da Sabedoria, que, partindo do Esprito Sublime de Nosso Senhor Jesus Cristo, encontrou em Allan Kardec o fiel refletor para a libertao e ascenso da Humanidade inteira.

36

19

ORAO DA CARIDADE AOS COMPANHEIROS DA TERRA

Meu amigo da caridade, que situaste a fora em meu campo de luz,

ampara-me os servios, em favor da humanidade. *

No me relegues esfera da palavra sem ao. *

Coloca-me em teus braos, para que a solidariedade entre as criaturas no seja simplesmente um mito sonoro.

* Auxilia-me com os teus ouvidos e assinala as canes de renovao

e jbilo que a imortalidade espalha, em toda parte, transmitindo-as, atravs da bondade permanente, aos que caram deserdados de esperana.

* Colabora comigo, no s para que a mensagem do Infinito Bem

alcance os ngulos mais remotos da Terra, mas que se concretize igualmente em obras de progresso e concrdia, na experincia dos semelhantes.

* Estarei contigo na lio que estudas, na rvore que plantas, na flor

que ofereces na festa da amizade. *

37

Em meu nome, estende o po que sacie o corpo, entretanto, no olvides o abrao de simpatia e compreenso em que os nossos princpios devem expandir-se.

* A boa palavra, o sorriso de entendimento, o apoio irmo

constituem sublimes recursos de nosso apostolado. Singelos de inicio, crescem e se multiplicam por bendito oxignio do estimulo, regenerando a existncia onde os seus fundamentos foram esquecidos pela ignorncia.

* A vida um cntico em todos os lugares. Cada ser uma nota de Sinfonia Universal.

* No firas a harmonia com a maldade ou com o lamento.

* Lembra-te da varonilidade e da alegria do Mestre, que, at mesmo

na cruz, preferiu o poema do perdo. *

Encontro-me em nome dele, no mundo para auxiliar. fraternizar, recompor, melhorar, elevar e servir.

* Vamos. Preciso de companheiros do trabalho, de semeadores de

borra nimo e de amigos da renncia construtiva. *

Sigamos, materializando a luz e a beleza por onde passamos, porque, se a Sabedoria a minha bno, o Amor o meu corao.

38

20

PODER Peamos ao Senhor o poder de amar sem reclamaes, de servir sem recompensa, de compreender sem exigir compreenso para ns, de obedecer aos sublimes desgnios, de vencer as prprias imperfeies, de abenoar os que nos perseguem, de orar pelos que nos ferem e caluniam, de amparar aos que nos criticam, de estimular o bem onde se encontre, praticar a fraternidade legtima, de aproveitar todas as oportunidades da vida para a edificao do

esprito imortal.

FIM

39