UMIDADE - mipal.tempsite.wsmipal.tempsite.ws/site/wp-content/uploads/2016/02/Umidade-no... ·...

of 2 /2
CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA PRESENÇA DE UMIDADE NUM SISTEMA FRIGORÍFICO intense TECNOLOGIA E CONFIANÇA 60 anos ANO 2 Nº01 A presença de umidade em sistemas frigoríficos “SISTEMA FECHADO” provoca importantes defeitos, causando corrosão de compressores, evaporadores e válvulas e queima de compressores, inclusive fugas e obstrução de válvulas, filtros e tubulações. A umidade em um sistema de refrigeração é encontrada no refrigerante no estado vapor, na fase líquida do refrigerante como também emulsionada no óleo lubrificante. Ela é deslocada pelo compressor através do arraste do fluído refrigerante. A umidade concentrada no lado de baixa pressão acarretará como consequência a obstrução do tubo capilar ou da válvula de expansão. Misturada com o óleo, se acomodará em vãos entre elementos mecânicos, como por exemplo, na união entre duas tubulações, em conexões de componentes ou abaixo de uma união por solda. A água, por ser o único elemento da natureza que ao congelar (solidificação) sofre aumento de volume (redução de densidade), se aprisionada, poderá promover deformações, deslocamentos, movimentos, desconexões e estiramento de materiais, chegando até a causar rompimentos e provocando trincas e fugas, principalmente pela característica de todo processo frigorífico ser cíclico e, portanto, cumulativo. Devido aos efeitos indesejados provocados pela presença de umidade em sistemas frigoríficos, deve-se lançar mão das boas práticas em refrigeração desde o projeto, incluindo desumidificadores eficazes e indicadores de umidade, bem como boas práticas no processo de instalação, assegurando a total isenção de umidade. O óleo lubrificante combinado com a umidade poderá sofrer decomposição e a formação de ácidos induzindo a importantes processos de corrosão. Atenção especial deve ser dispensada ao seu manuseio e armazenamento. Para detecção e remoção da umidade, principalmente em instalações grandes com montagem de duração de vários dias, aconselha-se a “lavagem do sistema” com nitrogênio (N2). Recomenda-se, por exemplo, o procedimento de “lavagem do sistema” abaixo descrito, dentre vários válidos: • Fixe duas tomadas para acoplamento de mangueira em qualquer lugar da rede de tubulações, uma antes e outra depois de um registro de serviço. Este registro deve ser mantido na posição ”fechada” e todos os demais obturadores de linha como solenoides, válvulas e obturadores de fluxo deverão ser mantidos na posição “aberta”. • Ajuste o regulador de pressão de Nitrogênio à baixíssima vazão introduzindo NITROGÊNIO por uma das mangueiras, promovendo escoamento muito leve para a atmosfera pela outra tomada citada. À essa saída acopla- se um visor de líquido com indicador de umidade seguido de válvula de retenção (CHV-X 15 ou similar). Manter o escoamento continuado durante um período mínimo de 12 h. Ao fim desse período verifica-se a cor do visor. Caso não indique ausência de umidade, prossiga com o procedimento até indicação de seco do visor. Detectando a presença de umidade num sistema frigorífico Detecção e remoção da umidade ao término da montagem

Embed Size (px)

Transcript of UMIDADE - mipal.tempsite.wsmipal.tempsite.ws/site/wp-content/uploads/2016/02/Umidade-no... ·...

  • CAUSAS E CONSEQUNCIAS DA PRESENA DE UMIDADE NUM SISTEMA FRIGORFICO

    intense

    TECNOLOGIA E CONFIANA60anos

    ANO 2 N01

    A presena de umidade em sistemas frigorficos SISTEMA FECHADO provoca importantes defeitos, causando

    corroso de compressores, evaporadores e vlvulas e queima de compressores, inclusive fugas e obstruo de

    vlvulas, filtros e tubulaes. A umidade em um sistema de refrigerao encontrada no refrigerante no estado

    vapor, na fase lquida do refrigerante como tambm emulsionada no leo lubrificante. Ela deslocada pelo

    compressor atravs do arraste do fludo refrigerante.

    A umidade concentrada no lado de baixa presso acarretar como consequncia a obstruo do tubo capilar ou

    da vlvula de expanso. Misturada com o leo, se acomodar em vos entre elementos mecnicos, como por

    exemplo, na unio entre duas tubulaes, em conexes de componentes ou abaixo de uma unio por solda.

    A gua, por ser o nico elemento da natureza que ao congelar (solidificao) sofre aumento de volume (reduo de

    densidade), se aprisionada, poder promover deformaes, deslocamentos, movimentos, desconexes e

    estiramento de materiais, chegando at a causar rompimentos e provocando trincas e fugas, principalmente pela

    caracterstica de todo processo frigorfico ser cclico e, portanto, cumulativo.

    Devido aos efeitos indesejados provocados pela presena de umidade em sistemas frigorficos, deve-se lanar mo

    das boas prticas em refrigerao desde o projeto, incluindo desumidificadores eficazes e indicadores de umidade,

    bem como boas prticas no processo de instalao, assegurando a total iseno de umidade.

    O leo lubrificante combinado com a umidade poder sofrer decomposio e a formao de cidos induzindo a

    importantes processos de corroso. Ateno especial deve ser dispensada ao seu manuseio e armazenamento.

    Para deteco e remoo da umidade, principalmente em instalaes grandes com montagem de durao de

    vrios dias, aconselha-se a lavagem do sistema com nitrognio (N2).

    Recomenda-se, por exemplo, o procedimento de lavagem do sistema abaixo descrito, dentre vrios vlidos:

    Fixe duas tomadas para acoplamento de mangueira em qualquer lugar da rede de tubulaes, uma antes

    e outra depois de um registro de servio. Este registro deve ser mantido na posio fechada e todos os demais

    obturadores de linha como solenoides, vlvulas e obturadores de fluxo devero ser mantidos na posio aberta.

    Ajuste o regulador de presso de Nitrognio baixssima vazo introduzindo NITROGNIO por uma das

    mangueiras, promovendo escoamento muito leve para a atmosfera pela outra tomada citada. essa sada acopla-

    se um visor de lquido com indicador de umidade seguido de vlvula de reteno (CHV-X 15 ou similar). Manter o

    escoamento continuado durante um perodo mnimo de 12 h. Ao fim desse perodo verifica-se a cor do visor. Caso

    no indique ausncia de umidade, prossiga com o procedimento at indicao de seco do visor.

    Detectando a presena de umidade num sistema frigorfico

    Deteco e remoo da umidade ao trmino da montagem

  • CAUSAS E CONSEQUNCIAS DA PRESENA DE UMIDADE NUM SISTEMA FRIGORFICO

    intense

    TECNOLOGIA E CONFIANA60anos

    ANO 2 N01

    mipaloficialmipalblog.blogspot.com.br mipal.com.brplus.google/+mipal oficialmipal [email protected](11) 4409-0500

    Deteco e remoo da umidade num sistema frigorfico em operao

    Causas da umidade num sistema frigorfico

    Remoo da umidade do refrigerante

    Um dos meios de se detectar a presena de umidade num sistema atravs da anlise do leo lubrificante do

    compressor. Deve-se retirar uma amostra de leo e envi-lo a um laboratrio especializado em anlise de leo. A

    quantidade de umidade contida no leo no dever exceder 50 ppm (partes por milho).

    A principal causa ou fonte de contaminao por umidade representada pelo ar introduzido no sistema pela

    abertura da instalao para manuteno ou durante sua montagem. Outra forma de introduo de umidade no

    sistema so os leos refrigerantes inadequadamente estocados, manuseados e usados como substituio do leo do

    compressor. Isso poder ser evitado seguindo-se as recomendaes dos fabricantes de compressores em relao

    utilizao correta do leo ao realizar sua troca peridica ou para reposio de perdas.

    Sem mtodos apropriados de evacuao e desidratao do sistema frigorfico, quantidade suficiente de gua para

    induzir a corroso e acelerar a formao de outras formas de contaminao descritas anteriormente, poder

    permanecer nas linhas de refrigerante. Alm da anlise da quantidade de gua contida no leo, a umidade

    tambm poder ser detectada pelo emprego de visor de lquido com indicador de umidade, instalado na linha de

    lquido.

    Desumidificao do refrigerante Em situaes nas quais o fluido frigorfico est contaminado por umidade, aps

    identificadas as suas causas, como orientao, pode-se considerar dois processos: a desumidificaco do sistema

    atravs da substituio dos filtros secadores e, o outro, atravs da retirada do refrigerante com posterior

    descontaminao do sistema seguindo da recarga.

    1- O primeiro, implica na substituio do leo do compressor e a desumidificaco do sistema se faz atravs da

    substituio dos filtros secadores at que se atinja o nvel aceitvel de pureza, indicado no visor de lquido.

    2- O segundo, atravs da retirada do refrigerante e do leo do sistema, seguido pelo procedimento de

    desumidificao do sistema, para posterior recarga de leo e de refrigerante. O recolhimento pode ser realizado nas

    fases lquida ou gasosa. O refrigerante recolhido, dependendo das suas condies, pode ser tratado (reciclado ou

    regenerado) para posterior reutilizao ou segregado para posterior descarte. Recomenda-se, tambm neste caso,

    que sejam utilizados filtros secadores e monitoramento da umidade atravs do visor de lquido.

    Leitura recomenda:

    Anlise de irregularidades nos compressores alternativos Eng Alessandro da Silva

    http://mipal.tempsite.ws/site/wp-content/uploads/2015/12/Diagnostico-de-irregularidades-Compres-Alternativos.pdfhttp://mipal.tempsite.ws/site/wp-content/uploads/2015/12/Diagnostico-de-irregularidades-Compres-Alternativos.pdf

    Pgina 1Pgina 2