UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS E7%E3o%20... · PDF...

Click here to load reader

  • date post

    09-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    217
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS E7%E3o%20... · PDF...

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTO

CENTRO DE CINCIAS HUMANAS E NATURAIS

PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM HISTRIA SOCIAL DAS RELAES

POLTICAS

RONI TOMAZELLI

A REPRESENTAO CLERICAL DA BRUXARIA NO SCULO XV:

O LIVRO V DO FORMICARIUS, DE JOHANNES NIDER

VITRIA 2016

RONI TOMAZELLI

A REPRESENTAO CLERICAL DA BRUXARIA NO SCULO XV:

O LIVRO V DO FORMICARIUS, DE JOHANNES NIDER

Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Histria do Centro de Cincias Humanas e Naturais da Universidade Federal do Esprito Santo, como requisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em Histria, na rea de concentrao Histria Social das Relaes Polticas. Linha de Pesquisa: Representaes e Ideias Polticas Orientador: Prof. Dr. Sergio Alberto Feldman

VITRIA

2016

Dados Internacionais de Catalogao-na-publicao (CIP)(Biblioteca Central da Universidade Federal do Esprito Santo, ES, Brasil)

Tomazelli, Roni, 1991-T655r A representao clerical da bruxaria no sculo XV : o livro V

do Formicarius, de Johannes Nider / Roni Tomazelli. 2016.135 f.

Orientador: Sergio Alberto Feldman.Dissertao (Mestrado em Histria) Universidade Federal

do Esprito Santo, Centro de Cincias Humanas e Naturais.

1. Feitiaria - Sc. XV. 2. Igreja. 3. Demnio. 4. Idade Mdia - Histria. 5. Estigmatizao. I. Feldman, Srgio Alberto. II. Universidade Federal do Esprito Santo. Centro de Cincias Humanas e Naturais. III. Ttulo.

CDU: 93/99

RONI TOMAZELLI

A REPRESENTAO CLERICAL DA BRUXARIA NO SCULO XV:

O LIVRO V DO FORMICARIUS, DE JOHANNES NIDER

Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Histria do Centro de Cincias Humanas e Naturais da Universidade Federal do Esprito Santo, como requisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em Histria, na rea de concentrao Histria Social das Relaes Polticas. Aprovada em 29 de Junho de 2016.

Comisso Examinadora

__________________________________

Prof. Dr. Sergio Alberto Feldman Orientador Universidade Federal do Esprito Santo

__________________________________

Prof. Dr. Dulce Oliveira Amarante dos Santos Universidade Federal de Gois __________________________________

Prof. Dr. Gilvan Ventura da Silva Universidade Federal do Esprito Santo __________________________________

Prof. Dr. Paulo Roberto Sodr Universidade Federal do Esprito Santo

A minha me, meu porto seguro, que sempre me incentivou a perseverar.

A Maria Emlia, Ana Beatriz, Julia, Gabriela e Alam, amigos que se tornaram irmos.

AGRADECIMENTOS

Toda jornada tem um incio sereno, um meio turbulento e um fim incgnito. Na

escrita do livro da vida, rascunhamos projetos e elaboramos objetivos. No

antecipamos captulos e tampouco estabelecemos concluses antes de trilhar

sinuosos caminhos. Vivenciamos cada etapa. Damos o melhor de ns mesmos

diante da situao que se coloca a nossa frente. Ainda assim, no possumos a

clarividncia de antecipar os resultados de nossas aes. Simplesmente

executamos possibilidades passveis de sucessos e fracassos.

Ao fim de mais uma etapa da trajetria acadmica, iniciada em 2009, gostaria de

agradecer primeiramente a Deus e a minha me Ana Maria Nossa que, para alm

de me trazer ao mundo e prezar pela minha educao na presena inconstante

de uma figura paterna sempre foi exemplo e referncia concretizao de meus

objetivos. Meu porto seguro de todas as horas. Agradeo tambm aos meus

queridos amigos Maria Emlia Helmer Pimentel, Ana Beatriz Lima da Silva, Julia Ott

Dutra, Gabriela Lorenzon Matavelli e Alam Galimberti que, ao longo de todos esses

anos, permaneceram ao meu lado como verdadeira famlia.

No menos importante, presto meus mais sinceros agradecimentos ao Prof. Dr.

Sergio Alberto Feldman, grande orientador, incentivador e amigo que, desde a

graduao e a iniciao cientfica, acompanha cada passo dado nesse rduo

caminho de formao acadmica. Tantas reunies e encontros de pesquisa. Tantas

horas compartilhadas no intento de contribuir com este projeto. Muito obrigado pela

confiana depositada. Estendo estes agradecimentos ao meu estimado grupo de

pesquisa, sempre aberto ao dilogo e constante troca de conhecimentos.

Companheiros de equipe que se tornaram amigos. Agradeo infinitamente

inestimvel contribuio dos meus professores de graduao e ps-graduao:

Prof. Dr Adriana Pereira Campos, Prof. Dr. Andr Ricardo Valle Vasco Pereira,

Prof. Dr. Antonio Carlos Amador Gil, Prof. Dr. Gilvan Ventura da Silva, Prof. Dr.

Josemar Machado de Oliveira, Prof. Dr. Julio Csar Bentivoglio, Prof. Dr. Maria

Beatriz Nader, Prof. Dr. Maria da Penha Smarzaro Siqueira, Prof. Dr. Michael Alain

Soubbotnik, Prof. Dr. Patrcia Maria da Silva Merlo, Prof. Dr. Sebastio Pimentel

Franco (e a todos os demais professores, no menos importantes, que posso terer

esquecido de mencionar).

Da mesma forma, agradecimentos especiais: Prof. Dr. Luciane Munhoz de

Omena (UFG), avaliadora externa do projeto de pesquisa, que muito contribuiu para

seu desenvolvimento e sua execuo; novamente ao Prof. Dr. Gilvan Ventura da

Silva, pela fundamental e constante contribuio acadmica desde a graduao, nas

disciplinas da ps-graduao e nos exames de qualificao e defesa; e ao Prof. Dr.

Paulo Roberto Sodr, do Departamento de Lnguas e Letras da Universidade

Federal do Esprito Santo, que gentilmente aceitou o convite para participar dos

exames de qualificao e defesa, e cujas contribuies para a realizao deste

trabalho foram extremamente profcuas e edificantes. Agradeo tambm Prof. Dr.

Dulce Oliveira Amarante dos Santos (UFG), examinadora externa na defesa desta

dissertao, pela gentileza em aceitar o convite de participar da banca e contribuir

para a avaliao deste trabalho.

Por fim, gostaria de agradecer CAPES, instituio que fomentou a elaborao e a

execuo deste projeto. Na mesma medida, estendo minha gratido ao CNPQ,

fomentador ao longo dos anos de Iniciao Cientfica e ao PPGHIS da UFES pelo

apoio ao longo desses dois anos de trabalho.

Alguns chamam-me bruxa,

E sem saber de mim, metem-se a ensinar-me a ser uma;

Insistem que a minha lngua ruim (assim feita pelas ms lnguas deles)

Enfeitia seu rebanho, e de fato embruxa suas colheitas,

Eles mesmos, seus criados, e seus bebs de peito.

Isso o que me impem; e em parte

Fazem-me acreditar nisso.

Mother Sawyer (Ato II Cena I) em The Witch of Edmonton (1621) de William Rowley, Thomas Dekker e John Ford.

RESUMO

Na primeira metade do sculo XV, o telogo e reformador dominicano Johannes

Nider foi responsvel pela elaborao do Formicarius (1436-1437), tratado de forte

contedo doutrinal e moralizante. O documento se insere em um intenso movimento

de reforma da cristandade aps os percalos vivenciados pela sociedade europeia

ao longo do sculo XIV e se encontra entre os primeiros escritos a apresentar os

contornos da emergente conceituao e representao da bruxaria demonaca. Na

esteira das transformaes religiosas, culturais e sociais no ocidente medieval, as

prticas mgicas e supersticiosas, entendidas na Alta Idade Mdia como iluses

provocadas pelo diabo sobre indivduos de pouca f, receberam uma nova

caracterizao. Tais prticas, associadas ao crime de heresia, vieram a formar o

esteretipo demonaco da bruxaria. Esse novo modelo de malignidade, pautado na

crena da existncia de uma nova seita de adoradores demonacos que se reuniam

em assembleias noturnas, nas quais profanavam os smbolos e rituais do

cristianismo e cometiam as mais execrveis aes ao gnero humano, serviu como

justificao ao movimento de caa s bruxas que teve lugar entre os sculos XV e

XVII. Partimos da hiptese de que o ambiente de medo e incerteza suscitado pelas

inconstncias do sculo XIV impeliu a Igreja em uma busca incessante pela

identificao do inimigo esse, por sua vez, era encontrado ipso facto junto s

minorias medievais e dos indivduos considerados desviantes e portadores de

estigmas fsicos e morais que justificavam sua excluso. Nesse sentido, temos como

objetivo compreender melhor os mecanismos de estigmatizao das minorias

medievais no mbito dos discursos clericais de demonizao da bruxaria.

Palavras-chave: Igreja Medieval. Diabo. Bruxaria. Formicarius. Representao.

ABSTRACT

In the first half of the fifteenth century, the Dominican theologian and reformer

Johannes Nider was responsible for formulating a treaty with a strong doctrinal and

moralizing content called the Formicarius (1436-1437). The document is part of deep

reform movement of Christianity that occurred after the hardships experienced by

European society throughout the fourteenth century and is among the first writings to

present the outlines of the emerging concept and representation of demonic

witchcraft. In the wake of religious, cultural and social transformations in the Western

Europe, the magical and superstitious practices, understood in the High Middle Ages

as illusions caused by the devil on people of little faith, received a new classification.

Associated with the crime of heresy would form the demonic stereotype of witchcraft.

This new malignancy model, bas