Wolff, 2006- Apicultura

of 30/30
Documentos ISSN 0104-866X Dezembro, 2006 757 Localizacão do Apiário e Instalacão das Colméias
  • date post

    15-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    259
  • download

    5

Embed Size (px)

description

LOCALIZAÇÃO DE APIÁRIO

Transcript of Wolff, 2006- Apicultura

  • Documentos ISSN 0104-866X Dezembro, 2006 7 5 7

    Localizaco do Apirio e Instalaco das Colmias

  • ISSN O 104-866X Dezembro, 2006

    0lW.u e.,*. ai hiw. 8m-m 6&ao. M.ioNO"i Mmr- d. *g"Cunu,,. Prd* i Ib,.lSd".",~

    r-1

    1-1 A I I S E D E

    -. - -- ___

    ' I --4

    Documentos 7 5 7

    Localizaco do Apirio e Instalaco das Colmias Luiz Fernando Wolff Maria Teresa do Rgo Lopes Fbia de Mello Pereira Ricardo Costa Rodrigues de Camargo Jos Maria Vieira Neto

    Teresina, PI 2006

  • Exemplares desta publicao podem ser adquiridos na:

    Embrapa Meio-Norte Av. Duque de Caxias. 5.650, Bairro Buenos Aires, Caixa Postal: 01 CEP 64006-ZZOTeresina, PI. Fone: (86) 3225-1 141 Fax: 186) 3225-1 142 Home page: www.cpamn.embrapa.br [email protected]

    Comit de Publicaes

    Presidente: Milton Jose Cardoso Secretria-Executiva: Ursula Maria Barros de Arajo Membros: Alitiene Moura Lemos Pereira, Angela Pucknik Legat. Humberto Umbelino de Sousa. Claudia Sponholz Belmino, Jos6 Almeida Pereira. Rosa Maria Cardoso Mota Alcntara, Eugnio Celso Ernerito Arajo e Aderson Soares de Andrade Jnior

    Supervisor editorial: Lgia Maria Rolim Bandeira Revisor de texto: Ligia Maria Rolim Bandeira Normalizao bibliogrfica: Orlane da Silva Maia Editorao eletrnica: Jorim Marques Ferreira

    1" edio 1' impresso (2006): 300 exemplares

    Todos os direitos reservados. A reproduo no-autorizada desta publicao, no todo ou em parte, constitui violao dos direitos autorais (Lei no 9.6101.

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao ICIPI Embrapa Meio-Norte

    Localizao do apirio e instalao das colmBias / Luiz Fernando Wolff ... [et al.1. - Teresina : Embrapa Meio-Norte, 2006. 3 0 p. ; 21 cm. -(Documentos / Embrapa Meio-Norte, ISSN 0104-

    866X: 151).

    1. Abelha. 2. Colonia. 3. Instalao para animal. I. Wolff, Luis Fernando. LI. Embrapa Meio-Norte. 111. SBrie.

    CDD 638.1 121. ed.) QErnbrapa, 2006

  • Autores

    Luiz Fernando Wolff Engenheiro Agrnomo, Dr., Embrapa Meio-Norte, Av. Duque de Caxias, 5.650, Caixa Postal 01, CEP 64006-220 Teresina,PI [email protected]

    Maria Teresa do Rgo Lopes Engenheira Agrnoma, M.Sc., Embrapa Meio-Norte, Av. Duque de Caxias, 5.650, Caixa Postal 01, CEP 64006-220 Teresina,PI [email protected]

    Fbia de Mello Pereira Engenheira Agrnoma, Dra., Embrapa Meio-Norte, Av. Duque de Caxias, 5.650, Caixa Postal 01, CEP 64006-220 Teresina,PI [email protected]

    Ricardo Costa Rodrigues de Camargo Engenheiro Agrnomo, MSc., Embrapa Meio-Norte, Av. Duque de Caxias, 5.650, Caixa Postal 01, CEP 64006-220 Teresina,PI [email protected]

    Jos Maria Vieira Neto Engenheiro Agrnomo. Rua Juliano Moreira, 495, CEP 64000-770 Teresina,PI [email protected]

  • Apresentaco

    O sucesso da atividade apcola depende. entre outros fatores, da escolha do local adequado para os apirios e da correta instalao das colmias. Entre os aspectos mais importantes que o local do apirio deve apresentar destacam-se: um bom pasto apcola, presena de gua de boa qualidade. sombreamento para as colmias, distncia que permita segurana a pessoas e animais, facilidade de acesso, entre outros. A instalao das colmias tambm tem influncia direta na produtividade, sendo de grande importncia o preparo do terreno, a utilizao de bons cavaletes, a disposi- o e o nmero de colmias no apirio.

    Essa publicao tem por objetivo orientar o apicultor, especialmente aquele que est iniciando a atividade apcola, sobre a escolha do local adequado e medidas recomendadas para instalao das colm6ias. buscando assegurar, desde o incio, condies timas para a sobrevivncia e produo das abelhas e para garantir a qualidade dos produtos apcolas.

    Valdernicio Ferreira de Sousa Chefe-Geral da Embrapa Meio-Norte

  • Sumrio

    Localizaco do apirio e instalaco das colmias ...... . Introducao ...........................................................................

    ... - Localizacao do apiario ........................................................

    Flora apcola ....................................................................

    Acesso ...............................................................................

    Topografia ...................... .. ...............................................

    Agua ................... .... .....................................................

    Sombrearnento ..................................................................

    .................................................................. Quebra-ventos

    .................................................. Condices do ambiente

    Seguranca ........................ ... ............................................ ... Instalaco do apiario ...........................................................

    preparo do terreno ............................................................

  • Suportes para colm6ias ................................................. 2 3

    Proteco contra formigas ................................................ 25

    Quantidade de colm6ias por apirio .............................. 26 . . Disposio das colmeias ................................................. 27

    Epoca do ano .................................................................... 29 " . Referencias ................... ....... ........................................ 2 9

  • Localizaco do Apirio e Instalaco das Colmidas

    Luiz Fernando Wolff Maria Teresa do Rgo Lopes Fbia de Mel10 Pereira Ricardo Costa Rodrigues de Camargo Jos Maria Vieira Neto

    A escolha de um bom local para instalar as colmias um ponto-chave para o sucesso do empreendimento apicola. Para instalar o apirio, o apicultor deve ter em mente uma srie de fatores que interferem nos rendimentos pretendidos, na praticidade dos trabalhos e na segurana das pessoas e animais que circulam nos arredores.

    Colmeias que so instaladas em locais adequados para as abelhas so as que proporcionam melhores rendimentos (LAMPEITL, 1991 ). Neste sentido, na escolha do local para o apirio preciso explorar a regio para verificar se reune condiqes naturais capazes de garantir o desenvolvimento normal das colnias de abelhas e produo satisfatria aos apicultores. Com este intuito, o apicultor experiente pode testar constantemente novos lugares com algumas de suas colmias, deslocando-as para nova regio, caso a safra no local original no seja satisfatdria (WIESE, 1984).

  • 10 Localizao do Apidrio e Instalao das Colm6ias

    Localizao do apirio

    Na definio do local do apirio j podem ser evitadas limitaes aos apicultores e dificuldades as abelhas. Do conhecimento das reas e da correta deciso tomada pelos apicultores dependero os resultados produtivos da criao e a tranqilidade e sade das abelhas e da vizinhana.

    Flora apcola

    O nctar a matria prima da qual depende diretamente a produo do mel e da cera. Complementado pelo plen, fundamental para a nutrio das crias e das abelhas adultas. Assim, quanto mais prximas as fontes de nctar e plen, mais rpido ser o transporte pelas campeiras e maiores sero o desenvolvimento e o rendimento das colmias (MARQUES, 1984). Para obtermos rendimentos excelentes, o local ideal aquele onde o pasto apcola (o conjunto de flores que fornecero o plen e o nbctar as abelhas) esteja prximo, seja abundante e no apresente interrupes durante o ano. Para as abelhas, estar prximo significa estar dentro de um raio mximo de 500 metros a 1,5 quilmetros. As abelhas campeiras tambm coletam nctar e plen em floradas mais distantes. a 2, 3 ou at 4 quilmetros da colmia, entretanto, a eficincia econmica de seus vos de coleta fica cada vez menor na medida em que aumentam as distncias ou os obstculos a serem ultrapassados. Quanto mais prximas estiverem as colmias da fonte de nctar, tanto melhor para as abelhas coletoras. Estas, depois de informadas sobre a localizao da fonte de nctar, voam diretamente para a mesma numa velocidade de aproximadamente 21 a 24 kmlh (CRANE, 1980), ou mais. no caso das abelhas de raas africanas (MXICO, 1986). Voam de flor em flor, sugando o nctar at que suas vesculas nectarferas (papos) estejam cheias e, ento, retornam imediatamente para suas colmias.

  • Localizao do Apidrio e Instalao das Colmeias 1 1

    Algumas plantas meliferas produzem grande quantidade de nctar, enquanto outras produzem muito pouco. Alm disso, a secreco de nctar apresenta picos em certas horas do dia que variam de acordo com as espcies vegetais. Dessa forma. h6 momentos em que as abelhas conseguem encher suas vesculas nectarferas visitando poucas flores. Porm, o comum que realizem muitas visitas por viagem.

    Uma abelha campeira pesa cerca de 85 mg e pode transportar uma carga de at 70 mg na sua vesicula melifera, porm, o usual que transporte apenas 40 mg a cada viagem, ou menos, quando h ventos fortes (CRANE, 1980). Portanto, quanto mais perto das flores estiverem as colmias, tanto melhor.

    Uma das maiores dificuldades das abelhas e constante preocupao dos apicultores a necessidade de colher e estocar uma quantidade suficiente de suprimentos dentro de um curto perodo (a estaco das chuvas, no caso do Nordeste brasileiro). S assim, o enxame poder atravessar o longo perodo de seca e escassez que vir pela frente e ainda produzir excedentes que atendam s expectativas financeiras dos apicultores.

    Clculos envolvendo o custo energtico para as abelhas para coleta de nctar e estocagem de mel demonstram uma relao de 10 para 1 quanto ao retorno energtico, isto , 10 kg de mel so consumidos pelo enxame para poder estocar o excedente de 1 kg de mel. Mais alto ainda o custo energtico envolvido na produco de plen, que est em 8 para 1, ou seja: 8 kg de mel so consumidos pelo enxame para poder estocar 1 kg de plen (SEELEY, 1985). Dessa forma, compreendendo que a coleta e estocagem de alimentos pelas abelhas consomem enormes quantidades de energia e tempo, os apicultores podem favorecer bastante a produco apicola desde o incio, ou seja, desde a adequada localizao do apirio.

    No local ideal para instalar o apirio, o pasto apicola deveria florescer sem apresentar interrupces durante o ano. Como esta uma situao impossivel de se encontrar na natureza, pode-se considerar um bom local aquele que apresente curtos perodos de escassez de floradas. Nestes momentos de entressafra apicola, comum o criador ter que alimentar

  • 1 2 1 Localizao doApid,;o e Insfalao das Colmeias

    artificialmente seus enxames, aguardando o incio da prxima safra, ou ter que deslocar suas colmias para outra regio onde esteja iniciando alguma florada importante. No ~emi-rido, estas duas prticas so muito comuns, cada qual com suas vantagens e limitaces. O apicultor deve fazer sua escolha, optando pela modalidade mais adequada sua situaco. Descobrir a localizao de apirios pr-existentes na regio, guardando distncia de 3 km dos mesmos, tambm evita a competico entre os enxames pela mesma florada.

    H uma ntima relao entre a produtividade dos enxames e as condices vegetais da regio. Na avaliaco do potencial apcola de uma regio, deve- se tentar mensurar a quantidade de plantas melferas existentes, bem como as plantas polinferas (em especial aquelas que podero florescer logo no incio e no final das safras). As produtoras de plen daro sua contribuio para o crescimento das famlias logo no incio da safra (o que fundamental para o posterior aproveitamento das flores meliferas) e, depois, daro um novo suporte s famlias na entrada da entressafra (HOOPER, 1981 ). A florada, por outro lado, est relacionada com o clima de cada lugar e as condices do solo. Solos fracos produzem floraces menos intensas e persistentes do que solos frteis. Solos rasos e arenosos retm menos umidade e, em anos secos, prejudicam mais a vegetaco e sua capacidade de floraco ou de secreco dos nectrios (MART(NEZ RUBIO, 1976). Nos trpicos, a secreo de nctar 6 uma caracterstica dos perodos menos quentes do dia, cedo pela manh e A noitinha. Assim, abelhas africanizadas apresentam uma diminuico dos vos de coleta prximo ao horrio do meio- dia e apresentam atividade de vo crepuscular (MEXICO, 1986). Este procedimento milenar foi aprendido j nas savanas africanas primitivas, onde os ancestrais das abelhas meliferas evoluram. Mesmo racas europias, em condices de floradas com fluxo de nctar contnuo, apresentam esse mesmo padro de comportamento (CRANE, 1980).

  • Locsfia80 do Apidrio e lnsfalao das Colm6ias 1 1 3

    Acesso

    Mesmo que certos lugares sejam timos para as abelhas, se houver desnveis acentuados, vegetao cerrada, bancos de areia, pedras ou obstculos que tornem intransitveis os acessos, no so adequados ao apicultor e seu empreendimento. Quando se trata da instalao de apirios mveis, bons acessos, largos e confiveis para a entrada de transporte motorizado, so fundamentais ILAMPEITL, 1991 ). A praticidade dos trabahos para o apicultor e a segurana das pessoas e animais que circulam nos arredores so fatores que devem ser conjugados na hora de se decidir quanto ao novo local para o apirio.

    Um fcil acesso ao apirio, com boa estrada permitindo a chegada de veculos at junto das colmias, em qualquer poca do ano, 6 o ideal. Ao chegar com seus equipamentos, incluindo o fumigador aceso, os apicultores devem poder aproximar-se por detrs das colmias. A aproximao pela frente das caixas coloca em alerta as abelhas guardis que esto de sentinela na entrada das caixas, alm de prejudicar o vo das campeiras em sua intensa entrada e sada das colmias.

    Topografia

    Na escolha do local para o apirio, deve-se observar se a topografia do terreno trar limitaes ao deslocamento e ao trabalho do apicultor. reas elevadas, como topo de morros, devem ser evitadas em virtude da maior exposio a ventos fortes. Terrenos em declive dificultam o deslocamento do apicultor pelo apirio, prejudicando o manejo das colmias especialmente em perodos em que h necessidade de transporte de materiais frequentemente pesados, como por ocasio da colheita.

  • 14 Locs~zao do Apjdrto e Instalao das Colm4ias

    gua

    Outro aspecto muito importante na escolha do local ideal para o apirio a presena de gua prxima, limpa e disponvel o ano todo.

    A gua fundamental para a sade das abelhas e para o equilbrio da colnia. No apenas o equilbrio fisiolgico depende da disponibilidade de gua, mas tambm o equilbrio trmico dos enxames: as abelhas precisam de gua para seu metabolismo e para regular a temperatura dentro da colmia. A distncia da gua ao apirio no deve ser maior do que 500 m, por uma questo de economizar energia e tempo e de evitar que as campeiras busquem gua em fontes desconhecidas, estagnadas ou contaminadas. Alguns autores insistem em distncias ainda menores, de, no mximo. 300 metros (MUNHOZ, 2000), porm, distncias muito pequenas (inferiores a 100 metros) so inadequadas por possibilitar contaminaco da gua pelos dejetos das prprias abelhas durante seus vos de higiene (CAMARGO, 2002). No convm instalar o apirio junto a margens de rios. lagos e represas, evitando, assim, prejuzos causados pelo afogamento de campeiras e por eventuais inundaces no perodo das chuvas. Fundos de vales, locais midos e banhados devem ser igualmente evitados, uma vez que a alta umidade pode favorecer a ocorrncia de doenas nas colnias.

    Proximidade de guas estagnadas, da mesma forma, deve ser evitada. Abelhas que se abastecem em guas permanentemente paradas, estagnadas ou contaminadas, podem contrair molstias provenientes da prpria gua ou das abelhas de enxames doentes que ali tambm se abastecam. As contaminaes dos enxames podem ser de origem biolgica (por exemplo. protozorios. bactrias e outros agentes de doencas e parasitismos) ou podem ser de origem qumica (por exemplo, pesticidas, herbicidas, detergentes, leos, combustveis, resduos de ind&trias, esgotos). Lembrando que as abelhas no so seletivas quanto a fonte da gua. abastecendo-se sempre na fonte mais prxima e de fcil acesso, mesmo contaminada, cabe aos apicultores garantir gua boa e abundante

  • Localizao do Apirio e Instalaco das Colmias 1 5

    aos seus enxames. Essa abundncia pode ser de forma natural, atravs da boa escolha do local, ou de forma artificial, pelo seu fornecimento atravs de bebedouros ou gotejadores. Se no houver um curso d'gua permanente nas redondezas, ter que ser montado um bebedouro prximo ao apirio e, principalmente nas pocas de seca, ter que ser mantido permanentemente abastecido (MART~NEZ RUBIO, 1976). Existem vrios modelos de bebedouros (Fig.l), sendo os mais indicados para o Semi-rido aqueles com reservatrio de grande capacidade e com abastecimento por gravidade ou em nvel, repondo automaticamente a gua na medida em que consumida ou perdida por evaporaco. O recipiente onde as abelhas tm acesso a gua deve ser pequeno e raso, ou ento preenchido por saibros, picarras ou outros materiais, de modo a manter exposta apenas uma fina pelicula d'gua, impedindo o afogamento de abelhas, limitando a atraco de aves e animais silvestres e reduzindo as perdas por evaporaco. Contra a aproximaco de animais de maior porte, atrados pela gua oferecida pelo apicultor, todo o conjunto do bebedouro dever ser isolado com cercas de arame farpado ou tela.

    A necessidade de proviso de gua para as abelhas no deve ser subestimada, especialmente no periodo inicial da safra e durante os dias de muito calor, pois as mesmas precisam deste insumo para atender as demandas das crias e para manter condices adequadas de temperatura e umidade ambiente dentro da colmia (MART~NEZ RUBIO, 1976). gua transportada para a refrigeraco da colnia sempre que a temperatura interna exceda os 34' C (FEEBURG, 1989). Em regies de clima quente, como no Semi-rido, e em situaces extremas, uma colmia pode chegar a consumir 20 litros de gua por semana (CAMARGO, 2002). Na ausncia de gua nas proximidades, as campeiras frequentemente percorrem grandes distncias em busca da mesma, o que pode ocasionar mortandade de abelhas e at abandono das caixas pelos enxames.

  • . . . . . -.

    Fig. 1. ~odelo; de bebedouros utilizados em apirios.

    16

    Sombreamento

    Localizaco do Apirio e Instaiaco das Colmias

    O sombreamento das colmias fundamental no ~emi-r ido e outras regies muito quentes e ensolaradas. O excesso de calor prejudica muito as colnias. Aquelas que permanecem na sombra a partir do meio dia proporcionam melhores rendimentos do que os que ficam no sol o tempo inteiro, j que suas campeiras no precisam ocupar-se tanto em trazer gua para regular a temperatura interna da caixa (LAMPEITL, 1991 ). Colmias situadas no sol alcancam com freqncia temperaturas de 45 'C a 50 'C, ou mais, nas horas quentes do dia. Isso bastante prejudicial, uma vez que temperaturas internas acima de 35 'C a 38 "C no so mais suportveis pelas abelhas que ficam no interior da colmia, que interrompem suas funces de cuidar das crias e de construir os favos (LAMPEITL, 1991). As colmias devem ser distribudas pelas sombras no apirio, de forma a evitar os excessos de temperatura, que prejudicam a coleta de nctar e o mel estocado (MUNHOZ, 2000). Nas condices do Semi-rido, regio

  • Localiraco doApidr10 e Insfaiaco das Colmeias 1 7

    excessivamente quente, as colmias devem ser instaladas sob a vegetaco (Fig. 2A) ou em sombras artificiais (coberturas com telhas de barro, palhas, madeiras ou outros materiais), porm com boa aeraco e luminosidade (Fig. 28). O uso de tampas com ventilaco, de alvados maiores e de pinturas claras e reflexivas so benficos para reduzir o aquecimento das colmias.

    Os primeiros raios solares do dia so, por outro lado, benficos s colnias. Com eles, as campeiras iniciam seu trabalho mais cedo e a radiaco ultravioleta, inimiga de bactrias e fungos, contribui para a sade da colnia. Dessa forma, favorvel instalar as mesmas em uma posico tal que permita a penetraco do sol matutino pelo alvado. Porm, mesmo em regies menos quentes (e mais ainda nas condices da caatinga) esse aspecto muito menos importante do que a proteco das colmias da aco direta dos raios solares e das temperaturas elevadas do meio-dia. -

    I ; p > 'i < I '

    li ! 1 Y

    1 L ' e-- .- -

    . . . . . . .. .

    Fig. I. Colmias instaladas sombra de rvores (A) e sob coberturas artificiais (E).

    Ventos fortes dificultam a aproximaco das abelhas campeiras as colmias, impedem-nas de manter suas linhas de vo e prejudicam a produtividade do apirio. Na hora da deciso sobre o local para o apirio, pode-se contornar tambm essa limitaco escolhendo lugares abrigados por rvores ou cercas-vivas, preferentemente compostos por arbustos de espcies melferas e de portes variados, ou colocar o apirio em posico resguardada por encostas ou montanhas.

  • 18 Locaiilaco do Apirio e insraiaco das Coimjas

    Quebra-ventos, linhas de rvores e arbustos ou barreiras altas defronte das colmias, desde que afastadas alguns metros das mesmas, so favorveis as colnias, pois criam uma zona de proteco contra ventos. Tais barreiras so importantes por manterem um ambiente tranqilo e seguro defronte as colmias e por impedirem que ventos rpidos derrubem campeiras no solo, justamente no momento em que reduzem sua velocidade para pousar na colmia (HOOPER, 1981 ).

    Condices do ambiente

    reas onde se pratiquem agricultura com o uso de pesticidas, onde existam indstrias ou onde ocorram certas mineraces, ou seja, reas com liberaco de vapores txicos deslocados, por deriva, para junto do apirio ou do pasto apcola, so inadequadas para instalaco de apirios.

    O mesmo vale para reas muito prximas a estradas asfaltadas, principalmente em funco dos gases da combusto, de substncias txicas volteis e de metais pesados provenientes dos combustveis, dos motores e dos pneus de rodagem. Tais substncias txicas vo, aos poucos, se depositando no solo e na vegetaco s margens e imediaces da rodovia. Alm da contaminaco atmosfrica e da vegetaco nas margens das estradas, tambm as campeiras podem eventualmente coletar resinas derivadas de petrleo, disponveis no asfalto quente, misturando-as aquelas coletadas das plantas para a elaboraco da prpolis. Nessa situaco, as colmias no estariam produzindo apenas mel e plen contaminados, mas tambm prpolis de qualidade duvidosa.

    A mesma preocupaco com o isolamento das colmias vale para aterros sanitrios, depsitos de lixo, matadouros e mesmo engenhos, sorveterias e fbricas de doces (CAMARGO, 2002). Considera-se satisfatrio o isolamento de fontes de contaminaco quando o apirio estiver a uma distncia mnima de 3 km desses locais.

  • Locsliza~&o do Apirio e elnrralac8o das Colm6ias 1 1 9

    No caso do apirio estar localizado prximo de cultivos que estejam por receber pulverizaco de pesticidas, o nico procedimento efetivo a ser tomado pelo apicultor para proteger suas colbnias ser deslocar para outro local todas as colmias durante a pulverizaco e o periodo de toxicidade residual do produto (CRANE; WALKER, 19831. Existem medidas paleativas, como, por exemplo, trancar os enxames durante algumas horas nas suas caixas ou cobrir as colmias com lonas escuras e impermeveis durante a aplicao dos pesticidas, porm, a eficincia reduzida em comparaco ao primeiro procedimento.

    Seguranca

    Os apiarios devem ser instalados no meio rural, por questes de segurana a populao. A rea ideal para a instalaco de um apirio deve atender s prerrogativas de seguranca das pessoas e animais quanto s abelhas e de seguranca das abelhas quanto s pessoas e animais IMUNHOZ, 2000). Mesmo quando a criaco de abelhas no expressamente proibida pelo cdigo de posturas da cidade, ela sempre inadequada em zonas urbanas, pois se caracteriza como manutenco de animais que colocam em risco os cidados e a harmonia na vizinhana.

    Para reduzir riscos de acidentes, o apicultor deve instalar apirios em terrenos limpos e planos, distantes de estbulos e casas e isolados de passagens de animais e pedestres, lembrando sempre que os acidentes causados por abelhas contra animais ou pessoas da vizinhana so de inteira responsabilidade do proprietrio das colmias. Assim, recomenda- se que os apirios sejam instalados a uma distncia minima de 400 m de currais, galinheiros. chiqueiros. casas, estradas e trilhas por onde circulem sistematicamente animais e moradores da regio.

    As abelhas africanizadas so famosas por sua defensividade, seus ataques incontrolveis e suas intensas e dolorosas ferroadas. Apesar de as abelhas meliferas no serem animais peconhentos nem venenosos, a ocorrncia de

  • 20 Localizao do Apidrio e Instala~8o das Colmeias

    incidentes envolvendo as mesmas grande no Brasil (MEIRELLES; SEKI; ROBIN, 19781. Ataques de enxames so sempre graves, exigindo pronto atendimento do acidentado. As picadas deixam como sinal dor, edema. rubor e exantema (febre localizada), sendo mais perigosas quando acima do pescoo, pois podem levar asfixia e morte. Quando recebe ferroadas em grande nmero, o paciente pode apresentar dispnias, taquicardia, reduo da presso arterial, dores e agitao, sensao de constrio e at convulses (MEIRELLES; SEKI; ROBIN, 1978). Se o acidentado for hipersensvel ao veneno das abelhas, h o risco de choque anafiltico, configurando-se, em poucos segundos, grande risco de vida (WINSTON, 1987). Todas as medidas que favoream o eficiente manejo nas colmias, procedimentos rpidos e sem perdas de tempo, sem impactos nem batidas, barulhos ou agitaes, iro favorecer a segurana dentro e no entorno do apirio. Uma das medidas preventivas contra acidentes est em limitar o nmero de colmias mantidas em cada apirio. Mesmo que a florao tenha grande capacidade de suporte, convm para os prprios apicultores, para a produco das colnias e para a tranqilidade da vizinhana, que em cada apirio no se exceda o nmero de 30 a 50 colmias. Colmias distribudas em diferentes apirios pela regio evitam ainda a saturao ambiental, permitindo que o pasto apicola disponvel no raio de ao das campeiras no seja dividido por um nmero muito grande de colnias, o que diminui a competio entre abelhas e aumenta a produtividade efetiva das colmias.

    Dessa forma, quanto segurana, o apirio deve ficar relativamente resguardado do pblico. Alm disso, ficando muito exposto h sempre o perigo de vandalismos ou de roubos. Existem pocas do ano em que o risco de ocorrerem furtos bem maior, como por exemplo, no perodo de maior produo. Muitas vezes, pela longa distncia at o apirio ou pelo nmero muito grande de colmias a serem manejadas, os apicultores optam por deixar suas colmias com vrias sobrecaixas repletas de mel espera do dia da colheita. Isso favorece a ao de ladres de mel, muitas vezes bastante organizados e com boas noes de apicultura. 0 s prprios enxames podem tambm ser alvos do roubo, uma vez que colmias povoadas tm um grande valor no mercado de produtos apcolas.

  • Locelizao do Apirio e Instalao das Colmeias I ,

    Cavalos, bois, cabras e porcos tambm podem tombar colmias ao tentar esfregar-se nas mesmas (HOOPER, 1981 1. Para evitar esse tipo de incmodo, muito comum que os apirios sejam cercados, utilizando-se moures de madeira e arame farpado ou outros materiais disponveis na regio (Fig. 3). aconselhvel tambm que o apirio disponha de uma placa de identificaco e aviso em relaco a presenca de abelhas na rea, Essa placa deve estar em lugar visvel, escrita de forma legvel e de preferncia a uma distncia segura em relaco as colmias.

    Fig. 3. Apirio cercado e com placa de identificaco

  • 22 Localizao do Apidrio e Instalao das Colmdias

    ..

    lnstlalaco do apirio

    O local para a instalaco do apirio deve ser bem definido antes da chegada das colnias, para que, posteriormente, no haja necessidade de deslocamentos das colmias, o que acarretaria grande perda de abelhas campeiras, que sempre voltam ao local de origem da colmia. As abelhas possuem, em mdia, um raio de ao que abrange cerca de 2.5 km em volta da colmia e, por isso, se houver necessidade de mudar a colmia de local, a recomendao que o novo local esteja a uma distncia superior a 2 km ou inferior a 3 metros do local onde estava. No primeiro caso, como desconhecem o meio, as abelhas vo registrar novos referenciais para esse - novo local. No segundo caso, como conhecem bem o local, encontraro facilmente sua colmia (COUTO, R. H. N.; COUTO, L. A,, 2002).

    Preparo do terreno

    importante que seja roado o mato em um bom permetro ao redor da rea escolhida para o apirio e que seja capinado o lugar onde vo ser colocadas as colmias. Todas as palhas e outros resduos orgnicos devem ser afastados para no servirem de ninho para formigas ou de esconderijo para predadores das abelhas. A limpeza do terreno junto s caixas tambm importante para deix-lo livre de obstculos as linhas de vo das abelhas.

    O acesso ao apirio, da mesma forma, deve ser limpo e roado para evitar que espinhos e galhos rasguem a roupa ou a mscara do apicultor e para facilitar o trnsito e o manejo previstos. A necessidade das operrias circularem pelo apirio at certificarem-se de ter encontrado sua colnia, desviando-se de galhos, colmias vizinhas, obstculos e colidindo com outras abelhas, constitui um problema ao apirio. um fator de difuso de doenas, diminuio da eficincia das campeiras, reduo da produtividade dos enxames, induco ao roubo e pilhagem entre enxames e ainda pode provocar a perda de rainhas quando essas voltam de seu vo nupcial (HOOPER, 1981).

  • Localizao do Apidrio e Instalao das Coim6ias 23

    Suportes para colmias I . - .

    A I I S E D E ' I .- No apirio, as colmias devem sempre ser colc'dssobre supoifs

    denominados cavaletes (Fig. 4). Existem diferentes tipos de cavaletes e qualquer um deles, desde que firme, sempre prefervel a ter que colocar as caixas diretamente sobre o solo (BARROS. 1965). A proximidade do solo, alm de acelerar a deteriorao das colmias e de dificultar o vo das abelhas campeiras, deixa a colnia vulnervel ao ataque de aranhas, formigas, sapos, lagartos, tatus e diversos outros predadores terrestres.

    O cavalete ideal aquele que mantm o enxame afastado do solo, bem acima dos capins e ervas rasteiras, que fcil de transportar e instalar e

    .- que se mantm firme no terreno. Sobre o cavalete, a caixa dever ficar levemente inclinada para frente, garantindo-se o escoamento de lquidos que possam penetrar na colm'ia. guas da chuva, umidades que cpndensam no interior da caixa, xaropes de alimentadores com vazamento ou mesmo mel de favos quebrados durante o manejo devem preferentemente escorrer para fora, ao invs de se acumular no fundo da colmia.

    A altura adequada para a base das caixas nos apirios usualmente de 50 cm acima do solo, mas alguns apicultores preferem cavaletes mais altos ou mais baixos. Ressalta-se, entretanto, que cavaletes muito altos balanam mais, e que o topo da caixa durante o pico da safra (com duas, trs ou mais melgueiras) fica bastante alto, dificultando a colheita. Por outro lado, cavaletes baixos obrigam o apicultor a manter-se curvado durante o manejo, prejudicando sua sade. Assim, como a altura satisfatria depende da estatura do apicultor, existem recomendaces de qge a altura da base da colmia seja definida em funco da altura do joelho do apicultor.

    Os suportes individuais so mais adequados porque possibilitam maior independncia entre as colmias, reduzindo a agressividade e o saque durante o manejo (COUTO, R. H. N.; COUTO, L. A,, 2002). Alm disso, permitem fcil adaptaco ao terreno. Em apirios mveis, cujos apicultores migram com suas colmias de uma regio produtiva para outra, conforme a

  • 24 Localizao do Apidrio e Instalao das Colmeias

    poca do ano, o regime de chuvas e as diferentes floraces existentes, recomenda-se a utilizao de cavaletes desmontveis ou dobrveis, por serem mais leves e de fcil transporte (Fig. 4). Os cavaletes podem ser feitos de madeira, ferro ou alvenaria. A deciso quanto ao material ser tomada pelo apicultor em funo dos custos e da disponibilidade local de cada um. Bases de pedra ou alvenaria s serviro para apirios fixos, que permanecem ano aps ano no mesmo lugar. Cavaletes metlicos so superiores aos de madeira, tanto em durabilidade quanto em resistncia mecnica, podendo ser construidos em material bem mais fino e leve, preferentemente galvanizados e em forma de cantoneiras. Cavaletes de madeira, por outro lado, so baratos, de fcil obtenco e prprios para solos salinos e regies de pouca umidade.

    Em terrenos pedregosos ou com solo excessivamente duro, cavaletes que no necessitam ser enterrados levam vantagem em relaco aqueles semi- enterrados no solo. Cavaletes mveis ou superficiais, porm, so mais frgeis quando as colmias ficam pesadas ou se inclinam demais para algum dos lados, podendo tombar justamente quando as colnias esto mais fortes e com maior quantidade de mel. Assim, cavaletes de madeira ou metal que no sejam enterrados no solo devem ter suas bases apoiadas sobre pedras, pedacos de lajota ou tijolos (MUNHOZ, 2000).

  • Localilao do Apirio e lnstalaco das Colmias 2

    Fia. 4. Colmias em cavaletes fixos de metal 0 -

    cavaletes mveis de metal (C) e madeira (D)

    Proteco contra formigas

    O risco e a gravidade do ataque de formigas tornam necessria uma srie de medidas preventivas pelos apicultores. Neste sentido, alm dos procedimentos de limpeza do terreno, a possibilidade de se impedir o acess~ das formigas pelo cavalete, isolando a colmia, passa a ser uma vantagem importante que um bom cavalete deve proporcionar. Quanto menor o nmero de ps e quanto mais estreitos e afastados do solo, dos capins e dos galhos de rvores, tanto melhor ser o cavalete no aspecto de proteco contra formigas (BARROS, 1965). O isolamento total pode ser buscado atravs do uso de campnulas, canecos invertidos ou bacias com leo queimado nos ps do cavalete (Fig. 5). Qualquer superfcie lquida ou lmina d'gua dificultar sobremaneira a passagem e circula$o de formigas entre o solo e

  • 26 Localizaco do Apir;o e instaiaco das CoimBias

    a colmia. A gua no o lquido adequado para esse fim, em funco de sua rpida evaporaco. Portanto, nos recipientes preciso usar substncias lquidas pouco volteis. Existem recipientes metlicos que cumprem justamente com essa finalidade e podem ser adaptados a cada p do cavalete como isoladores contra formigas. Podem ser feitos ou adquiridos diferentes tipos de funis protetores, metlicos (feitos em chapas de ferro ou folhas de zinco) ou de plstico. Entretanto, sua eficcia precisa sempre ser testada, pois comum no impedirem por muito tempo a subida das formigas.

    Fig. 5. Cavaletes com recipiente protetor contra formigas.

    Quantidade de colmias por apirio

    A deciso sobre a quantidade de colmias a ser instalada em cada apirio deve levar em consideraco o potencial apcola ou capacidade de suporte da regio, a existncia de outros apirios nas proximidades e a facilidade de manejo.

  • ~ o c a l i r a ~ o do Apirio e /nsralaco das Colmias 1 27

    Em apirios fixos, em que as colmias permanecem no mesmo local tanto durante as floradas como na entressafra, o ideal seria manter entre 25 e 3 0 colmias por apirio. Se houver necessidade de colocaco de uma maior quantidade de colmias, recomenda-se no ultrapassar o nmero de 50 colmias por apirio. A distncia mnima recomendada entre apirios de 3 km. Isso garante que num raio de 1.5 km haver menor competico entre abelhas pelas mesmas fontes de alimento.

    Deve-se considerar que os enxames naturais, alojados em ocos de rvores e buracos no solo, tambm fazem concorrncia e sobrecarregam a regio com abelhas campeiras procurando plen e nctar. Em finais de safra ou em pocas de escassez total, essas abelhas podem ainda roubar alimento e pilhar as colmias mais fracas no apirio (WINSTON, 1987). Os apicultores que tm um grande nmero de colmias devem procurar constantemente novos lugares para instalar apirios. Lugares alternativos so teis tambm para se transportar as colmias de apirios que tenham de ser abandonados rapidamente por qualquer razo inesperada ou emergencial (HOOPER, 1981 ) .

    Disposico das colmias

    A maneira de se distribuir as colmias no terreno depende muito do espaco disponvel e do tipo de apirio (fixo ou migratrio). Independente disso, recomenda-se que, ao montar o apirio, as colmias sejam sempre colocadas sobre suportes individuais, de tal modo que um alvado no interfira no outro (COUTO, R. H. N.; COUTO, L. A,, 2002). As colmias devem ser dispostas no apirio de forma a facilitar o trabalho do apicultor e considerando tambm o melhor aproveitamento do sombreamento natural. Em apirios fixos, so comuns as distribuices em linha reta (simples ou dupla), em circulo ou semicirculo (Fig 6A e 6B). entre outras. J nos apirios migratrios deve-se considerar a facilidade de acesso do veculo transportador, sendo muito utilizadas as disposices

  • em fila dupla (com alvados voltados para lados opostos) e em forma de u (Fig. 6C e 6D). Ressalta-se que, em qualquer disposico, a distncia mnima de 2 m entre colmias e a linha de vo das abelhas tm que ser respeitadas. A rea em frente s colmias deve estar livre de obstculos,

    28

    evitando-se posicionar um alvado em frente a outro.

    Localizaco do Apidrio e Instalao das Colmias

    Pintar cada colmia com cores diferentes, ao menos na face dianteira, ou ainda fazer desenhos variados prximo aos alvados, auxilia muito as campeiras no reconhecimento da sua caixa (MUNHOZ, 2000).

    C

    Distancia suficiente para pemitir a entrada I de veiculor I para permitir a entrada de ve8cuIos

    Fig. 6. Formas de distribuico de colmia3 iiu apiaiiu. ni iiiiiid uupia em zlyue- zague, com alvados voltados para o mesmo lado; B) em crculo com alvados voltados para fora; C) em linha dupla com alvados voltados para lados opostos; D) em forma de U.

  • Loca1;zaBo do Apidrio e Instslao das Colmeias ! 29 poca do ano

    Os enxames precisam de florao e clima favorveis ao seu desenvolvimento. Assim, se quisermos trazer as colmias ao novo local na poca efetivamente mais propcia s abelhas, o deslocamento deve ser feito logo no incio da florao local (MARQUES, 1984). Entretanto, se as colmias chegarem antes da florada, pode-se aproveitar esse perodo para induzir antecipadamente a produo de crias, atravs da alimentao artificial estimulante. Se as colmias chegarem no meio ou no final da safra, podem ser adotadas medidas para fortalecer as colnias para a entressafra ou para dividi-las e induzir a produo de novas rainhas, a serem fecundadas ainda no final da safra pelos zanges remanescentes,

    -

    - - - duplicando rapidamente, e de forma barata, o nmero de colmias no

    apirio.

    Nas condies de clima semi-rido, o incio do perodo das chuvas a poca mais apropriada instalao do apirio no local escolhido, estendendo-se de outubro a dezembro, conforme as variaes anuais no regime de chuvas.

    Referncias

    BARROS. M. B. de. Apicultura. Rio de Janeiro: Servio de Informao Agricola, 1965 257 p.

    CAMARGO, R. C. R. IEd.). Produco de mel. Teresina: Embrapa Meio Norte, 2002. 133 p. IEmbrapa Meio-Norte. Sistemas de Produo. 31.

    COUTO. R. H. N.: COUTO. L. A. Apicultura: manejo e produtos. 2. ed. rev. atual Jaboticabal: FUNEP. 2002. 191 p.

    CRANE, E. A book of honey. Oxford: Oxford University Press. 1980. 193 p.

    CRANE, E.; WALKER. P. The impact of pest management on bees and pollinatian. London: Tropical Development and Research Institute. 1983. 220 p.

    FEEBURG, J. B. Tbcnica e prtica de apicultura. Porto Alegre: Casa da Abelha, 1989. 128p.

  • 30 1 Loea/izao do ~pidrio e instalao das Coim6ias

    HOOPER, T. Guia da apicultor. 2. ed. So Paulo: Nobel, 1981. 269 p,

    LAMPEITL, F. Apicultura rentable. Zaragoza: Acribia. 1991. 207 p.

    MARQUES. A. N. Localizao e instalaco do apirio. In: WiESE, H. (Coord.1. Nova apicultura. 5. ed. Parto Alegre: Agropecuria, 1984. p. 151-1 73.

    MARTNEZ RUBIO. E. Abejas y colmenares. Buenos Aires: Marymar, 1976. 220 p.

    MEIRELLES, C. E.; SEKi, C. T.; ROBIN. P. Manual de segurana, higiene e medicina do trabalho rural. So Paulo: Fundacentro, 1978. 185 p.

    MeXICO. Secretaria de Agricultura y Recursos Hidrulicos. La abeja africana y su control. Ciudad de Mxico. 1987. 72 p. (Manual. 21. MUNHOZ, A. T. Tpicos sobre manejo em abelhas. i": SEMINARIO SUL-BRASILEIRO DE APICULTORES, 2.. 2000. Balnerio Pinhal. Anais ... Porto Alegre: Evangraf, 2000. p. x-y

    SEELEY. T. O. Honey bee ecology: a study of adaptatian in social life. Princeton: -

    Princeton University Press, 1985. 201 p.

    WIESE. H. ICoord.1. Nova apicultura. 5. ed. Porto Alegre: Agropecuria. 1984. 482 p,

    WINSTON, M. L. The biology of the honey bee. Cambridge: Harvard University Press. 1987.281 p.

  • *a

    Meio-Norte

    Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento