4 Aconselhamento Psicológico

of 19/19
Aconselhamento Psicológico
  • date post

    30-Oct-2014
  • Category

    Documents

  • view

    133
  • download

    5

Embed Size (px)

Transcript of 4 Aconselhamento Psicológico

Nossa discusso construtiva deve comear aqui, pois a eficincia do aconselhamento a seres humanos depende de nossa capacidade de compreender o que os seres humanos realmente so. Um homem mais que seu corpo, mais que seu emprego, mais que sua posio social. E uma mulher mais que uma me, mais que seu encanto, ou mais que seu trabalho. Estes so apenas aspectos atravs dos quais eles se expressam. A totalidade desta expresso o reflexo exterior daquela estrutura interna que chamamos, um tanto vagamente, de personalidade.

A personalidade determinada?

A liberdade um princpio bsico, uma condio sine qua non da personalidade. por essa caracterstica que separamos os seres humanos dos animais, uma vez que o ser humano tem a capacidade de quebrar as fortes cadeias do estmulo-resposta que escravizam os animais. A mente s capaz de ter impulsos diferentes num estado de equilbrio indeciso e, finalmente, tomar a deciso pela qual um dos impulsos prevalece. O primeiro pressuposto da personalidade humana a posse dessas possibilidades criativas, que so sinnimas de liberdade.

possvel crescer na liberdade. Quanto mais saudvel mentalmente a pessoa se tornar, tanto mais ser ela capaz de moldar criativamente os materiais da vida e, por conseguinte, mais senhora ser de seu potencial de liberdade. Por isso, quando o aconselhador ajuda um aconselhando a superar seu problema de personalidade, na verdade ajuda-o a tornar-se mais livre. Podemos resumir, sob a forma de um guia de aconselhamento, nosso primeiro princpio da personalidade, ou seja, a liberdade: funo do aconselhador levar o aconselhando a aceitar a responsabilidade pela direo e pelos resultados de sua vida. O aconselhador deve mostrar-lhe como so profundas as razes da deciso e como toda a experincia passada e as foras do inconsciente devem ser levadas em conta. Mas, ao final de tudo, deve ajudar o aconselhando a apropriar-se de suas possibilidades de liberdade e us-las.

Existe bom fundamento, portanto, para o conselho to popularizado: Seja voc mesmo. Todavia, pouco adianta dizer simplesmente pessoa que seja ela mesma, pois o problema precisamente ela no saber quem realmente . O aconselhador percebe muitas vezes uma srie de si-mesmos em conflito. Logo, dizerlhe simplesmente que seja ela mesma, piorar ainda mais a cofuso. Ela precisa em primeiro lugar achar a si mesma. E aqui que entra o aconselhador.

A funo do aconselhador ajudar o aconselhando a encontrar o que Aristteles chama de entelquia, o elemento singular existente dentro da semente do carvalho, que a destina a tornar-se um carvalho. Jung diz:Cada um de ns traz em si sua constituio especfica de vida, uma constituio indeterminvel que no pode ser substituda por outra. Esta constituio de vida, o verdadeiro simesmo, alcana profundamente no indivduo muito maiores do que a mera conscincia. A conscincia pode at mesmo apresentar um reflexo distorcido dela. O indivduo encontra-se a si mesmo ao unir seu si-mesmo consciente a vrios nveis de seu inconsciente.

funo do aconselhador auxiliar o aconselhando a achar o seu si-mesmo verdadeiro e ento ajud-lo a ter a coragem de ser esse si-mesmo.

A personalidade no pode ser entendida fora de seu contexto social. Uma caracterstica da personalidade saudvel a integrao social. Pois necessrio que a pessoa se mova dentro de um mundo constitudo de outras pessoas. Uma das principais caractersticas da pessoa neurtica sua incapacidade de lidar com outras pessoas. Desconfia demais dos outros, acha que a sociedade uma inimiga e atravessa a vida como se estivesse dentro de um carro blindado.

Opondo-se ao conceito da libido sexual de Freud, Adler v a fora dinmica do indivduo como a procura do poder. Existe um impulso dentro do indivduo (no centro do si-mesmo, que denominamos ego) de alcanar uma superioridade sobre seus semelhantes e de obter uma posio de segurana que no possa ser ameaada. Esse conceito semelhante, mas no idntico aos conceitos de vontade de poder de filsofos como Nietzsche e Schopenhauer. A vontade de Adler mais uma vontade de prestgio. aquele impulso bsico do indivduo que faz com que ele tenda a romper a teia de interdependncia social e, por ambio competitiva e vaidade, colocar-se acima de seus semelhantes.

Isso nos leva mais famosa contribuio da psicologia adleriana ao pensamento moderno: o conceito de inferioridade. O sentimento de inferioridade universal (No devemos cham-lo de complexo, enquanto no se tornar definitivamente neurtico). Todo indivduo o possui como parte de sua condio de ser humano. Esse sentimento de inferioridade universal tem suas razes na verdadeira inferioridade da criana, que v os adultos exercer uma fora que ela no possui. Podemos tambm identific-lo em parte no sentimento de inferioridade do homem primitivo em sua luta contra os animais ferozes.

um sentimento de inferioridade exagerado conduz a um comportamento neurtico, pois o egopassa1a buscar o poder com um empenho anormalmente forte. Quanto mais por baixo ou menor o indivduo se considera, tanto mais desesperadamente lutar no sentido de colocar-se por cima. Por sentir-se inferior, o ego assume uma fachada especial de superioridade e faz questo de mostr-la a todos.

Neste esquema de esforo por prestgio, a depreciao das outras pessoas proporcional elevao do prprio indivduo, pois medida em que elas descem, automaticamente o indivduo adquire maior superioridade. Isso explica o prazer que as pessoas encontram na maledicncia . Todos j sentiram essa tendncia de depreciar os outros, para elevar seu prprio prestgio. O indivduo normal mantm essa tendncia sob controle e procura orientar esses esforos para interesses sociais. Mas o neurtico orienta esses esforos numa linha anti-social e tenta subir,usando as outras pessoas como degraus de uma escada. Dessa forma, ele move uma guerra contra a prpria estrutura qual deve sua existncia. Contra suas prprias razes o que traz, inevitavelmente, a doena mental.

funo do aconselhador auxiliar o aconselhando a aceitar com alegria sua responsabilidade social, dar-lhe a necessria coragem para livr-lo da com pulso de seu sentimento de inferioridade e ajud-lo a dirigir seus esforos para fins socialmente construtivos.

A falta de ajustamento da personalidade pode manifestar-se sob todo tipo de sintomas como: embarao,timidez, excessivo acanhamento, preocupao e ansiedade constantes, medo de relacionar-se com as pessoas, medo especial de fracasso no trabalho e incapacidade de concentrao.

A resposta se encontra no conceito de empatia, termo geral para expressar contato, influncia e interao das personalidades. derivada do grego pathos, que quer dizer um sentimento forte e profundo, semelhante ao sofrimento e tendo como prefixo a preposio iri.

O segredo do sucesso nas relaes pessoais o uso da empatia de forma construtiva, positiva, amistosa e revigorante.

aconselhador e aconselhando podem aceitar proveitosamente como possvel a ocorrncia dessa transferncia mental e, por conseguinte, s haver lugar para a honestidade. Isso significa que cada qual pressentir o que o outro est pensando; assim, de nada adiantar perder tempo tentando enganar um ao outro. Eles podem aceitar a possibilidade de que suas mentes e coraes estejam to visveis como se estivessem colocados sobre a mesa diante deles. Esta suposio significa um rompimento de barreiras. O aconselhamento evita, destarte, fazer qualquer jogo falso com o aconselhando, e este compreender que nada vai conseguir lanando mo de semelhantes artifcios. Esse o significado verdadeiro da honestidade, uma demolio de barreiras, at que uma pessoa aceite a outra como ela realmente .

RolLo May. A ARTE DO A ACONSELHAMENTO PSICOLGICO Traduo de Waine Tobelen dos Santos, Hiplito Martendal. Traduo da edio revista Reinaldo Endlich Orth 1Y Edio EDITORAVOZES, 1989.