ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

of 57 /57
Curso de Especialização em Agribusiness BANCO DO BRASIL - SOROCABA PROGRAMA DE ESTUDOS DOS NEGÓCIOS DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL Fundação Instituto de Administração - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - Universidade de São Paulo ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS. Participantes: Generci Assis Neves Carlos Alberto Martins Jorge Miyasava Adelson Francisco de Moura Orientador: Prof. Sérgio Luiz Lepesch Sorocaba – São Paulo 2.001

Transcript of ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Page 1: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Curso de Especialização em Agribusiness BANCO DO BRASIL - SOROCABA

PROGRAMA DE ESTUDOS DOS NEGÓCIOS DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL Fundação Instituto de Administração - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - Universidade de São Paulo

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS.

Participantes: Generci Assis Neves Carlos Alberto Martins

Jorge Miyasava Adelson Francisco de Moura

Orientador: Prof. Sérgio Luiz Lepesch

Sorocaba – São Paulo 2.001

Page 2: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – FEA

Fundação Instituto de Administração – FIA MBA de especialização em Agribusiness

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS.

Participantes: Generci Assis Neves

Carlos Alberto Martins Jorge Miyasava

Adelson Francisco de Moura Orientador: Prof. Sérgio Luiz Lepesch

Monografia apresentada ao PENSA - Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial (USP), como requisito parcial para obtenção do Certificado de Especialização em Agribusiness / MBA.

Sorocaba – São Paulo – 2.001

Page 3: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Planejamento, diz respeito não as decisões futuras, mas a

impactos futuros de decisões presente. Peter Drucker

Page 4: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

S U M Á R I O LISTA DE QUADROS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . x

LISTA DE FIGURAS E TABELAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xi

RESUMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xii

1. INTRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

2. REVISÃO DE LITERATURA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

2.1. Madeira de Pinus. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

2.2. Resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.2.1. Pinus resinífero. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.2.1.1.Espécies existentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.2.1.2.Origem das espécies. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.2.1.3.Espécies no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2.2.2. Qualidade da goma resina. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2.2.2.1.No campo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2.2.2.2.Na indústria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2.2.3. Fatores interferentes na produtividade da goma resina. . . . . . . . . . . . . . . . . 7

2.2.3.1.Fatores intrínsecos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

2.2.3.2.Fatores externos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

2.2.3.3.Condução da extração, em campo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

2.2.4. Composição da goma resina. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

2.2.4.1.Breu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

2.2.4.2.Terebintina. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

2.3. Manejo florestal, com resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2.3.1. Condução e desbastes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2.3.2. Efeitos da resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

2.4. Aspectos ambientais de florestas resiníferas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Page 5: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

2.4.1. Fixação do CO2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

2.5. Aspectos sociais de florestas resiníferas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

2.6. Aspectos econômicos de florestas resiníferas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

3. PROPOSTA DE TRABALHO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

3.1. Justificativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

3.1.1. Caracterização da região estudada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

3.1.2. Modelo proposto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

3.1.3. Tamanho do módulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

3.1.4. Espaçamento e manejo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

3.2. Custo e receita da floresta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

3.3. Custo e receita da floresta resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

3.4. Análise econômico-financeira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

3.4.1. Métodos utilizados na análise econômico-financeira. . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

3.4.1.1.O Valor do dinheiro no tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

3.4.1.1.1. Inflação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

3.4.1.1.2. Taxa de juros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

3.4.1.2. Valor Presente Líquido – VPL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

3.4.1.3.Taxa Interna de Retorno – TIR. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

3.4.1.4.O Valor da Terra – VET. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

3.4.1.5.Relação Benefício/Custo – B/C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

3.5. Análise SWOT. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

4.1. Análise econômico-financeira da resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

4.2. Análise econômico-financeira do módulo proposto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

4.3. Análise SWOT do projeto proposto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Page 6: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

5. CONCLUSÕES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

6. RECOMENDAÇÕES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

6.1. Consórcio com pecuária e outras culturas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

6.2. Ocupação de áreas marginais e/ou degradadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

6.3. Proteção de matas ciliares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

6.4. Geração de receitas para pequenos produtores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

6.5. Financiamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

6.5.1. Empresas de participação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

6.5.2. Instituições financeiras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

ANEXOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

GLOSSÁRIO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Page 7: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

LISTA DE QUADROS

01 – Balanço total da demanda e da oferta de madeira no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

02 – Projeção de demanda e oferta de madeira para produtos sólidos. . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

03 – Modelo I de manejo florestal (Pinus elliottii) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

04 – Modelo II de manejo florestal (Pinus tropical). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

05 – Preço médio atual regional, de madeira roliça de Pinus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

06 – Temperatura média, precipitação e fotoperíodo de Itapeva - SP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

07 – Modelo de manejo florestal proposto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

08 – Estimativa do incremento médio anual (IMA). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

09 – Estimativa de volume de madeira, previsto nos desbastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

10 – Estimativa do faturamento (R$./ha), ao abater as árvores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

11 – Estimativa de faturamento (R$./20 ha), da resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

12 – Estimativa de faturamento anual (R$./ha/ano), de resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

13 – Fluxo de caixa mensal, da resinagem apenas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

14 – Análise econômico-financeira da resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

15 – Fluxo de caixa anual, do módulo proposto (20 ha) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

16 – Análise econômico-financeira, do módulo proposto (20 ha) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

17 – Concorrência e competitividade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

18 – Análise SWOT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

i

Page 8: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

LISTA DE FIGURAS

01 – Aplicações do breu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

02 – Produção mundial de breu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

03 – Produção mundial de breu vivo - extraído da resinagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

04 – Preço histórico da goma resina brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

05 – Segmentação de um fuste, em função de tipos de utilização industrial. . . . . . . . . . . . . 19

06 – Mapa de localização da região estudada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

07 – Distribuição da área ocupada com Pinus, no Estado de São Paulo . . . . . . . . . . . . . . . 21

08 – Ciclo da vida financeira de uma pessoa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

LISTA DE TABELAS

01 – Estimativa de custo para reflorestar (R$./ha). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

02 – Estimativa de custo da resinagem (R$/painél/ano). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

03 – SEGURO – Opção no mercado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

ii

Page 9: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

RESUMO

O setor florestal brasileiro pode se constituir em um dos mecanismos capazes de

auxiliar no desenvolvimento da economia, na medida em que permite um melhor

aproveitamento de terras, mesmo aquelas ociosas, sub-utilizadas ou degradadas e utilização de

parte da mão de obra que se encontra desempregada. Pode ainda ser uma atividade que, dentro

de uma política florestal adequada, contribua para o abastecimento de matérias primas,

reduzindo a pressão de desmatamento sobre as matas nativas ainda existentes.

A resinagem, uma das explorações economicamente importantes em florestas de

Pinus spp., tem demonstrado a capacidade de aumentar a renda da atividade, que até pouco

tempo ficava restrita à exploração da madeira. O cultivo de florestas de Pinus spp. tem se

mostrado também uma atividade adequada para pequenas propriedades, podendo ser

consorciado com outras culturas ou com gado de corte, otimizando-se a utilização do terreno.

Assim, em pequenas propriedades pode-se aproveitar a mão de obra familiar, contribuindo

para aumentar a renda das famílias rurais, evitando que estas migrem para as cidades em

busca de outras oportunidades.

O objetivo do trabalho foi o de analisar a viabilidade econômico-financeira da

exploração da goma resina, juntamente com a produção de toras para indústrias de serraria e

laminação, através da implantação de florestas em pequenos módulos rurais, a partir de 20,00

hectares.

Para tanto, além de uma revisão sobre a exploração da floresta de Pinus, fez-se

também um estudo detalhado da Região de Itapeva, no Sudoeste do Estado de São Paulo, para

a qual se propõe a exploração de florestas de Pinus em pequenos módulos, adequados aos

pequenos produtores rurais.

iii

Page 10: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

1. INTRODUÇÃO:

O setor florestal brasileiro, com a importância que tem na produção, na

arrecadação, nas exportações e no pagamento de salários, pode ser um dos instrumentos

necessários para impulsionar o desenvolvimento da economia, podendo absorver grande parte

da mão-de-obra ociosa e desqualificada, gerada pelo progresso tecnológico que tem

contribuído para o aumento do desemprego, como é o caso da agricultura moderna que vem

expulsando os trabalhadores do campo.

Desta forma o setor florestal pode, com o seu crescimento, absorver parte dessa

mão-de-obra, pois, a atividade, mesmo em áreas acidentadas, tem se mantido viável.

O desenvolvimento econômico com base no desenvolvimento florestal é uma

alternativa concreta que vem sendo discutida e proposta desde a década de 1950 pela

Organização para Alimentação e Agricultura (FAO) da Organização das Nações Unidas

(ONU), principalmente para o crescimento da economia dos países em desenvolvimento.

Embora tenha acontecido nos países escandinavos e no Canadá; nos países do

terceiro mundo, essa possibilidade não tem sido verificada. Isso se deve à falta de uma

política adequada de manejo florestal, de industrialização, de gestão e de valorização dos

produtos florestais, que vise agregar valor a esses produtos (PALO, 1988; citado por

VALVERDE, 2000).

Como se vê, o setor de reflorestamento vem ganhando importância em razão do

grande potencial gerador de emprego e renda, não somente como incentivou o Governo

através de programas de Incentivos Fiscais para o reflorestamento, nos moldes da lei 5.106, de

26 de setembro de 1966 e suas alterações subseqüentes, mas por um novo modelo que venha

incentivar e orientar investimentos pulverizados, na implantação de pequenas áreas de

florestas em propriedades de pequeno porte, através de programas de fomento.

Na região Sudoeste de São Paulo, pelas características climáticas, o gênero pinus

foi o que mais se destacou, sendo a mais importante essência indicada para reflorestamentos

em pequenas áreas, não só pela grande capacidade de desenvolvimento, mas também pela

possibilidade do seu aproveitamento na extração da goma resina, que se constitui num

produto importante do setor florestal. FAO (1993), inclui a goma resina nos estudos sobre

produtos madeireiros da floresta.

A resinagem é uma atividade que consiste na extração de goma resina, em árvores

vivas do gênero pinus. É considerada por muitos como uma forma de antecipar receitas de

1

Page 11: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

uma floresta implantada com outros objetivos, que não a produção da goma resina. Além

disso, gera empregos diretos e contribui para a fixação do homem no meio rural.

A goma resina de Pinus já era utilizada, segundo HOMA (1983), desde o Egito

antigo, com fins religiosos e para a mumificação de corpos. Ela foi também muito utilizada,

desde a época colonial norte-americana, na construção naval, com o objetivo de calafetar

peças de madeira (GURGEL, 1972), que eram usadas nos barcos da Marinha Real Inglesa.

Hoje, a goma resina de Pinus, tem sido utilizada na obtenção de breu (fase sólida)

e terebintina (fase liquida), com grande importância nas indústrias de tintas e vernizes, cola

para papel, borrachas e adesivos, entre outros.

No Brasil, a extração de goma resina é uma atividade relativamente recente, tendo

iniciado a partir da década de 70, em árvores de Pinus elliottii implantadas através de

incentivos fiscais nos anos 60 e 70.

A grande maioria das florestas, onde se faz resinagem, é ainda oriunda daquela

época do incentivo fiscal. Essas árvores foram plantadas em sistema adensado, visando

apenas a produção de matéria prima para indústrias de celulose e papel. À medida que foram

se desenvolvendo, foram sendo feitos desbastes, deixando-as com espaçamento maior,

havendo um maior desenvolvimento do tronco e da copa. Isto viabilizou a extração de goma

resina, que apesar de ser uma atividade secundária na floresta, levou o Brasil da condição de

importador, para exportador, na década de 80 (ARESB, 2000). Hoje, o País é o 2o produtor

mundial, ao lado da Indonésia e abaixo apenas da China. Segundo ARESB, a produção

brasileira de goma resina está estimada em aproximadamente 88.000 toneladas, para atual

safra 00/01.

Novas florestas que estão sendo implantadas, da mesma forma vêm utilizando

espaçamentos reduzidos, com a agravante que, as grandes empresas de reflorestamento,

visando maior mecanização, fazem apenas um corte em toda a floresta ao mesmo tempo.

Estas árvores, plantadas apenas com o objetivo de produção de celulose e papel, inviabilizam

tanto a extração de goma resina, como a produção de toras para indústrias de serraria e

laminação.

A falta de reflorestamentos para atender o segmento de serraria e laminação, faz

com que matas naturais sejam utilizadas com este objetivo, o que resulta em maior eliminação

da cobertura florestal do país.

Justifica-se a escolha deste tema, pela importância que o negócio tem para a

economia brasileira e em especial para a Região Sudoeste do Estado de São Paulo, pelos seus

aspectos sociais e econômicos, pela possibilidade de ser um adequado a pequenas áreas, como

2

Page 12: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

alternativa às demais atividades, hoje adotadas na geração de renda complementar na

agricultura familiar.

O presente trabalho tem como objetivo, analisar a viabilidade econômico-

financeira da exploração da goma resina, juntamente com a produção de toras para indústrias

de serraria e laminação, através da implantação de florestas em pequenos módulos rurais, a

partir de 20,00 hectares.

3

Page 13: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

2. REVISÃO DE LITERATURA:

2.1. MADEIRA DE PINUS:

O gênero Pinus produz madeira de excelente qualidade visual, especialmente

quando obtida a partir de árvores de grande diâmetro, desramado artificialmente durante os

seus estágios de crescimento. Este fato, associado à possibilidade de grande produção de

madeira em curto espaço de tempo, gera interesse em estudar as suas qualidades físico-

químicas e mecânicas que visam determinar suas adequadas utilizações (GARCIA, 1980).

O Brasil possui um dos maiores reflorestamentos do mundo em coníferas, o que

aliado à riqueza das suas características edafoclimáticas, proporcionam seguramente uma

enorme vantagem sobre outras nações produtoras.

É notório no entanto que se não houver plantio, não haverá o que colher no futuro,

principalmente em se tratando de resinagem e madeiras com diâmetro economicamente viável

para produção em serrarias e laminação.

Os dois quadros abaixo elucidam a real possibilidade de déficit desses produtos

num futuro próximo.

BALANÇO TOTAL DA DEMANDA E DA OFERTA DE MADEIRA NO BRASIL (1.000 m3).

ANO DEMANDA OFERTA BALANÇO 1.996 107.876 815.950 708.074 2.000 147.166 658.656 511.490 2.005 193.634 -110.366 -304.000 2.010 242.329 -1.638.147 -1.880.475

Fonte: SBS (1.999)

PROJEÇÃO DE DEMANDA / OFERTA DE MADEIRA PARA PRODUTOS SÓLIDOS (1.000 m3).

ANO DEMANDA OFERTA BALANÇO 1.996 20.396 297.290 276.894 2.000 34.355 294.915 260.560 2.005 55.112 150.997 95.855 2.010 80.476 -190.554 -271.030

Fonte: SBS (1.999)

4

Page 14: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

(SILVA, 1995) cita que, no setor de produtos sólidos derivados da madeira, que requer uma

matéria-prima mais refinada, com diâmetros mais avantajados e por se tratar de matéria prima

que demande mais tempo para ser produzida, certamente esse será um dos setores mais

atingidos. Conforme quadros acima, fonte da SBS - Sociedade Brasileira de Silvicultura, até o

ano de 2.010, o déficit de madeira para esse setor (madeira serrada, laminações, moveleira,

etc) atingiria a marca de 271 milhões de metros cúbicos.

2.2. RESINAGEM:

2.2.1. Pinus resinífero:

Sabe-se que as árvores se distribuem, no globo em folhosas e coníferas ou

resinosas, mas nem todas são possíveis de serem exploradas economicamente (GARRIDO et

al..,1998).

2.2.1.1. Espécies existentes:

Entre as inúmeras espécies existentes, em várias partes do mundo, apenas as do

gênero pinus são verdadeiramente produtoras de goma resina, ainda que a produção varie

dentro desse gênero, de espécie para espécie. Cita BERZAGHI (1972), que o volume de goma

resina e produtos dela obtidos, consumido pelo mercado mundial, são produzidos apenas por

5 espécies principais; P. elliottii var. elliottii, P. caribaea Morelet (englobando as variedades

caribaea, hondurensis e bahamensis), P. palustris, P. pinaster e P. sylustris, sendo a primeira

a maior produtora.

2.2.1.2. Origem das espécies:

Pinus elliottii Eagelm – E.E.U.U. Slash pine, yellow slash, swamppine, hill pine.

A espécie mais cultivada no Brasil, nos E.E.U.U., é tida

como a espécie mais importante, oferecendo a mais alta

produção de goma resina.

Pinus caribaea Morelet – Cresce na América Central e no Brasil é conhecida

como pinus tropicais. Sendo cultivada em climas mais

quentes, como o triângulo mineiro.

5

Page 15: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Pinus pallustris Muller – E.E.U.U. Souterm Yellow pine - hard pine - longstrow

pine - longleaf pine. Nos E.E.U.U. é cultivada

principalmente na área que abrange desde as Carolinas até

o Texas.

Pinus pinaster Ait – Espécie Européia, denominado pinheiro marítimo.

Desenvolve principalmente em solos arenosos.

Pinus sylvestris – Cresce na Europa, principalmente na França, Espanha e

Portugal. Explorado na Finlândia, Turquia, Rússia,

Alemanha e outros países da Europa.

2.2.1.3. Espécies no Brasil:

Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, com clima mais ameno, a espécie mais

plantada é o Pinus elliottii var. elliottii que coincidentemente é uma das mais produtoras de

goma resina. Em outras regiões mais quentes, recentemente começou a explorar goma resina

do “pinus tropicais” destacando-se o Pinus caribaea var. bahamensis e o Pinus caribaea var.

hondurensis. (GARRIDO et all, 1987).

2.2.2. Qualidade da goma resina:

A qualidade da goma resina varia conforme as espécies, tanto em sua forma de

extração, como em sua composição física e química.

2.2.2.1. No campo:

A goma resina do Pinus elliottii não oxida no painel, enquanto a goma resina do

“pinus tropical” oxida nos painéis, dificultando sua coleta. ORLANDINI, (2.000).

2.2.2.2. Na indústria:

A goma resina do Pinus elliottii é composta de 68% de breu, 17% de terebintina,

10% de umidade e 5% de impurezas sólidas e água das chuvas, enquanto que a goma resina

do “pinus tropical” possui 68% de breu e de 4 a 9% apenas de terebintina (ORLANDINI,

2.000).

ASSUNÇÃO (1973), cita que a qualidade do breu obtido da goma resina de

Pinus oocarpa não é muito boa, devido ao seu alto teor de materiais insaponificáveis. A

6

Page 16: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

goma resina de Pinus pátula foi a que forneceu breu de pior qualidade, pelo teor de

insaponificáveis enormemente alto. O breu obtido da goma resina do Pinus insalubris, por sua

vez, foi o que apresentou melhores valores para número de saponificação, número de acidez,

teor de insaponificáveis, cor e ponto de amolecimento. A goma resina obtida do Pinus pátula

forneceu terebintina de pior qualidade, devido ao baixo teor de alfa e beta-pineno nela

existentes. No entanto o autor afirma que as gomas resina de Pinus elliottii e Pinus caribaea,

produziram derivados com qualidade razoável para uma exploração comercial.

2.2.3. Fatores interferentes na produtividade da goma resina:

Os fatores que influenciam a produção de goma resina podem ser divididos em

duas classes: fatores intrínsecos e fatores físicos ou externos (BRITO; BARRICHELO, 1978).

2.2.3.1. Fatores intrínsecos:

São fatores determinantes para a implantação do projeto de reflorestamento:

A escolha da espécie, sua procedência e constituição genética são determinantes

básicas, como salientado anteriormente, pois existem espécies com maior potencial que

outras, para a produção de goma resina. Assim, o Pinus elliottii var elliottii é a que apresenta

maior potencial.

a. Sanidade da planta: Uma árvore sadia e vigorosa tem tudo para ser uma boa

produtora de goma resina.

b. Idade da Planta: O desenvolvimento vegetal está ligado ao conceito de idade, e

portanto é um componente importante da produção. A resinagem em Pinus elliottii var

elliottii, na região de Itapeva, Estado de São Paulo, é realizada em povoamentos com

mais de 8 anos de idade.

c. Espaçamento: Sabe-se que quanto maior o número de indivíduos em relação a uma

determinada área, menor será o seu crescimento em diâmetro e em tamanho de copa

das árvores.

d. Dimensões da planta: A bibliografia é unânime em afirmar a influência da árvore na

produção de goma resina. Demonstram haver relação direta entre a produção de goma

resina, a copa e o diâmetro da árvore explorada. Em geral, seleciona-se para resinar,

árvores com DAP superior a 16 centímetros.

7

Page 17: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

GURGEL FILHO e GURGEL GARRIDO (1977), realizando estudos com Pinus

elliottii var. elliottii, para verificar a influência do diâmetro e da copa, na produção de goma

resina, durante um período de 9 meses, concluíram que o DAP influencia na quantidade de

goma resina produzida na ordem de 11 %, segundo o coeficiente de determinação obtido.

GURGEL FILHO et al. (1967), estudando a produção de goma resina, de acordo

com o diâmetro, em árvores de Pinus elliottii, constataram que a cada 1 cm de acréscimo no

DAP, correspondeu um aumento de 10,54 gramas na produção de goma resina, por planta e

por estria.

2.2.3.2. Fatores externos:

Também chamados de fatores físicos, estão relacionados com o sistema

operacional. A produção de goma resina é influenciada pela qualidade dos serviços

praticados, iniciados a partir da escolha da árvore a ser resinada.

Pode-se chamar de artesanal, a arte em resinar, pois é dependente da mão de obra

e os funcionários que trabalham nesta atividade, devem ser bem preparados e motivados, para

executar com carinho, as operações nas árvores resinadas.

O principal problema detectado, à nível de campo, é o vazamento lateral da goma

resina, que não chega a cair diretamente no recipiente (saco) que deve acondicionar a goma

resina produzida. Quer seja pelo mau direcionamento das estrias, vazamento pela má

colocação do saco plástico ou mesmo quando esse saco plástico estoura em sua solda ou

deprecia pelo tempo de uso.

2.2.3.3. Condução da extração, em campo:

Sabe-se que a goma resina encontra-se sob pressão no lenho dos pinheiros, dentro

de canais resiníferos verticais e horizontais.

GRAÇA (1984), citado por GARRIDO et al. (1998) descreve que a atividade

resineira, no princípio, consistia no corte da casca e do lenho, de maneira a expor os canais

resiníferos e permitir o fluxo da goma resina.

Como o processo antigo era muito dispendioso em termos de mão de obra,

ensaiaram vários produtos, para manter o fluxo de resina, sem ser necessário fazer estrias tão

freqüentes.

Atualmente, para destruir as paredes celulósicas dos canais resiníferos e permitir a

livre exsudação da goma resina, faz-se a operação de estria, que consiste na remoção

periódica (aproximadamente 15 dias), de parte da casca da árvore (aproximadamente 2 cm de

8

Page 18: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

altura), e em seguida são aplicados junto à linha de contato da casca com o lenho, cerca de 2

gramas de pasta estimulante à base de H2SO4 .

Para acondicionar essa goma resina que exsuda da árvore, fixa-se na base da

árvore, saco plástico (35x25x0,20), com arame (material removível) . Quando cheio de goma

resina, retira-se em latas de 20 litros e acondiciona em tambores metálicos de 200 quilos para

transporte até as indústrias de breu e terebintina, ou mesmo para exportação in natura.

Durante uma safra de resinagem (9 meses) faz-se em média 18 a 20 estrias com

altura média de 2 cm e largura aproximada de 20 cm, determinando um painel de

aproximadamente 800 cm2. Assim, determina-se a longevidade da atividade na árvore, que

economicamente torna-se viável, durante aproximadamente 16 anos.

O painel (largura e altura) explorado durante a safra, é fator determinante da

produção anual, porém, sabe-se que tecnicamente na análise dos custos, deve-se usar a

unidade/quantidade, em gramas produzidas por área (cm2) explorada na árvore.

O rendimento da operação de resinagem é de 15.120 árvores /homem/safra-ano,

segundo CASER (1998) e para a ARESB, o rendimento é de 10.000 árvores/homem/safra-

ano, realizando todas as etapas, com retorno a cada 14 dias.

No período mais frio do ano (junho a agosto), é feita a raspa da goma resina que

ficou no tronco resinado e em seguida reinstalam-se os sacos que vão acondicionar a goma

resina da próxima safra. No frio, a produção de goma resina diminui e por isso essa operação

de instalação de materiais, é realizada nessa época, aproveitando a mão de obra, sem

dispensar os trabalhadores, além de permitir um “descanso” da árvore.

Segurança do Trabalho:

É de suma importância, sendo considerada atividade INSALUBRE, porque há o

envolvimento direto do homem na atividade.

Os E.P.I. exigidos pela CIPA, para funcionários que atuam na resinagem são:

• Na aplicação de pasta estimulante e estrias:

o Botas de P.V.C., luvas de P.V.C., aventais plásticos, viseira e capacete.

• Na coleta da goma resina:

o Luvas de P.V.C., botina e capacete.

• No transporte interno da goma resina:

o Sapatos com biqueira de aço, luvas de P.V.C. e capacete.

9

Page 19: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

2.2.4. Composição da goma resina:

A goma resina obtida pela exsudação das árvores de pinus, é uma mistura de

hidrocarbonetos de cadeia longa, compostos por vários ácidos resínicos, tendo como principal

deles, o ácido abiético, que após destilação, torna-se a parte sólida, chamado breu e a parte

volátil, composta de cíclicos aromáticos, chamada terebintina.

2.2.4.1. Breu:

Partindo de citações bíblicas sobre o uso do pinheiro e de sua resina, para

calafetar a Arca de Noé ou para impermeabilizar o cesto-berço de Moisés, o breu tem sua

história intimamente ligada à construção naval. Navegadores fenícios e ingleses da era

vitoriana, independente do tempo que os separam, usaram a goma resina, de modo parecido

na calafetação de barcos e na impermeabilização de velas, sendo os ingleses responsáveis pela

denominação coletiva de naval stores (suprimentos navais) usada nos países de língua inglesa,

até hoje, para denominar os derivados da goma resina.

Os grandes volumes de aplicação de breu, na atualidade, são para colas utilizada

na fabricação do papel, tintas e vernizes, hot melt, adesivos, borrachas sintéticas; sendo o

restante aplicado nas áreas de cosmética, alimentícias, e outras.

APLICAÇÕES DO BREUFonte: Naval Store, 2000

27%

26%

13% 5%

29%

281.000 ton Tintas de Impressão271.000 ton Cola Papeleira313.000 ton Adesivos142.000 ton Emulsionantes/Borrachas50.000 ton Outros Segmentos

*Outros segmentos: dentre eles, cosméticos, sabões, detergentes, e indústrias

alimentícias como chicletes.

10

Page 20: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Atualmente, a obtenção do breu é decorrente de três modos, sendo dois deles por

métodos destrutivos (breu de cepo e breu de tall oil), e o terceiro breu “vivo” produzido a

partir da goma resina extraída de árvores vivas, o qual trata-se do foco deste trabalho.

O breu de cepo, ou breu morto, é obtido pelo aproveitamento da base

remanescente do corte da floresta, juntamente com as raízes grossas. Método muito antigo,

ainda utilizado em parte dos Estados Unidos. Tem custo de extração elevado, justificando-se

apenas em áreas de terras de alto valor e que necessitam ser destocadas para serem utilizadas

para outra finalidade, razão pela qual ocupa apenas 3% da produção mundial.

O breu de tall oil é resultante do aproveitamento obrigatório do resíduo da

industrialização da celulose de fibra longa.

Esse resíduo, também chamado de lixívia negra, tem grande poder de poluição,

devido a lavagem da celulose por solventes, os quais arrastam consigo a goma contida na

madeira, no momento do processamento.

Como o número de fábricas de celulose e papel de fibra longa é muito grande nos

Estados Unidos e norte da Europa (Finlândia, Noruega e Suécia), a quantidade desse breu

também é grande, tornando-se forte concorrente ao breu vivo oriundo da resinagem em

árvores vivas. A sua participação de mercado, em 33%, é bastante significativa, mesmo com

qualidade inferior, devido preço atraente.

A extração da goma resina, através do método de resinagem em árvores vivas, em

que focamos nosso trabalho, é responsável por 64% da produção mundial de breu, e esse é

denominado breu vivo , colofônia, pez ou gum rosin. NAVAL STORE, (2.000).

Destaca-se, por ser matéria prima natural, renovável e não poluente.

PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU Fonte: Naval Store, 2000

3%

33%

64%

673.000 ton BREU deRESINAGEM352.000 ton BREU deTALL OIL 32.000 ton BREU deCEPO

11

Page 21: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

0%10%20%30%40%50%60%70%

Prod

ução

1 Produtores

PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU VIVO Fonte: Naval Store, 2.000

390.000 ton China62.000 ton Indonésia50.000 ton BRASIL23.000 ton México23.000 ton Portugal20.000 ton Argentina105.000 ton Outros

*Outros Países: Países da América Central e Ilhas do Caribe, além de Rússia, França, Vietnã.

A China é o maior produtor de goma resina do mundo. Segundo Naval Store

(2000), a China produz em torno de 570 mil toneladas/ano de goma resina, representando

58% do mercado mundial de breu vivo, com 390 mil ton breu vivo/ano. Enquanto o Brasil e

Indonésia disputam o segundo lugar no mercado.

Através de coleta de dados disponível no site da ARESB, a produção brasileira

para a safra atual, 2000/2001, está estimada em 88.000 toneladas de goma resina, sendo

aproximadamente 50 % para consumo interno e o excedente exportado em forma de breu vivo

ou de goma resina in natura, gerando divisas para o país. Essas 88.000 toneladas de goma

resina in natura, geram em torno de 58 mil toneladas de breu vivo, conforme aproveitamento

industrial de 68%. (www.aresb.com.br).

2.2.4.2. Terebintina:

O nome terebintina possui origem grega e era dado à resina obtida de Pistacia

terebinthius da família anarcadiaceae (ORLANDINI, 2000)

A terebintina, também chamada de aguarrás vegetal, obtida pela destilação da

goma resina, é um líquido oleoso, transparente, rico em α e β pineno, que são compostos

cíclicos aromáticos; os quais permitem sua utilização como matéria prima para

industrialização de grande número de produtos, tais como acetato de terpenila, isobornila,

terpineol que serão utilizados na indústria de fragrâncias e perfumaria (GARRIDO et al.,

1998).

12

Page 22: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Os desinfetantes “pinho” que possuem ação germicida (fungicida e bactericida)

levam em sua formulação, o óleo de pinho oriundo da industrialização da terebintina.

Passando pela indústria de química fina, a terebintina também dará produtos

nobres, tais como: vitaminas, componentes de inseticidas naturais, resinas politerpênicas para

colas especiais, dentre outros.

O seu uso estende como solventes de tintas especiais, bem como, na área

farmacêutica, fazendo parte de produtos como Gelol, Vick VapoRub, pomada de basilicão e

outros.

2.3. Manejo florestal com resinagem:

A seleção massal como método de melhoramento, em certas condições, pode ser

usada para eliminar indivíduos de baixo valor agrícola, sendo, portanto, de grande utilidade na

purificação de variedades existentes, ALLARD (1971).

Ao desbastar uma floresta, estamos não só antecipando receitas, como também

eliminando árvores defeituosas, dominadas e de baixa produção de goma resina.

Fato relevante quando se considera que, segundo BUCCI et al., (1986) a produção

de goma resina é influenciada pelo manejo, sendo superior em áreas que sofrem desbastes, e

GURGEL GARRIDO et al., (1994) concluem que o maior ganho ocorre quando o desbaste é

seletivo.

Experiências demonstram que as plantas obedecem, além de um plano em seu

manejo para madeira, também manejo para goma resina. Assim, a mesma espécie em um

mesmo ambiente, depende da maior ou menor densidade das plantas por unidade de

superfície, para ter um melhor desenvolvimento em sua altura, diâmetro e copa que são

fatores intrínsecos para produção de goma resina, conforme citado acima no ítem 2.2.3.1.

2.3.1. Condução e desbastes:

NICOLIELO (1983), apresenta modelos de manejo florestal, onde visa à

combinação de se explorar goma resina juntamente com a produção de madeira, não causando

prejuízo ao povoamento florestal, através do incremento médio anual. Os modelos estão

apresentados a seguir nos quadros 3 e 4 respectivamente para Pinus elliottii e espécies de

Pinus tropicais.

13

Page 23: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

QUADRO 3. Modelo I de manejo florestal (Pinus elliotti)

Idade Número de árvores por hectare

(anos) antes do desbaste a desbastar remanescentes a resinar sem resinar

01 2.000 - - - -

10 2.000 800 1.200 480 720

15 1.200 480 _ 720 300 420

20 720 300 420 170 250

25 420 170 250 250 -

30 250 - - - -

QUADRO 4. Modelo II de manejo florestal (Pinus tropical)

Idade Número de árvores por hectare

(anos) antes do desbaste a desbastar remanescentes a resinar sem resinar

01 1.660 - - - -

08 1.660 660 1.000 500 500

14 1.000 500 _ 500 250 250

20 500 250 250 250 -

26 250 - - - -

Outros modelos podem ser seguidos. Em casos de produção de madeiras para

serrarias e também para produção de goma resina, adota-se um espaçamento maior e a

resinagem inicia-se já aos oito anos de idade em todas árvores do povoamento e a resinagem

perdura por quinze anos, quando serão abatidas e sua madeira aproveitada (GARRIDO et al.,

1998).

2.3.2. Efeitos da resinagem:

RIBAS et al. (1984) estudaram os efeitos da resinagem no desenvolvimento das

árvores e concluíram que há uma diminuição no incremento diamétrico de árvores resinadas,

porém, não há diferença significativa no incremento em altura entre árvores resinadas e não

resinadas.

14

Page 24: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

FIGUEIREDO FILHO (1991), avaliando um povoamento de Pinus elliottii

Engelm. var. elliottii, localizado em Telêmaco Borba, PR, com 23 anos, concluiu que a

floresta resinada, apresentou um ganho de U$ 504,30 / ha, em relação à floresta não resinada.

A pesquisa e experimentação têm demonstrado que as árvores que sofrem

resinagem, mesmo por períodos longos, não apresentam qualquer defeito no lenho, que venha

a depreciar a madeira (GURGEL FILHO, 1972) citado por GARRIDO (1998).

GARRIDO (1998), cita que na prática observa-se que os serradores de árvores

resinadas colocam restrições, afirmando que a madeira dessas árvores fica mais “dura”.

Visualmente percebe-se que a madeira de uma árvore resinada da espécie Pinus elliottii fica

mais avermelhada, dando-lhe um aspecto mais bonito.

GURGEL FILHO & FARIA (1978), verificaram que árvores de Pinus elliottii

quando submetidas a resinagem, apresentou uma diminuição no crescimento médio em

diâmetro, proporcional à produção de goma resina.

SANDERMAN (1974), cita trabalhos de pesquisadores que verificaram ser

mínimo o prejuízo causado pela resinagem no incremento da madeira.

No início da atividade de resinagem, eram usados como recipiente coletor,

materiais que eram fixados na árvore, com pregos, além de calhas condutoras confeccionadas

com materiais galvanizados e esses muitas vezes ficavam nos troncos das árvores,

prejudicando e condenando o uso industrial em serrarias, dessa parte nobre da árvore. Hoje,

não há mais esse inconveniente, pois os coletores são sacos plásticos amarrados com arame,

sem uso de calhas e são removidos facilmente das árvores, deixando-as livres para a

industrialização final.

2.4. Aspectos ambientais de florestas resiníferas:

Ao reflorestar uma propriedade, traz-se inúmeros benefícios indiretos para a

natureza, equilibrando o meio ambiente e renovando a matéria orgânica do solo. Dentre tantos

benefícios já conhecidos por todos, o que mais aparece na mídia nos dias de hoje é com

relação à fixação de CO2.

2.4.1. Fixação do CO2:

O uso intensivo, pelo homem, de recursos fósseis não renováveis (CH4 = metano),

como carvão, petróleo e gás natural, aumenta as emissões de dióxido de carbono. Esse gás

15

Page 25: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

existe naturalmente na atmosfera, mas em excesso, aliado a outros gases, provoca o efeito

estufa: aprisionamento do calor que causa aumento da temperatura e mudanças climáticas. O

desmatamento contribui para esse fenômeno, uma vez que as árvores absorvem o CO2,

liberando oxigênio e carbono limpo. (6a Conferência sobre mudanças climáticas da ONU,

Bonn, Alemanha, 2001. Extraído do Jornal OESP de 22/Julho/2001, Pág. A12).

Ao investir em plantios de floresta, colabora-se para que o Brasil passe da

intenção à ação, no que se refere ao objetivo do Protocolo de Kyoto. Afinal, a não emissão de

gases é apontada, hoje, como condição para o equilíbrio do ambiente, sabendo-se que no

mundo, as áreas verdes não crescem na mesma velocidade da produção industrial do mundo.

Cada folha verde, sabe-se agora, também tem um valor. Estima-se, hoje, em

aproximadamente R$.0,46 (Quarenta e seis centavos de Real) por tonelada de carbono

absorvido da atmosfera. COUTINHO (2001).

Cada hectare de floresta de Pinus com mais ou menos 600 m3, é capaz de

seqüestrar aproximadamente 300 toneladas de CO2.(ARESB, citado no Boletim informativo n.

35 de Jan/Fev, 2.001).

2.5. Aspectos sociais de florestas resiníferas:

VALE et al. (1989) afirmam que a definição de uma política florestal contribui

para o abastecimento de matérias primas e para reduzir a pressão dos desmatamentos sobre as

matas nativas ainda existentes. Da mesma forma, pode indicar melhor aproveitamento das

terras ociosas, sub utilizadas ou degradadas e, ainda, ser um agente de conscientização do

homem do campo no uso adequado dos recursos naturais.

No Brasil, a exploração de mais de 45 milhões de árvores, implica no emprego

direto de mais de 10 mil pessoas. Juntamente, com outras atividades florestais relativas à

exploração de madeira, a goma resina contribui para dar à floresta um cunho altamente social.

(GARRIDO, 1998).

Em pequenas propriedades:

Além do aproveitamento da mão de obra familiar, a resinagem contribui para

aumentar a renda per capita nas pequenas propriedades, evitando o êxodo rural. Nestas

propriedades pode-se otimizar a utilização do terreno, consorciando o Pinus com outras

culturas e até com gado de corte.

16

Page 26: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Neves & Stecca (1998)2 visitando áreas de exploração na China, relatam que lá, a

atividade é exercida por pequenos produtores, que se ocupam de pequeno número de árvores

(1.000 a 1.500) e de propriedade do Estado, resinando-as intensivamente.

2.6. Aspectos econômicos de florestas resiníferas:

O nosso país foi, até meados de 1980, um grande importador de breu (32.459 ton.)

e, a partir de 1989 o Brasil tornou-se exportador, competindo com países tradicionais no

mercado internacional, como a China, por exemplo. (GARRIDO et al., 1998).

A resinagem constitui numa ótima forma de se auferir rendas de povoamentos

florestais de Pinus spp servindo de estímulo a uma atividade, que até pouco tempo atrás,

estava restrita a produção de madeira, despertando interesse de novos investimentos em

reflorestamentos, concorrendo para evitar a falta de produtos e subprodutos provenientes de

madeira. E que se bem realizada, pode tornar-se mais do que uma fonte de renda

complementar à exploração da própria madeira. (GARRIDO et al., 1998).

SOUZA, W.A. (1997), cita que resinagem, além de gerar muitos empregos diretos

o ano todo, gera muita renda aos proprietários de florestas que arrendam as árvores para os

resinadores explorarem durante o crescimento e o corte final; quando essas árvores serão

transformadas em vários produtos como: papel, celulose, carvão, lenha e madeira serrada”.

Diz também que “a atividade de extração de goma resina ficou tão atraente economicamente

que várias novas florestas estão sendo implantadas com o objetivo principal de produzir mais

goma resina, além de ter mais cuidados técnicos como o uso de sementes selecionadas,

desbastes na hora certa e desgalhamentos para eliminação dos nós mortos, obtendo troncos

retos e grossos para o uso em serrarias e laminações no final do ciclo destas florestas”.

CASER (1998) prevê uma elevação dos preços da resina, praticada pela china,

como resultado da política salarial e aumento do consumo interno, o que proporcionará novas

perspectivas ao mercado brasileiro.

2 4o Encontro sobre goma resina, Itapeva, SP – Palestra “Explanação sobre o encontro Naval Store e visita à China”, proferida por Augusto Assis Neves e Roberto Groes Stecca.

17

Page 27: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

FIGURA 4. - Preço da goma resina brasileira, livre de impostos e frete. (ARESB, 2.000).

218 213

265 263291 302

265

355

293 292

255

331

445

536

253 246264

0

100

200

300

400

500

600

1984

1985

1986

1987

1988

1989

1990

1991

1992

1993

1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

Anos

US$./ton

QUADRO 5 – Preço médio atual regional, dos produtos em regime de matagem,

ou seja, árvore em pé:

Produto Diâmetro R$/St Terço médio inferior da árvore (base) Ø > 25 Cm R$ 28,00 Terço médio superior da árvore 17 < Ø < 25 R$ 18,00 Ponteiros 8 < Ø < 17 R$ 5,00 Galhos, ramos e folhas vários desconsiderado Fonte: Pesquisa em empresas regionais, pelos participantes.

Uma árvore quando abatida, transforma-se em vários subprodutos e cada qual terá

o seu destino de consumo. Então, quando abatidas teremos:

• Terço médio inferior da árvore (Base): É a parte mais nobre, pois é a

que possui maior diâmetro (acima de 25 centímetros) e geralmente

inexistem nós na parte interna. É apropriada para faquiamento ou

laminação; produzindo lâminas nobres para revestimento de móveis tipo

exportação e fabricação de compensados em geral.

18

Page 28: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

• Terço médio superior da árvore: É a parte que possui diâmetro inferior a

25 e superior a 17 centímetros. Essa parte é usada em serrarias para

produção de tábuas, pontaletes, sarrafos, móveis e outros. É bem

remunerada e gera muita receita e empregos onde é consumida.

• Ponteiros: É a parte com diâmetro inferior a 17 e superior a 8 centímetros,

com grande escala de consumo na indústria de papel e celulose. Também

usada em fábricas de artefatos de madeira, carvão vegetal e energia.

• Galhos, ramos e folhas: São resíduos florestais que podem ser usados

para carvão vegetal, energia (em forma de chips), e matéria orgânica na

conservação e enriquecimento nutricional do solo.

FIGURA 5. – Segmentação de um fuste, em função de tipos de utilização industrial:

19

Page 29: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

3. PROPOSTA DO TRABALHO:

3.1. Justificativas:

3.1.1. Caracterização da Região de Itapeva:

O trabalho foi elaborado baseando-se na região de Itapeva.

Itapeva localiza-se no sudoeste do Estado de São Paulo e sudeste do Brasil. Faz

divisa com os municípios de: Itaberá, Itaí, Itararé, Paranapanema, Buri, Capão Bonito, Nova

Campina, Taquarivaí, Ribeirão Branco, Apiaí e Guapiara.

A cidade de Itapeva está à 726 m acima do nível do mar, e a temperatura média

anual é de 20,3o C. A precipitação pluviométrica é de 1.467,5 mm/ano e a média da umidade

relativa do ar é de 76 %.

QUADRO 6 -Temperatura Média, Precipitação e Fotoperíodo de Itapeva, SP. No período de 1941 à 1970.

M Ê S JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Temp. média (oC) 24,2 22,0 21,3 18,8 16,4 15,4 15,0 17,0 17,9 19,1 20,2 21,3 Pptação (mm) 179 171 114 65 60 70 51 40 80 126 81 147 Fotoperíodo (h)* 13,2 12,7 12,1 11,4 10,8 10,5 10,7 11,1 11,8 12,4 13,0 13,4

* Fotoperíodo considerando o 15o dia de cada mês. Fonte: Dados obtidos no Instituto Agronômico de Campinas – IAC (1994)

O Quadro 6 mostra que o clima da região de Itapeva caracteriza-se como um

clima temperado, para o qual a exploração do Pinus elliottii var elliottii, é altamente

recomendado.

A região possui relevo ondulado, com áreas mais suaves e outras bastante

declivosas e erodidas. Existem, entretanto, áreas praticamente planas, facilmente

mecanizáveis.

20

Page 30: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

FIGURA 6. – Mapa de localização da região estudada:

FIGURA 7. – Distribuição da área ocupada com Pinus no Estado de São Paulo:

Fonte: www.cati.sp.gov.br

21

Page 31: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

3.1.2. Modelo Proposto:

O professor Hilton Thadeu Zarate de Couto, do Departamento de Ciências

Florestais da ESALQ – USP, de Piracicaba ensina que “FLORESTAR não significa

necessariamente formar grandes maciços: acima de 20 ha, a atividade torna-se viável

economicamente”. Ele aconselha os fazendeiros que têm terras inaproveitadas – por baixa

fertilidade, terrenos pedregosos ou de grande declividade – a fazerem o reflorestamento.

Nesta mesma matéria o Engenheiro Florestal Milton de Assis Neves resume que o

reflorestamento desta maneira não toma espaço de nenhuma outra cultura e nem reclama

terras de boa qualidade, bastando as áreas rejeitadas pela agricultura (COELHO, 1989).

Esse módulo rural de 20 hectares dá sustentação para empregar um casal durante

muitos e muitos anos no trabalho da resinagem, pois teremos ao longo do ciclo do projeto

entre 18.000 e 14.000 árvores nesta área, o que suporta a propositura além da otimização do

uso da terra com receitas marginais.

3.1.3. Tamanho do módulo:

O INCRA define como Módulo Fiscal – MF – uma unidade de medida expressa

em hectares, fixada para cada município, considerando os seguintes fatores:

Tipo de exploração predominante no município;

Renda obtida com a exploração predominante;

Outras explorações existentes no município que, embora não

predominantes, sejam significativas em função da renda da área

utilizada; e

Conceito de propriedade familiar.

O Módulo Fiscal serve de parâmetro para classificação do imóvel rural quanto ao

tamanho, na forma da Lei no 8.629/93. O Módulo Fiscal, vigente em cada município, foi

fixado pelos seguintes atos normativos: Instruções Especiais/INCRA no 19/80, 20/80, 23/82,

27/83, 29/84, 33/86 e 37/87; Portaria/MIRAD no 665/88, 33/89 e MA no 167/89; Instrução

Especial/INCRA no.32/90, Portaria Interministerial MF/MA no 308/91, MF no 404/93 e

Instrução Especial INCRA no 51/97.

22

Page 32: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Conforme publicação da Diretoria de Cadastro Rural - DC – do Instituto Nacional

de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, 1997, o módulo rural fiscal para o município de

Itapeva (SP) é de 20 ha.

3.1.4. Espaçamento e Manejo:

Em florestas muito densas, normalmente tem-se alta freqüência de pequenos

diâmetros, alem da concorrência em luz e água do solo entre os indivíduos presentes, o que

vem diminuir o metabolismo da planta.

A opção pelo espaçamento de 3,30 metros entre as linhas de Pinus visa a

possibilitar total mecanização do cultivo consorciado de outras culturas, durante a formação

da floresta. E com o objetivo de produzir-se árvores com diâmetro avantajado e copa larga,

optou-se por 2,80 metros entre as plantas, possibilitando assim, menos concorrência entre a

população de Pinus, trazendo mais insolação e favorecendo a produção de goma resina.

Assim, tem-se uma população inicial de 1.080 plantas por hectare.

Para efeito de transporte e locomoção, além de tornar uma proteção contra

incêndios, a floresta é dividida em talhões e entre esses, há os aceiros. Os aceiros possuem

largura de 3,00 metros (aproximadamente 2,5 % do terreno).

QUADRO 7. Modelo de manejo florestal proposto

Idade Número de árvores por hectare

(anos) antes do desbaste a desbastar remanescentes a resinar sem resinar

00 1.080 - - - -

07 1.080 180 900 900 -

13 900 200 _ 700 700 -

24 700 700 - - -

Com várias análises e no espaçamento proposto a população inicial dessa floresta

vem de encontro com os aproveitamentos citados acima de terrenos e aproveitamento da terra

para outras culturas como feijão e milho ou pecuária, otimizando o uso do solo enquanto a

floresta cresce. Não está muito espaçado como algumas empresas estão fazendo, por

favorecer uma seleção natural dos fenótipos mais propícios à produção de goma resina e toras

para serrarias, auferindo assim melhores lucros e antecipando receitas com os desbastes, antes

de seu corte final.

23

Page 33: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

3.2. Custo e receita da floresta:

Os Custos atuais de implantação e condução de floresta de Pinus resinífero, para

pequenos módulos, com espaçamento 3,30 por 2,80 metros, e população inicial de 1.080

plantas/ha e conforme tabela 1, página 41, em anexo, que mostra custo de: R$.556,78/ha. no

1o ano (Implantação) – ano 0, e manutenção no 2o ano – ano 1 de R$.156,10/ha., no 3o ano –

ano 2 de R$. 96,21/ha. e do 4o ano em diante (anos 3 à 24), ignorou-se os custos, pois os

mesmos, em se tratando de pequenos lotes são incorporados com outras atividades marginais

à floresta; e os preços de venda apurados são em regime de matagem, ou seja, preço da árvore

“em pé”.

QUADRO 8.1 e 8.2 - Estimativa do Incremento médio Anual (IMA), e do volume com casca, nos desbastes deste projeto:

Incremento Médio Anual Volume esperado (St/ha), para este projeto

Ciclo do I M A Ano do Árvores Volume Volume D e s b a s t e s Projeto (st/ha/ano) Projeto (unid/ha) (st/ha) (st/árv.) (%) (árv./ha) (st/ha)

Ano 0 à 7 50 Ano 7 1.080 400 0,37 17% 180 67 Ano 8 à 13 40 Ano 13 900 560 0,62 18% 200 124 Ano 14 à 24 30 Ano 24 700 750 1,07 65% 700 750

M é d i a 40 TOTAL 1.080 941 Fonte: Baseado em levantamentos volumétrico na região de Itapeva, pelo Engo. Florestal

Waldomiro Antonio de Souza, e publicação de trabalhos do Instituto Florestal de SP.

QUADRO 9 - Estimativa de volume de madeira, por porcentagem e classe de

diâmetro (DAP), previsto nos desbastes deste projeto:

Ano do Volume 8< diâmetro <17cm 17< diâmetro < 25 cm diâmetro >25 cm

Desbaste (st/ha) % (st/ha) % (st/ha) % (st/ha) Ano 7 67 80% 53 20% 13 - - Ano 13 124 50% 62 35% 44 15% 19 Ano 24 750 10% 75 55% 413 35% 263 TOTAL 941 20% 191 50% 469 30% 281

24

Page 34: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

QUADRO 10 - Estimativa do faturamento por hectare, ao abater as árvores deste projeto, durante os desbastes:

Ano do 8 < diâmetro < 17 cm 17 < diâmetro < 25 cm diâmetro > 25 cm TOTAL

Desbaste (st/ha) R$/st Valor-R$. (st/ha) R$/st Valor-R$. (st/ha) R$/st Valor-R$. (R$./ha) Ano 7 53 5,00 266,67 13 18,00 240,00 - - - 506,67 Ano 13 62 5,00 311,11 44 18,00 784,00 19 28,00 522,67 1.617,78 Ano 24 75 5,00 375,00 413 18,00 7.425,00 263 28,00 7.350,00 15.150,00 TOTAL 191 5,00 952,78 469 18,00 8.449,00 281 28,00 7.872,67 17.274,45

3.3. Custo e receita da resinagem:

Baseou-se na tabela 2, página 42, em anexo, que mostra detalhes de Receitas e

Despesas (R$./painel trabalhado /ano safra), e no aproveitamento das árvores remanescentes

após desbastes do manejo florestal proposto neste projeto de 20 hectares.

QUADRO 11 - Estimativa de faturamento da resinagem, durante o ciclo de rotação do projeto proposto:

R E S I N A G E M - (R$./ 20 ha/ ano) ANO DESPESAS RECEITAS RESULTADO

8 (8.677,80) 9.360,00 682,20 9 (16.743,60) 37.800,00 21.056,40 10 (16.743,60) 37.800,00 21.056,40 11 (16.743,60) 37.800,00 21.056,40 12 (16.743,60) 37.800,00 21.056,40 13 (14.815,20) 35.720,00 20.904,80 14 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 15 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 16 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 17 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 18 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 19 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 20 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 21 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 22 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 23 (13.022,80) 29.400,00 16.377,20 24 (6.273,40) 22.120,00 15.846,60

TOTAL (226.968,80) 512.400,00 285.431,20

25

Page 35: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

QUADRO 12 - Estimativa de faturamento anual (R$./ha/ano) de resinagem:

Ano Safra, (R$./ha) árv./ha. CUSTO RECEITA Julho/ano 8 à Junho/13 900 (837,18) 1.890,00 Julho/ano 13 à Junho/24 700 (651,14) 1.470,00

3.4. Análise econômico-financeira:

3.4.1. Métodos utilizados na análise econômico-financeira:

Para se avaliar economicamente um projeto, baseia-se em um fluxo de caixa em

que existem custos e receitas. Os métodos mais indicados para este tipo de análise no setor

florestal são os que consideram o valor do capital no tempo (REZENDE e OLIVEIRA, 1993).

Os critérios de avaliação econômica adotados neste trabalho são: Valor Presente

Liquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR), Benefício/Custo periódico equivalente

(B/CPE), Custo Médio de Produção (CMP) e Razão Benefício/Custo (B/C).

3.4.1.1 - O valor do dinheiro no tempo:

(HALFELD, 2001) questiona por que, no dia-a-dia, muitos consideram que

investimentos com mais de 6 meses já seriam de “longo prazo”? Diz ele: certamente porque

as altas taxas de inflação vivenciadas entre 1980 e 1994 levaram nos a olhar exageradamente

para os números do curto prazo, causando nos uma miopia. Tem-se uma enorme dificuldade

em olhar o que está distante. Não se consegue elaborar projetos com longo prazo de

maturação. Vive-se em constante stress por conta disso.

Na figura 8, pode-se observar que na juventude, entre 20 e 50 anos, ela deve

definir seus objetivos, poupar disciplinadamente, assumir conscientemente riscos e não

esquecer de fazer seguros de vida e saúde, principalmente se ela já tem dependentes. Entre 50

e 65 anos, a pessoa deve adotar uma postura mais conservadora, evitando correr riscos. Ela

não teria tempo para se recuperar de uma eventual perda nos investimentos. Tendo obedecido

às orientações anteriores, após 65 anos, a pessoa poderia aproveitar a aposentadoria

confortavelmente.

26

Page 36: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

FIGURA 8. Ciclo da vida financeira de uma pessoa2

Evolução da Renda Mensal ao Longo do Ciclo da Vida - Brasil

0

200

400

600

800

1000

1200

1400

15-2

0

20-2

5

25-3

0

30-3

5

35-4

0

40-4

5

45-5

0

50-5

5

55-6

0

60-6

5

65-7

0

70-7

5

75-8

0

80 e

+

Faixa Etária

Em R

$

Renda de Todas as Fontes Renda Do Trabalho Renda Não Oriunda do Trabalho

HALFELD (2000), cita que no Ciclo da Vida Financeira de um brasileiro, após os

45 anos, ele começa a ganhar menos em seu trabalho. Entretanto, o brasileiro começa a ter

uma renda não oriunda do trabalho para compensar aquela perda. Essa renda origina-se de

rendimentos de caderneta de poupança, aluguéis, etc. Tal complementação só é obtida pelos

que poupam na juventude.

Para analisar o valor do dinheiro no tempo, tem-se que conceituar Inflação e Taxa

de Juros:

3.4.1.1.1. Inflação:

Como esse projeto é de longo prazo, e implantado aqui no Brasil, não se pode

deixar de se proteger contra este “fantasma” que ainda perturba as análises econômicas do

setor florestal.

REZENDE et al. (1983), citam que quando se o usa o critério do valor presente

líquido na avaliação de projetos, utilizando uma determinada taxa de juros para o desconto

dos valores de receitas e custos dos fluxos de caixa, pode-se desconsiderar o efeito da

inflação. Quando se trabalha com valor final, a taxa de inflação afeta o valor final nominal,

mas esta pode também ser desconsiderada, caso se trabalhe com valores monetários reais, da

época de implantação do projeto.

2 Citado por HALFELD, Mauro e baseado em MODIGLIANI , Life Cycle,

Individual Thrift, and the Wealth of Nations. The American Economic Review, n. 76, p. 297-313, 1986.

27

Page 37: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Na análise de projetos há problemas ao se considerar a inflação, porque os preços

são afetados de forma heterogênea, ou seja, certos preços aumentam mais rápido que outros,

dificultando o processo de análise.

3.4.1.1.2. Taxa de Juros:

É a medida de valor do dinheiro, expressa em porcentagem.

O mundo está repleto de riscos e incertezas, tanto no âmbito dos negócios quanto

em outras atividades.

A incorporação do risco à taxa de juros não é um método muito confiável, pois

provoca grandes aumentos na taxa de juros a ser utilizada, fato que acaba inviabilizando os

investimentos. FOSTER (1979).

É difícil determinar a taxa de juros para o setor florestal, uma vez que ela não

pode ser padronizada; todavia observa-se na literatura florestal brasileira que as taxas de juros

variam entre 6% a 12% ao ano. Parece ser arbitrária nesta amplitude, pois na prática o uso é

comum.

MANNING (1977) sugere a combinação de duas taxas de juros na avaliação de

investimentos florestais. Uma para investimentos a longo prazo e outra para investimentos a

curto prazo, abrindo portas para a utilização do conceito de taxa múltipla de juros.

Aproveitou-se para considerar em neste projeto taxas de juros diferenciadas para

investimentos da floresta (longo prazo) e resinagem (curto prazo).

Segundo VAN HORNE (1972), os agentes de mercado financeiro preferem, em

geral, emprestar a curto prazo, por terem preferência pela liquidez, a menos que lhes seja

oferecido prêmio suficientemente grande para compensar o risco decorrente de empréstimos a

longo prazo.

Pode-se inferir que o reconhecimento das características estratégicas de muitos

dos projetos e suas vantagens comparativas para a implantação mais cedo, são motivos

suficientes para tornar esses projetos mais atraentes entre outros, sem entrar no mérito dos

argumentos ambíguos, justificando o uso de taxas de juros menores (REZENDE, 1982)

Segundo HELLIWELL (1974), não é apropriado utilizar em projetos florestais as

mesmas taxas de desconto dos bancos. As taxas devem ser mais baixas, associadas à

determinação da produção esperada de renda para o capital investido.

28

Page 38: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

3.4.1.2 - Valor Presente Líquido – VPL:

O valor presente líquido (VPL) é definido como a diferença entre o valor presente

de retornos esperados futuros e o valor presente de custos esperados futuros, sendo que os

custos e as receitas são descontados a uma taxa de juros apropriada (GUNTER e HANEY JR.,

1984). Se Rn é a receita do ano “n”, Cn é o custo no ano “n”, “n” é o ano no qual o fluxo de

caixa ocorre e “i”, a taxa de juros utilizada, então:

N N

VPL = ∑ __Rn____ - ∑ ___Cn_______ n=1 ( 1 + i )n n=1 ( 1 + i )n

O projeto será tanto mais interessante quanto maior o seu valor presente líquido.

Portanto um VPL positivo significa que o projeto é viável economicamente, para a taxa de

juros considerada. Já um VPL negativo significa que o projeto é inviável economicamente, ou

seja, o valor atribuído às receitas futuras é inferior ao valor do investimento.

FARO (1979) menciona que o ponto crucial na aplicação do VPL para a avaliação

de um projeto é a escolha da taxa de juros. Projetos considerados antieconômicos, analisados

a uma determinada taxa de juros, podem se tornar viáveis, quando avaliados a uma taxa

menor. Além disso, a mudança na taxa de juros pode acarretar uma variação na ordenação de

alternativas.

3.4.1.3 - Taxa Interna de Retorno – TIR:

A taxa interna de retorno é definida como sendo a taxa de juros que iguala o valor

presente dos retornos esperados futuros com o valor presente dos custos esperados futuros. É

a taxa de juros na qual o VPL é zero (GUNTER e HANEY JR., 1984). A equação para

cálculo da TIR é:

N N

∑ __Rn____ = ∑ ___Cn_______ n=1 ( 1 + i )n n=1 ( 1 + i )n

ou N N

∑ __Rn____ - ∑ ___Cn_______ = 0 n=1 ( 1 + i )n n=1 ( 1 + i )n

29

Page 39: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

em que Rn, Cn e “n” são os mesmos já definidos para VPL.

O cálculo da TIR é feito por interpolações.

Quanto maior a TIR, maior a atratividade do projeto.

Um projeto é viável economicamente e deve ser considerado como alternativa

para execução, se a sua TIR é igual ao custo de oportunidade dos recursos para sua

implantação ou maior que ele. CONTADOR, (1981).

Quando são comparados projetos de investimento, nem sempre o que apresenta

maior TIR será o mais atrativo. A comparação direta pela TIR só é válida se eles tiverem o

mesmo investimento inicial; nesse caso, o de maior TIR é o melhor.

Para CONTADOR (1981), a grande vantagem, na utilização da TIR como

indicador de decisão é a não dependência de informações externas ao projeto.

3.4.1.4 - O Valor da Terra – VET:

Em projeto de Longo Prazo, o valor da terra entra como Valor Residual, segundo o

Professor de Cálculo Financeiro do Curso PENSA, Sr. Alcides Teixeira LANZANA.

Deixou-se de considerar o custo de oportunidade relativo ao valor da terra, por ser

considerado uma reserva de valor contra os riscos econômicos. GALVÃO (2000), cita que o

produtor prefere pagar, para não correr risco de descapitalização.

Sua inclusão nos estudos econômicos de empreendimentos tem sido amplamente

estudada. BERGER; GARLIPP; PEREIRA (1983) citam que já em 1849, o Eng. Florestal

Martin Faustman idealizava a teoria hoje conhecida como renda do solo. Referido autor faz

constar o modelo teórico da renda do solo, dele depreendendo que o valor máximo que se

pode pagar por terras para reflorestamento é expressa pelo valor capitalizado de uma série

infinita e periódica de receitas líquidas da produção florestal. Isto é, esse valor pode ser

interpretado como excedente financeiro, obtido pela produção florestal, após remuneração do

investimento.

O VET (Valor Esperado da Terra) é analisado pela fórmula:

VET = (POTÊNCIA (1+TAXA DE DESCONTO; IDADE DE ROTAÇÃO) /

(POTÊNCIA (1+TAXA DE DESCONTO; IDADE DE ROTAÇÃO)-1)) *

VALOR LÍQUIDO PRESENTE DA TERRA.

30

Page 40: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

3.4.1.5 - Relação Benefício/Custo – B/C:

O critério, quando se usa o B/C para tomada de decisões, é o de aceitar o projeto

quando o B/C é igual ou maior que 1. Do contrário, deve-se rejeitá-lo. Da mesma forma que o

VPL, a aceitação dos projetos com B/C maiores ou iguais a 1, aumentará ou conservará

respectivamente a riqueza dos proprietários.

B/C = VB (i)

VC (i)

Onde: VB(i) = representa o valor atual, à taxa i, da seqüência de benefícios, e

VC(i) = representa o valor atual, à mesma taxa i, da sucessão de custos.

3.5. Análise SWOT:

Além das análises de matemática financeira, deve-se analisar um projeto como um

todo, mostrando os pontos fortes e fracos, as ameaças e oportunidades.

Essa análise está apresentada no quadro 18, página 34.

31

Page 41: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES:

4.1. Análise econômico-financeira da resinagem:

Para a análise financeira da resinagem apenas, levou-se em consideração uma

lotação de 900 árvores por hectare, com produção estimada em 3 Kg/painel/ano e preço de

R$.700,00/tonelada de goma resina; que é detalhada na tabela 2, página 42. em anexo.

A colheita considerada de 3 Kg por painel, em 3 etapas, sendo 25 % em dezembro

(mês 5), 35 % em março (mês 8) e 40 % em junho (mês 11) .

QUADRO 13 - Fluxo de caixa mensal da resinagem apenas:

R E S I N A G E M - Estimado p/ 900 painéis/ha/ano. Período Fluxo de Caixa Mensal - (R$./ha) CUSTO Mensal Resultado Receita Despesa (R$./Painel) Jul 0 (201,15) 0 (201,15) (0,2235) Ago 1 (65,07) 0 (65,07) (0,0723) Set 2 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Out 3 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Nov 4 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Dez 5 371,34 468,00 (96,66) (0,1074) Jan 6 (56,61) 0 (56,61) (0,0629) Fev 7 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Mar 8 575,73 666,00 (90,27) (0,1003) Abr 9 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Mai 10 (23,67) 0 (23,67) (0,0263) Jun 11 570,60 756,00 (185,40) (0,2060)

T O T A L 1.052,82 1.890,00 (837,18) (0,9302) Não considerou-se a locação da árvore, que é uma maneira de viabilização da

atividade para quem não possui a floresta. Porém, o faturamento está fixado em 3 Kg/painel/ano, com uma densidade de 900 painéis por hectare no ano safra.

QUADRO 14 - Análise econômico-financeira da resinagem:

RESINAGEM - Análise financeira Índices Resultados

T I R 21,65% VPL=VAL (0,5% a.m.) R$ 996,74

VPL=VAL (1% a.m.) R$ 943,46

VPL=VAL (2% a.m.) R$ 844,66

VPL=VAL (5% a.m.) R$ 600,88

32

Page 42: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

4.2. Análise econômico-financeira do módulo proposto (20 ha):

QUADRO 15 - Fluxo de caixa anual do módulo proposto (20ha):

GOMA RESINA FLORESTA Resultado ANO Despesas Receitas Despesas Receitas LÍQUIDO

0 0 0 (11.135,60) 0 (11.135,60) 1 0 0 (3.122,00) 0 (3.122,00) 2 0 0 (1.924,20) 0 (1.924,20) 3 0 0 0 0 0,00 4 0 0 0 0 0,00 5 0 0 0 0 0,00 6 0 0 0 0 0,00 7 0 0 0 10.133,40 10.133,40 8 (8.677,80) 9.360,00 0 0 682,20 9 (16.743,60) 37.800,00 0 0 21.056,40 10 (16.743,60) 37.800,00 0 0 21.056,40 11 (16.743,60) 37.800,00 0 0 21.056,40 12 (16.743,60) 37.800,00 0 0 21.056,40 13 (14.815,20) 35.720,00 0 32.355,60 53.260,40 14 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 15 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 16 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 17 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 18 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 19 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 20 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 21 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 22 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 23 (13.022,80) 29.400,00 0 0 16.377,20 24 (6.273,40) 22.120,00 0 303.000,00 318.846,60

TOTAL (226.968,80) 512.400,00 (16.181,80) 345.489,00 614.738,40

33

Page 43: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

QUADRO 16 - Análise econômico-financeira do módulo proposto (20ha):

TMA - Taxa Sómente Floresta Floresta e resinagem mínima de TIR - 16,70% TIR - 27,13% atratividade VAL=VPL B/C VAL=VPL B/C

6% a.a. R$ 80.949,94 6,13 R$ 197.383,13 2,78 9% a.a. R$ 38.778,34 3,48 R$ 116.460,67 2,45 12% a.a. R$ 16.504,12 2,07 R$ 69.651,70 2,16 16% a.a. R$ 1.626,47 1,11 R$ 34.787,57 1,80

4.3. Análise SWOT do projeto proposto:

QUADRO 17. Concorrência e competitividade:

PERÍODO 1.983 2.001 2.010 Rivalidade interna Baixa Média Alta Barreiras à entrada Baixa Média Média Produtos substitutos Baixa Baixa Baixa Poder do fornecedor Baixa Média Alta Poder do cliente Baixa Alta Média

QUADRO 18. Análise SWOT:

FRAGILIDADES (Pontos fracos) POTENCIALIDADES (Pontos fortes)

▼ Projeto de longo prazo.

▼ Investimento na terra: imobilizado alto.

▼ Risco de incêndio: resina é inflamável.

▼ A goma resina é uma commodity.

▲ Produto renovável e não poluente.

▲ Produto não perecível.

▲ Mudança na política salarial, com aumento

de consumo na China.

A M E A Ç A S O P O R T U N I D A D E S

▼ Avanço do mercado Chinês. ▼ Clonagem de matriz altamente produtiva. ▼ Aumento de produção de tall oil

☺ Poucos vão ter florestas resiníferas. ☺ TIR alta. ☺nCorretoras de seguro operando com mercado de florestas.

34

Page 44: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Foram visitados vários empresários do setor, sendo anotado e transferido o que

pode ser sentido de quem está atuando na atividade.

Tanto a goma resina, como o breu e a terebintina são commodities, e o Brasil está

exportando excedentes atualmente; mas num futuro próximo, o mercado interno poderá

mudar, caso não haja plantios de floresta com o objetivo da produção de goma resina e de

toras comerciais para serrarias e laminadoras; isto porque os plantios atuais são adensados,

produzindo assim árvores jovens e finas para corte raso e objetivando apenas a produção de

papel e celulose.

35

Page 45: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

5. CONCLUSÕES:

É viável o investimento, do ponto de vista financeiro, pois a Taxa Interna de

Retorno (TIR) obtida de 27,13 % a.a., é superior à taxa no projeto de reflorestamento sem

resinagem (16,70% a.a), e, também supera a taxa SELIC do Banco Central.

Essa significativa elevação na TIR do projeto com resinagem, demonstra que a

atividade representa uma excelente alternativa capaz de alavancar a implantação de novos

reflorestamentos.

Os resultados obtidos através da aplicação dos conceitos de avaliação de ativos,

Valor Presente Líquido (VPL ou VAL), Taxa Interna de Retorno (TIR) e Taxa Mínima de

Atratividade (TMA), permitem concluir que a atividade de reflorestamento conjugada com

resinagem é rentável e atrativa.

Este trabalho fornece subsídios que auxiliarão como ferramenta no estudo da

tomada de decisão sobre a análise de negócios alternativos e/ou complementares à base atual

de renda dos pequenos produtores.

Verificou-se a inexistência de políticas públicas e programas de incentivos para

reflorestamentos, a exemplo do ocorrido na década de 1960, Lei 5.106 de 26/09/66, voltada

para orientar e capacitar pequenos investidores e os pequenos produtores rurais que contam

com áreas de terras ociosas e indicadas para a implantação de florestas para resinagem e

extração de madeiras. Para isto, seria necessário adequar o atual sistema de crédito agrícola à

silvicultura, que exige longo período de carência e de maturação do investimento.

Quando se pensa em reflorestamentos no Brasil, naturalmente a atividade é

associada a grandes empreendimentos e a grandes proprietários; normalmente vinculados a

projetos ligados à produção de celulose de grandes empresas, ou a investidores de grande

porte e a instituições financeiras. Este modelo, adotado equivocadamente através de

programas de incentivos fiscais a partir de 1966, Lei 5.106, não proporcionou aos pequenos

proprietários de terras, brasileiros, a mesma oportunidade dada aos grandes investidores,

alijando-os do processo de desenvolvimento experimentado por paises como o Canadá, a

Suécia, a Finlândia e Noruega, que possuem os maiores índices de desenvolvimento

socioeconômico e qualidade de vida, atribuída em grande parte a programas semelhantes ao

brasileiro.

Os pequenos proprietários teriam uma renda bruta significativa, o que por si só

pode até não representar lucratividade, mas se analisarmos que a produção florestal, em

pequenas áreas, é muitas vezes feita com baixos custos, por não ser considerada investimento

36

Page 46: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

único no imóvel, ou em parcerias com grandes empresas, teríamos eventualmente muitas

situações em que o lucro estaria muito próximo da receita bruta. Além disto, deve-se

considerar que o empreendimento não é feito em solos de grande aptidão agrícola, podendo

ser distribuída por áreas de pouco valor no mercado e de baixa fertilidade, portanto, sem

competir com outras atividades pelo recurso da terra.

37

Page 47: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

6. RECOMENDAÇÕES:

6.1. Consórcio com pecuária e outras culturas:

Com o espaçamento largo e determinado neste projeto, de 3,30 por 2,80 metros e

como o retorno do reflorestamento se dá a partir do oitavo ano, quando há o primeiro desbaste

e começa a colher a resina, a área poderá ser usada neste período, para culturas como feijão,

milho ou até mesmo para a criação de gado de corte.

O consórcio favorece o pequeno produtor, interessado em formar florestas para a

produção de resina e madeira, pois gera receita e otimiza a mão de obra também nas grandes

propriedades, onde o Pinus pode ser plantado em pequenos módulos, aproveitando áreas

degradadas, marginais e inclusive nas margens de matas ciliares, protegendo-as contra várias

ações de degradação.

A) Feijão:

Recomendação: O solo deve ser preparado para o cultivo

convencional do feijão, com correção da acidez e adubação normal, assim a

primeira semeadura pode ser feita imediatamente em seguida ao plantio das

mudas de Pinus. O feijão deve ser semeado entre as linhas de Pinus, com

espaçamento de 50 centímetros.

Os defensivos necessários para o feijão não interferem na vida

vegetativa do Pinus, segundo RESSUDE (1998).

B) Milho e outras culturas de porte mais alto:

Recomendação: À medida que o Pinus cresce, é possível o plantio de

arroz e depois até do milho, pois as árvores já estão com altura suficiente para não

sofrer competição direta da insolação, então mesmo assim ainda pode cultivar

esse tipo de cultura. Isso ocorre até no máximo 4o ano. Depois desse período, a

formação da copa do Pinus pode interferir na produtividade da lavoura.

C) Gado:

No caso de gado, o plantio do Pinus pode ser feito diretamente no

pasto, nas linhas abertas por enxadão ou sulcador.

38

Page 48: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

É feito o coroamento manual ou com herbicida para manter as mudas

livres da concorrência da braquiária, que recobre a área cultivada. Recomenda-se,

que somente após 18 meses do plantio das mudas, é que pode soltar na área

bezerros em desmama, um gado mais leve, e que não estraga as plantas.

A lotação recomendada é de até 2 bezerros por hectare, no início,

devendo ser reduzida para 1 animal por hectare para gado adulto e quando o Pinus

já tenha envergadura. A prática mostra que com essa lotação, o gado aproveita

bem o pasto, sem danificar as plantas. Assim, tem-se um ganho de peso dentro

dos padrões, sem afetar a floresta.

Outra vantagem para o produtor, quando da existência de pastagem, é

a redução de custo com despesas na limpa do Pinus.

Recomenda-se a implantação do Sistema Agrosilvipastoril, onde neste caso,

planta-se o Pinus e entre as linhas planta-se milho ou feijão do 1o ao 2o ano e do 3o ao 6o ano

faz-se a atividade de pastagem para gado de corte entre as plantas. Do 9o ao 24o ano faz-se a

resinagem e, finalmente vende-se a madeira, abatida no 25o ano.

6.2. Ocupação de áreas marginais e/ou degradadas:

Estas áreas mostram-se impróprias para a agricultura e a pecuária, mas podem

prestar para a silvicultura se o plantio das árvores for possível e, muitas vezes, recomendável.

O plantio de espécies florestais adequadas, ajuda a rápida recuperação da capacidade

produtiva dos solos.

No Brasil, a maioria das espécies plantadas nestas áreas é exótica, em sua quase

totalidade, principalmente as dos gêneros Pinus e Eucalyptus, pelo fato de serem rústicas e

agressivas, desenvolvendo-se de forma satisfatória na maioria dos terrenos usados na

silvicultura brasileira.

6.3. Proteção de matas ciliares:

A vegetação ciliar é aquela que margeia os corpos de água, como rios, riachos e

lagoas e sua remoção causa prejuízos para o homem e à natureza. Por isso, a legislação

brasileira considera a vegetação ciliar como área de preservação permanente, exigindo a

manutenção ou reconstrução da vegetação original, através de faixas nas margens dos cursos

de água, cujas dimensões variam conforme suas larguras.

39

Page 49: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

O plantio de espécies florestais de rápido crescimento, participa na proteção das

nascentes e cursos de água.

6.4. Geração de receitas para pequenos produtores:

O estabelecimento de plantações florestais na pequena propriedade rural é

uma excelente forma de utilizar a terra, possibilitando a produção de diversos benefícios

diretos e indiretos. A seguir alguns podem ser destacados:

Permitir a produção de madeira para uso na própria propriedade rural.

Propiciar a disponibilidade de um capital acumulado.

Promover um melhor uso das terras e do potencial produtivo da

propriedade.

Proteger os solos contra a erosão.

Proteger os mananciais e os cursos d`água de assoreamento.

Diminuir a pressão sobre florestas naturais.

Utilizar a mão-de-obra familiar, ou contratada, quando ociosa.

6.5. Financiamentos:

6.5.1. Empresas de participação:

Ótima oportunidade de investimento para grupo de empreendedores, com

intenções de se obter rentabilidade à longo prazo. que com pequena monta de recursos, poderá

participar, em forma de consórcio, em projetos, contemplando vários módulos, que se

ampliariam, conforme o crescimento de adesões.

6.5.2. Instituições financeiras:

Sugere-se às instituições financeiras de fomento, a realização de estudos para

adaptação da atual sistemática de empréstimos agrícolas às peculiaridades florestais, com

longas maturações, concedendo prazos de carências compatíveis com essas atividades; de

modo a viabilizar a locação de recursos para implantação dessas atividades em pequenos

módulos.

40

Page 50: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

TABELA 1 : ESTIMATIVA DE CUSTO PARA REFLORESTAR. ESPÉCIE: Pinus elliottii var. elliottii LOTAÇÃO: 1.080 Plantas por hectare ( 3,30 x 2,80 metros)

Valor Unit.

VARIÁVEIS Unidade (R$) Qtde Total (R$) Qtde Total (R$) Qtde Total (R$)1 MECANIZAÇÃO 90,38 1,50 1,50

Abertura de estradas e aceiros Hora/trator 40,00 0,40 16,00 - - - -Aração " 30,00 - - - - - -Aplicação de calcário " 30,00 - - - - - -Gradeação " 30,00 1,50 45,00 - - - -Transporte de Mão de Obra Viagem 70,00 0,25 17,50 0,01 0,70 0,01 0,70Transporte de Mudas Unidade 0,01 1.188 11,88 - - - -Conservar estradas e aceiros Hora/trator 40,00 - - 0,02 0,80 0,02 0,80

2 INSUMOS 188,06 22,75 20,00Calcário Dolomítico Kg - - - - - - -Adubo (4:14:8) Kg - - - - - - -Mudas plantio e replantio-10% Unidade 0,12 1.188 142,56 - - - -Formicida Granulado Kg 10,00 2 20,00 1 10,00 1 10,00Formicida em pó Kg 5,50 1 5,50 0,5 2,75 - -Foice, enxada e enxadão Unidade 10,00 2 20,00 1 10,00 1 10,00

3 MÃO DE OBRA 190,00 90,00 51,00Alinhamento para Plantio Homem/dia 10,00 1 10,00 - - - -Coveamento para Plantio " 10,00 2 20,00 - - - -Adubação de Plantio na Cova " - - - - - - -Distribuição de Mudas " 10,00 1 10,00 - - - -Plantio e Replantio (10%) " 10,00 5 50,00 - - - -Combate à Formiga " 10,00 1 10,00 1 10,00 0,5 5,00Coroamento com Enxada " 10,00 3 30,00 3 30,00 - -Roçada Muntenção " 10,00 4 40,00 4 40,00 3 30,00Desgalhamento " 10,00 - - - - 1 10,00Monitor ou Fiscal " 20,00 1 20,00 0,5 10,00 0,3 6,00

4 ENCARGOS SOCIAIS 88,34 41,85 23,71Férias e 1/3 de Férias % 190,00 11,11% 21,11 11,11% 10,00 11,11% 5,6713o Salário " 190,00 8,33% 15,83 8,33% 7,50 8,33% 4,25F.G.T.S. " 226,94 8% 18,16 8% 8,60 8% 4,87I.N.S.S. " 245,10 2,85% 6,99 2,85% 3,31 2,85% 1,87FUNRURAL (Diferido ao 1o adqte) " S/ Venda 2,85% - 2,85% - 2,85% -Rescisão-Multa (40% S/ FGTS) " 18,16 40% 7,26 40% 3,44 40% 1,95Junta Conciliação (Previsão) " 190,00 10% 19,00 10% 9,00 10% 5,10

5 TERRA - AQUISIÇÃO 1.500,00 0,00 0,00Aceiros e estradas (2,5%) ha. 1.500,00 0,025 37,50 - - - -Efetivo Plantio (97,5%) ha. 1.500,00 0,975 1.462,50 - - - -

6 CUSTO TOTAL - ADQUIRINDO A TERRA 2.056,78 156,10 96,21(1+2+3+4+5)

7 CUSTO TOTAL - SOMENTE FLORESTA 556,78 156,10 96,21

* Administrativo e Imposto de Renda, desconsiderado.

Ano 2Ano 1Ano 0

TABELA 1 : ESTIMATIVA DE CUSTO PARA REFLORESTAR. ESPÉCIE: Pinus elliottii var. elliottii LOTAÇÃO: 1.080 Plantas por hectare ( 3,30 x 2,80 metros)

Valor Unit.

VARIÁVEIS Unidade (R$) Qtde Total (R$) Qtde Total (R$) Qtde Total (R$)1 MECANIZAÇÃO 90,38 1,50 1,50

Abertura de estradas e aceiros Hora/trator 40,00 0,40 16,00 - - - -Aração " 30,00 - - - - - -Aplicação de calcário " 30,00 - - - - - -Gradeação " 30,00 1,50 45,00 - - - -Transporte de Mão de Obra Viagem 70,00 0,25 17,50 0,01 0,70 0,01 0,70Transporte de Mudas Unidade 0,01 1.188 11,88 - - - -Conservar estradas e aceiros Hora/trator 40,00 - - 0,02 0,80 0,02 0,80

2 INSUMOS 188,06 22,75 20,00Calcário Dolomítico Kg - - - - - - -Adubo (4:14:8) Kg - - - - - - -Mudas plantio e replantio-10% Unidade 0,12 1.188 142,56 - - - -Formicida Granulado Kg 10,00 2 20,00 1 10,00 1 10,00Formicida em pó Kg 5,50 1 5,50 0,5 2,75 - -Foice, enxada e enxadão Unidade 10,00 2 20,00 1 10,00 1 10,00

3 MÃO DE OBRA 190,00 90,00 51,00Alinhamento para Plantio Homem/dia 10,00 1 10,00 - - - -Coveamento para Plantio " 10,00 2 20,00 - - - -Adubação de Plantio na Cova " - - - - - - -Distribuição de Mudas " 10,00 1 10,00 - - - -Plantio e Replantio (10%) " 10,00 5 50,00 - - - -Combate à Formiga " 10,00 1 10,00 1 10,00 0,5 5,00Coroamento com Enxada " 10,00 3 30,00 3 30,00 - -Roçada Muntenção " 10,00 4 40,00 4 40,00 3 30,00Desgalhamento " 10,00 - - - - 1 10,00Monitor ou Fiscal " 20,00 1 20,00 0,5 10,00 0,3 6,00

4 ENCARGOS SOCIAIS 88,34 41,85 23,71Férias e 1/3 de Férias % 190,00 11,11% 21,11 11,11% 10,00 11,11% 5,6713o Salário " 190,00 8,33% 15,83 8,33% 7,50 8,33% 4,25F.G.T.S. " 226,94 8% 18,16 8% 8,60 8% 4,87I.N.S.S. " 245,10 2,85% 6,99 2,85% 3,31 2,85% 1,87FUNRURAL (Diferido ao 1o adqte) " S/ Venda 2,85% - 2,85% - 2,85% -Rescisão-Multa (40% S/ FGTS) " 18,16 40% 7,26 40% 3,44 40% 1,95Junta Conciliação (Previsão) " 190,00 10% 19,00 10% 9,00 10% 5,10

5 TERRA - AQUISIÇÃO 1.500,00 0,00 0,00Aceiros e estradas (2,5%) ha. 1.500,00 0,025 37,50 - - - -Efetivo Plantio (97,5%) ha. 1.500,00 0,975 1.462,50 - - - -

6 CUSTO TOTAL - ADQUIRINDO A TERRA 2.056,78 156,10 96,21(1+2+3+4+5)

7 CUSTO TOTAL - SOMENTE FLORESTA 556,78 156,10 96,21

* Administrativo e Imposto de Renda, desconsiderado.

Ano 2Ano 1Ano 0

41

41

Page 51: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

TABELA 2 : ESTIMATIVA DE CUSTO DA RESINAGEM; ESPÉCIE: Pinus elliottii var. elliottii . LOTE de 100.000 árvores, com LOTAÇÃO de 900 Plantas por hectare ( 3,30 x 2,80 metros), após 1o desbaste. PAINÉL: 800 cm2 por árvore/ano ( 20cm largura x 40cm altura) PRODUÇÃO estimada de 3 Kg/pinel/ano à R$.700,00/ton FOT, e REPOSIÇÃO de 10 % dos saquinhos, como revisões durante a safra.

VARIÁVEIS Unidade Valor Unit.

(R$) Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ Qde*

Total-R$ ANUALMATERIAL E INSUMO 13.275,10 174,75 174,75 174,75 174,75 1.146,75 2.551,96 174,75 252,75 174,75 174,75 107,00 18.556,81Saco Plástico (35 x 25 x 0,24) mil 78,00 100 7.800,00 - - - - - - - - - - 10 780,00 - - - - - - - - - -Arame (BWG 22) Kg 3,61 610 2.202,10 - - - - - - - - - - 61 220,21 - - - - - - - - - -Haste Plástica " 11,50 180 2.070,00 - - - - - - - - - - 18 207,00 - - - - - - - - - -Raspador, estriador e almotolia Unidade 4,00 25 100,00 - - - - - - - - - - 25 100,00 - - - - - - - - - -Pasta estimulante-Normal [20%] Kg 0,35 - - 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 405 141,75 - -Balde p/ Coleta (cap. 20 litros) Unidade 1,50 - - - - - - - - - - 20 30,00 - - - - 10 15,00 - - - - - -Tambor Metálico (capac. 200 Kg) " 8,00 - - - - - - - - - - 100 800,00 - - - - - - - - - - - -Saco Plástico (95 x 1,65 x 0,20) " 1,00 - - - - - - - - - - 100 100,00 - - - - - - - - - - - -Cordinha (P/ amarrar sacão) Kg 1,90 - - - - - - - - - - 12 22,80 - - - - 18 34,20 - - - - 20 38,00Arame no 14 (P/ Fechar Tambor) " 2,40 - - - - - - - - - - 8 19,20 - - - - 12 28,80 - - - - 15 36,00Bombona plástica (cap. 60 Kg) Unidade 8,00 10 80,00 - - - - - - - - - - 10 80,00 - - - - - - - - - -Bombona plástica (cap. 5 Kg) " 1,00 20 20,00 - - - - - - - - - - 20 20,00 - - - - - - - - - -Foice e Lima " 9,00 10 90,00 - - - - - - - - - - 10 90,00 - - - - - - - - - -Formicida Granulado Kg 10,00 30 300,00 - - - - - - - - - - 30 300,00 - - - - - - - - - -Limpeza Mãos(Detergente e óleo Soja) Litro 1,10 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00 30 33,00EPI - Avental e Luvas Unidade 5,00 20 100,00 - - - - - - - - - - 20 100,00 - - - - - - - - - -EPI - Óculos e capa de chuva " 10,00 20 200,00 - - - - - - - - - - 20 200,00 - - - - - - - - - -EPI - Botina " 14,00 20 280,00 - - - - - - - - - - 20 280,00 - - - - - - - - - -MÃO DE OBRA 5.477,50 5.827,50 1.677,50 1.677,50 1.677,50 4.117,50 2.287,50 1.677,50 5.093,50 1.677,50 1.677,50 4.181,50 37.050,00Roçada (inicial) Homem/dia 10,00 50 500,00 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Desgalhamento " 10,00 25 250,00 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Combate à formiga (inicial) " 10,00 30 300,00 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Contagem (Para controle e logística) " 10,00 10 100,00 10 100,00 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Limpeza - Raspa de casca mil painéis 20,00 50 1.000,00 50 1.000,00 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Confecção de Saquinho mil 10,00 50 500,00 50 500,00 - - - - - - - - 10 100,00 - - - - - - - - - -Abertura para fixação de saquinho mil painéis 18,00 50 900,00 50 900,00 - - - - - - - - 10 180,00 - - - - - - - - - -Fixação de saquinho na árvore " 18,00 50 900,00 50 900,00 - - - - - - - - 10 180,00 - - - - - - - - - -1a Estria (de direcionamento) " 15,00 50 750,00 50 750,00 - - - - - - - - 10 150,00 - - - - - - - - - -Estria Produção ( 20 Giros ) mil painéis 7,00 - - 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 200 1.400,00 - -Coleta de Resina (3 Kg/pinél/ano) Tambor 4,00 - - - - - - - - - - 400 1.600,00 - - - - 560 2.240,00 - - - - 640 2.560,00Fechamento de Tambor " 0,20 - - - - - - - - - - 400 80,00 - - - - 560 112,00 - - - - 640 128,00Remoção de Tambor " 1,50 - - - - - - - - - - 400 600,00 - - - - 560 840,00 - - - - 640 960,00Carregamento de Tambor " 0,40 - - - - - - - - - - 400 160,00 - - - - 560 224,00 - - - - 640 256,00Monitor (Fiscal) *1 p/ 230 mil árvores Mensal 350,00 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50 0,45 157,50Encarregado *1 p/ 700 mil de árvores " 800,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00 0,15 120,00ENCARGOS SOCIAIS 594,31 632,29 182,01 182,01 182,01 2.348,79 248,20 182,01 552,64 182,01 182,01 11670,33 17.138,62Férias e 1/3 de Férias % - 11,11% - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 11,11% 4.116,25 13o Salário " - 8,33% - - - - - - - - - 8,33% 1.703,90 - - - - - - - - - - 8,33% 1.382,36 F.G.T.S. " 12.797,50 8% 438,20 8% 466,20 8% 134,20 8% 134,20 8% 134,20 8% 465,71 8% 183,00 8% 134,20 8% 407,48 8% 134,20 8% 134,20 8% 774,41 I.N.S.S. " 12.797,50 2,85% 156,11 2,85% 166,09 2,85% 47,81 2,85% 47,81 2,85% 47,81 2,85% 179,18 2,85% 65,20 2,85% 47,81 2,85% 145,16 2,85% 47,81 2,85% 47,81 2,85% 275,88 FUNRURAL (Diferido ao 1o adquirente) " S/Venda 2,85% - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Rescisão-Multa (40% Sobre o FGTS) " - 40% - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 40% 1.416,43 Junta Conciliação (Estatisticamente) " - 10% - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 10% 3.705,00 TRANSPORTE E ALOJAMENTO 3.000,00 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 1.200,00 600,00 600,00 600,00 600,00 600,00 10.200,00Alojamento (casas p/ 15 anos ) Casa 6.000,00 5 2.000,00 - - - - - - - - - - - - - - - - -Veículo pequeno Km rodado 0,20 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00 2.100 420,00Aquisição carro pequeno (15anos) Unidade 12.000,00 1 400,00 - - - - - - - - - - - - - - - - -Transporte da Mão de Obra Viagem 60,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00 3 180,00Transporte da Resina (Venda-FOT) ton/Km 20,00 V. FOT - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -Conservação Estradas e Aceiros Hora/trator 40,00 - - - - - - - - - - - - 15 600,00 - - - - - - - - - -IMPOSTOS 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2.525,25 0,00 0,00 3.535,35 0,00 0,00 4.040,40 10.101,00ICMS (Diferido dentro do estado) % - Diferido - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -IRPJ (15% S/ 8% Faturamento) " - 1,20% - - - - - - - - - 1,20% 630,00 - - - - 1,20% 882,00 - - - - 1,20% 1.008,00 C. Social (12% S/ 8% Faturamento) " - 0,96% - - - - - - - - - 0,96% 504,00 - - - - 0,96% 705,60 - - - - 0,96% 806,40 PIS (0,65% S/ Faturamento) " - 0,65% - - - - - - - - - 0,65% 341,25 - - - - 0,65% 477,75 - - - - 0,65% 546,00 CONFINS (2% S/ Faturamento) " - 2,0% - - - - - - - - - 2,0% 1.050,00 - - - - 2,0% 1.470,00 - - - - 2,0% 1.680,00 ARRENDAMENTO - Locação da floresta % - - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 - 0,00 0,00CUSTO TOTAL (100.000 PAINÉIS) - FLORESTA PRÓPRIA 22.346,91 7.234,54 2.634,26 2.634,26 2.634,26 10.738,29 6.287,66 2.634,26 10.034,24 2.634,26 2.634,26 20.599,23 93.046,43

CUSTO POR PAINEL POR ANO ANO SAFRA 0,2235 0,0723 0,0263 0,0263 0,0263 0,1074 0,0629 0,0263 0,1003 0,0263 0,0263 0,2060 0,9305RECEITA POR PAINEL POR ANO SAFRA 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,52 0,00 0,00 0,74 0,00 0,00 0,84 2,10

Mês 4 Mês 5Mês 0 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 10 Mês 11Mês 6 Mês 7 Mês 9Mês 8

Page 52: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

43

Page 53: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

7. CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ALLARD, R. W. Princípios do melhoramento genético das plantas. São Paulo, 1971,

Edgard Bluccher. 381 p. ASSOCIAÇÃO DOS RESINADORES DO BRASIL. Boletim Informativo Bimestral, São

Paulo, n. diversos, 2000 e 2001. ASSUNÇÃO, R.M.V. Qualidade de algumas resinas de Pinus spp. IPT, São Paulo, 1973. BERZAGHI, C. Pinus spp e resinagem. São Paulo, Instituto Florestal, 1972, 33p. (Boletim

Técnico No 2). BRITO, J.O; BARRICHELO, L.E.G; GUTIERREZ, L.E; TREVISAN, J.F. Resinagem e

qualidade de resinas de pinheiros tropicais: I. comparações entre espécies e época de resinagem. Piracicaba : IPEF, 1978, 20 p. (IPEF, Circular Técnica, 35).

BRITO, J.O. et al.. Condições climáticas e suas influencias sobre a produção de resina de

pinheiros tropicais. IPEF. Piracicaba, 1978, (16): 37-45. BRITO, J.O. Boletim Informativo No 9 do IPEF, Piracicaba, 1980. BUCCI, L.A.; RIBAS, C.; ASSINI, J.L. Produção de resina em Pinus elliottii em Campos do

Jordão. Boletim Técnico do Instituto Florestal, v. 40-A, parte 2, p. 576-583, dez. 1986.

CASER, D.V.; OLIVETTI, M.P.A.; CAMARGO, A.M.P. & ANEFALOS, L.C. Evolução da

cobertura florestal no Estado de São Paulo, 1970-95, Informações Econômicas, v. 28, n.5,p. 27-46, maio 1998.

COELHO, Sérgio. RESINA: Dólares, gota à gota. Revista Globo Rural. São Paulo, Ano 4,

No 43, p. 76-79, maio, 1989. CONTADOR, C.R. Avaliação social de projetos. São Paulo, Atlas, 1981. 301p. COUTINHO, Leonardo. A FLORESTA DÁ LUCRO. Revista Veja. São Paulo, Ano 34, No

33, edição 1.714, p. 80-81, 22 de Agosto de 2.001. FARO, C. de. Elementos de engenharia econômica. 3.ed. São Paulo, Atlas, 1979. 328p. FIGUEIREDO FILHO, A . Influência da resinagem no crescimento de Pinus elliottii

Engelm. Var. elliottii e sua avaliação econômica. Tese de doutorado, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 138 f., 1991.

FOSTER, B.B. Adjusting discount rates for risk. J. For., 77:287-8,1979. FUNDAÇÃO FLORESTAL 1996. Preços de produtos de origem florestal. FLORESTAR

ESTATÍSTICO. São Paulo, 1998, 4 (11): 57 – 75

44

Page 54: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

GALVÃO, A. P. M. et al.. Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e

ambientais – Brasília: Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia; Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2000. 351 p.

GARRIDO, M.A.de O. et al.. Resinagem: Manual Técnico. Instituto Florestal – Secretaria

do Meio Ambiente, 23 p., 1998. GRAÇA, J.A.R. Os mecanismos fisiológicos da resinose. Centro de Estudos Florestais,

Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, Portugal, 1984 (apostila). GUNTER, J.E. & HANEY JR., H.L. Essentials of forestry investment analysis. Corvallis,

QSU Book Store, 1984. 337 p. GURGEL FILHO, O. do A. Contribuição à resinagem. Boletim Técnico. IBDF. Rio de

Janeiro, 1972, 2: 37 – 68. GURGEL FILHO, O.A. & GURGEL GARRIDO, L.M.A. Influências do diâmetro e da

copa na produção de resina. Brasil Florestal. Brasília, DF, 1977 8 (32):27-32. GURGEL FILHO, O.A. & FARIA, A.J. coord. Fatores que influem na resinagem de Pinus.

Piracicaba, IPEF, 1978, 20p. (Circular Técnica, 37). GURGEL FILHO, O.A. et al.. Resinagem em Pinus elliottii Eng. Var. elliottii. Silv. São

Paulo, 1967, 6:157-160. (Nota prévia). GURGEL GARRIDO, L.M. do A. et. Alii. 1984. Estudos matemáticos de alguns

Componentes de produção diária de resina. Boletim Técnico do Instituto Florestal de S. Paulo.38(1):47–71

GURGEL GARRIDO, L.M. do A.; RIBAS, C.; GARRIDO, M.A. de O. Variabilidade da

produção de resina em Pinus elliottii engelm. var. elliottii. Revista do Instituto Florestal, v. 6, p. 113-128, dez. 1994.

HALFELD, Mauro Investimentos: Como administrar melhor seu dinheiro. 1. ed. - São

Paulo: Editor Fundamento Educacional, 2001, 142p. HELLIWELL, D.R. Discount rates in land-use planning. Forestry, 47(2):147-52,1974. HOMA, M. 1983. Considerações técnicas e potencialidades da produção de derivados de

resinas de Pinus. In: Seminários sobre Resina de Pinus Implantados no Brasil., 2, SP. Jul. 7 – 8.

_______ .1983. Anais do 2o Seminário sobre Resina de Pinus Implantados no Brasil.

Silvicultura. São Paulo, 8(33) : 61 – 66. MANNING,G.H. Evaluating public forestry investments in British Columbia: the choice of

discountrates. For. Chron., 53: 155-8, 1977. _______ .2000. Anais do PCA (Pine Chemicals Association) International Conference.

Naval Store Review. Washington, D.C. in Loews L’ Enfant Plaza Hotel, p. 5-9, 1 à 3 de Outubro de 2000.

45

Page 55: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

NICOLIELO, N. Obtenção de resinas em regiões tropicais. In: Anais do 2o Seminário Sobre Resina de Pinus Implantado no Brasil. Silvicultura, 1983, 8(33) : 27 – 32.

OLIVEIRA, A.D. & REZENDE, J.L.P. Matemática financeira: capitalização periódica.

Viçosa, MG, UFV, Impr. Univ., 1993. 56p. ORLANDINI, Dario; CULTIVO E RESINAGEM DE PINUS. 66p., CPT - Centro de

Produções técnicas, Viçosa, 2000. _______ .1978. Circular Técnica No 41 do Instituo de Pesquisas e Estudos Florestais.

IPEF, Departamento de Silvicultura – ESALQ – USP, Piracicaba, 1978. _______ .1983. Pesquisa sobre resinagem no Instituto Florestal. In: Anais do 2o Seminário

sobre resina de Pinus implantados no Brasil. Silvicultura, São Paulo. 8 (33) : 48- 53. _______ .1987. Plantio de Pinus spp. na região Sudoeste do Estado de São Paulo,

Boletim Técnico do Instiututo Florestal. São Paulo 40 A : 395 – 435. (Edição especial). _______ .1997. INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.

Publicação da Diretoria de Cadastro Rural – DC. Brasília, DF, VI-137. REZENDE, J.L.P. Application of benefit-cost analysis to forestry investments problems.

Toronto, University of Toronto, 1982. 190p. (Tese Ph.D.) REZENDE, J.L.P.; BARROS,A.A.A.; OLIVEIRA, A.D. Tratamento da inflação nos

programas de investimentos florestais. Revista da Árvore, 7(1):44-55,1983. REZENDE, J.L.P. & OLIVEIRA, A.D. Avaliação de projetos florestais. Viçosa, MG, UFV,

1993. 47p. SANDERMAN, W. Sobre a possibilidade de um aproveitamento econômico da resina no

Brasil. Boletim Técnico do IBDF, Brasília, 1974, (4):3-24. SILVA, José de Castro. Matéria desse professor da UFV/DEF/CEDAF. Revista da Madeira.

São Paulo, Edição 24, Ano 4, p. 12-14, setembro/outubro, 1995. SOUZA, W.A. Resinagem – Aspectos financeiros e sociais dentro do reflorestamento.

Itapeva, SP, 1997. Revista Engenharia & Arquitetura. p. 5. VALE, L.C.C.; PEREIRA, J. A. A.; FERNANDES, M.R.; MORAES, E.G. Programa de

desenvolvimento florestal do Espírito Santo. Vitória, SEAG/BANDES, 1989. V.1. 111p.

VALVERDE S.R. A contribuição do setor florestal para o desenvolvimento sócio-

econômico: uma aplicação de modelos de equilíbrio multissetoriais. Tese de Doutorado, UFV, Viçosa, 2000.

VAN HORNE, J.C. Funções e análise das taxas de mercado de capitais. São Paulo, Atlas, 1972. 224p.

46

Page 56: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Sites: www.aresb.com.br

www.cati.sp.gov.br

www.ecosecurities.com.

www.embrapa.com.br

www.ibama.com.br

www.ipef.gov.br.

www.mma.gov.br/florestas

www.met.gov.br

[email protected]

www.sbs.org.br

47

Page 57: ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO

Glossário

Aceiros: Limpeza da área em volta da floresta, para evitar incêndios.

Agrosilvipastoril: Atividades relacionadas à agricultura, floresta e pecuária.

ARESB: Associação dos Resinadores do Brasil.

Coníferas: Classe de plantas gimnospermas que, como o pinheiro, produz sementes não

abrigadas num fruto, mas reunidas em estróbilos, com a forma de cone.

DAP: Diâmetro da altura do peito (em torno de 1,30 m).

Declivosas: Em que há declives, ladeiramento.

Desramado: Sem as ramas.

E.P.I.: Equipamento de proteção individual.

Edafoclimáticas: Referente ao solo e ao clima.

Erodidas: Desgastadas.

Estria: Incisão na casca da árvore.

Exsudação: Líquido vegetal, que atravessa os poros e se deposita nas superfícies.

Faquiamento: Produção de lâminas horizontal, de madeira.

Fuste: Haste (forma) da madeira.

Insaponificáveis: Insolúveis na água ou que não se combinam os hidróxidos alcalinos,

para formar sabão solúvel.

Laminação: Produção de lâminas para revestimento de móveis ou fabricação de compensa-

dos.

Lenho: Principal tecido de sustentação da planta e de condução da água e sais das raízes às

folhas.

Painel: Área, em cm2, resultante de várias estrias.

Papel Kraft: Papel mais espesso, utilizado na fabricação de papelão e papel de embrulho.

Raspa: Resina oxidada, que se solidifica no tronco da árvore.

SBS: Sociedade Brasileira de Silvicultura.

SELIC: Sistema especial de liquidação e custódia.

st (estéreo): Medida de volume para lenha, equivalente a um metro cúbico.

48