CULT…  · Web viewCompõe o acervo instrumentos de tortura usados ... imortalizado com músicas...

of 15 /15
III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ROTEIRO RIQUEZA CULTURAL AFRO MARANHENSE: contando a história da cultura afro para a construção da identidade maranhense SANTOS, Dorilene Sousa¹ CARVALHO, Conceição de Maria Belfort de² RESUMO Este artigo propõe alguns roteiros turísticos para a cidade de São Luís-MA, elaborados a partir do olhar das comunidades autóctones, com destaque para lugares que representam a identidade cultural maranhense a partir do resgate de elementos constitutivos da memória e das raízes dos negros que contribuíram para a formação da cultura local. Palavras-chaves: Identidade. Roteiros turísticos. Cultura.

Transcript of CULT…  · Web viewCompõe o acervo instrumentos de tortura usados ... imortalizado com músicas...

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares1

ROTEIRO RIQUEZA CULTURAL AFRO MARANHENSE: contando a história da

cultura afro para a construção da identidade maranhense

SANTOS, Dorilene Sousa¹

CARVALHO, Conceição de Maria Belfort de²

RESUMO

Este artigo propõe alguns roteiros turísticos para a cidade de São Luís-MA, elaborados a

partir do olhar das comunidades autóctones, com destaque para lugares que representam a

identidade cultural maranhense a partir do resgate de elementos constitutivos da memória e

das raízes dos negros que contribuíram para a formação da cultura local.

Palavras-chaves: Identidade. Roteiros turísticos. Cultura.

1. Graduanda do Curso de Turismo da Universidade Federal do Maranhão; 2. Profa. Dra. do Curso de Turismo da Universidade Federal do Maranhão (DETUH).

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares2

ABSTRACT

This article proposes a number of tours to the city of São Luís, MA, prepared from the look

of the local communities, especially in places that represent the cultural identity if

Maranhão from the redemption of the constituent elements of memory and the roots of

black people who contributed to form the culture.

Keywords: Identity. Sightseeing. Culture.

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares3

INTRODUÇÃO

A cidade de São Luís é indiscutivelmente uma cidade que transborda cultura. Esse

celeiro cultural provém de diversas etnias, de crenças e tradições, que dão à capital

maranhense uma identidade diferenciada das demais capitais brasileiras: habitada por

índios, recebeu a presença de franceses – considerados, oficialmente, os fundadores –,

portugueses, espanhóis e negros africanos. Essa diversidade de povos colaborou para a

formação da cultura local.

O presente artigo dá enfoque às contribuições dos africanos que até hoje exercem

forte influência na cultura maranhense. Tendo em vista que essas contribuições precisam

ser ressaltadas, em virtude do valor cultural deixado, e pelo pouco destaque da cultura afro

nos roteiros turísticos existentes em São Luís, elaborou-se um roteiro que agrega história,

identidade e memória da herança africana em São Luís. Com a criação desse roteiro,

pretende-se contribuir para diversificar as linhas de temáticas de roteiros existentes na

cidade.

Para a realização deste trabalho procedeu-se um estudo de caráter qualitativo,

realizado em duas etapas. A primeira consistiu em pesquisa bibliográfica e documental.

Para essa etapa foram feitas leituras sobre os seguintes temas: patrimônio cultural,

identidade, memória, turismo, roteirização turística e desenvolvimento local; para a

pesquisa documental foram feitas visitas a acervos documentais nas instituições

relacionadas diretamente ao turismo nas esferas municipal e estadual. Na segunda etapa,

que consistiu em pesquisa de campo, foram aplicados questionários, com perguntas abertas

e fechadas, junto à comunidade local.

O objetivo dos questionários era saber dos entrevistados os lugares com os quais

eles mais se identificavam e qual era a sua visão em relação ao turismo. A partir dos dados

obtiveram-se os seguintes resultados, que apresentam um panorama dos atrativos

turísticos: para 59% dos entrevistados o turismo não causa nenhum dano à comunidade;

para 98% a presença do turista é algo positivo para a cidade. Dos 99% dos entrevistados,

apenas 10% disseram que gostariam de atuar na área. Esses entrevistados alegaram não

conhecerem nenhuma ação desenvolvida para o turismo, talvez por isso essa reposta se

justifique. Em relação ao incremento da oferta turística para compor um roteiro turístico

para as comunidades, os locais destacados como os que mais teriam potencial são as praias

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares4

(31%), o Centro Histórico (15%), museus (8%), casas de artesanato (8%), sedes de bumba-

meu-boi (7%), barracas de comida típicas do bairro da Praia Grande (4%), igrejas (4%), e

sítios históricos (3%). Para a comunidade, as manifestações que mais poderiam atrair a

atenção dos visitantes e turistas seriam o reggae (26%) e o carnaval (18%). Para 41% dos

entrevistados que há lugares desconhecidos na cidade até mesmo pela população local e

que deveriam ser mais valorizados: as casas e festas de reggae (34%) e as igrejas (34%).

Considerando o destaque dado às casas e festas de reggae, construiu-se o roteiro

Riqueza cultural afro maranhense, com ênfase aos locais com os quais a população mais

se identifica. Essa iniciativa, além de tentar rememorar as raízes da população

afrodescendente, será uma forma de agregar mais valor à oferta do turismo na capital,

escassa de novos produtos.

O ROTEIRO

O Roteiro Riqueza cultural afro maranhense foi criado vislumbrando mostrar um

pouco sobre a cultura do negro maranhense. Os africanos exerceram forte influência na

cultura local, deixando um rico legado para gerações futuras, e contribuindo

significativamente para a construção da identidade local.

Após a realização da pesquisa e do desenvolvimento do projeto foi elaborado o

seguinte roteiro, que foi apresentado e aprovado no Sindicato dos Guias do Maranhão, e

que será demonstrado passo a passo a seguir:

O roteiro todo se concentra no Centro Histórico de São Luís e inicia-se com uma

visita ao Portinho. O local foi escolhido por representar o começo da trajetória dos

africanos na ilha. Ali aportavam homens, mulheres, crianças, trazidos à revelia para

servirem de escravos em terras distantes, porém sem desprenderem-se de suas raízes. O

portinho tem uma extensão estipulada em 300 metros e tem uma bela vista à beira-mar.

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares5

Figura 01: Portinho à noite

Fonte: Márcio Andson

Descendo o porto, os negros eram levados até a Cafua das Mercês, nossa segunda

parada do roteiro.

A Cafua das Mercês foi construída na segunda metade do século XX, e era uma

espécie de “depósito” dos escravos. Nesse local os negros escravos ficavam até serem

comercializados.

De fachada uniforme e dois pavimentos em estilo colonial, a Cafua não possui

janelas, apenas seteiras, única abertura para a entrada de luz e ventilação. O prédio foi

restaurado em 1975 e, atualmente, abriga um memorial dedicado à história e à cultura afro.

Faz parte do Museu histórico e Artístico do Maranhão e mostra a contribuição dos negros à

cultura maranhense em todos os seus aspectos. O prédio mantém suas características

originais.

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares6

Figura 02: Cafua das MercêsFonte: Dorilene Sousa

É composto por dois pavimentos. O primeiro pavimento possui escultura e

instrumentos de origem africana; no segundo piso encontram-se peças que representam o

sincretismo religioso da cultura africana e Igreja Católica e indumentárias usadas em

rituais festivos e religiosos, principalmente do Tambor de Mina, manifestação cultural

africana. Compõe o acervo instrumentos de tortura usados para açoitar os escravos, como

uma réplica do pelourinho de São Luís, cujo original foi destruído em 1888 logo após a

libertação dos escravos.

Após a Cafua a terceira parada de visitação é a Praça Nauro Machado. De acordo

com relatos, esse era o local onde os escravos eram comercializados. Hoje a praça serve

como ponto de encontro de manifestações culturais em especial de raízes africanas, como a

capoeira e o tambor de Crioula.

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares7

Figura 03: Praça Nauro MachadoFonte: Dorilene Sousa

O quarto local de visitação é o Teatro João do Vale, batizado com esse nome em

homenagem a um grande cantor, compositor e poeta maranhense, morto em 1996,

imortalizado com músicas populares como Pisa na Fulô e Carcará. É um dos principais

centros culturais da cidade e hoje apresenta programações artísticas culturais, em especial

de artistas maranhenses.

Figura 04: Fachada do Teatro João do ValeFonte: Dorilene Sousa

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares8

Destaca-se que o teatro, outrora um sítio de penúrias dos escravos, hoje abriga um

local que homenageia um negro expoente, de bastante expressividade na música

maranhense.

O roteiro tem continuidade com uma parada gastronômica no Mercado da Praia

Grande, onde estão localizados diversos quiosques que oferecem especiarias da culinária

maranhense, que sofreu influência da gastronomia portuguesa, francesa, indígena e

africana. Da culinária africana, ficou uma vasta herança como o doce de espécie, as

especiarias, o uso do quiabo, da pimenta, do coco e do feijão, em especial do cuxá, feito de

um erva procedente da África, a vinagreira, e faz parte de uma das iguarias mais famosa do

Maranhão, o arroz-de-cuxá.

Figura 06: Mercado da Praia GrandeFonte: Dorilene Sousa

O Roteiro encerra-se com mais dois pontos de visitação: o Beco Catarina Mina e o

Centro de Cultura Catarina Mina.

Catarina Mina, a personagem que dá nome aos dois locais, foi uma bela escrava que

teve “relacionamentos” com coronéis portugueses, e conseguiu juntar uma bela soma

obtendo assim dinheiro suficiente para comprar sua própria alforria. Após conseguir sua

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares9

liberdade, Catarina Mina comprou a liberdade de um grande número de escravos. A ex

escrava saía às ruas sempre bem vestida e coberta de jóias junto com o seu cortejo de

escravos.

Figura 07: Beco Catarina MinaFonte: Dorilene Sousa

Figura 08: Ponto de cultura Catarina MinaFonte: Dorilene Sousa

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares10

Em 1930, o Beco teve seu nome mudado para Rua Djalma Dutra, porém, a maioria

das pessoas ainda conhece o Beco por Catarina Mina. Ao lado desse beco, situa-se o Ponto

Cultural, de realização da Companhia de Cultura Popular Catarina Mina. No ponto

cultural, são oferecidas diversas oficinas direcionadas especialmente para turistas que

querem aprender um pouco mais sobre a dança e a cultura afro maranhense. Com dez anos

de fundação a Companhia tenta manter viva a cultura negra tão presente na realidade

ludovicense.

No Ponto de cultura, estão expostos painéis, imagens e instrumentos relacionados a

diversas formas de manifestações culturais maranhenses, como o tambor de Crioula e a

capoeira; o turista ainda terá a oportunidade de participar das oficinas oferecidas pela

companhia, pagando apenas uma taxa simbólica.

Abaixo um esquema do percurso do Roteiro Riqueza cultural afro maranhense:

Figura 09: Esquema do RoteiroFonte: Dorilene Sousa

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares11

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Roteiro Riqueza cultural afro Maranhense foi criado com o intuito de apresentar

a identidade e a contribuição do negro africano para a construção da memória maranhense

que até hoje se encontra presente em diversos setores da cultura do estado, nas suas

manifestações, na gastronomia e na história. O roteiro vem contribuir para a disseminação

dessa história tanto para a comunidade local como para os turistas. Além de colaborar com

uma visão mercadológica para a fomentação do turismo com mais opções de produtos

turísticos. Em uma visão mais ampla o objetivo desse roteiro é a valorização da memória e

da identidade dos africanos e seus descendentes em terras maranhenses, pois isso ainda

constitui uma lacuna em termos de roteiro turístico da cidade.

REFERÊNCIAS

Centro Histórico – A Praia Grande – As ruas da Praia Grande In: PatrimoniodaHumanidade.com. Disponível em: http://www.patrimonioslz.com.br/pagina37.htm. Acessado em 05 de junho de 2011

Martins, Clerton (org.). Turismo, Cultura e Identidade. São Paulo: Roca, 2003.