Emprego e Renda no Brasil Pós Crise

of 39/39
EMPREGO E RENDA NO BRASIL PÓS CRISE Gleisi Hoffmann Out/2009

Embed Size (px)

description

O estudo mostra índices econômicos, ações do governo e resultados para o Brasil no período pós crise mundial.

Transcript of Emprego e Renda no Brasil Pós Crise

  • 1. EMPREGO E RENDA NO BRASIL PS CRISE Gleisi Hoffmann Out/2009

2.

    • SUMRIO:
  • Situao recente da economia
  • Resultado das polticas pblicas
  • Medidas anti-crise e retomada do crescimento
  • Agenda para 2010
    • Implantao do novo marco regulatrio do petrleo
    • Copa do Mundo 2014 e Olimpiadas 2016

3. Situao recente da economia 4. De 2003 a 2008, a economia cresceu cerca de 4% aa em mdia e acumulou expanso de 27% nesse perodo. Crescimento real do PIB (% aa) Mdia2003-2008 4,1% aa Fonte: IBGE. 2009 * e 2010* = Projeo PLOA 2010. 5. O conjunto de polticas econmicas adotadas manteve a inflao sob controle e em trajetria declinante 6. O ambiente externo favorvel e o regime de cmbio flexvel permitiram tanto o aumento do fluxo de IDE e de outros capitais, quanto a gerao de saldos comerciais expressivos Exportaes, Importaes e Saldo Comercial (Fluxos acumulados em 12 meses US$ bi) Fonte: MDIC.* Saldos acumulados em 12 meses at setembro/2009. 7. ... o que resultou no aumento das Reservas Internacionais e na reduo do endividamento externo 8. Houve forte expanso do crdito, que continuou crescendo mesmo com o acirramento da crise . Total do Crdito do SFN (% do PIB) Fonte: BCB.Elaborao: ASSEC/MP. *dados preliminares para agosto/2009. 9. O desemprego atingiu sua menor taxa em dezembro/2008 (6,8%), e, superado o momento mais agudo da crise, j voltou a declinar. Fonte: IBGE (PME em 6 Regies Metropolitanas). 10. A expanso do mercado de trabalho e o controle da inflao levaram recuperao da renda real e forte expanso da massa real de salrios. 11. A incerteza fiscal foi revertida com a gerao de supervits primrios expressivos. Essa trajetria foi, temporariamente, suspensa com a queda da arrecadao e as medidas anticclicas adotadas para reverter os efeitos da crise . 12. Como resultado do enfrentamento da crise, a dvida pblicase elevou a partir de novembro/2008, de forma controlada e pouco acima de 2007 (antes da crise). 13. Para contornar a queda de demanda, o governo aumentou seus investimentos, ampliando as aes e reforando as medidasdo Programa de Acelerao do Crescimento-PAC. Despesa com Investimentos do Governo Federal, 2000 2008, empenho liquidado (Em % do PIB; e em R$ bilhes, a preos constantes de 2006 - deflator IPCA) 14. Os investimentos privados, por sua vez, tiveram crescente apoio do BNDES, com destaque para Infraestrutura e MPEs. O que tem permitido a retomada mais rpida da produo industrial e reduzido a defasagem tecnolgica das empresas. Fonte: BNDES. * Saldos acumulados em 12 meses at agosto/2009. Fonte: BNDES. * Saldos acumulados em 12 meses at agosto/2009. Desembolsos do BNDES: Infraestrutura e MPEs(R$ bilhes de agosto/2009; deflator IPCA) 15. Resultado das polticas pblicas 16. Plano Plurianual 2004-2007 Desenvolver o Pas de forma sustentvel, promovendo o crescimento econmico com incluso social, buscando constituir um mercado de consumo de massa 17. Plano Plurianual 2008-2011 Desenvolvimento comincluso social e educao de qualidade 18. Reduo da desigualdade 19. A poltica ativa de valorizao do Salrio Mnimo elevou seu montantepara R$ 465 em fev/09 (equivalente a US$ 200) Salrio Mnimo(em R$ constantes de setembro/2009; deflator: INPC) 20. ... e contribuiu, em conjunto com o controle da inflao, para recuperar o poder de compra da populao. Percentual do Salrio Mnimo gasto para aquisio da cesta bsica 21. Com o objetivo de melhorar a distribuio de renda, o governo ampliou o programa Bolsa Famlia.Em 2008, ampliao do valor transferido inclui o reajuste dos valores dos benefcios pelo INPC acumulado at 2007; e a extenso do benefcio aos jovensde 15 a 17 anos. Bolsa Famlia Valor transferido (R$ bilhes) N ode famliasatendidas (milhes) Fonte: MDS e SOF/MP. *PLOA 2010. 22. Como resultado das polticas sociais adotadas, houve significativa reduo da desigualdade de renda e da pobreza extrema. Brasil ndice de Gini Rendimentos de todas as fontes*, 1993 - 2008 Brasil Percentual de indivduos em situao de extrema pobreza, 1990 - 2007 Fonte: IBGE. *Inclui rendimentos do trabalho e de outras fontes , tais como aposentadorias, penses, programas sociais e aplicaes financeiras. Fonte: IPEA. 23. Medidas anti-crise eretomada do crescimento 24. A crise internacional comeou a atingir o Brasil a partir do 3 trimestre de 2008. Primeiramente, com a reduo de linhas de crdito que afetaram o setor produtivo e o consumo das famlias e, em seguida, com a queda da demanda e dos preos de nossas exportaes,o que resultou em reduo da atividade econmica. Diante desse novo ambiente, o governo adotou medidas para reverter os efeitos da crise sobre: a disponibilidade de crdito dos bancos, o capital de giro das empresas e agricultores, a capacidade de consumo das famlias e o investimento na construo civil. 25.

  • Poltica monetria expansionista
      • Reduo das alquotas de depsito compulsrio
      • Reduo da taxa bsica de juros
      • Utilizao das reservas internacionais (comrcio exterior)
  • Poltica fiscal de estmulo econmico

26. Medidas de poltica fiscal

  • Dedues tributarias
  • Expanso da despesa oramentria: seguro-desemprego, subsdiossobre a taxa de emprstimo para aindstria e o agronegcio
  • Capitalizao do BNDES em R$ 100 bilhes para expanso do crdito
  • Programa Minha Casa, Minha Vida: R$ 28 bi em subsdios e R$ 60 bi em investimentos
  • Medidas j em curso que contriburam para minimizar o impacto da crise: bolsa famlia e investimentos do PAC
  • - Reduo da meta fiscal

27. O governo reduziu a meta fiscal do setor pblico consolidado de 3,8% do PIB para 2,5% do PIB 28. A ampliao da oferta de crdito pelos bancos pblicos foi importante para mitigar os efeitos da crise sobre as empresas Total do Crdito do SFN Bancos Pblicos,Privados Nacionais e Estrangeiros (R$ bilhes; a preos de agosto/2009; Deflator: IPCA) 29. O maior impacto da crise foi naindstria, que j mostra plena recuperao. As vendas ao varejo tiveram pequena baixa, devido expanso da massa salarial real e da manuteno do crdito s pessoas fsicas. Fonte: IBGE. Elaborao: MF/SPE 30. Dessa forma, a economia brasileira se recupera rapidamente e a sociedade sofre menor impacto que a de outros pases. 31. Fonte: DieeseSaldo do Emprego Formal no Brasil ADMITIDOS DESLIGADOS Saldo Mensal Saldo Acumulado jan/09 1.216.550 1.318.298 -101.748 -101.748 fev/09 1.233.554 1.224.375 9.179 -92.569 mar/09 1.419.511 1.384.693 34.818 -57.751 abr/09 1.350.446 1.244.241 106.205 48.454 mai/09 1.348.575 1.217.018 131.557 180.011 jun/09 1.356.349 1.236.854 119.495 299.506 jul/09 1.398.181 1.259.779 138.402 437.908 ago/09 1.457.455 1.215.329 242.126 680.034 set/09 1.491.580 1.238.963 252.617 932.651 32. Fonte: DieeseSaldo de Emprego Formal no Paran ADMITIDOS DESLIGADOS Saldo Mensal Saldo Acumulado jan/09 95.623 94.031 1.592 1.592 fev/09 95.160 92.666 2.494 4.086 mar/09 115.512 104.670 10.842 14.928 abr/09 103.198 95.261 7.937 22.865 mai/09 100.791 89.109 11.682 34.547 jun/09 98.635 92.671 5.964 40.511 jul/09 100.119 93.197 6.922 47.433 ago/09 102.661 88.224 14.437 61.870 set/09 106.051 92.311 13.740 75.610 33.

  • Agenda para 2010
    • Implantao do novo marco regulatrio do petrleo
    • Copa do Mundo 2014 e Olimpadas 2016

34. Pr-Sal: Produo de Petrleo e Gs

  • -reas do pr-sal j concedidas:
    • .Campos de Tupi, Iara e Parque das Baleias, com reservas estimadas entre 9,5 e 14 bilhes de barris de leo equivalente;
    • .As reservas de petrleo do Brasil passam de 14,1 para entre 23,6 e 28,1 bilhes de barris, a 16 amaior do mundo;
    • .Somente essas reas devero produzir at 2020 1,8 milho debarris/dia, o equivalente nossa produo atual.
  • - As estimativas dos campos at o momento no concedidos devem levar o Brasil a possuir uma das dez maiores reservas de petrleo do mundo.
  • - A reas no concedidas estaro sujeitas ao novo marco regulatrio.

35. Pr-Sal: Regime de Partilha

  • - Novo marco regulatrio que assegurar ao pas a maximizao dos benefcios com a explorao:
    • . A Unio poder contratar diretamente a Petrobrs;
    • . Outras empresas podero participar dos contratos de partilha;
    • . A Petrobrs ser operadora em todos os casos com participao mnima de 30%;
    • . A explorao se dar por conta e risco das empresas que sero reembolsadas em leo pelos investimentos e produo;
    • . Vencer a licitao as empresas que oferecerem maior excedente em leo para a Unio;
    • . A nova estatal, Petro-Sal, ser responsvel por gerir os contratos. -

36. Pr-Sal: Fundo Social - As receitas do pr-sal constituiro poupana de longo-prazo, afim de gerar renda permanente para o desenvolvimento social - Os recurso provenientes da parcela de leo excedente da Unio, royalties e bnus de assinatura dos contratos de partilhas sero depositados no Fundo Social - O Fundo Social aplicar os recursos no Brasil e no Exterior, segundo critrios de rentabilidade, segurana e liquidez - Os ganhos gerados pelas aplicaes financeiras sero destinados ao combate pobreza, melhoria da educao e investimento em cincia e tecnologia 37. Investimentos da Copa do Mundo 2014 e das Olimpadas 2016 - Os investimentos previstos so de cerca de R$ 38 bilhes para a Copa do Mundo e de R$ 26 bilhes para as Olimpadas, que contaro com recursos pblicos e privados.- Para a Copa do Mundo, j esto programados R$ 5 bilhes em projetos do PAC na rea de transporte e mobilidade urbana. H estudos para estender os modais existentes nas cidades sedes ou implantar veculos leves sobre rodas ou trilhos.- Para as Olimpadas de 2016, j existem aes do PAC previstas, como a ampliao do aeroporto do Galeo e melhorias no sistema de transporte pblico carioca. No total, so quase R$ 11 bilhes s em infra-estrutura de transporte at 2016. 38. Investimentos da Copa do Mundo 2014 e das Olimpadas 2016 (cont.) - Ser criado um programa especial para cada um dos Eventos, que priorizar investimentos em aeroportos, portos e rodovias, alm do TAV RJ/SP, a ser finalizado at 2015. - A estrutura e a equipe tcnica existente para o gerenciamento do PAC, alm dos investimentos em curso desde 2007, como nas reas de transporte e saneamento, so facilitadores na execuo das obras at 2014 e 2016. 39. Muito obrigada www.gleisi.com.br twitter/gleisi.com