ESGOTAMENTO SANITÁRIO

of 37 /37
Tema: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Transcript of ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Page 1: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Tema:ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Tema:ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Page 2: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

INTRODUÇÃO

Uma das maiores preocupações que assolam a humanidade atualmente está direcionada ao meio Uma das maiores preocupações que assolam a humanidade atualmente está direcionada ao meio ambiente.ambiente.

As mudanças climáticas, a poluição exacerbada, o aumento populacional humano sobre a Terra são As mudanças climáticas, a poluição exacerbada, o aumento populacional humano sobre a Terra são assuntos que constantemente percorrem os meios científicos e mídias mundiais, e um dos maiores assuntos que constantemente percorrem os meios científicos e mídias mundiais, e um dos maiores desafios contemporâneos é: Como manter o equilíbrio natural, a conservação do ecossistema em frente desafios contemporâneos é: Como manter o equilíbrio natural, a conservação do ecossistema em frente ao desenvolvimento tecnológico, a necessidade de bem-estar e crescimento humano sobre o Planeta? ao desenvolvimento tecnológico, a necessidade de bem-estar e crescimento humano sobre o Planeta? Como (re)aproveitar, (re)utilizar e restaurar os resíduos resultantes dos produtos de consumo humano?Como (re)aproveitar, (re)utilizar e restaurar os resíduos resultantes dos produtos de consumo humano?

Apesar da água ser um elemento abundante no planeta Terra, apenas uma parcela ínfima dela é Apesar da água ser um elemento abundante no planeta Terra, apenas uma parcela ínfima dela é apropriada para o consumo humano.apropriada para o consumo humano.

E o paradoxo que discorre sobre a humanidade é o fato desta estar poluindo de forma excedente a sua E o paradoxo que discorre sobre a humanidade é o fato desta estar poluindo de forma excedente a sua principal fonte de consumo hídrico, os rios – as principais fontes acessíveis de água doce natural.principal fonte de consumo hídrico, os rios – as principais fontes acessíveis de água doce natural.

Este trabalho é uma revisão bibliográfica sobre o esgotamento sanitário, onde serão abordados tópicos Este trabalho é uma revisão bibliográfica sobre o esgotamento sanitário, onde serão abordados tópicos sobre: características dos esgotos, tipos de contaminação e infraestruturas disponíveis na literatura para sobre: características dos esgotos, tipos de contaminação e infraestruturas disponíveis na literatura para conter, armazenar e tratar resíduos e dejetos antrópicos.conter, armazenar e tratar resíduos e dejetos antrópicos.

2

Page 3: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

ESGOTOS DOMÉSTICOS:

CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS:CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS:Características Físicas:Características Físicas:matéria sólida,matéria sólida,temperatura,temperatura,odor,odor,cor e turbidez,cor e turbidez,variação de vazão.variação de vazão.

Matéria Sólida:Matéria Sólida:

Os esgotos domésticos contém aproximadamente 99,9% de água, e Os esgotos domésticos contém aproximadamente 99,9% de água, e apenas 0,1% de sólidos.apenas 0,1% de sólidos.

3

Page 4: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

TEMPERATURA:TEMPERATURA:

A temperatura do esgoto é pouco superior a das águas de abastecimento.A temperatura do esgoto é pouco superior a das águas de abastecimento.

ODOR:ODOR:

Os odores são causados pelos gases formados no processo de Os odores são causados pelos gases formados no processo de decomposição.decomposição.

COR E TURBIDEZ:COR E TURBIDEZ:

A cor e turbidez indicam de imediato o estado de decomposição do A cor e turbidez indicam de imediato o estado de decomposição do esgoto.esgoto.

4

Page 5: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

VARIAÇÃO DE VAZÃO:VARIAÇÃO DE VAZÃO:

A variação de vazão do efluente de um sistema A variação de vazão do efluente de um sistema de esgoto doméstico é em função dos costumes de esgoto doméstico é em função dos costumes dos habitantes. A vazão doméstica do esgoto é dos habitantes. A vazão doméstica do esgoto é calculada em função do consumo médio diário calculada em função do consumo médio diário de água de um indivíduo.de água de um indivíduo.

5

Page 6: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS:CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS:

Matéria Orgânica: cerca de 70% dos sólidos são de Matéria Orgânica: cerca de 70% dos sólidos são de origem orgânica. O grupo de substâncias orgânicas origem orgânica. O grupo de substâncias orgânicas nos esgotos são constituídos por:nos esgotos são constituídos por: Compostos de proteínas (40 a 60%),Compostos de proteínas (40 a 60%), Carboidratos (25 a 50%),Carboidratos (25 a 50%), Gorduras e óleos (10%) e,Gorduras e óleos (10%) e, Ureia, sulfatans, fenóis, etc.Ureia, sulfatans, fenóis, etc.

6

Page 7: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

MATÉRIA INORGÂNICA:MATÉRIA INORGÂNICA:

Microrganismos de águas residuais:Microrganismos de águas residuais:

Os principais organismos encontrados nos esgotos são: Os principais organismos encontrados nos esgotos são: bactérias, os fungos, os protozoários, os vírus e as algas.bactérias, os fungos, os protozoários, os vírus e as algas.Indicadores de poluição:Indicadores de poluição:

As bactérias coliformes são típicas do intestino do homem e As bactérias coliformes são típicas do intestino do homem e de outros animais de sangue quente (mamíferos) e por de outros animais de sangue quente (mamíferos) e por estarem presentes nas fezes humanas e de simples estarem presentes nas fezes humanas e de simples determinação, são adotadas como referência para indicar e determinação, são adotadas como referência para indicar e medir a grandeza da poluição.medir a grandeza da poluição.

7

Page 8: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

CONCEITO DE CONTAMINAÇÃO:CONCEITO DE CONTAMINAÇÃO:

Introdução, no meio, de elementos em Introdução, no meio, de elementos em concentrações nocivas à saúde dos seres concentrações nocivas à saúde dos seres humanos, tais como: organismos humanos, tais como: organismos patogênicos, substâncias tóxicas ou patogênicos, substâncias tóxicas ou radioativas.radioativas.

8

Page 9: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

FLUXO DE CONTAMINAÇÃO FECAL:FLUXO DE CONTAMINAÇÃO FECAL:

9

Page 10: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

SOBREVIVÊNCIA DAS BACTÉRIAS:SOBREVIVÊNCIA DAS BACTÉRIAS:

A sobrevivência das bactérias, no solo, varia bastante; A sobrevivência das bactérias, no solo, varia bastante; assim o assim o bacilo tifoidicobacilo tifoidico resiste sete dias no esterco, 22 dias resiste sete dias no esterco, 22 dias em cadáveres enterrados, 15 a 30 dias em fezes, 70 dias em cadáveres enterrados, 15 a 30 dias em fezes, 70 dias em solo úmido e 15 dias em solo seco; o em solo úmido e 15 dias em solo seco; o bacilo disentéricobacilo disentérico, , oito dias em fezes sólidas, 70 dias em solo úmido e 15 dias oito dias em fezes sólidas, 70 dias em solo úmido e 15 dias em solo seco.em solo seco.Disseminação de bactérias no solo;Disseminação de bactérias no solo;Disseminação de bactérias em águas subterrâneas.Disseminação de bactérias em águas subterrâneas.

10

Page 11: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

ESTABILIZAÇÃO DOS EXCRETAS:ESTABILIZAÇÃO DOS EXCRETAS:

Os excretas humanos possuem matéria orgânica, Os excretas humanos possuem matéria orgânica, instável, constituída de poucas substâncias simples instável, constituída de poucas substâncias simples como hidrogênio (H), oxigênio (O), azoto (Az), como hidrogênio (H), oxigênio (O), azoto (Az), carbono (C), enxofre (S) e fósforo (P), que carbono (C), enxofre (S) e fósforo (P), que combinadas de diversas maneiras e proporções combinadas de diversas maneiras e proporções formam a imensa variedade de compostos orgânicos formam a imensa variedade de compostos orgânicos em estado sólido, líquido e gasoso.em estado sólido, líquido e gasoso.

11

Page 12: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DOENÇAS RELACIONADAS COM OS ESGOTOS:DOENÇAS RELACIONADAS COM OS ESGOTOS:É grande o número de doenças cujo controle está relacionado com o destino adequado dos dejetos humanos. É grande o número de doenças cujo controle está relacionado com o destino adequado dos dejetos humanos. Citaremos entre as principais:Citaremos entre as principais:

Ancilostomíase,Ancilostomíase,

Ascaridíase,Ascaridíase,

Amebíase,Amebíase,

Cólera,Cólera,

Diarreia infecciosa,Diarreia infecciosa,

Disenteria bacilar,Disenteria bacilar,

Esquistossomose,Esquistossomose,

Estrongiloidiase,Estrongiloidiase,

Febre tifoide,Febre tifoide,

Febre paratifoide,Febre paratifoide,

Teníase e cisticercose.Teníase e cisticercose.

12

Page 13: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

MODOS DE TRANSMISSÃO:MODOS DE TRANSMISSÃO:

Pelo contato direto da pele com o solo contaminado por larvas de Pelo contato direto da pele com o solo contaminado por larvas de helmintos, provenientes de fezes de portadores de parasitose.helmintos, provenientes de fezes de portadores de parasitose.

Pela ingestão de alimentos contaminados por vetores, Pela ingestão de alimentos contaminados por vetores, especialmente a mosca;especialmente a mosca;

Pela ingestão de alimentos contaminados diretamente pelos Pela ingestão de alimentos contaminados diretamente pelos dejetos ou pela água contaminada.dejetos ou pela água contaminada.

CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DO SOLO:CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DO SOLO:

Características do solo.Características do solo.

13

Page 14: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

SOLUÇÕES INDIVIDUAIS PARA TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DOS SOLUÇÕES INDIVIDUAIS PARA TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS:ESGOTOS DOMÉSTICOS:

DEFINIÇÃO;DEFINIÇÃO;LOCALIZAÇÃO;LOCALIZAÇÃO;DIMENSIONAMENTO;DIMENSIONAMENTO;DETALHES CONSTRUTIVOS:DETALHES CONSTRUTIVOS: Revestimento da fossa;Revestimento da fossa; Assentamento da base;Assentamento da base; Piso (laje da privada);Piso (laje da privada); Aterro de proteção (montículo);Aterro de proteção (montículo); Casinha;Casinha; Ventilação.Ventilação.MANUTENÇÃO.MANUTENÇÃO.

14

Page 15: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

VANTAGENS E DESVANTAGENS:VANTAGENS E DESVANTAGENS:

Vantagens:Vantagens: Baixo Custo;Baixo Custo; Simples operação de manutenção;Simples operação de manutenção; Não consome água;Não consome água; Risco mínimo de saúde;Risco mínimo de saúde; Recomendada para áreas de baixa e média densidade;Recomendada para áreas de baixa e média densidade; Aplicável a tipos variados de terrenos;Aplicável a tipos variados de terrenos; Permite o uso de diversos materiais de construção.Permite o uso de diversos materiais de construção. Desvantagens:Desvantagens: Impróprias para áreas de alta densidade;Impróprias para áreas de alta densidade; Podem poluir o subsolo;Podem poluir o subsolo; Requer solução para outras águas servidas.Requer solução para outras águas servidas.

15

Page 16: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PRIVADA COM FOSSA ESTANQUE:PRIVADA COM FOSSA ESTANQUE:

DEFINIÇÃO;DEFINIÇÃO; INDICAÇÃO;INDICAÇÃO; DIMENSIONAMENTO;DIMENSIONAMENTO; MANUTENÇÃO;MANUTENÇÃO; VANTAGENS E DESVANTAGENS:VANTAGENS E DESVANTAGENS: Vantagens:Vantagens: Baixo custo;Baixo custo; Fácil construção;Fácil construção; Simples operação e manutenção;Simples operação e manutenção; Não consome água;Não consome água; Mínimo risco à saúde;Mínimo risco à saúde; Não polui o solo;Não polui o solo; A solução poderá ser definitiva.A solução poderá ser definitiva. Desvantagens:Desvantagens: Imprópria para áreas de alta densidade;Imprópria para áreas de alta densidade; Requer soluções para outras águas servidas.Requer soluções para outras águas servidas.

16

Page 17: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PRIVADA COM FOSSA DE FERMENTAÇÃO:PRIVADA COM FOSSA DE FERMENTAÇÃO:

Definição;Definição; Indicação;Indicação; Vantagens.Vantagens. Desvantagens.Desvantagens.

17

Page 18: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PRIVADA QUÍMICA:PRIVADA QUÍMICA:

Definição;Definição; Indicação;Indicação; Funcionamento;Funcionamento; Onde existe água encanada.Onde existe água encanada.

18

Page 19: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PRIVADA COM VASO SANITÁRIO:PRIVADA COM VASO SANITÁRIO:

Definição;Definição; Ligação à Ligação à

rede pública rede pública de esgoto.de esgoto.

19

Page 20: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

SOLUÇÕES COLETIVAS PARA TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DOS SOLUÇÕES COLETIVAS PARA TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DOS ESGOTOS:ESGOTOS:

• Tipos de Esgotos:Tipos de Esgotos:Esgotos Domésticos;Esgotos Domésticos;Esgotos Industriais;Esgotos Industriais;Águas Pluviais;Águas Pluviais;Água de Infiltração.Água de Infiltração.• Tipos de Sistemas:Tipos de Sistemas:Sistema Unitário;Sistema Unitário;Sistema Separador Absoluto;Sistema Separador Absoluto;Sistema Misto;Sistema Misto;Sistema Condominial.Sistema Condominial.

20

Page 21: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DIÂMETROS MÍNIMO:DIÂMETROS MÍNIMO:

As redes coletoras do sistema convencional As redes coletoras do sistema convencional adotavam o diâmetro mínimo de 150 mm adotavam o diâmetro mínimo de 150 mm apesar das normas vigentes não colocarem apesar das normas vigentes não colocarem nenhuma restrição quanto a utilização do nenhuma restrição quanto a utilização do diâmetro de 100 mm, desde que atenda ao diâmetro de 100 mm, desde que atenda ao dimensionamento hidráulico.dimensionamento hidráulico.

21

Page 22: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

RECOBRIMENTOS MÍNIMO:RECOBRIMENTOS MÍNIMO:

No sistema convencional, usualmente as redes coletoras No sistema convencional, usualmente as redes coletoras localizam-se no terço médio mais baixo das ruas. Já no localizam-se no terço médio mais baixo das ruas. Já no sistema condominial este procedimento é evitado e procura-sistema condominial este procedimento é evitado e procura-se sempre que possível lançar as redes no passeio, fora das se sempre que possível lançar as redes no passeio, fora das ruas pavimentadas onde há tráfego de veículos. Com isso é ruas pavimentadas onde há tráfego de veículos. Com isso é permitido reduzirmos o recobrimento das tubulações sem permitido reduzirmos o recobrimento das tubulações sem contudo oferecer riscos de rompimento das mesmas e contudo oferecer riscos de rompimento das mesmas e também sem ferir as recomendações das normas vigentes também sem ferir as recomendações das normas vigentes que são:que são:

Recobrimento mínimo:Recobrimento mínimo:22

Page 23: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PROFUNDIDADE MÍNIMA:PROFUNDIDADE MÍNIMA:

A profundidade mínima da tubulação deve ser tal que permita receber os A profundidade mínima da tubulação deve ser tal que permita receber os efluentes por gravidade e proteger a tubulação contra tráfego de veículos efluentes por gravidade e proteger a tubulação contra tráfego de veículos e outros impactos.e outros impactos.

De forma a se obter o menor volume de escavação, deve-se adotar De forma a se obter o menor volume de escavação, deve-se adotar sempre que possível a declividade da tubulação igual as do terreno e a sempre que possível a declividade da tubulação igual as do terreno e a profundidade da rede será mantida igual a mínima sempre que a profundidade da rede será mantida igual a mínima sempre que a declividade do terreno for superior a declividade mínima.declividade do terreno for superior a declividade mínima.

CAIXA DE INSPEÇÃOCAIXA DE INSPEÇÃO

ELEMENTOS DE INSPEÇÃOELEMENTOS DE INSPEÇÃO

23

Page 24: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DOS ESGOTOS – TANQUE SÉPTICO:TRATAMENTO DOS ESGOTOS – TANQUE SÉPTICO:

Histórico:Histórico:

Os registros de caráter históricos apontam como inventor do Os registros de caráter históricos apontam como inventor do Tanque Séptico “Jean Louis Mouras” que, em 1860, Tanque Séptico “Jean Louis Mouras” que, em 1860, construiu, na França, um tanque de alvenaria, onde passava construiu, na França, um tanque de alvenaria, onde passava os esgotos, restos de comida e águas pluviais, antes de ir os esgotos, restos de comida e águas pluviais, antes de ir para o sumidouro. Este tanque, fora aberto 12 anos mais para o sumidouro. Este tanque, fora aberto 12 anos mais tarde e não apresentava acumulada a quantidade de sólidos tarde e não apresentava acumulada a quantidade de sólidos que foi previamente estimada em função da redução que foi previamente estimada em função da redução apresentada no efluente líquido do tanque.apresentada no efluente líquido do tanque.

24

Page 25: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DEFINIÇÃO:DEFINIÇÃO:

Os Tanque Sépticos são câmaras fechadas com a Os Tanque Sépticos são câmaras fechadas com a finalidade de reter os dejetos domésticos, por um finalidade de reter os dejetos domésticos, por um período de tempo estabelecido, de modo a permitir período de tempo estabelecido, de modo a permitir a decantação dos sólidos e retenção do material a decantação dos sólidos e retenção do material graxo contido nos esgotos transformando-os graxo contido nos esgotos transformando-os bioquimicamente, em substâncias e compostos bioquimicamente, em substâncias e compostos mais simples e estáveis.mais simples e estáveis.

25

Page 26: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

FUNCIONAMENTO GERAL DE UM TANQUE SÉPTICO:FUNCIONAMENTO GERAL DE UM TANQUE SÉPTICO:

RetençãoRetenção: o esgoto é detido na fossa, por um período racionalmente : o esgoto é detido na fossa, por um período racionalmente estabelecido, que pode variar de 12 a 24 horas, dependendo das contribuições estabelecido, que pode variar de 12 a 24 horas, dependendo das contribuições afluentes;afluentes;

DecantaçãoDecantação: simultaneamente à fase de retenção, processa-se uma : simultaneamente à fase de retenção, processa-se uma sedimentação de 60 a 70% dos sólidos em suspensão contidos nos esgotos, sedimentação de 60 a 70% dos sólidos em suspensão contidos nos esgotos, formando-se o lodo. Parte dos sólidos não decantados, formados por óleos, formando-se o lodo. Parte dos sólidos não decantados, formados por óleos, graxas, gorduras e outros materiais misturados com gases é retida na superfície graxas, gorduras e outros materiais misturados com gases é retida na superfície livre do líquido, no interior do tanque séptico, denominados de escuma;livre do líquido, no interior do tanque séptico, denominados de escuma;

DigestãoDigestão: tanto o lodo como a escuma são atacados por bactérias anaeróbicas, : tanto o lodo como a escuma são atacados por bactérias anaeróbicas, provocando uma destruição total ou parcial de organismo patogênicos;provocando uma destruição total ou parcial de organismo patogênicos;

Redução de volumeRedução de volume: da digestão, resultam gases, líquidos e acentuada redução : da digestão, resultam gases, líquidos e acentuada redução de volume dos sólidos retidos e digeridos, que adquirem características de volume dos sólidos retidos e digeridos, que adquirem características estáveis capazes de permitir que o efluente liquido o tanque séptico possa ser estáveis capazes de permitir que o efluente liquido o tanque séptico possa ser lançado em melhores condições de segurança do que as do esgoto bruto.lançado em melhores condições de segurança do que as do esgoto bruto.

26

Page 27: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

AFLUENTES DO TANQUE SÉPTICO:AFLUENTES DO TANQUE SÉPTICO:

Caixa de gordura:Caixa de gordura:

27

Page 28: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

CONTRIBUIÇÃO DIÁRIA DE ESGOTO (C) E DE LODO FRESCO (LF) POR CONTRIBUIÇÃO DIÁRIA DE ESGOTO (C) E DE LODO FRESCO (LF) POR TIPO DE PRÉDIO E DE OCUPANTE.TIPO DE PRÉDIO E DE OCUPANTE.

PRÉDIO UNIDADECONTRIBUIÇÃO DE

ESGOTO (c)CONTRIBUIÇÃO DE Lodo Fresco

(Lf)

1. Ocupantes Permanentes

•Residência:

Padrão Alto Pessoa/litros 160 1

Padrão Médio Pessoa/litros 130 1

Padrão Baixo Pessoa/litros 100 1

•Alojamento provisório. Pessoa/litros 80 1

2. Ocupantes Temporários

Fábrica em geral; Pessoa/litros 70 0,3

Escritório; Pessoa/litros 50 0,2

Edifícios públicos ou comerciais; Pessoa/litros 50 0,2

Escola (externatos) e locais de longa permanência; Pessoa/litros 50 0,2

Bares; Pessoa/litros 6 0,1

Restaurantes e Similares; Refeições 25 0,1

Cinema teatros e locais de curta permanência*. Lugar 2 0,02

Sanitários Públicos*. Vaso 480 4 28

Page 29: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DISPOSIÇÃO DO EFLUENTE LIQUIDO DOS TANQUES DISPOSIÇÃO DO EFLUENTE LIQUIDO DOS TANQUES SÉPTICOS:SÉPTICOS:

O efluente líquido é potencialmente contaminado, com odores e aspectos O efluente líquido é potencialmente contaminado, com odores e aspectos desagradáveis, exigindo, por estas razões, uma solução eficiente de sua desagradáveis, exigindo, por estas razões, uma solução eficiente de sua disposição.disposição.

Entre os processos eficientes e econômicos de disposição do efluente líquido Entre os processos eficientes e econômicos de disposição do efluente líquido das fossas têm sido adotados os seguintes tipos:das fossas têm sido adotados os seguintes tipos:Diluição (corpos d’água receptores): para o Tanque Séptico a proporção é de Diluição (corpos d’água receptores): para o Tanque Séptico a proporção é de 1:300;1:300;Sumidouro;Sumidouro;Vala de infiltração e filtração;Vala de infiltração e filtração;Filtro de areia;Filtro de areia;Filtro anaeróbico.Filtro anaeróbico.

29

Page 30: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

A ESCOLHA DO PROCESSO A SER ADOTADO DEVE A ESCOLHA DO PROCESSO A SER ADOTADO DEVE CONSIDERAR OS SEGUINTES FATORES:CONSIDERAR OS SEGUINTES FATORES:

Natureza e utilização do solo;Natureza e utilização do solo; Profundidade do lençol freático;Profundidade do lençol freático; Grau de permeabilidade do solo;Grau de permeabilidade do solo; Utilização e localização da fonte de água de Utilização e localização da fonte de água de subsolo utilizada para consumo humano;subsolo utilizada para consumo humano;

Volume e taxa de renovação das águas de Volume e taxa de renovação das águas de superfície.superfície.

30

Page 31: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

INFLUÊNCIA DE OUTRAS SUBSTÂNCIAS:INFLUÊNCIA DE OUTRAS SUBSTÂNCIAS:

Os esgotos contendo sabões nas proporções normalmente utilizadas, de 20 a 25 mg/l, não Os esgotos contendo sabões nas proporções normalmente utilizadas, de 20 a 25 mg/l, não prejudicam o sistema.prejudicam o sistema.

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃOOPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

Para que ocorra um bom funcionamento, o tanque séptico, antes de entrar em operação, deve Para que ocorra um bom funcionamento, o tanque séptico, antes de entrar em operação, deve ser enchido com água a fim de detectar possíveis vazamentos;ser enchido com água a fim de detectar possíveis vazamentos;

A remoção do lodo deve ocorrer de forma rápida e sem contato do mesmo com o operador. Para A remoção do lodo deve ocorrer de forma rápida e sem contato do mesmo com o operador. Para isso recomenda-se a introdução de um mangote, através da tampa de inspeção, para sucção isso recomenda-se a introdução de um mangote, através da tampa de inspeção, para sucção por bombas;por bombas;

As valas de filtração ou de infiltração e os sumidouros devem ser inspecionados As valas de filtração ou de infiltração e os sumidouros devem ser inspecionados semestralmente;semestralmente;

Havendo a redução da capacidade de absorção das valas de filtração, infiltração e sumidouros, Havendo a redução da capacidade de absorção das valas de filtração, infiltração e sumidouros, novas unidades deverão ser construídas;novas unidades deverão ser construídas;

Tanto o tanque séptico como o sumidouro, quando abandonados, deverão ser enchidos com Tanto o tanque séptico como o sumidouro, quando abandonados, deverão ser enchidos com terra ou pedra.terra ou pedra.

31

Page 32: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

FILTRO ANAERÓBICO:FILTRO ANAERÓBICO:

Histórico:Histórico:

Aparentemente nova, a solução é considerada uma da mais Aparentemente nova, a solução é considerada uma da mais antigas e surgiu simultaneamente a evolução dos filtros antigas e surgiu simultaneamente a evolução dos filtros biológicos convencionais. É importante no entanto informar que biológicos convencionais. É importante no entanto informar que a aplicação racional dos filtros anaeróbicos teve maior a aplicação racional dos filtros anaeróbicos teve maior divulgação a partir das experiências realizados nos Estados divulgação a partir das experiências realizados nos Estados Unidos da América, por Perry L. Mc Carty em 1963, 1966 e Unidos da América, por Perry L. Mc Carty em 1963, 1966 e 1969. No Brasil a escola de Engenharia de São Carlos, da 1969. No Brasil a escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo, confirmou em 1977 a eficiência do Universidade de São Paulo, confirmou em 1977 a eficiência do filtro, já obtida por Mc Carty, realizando experiências em filtro, já obtida por Mc Carty, realizando experiências em unidades pilotos.unidades pilotos.

32

Page 33: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DEFINIÇÃODEFINIÇÃO

O filtro anaeróbico é um processo de O filtro anaeróbico é um processo de tratamento apropriado para o efluente do tratamento apropriado para o efluente do tanque séptico, por apresentar resíduos de tanque séptico, por apresentar resíduos de carga orgânica relativamente baixa e carga orgânica relativamente baixa e concentração pequena de sólidos em concentração pequena de sólidos em suspensão.suspensão.

PROCESSOPROCESSO

33

Page 34: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

DESTINO DO EFLUENTE DO TANQUE SÉPTICO E DO FILTRO DESTINO DO EFLUENTE DO TANQUE SÉPTICO E DO FILTRO ANAERÓBICO:ANAERÓBICO:

Histórico:

O lançamento dos esgotos domésticos no subsolo é uma prática tão natural e lógica, tendo pesquisas arqueológicas registrado que há cerca de 6000 anos os habitantes de Sumere (região Sul do antigo império Caldeu) descarregavam seus esgotos em covas, cujas profundidades variavam de 12 a 15 metros. Em um dos últimos livros da Bíblia, Deuteronômio, Moisés ordenava que os despejos humanos fossem enterrados fora da área do acampamento.

Esta prática, extremamente antiga, demonstrou a sua aplicabilidade, no exemplo clássico do Estado de West Virgínia (EUA), quando se adotou como solução para o combate às febres tifoide e paratifoide a implantação de um programa de construção de 282.148 unidades de privadas.

Definição.

Sumidouro:Sumidouro:

34

Page 35: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

ILUSTRAÇÃOILUSTRAÇÃO

35

Page 36: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Devido a falta de medidas práticas de saneamento Devido a falta de medidas práticas de saneamento e de educação sanitária, a população tende a e de educação sanitária, a população tende a lançar os dejetos diretamente sobre o solo, lançar os dejetos diretamente sobre o solo, favorecendo a transmissão de doenças.favorecendo a transmissão de doenças.Logo, um destino adequado dos dejetos humanos, Logo, um destino adequado dos dejetos humanos, através de infraestruturas e tecnologias através de infraestruturas e tecnologias apropriadas e limpas visa fundamentalmente o apropriadas e limpas visa fundamentalmente o controle e a prevenção de doenças e bem-estar controle e a prevenção de doenças e bem-estar humano.humano.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:CONSIDERAÇÕES FINAIS:

36

Page 37: ESGOTAMENTO SANITÁRIO

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. 3. ed. rev. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2006.

37