Fsr04 aterramento

download

of 97

  • date post

    10-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    189
  • download

    7

Embed Size (px)

Transcript of Fsr04 aterramento

  • Jos Osvaldo S. Paulino 1

    Conceitos bsicos sobreaterramentos

    (Estudo Tcnico 2: Aterramento de cercas e currais.)

  • Aspecto fsico de aterramentoindustrial

  • Jos Osvaldo S. Paulino 2

    PROGRAMA:

    u Conceitos bsicos sobre aterramento.u Segurana pessoal.u Aterramento de torresu Proteo de cercas e currais contra raios.

  • FINALIDADE DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTOFINALIDADE DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO

    Segurana ou ProteoSegurana ou Proteo: partes metlicas no energizadas

    Limitar potenciais produzidos:

    Segurana dos seres vivos

    Proteo de equipamentos

  • Servio ou FuncionalServio ou Funcional: parte integrante dos circuitos

    Ponto neutro de transformadores 3 (Y)Neutro das redes de distribuio

    Eletrodo de retorno de circuitos eltricos CA (MRT)

    Eletrodo de retorno em sistemas CC

    Plano de terra de sistemas de comunicao

    Contra descargas eletrostticas

    Contra interferncia eletromagntica

  • DEFINIES

    Terra: Massa condutora de solo que envolve o eletrodo de aterramento

    Eletrodo de aterramento: elemento condutor metlico ou conjunto de elementos condutores interligados, em contato direto com a terra de modo a garantir ligao com o solo

    Condutor de ligao: condutor empregado para conectar o objeto a ser aterrado ao eletrodo de aterramento ou para efetuar a ligao de dois ou mais eletrodos

  • Eletrodos de aterramento isolados: eletrodos de aterramento suficientemente distantes uns dos outros para que a corrente mxinma susceptvel de ser escoada por um deles no modifique sensivelmente o potencial do outro

    Eletrodos de aterramento interligados: eletrodos de aterramento que possuam ligao (intencional ou no) e que interagem eletricamente

    Sistema de aterramento: sistema formado por um ou mais eletrodos de aterramento, isolados ou no, visando atender necessidades funcionais ou de proteo

  • Terra remoto: massa condutora de solo distante o suficiente de qualquer eletrodo de aterramento para que seu potencial eltrico seja sempre igual a zero

    Elevao de potencial de terra (EPT): diferena de potencial entre o eletrodo de aterramento e o terra remoto quando por este eletrodo flui corrente para a terra, ou seja, a tenso produzida no eletrodo de aterramento quando este dispersa corrente terra em relao ao terra remoto

    Resistncia equivalente de aterramento (Req): relao entre a elevao de potencial de terra de um eletrodo e a corrente por este injetada no solo

  • Jos Osvaldo S. Paulino 3

    Aterramentos eltricos

    Porque os sistemas eletricos soaterrados?

  • Jos Osvaldo S. Paulino 4

    Aterramentos eltricos

    Controle de sobretenses.

    Segurana pessoal.

    Proteo contra descargasatmosfricas.

  • Jos Osvaldo S. Paulino 5

    Aterramentos eltricos

    Conceito de referencial:

    V

  • Jos Osvaldo S. Paulino 6

    V

    V

    Conceito de referencial

  • Jos Osvaldo S. Paulino 7

    VFN VFF

    VFF = 3 .VFN

    Controle das sobretenses

  • Jos Osvaldo S. Paulino 8

    VFN

    VFF

    VFF

    VFF

    Controle das sobretenses

  • Jos Osvaldo S. Paulino 9

    VFN

    VFN

    VFN

    VFF

    I

    Controle das sobretenses

  • Jos Osvaldo S. Paulino 10

    Segurana Pessoal

  • Jos Osvaldo S. Paulino 11

    CHOQUE ELTRICO

    Corrente alternada (60 Hz).Tempo de circulao maior que trs segundos.Corrente passando pelo:

    torax (pulmo e corao)ou pelo crebro.

  • Jos Osvaldo S. Paulino 12

    CHOQUE ELTRICO

    1 mA - Limiar de sensibilidade - Formigamento5 a 15 mA - Contrao muscular - Dor15 a 25 mA - Contraes violentas - Impossibilidade de soltar

    o objeto (fio) - Morte aparente - AsfixiaRespirao artificial

    25 - 80 mA - Morte aparente - Asfixia - Fibrilao ventricularRespirao artificial - Massagem cardaca

    Maior que 80 mA - Desfibrilao eltrica.Corrente de ampres - Queimaduras e morte.

  • Efeitos fisiolgicos da corrente alternada (15Hz a 100Hz) -

    pessoas com mais de 50kg

    0,1 a 0,5mA Leve percepo superficial 0,5 a 10mA Ligeira tetanizao do brao 10 a 30mA No perigosa se interrompida em

    menos de 5 segundos 30 a 500mA Paralisia estendida dos msculos do

    trax, com sensao de falta de ar e tontura. Possibilidade de fibrilao ventricular se a descarga se mantiver por mais de 200 ms

    Acima de 500mA Parada cardaca, salvo interveno imediata de pessoal especializado.

  • Jos Osvaldo S. Paulino 13

    Resistncia do corpo humano

    Medida entre duas mos.

    Mos secas: R = 5000 Mos midas: R = 2500 Mos molhadas: R = 1000 Mos imersas na gua: R = 500

  • Proteo contra choques eltricos

    Contatos diretos contato com partes metlicas normalmente sob tenso (partes vivas)

    Contatos indiretos contato de pessoas ou animais com partes metlicas normalmente no energizadas (massas), mas que podem ficar energizadas devido a uma falha de isolamento.

  • Medidas de proteo

    QualquerCircuito protegido por dispositivo DR de alta sensibilidade

    AtivaCom-plem.

    Advertida qualificada

    Distanciamento das partes vivas acessveis

    Passiva

    Advertida qualificada

    Obstculos removveis sem ferramenta

    PassivaParcial

    ComumInvlucros ou barreiras removveis apenas com ferrramenta

    Passiva

    ComumIsolao das partes vivas sem possibilidade de remoo

    PassivaTotal

    Tipo de pessoa

    SistemaTipo de medida

    Proteo

  • Proteo contra contatos indiretos

    1. Proteo por dupla isolao2. Proteo por locais no condutores3. Proteo por ligao equipotencial4. Proteo por separao eltrica

  • Jos Osvaldo S. Paulino 14

    CHOQUE ELTRICOCorrente perigosa: I = 20 mA

    V = R x I

    Mos secas: V = 100 VMos midas: V = 50 VMos molhadas: V = 20 VMos imersas na gua: V = 10 V

  • Jos Osvaldo S. Paulino 15

    Aterramento dos equipamentos eltricos.

    Fio terra Tomada de trs pinos

  • Jos Osvaldo S. Paulino 16

    Aterramento dos equipamentoseltricos: curto-circuito para a carcaa.

    TerraFaseNeutro

    Curto circuito

  • Jos Osvaldo S. Paulino 17

    Equipamento sem fio terra.

    127 V

    Fase

    NeutroAterramento

    do Neutro

    Resistncia da lmpada

    Resistncia da pessoa

    Carcaa doequipamento

  • Jos Osvaldo S. Paulino 18

    Equipamento sem fio terra.

    127 V

    Fase

    Neutro

    Resistncia da lmpada

    Resistncia da pessoa I

  • Jos Osvaldo S. Paulino 19

    Equipamento com fio terra.

    127 V

    Fase

    NeutroAterramento

    do Neutro

    Resistncia da lmpada

    Resistncia da pessoa

    Carcaa doequipamento

    Fio terra

  • Jos Osvaldo S. Paulino 20

    Equipamento com fio terra.

    127 V

    Fase

    Neutro

    Resistncia da lmpada

    Resistncia da pessoa

    I

    Fio terra

    I

  • Jos Osvaldo S. Paulino 21

    Aterramento dos equipamentoseltricos: curto-circuito para a carcaa.

    Com o fio terra:

    A corrente do circuito aumenta muitoe a proteo (disjuntor/fusvel) ir desligar

    o circuito;

    A corrente que circula pelo corpo da pessoa muito pequena porque ela ficou em

    paralelo com o fio terra.

  • Jos Osvaldo S. Paulino 22

    Aterramento dos equipamentoseltricos: curto-circuito para a carcaa.

    Sem o fio terra:

    A corrente do circuito no aumentae a proteo (disjuntor/fusvel) no ir desligar

    o circuito;

    A corrente que circula pelo corpo da pessoapode ser elevada.

  • Jos Osvaldo S. Paulino 23

    Aterramento dos equipamentos eltricos

    A grande dvida :

    Em instalaes que no tem tomada de trspinos, onde ligar o fio terra?

  • Sistema de terra Eletrodo de aterramento condutor ou conjunto de

    condutores em contato eltrico com o solo Condutor de proteo (PE) massas, 3o. Pino das tomadas Condutor PEN proteo e neutro da rede de BT externa Terminal ou barra de aterramento principal (TAP) Resistncia de aterramento total do TAP terra Condutor de aterramento liga TAP ao eletrodo de terra Ligao equipotencial principal, suplementar, e isolada Condutor de equipotencialidade da ligao equipotencial Condutor de proteo principal liga PE ao TAP

  • Tenso de contato e de passo

    Tenso de contato - Tenso que uma pessoa possa ser submetida ao tocar simultaneamente, em um objeto sob tenso e em outro elemento que se encontra num potencial diferente

    Tenso de passo Parte da tenso de um eletrodo de aterramento qual poder ser submetida uma pessoa nas proximidades do eletrodo, cujos ps estejam separados pela distncia equivalente a um passo

    50 V (secc. rpido) 25 V (secc. lento)

    Tenso limite (UL):

  • Jos Osvaldo S. Paulino 24

    Aterramento dos equipamentoseltricos.

    ?

    FaseNeutro

    Terrafio verde

    Resistncia

    Conector

  • Jos Osvaldo S. Paulino 25

    Aterramento dos equipamentoseltricos.

    Terra

    NeutroFase

    NeutroFase

    TerraNeutroFase

    Terra

  • Esquemas TN Ideais para instalaes com

    subestao ou gerador prprio

    No esquema TN-C: h economia de um condutor utiliza o condutor PEN Somente pode ser usado

    quando S10mm2 em cobre e S16mm2 em alumnio que no utilizem cabos flexveis

    No se admite o uso de dispositivos DR

    Fase 220V

    220V

    220V

    Zero V

    Zero V

    Rompi-mento do

    PEN

  • Jos Osvaldo S. Paulino 26

    Malhas de aterramento simples

    Hastes na vertical.

    Cabos na horizontal.