Ling Midias Digitais Aula 1

of 141/141
linguagens das mídias digitais
  • date post

    07-Jul-2015
  • Category

    Technology

  • view

    730
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Primeira aula do módulo Lionguagem das Mídias Digitais, do curso de pós-graduação em Linguagens da Arte, do Centro Unuversitário Maria Antonia da USP

Transcript of Ling Midias Digitais Aula 1

  • 1. linguagens das mdias digitais

2. hiper modernidadedesignmdias digitais: contexto resumido virtualidade remediao 3. hiper modernidadedesignmdias digitais: contexto resumido virtualidade remediao 4. hipermodernidade/gilles lipovetskycontexto do ps-moderno em baixa: racionalidade, grandes ideologias em alta: individualizao e pluralizao comunicao de massa, desregulao, hedonismo,perda de f no revolucionrio, livre das utopias 5. hipermodernidade/gilles lipovetskycontexto do ps-moderno em baixa: racionalidade, grandes ideologias em alta: individualizao e pluralizao comunicao de massa, desregulao, hedonismo,perda de f no revolucionrio, livre das utopiasmas o que nos tornamos? 6. nos tornamos hiper 7. nos tornamos hiper hipercapitalismo hiperclasse hiperpotncia hipermercado hipertexto 8. modernidade 9. modernidade enquadrada/entravada 10. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos 11. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja 12. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado 13. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios 14. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociais 15. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado 16. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnica 17. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduo 18. modernidadeenquadrada/entravada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 19. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexos ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 20. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 21. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 22. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionrios ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 23. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionriosvalores ideologias sociaismercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 24. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionriosvalores ideologias sociaishedonismomercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 25. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionriosvalores ideologias sociaishedonismomercadomercado ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 26. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionriosvalores ideologias sociaishedonismomercadomercado ecincia tcnica ecincia tcnicaindivduohipermodernidade 27. modernidadeenquadrada/entravada desregulada desigualdade dos sexosigualdade ascendncia da igreja espiritualidade ascendncia do estado ong / os partidos revolucionriosvalores ideologias sociaishedonismomercadomercado ecincia tcnica ecincia tcnicaindivduoindivduohipermodernidade 28. ... a era hipermoderna produz num s movimento a ordem e a desordem, a independncia e adependncia subjetiva, a moderao e a imoderao. 29. pluralidade multiplicidadediversidade 30. a modernidade da qual estamos saindo era negadora; a supermodernidade integradora. No mais a destruio do passado, e sim sua reintegrao, suareformulao no quadro das lgicas modernas do mercado, do consumo eda individualidade. 31. a modernidade da qual estamos saindo era negadora; a supermodernidade integradora. No mais a destruio do passado, e sim sua reintegrao, suareformulao no quadro das lgicas modernas do mercado, do consumo eda individualidade.cotidiano 32. sem utopias e ideologias o futuro no oferece esperana como antes ento o presenteadquire importncia diferenciada 33. sem utopias e ideologias o futuro no oferece esperana como antes ento o presenteadquire importncia diferenciada 34. presentepresentesem utopias e ideologias opresentepresentefuturo no oferece esperanapresentecomo antes ento o presentepresente adquire importncia diferenciadapresentepresente 35. presente presentesem utopias e ideologias o presente presente }futuro no oferece esperana a hipermodernidadepresentemultiplicou ascomo temporalidades o presenteantes ento divergentes presente adquire importncia diferenciada presente presente 36. sem utopias e ideologias o futuro no oferece esperana como antes ento o presente culto aoadquire importncia diferenciada 37. culto ao aqui/agora 38. conseqncias: sem esperana no futuro, opassado ressurge como ameaa, cresce nossa inseguranaculto ao aqui/agorao alvio substituido pelo fardo, o hedonismo recuaante os temores, as sujeies do presente se mostram mais fortes que a abertura de possibilidadesacarretada pela individualizao da sociedade. 39. presente perptuo 40. presente perptuo 41. presente novas relaes com perptuopassado e futuro 42. presente novas relaes com perptuopassado e futuroretr sustentabilidade 43. capitalismo 1 de produo 44. capitalismo economia de consumo 1 de produo comunicao de massa 45. capitalismo economia de consumo 1 de produo comunicao de massa sociedade 2 rigorstica disciplinar 46. capitalismo economia de consumo 1 de produo comunicao de massa sociedade sociedade moda 2 rigorstica efmero, seduo, renovao disciplinar 47. coisas 48. coisas idias >> 49. quem manda: administrador projetistasupervisordono da fbrica coisas idias>> 50. quem manda: administrador projetistasupervisordono da fbrica coisas idias >>como:ordemregulaocontroleracionalidade 51. quem manda: administrador projetista quem manda:supervisorcontratos do cotidianodono da fbrica autoregulamentao coisas idias >>como:ordemregulaocontroleracionalidade 52. quem manda: administrador projetista quem manda:supervisorcontratos do cotidianodono da fbrica autoregulamentao coisas idias >>como:como:ordem conceitosregulao valorescontroleracionalidade Bauman/Modernidade Lquida 53. quem manda: administrador projetistaquem manda:supervisor contratos do cotidianodono da fbricaautoregulamentao modernidade lquidaZygmuntBauman como: como:ordemconceitosregulaovalorescontroleracionalidade 54. hiper modernidadedesignmdias digitais: contexto resumido virtualidade remediao 55. hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontextoresumidovirtualidaderemediao 56. hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontextoresumidovirtualidaderemediao 57. Pierre Lvyvirtualidade 58. virtual = 59. virtual = no real 60. virtual = no real 61. virtual } virtus potencial tende a atualizar 62. atual Acepes adjetivo de dois gneros 1 que vigora, se obtm, ou se realiza na poca presente Ex.: 2 que se quadra com a mentalidade, tendncias etc. do presente; no ultrapassado Ex.: um romance do sXIX com enredo bastante a. 3 que presente, que existe; efetivo, real Ex.: 4 Rubrica: losoa. no aristotelismo, que se encontra em ato; que adquiriu a sua forma nal, plena, acabada; que manifestou todas as suas potencialidades Obs.: p.opos. a potencial 5 Rubrica: lingstica. relativo a qualquer ato de fala (ou parole, na oposio saussuriana langue/parole) Obs.: cf. virtualDicionrio Houaiss 63. virtual 64. virtual 65. virtual atual 66. virtualatual} real 67. virtualatual} real}irreal 68. atualizao virtualizao 69. atualizaoproblema soluo virtualizao 70. atualizaoproblemasoluo virtualizao soluonovo problema 71. empresa atual centro de gravidade espao-temporal 72. empresa virtualcentro de gravidade processo de coordenao 73. a empresa era um prdioagora um processo 74. coisasa empresa era um prdioagora um processo 75. coisasa empresa era um prdioagora um processo idias 76. culto ao hipermodernidade . aqui/agora+ virtualidade . no-presena 77. uma espcia de desengate os separa do espao fsico ou geogrfico ordinrios e datemporalidade do relgio e do calendrio. verdade que no so totalmente independentesdo espao-tempo de referncia, uma vez que devem sempre se inserir em suportes fsicos e seatualizar aqui ou alhures, agora ou mais tarde. 78. unidade de tempo sem unidade de lugar continuidade de ao sem continuidade da durao 79. redes transmisses ao vivotelepresena unidade de tempo sem unidade de lugar continuidade de ao sem continuidade da durao 80. redes transmisses ao vivotelepresena unidade de tempo sem unidade de lugar continuidade de ao sem continuidade da duraoemailsecretria eletrnicatwitter 81. interface hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontextoresumidovirtualidaderemediao 82. interface hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontextoresumidovirtualidaderemediao 83. anos 50/60computaomediao/interface quase direta computao off-lineanos 70/80 processamento de dados anos 90~sistemas de informao 84. anos 50/60computaomediao/interface quase direta computao off-lineanos 70/80 processamento de dados anos 90~sistemas de informao 85. anos 50/60computaomediao/interface quase direta computao off-lineanos 70/80 processamento de dados mediao/interface textualon-line anos 90~sistemas de informao 86. anos 50/60computaomediao/interface quase direta computao off-lineanos 70/80 processamento de dados mediao/interface textualon-line anos 90~sistemas de informao interface simblica ubiquidade 87. anos 50/60computaomediao/interface quase direta computao off-lineanos 70/80 processamento de dados mediao/interface textualon-line anos 90~sistemas de informao interface simblica ubiquidade 88. traduztorna sensvel relao semntica interface >>> mediao a ruptura tecnolgica decisiva reside antes na idia do computador como um sistema simblico, uma mquina que lida com representaes e sinais e no com a causa-e- efeito mecnica do descaroador de algodo ou do automvel. Steven Johnson / A Cultura da Interface 89. interface hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontextoresumidovirtualidaderemediao 90. tecnologias geram campos tecnoculturaisdesign: tecnologia visvel 91. design: esttica & marketing 92. design: peruca 93. design: desenho 94. design: desgnio, designar 95. design: desgnio, designardar signicado codicar 96. design} traduz benefcios funcionaisem modalidades cognitivase sensoriais (Kerckhove) 97. design} agrega signicados aprojetos da tecnologia 98. } . ..m mharmnico da tecnologia designmpele da culturammmh 99. design} harmnico da cultura 100. design} designer um expert emcincias confusasAlfredo Farn 101. design} natureza do projeto dedesign multidisciplinar einterdisciplinar 102. design} hoje percebe-se uma forade gesto no pensamentode design 103. negcio apple: computadores software telefonia celular 104. negcio apple: mediar a relao entre as pessoas e a tecnologia 105. design driven 106. Vilm Flusser objeto objetual separar o objeto da matria pensamento proftico foco na relao e no no objeto idias coisas 107. idias de design podem mudar comportamentos? 108. Volkswagen; www.funtheory.com 109. Volkswagen; www.funtheory.com 110. interface hiper modernidade design mdias digitais: modernidade lquidacontexto Flusserresumidovirtualidaderemediao 111. remediaoJay David Bolter & Richard Grusin 112. nossa cultura quer tantoremediaomultiplicar suas mdias quanto funciona sob apagar todos os traos da uma lgica mediao: ideologicamente, querdupla apagar suas mdias no prprioato de sua multiplicao 113. [imediaomediao transparentenega mediaoremediao funciona sob uma lgicadupla multiplica os pontos de contato damediao, explicitando essa mediao hipermediao 114. realidade virtual, grcos 3d, interfaces grcas: todas tentam fazer a tecnologia imediao digital parecer transparente. nessa lgica o usurio no confronta a mdia e sim o contedo dessa mdia 115. exemplo vr exemplo gui exemplo grco imersivo 116. imediao s digital? 117. desenho de perspectivaeles acreditavam na perspectiva linear para alcanar transparncia porque matematizandoo espao, eles estariam usando a tcnicacorreta para mensurar o mundo 118. durer - unterweysung der messung 119. van eicke 120. trompe loeil 121. a ironia que ele trabalha duro para fazer a superfcie desaperecer dessa maneira, e naverdade o sucesso do artista em faz-la, incluindo a si mesmo, se torna para olharestreinados uma marca de sua habilidade e inclusive sua presenaBolter & Grusin 122. fotograa antiga / daguerreotipia 123. sobrepuja subjetividade da pinturarota prpria para imediao tira o artista da mediao 124. 3d hiperreal 125. a multiplicidade de pontos demediao fazem-nos prestarateno na superfcie, no hipersuporte, na interface. o mediaobombardeio de estmulossensoriais tenta emular nossoaparato percpectivo 126. privilegia fragmentao, indeterminao, heterogenia e [...] enfatiza o processo ou performance ao invs do objeto de arte William Mitchell 127. pollock 128. parc wysiwyg 129. caracterstica das novasmdias digitais de hibridizar ou re emprestar certas linguagens mediao de outras mdias no ato deestabelecer sua prprialinguagem miditica 130. [...] tecnologias de mdia constituem redes ou hbridos que podem ser expressados emtermos fsicos, sociais, estticos e econmicos. Introduzir uma nova tecnologia de mdia no significa simplesmente inventar equipamentos e contedo novos, mas mais propriamente remodelar essa rede.Bolter & Grusin 131. A World Wide Web no meramente um protocolo de programao e texto e arquivos de dados. Ela a soma dos usos para osquais esses protocolos esto sendo agoracolocados: marketing e propaganda, estudo, expresso pessoal, e por a vai.Bolter & Grusin 132. novas mdias digitais no so agentes externos que chegam para romper comuma cultura insuspeita. elas emergem de dentro dos contextos culturais, e remodelam outras mdias, que esto encaixadas emcontextos iguais ou similares.Bolter & Grusin 133. VR remedia lme e tv,incorporando suas linguagens,que viram referncias deaferio da qualidade de sua vr imediao