Manual de saude da pessoa idosa

Click here to load reader

  • date post

    30-Oct-2014
  • Category

    Documents

  • view

    451
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Manual da ufcd 3538

Transcript of Manual de saude da pessoa idosa

UFCD 3538 Saude da Pessoa idosa cuidados humanos bsicos

Formador: Benedita Osswald

Open Space Formao e Solues Empresarias Rua Salvato Feij Torre Active Center, Fraces D/E 400-415 Viana do Castelo Tel.: 258 835 500 Fax: 258 838 159

UFCD 3538 Saude da Pessoa Idosa cuidados humanos bsicos

ndice

1. INTRODUO ................................................................................................................................ 4 1.1. Objectivos ........................................................................................................................... 4 1.2. Pblico-alvo ........................................................................................................................ 5 2. MARKETING: DEFINIO....................................................................Error! Bookmark not defined. 2.1. Evoluo do Marketing ........................................................Error! Bookmark not defined. 2.2. Importncia e objectivos do Marketing ...............................Error! Bookmark not defined. 3. ESTUDOS DE MERCADO.....................................................................Error! Bookmark not defined. 3.1. Plano para um Estudo de Mercado ......................................Error! Bookmark not defined. 3.2. Segmentao de Mercado ...................................................Error! Bookmark not defined. 3.3. Vantagens da Segmentao .................................................Error! Bookmark not defined. 4. MARKETING MIX .............................................................................Error! Bookmark not defined. 4.1. Estratgia do Produto (Product) ..........................................Error! Bookmark not defined. 4.2. Estratgia de Preo (Price) ...................................................Error! Bookmark not defined. 4.3. Estratgia de Comunicao (Promotion) .............................Error! Bookmark not defined. 4.4. Estratgia de Distribuio (Place) ........................................Error! Bookmark not defined. 5. ALTERNATIVAS AO MARKETING MIX TRADICIONAL ...............................Error! Bookmark not defined. 6. BILIOGRAFIA ..................................................................................Error! Bookmark not defined.

Pgina 2 de 25

UFCD 3538 Saude da Pessoa Idosa cuidados humanos bsicos

Pgina 3 de 25

UFCD 3538 Saude da Pessoa Idosa cuidados humanos bsicos

1. IntroduoAs alteraes demogrficas do ltimo sculo, que se traduziram na modificao e por vezes inverso das pirmides etrias, reflectindo o envelhecimento da populao, vieram colocar aos governos, s famlias e sociedade em geral, desafios para os quais no estavam preparados. Envelhecer com sade, autonomia e independncia, o mais tempo possvel, constitui assim, hoje, um desafio responsabilidade individual e colectiva, com traduo significativa no desenvolvimento econmico dos pases. Coloca-se, pois, a questo de pensar o envelhecimento ao longo da vida, numa atitude mais preventiva e promotora da sade e da autonomia, de que a prtica de actividade fsica moderada e regular, uma alimentao saudvel, o no fumar, o consumo moderado de lcool, a promoo dos factores de segurana e a manuteno da participao social so aspectos indissociveis. Do mesmo modo, importa reduzir as incapacidades, numa atitude de recuperao global precoce e adequada s necessidades individuais e familiares, envolvendo a comunidade, numa responsabilidade partilhada, potenciadora dos recursos existentes e dinamizadora de aces cada vez mais prximas dos cidados.

1.1. Objectivos

Os objectivos deste mdulo so:

Descrever os processos de comunicao e observao Prestar cuidados que proporcionem conforto pessoa idosa

Pgina 4 de 25

UFCD 3538 Saude da Pessoa Idosa cuidados humanos bsicos

1.2. Pblico-alvoAdultos com habilitaes mnimas situadas no 3. Ciclo do Ensino Bsico.

2. Envelhecimento da populaoO prolongamento da vida, associado a uma baixa importante da fecundidade, tem conduzido ao envelhecimento da populao. De facto, os progressos conseguidos pelo desenvolvimento em geral e pelas cincias da sade em particular, contriburam, de modo decisivo, para um aumento da esperana mdia de vida, de 30 anos, no decurso do sculo XX. Este aumento da longevidade, ao qual Portugal no se encontra alheio apesar de se encontrar aqum dos padres de alguns pases europeus, causa impacto profundo na sade pblica. Numa populao idosa residente estimada em 1.709.099 pessoas, que representa 16,5% da populao, com uma distribuio geogrfica caracterizada por um maior envelhecimento do interior face ao litoral, a esperana de vida nascena, em Portugal, de 82,16 anos para as mulheres e de 75,45 anos para os homens. O processo de envelhecimento demogrfico que estamos a viver, associado s mudanas verificadas na estrutura e comportamentos sociais e familiares, determinar, nos prximos anos, novas necessidades em sade, lanando enormes desafios aos sistemas de sade no que se refere no apenas garantia de acessibilidade e qualidade dos cuidados, como sustentabilidade dos prprios sistemas e exigindo que, ao aumento da esperana de vida nascena, corresponda um aumento da esperana de vida com sade e sem deficincia. No que se refere percepo do estado de sade da populao idosa portuguesa, 49% das pessoas que integram o grupo etrio entre os 65 e os 74 anos e 54% dos que tm 75 ou mais anos, consideram a sua sade como m ou muito m. Num estudo mais recente das pessoas entrevistadas com 65 e mais anos, 12% declararam precisar de ajuda para o exerccio de actividades de vida diria e 8% declararam ter sofrido, no ltimo ano, pelo menos um acidente domstico ou de lazer. De notar, ainda, que 52% das pessoas idosas inquiridas referiram viver na companhia de apenas uma pessoa e 12% referiram viver em situao de isolamento. Uma boa sade essencial para que as pessoas mais idosas possam manter uma qualidade de vida aceitvel e possam continuar a assegurar os seus contributos na sociedade, uma vez que as pessoas idosas activas e saudveis, para alm de se manterem autnomas, constituem um importante recurso para as suas famlias,comunidades e economias.

Pgina 5 de 25

UFCD 3538 Saude da Pessoa Idosa cuidados humanos bsicos

2.1 Promoo da qualidade de vida metas da OMS

A promoo de um envelhecimento saudvel diz respeito a mltiplos sectores, que envolvem nomeadamente a sade, a educao, a segurana social e o trabalho, os aspectos econmicos, a justia, o planeamento e desenvolvimento rural e urbano, a habitao, os transportes, o turismo, as novas tecnologias, a cultura e os valores que cada sociedade defende e que cada cidado tem como seus. , assim, que o envelhecimento humano pode ser definido como o processo de mudana progressivo da estrutura biolgica, psicolgica e social dos indivduos que, iniciando-se mesmo antes do nascimento, se desenvolve ao longo da vida. O envelhecimento no um problema, mas uma parte natural do ciclo de vida, sendo desejvel que constitua uma oportunidade para viver de forma saudvel e autnoma o mais tempo possvel, o que implica uma aco integrada ao nvel da mudana de comportamentos e atitudes da populao em geral e da formao dos profissionais de sade e de outros campos de interveno social, uma adequao dos servios de sade e de apoio social s novas realidades sociais e familiares que acompanham o envelhecimento individual e demogrfico e um ajustamento do ambiente s fragilidades que, mais frequentemente, acompanham a idade avanada. As polticas que permitam desenvolver aces mais prximas dos cidados idosos, capacitadoras da sua autonomia e independncia, acessveis e sensveis s necessidades mais frequentes da populao idosa e das suas famlias, permitem minimizar custos, evitar dependncias, humanizar os cuidados e ajustar-se diversidade que caracteriza o envelhecimento individual e o envelhecimento da populao. Numa perspectiva individual, a prestao de cuidados de sade e de apoio social s pessoas idosas, integrados, centrados em equipas pluridisciplinares e em recursos humanos devidamente formados, com uma componente de recuperao global e de acompanhamento, nomeadamente atravs de cuidados continuados que integrem cuidados de longa durao, so indispensveis a um sistema de sade que se quer adequado para responder s necessidades de uma populao que est a envelhecer. Conseguir viver o mais tempo possvel, de forma independente, no seu meio habitual de vida, tem que ser um objectivo individual de vida e uma responsabilidade colectiva para com as pessoas idosas. Do ponto de vista da colectividade, sendo o envelhecimento um fenmeno que diz respeito a todos os seres humanos, implica necessariamente todos os sectores sociais, exigindo a sua interveno e corresponsabilizao na promoo da autonomia e da independncia das pessoas idosas e o envolvimento das famlias e de outros prestadores de cuidados, directos conviventes e profissionais. Tal facto, representa um enorme desafio e responsabilidade para os servios de sade, nomeadamente para os cuidados de sade primrios, na implementao e melhoria de estratgias de interveno comunitria, que mobilizem respostas que satisfaam as necessidades especficas desta populao. Na verdade, os domnios da sade e da qualidade de vida so complementares, sobrepondo-se parcialmente, sendo importante distinguir o envelhecimento normal do processo de envelhecimento que fortemente influenciado por factores nocivos, como os efeitos adversos dos ambientes, dos estilos de vida desadequados e dos estados de doena. O conceito de envelhecimento activo, preconizado pela Organizao Mundial da Sade e defendido na II Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento, depende de uma variedade de influncias, ou determinantes, que envolvem no apenas os indivduos, como as famlias e as prprias naes. A forte evidncia sobre o que determina a sade, sugere que todos estes factores, bem como os que resultam da sua i