Nbr 14787 espaço confinado

download Nbr 14787   espaço confinado

of 11

  • date post

    18-Dec-2014
  • Category

    Law

  • view

    357
  • download

    5

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Nbr 14787 espaço confinado

  • 1. DEZ 2001 NBR 14787 Espao confinado - Preveno de acidentes, procedimentos e medidas de proteo Origem: Projeto 00:001.36-001:2001 ABNT/CEET - 00:001.036 - Comisso de Estudo Especial Temporria de Espaos Confinados NBR 14787 - Confined space - Accidents prevention, protection procedures and measurements Descriptor: Confined space Vlida a partir de 30.01.2002 Palavras-chave: Espao confinado. Acidente 1 pgina Esta Errata n 1 de FEV 2002 tem por objetivo corrigir a NBR 14787:2001 no seguinte: - Substituir o campo "Origem" pelo seguinte: Origem: Projeto 00:001.36-001:2001 ABNT/CEET-00:001.36 - Comisso de Estudo Especial Temporria de Espaos Confinados NBR 14787 - Confined space - Accidents prevention, protection procedures and measurements Descriptor: Confined space Esta Norma cancela e substitui a NB-1318 (NBR 12246):1990 Vlida a partir de 30.01.2002 _________________ Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28 andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 210-3122 Fax: (21) 220-1762/220-6436 Endereo eletrnico: www.abnt.org.br ABNT - Associao Brasileira de Normas Tcnicas Copyright 2001, ABNTAssociao Brasileira de Normas Tcnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados
  • 2. Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 220-1762/220-6436 Endereo eletrnico: www.abnt.org.br ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas Copyright 2001, ABNTAssociao Brasileira de Normas Tcnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados DEZ 2001 NBR 14787 Espao confinado - Preveno de acidentes, procedimentos e medidas de proteo Origem: Projeto 00:001.36-001:2001 ABNT/CEET - 00:001.036 - Comisso de Estudo Especial Temporria de Espaos Confinados NBR 14787 - Confined space - Accidents prevention, protection procedures and measurements Descriptor: Confined space Vlida a partir de 30.01.2002 Palavras-chave: Espao confinado. Acidente 10 pginas Sumrio Prefcio 1 Objetivo 2 Referncias normativas 3 Definies 4 Requisitos 5 Programa de entrada em espao confinado 6 Equipamentos 7 Reconhecimento e avaliao 8 Procedimentos gerais 9 Procedimento de permisso de entrada 10 Permisso de entrada 11 Treinamento 12 Deveres 13 Servios de emergncia e resgate ANEXOS A Permisso de entrada em espao confinado B Bibliografia Prefcio A ABNT - Associao Brasileira de Normas Tcnicas - o Frum Nacional de Normalizao. As Normas Brasileiras, cujo contedo de responsabilidade dos Comits Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalizao Setorial (ABNT/ONS), so elaboradas por Comisses de Estudo (ABNT/CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratrios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no mbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pblica entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma contm os anexos A e B, de carter informativo. 1 Objetivo Esta Norma estabelece os requisitos mnimos para proteo dos trabalhadores e do local de trabalho contra os riscos de entrada em espaos confinados. 2 Referncias normativas As normas relacionadas a seguir contm disposies que, ao serem citadas neste texto, constituem prescries para esta Norma. As edies indicadas estavam em vigor no momento desta publicao. Como toda norma est sujeita a reviso,
  • 3. NBR 14787:20012 recomenda-se queles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a convenincia de se usarem as edies mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informao das normas em vigor em um dado momento. NR 7 - Norma Regulamentadora do programa de controle mdico de sade ocupacional da Portaria 3214/78 do Minis- trio do Trabalho e Emprego NR 15 - Norma Regulamentadora de atividades e operaes insalubres da Portaria 3214/78 do Ministrio do Trabalho e Emprego 3 Definies 3.1 abertura de linha: Alvio intencional de um tubo, linha ou duto que esteja transportando ou tenha transportado subs- tncias txicas, corrosivas ou inflamveis, um gs inerte ou qualquer fluido em volume, presso ou temperatura capaz de causar leso. 3.2 aprisionamento: Condio de reteno do trabalhador no interior do espao confinado, que impea sua sada do local pelos meios normais de escape ou que possa proporcionar leses ou a morte do trabalhador. 3.3 rea classificada: rea na qual uma atmosfera explosiva de gs est presente ou na qual provvel sua ocorrncia a ponto de exigir precaues especiais para construo, instalao e utilizao de equipamento eltrico. 3.4 atmosfera pobre em oxignio: Atmosfera contendo menos de 19,5% de oxignio em volume. 3.5 atmosfera rica em oxignio: Atmosfera contendo mais de 23% de oxignio em volume. 3.6 atmosfera de risco: Condio em que a atmosfera, em um espao confinado, possa oferecer riscos ao local e expor os trabalhadores ao perigo de morte, incapacitao, restrio da habilidade para auto-resgate, leso ou doena aguda cau- sada por uma ou mais das seguintes causas: a) gs/vapor ou nvoa inflamvel em concentraes superiores a 10% do seu limite inferior de explosividade (LIE) (lower explosive limit - LEL); b) poeira combustvel vivel em uma concentrao que se encontre ou exceda o limite inferior de explosividade (LIE) (lower explosive limit - LEL); NOTAS 1 Misturas de ps combustveis com ar somente podem sofrer ignio dentro de suas faixas explosivas, as quais so definidas pelo limite inferior de explosividade (LIE) e o limite superior de explosividade (LSE). O LIE est geralmente situado entre 20 g/m 3 e 60 g/m 3 (em condies ambientais de presso e temperatura), ao passo que o LSE si- tua-se entre 2 kg/m 3 e 6 kg/m 3 (nas mesmas condies ambientais de presso e temperatura); se as concentraes de p puderem ser mantidas fora dos seus limites de explosividade, as exploses de p sero evitadas. 2 As camadas de poeiras, diferentemente dos gases e vapores, no so diludas por ventilao ou difuso aps o vazamento ter cessado. 3 A ventilao pode aumentar o risco, criando nuvens de poeira, resultando num aumento da extenso. 4 As camadas de poeira depositadas podem criar um risco cumulativo, enquanto gases ou vapores no. 5 Camadas de poeira podem ser objeto de turbulncia inadvertida e se espalhar, pelo movimento de veculos, pessoas, etc. c) concentrao de oxignio atmosfrico abaixo de 19,5% ou acima de 23% em volume; d) concentrao atmosfrica de qualquer substncia cujo limite de tolerncia seja publicado na NR-15 do Ministrio do Trabalho e Emprego ou em recomendao mais restritiva (ACGIH), e que possa resultar na exposio do trabalhador acima desse limite de tolerncia; e) qualquer outra condio atmosfrica imediatamente perigosa vida ou sade - IPVS. NOTA - IPVS - tambm conhecido como IDLH - Immediately dangerous to health and life. 3.7 auto-resgate: Capacidade desenvolvida pelo trabalhador atravs de treinamento, que possibilita seu escape com se- gurana de ambiente confinado em que entrou em IPVS. 3.8 avaliao de local: Processo de anlise onde os riscos aos quais os trabalhadores possam estar expostos num espa- o confinado so identificados e quantificados. A avaliao inclui a especificao dos ensaios que devem ser realizados e os critrios que devem ser utilizados. NOTA - Os ensaios permitem aos responsveis planejar e implementar medidas de controle adequadas para proteo dos trabalhadores autorizados e para garantir que as condies de entrada esto aceitveis e podero ser mantidas durante a execuo do servio. 3.9 condio de entrada: Condies ambientais que devem permitir a entrada em um espao confinado onde haja crit- rios tcnicos de proteo para riscos atmosfricos, fsicos, qumicos, biolgicos e/ou mecnicos que garantam a segurana dos trabalhadores. 3.10 condio imediatamente perigosa vida ou sade (IPVS): Qualquer condio que cause uma ameaa imediata vida ou que possa causar efeitos adversos irreversveis sade ou que interfira com a habilidade dos indivduos para es- capar de um espao confinado sem ajuda. NOTA - Algumas substncias podem produzir efeitos transientes imediatos que, apesar de severos, possam passar sem ateno mdica, mas so seguidos de repentina possibilidade de colapso fatal aps 12 h a 72 h de exposio. A vtima pode no apresentar sintomas de mal-estar durante a recuperao dos efeitos transientes, porm est sujeita a sofrer um colapso. Tais substncias em concentraes peri- gosas so consideradas como sendo imediatamente perigosas vida ou sade.
  • 4. NBR 14787:2001 3 3.11 condio proibitiva de entrada: Qualquer condio de risco que no permita a entrada em um espao confinado. 3.12 emergncia: Qualquer interferncia (incluindo qualquer falha nos equipamentos de controle e monitorao de riscos) ou evento interno ou externo, no espao confinado, que possa causar perigo aos trabalhadores. 3.13 engolfamento/envolvimento: Condio em que uma substncia slida ou lquida, finamente dividida e flutuante na atmosfera, possa envolver uma pessoa e, no processo de inalao, possa causar inconscincia ou morte por asfixia. 3.14 entrada: Ao pela qual as pessoas ingressam atravs de uma abertura para o interior de um espao confinado. Es- sa ao passa a ser considerada como tendo ocorrido logo que alguma parte do corpo do trabalhador ultrapasse o plano de uma abertura do espao confinado. 3.15 equipamentos de resgate: Materiais necessrios para a equipe de resgate utilizar nas operaes de salvamento em espaos confinados. 3.16 equipamento intrinsecamente seguro (Ex-i): Situao em que um equipamento no capaz de liberar ene