Pé de Vento - Lyrics

download

of 10

  • date post

    08-Nov-2015
  • Category

    Documents
  • view

    5
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Lyrics for "P de Vento" (2014), 2nd album of Portuguese band "A Presena das Formigas"

transcript

  • AI QUE RICAS ORELHINHAS Msica & Letra: Manuel Maio !Na verdade

    Odeias e destris

    To certo de uma v verdade

    que constris !Na verdade

    Amas a quem matou

    To firme numa crena

    Que algum inventou !A verdade bonita

    Quando nua ento que linda

    Sinuosos os contornos

    Irresistivelmente doces

    E pecaminosos !Na verdade

    No tens por que saber

    No tens por que pensar

    No tens por que querer !Na verdade

    No tens por que sentir

    No tens por que amar

    No tens por que sorrir !

    Mas que ricas orelhinhas que tu tens

    To lindas como a verdade que detns

    Redondinhas

    To perfeitas que mais parecem conchinhas

    Delicadas e to bem torneadinhas

    D vontade de trinc-las, to fofinhas !Ai que ricas orelhinhas que tu tens

    To lindas como a verdade que detns

    So de BURRO!

    Asininas e muito pouco garbosas

    No te tiro que ao menos so vistosas

    Bem compridas, felpudinhas e mimosas

    Ai que ricas orelhinhas! !A verdade tem mil caras e mil crenas

    voltil, mutante,

    E evapora-se no ar !E condensa-se em gotculas escuras

    No espelho dos interesses

    De quem manda ou quer mandar

    !

  • BOLINHAS DE SABO Msica & Letra: Manuel Maio !Minha fonte de chafurdo

    Onde eu queria mergulhar

    Minhas nsias e desejos

    Minha sede, meu penar

    Por te no ter a meu lado

    Ao teu lado ficarei

    Eu contigo e tu comigo

    Tu no sabes, mas eu sei! !Mui asinha gostaria eu

    De te dar consolao

    Dos fantasmas e demnios

    Que te levam pela mo

    Mas a vida so dois dias

    So dois dias a correr

    Antes queria eu, em podendo,

    Dar-te um pouco de prazer! !Ai eu no sei no

    Que fazer dos teus intentos

    Que fazer das palavras que desfias

    So verdades, so mentiras?

    So bolinhas de sabo?

    Eu confesso que me agrada ver-te assim

    Tanta rima pra chegar junto de mim

    Toma l, hoje levas um beijinho

    amanh mais um carinho/pouquinho

    S depois te digo no !

    (Ele vai querer-te pra sempre

    Vai ter-te juntinho ao seu corao

    Vai amar uma ideia

    Do que jamais ser seu) !s to bela como a lua

    Mais cheirosa que uma flor

    s a minha perdio

    s um rio de calor

    E se diz que s insossa

    Quem j fez por te provar

    Boto-te um pouco de sal

    Pra te dar um paladar! !Pra que fique bem assente

    Digo e torno a redizer

    Que de todos que te querem

    Mais do que eu no pode haver

    So o teu porto seguro

    As portas do meu corao

    Que se agita e bate forte

    Toca como um carrilho!

    !

  • D-ME O AMANH Msica & Letra: Manuel Maio !D-me o amanh

    D-mo, que depois de amanh j c no estou

    Vou na senda dos demais que se perdem !Quero o teu calor

    Quero o teu ser, o teu eu, o teu haver

    Quero provar-te e beber a tua dor !Quero-te nos braos

    Toma-me no braos, quero as lgrimas que choras

    No por mim, mas j que as choras

    Quero a pele que elas molham

    E os meus lbios as sorvam

    Quero o corpo onde moras !Quero-te as entranhas

    Quero-te por dentro e por fora e j agora

    Quero roubar-te os sentidos

    Quero-te a ti por inteiro

    Quero que unamos destinos

    Quero-te a ti por inteiro !

  • LARGAR, PARTIR Msica & Letra: Manuel Maio !Largar, partir

    Desta terra pardacenta

    Desta gente sempre igual

    Macambzia, pachorrenta

    Indiferente e desatenta

    Deste imenso lamaal

    De chorincas

    eternos sorumbticos

    De sopinhas sem sal

    Dengosos e apticos

    Seus choros melismticos

    Lamrias em caudal

    A verter, a verter

    Pois chorar beber! !Largar, partir

    Rumo a terras misteriosas

    Com segredos sem ter fim

    Criaturas majestosas

    Outras tantas tenebrosas

    Como nunca vi assim

    E tesouros

    Druidas, feiticeiros

    E ps de perlimpimpim

    Princesas e arqueiros

    Sereias, viageiros

    Tudo novo para mim

    A encher, a encher

    Pois partir crescer! !Largar, partir, voar

    Sem ter certo onde ir

    Sem ter porque voltar

    A no ser para voltar a partir !

  • O PULO DO LOBO Msica & Letra: Manuel Maio !Dias a fio andou

    Por andar chegou

    Em chegando viu

    E ento sorriu

    A sorrir pensou

    Por pensar agiu

    Ao agir falou !Diz-me andorinha,

    Deste voo teu,

    Se dana ou feitio,

    Se me emprestas a vertigem

    Dessa queda livre

    Do teu voo raso

    Desse baile alado

    Sim? !E saltou

    Ao saltar tremeu

    A tremer subiu

    Por subir desceu

    E ento caiu

    A cair bateu

    Ao bater sentiu

    Ao sentir pensou !Diz-me andorinha,

    Sentes como eu?

    O poder da terra

    Na torrente, rodopio

    Estilhao o corpo

    Num grito calado

    Sob um manto de gua

    No? !

    E voou !Eu vou danar tua porta

    Vou acordar o teu sorriso

    Quando soprar o vento frio

    Eu vou deixar-te sem aviso

    Vou partir !Eu hei-de ir por entre as nuvens

    Bebendo a chuva, cortando o ar

    Pra descer num voo louco

    Rasando as fragas

    Cheirando a terra

    Beijando o mar !E voou

    Por andar chegou

    Ao saltar tremeu

    Em chegando viu

    E ento caiu

    Ao sorrir pensou

    Ao bater sentiu

    Ao agir falou !Diz-me andorinha,

    Deste vo teu,

    Se dana ou feitio,

    Se me emprestas a vertigem

    Dessa queda livre

    Do teu vo raso

    Desse baile alado

    Sim? !E caiu

  • ASSIM COMO QUEM NO QUER Msica & Letra: Manuel Maio !Como s to prendada!

    D-me um dedinho

    Um s para eu provar

    De que feito o carinho

    Assim como quem no quer !Como s to docinha!

    Deixa-me trincar

    Essa tenra bochechinha

    Que me pe a salivar

    Assim como quem no quer !Eu no sei, no sei no

    De que padece o corao

    Saciada a gula sobra o embarao

    Assim como quem no quer !

  • ORLA DOS MALDITOS Msica & Letra: Andr Cardoso !H um espao entre tu e eu

    Sem esforo sinto-o aqui

    Em todo o lado

    Est de vazio ocupado !Espao de nada, de ricos segredos

    De histrias, de homens, de medos

    Inexplorados

    de curandeiros de magos !Diria mesmo que baldio,

    nasceu da luxria,

    do fogo, do prazer, do cio,

    e nada tem de aconchegado !De todos os monstros que vivem,

    os mais estranhos habitam ao lado !E h povos malditos,

    Avs (a vs): filhos proscritos,

    no mar

    onde estou !

    Morrem de esperana, de sede, de fome,

    de enganos, sonhos perdidos

    Vida encantada

    Quem mais tem quem d nada !Caminho longo com olhares

    num horizonte de desejos

    Promessas de azares

    Imaginrio e real (irreal) !Fronteiras e muralhas guardam,

    imprios longe da marginal !E h corpos errantes,

    desertores naufragantes,

    no mar,

    onde vou !Deixa-me ser o teu abrigo,

    que te abraa com doura,

    com calma, sem perigo

    Como sol quente no fim do Vero

    !!

  • QUE SEREI? Msica & Letra: Manuel Maio, traduo para castelhano de Luis Pastor !Por fuera solo yo

    Por dentro, que dir?

    De lejos soy as

    De cerca, que ser? !Una fuerza vibrante

    Inmensa, un gigante

    Que ser?

    Un lirio bajo la lluvia

    Un lince que conjura la soledad

    Sin amargura

    Sin razn !Por fora sou s eu

    Por dentro, que direi?

    Ao longe sou assim

    Ao perto, que serei? !Uma fora vibrante

    Imensa, um gigante

    Que serei?

    Um lrio aberto chuva

    Um lince que conjura a solido

    Sem amargura

    Sem razo !!

  • SENHORA DO ALMORTO Trad. Arr. Manuel Maio !Senhora do Almorto minha linda raiana Virai costas a Castela No queirais ser castelhana !Senhora do Almorto A vossa capela cheira Cheira a cravos, cheira a rosas Cheira a flor de laranjeira !

  • VAI TO SOZINHO Msica & Letra: Manuel Maio !Vai, menino vai

    Cuida do teu fulgor

    Cuida de ti, amor !Vai, segue o rumo das estrelas

    Que, caindo, se centelham

    Em falhas de mil cores !Vai, menino vai

    Brilho que o mundo tem

    Cuida de ti, meu bem !s como sol a dar na eira,

    Branca flor, s cerejeira

    que eu rego ao cantar !(Ao meu benzinho faz chegar

    Formoso melro este cantar) !Vai to sozinho

    Vai devagarinho sem saber !