PROVAS OBJETIVAS DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA PROVAS ... · a) este caderno, com o enunciado das 10...

of 15/15
LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o enunciado das 10 questões objetivas de GEOGRAFIA, das 10 questões objetivas de HISTÓRIA e das 3 questões discursivas de FÍSICA, 4 questões discursivas de MATEMÁTICA e 3 questões discursivas de QUÍMICA, sem repetição ou falha; b) 1 Caderno de Respostas, contendo espaço para desenvolvimento das respostas às questões discursivas de FÍSICA, MATEMÁTICA E QUÍMICA, além de um CARTÃO-RESPOSTA, com seu nome e número de inscrição, destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas de GEOGRAFIA e HISTÓRIA. 02 - Verifique se este material está em ordem, se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem nos CARTÕES. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE ao fiscal. 03 - Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio de cada CARTÃO, preferivelmente a caneta esferográfica de tinta na cor preta. 04 - No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita preenchendo todo o espaço do círculo, a lápis preto n o 2 ou caneta esferográfica de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA utilizada na leitura do CARTÃO-RESPOSTA é sensível a marcas escuras, portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: A C D E 05 - Tenha muito cuidado com os CARTÕES, para não os DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. Os mesmos SOMENTE poderão ser substituídos caso estejam danificados em suas margens superiores e/ou inferiores BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA. 06 - Para cada uma das questões objetivas são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA. 07 - As questões são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado. 08 - SERÁ ELIMINADO do Concurso Vestibular o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o Caderno de Respostas (com o CARTÃO-RESPOSTA) e/ou a folha da Redação; c) não assinar a Lista de Presença e/ou os CARTÕES. 09 - Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos nos Cadernos de Questões, de Respostas e na folha da Redação NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA. 10 - Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTÕES, O CADERNO DE RESPOSTAS (com o CARTÃO-RESPOSTA) E ASSINE A LISTA DE PRESENÇA. 11 - O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS E DISCURSIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS. BOAS PROVAS! PUC - RIO VESTIBULAR 2007 PROVAS OBJETIVAS DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA PROVAS DISCURSIVAS DE FÍSICA, MATEMÁTICA E QUÍMICA Dezembro / 2006 GRUPO 1 2 o DIA
  • date post

    02-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of PROVAS OBJETIVAS DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA PROVAS ... · a) este caderno, com o enunciado das 10...

  • LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUES ABAIXO.

    01 - Voc recebeu do fiscal o seguinte material:a) este caderno, com o enunciado das 10 questes objetivas de GEOGRAFIA, das 10 questes objetivas

    de HISTRIA e das 3 questes discursivas de FSICA, 4 questes discursivas de MATEMTICA e3 questes discursivas de QUMICA, sem repetio ou falha;

    b) 1 Caderno de Respostas, contendo espao para desenvolvimento das respostas s questes discursivasde FSICA, MATEMTICA E QUMICA, alm de um CARTO-RESPOSTA, com seu nome e nmero deinscrio, destinado s respostas das questes objetivas formuladas nas provas de GEOGRAFIA eHISTRIA.

    02 - Verifique se este material est em ordem, se o seu nome e nmero de inscrio conferem com os que aparecemnos CARTES. Caso contrrio, notifique IMEDIATAMENTE ao fiscal.

    03 - Aps a conferncia, o candidato dever assinar no espao prprio de cada CARTO, preferivelmente a canetaesferogrfica de tinta na cor preta.

    04 - No CARTO-RESPOSTA, a marcao das letras correspondentes s respostas certas deve ser feitapreenchendo todo o espao do crculo, a lpis preto no 2 ou caneta esferogrfica de tinta na cor preta,de forma contnua e densa. A LEITORA TICA utilizada na leitura do CARTO-RESPOSTA sensvel amarcas escuras, portanto, preencha os campos de marcao completamente, sem deixar claros.

    Exemplo: A C D E

    05 - Tenha muito cuidado com os CARTES, para no os DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. Os mesmosSOMENTE podero ser substitudos caso estejam danificados em suas margens superiores e/ouinferiores BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA TICA.

    06 - Para cada uma das questes objetivas so apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras(A), (B), (C), (D) e (E); s uma responde adequadamente ao quesito proposto. Voc s deve assinalarUMA RESPOSTA: a marcao em mais de uma alternativa anula a questo, MESMO QUE UMA DASRESPOSTAS ESTEJA CORRETA.

    07 - As questes so identificadas pelo nmero que se situa acima de seu enunciado.

    08 - SER ELIMINADO do Concurso Vestibular o candidato que:a) se utilizar, durante a realizao das provas, de mquinas e/ou relgios de calcular, bem como de rdios

    gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espcie;b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questes e/ou o Caderno

    de Respostas (com o CARTO-RESPOSTA) e/ou a folha da Redao;c) no assinar a Lista de Presena e/ou os CARTES.

    09 - Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTO-RESPOSTA. Os rascunhos nos Cadernos deQuestes, de Respostas e na folha da Redao NO SERO LEVADOS EM CONTA.

    10 - Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTES, O CADERNO DE RESPOSTAS(com o CARTO-RESPOSTA) E ASSINE A LISTA DE PRESENA.

    11 - O TEMPO DISPONVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTES OBJETIVAS E DISCURSIVAS DE 4 (QUATRO) HORAS.

    BOAS PROVAS!

    P U C - R I O

    V E S T I B U L A R 2 0 0 7

    PROVAS OBJETIVAS DE GEOGRAFIA E HISTRIAPROVAS DISCURSIVAS DE FSICA, MATEMTICA E QUMICA

    Dez

    embr

    o / 2

    006

    GRUPO 1

    2o DIA

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA2

    GEOGRAFIA1Na atualidade, os investimentos em hotelaria crescem emquase todos os pases. No Estado do Rio de Janeiro, pelosdados do Ministrio do Trabalho, de 2002, a distribuioespacial da rede hoteleira dava-se, em alguns municpiosfluminenses, da seguinte forma:

    Fonte: Fundao CIDE. Caderno Dados de Referncia, 2005, p.19.

    Considerando-se a distribuio da rede de hotelaria nosmunicpios do Estado do Rio de Janeiro, NO corretoafirmar que:(A) a natureza principal dos hotis no estado atender ao

    grande fluxo de turistas que esto presentes, durantetodo ano, nas suas principais cidades tursticas decategoria internacional: Rio de Janeiro, Armao deBzios e Angra dos Reis.

    (B) Niteri um municpio estratgico para o turismoestadual, por estar muito prximo da metrpole carioca,localizando-se entre ela e a Regio dos Lagos, o quejustifica a sua concentrao de hotis.

    (C) Petrpolis, Nova Friburgo e Terespolis atraem maisturistas domsticos (principalmente os vindos dametrpole carioca) em busca de temperaturas amenas,e os pequenos e mdios comerciantes do Brasil e domundo, ligados ao setor txtil fluminense.

    (D) Campos dos Goytacazes, por ser uma das cidadesmdias mais importantes do estado, possui um setorhoteleiro muito movimentado devido presena maciade tradicionais pecuaristas de corte e usineiros brasileiros(notadamente vindos do Nordeste do pas), que vmfazer negcio nos modernos estabelecimentosagrcolas do municpio.

    (E) Maca concentra um grande nmero de hotis pelaatrao de empresrios e profissionais liberais ligadosao setor petrolfero da Bacia de Campos, e no pelosseus atrativos tursticos.

    2Segundo a Organizao para Alimentao eAgricultura das Naes Unidas (FAO), a produopesqueira mundial pulou de, aproximadamente,18 milhes de toneladas em 1950 para 67 milhesem 1970 (...); em 2003, a produo mundial depescado ultrapassou 90 milhes de toneladas.

    (SIMES, C. e CHAVES, P. (Orgs). Geografia: o mar no espaogeogrfico brasileiro. Braslia: MEC, 2005, p.136).

    Das opes a seguir, marque a nica que NO est relacio-nada ao crescimento da produo mundial de pescado.(A) O aumento da populao mundial e, portanto, a demanda

    pelo consumo de frutos do mar.(B) A ampliao da tecnologia no setor pesqueiro, como o

    advento das fibras sintticas, como nilon, polister epolipropileno, dentre outros.

    (C) O desenvolvimento e aperfeioamento de equipamentoseletrnicos de suporte navegao e pesca, comoecossonda, sonar e radar, dentre outros.

    (D) O aprimoramento dos mtodos de conservao dopescado a bordo.

    (E) A mudana no padro alimentar da populao mundial,que passou a valorizar mais as carnes saudveis.

    3O Centro-Oeste brasileiro tem registrado, segundovrios estudos, elevada produtividade e rentabilidadenas lavouras agrcolas. Para entender tal dinmica,os estudos sobre a sojicultura so exemplares, j queesse cultivo implementado em alguns estados daregio, como em Mato Grosso, com base na intensautilizao de insumos como fertilizantes e agrotxicos,e de mquinas e implementos modernos.

    (Adaptado de Bernardes, J. e Filho, O. [orgs]. Geografias da Soja:

    BR-163. Fronteiras em mutao. Rio de Janeiro. Arquimedes, 2006).

    Dentre as opes abaixo, assinale aquela que apresentacorretamente os impactos socioeconmicos e ambientaisda expanso da sojicultura no Centro-Oeste.(A) Valorizao das terras, utilizao intensiva de mo-de-

    obra migrante nordestina e desconcentrao fundiria.(B) Aumento da utilizao da mo-de-obra barata do migrante

    nordestino e preservao do meio fsico-bitico.(C) Ampliao de novas dinmicas socioeconmicas em

    todas as cidades regionais, a partir da diversificao dasatividades geradas pela agricultura moderna.

    (D) Alterao no meio fsico-bitico, forte presena deagroindstrias e predominncia de pequenas e mdiaspropriedades.

    (E) Valorizao das terras favorveis mecanizao, altera-es no meio fsico-bitico e (re)concentrao fundiria.

    MUNICPIOSFLUMINENSES

    Rio de JaneiroArmao de BziosAngra dos ReisItatiaiaCabo FrioPetrpolisNova FriburgoParatiNiteriTerespolisCampos dos GoytacazesRio das OstrasMaca

    TOTAL

    TOTAL DEESTABELECIMENTOS

    47513810278746665644545393736

    1800

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA3

    4A idia de fome vem h algum tempo sendo re-significada,

    politicamente, sob a luz do conceito de segurana

    alimentar. No Frum Mundial Social de Mumbai (ndia),

    em 2004, as discusses foram focadas na necessidade de

    emancipao dos povos dependentes das polticas interna-

    cionais que regulam a produo, estocagem, distribuio e

    comercializao alimentar no mundo. Sobre o conceito de

    segurana alimentar, pode-se afirmar que:

    I ele representa uma mudana de concepo que poder

    transformar a qualidade de vida de inmeras sociedades

    historicamente dependentes dos padres de consumo

    alimentar de pases e regies possuidores de ndices

    de desenvolvimento humano (IDH) bastante

    elevados.

    II ele o caminho para a construo de outro conceito,

    ainda mais expressivo, voltado para a erradicao da

    misria no mundo: o da sustentabilidade alimentar.

    Este conceito, que incorpora programas ligados

    preservao do meio ambiente e no utilizao de

    agrotxicos nas monoculturas extensivas, concebe o

    enfrentamento da pobreza a partir de programas locais

    voltados para o mercado de trabalho.

    III se as populaes em estado de pobreza absoluta

    forem os principais atores de sua prpria emancipao

    social isto , se o controle da fome apoiar-se sobre

    suas atividades econmicas e no fundamentalmente

    na ajuda alimentar dos outros ento h chances de

    que espaos diversos onde h insegurana alimentar

    sejam menos afetados por processos de marginalizao

    socioespacial.

    IV a sustentabilidade das atividades agrcolas nos pases

    mais pobres deve ser delegada s suas tecnologias e

    tradies produtivas, para que seja possvel a erradicao

    da fome. O conceito relaciona a autonomia alimentar

    dos pases com a gerao de novos empregos e a

    menor dependncia das importaes e flutuaes dos

    preos no mercado internacional.

    Esto corretas:

    (A) todas as afirmaes.

    (B) somente as afirmaes I, II e III.

    (C) somente as afirmaes I, II e IV.

    (D) somente as afirmaes II e III.

    (E) somente as afirmaes III e IV.

    5

    Em relao figura apresentada, assinale a opoINCORRETA.(A) O Tratado da Antrtida, de 1959, redefiniu as formas de

    apropriao do continente antrtico, o que era desejadopor inmeros pases. A presena internacional no conti-nente, regulamentada nesse tratado, s permitida seos pases se comprometerem a realizar pesquisas comfins pacficos, vetando aos mesmos exerccios militarese testes nucleares.

    (B) No setor apresentado na figura, est localizada a basecientfica brasileira Comandante Ferraz. Esta base tema oportunidade de pesquisar importantes assuntos parao pas, alm de estar alocada, estrategicamente, nasproximidades de alguns pontos de interesse cientficoespecial.

    (C) O setor antrtico argentino expresso na figura , naverdade, um espao de tenses territoriais e diplomticasexpressivas entre a Argentina, o Reino Unido e o Chile,que pleiteiam o controle sobre parcelas comuns desseespao continental.

    (D) A concentrao de cardumes de krill e bacalhau e asimportantes reservas de petrleo no mar territorialantrtico so alguns dos motivos centrais que levamos pases a pleitearem o controle futuro de parcelas docontinente gelado.

    (E) O maior problema do continente antrtico, atualmente, eque coloca em risco as convenes territoriais definidasglobalmente, a insistncia de potncias como aGr-Bretanha, EUA e Rssia em despejarem, mesmoque de maneira segura, lixo radioativo em depsitos degrande profundidade no continente, principalmente nosetor destacado na figura.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA4

    6Evoluo da populao urbana e rural no Brasil 1940-2001 (em %)

    Fontes: IBGE, Anurio estatstico do brasil, 1992 e IBGE, Sntese de Indicadores Sociais, 2002.

    De acordo com o grfico apresentado, pode-se concluir que:(A) desde 1950, a populao urbana superior populao rural no Brasil, fruto da intensa industrializao nas macrorregies

    Norte, Centro-Oeste e Sudeste.(B) desde 1940, o percentual da populao rural no Brasil est em declnio e o da urbana em crescimento.(C) o Brasil se transformou em um pas urbano entre 1940 e 2001. O marco dessa transformao se deu na dcada de 1980.(D) o processo de crescimento populacional das cidades se acentuou a partir da dcada de 1960, chegando, em 2001, a

    estabelecer a seguinte relao: de cada 100 pessoas no Brasil, 56 esto fixadas em cidades e 44 no campo.(E) as macrorregies Norte e Nordeste, se comparadas s demais, so hoje as que possuem o maior percentual de populao

    vivendo no meio urbano.

    7

    A figura apresentada acima representa:(A) a Europa no perodo entreguerras (1919-1939), quando ocorreu o avano do poderio da Rssia sobre o Leste europeu.(B) a organizao territorial do Mercado Comum Europeu (pases brancos), iniciado pelo Tratado de Roma, em 1957.(C) a atual composio da Unio Europia (U.E., pases brancos) que, em 2004, estendeu o seu poder em direo ao

    Leste e Sul europeu, passando a ser composta por 25 pases.(D) a clara separao socioeconmica entre a periferia comunitria (cinzas) e os pases ricos e consolidados na comunidade

    europia (brancos). Essa diferenciao um dos maiores empecilhos para o sucesso da Unio Europia (U.E.).(E) a Comunidade dos Estados Independentes CEI (pases cinzas), que mantm prximos seus pases membros para

    a resoluo de problemas econmicos comuns existentes desde o tempo da Guerra Fria.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA5

    8A taxa de natalidade vem sofrendo queda generalizada nas cinco macrorregies brasileiras, desde a dcada de1970. Entretanto, entre as adolescentes, esse quadro se inverteu: entre 1991 e 2000, o nmero de partos realiza-dos nos hospitais pblicos em meninas, na faixa dos 10 aos 14 anos, aumentou aproximadamente 30%. Na faixaetria de 15 a 19 anos, o acrscimo foi de mais de 25%.

    (Adaptado de Magnoli, D. e Arajo, R. Geografia. A construo do mundo. So Paulo: Ed.Moderna, 2005).

    A gravidez precoce desponta como um dos temas de destaque nos estudos demogrficos do Brasil atual, porque:(A) a proporo elevada de mortes das adolescentes no momento do parto redistribui a base da pirmide etria, aproximando

    os ndices brasileiros aos de diversos pases com baixo ndice de desenvolvimento humano (IDH).(B) esse tipo de gravidez apresenta taxas elevadas nas reas mais carentes, reduzindo a possibilidade de polticas distributivas

    nesses espaos.(C) grande parte das mes adolescentes abandona os estudos regulares, encontrando dificuldades de insero igualitria no

    mercado de trabalho formal.(D) aumenta expressivamente as taxas de mortalidade no pas, reduzindo a expectativa de vida da populao adulta.(E) diminui o ndice de crescimento vegetativo no pas, afetando a formao da Populao Economicamente Ativa (PEA) que

    produtora de riquezas.

    9Homenagens e protestos relacionados aos 20 anos da tragdia de Chernobyl

    foram realizados hoje em diversas cidades da Europa (26/04/2006).

    http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,OI979048-EI294,00.html

    A charge apresentada, alm de lembrar os tristes acontecimentos ocorridos h vinte anos, aps o acidente na usina termonuclearde Chernobyl, na Ucrnia, lembra que seus efeitos ainda esto presentes. Ao que parece, os impactos ambientais nocontinente europeu continuam a causar preocupao em escala mundial.

    Das opes a seguir, marque a nica que NO corresponde a uma preocupao relacionada ao uso e produo desse tipode matriz energtica.

    (A) a alta rentabilidade da produo e comercializao de tal energia pode no compensar os eventuais problemassocioambientais e polticos causados pelo vazamento de lixo txico das usinas.

    (B) os projetos de usinagem termonuclear da atualidade esto ligados, na sua totalidade, a desejos geopolticos preocupantesde pases que tm por objetivo o desenvolvimento de um arsenal nuclear que poder, dentre outros problemas, acionarconflitos regionais de impactos globais.

    (C) os custos na construo de um sistema de proteo das usinas termonucleares so muito superiores aos gastos coma manuteno de usinas hidroeltricas, apesar destas, no continente europeu, dependerem dos aspectos morfoclimticos.

    (D) o perigo de doenas graves causadas pelo contato com produtos agrcolas, gua potvel, ar atmosfrico e outrosmateriais contaminados por radioatividade fazem com que, constantemente, movimentos polticos diversos e a sociedadecivil organizada lutem pela no-proliferao da produo e comercializao desse tipo de energia.

    (E) o acmulo de lixo txico gerado pelas usinas necessita de cuidados especiais de longo prazo e a proteo permanentepara os efeitos nocivos da radioatividade no consenso entre os pesquisadores.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA6

    10

    (Fonte: www.iea.org)

    Sobre a explorao e utilizao dos recursos energticos na atualidade correto afirmar que:(A) nos dias de hoje, os recursos menos utilizados esto distribudos de maneira homognea pelo mundo, tais como o carvo

    e petrleo.(B) as grandes reservas de combustveis fsseis esto concentradas em estruturas geolgicas recentes, por isso o seu uso

    predominante.(C) a variedade na utilizao de diferentes tipos de energia indica os custos extremamente reduzidos em relao s suas

    obtenes.(D) os recursos energticos mais usados nos dias de hoje esto distribudos de forma desigual pelo mundo e os custos para

    sua obteno tambm so diferenciados.(E) apesar de o petrleo ocupar posio de destaque em termos de consumo e explorao, o grfico em anlise indica o

    crescimento do consumo da eletricidade proveniente das hidreltricas.

    353025201510

    50

    (%)

    (%)

    Consumo energtico mundial, no ano de 2001(Fonte: www.iea.org)

    Petrleo

    Carvo

    Nuclear

    Hidreltrica

    Outros

    Gs natural

    Combustveis renovveis

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA7

    HISTRIA

    11

    A partir da citao acima e de seus conhecimentos acercado tema, examine as afirmativas abaixo.

    I - A idia de levar a civilizao aos povos consideradosbrbaros estava presente no discurso dos que defendiama poltica imperialista.

    II - Aquela no era a primeira vez que o continente africanoera alvo dos interesses europeus.

    III - Uma das preocupaes dos pases, como a Frana,que participavam da expanso imperialista, erajustificar a ocupao dos territrios apresentando osmelhoramentos materiais que beneficiariam aspopulaes nativas.

    IV - Para os editores da Revue Scientifique (Revista Cientfica),civilizar consistia em retirar o continente africano dacondio de atraso em relao Europa.

    Assinale a alternativa correta.(A) Somente a afirmativa IV est correta.(B) Somente as afirmativas II e IV esto corretas.(C) Somente as afirmativas I e III esto corretas.(D) Somente as afirmativas I, II e III esto corretas.(E) Todas as afirmativas esto corretas.

    12 EXCEO DE UMA, as alternativas abaixo apresentam demodo correto caractersticas do Renascimento. Assinale-a.(A) O retorno aos valores do mundo clssico, na literatura,

    nas artes, nas cincias e na filosofia.(B) A valorizao da experimentao como um dos cami-

    nhos para a investigao dos fenmenos da natureza.(C) A possibilidade de uma estreita relao entre os diferen-

    tes campos do conhecimento.(D) O fato de ter ocorrido com exclusividade nas cidades

    italianas.(E) O uso da linguagem matemtica e da experimentao

    nos estudos dos fenmenos da natureza.

    13As afirmativas a seguir apresentam algumas caractersticasda Inglaterra no incio do sculo XIX.

    I - O fato de estar se tornando, cada vez mais, oarmazm e a oficina do mundo expressava seupoderio naval, comercial e fabril.

    II - A mquina a vapor era uma das inovaes tcnicasque contribua para uma produo industrial em escalaampliada.

    III - Homens, mulheres e crianas estavam submetidos alongas jornadas de trabalho nos estabelecimentosfabris.

    IV - Os trabalhadores das manufaturas txteis resistiam scondies de trabalho que lhes eram impostas por meioda organizao em sindicatos.

    Esto corretas:(A) Somente as afirmativas I e II e III.(B) Somente as afirmativas III e IV.(C) Somente as afirmativas I, II e IV.(D) Somente as afirmativas II, III e IV.(E) Todas as afirmativas.

    14Durante o governo de Juscelino Kubitschek de Oliveira(1956-1961), o setor socioeconmico caracterizou-se pelodesenvolvimentismo , expressado pelo Plano de Metas, quecontinha trinta e um objetivos estratgicos para o desenvolvi-mento do pas.Com base no exposto, examine as afirmativas abaixo.

    I - A energia, a educao e a indstria bsica foram trsdos setores estratgicos do governo JK.

    II - A agricultura de exportao foi o setor econmico demaior expanso durante os anos JK, permitindoacumulao de divisas estrangeiras.

    III - O desenvolvimento industrial foi possvel pela conjuga-o de investimentos estatais e privados, dentre os quaismerece destaque a presena de capital estrangeiro.

    IV - A construo da nova capital Braslia foi consideradaa meta sntese, pois expressava, de um lado, osesforos de integrao do territrio brasileiro e, deoutro, a modernidade do momento vivido.

    Esto corretas:(A) Somente as afirmativas I e II e III.(B) Somente as afirmativas II e IV.(C) Somente as afirmativas I, III e IV.(D) Somente as afirmativas II, III e IV.(E) Todas as afirmativas.

    ...Ns conquistamos a frica pelas armas...temos direitode nos glorificarmos, pois aps ter destrudo a piratariano Mediterrneo, cuja existncia no sculo XIX umavergonha para a Europa inteira, agora temos outra missono menos meritria, de fazer penetrar a civilizao numcontinente que ficou para trs...

    ( Da influncia civilizadora das cincias aplicadas sartes e s indstrias. Revue Scientifique, 1889)

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA8

    15

    Cubas Freedom Is Not Far OffThomas May, Detroit Journal, 1907.

    Publicada em 1907, a charge representa de modo crtico as

    relaes desiguais de poder entre Cuba e os Estados

    Unidos. Das afirmativas abaixo, quais apresentam aconteci-

    mentos que expressam corretamente esta relao?

    I - A Emenda Platt, imposta ao governo cubano em 1901,

    garantia aos Estados Unidos o direito de interveno na

    poltica interna daquele pas.

    II - Aps a Revoluo Cubana, em 1959, o novo governo

    estatizou empresas estrangeiras, o que provocou a

    represlia dos Estados Unidos por meio de medidas

    como o boicote compra do acar cubano.

    III - Em 1961, exilados cubanos, com o apoio da CIA,

    tentaram derrubar o regime castrista invadindo Cuba,

    no episdio conhecido como a Invaso da Baa dos

    Porcos.

    IV - O governo revolucionrio cubano, a despeito das

    presses norte-americanas, conseguiu manter Cuba

    como membro da Organizao dos Estados Ameri-

    canos (OEA).

    Esto corretas:

    (A) Somente as afirmativas II e III.

    (B) Somente as afirmativas I, II, III.

    (C) Somente as afirmativas I e IV.

    (D) Somente as afirmativas I, II e IV.

    (E) Todas as afirmativas.

    16Sobre o significado e os desdobramentos dos atentadosterroristas de 11 de setembro de 2001, esto corretas asafirmaes abaixo, EXCEO DE:(A) Os ataques terroristas provocaram mudanas no cotidi-

    ano da populao norte-americana, como o crescimentoda vigilncia e restries liberdade e privacidade doscidados.

    (B) A partir do atentado, o governo Bush introduziu na polti-ca externa americana o princpio da guerra preventiva,segundo o qual os Estados Unidos tm o direito deatacar pases que possam representar uma ameaapoltica futura.

    (C) A reao do governo norte-americano aos atentadosaumentou a tenso nas relaes internacionais entrealiados importantes dos Estados Unidos, como aAlemanha e a Frana, que demonstraram algumdescontentamento com a poltica unilateral adotada pelogoverno Bush.

    (D) Devido aos avanos tecnolgicos, ocorreu uma expres-siva diminuio dos gastos militares e do nmero devtimas, desde ento, em comparao com os temposda Guerra Fria.

    (E) Os ataques terroristas fizeram ressurgir a idia de queos conflitos no sculo XXI seriam explicados pela exis-tncia de um conflito entre dois modelos de civilizao.

    17Na poca Moderna, as narrativas de cronistas, viajantes,missionrios e naturalistas, representaram o Novo Mundoora como Paraso ora como Inferno.Qual das afirmativas abaixo NO se encontra corretamenteidentificada com essa idia?(A) No imaginrio europeu sobre o Novo Mundo, havia

    constantes referncias beleza e grandiosidade danatureza, o que possibilitava lhe conferir quase semprepositividade e singularidade.

    (B) O Novo Mundo era visto como o lugar para aconcretizao dos antigos mitos do Paraso Terrestre edo Eldorado, atravs dos quais a natureza exuberantegarantia a promessa de riqueza.

    (C) Os homens que habitavam o Novo Mundo eram quasesempre vistos como brbaros, selvagens, inferiores eportadores de uma humanidade invivel.

    (D) A viso do Novo Mundo foi filtrada pelos relatos deviagens fantsticas, de terras longnquas, de homensmonstruosos que habitavam os confins do mundoconhecido at ento no ocidente medieval.

    (E) Na percepo e representao do Novo Mundo, osrelatos orais dos primeiros descobridores ocuparam umlugar central por associ-lo exclusivamente ao Inferno.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA9

    18Brasil - Evoluo da Populao 1940 - 2000

    Fonte: Censo demogrfico 2000. IBGE.

    Assinale a alternativa correta, tendo como referncia o

    grfico acima.

    (A) A maior concentrao demogrfica da populao brasi-

    leira em reas rurais, no perodo de 1940 a 1980,

    foi resultado da predominncia das atividades agro-

    exportadoras na gerao da riqueza nacional.

    (B) O expressivo crescimento populacional entre 1970 e 2000

    foi conseqncia direta dos programas de incentivo

    natalidade, promovidos pelos governos militares, e

    direcionados, especialmente, para as populaes

    urbanas de baixa renda.

    (C) Entre 1940 e 2000, a inexistncia de variao da popula-

    o rural decorreu das migraes internas e, principal-

    mente, da decadncia e estagnao das lavouras de

    cana-de-acar, caf e soja.

    (D) A crescente concentrao da populao brasileira em

    reas urbanas, a partir de 1970, esteve associada, entre

    outros aspectos, ampliao dos setores industriais e

    de servios e atrao exercida pelas cidades.

    (E) O decrscimo da populao rural brasileira, entre 1970 e

    2000, a nveis muito inferiores aos observados para 1940,

    relacionou-se ampliao da atividade industrial e

    extino de direitos trabalhistas para o homem do campo.

    19

    (Jos de Alencar. Beno paterna. In Sonhos DOuro. Obra Comple-ta. Rio de Janeiro: Editora Jos Aguilar, 1960, v. 1, pp. 699-700)

    O texto de Jos de Alencar, redigido em 1872, destaca um

    dos aspectos da formao da nacionalidade brasileira em

    meados do sculo XIX.

    Com base em seus conhecimentos e nas informaes

    contidas no texto, analise as afirmativas abaixo.

    I - Jos de Alencar foi, entre os escritores associados

    ao Romantismo, um dos que por meio de sua obra

    buscaram construir e divulgar valores de uma identidade

    nacional brasileira, em meados do sculo XIX.

    II - A formao da nacionalidade brasileira impunha a exis-

    tncia de um idioma novo, diferente do idioma velho

    a lngua dos antigos colonizadores portugueses.

    III - Para os escritores romnticos, como Jos de Alencar,

    a pintura, o teatro e a msica eram artes menores,

    que pouco ou nada contribuam para a formao da

    nacionalidade brasileira.

    IV - Romances como O Guarani de Jos de Alencar tinham

    o ndio e a natureza tropical como temas, no intuito de

    afirmar a originalidade e a individualidade da nova nao

    americana.

    Assinale a alternativa correta.

    (A) Somente as afirmativas I e III esto corretas.

    (B) Somente as afirmativas II e III esto corretas.

    (C) Somente as afirmativas I, II e IV esto corretas.

    (D) Somente a afirmativa IV est correta.

    (E) Todas as afirmativas esto corretas.

    Sobretudo compreendam os crticos a misso dos

    poetas, escritores e artistas, nesse perodo especial e

    ambguo da formao de uma nacionalidade. So estes

    os operrios incumbidos de polir o talhe e as feies da

    individualidade que se vai esboando no viver do povo. (...)

    E de quanta valia no o modesto servio de desbastar o

    idioma novo das impurezas que lhe ficaram na refuso do

    idioma velho com outras lnguas? Ele prepara a matria,

    bronze ou mrmore, para os grandes escultores da

    palavra que erigem os monumentos literrios da ptria.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA10

    20

    Cartazes, como o acima reproduzido, registram algumasdas caractersticas da escravido na sociedade brasileira,durante o sculo XIX.Com base nas informaes contidas no documento e noseu conhecimento acerca da escravido, assinale a nicaopo que NO apresenta uma caracterstica correta.(A) Os escravos especializados em algum ofcio usufruam

    de melhores condies de trabalho; viviam, nas cida-des, como homens livres, e evitavam fugas ou revoltas.

    (B) O costume de andar calado era um smbolo de statussocial que permitia estabelecer critrios de distino entretrabalhadores libertos (forros) e escravos.

    (C) A identificao do escravo como crioulo apontava parasua condio de nascido no Brasil, distinguindo-o, doafricano, o recm-chegado, trazido pelo trfico.

    (D) As diferenas entre escravos e forros, isto , cativosque haviam conseguido sua alforria, em reas urbanas,eram pouco expressivas em termos de matizes raciais.

    (E) As fugas de escravos, a despeito de sua recorrncia,eram compreendidas pelos proprietrios como a perdade um bem constitudo, o que justificava o pagamentode recompensa pela captura.

    CRIOULO FUGIDO

    Anda fugido, desde o dia 18 de Outubro de 1854,

    o escravo crioulo de nome

    de 20 e tantos annos de idade, com falta de dentes na

    frente, com pouca ou nenhuma barba, baixo,

    reforado, e picado de bexigas que teve h poucos

    annos, muito pachola, mal encarado, falla

    apressado e com a bocca cheia olhando para o cho;

    costuma s vezes andar calado intitulando-se forro,

    e dizendo chamar-se Fortunato Lopes da Silva. Sabe

    cozinhar, trabalhar de encadernador, e entende de

    plantaes de roa, donde natural. Quem o

    prender, entregar priso, e avisar na crte ao seu

    senhor Eduardo Laemmert, rua da Quitanda n. 77,

    receber 50U000 de gratificao.

    FORTUNATO,

    Rio de Janeiro Typ. Universal de LAEMMERT, Rua dos Invlidos, 61 B.

    RS.

    50U

    000

    RS.

    50U

    000 DE

    ALVIARASDE

    ALVIARAS

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA11

    PROVA DISCURSIVA

    FSICA

    Questo no 1 (valor: 4,0 pontos)

    Uma bola de tnis, de massa igual a 100 g, lanada para baixo, de uma altura h, medida a partir do cho, com umavelocidade inicial de 10 m/s. Considerando g = 10 m/s2 e sabendo que a velocidade com que ela bate no cho de 15 m/s,calcule:

    a) o tempo que a bola leva para atingir o solo;

    b) a energia cintica da bola ao atingir o solo;

    c) a altura inicial do lanamento h.

    Questo no 2 (valor: 3,0 pontos)

    Trs cargas eltricas idnticas (Q = 1,0 x 109 C) se encontram sobre os vrtices de um tringulo eqiltero de

    lado L = 1,0 m. Considere k = p

    29

    20

    1 Nm= 9,0 x 10

    4 C40

    40.

    a) Calcule o campo eltrico e o potencial no baricentro (centro) do tringulo.

    b) Suponha que a carga de dois dos vrtices dobrada (2Q) e a carga sobre o terceiro vrtice permanece constanteigual a Q. Faa um desenho do campo eltrico no baricentro do tringulo e calcule seu mdulo.

    Questo no 3 (valor: 3,0 pontos)

    Dois objetos saem no mesmo instante de dois pontos A e B situados a 100 m de distncia um do outro. Os objetos vo seencontrar em algum ponto entre A e B. O primeiro objeto sai de A em direo a B, a partir do repouso, com uma aceleraoconstante igual a 2,0 m/s2. O segundo objeto sai de B em direo a A com uma velocidade constante de v = 15 m/s.Determine:

    a) o tempo que levam os objetos para se encontrar;

    b) a posio onde ocorre o encontro dos dois objetos, medido a partir do ponto A.

    c) Esboce o grfico da posio versus tempo para cada um dos objetos.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA12

    PROVA DISCURSIVA

    MATEMTICA

    Questo no 1 (valor: 2,5 pontos)

    Qual a maior rea possvel de um terreno retangular (medindo a metros por b metros), dado que a + 2b = 120?

    Questo no 2 (valor: 2,5 pontos)

    Sejam 25

    ( ) ( ) 14

    f x x g x x= + = -e . Determine:

    a) os valores reais de x para os quais ).()( xgxf

    b) os valores reais de x para os quais ).()( xgxf

    Questo no 3 (valor: 2,5 pontos)

    Qual a probabilidade de um dos 40 nmeros (em progresso aritmtica) 8, 13, 18, ..., 198, 203:

    a) ser um mltiplo de 7?

    b) ser um mltiplo de 14?

    Questo no 4 (valor: 2,5 pontos)

    Seja E uma esfera de raio 1 metro. Considere dois cubos, um contido em E, de maior volume possvel e outro quecontm E, de menor volume possvel. Ache a razo entre os volumes dos dois cubos.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA13

    PROVA DISCURSIVA

    QUMICA

    Questo no 1 (valor: 3,0 pontos)

    HCl(aq)

    Soluo de soda custica comercial

    O esquema acima representa a anlise de uma soluo contendo 172 mg de soda custica comercial por soluo padro decido clordrico de concentrao 0,100mol L1 e utilizando fenolftalena como indicador. Nessa anlise, a completa neutralizaodo NaOH, presente na soda custica comercial, consumiu 40,0 mL da soluo de HCl.Pede-se:

    a) escreva a equao da reao que ocorre nessa anlise;

    b) indique o pH, a 250C, resultante no ponto estequiomtrico, ou seja, ao trmino da reao de neutralizao;

    c) calcule a composio percentual em massa de NaOH na soda custica comercial.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA14

    Questo no 2 (valor: 4,0 pontos)

    A graduao alcolica que indicada nos rtulos das bebidas alcolicas (mostrada em %Vol ou em graus Gay Lussac - 0GL)indica a percentagem de lcool em volume que a mistura contm. Considerando que a vodca comercial tem graduao iguala 37,5 0GL, responda s questes abaixo.

    a) Calcule a concentrao em quantidade de matria (mol L1) de lcool etlico em uma soluo aquosa com 37,5%em volume do lcool, sabendo que a densidade do lcool etlico igual a 0,80 g mL1.

    b) Escreva a frmula estrutural do lcool etlico e o seu nome, segundo a nomenclatura oficial da IUPAC.

    c) Escreva a frmula estrutural do ismero funcional do lcool etlico.

    d) Escreva a equao da combusto completa do etanol, balanceada corretamente.

    Questo no 3 (valor: 3,0 pontos)

    Ferro gusa o principal produto obtido no alto forno de uma siderrgica. As matrias-primas utilizadas so: hematita(Fe

    2O

    3 mais impurezas), calcrio (CaCO

    3 mais impurezas), coque (C) e ar quente.

    Considere as principais reaes que ocorrem no alto forno:

    CaCO3 CaO + CO

    2

    CO2 + C 2CO

    Fe2O

    3 + 3CO 2Fe + 3CO

    2

    Ferro Gusa (Ferro na forma lquida contendo impurezas)

    a) A partir de uma tonelada de hematita com 10% de impurezas em massa, calcule a quantidade mxima, em kg, que sepode obter de ferro gusa (Fe mais 7%, em massa, de impurezas).

    b) Escreva a frmula dos agentes redutores nas reaes de oxirreduo.

    c) Dentre os reagentes e produtos presentes, identifique e escreva a reao do anidrido com a gua.

  • PUC - RIO 2007

    GRUPO 1 - 2o DIA15

    Mg

    Na

    Ru

    TaNb

    Db

    Xe

    Rn

    In

    C

    Cd

    P

    52

    As

    Ag

    Br

    Te

    Ne

    Co

    mm

    as

    sa

    sa

    tm

    ica

    sre

    feri

    da

    sa

    ois

    to

    po

    12

    do

    ca

    rbo

    no

    I At

    Sg

    Tl

    Si

    Zn

    S

    53

    Se

    Hs

    Po

    He

    Sb

    Ar

    Mt

    Uun

    Uuu

    Uub

    Al

    Rf

    Sn

    O

    Hg

    Ge

    51

    B

    Fr

    54Kr

    Bh

    Bi

    F

    Pb

    N

    Au

    Ga

    Cu

    Cl

    Ra

    W

    Y

    Cr

    Ba

    La-L

    u

    Ac-L

    r

    Zr

    V

    Pt

    Pd

    Ni

    Sc

    Cs

    4

    51

    ,99

    6

    26

    1

    32

    73

    79

    76

    82

    86

    10

    4

    31

    9

    1,0

    07

    9

    LTIO SDIO POTSSIO RUBDIO CSIO FRNCIO

    RDIO

    HIDROGNIO

    RUTHERFRDIOHFNIOZIRCNIOTITNIO

    VANDIO TNTALO DBNIO

    SEABRGIO

    RNIO BHRIO

    HASSIOSMIORUTNIOFERRO

    COBALTO RDIO IRDIO MEITNRIO

    UNUNILIO

    UNUNNIO

    UNNBIO

    PLATINAPALDIONQUEL

    COBRE

    ZINCO CDMIO MERCRIO

    TLIO

    CHUMBO

    BISMUTO

    POLNIO

    ASTATO

    RADNIO

    BROMO

    CRIPTNIO

    TELRIO

    IODO

    XENNIO

    ESTANHO

    ANTIMNIO

    NDIOGLIOALUMNIOBORO

    CARBONO

    NITROGNIO

    ENXOFRE

    CLORO

    OXIGNIO

    FLOR

    HLIO ARGNIONENIO

    FSFORO

    SILCIO GERMNIO

    ARSNIO

    SELNIO

    PRATA OURO

    TUNGSTNIOMOLIBDNIO

    TECNCIO

    CRMIO

    MANGANS

    NIBIO

    BERLIO CLCIO

    ESCNDIO TRIO

    ESTRNCIO BRIOMAGNSIO

    91

    ,22

    4(2

    )

    43

    21

    87

    ,62

    98

    ,90

    61

    31

    ,29

    (2)

    74

    ,92

    2

    15

    ,99

    9

    19

    2,2

    21

    95

    ,08

    (3)

    72

    ,61

    (2)

    28

    ,08

    6

    58

    ,93

    3

    12

    6,9

    0

    78

    ,96

    (3)

    10

    ,811

    (5)

    41

    7

    54

    ,93

    85

    8,6

    93

    12

    1,7

    6

    83

    ,80

    14

    ,00

    7

    10

    6,4

    21

    27

    ,60

    (3)

    79

    ,90

    4

    26

    ,98

    2

    55

    ,84

    5(2

    )

    11

    8,7

    1

    39

    ,94

    8

    4,0

    02

    6

    39

    19

    9,0

    12

    2

    95

    ,94

    37

    12

    88

    ,90

    6

    22

    3,0

    2

    47

    23

    13

    7,3

    31

    90

    ,23

    (3)

    20

    8,9

    8

    11

    2,4

    1

    35

    ,45

    3

    22

    2,0

    22

    09

    ,98

    20

    9,9

    9

    11

    4,8

    2

    32

    ,06

    6(6

    )

    20

    7,2

    10

    7,8

    7

    20

    ,18

    0

    45

    3

    39

    ,09

    8

    17

    8,4

    9(2

    )

    30

    57

    a7

    1

    29

    11

    2

    34

    56

    711

    12

    13

    14

    15

    16

    17

    18

    VIII

    VIII

    VIII

    89

    10

    26

    55

    72

    25

    6

    6,9

    41

    (2)

    92

    ,90

    6

    36

    75

    81

    85

    89

    a1

    03

    78

    84

    88

    10

    61

    07

    10

    81

    09

    11

    0111

    11

    2

    50

    ,94

    2

    22

    6,0

    3

    35

    11

    24

    ,30

    5

    18

    0,9

    5

    48

    49

    50

    24

    13

    2,9

    1

    46

    2

    28

    56

    27

    8

    47

    ,86

    7

    26

    2

    40

    20

    44

    ,95

    6

    38

    5

    85

    ,46

    81

    02

    ,91

    20

    0,5

    9(2

    )

    65

    ,39

    (2)

    18

    ,99

    8

    18

    6,2

    12

    04

    ,38

    63

    ,54

    6(3

    )

    30

    ,97

    4

    10

    1,0

    7(2

    )

    196,9

    7

    69

    ,72

    3

    12

    ,011

    34

    74

    80

    77

    83

    87

    10

    5

    40

    ,07

    8(4

    )

    18

    3,8

    4

    33

    17

    15

    14

    18

    16

    13

    10

    22

    ,99

    0

    44

    22

    42

    1 2 3 4 5 6 7

    Hf

    Sr

    Mn

    Os

    TcR

    b

    Ti

    IrRh

    Co

    Ca

    Re

    Mo

    Fe

    K

    Be

    LiH

    CL

    AS

    SIF

    ICA

    OP

    ER

    ID

    ICA

    DO

    SE

    LE

    ME

    NT

    OS

    IA

    IIA

    IIIB

    IVB

    VB

    VIB

    VIIB

    IBIIB

    IIIA

    IVA

    VA

    VIA

    VIIA

    VIIIA

    S

    rie

    do

    sA

    ctin

    dio

    s

    Nm

    ero

    At

    mic

    o

    Massa

    At

    mic

    a

    Sm

    bo

    lo

    Bk

    Cm

    Am

    Cf

    Es

    Md

    No

    Tm

    Yb

    Lu Lr

    Er

    Ho

    Dy

    Tb

    Fm

    Pu

    Np

    UP

    aA

    cT

    h

    Gd

    Eu

    Sm

    Pm

    Nd

    Pr

    Ce

    La

    64

    10

    1

    58

    57

    69

    96

    89

    90

    LANTNIO ACTNIO

    NOMEDOELEMENTO

    TRIO

    PROTACTNIO

    URNIO

    NETNIO

    PLUTNIO

    AMERCIO

    CRIO

    BERQULIO

    CALIFRNIO

    EINSTINIO

    FRMIO

    MENDELVIO

    NOBLIO

    LAURNCIO

    CRIO

    PRASEODMIO

    NEODMIO

    PROMCIO

    SAMRIO

    EURPIO

    GADOLNIO

    TRBIO

    DISPRSIO

    HLMIO

    RBIO

    TLIO

    ITRBIO

    LUTCIO

    23

    8,0

    32

    49

    ,08

    24

    4,0

    62

    52

    ,08

    16

    7,2

    6(3

    )1

    44

    ,24

    (3)

    15

    7,2

    5(3

    )

    23

    7,0

    52

    52

    ,08

    16

    8,9

    31

    62

    ,50

    (3)

    14

    6,9

    21

    58

    ,93

    22

    7,0

    32

    32

    ,04

    23

    9,0

    5

    16

    4,9

    3

    26

    2,1

    12

    59

    ,10

    25

    8,1

    02

    57

    ,10

    14

    0,1

    21

    38

    ,91

    15

    0,3

    6(3

    )

    63

    10

    2

    70

    95

    92

    61

    94

    66

    10

    0

    60

    67

    99

    62

    10

    39

    3

    71

    97

    91

    65

    23

    1,0

    42

    41

    ,06

    17

    3,0

    4(3

    )1

    74

    ,97

    14

    0,9

    11

    51

    ,96

    59

    68

    98

    76

    S

    rie

    do

    sL

    an

    tan

    dio

    s

    Ma

    ssa

    at

    mic

    are

    lativ

    a.

    Ain

    ce

    rteza

    no

    lti

    mo

    dg

    ito

    1

    ,exce

    toq

    ua

    nd

    oin

    dic

    ad

    oe

    ntr

    ep

    ar

    nte

    se

    s.