2º Policia

of 20 /20
Ilustrações de Sara Pereira a partir da obra "Felizmente há Luar" de Luis Sttau Monteiro 2º Polícia Novembro de 2011

Embed Size (px)

description

trabalho realizado no ambito da disciplina de oficina de multimedia com base na obra felizmente ha luar

Transcript of 2º Policia

  • Ilustraes de Sara Pereira a partir da obra

    "Felizmente h Luar" de Luis Sttau Monteiro

    2 Polcia

    Novembro de 2011

  • Nasceu em Lisboa, em 3 de Abril de 1926.

    Aos 13 anos foi viver para Londres, onde seu pai desempenhava as

    funes de embaixador. O tempo que a passou ter condicionado muitos

    aspectos da sua formao esttica e literria. Nesses anos, viveu de perto

    a tragdia da Segunda Guerra Mundial. De regresso a Portugal, licenciou-

    se em Direito pela Universidade de Lisboa, tendo exercido, por um breve

    perodo de tempo, a advocacia. Publicou o seu primeiro romance em 1960,

    Um Homem No Chora. Em 1961, publica-se Angstia para o Jantar, que o

    colocou desde logo, num lugar de relevo no panorama da literatura

    portuguesa. Desse mesmo ano tambm a pea Felizmente H Luar!, que

    revelou um dos mais notveis dramaturgos das nossas letras. Foi-lhe

    atribudo, em 1962, o Grande Prmio de Teatro. Por vrias vezes, foi

    preso pela PIDE, devido ao cunho irreverente que imps sua obra. Fez

    parte do conselho redactorial de A Mosca, suplemento do Dirio de

    Lisboa, onde se celebrizou pela criao da irreverente figura da Guidinha.

    Trabalhou em publicidade e escreveu, tambm, sobre gastronomia, com o

    pseudnimo de Manuel Pedrosa. Foi jornalista e colaborador regular de

    vrias publicaes Dirio de Lisboa, Se7e, O Jornal, Expresso.

    Lus de Sttau Monteiro

    (1926-1993)

    Nota biobibliogrfica

  • Nasceu em Lisboa, em 3 de Abril de 1926.

    Aos 13 anos foi viver para Londres, onde seu pai desempenhava as

    funes de embaixador. O tempo que a passou ter condicionado muitos

    aspectos da sua formao esttica e literria. Nesses anos, viveu de perto

    a tragdia da Segunda Guerra Mundial. De regresso a Portugal, licenciou-

    se em Direito pela Universidade de Lisboa, tendo exercido, por um breve

    perodo de tempo, a advocacia. Publicou o seu primeiro romance em 1960,

    Um Homem No Chora. Em 1961, publica-se Angstia para o Jantar, que o

    colocou desde logo, num lugar de relevo no panorama da literatura

    portuguesa. Desse mesmo ano tambm a pea Felizmente H Luar!, que

    revelou um dos mais notveis dramaturgos das nossas letras. Foi-lhe

    atribudo, em 1962, o Grande Prmio de Teatro. Por vrias vezes, foi

    preso pela PIDE, devido ao cunho irreverente que imps sua obra. Fez

    parte do conselho redactorial de A Mosca, suplemento do Dirio de

    Lisboa, onde se celebrizou pela criao da irreverente figura da Guidinha.

    Trabalhou em publicidade e escreveu, tambm, sobre gastronomia, com o

    pseudnimo de Manuel Pedrosa. Foi jornalista e colaborador regular de

    vrias publicaes Dirio de Lisboa, Se7e, O Jornal, Expresso.

    Lus de Sttau Monteiro

    (1926-1993)

    Nota biobibliogrfica

  • Autoritrio

    U

    (

    o

    (

    mn

    Antigo Soldado

    (visivelmente acabrunhado)

    Prenderam o general.... Para ns, a noite ainda ficou mais

    escura...

    1 Popular

    por pouco tempo, amigo. Espera pelo claro das fogueiras...

    Antigo Soldado

    E agora?

    (Ningum responde. Pela direita do palco entram os polcias.)

    1Polcia

    (Como que espantado por ver tanta gente reunida)

    Olhem para isto.

    2Polcia

    Daqui para fora! V: todos daqui para fora! Ento no sabem que

    esto proibidos os ajuntamentos?

    2-3

  • Autoritrio

    U

    (o(mn

    Antigo Soldado

    (visivelmente acabrunhado)

    Prenderam o general.... Para ns, a noite ainda ficou mais

    escura...

    1 Popular

    por pouco tempo, amigo. Espera pelo claro das fogueiras...

    Antigo Soldado

    E agora?

    (Ningum responde. Pela direita do palco entram os polcias.)

    1Polcia

    (Como que espantado por ver tanta gente reunida)

    Olhem para isto.

    2Polcia

    Daqui para fora! V: todos daqui para fora! Ento no sabem que

    esto proibidos os ajuntamentos?

    2-3

  • Impaciente

    OYooo

    (

    (

    v

    v

    o

    Vicente

    No. S acredito em duas coisas: no dinheiro e na fora. O general

    no tem uma nem outra.

    1 polcia

    por isso, ento, que..

    (Os outros olham-no de frente)

    Que.. pois.

    .

    2 Polcia

    V: acaba o que ests a dizer. O tempo passa e viemos aqui em

    servio.

    1 Polcia

    Eu no ia dizer nada..

    4-5

  • Impaciente

    OYooo

    (

    (

    vv

    o

    Vicente

    No. S acredito em duas coisas: no dinheiro e na fora. O general

    no tem uma nem outra.

    1 polcia

    por isso, ento, que..

    (Os outros olham-no de frente)

    Que.. pois.

    .

    2 Polcia

    V: acaba o que ests a dizer. O tempo passa e viemos aqui em

    servio.

    1 Polcia

    Eu no ia dizer nada..

    4-5

  • OI

    (

    (

    O

    Curioso

    Vicente

    C vou, discutindo o general, de manh, tarde e noite... Para

    esta cambada, o Freire Deus.

    (Senta-se, descala um sapato e comea a consert-lo)

    Se no lhe tratamos da sade, talvez trate ele da nossa..

    2 Polcia

    (apanhando uma boneca esfarrapada de que uma me se

    esqueceu ao fugir)

    Olha, l, Vicente: como consegues tu inspirar a confiana desta

    gente?

    Vicente

    simples: digo-lhes metade da verdade. Sonham com o Gomes

    Freire? Lembro-lhes que o Gomes Freire general e falo-lhes da

    guerra. Haver algum que nos e lembre da guerra? A vida tem

    sido uma guerra atrs de outra... Odeiam os Franceses e os

    Ingleses? Chamo estrangeirado ao Gomes Freire... O que no

    lhes digo que se ele no fosse estrangeirado era... era como os

    outros... era mais um senhor do Rossio...

    2 Polcia

    E tu acreditas nele?

    6-7

  • OI

    ((

    O

    Curioso

    Vicente

    C vou, discutindo o general, de manh, tarde e noite... Para

    esta cambada, o Freire Deus.

    (Senta-se, descala um sapato e comea a consert-lo)

    Se no lhe tratamos da sade, talvez trate ele da nossa..

    2 Polcia

    (apanhando uma boneca esfarrapada de que uma me se

    esqueceu ao fugir)

    Olha, l, Vicente: como consegues tu inspirar a confiana desta

    gente?

    Vicente

    simples: digo-lhes metade da verdade. Sonham com o Gomes

    Freire? Lembro-lhes que o Gomes Freire general e falo-lhes da

    guerra. Haver algum que nos e lembre da guerra? A vida tem

    sido uma guerra atrs de outra... Odeiam os Franceses e os

    Ingleses? Chamo estrangeirado ao Gomes Freire... O que no

    lhes digo que se ele no fosse estrangeirado era... era como os

    outros... era mais um senhor do Rossio...

    2 Polcia

    E tu acreditas nele?

    6-7

  • ((

    ( (

    l ll

    ( (

    (((

    ((

    (( (

    oooo

    Jocoso

    Vicente

    O tenente quer falar comigo.

    1 Polcia

    (Rindo-se)

    No o tenente, homem. pessoa mais grada.

    Vicente

    O intendente?

    2Polcia

    Upa! Upa!

    Vicente

    O prprio...?

    1Polcia

    Tanto tambm no! Vais falar com o governador do Reino: O Sr. D.

    Miguel Pereira Forjaz. Chega-te?

    Vicente

    Um governador do Reino! Que me quer ele?

    2 Polcia

    Sei l...

    8-9

  • ((

    ( (

    l ll( (

    (((

    ((

    (( (

    oooo

    Jocoso

    Vicente

    O tenente quer falar comigo.

    1 Polcia

    (Rindo-se)

    No o tenente, homem. pessoa mais grada.

    Vicente

    O intendente?

    2Polcia

    Upa! Upa!

    Vicente

    O prprio...?

    1Polcia

    Tanto tambm no! Vais falar com o governador do Reino: O Sr. D.

    Miguel Pereira Forjaz. Chega-te?

    Vicente

    Um governador do Reino! Que me quer ele?

    2 Polcia

    Sei l...

    8-9

  • YOII I

    I II I

    II

    II

    Controlador

    Manuel

    Ajuntamentos s nas cadeias, no ?

    1 Polcia

    Toca a andar, e nada de perguntas!

    1 Popular

    Posso dormir com a minha mulher ou tambm formamos um

    ajuntamento?

    2 Polcia

    (Para o colega)

    No lhe respondas!

    (Para o povo)

    andar e depressa, ou vo ver o que lhes acontece!

    10-11

  • YOII II I

    I III

    II

    Controlador

    Manuel

    Ajuntamentos s nas cadeias, no ?

    1 Polcia

    Toca a andar, e nada de perguntas!

    1 Popular

    Posso dormir com a minha mulher ou tambm formamos um

    ajuntamento?

    2 Polcia

    (Para o colega)

    No lhe respondas!

    (Para o povo)

    andar e depressa, ou vo ver o que lhes acontece!

    10-11

  • OO OD vo

    OOOO

    ?

    !

    ( (

    nnnn

    nnn

    .. (

    v( ( (

    Irnico

    1 Polcia

    Pode querer incumbir-te de uma misso especial...

    2 Polcia

    Ou querer fazer-te nosso chefe...

    ! Polcia

    (Rindo-se)

    Ou dar-te uma comenda...

    12-13

  • OO OD vo

    OOOO

    ?

    !

    ( (

    nnnn

    nnn

    .. (

    v( ( (

    Irnico

    1 Polcia

    Pode querer incumbir-te de uma misso especial...

    2 Polcia

    Ou querer fazer-te nosso chefe...

    ! Polcia

    (Rindo-se)

    Ou dar-te uma comenda...

    12-13

  • YV

    I

    III

    O

    I I

    II

    I

    DDc

    v

    cll

    Trabalhador

    1 Polcia

    Pareces um doutor a falar...

    2 Polcia

    tempo de lhe dizermos ao que vimos. Est a fazer-se tarde...

    (O primeiro avana e pe-lhe a mo sobre o ombro.)

    1 Polcia

    Temos notcias para ti, amigo...

    14-15

  • YVI

    III

    O

    I I

    II

    IDD

    c

    vcll

    Trabalhador

    1 Polcia

    Pareces um doutor a falar...

    2 Polcia

    tempo de lhe dizermos ao que vimos. Est a fazer-se tarde...

    (O primeiro avana e pe-lhe a mo sobre o ombro.)

    1 Polcia

    Temos notcias para ti, amigo...

    14-15

  • ndice

    Autoritrio

    Impaciente

    Curioso

    Jocoso

    Controlador

    Irnico

    Trabalhador

    2

    4

    6

    8

    10

    12

    14

    Lus de Sttau Monteiro (1926-1993)

    Nota biobibliogrfica 1

    16-17

  • ndice

    Autoritrio

    Impaciente

    Curioso

    Jocoso

    Controlador

    Irnico

    Trabalhador

    2

    4

    6

    8

    10

    12

    14

    Lus de Sttau Monteiro (1926-1993)

    Nota biobibliogrfica 1

    16-17

  • 560 e s c dj g f a 201 1 s a r a p e r e i r a 1 2D

    O polcia representa uma autoridade como

    a PIDE. um homem com caractersticas

    muito prprias, e encontramo-lo sempre

    acompanhando o seu colega. Apresenta um

    ar muito srio, deixando as pessoas com um

    certo receio. Conhece bem Vicente que lhe

    vende informaes, mas tem um grande

    receio de perder o seu estatuto.

    1: capaPage 23: p14: p25: p36: p47: p58: p69: p710: p811: p912: p1013: p1114: p1215: p1316: p1417: p1518: p1619: p1720: p18