A origem das festas juninas

Click here to load reader

  • date post

    27-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    19.535
  • download

    6

Embed Size (px)

Transcript of A origem das festas juninas

  • 1. A Origem das Festas Juninas Festas juninas ou festas dos santos populares so celebraes que acontecem em vriospases historicamente relacionadas com a festa pag do solstcio de vero, que era celebradano dia 24 de junho, segundo o calendrio juliano (pr-gregoriano) e cristianizada na IdadeMdia como "festa de So Joo". Essas celebraes so particularmente importantes no Norte da Europa Dinamarca,Estnia, Finlndia, Letnia, Litunia, Noruega e Sucia, mas so encontrados tambm naIrlanda, partes da Gr-Bretanha (especialmente na Cornualha), Frana, Itlia, Malta,Portugal, Espanha, Ucrnia, outras partes da Europa, e em outros pases como Canad,Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrlia.Tradies e costumesOrigem da fogueira De origem europeia, as fogueiras juninasfazem parte da antiga tradio pag de celebrar osolstcio de vero. Assim como a cristianizao darvore pag "sempre verde" em rvore de natal,a fogueira do dia de"Midsummer" (24 de junho)tornou-se, pouco a pouco na Idade Mdia, umatributo da festa de So Joo Batista, o santocelebrado nesse mesmo dia. Ainda hoje, a fogueirade So Joo o trao comum que une todas asfestas de So Joo europeias (da Estnia aPortugal, da Finlndia Frana). Estas celebraesesto ligadas s fogueiras da Pscoa e s fogueirasde Natal. Uma lenda catlica cristianizando a fogueirapag,festival afirma que o antigo costume deacender fogueiras no comeo do vero europeutinha suas razes em um acordo feito pelas primasMaria e Isabel. Para avisar Maria sobre onascimento de So Joo Batista e assim ter seu auxlio aps o parto, Isabel teria de acenderuma fogueira sobre um monte.O uso de bales O uso de bales e fogos de artifcio durante o So Joo no Brasil, est relacionado como tradicional uso da fogueira junina e seus efeitosvisuais. Este costume foi trazido pelos portuguesespara o Brasil, e ele se mantm em ambos lados doAtlntico, sendo que na cidade do Porto, emPortugal, onde mais se evidncia. Fogos de artifciomanuseados por pessoas privadas e espetculospirotcnicos organizados por associaes oumunicipalidades tornaram-se uma parte essencialda festa no Nordeste, em outras partes do Brasil eem Portugal. Os fogos de artifcio, segundo atradio popular, servem para despertar So Joo Batista. Em Portugal, pequenos papisso atados no balo com desejos e pedidos.

2. Os bales serviam para avisar que a festa iria comear; eram soltos de cinco a setebales para se identificar o incio da festana. Os bales, no entanto, constituem atualmenteuma prtica proibida por lei em muitos locais, devido ao risco de incndio.Durante todo o ms de junho comum, principalmente entre as crianas, soltar bombas,conhecidas por nomes como traque, chilene, cordo, cabeo-de-negro, cartucho, treme-terra, rojo, buscap, cobrinha, espadas-de-fogo.O mastro de So Joo O mastro de So Joo, conhecido em Portugal tambm como o mastro dos SantosPopulares, erguido durante a festa junina para celebrar os trs santos ligados a essa festa.No Brasil, no topo de cada mastro so amarradas em geral trs bandeirinhas simbolizandoos santos. Tendo hoje em dia uma significao crist bastante enraizada e sendo, entre oscostumes de So Joo, um dos mais marcadamente catlico, o levantamento do mastro temsua origem, no entanto, no costume pago de levantar o "mastro de maio", ou a rvorede maio, costume ainda hoje vivo em algumas partes da Europa. Alm de sua cristianizao profunda em Portugal e no Brasil, interessante notar queo levantamento do mastro de maio em Portugal tambm erguido em junho e a celebrar asfestas desse ms o mesmo fenmeno tambm ocorrendo na Sucia, onde o mastro demaio, "majstngen", de origem primaveril, passou a ser erguido durante as festas estivaisde junho, "Midsommarafton". O fato de suspender milhos e laranjas ao mastro de SoJoo parece ser um vestgio de prticas pags similares em torno do mastro de maio. EmLriga a tradio do Cambeiro celebrada em Janeiro. Hoje em dia, um rico simbolismo catlico popular est ligado aos procedimentosenvolvendo o levantamento do mastro e os seus enfeites.A Quadrilha A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dana de salo francesa para quatropares, a "quadrille", em voga na Frana entre o incio do sculo XIX e a Primeira GuerraMundial. A"quadrille" francesa, por sua parte, j era um desenvolvimentoda "contredanse", popular nos meios aristocrticos franceses do sculo XVIII.A "contredanse" se desenvolveu a partir de uma dana inglesa de origem campesina,surgida provavelmente por volta do sculo XIII, e que se popularizara em toda a Europa naprimeira metade do sculo XVIII. A "quadrille" veio para o Brasil seguindo o interesse da classe mdia e das elites portuguesas e brasileiras do sculo XIX por tudo que fosse a ltima moda de Paris (dos discursos republicanos de Gambetta e Jules Ferry, passando pelas poesias de Victor Hugo e Thophile Gautier at a criao de uma academia de letras, dos belos cabelos cacheados de Sarah Bernhardt at ao uso do cavanhaque).Ao longo do sculo XIX, a quadrilha sepopularizou no Brasil e se fundiu com danas brasileiras pr-existentes e teve subsequentesevolues (entre elas o aumento do nmero de pares e o abandono de passos e ritmosfranceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta uma danaque teve o seu maior florescimento no Brasil rural (da o vesturio campesino), e se tornouuma dana prpria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste. A partir de ento, aquadrilha, nunca deixando de ser um fenmeno popular e rural, tambm recebeu a 3. influncia do movimento nacionalista e da sistematizao dos costumes nacionais pelosestudos folclricos. O nacionalismo folclrico marcou as cincias sociais no Brasil como na Europa entreos comeos do Romantismo e a Segunda Guerra Mundial. A quadrilha, como outras danasbrasileiras tais que o pastoril, foi sistematizada e divulgada por associaes municipais,igrejas e clubes de bairros, sendo tambm defendida por professores e praticada por alunosem colgios e escolas, na zona rural ou urbana, como sendo uma expresso da culturacabocla e da repblica brasileira. Esse folclorismo acadmico e ufano explica duma certamaneira o aspecto matuto rgido e artificial da quadrilha. No entanto, hoje em dia, essa artificialidade rural vista pelos folies como umaatitude ldica, teatral e festiva, mais do que como a expresso de um ideal folclrico,nacionalista ou acadmico qualquer. Seja como for, correto afirmar que a quadrilha deve asua sobrevivncia urbana na segunda metade do sculo XX e o grande sucesso popularatual aos cuidados meticulosos de associaes e clubes juninos da classe mdia e aotrabalho educativo de conservao e prtica feito pelos estabelecimentos do ensinoprimrio e secundrio, mais do que prtica campesina real, ainda que vivaz, porm quasesempre desprezada pela cultura citadina. Desde do sculo XIX e em contato com diferentes danas do pas mais antigas, aquadrilha sofreu influncias regionais, da surgindo muitas variantes:* "Quadrilha Caipira" (So Paulo)* "Saru", corruptela do termo francs "soire", (Brasil Central)* "Baile Sifiltico" (Bahia)* "Mana-Chica" (Rio de Janeiro)* "Quadrilha" (Sergipe)* "Quadrilha Matuta" Hoje em dia, entre os instrumentos musicais que normalmente podem acompanhar aquadrilha encontram-se o acordeo, pandeiro, zabumba, violo, tringulo e o cavaquinho.No existe uma msica especfica que seja prpria a todas as regies. A msica aquelacomum aos bailes de roa, em compasso binrio ou de marchinha, que favorece ocadenciamento das marcaes. Em geral, para a prtica da dana importante a presena de um mestre "marcante"ou"marcador", pois quem determina as figuraes diversas que os danadores devemdesenvolver. Termos de origem francesa so ainda utilizados por alguns mestres paracadenciar a dana. Os participantes da quadrilha, vestidos de matuto ou caipira, como se diz fora donordeste(indumentria que se convencionou pelo folclorismo como sendo a dascomunidades caboclas), executam diversas evolues em pares de nmero varivel. Emgeral o par que abre o grupo um "noivo" e uma "noiva", j que a quadrilha podeencenar um casamento fictcio. Esse ritual matrimonial da quadrilha liga-a s festas de SoJoo europeias que tambm celebram aspiraes ou unies matrimoniais. Esse aspectomatrimonial juntamente com a fogueira junina constituem os dois elementos maispresentes nas diferentes festas de So Joo da Europa.Outras danas e canes No nordeste brasileiro, o forr assim como ritmos aparentados tais que o baio, o xote,o reizado, o samba-de-coco e as cantigas so danas e canes tpicas das festas juninas.Costumes populares 4. As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas daRegio Nordeste e as festas do Brasil caipira, ou seja, nos estados de So Paulo, Paran(norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e Gois. No Nordeste brasileiro se comemora, compequenas ou grandes festas que renem toda acomunidade e muitos turistas, com fartura decomida, quadrilhas, casamento matuto e muitoforr. comum os participantes das festas sevestirem de matuto, os homens com camisaquadriculada, cala remendada com panoscoloridos, e chapu de palha, e as mulheres comvestido colorido de chita e chapu de palha. No interior de So Paulo ainda se mantm atradio da realizao de quermesses e danas de quadrilha em torno de fogueiras. Em Portugal h arraiais com foguetes, assam-se sardinhas e oferecem-se manjericos,as marchas populares desfilam pelas ruas e avenidas, do-se com martelinhos de plstico ealho-porro nas cabeas das pessoas principalmente nas crianas e quando os rapazes sequerem meter com as raparigas solteiras.Simpatias, sortes e adivinhas para Santo Antnio O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antnioe So Joo, quase familiar: cheio de intimidades, chega a ser, por vezes, irreverente,debochado e quase obsceno. Esse carter fica bastante evidente quando se entra em contatocom as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos feitos a esses santos:Confessei-me a Santo Antnio,confessei que estava amando.Ele deu-me por penitnciaque fosse continuando. Os objetos utilizados nas simpatias e adivinhaes devem ser virgens, ou seja, estarsendo usados pela primeira vez, seno nada de a simpatia funcionar! A seguir, algumassimpatias feitas para Santo Antnio: Moas solteiras, desejosas de se casar, em vrias regies do Brasil, colocam umfigurino do santo de cabea para baixo atrs da porta ou dentro do poo ou enterram-no ato pescoo. Fazem o pedido e, enquanto no so atendidas, l fica a imagem de cabea parabaixo. E elas pedem:Meu Santo Antnio Para arrumar namorado ou marido, basta amarrar uma fita vermelha e outra brancano brao da imagem de Santo Antnio, fazendo a ele o pedido. Rezar um Pai-Nosso e umaSalve-Rainha. Pendurar a imagem de cabea para baixo sob a cama. Ela s deve serdesvirada quando a pessoa alcanar o pedido. No dia 13, comum ir igreja para receber o "pozinho de Santo Antnio", que dado gratuitamente pelos frades. Em troca, os fiis costumam deixar ofertas. O po, que bento, deve ser deixado junto aos demais mantimentos para que estes no faltem jamais. Em Lisboa, tradicional a cerimnia de casamento mltiplo do dia de Santo Antnio,em que chegam a casar-se 200 a 300 casais ao mesmo tempo.Festas juninas por pas 5. PortugalEm Portugal, estas festividades, genericamente conhecidas pelo nome de Festas dos santos populares, correspondem a diferentes feriados municipais: So Gonalo em Amarante; Santo Antnio em Aljustrel, Amares, Cascais, Estarreja, Ferreira do Zzere, Lisboa, Proena-a-Nova, Reguengos de Monsaraz, Vale de Cambra, Vila Nova da Barquinha, Vila Nova de Famalico, Vila Real e Vila Verde; So Joo em Aguiar da Beira, Alcochete, Almada, Almodvar, Alccer do Sal, Angra do Herosmo, Armamar, Arronches, Braga, Calheta, Castelo de Paiva, Castro Marim, Cinfes, Figueira da Foz, Figueir dos Vinhos, Guimares, Horta, Lajes das Flores, Lourinh, Lous, Mrtola, Moimenta da Beira, Moura, Nelas, Porto, Porto Santo, Santa Cruz das Flores, Santa Cruz da Graciosa, Sert, Tabuao, Tavira,Terras de Bouro, Torres Vedras, Valongo, Vila do Conde, Vila Franca do Campo,Vila Nova de Gaia, Vila do Porto e Vizela; So Pedro em Alfndega da F, Bombarral, CastroDaire, Castro Verde, Celorico de Basto, vora, Felgueiras, Lajes do Pico, Macedo deCavaleiros, Montijo, Penedono, Porto de Ms, Pvoa de Varzim, Ribeira Brava, So Pedrodo Sul, Seixal e Sintra.Na cidade do Porto e Braga em Portugal, o So Joo festejado com uma intensidadeinigualvel, sendo que a festa , semelhana do que acontece no Nordeste do Brasil,entregue s pessoas que passam o dia e a noite nas ruas das cidades que so autnticosarraiais urbanos.Festas de So Joo so ainda celebradas em alguns pases europeus catlicos,protestantes e ortodoxos (Frana, Irlanda, os pases nrdicos e do Leste europeu). Asfogueiras de So Joo e a celebrao de casamentos reais ou encenados (como o casamentofictcio no baile da quadrilha nordestina e na tradioportuguesa) so costumes ainda hoje praticados em festasde So Joo europeias.Brasil As festas juninas, so na sua essncia multicurais,embora o formato com que hoje as conhecemos tenha tidoorigem nas festas dos santos populares em Portugal:Santo Antnio, So Joo e So Pedro principalmente. A msica e os instrumentos usados,cavaquinho, sanfona, tringulo ou ferrinhos, reco-reco, etc, esto na base da msicapopular e folclrica portuguesa e foram trazidos para o Brasil pelos povoadores eemigrantes dos pas irmo. As roupas caipiras ou saloias so uma clara referncia aopovo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil e muitssimassemelhanas se podem encontrar no modo de vestircaipira tanto no Brasil como emPortugal. Do mesmo modo, as decoraes com que se enfeitam os arraiais tiveram o seuincio em Portugal com as novidades que na poca dos descobrimentos os portugueseslevavam da sia, enfeites de papel, bales de ar quente e plvora por exemplo. Embora osbales tenham sido proibidos em muitos lugares do Brasil, eles so usados na cidade doPorto em Portugal com muita abundncia e o cu se enche com milhares deles durante todaa noite. No Brasil, recebeu o nome de junina (chamada inicialmente de joanina, de So Joo),porque acontece no ms de junho. Alm de Portugal, a tradio veio de outros pases 6. europeus cristianizados dos quais so oriundas as comunidades de imigrantes, chegados apartir de meados do sculo XIX. Ainda antes, porm, a festa j tinha sido trazida para oBrasil pelos portugueses e logo foi incorporada aos costumes das populaes indgenas eafro-brasileiras. A festa de So Joo brasileira tpica da Regio Nordeste. Por ser uma regio rida, oNordeste agradece anualmente a So Joo, mas tambm a So Pedro, pelas chuvas cadasnas lavouras. Em razo da poca propcia para a colheita do milho, as comidas feitas demilho integram a tradio, como a canjica e a pamonha. O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos chamado de arraial, um largoespao ao ar livre cercado ou no e onde barracas so erguidas unicamente para o evento,ou um galpo j existente com dependncias j construdas e adaptadas para a festa.Geralmente o arraial decorado com bandeirinhas de papel colorido, bales e palha decoqueiro ou bambu. Nos arraiais acontecem as quadrilhas, os forrs, leiles, bingos e oscasamentos matutos.Locais Estes arraiais so muito comuns em Portugal e no so exclusivos do So Joo, soparte da tradio popular em geral. Nessas festas podemos encontrar imensas semelhanastanto no Brasil como em Portugal, mas no s. Na frica e na sia, Macau, ndia, Malsia,na Comunidade Cristang, os portugueses deixaram essa tradio dos santos populares bemmarcada.Atualmente, os festejos ocorridos em cidades plos do Norte e Nordeste do impulso economia local. Citem-se, como exemplo, Caruaru em Pernambuco; Campina Grande na Paraba; Amargosa, Cruz das Almas, Piritiba e Senhor do Bonfim na Bahia, na Mossor no Rio Grande do Norte; Macei em Alagoas; Recife em Pernambuco; Aracaju em Sergipe; Juazeiro do Norte no Cear; e Camet no Par. Alm disso, tambm existem nas pequenas cidades, festasmais tradicionais como Cruz das Almas, Ibicu, Jequi e Euclides da Cunha na Bahia. Asduas primeiras cidades disputam o ttulo de Maior So Joo do Mundo, embora Caruaruesteja consolidada no Guinness Book, categoria festa country (regional) ao ar livre. Almdisso, Juazeiro do Norte no Cear e Mossor no Rio Grande do Norte disputam o terceirolugar de maior so joo do mundo.Frana A "Fte de Saint-Jean" (Festa de So Joo), tal como no Brasil e em Portugal, comemorada no dia 24 de junho e tem como maior caracterstica a fogueira. Em certosmunicpios franceses, uma alta fogueira erigida pelos habitantes em honra a So JooBatista. Trata-se de uma festa catlica, embora ainda sejam mantidas tradies pags queoriginaram a festa. Na regio de Vosges, a fogueira chamada "chavande".Polnia As tradies juninas da Polnia esto associadas principalmente com as regies daPomernia e da Casbia, e a festa comemorada dia 23 de junho, chamadalocalmente Noc witojaska"(Noite de So Joo). A festa dura todo o dia, comeandos 8h da manh e varando a madrugada. De maneira anloga festa brasileira, uma dascaractersticas mais marcantes o uso de fantasias, no entanto no de trajes camponesescomo no Brasil, mas de vestimentas de piratas. Fogueiras so acesas para marcar a 7. celebrao. Em algumas das grandes cidades polonesas como Varsvia e Cracvia esta festafaz parte do calendrio oficial da cidade.Ucrnia A festa de Ivana Kupala (Joo Batista) conhecida como a mais importante de todas asfestas ucranianas de origem pag, e vai desde 23 de junho at 6 de julho. um rito decelebrao pelo vero, que foi absorvido pela Igreja Ortodoxa. Muitos dos rituais das festasjuninas ucranianas esto relacionados com o fogo, a gua, fertilidade e auto-purificao. Asmoas, por exemplo, colocam guirlandas de flores na gua dos rios para dar sorte. bastante comum tambm pular as chamas das fogueiras. As festas juninas eslavasinspiraram o compositor Modest Mussorgsky para sua famosa obra "Noite no MonteCalvo"...Sucia As festas juninas da Sucia (Midsommarafton) so as mais famosas do mundo. considerada a festa nacional sueca por excelncia, comemorada ainda mais que o Natal.Ocorre entre os dias 20 e 26 de junho, sendo a sexta-feira o dia mais tradicional. Uma dascaractersticas mais tradicionais so as danas em crculo ao redor do majstngen, ummastro colocado no centro da aldeia. Quando o mastro erigido, so atiradas flores efolhas. Tanto o majstngen sueco (mastro de maio) como o mastro de So Joo brasileirotm as suas origens no "mastro de maio" dos povos germnicos. Durante a festa, so cantados vrios cnticos tradicionais da poca e as pessoas sevestem de maneira rural, tal como no Brasil. Por acontecer no incio do vero, so comunsas mesas cheias de alimentos tpicos da poca, como o morangos e as batatas. Tambm sotradicionais as simpatias, sendo a mais famosa a das moas que constroem buqus de seteou nove flores de espcies diferentes e colocam sob o travesseiro, na esperana de sonharcom o futuro marido. No passado, acreditava-se que as ervas colhidas durante esta festaseriam altamente poderosas, e a gua das fontes dariam boa sade. Tambm nesta poca,decoram-se as casas com arranjos de folhas e flores, segundo a superstio, para trazer boasorte. Durante este feriado, as grandes cidades suecas, como Estocolmo e Gotemburgotornam-se desertas, pois as pessoas viajam para suas casas de veraneio para comemorar afesta. As Maldies das Festas JuninasA Bblia diz : " ...que no comam comidas oferecidos aos dolos" Atos 15:20" ... aqueles que oferecem alimentos a estes dolos, esto unidos no sacrifcio aos demnios,e no a Deus, no quero que sejais participantes com os demnios." I Cor. 10:20" ... no podeis beber o clice do Senhor (Santa Ceia) e o clice dos demnios : no podeisser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demnios" I Cor. 10:21 8. "... mas se algum disser: esta comida foi oferecida aos dolos, no comais, por causadaquele que vos advertiu, e por causa da conscincia." I Cor. 10:28 As FESTAS JUNINAS tm este nome por serem realizadas no ms de Junho. Cadafesta tem um fim especfico:1.FOLCLORE Folclore o conjunto de tradies, lendas e crenas de uma regio expressas emcanes, provrbios e contos. Seu objetivo divulgar as tradies dos antepassados. As Escolas, "em nome da cultura", incentivam esta festa por meio de trabalhosescolares, tarefas, etc... A criana que no tem como se defender aceita esta festa, pois sesente na obrigao de respeitar a professora que lhe impe estes trabalhos escolares (sobrefesta Junina), e em alguns casos ameaada com notas baixas - a professora, na maioriadas vezes, devota de algum santo, simpatizante ou praticante da religio Catlica, que amaior divulgadora desta festa. Neste momento de mescla entre folclore e religio, a criana-inocente por natureza - rapidamente se envolve com as msicas, brincadeiras, comidas edoces. Alis, no existiria esta festa no fosse a religio. Inclusive existe a competio entreclubes, famlias ou grupos para realizarem a maior ou a melhor festa junina da rua, dobairro, da fazenda, stio, etc...2. RELIGIOSO A maioria destas festas realizada para se pagarem ou fazerem promessas a algumsanto ou padroeiro (protetor) cuja data seja celebrada na referida poca -Santo Antnio,So Pedro, So Joo e outros mais. A Igreja Catlica incentivadora -da o teor religioso dafesta Junina, pois nestas festas ocorrem rezas, canes e missas; as comidas e doces sooferecidos a estes santos -claro que os que comem no so os santos, mas os que participamdesta festa. Este procedimento de "oferecer comida aos santos" muito parecido aosdespachos espritas nos cemitrios e encruzilhadas; talvez a diferena seja o localda "festa".REFUTAO1.FOLCLORE O Brasil o maior pas agrcola do mundo. At conhecemos aquela frase elogiando asterras brasileiras, nas quais "... em se plantando tudo d". No entanto (pasmem), ogoverno est importando (isto , comprando) de outros pases arroz, feijo, trigo, caf,cacau. Era para estar exportando, vendendo, aumentando o capital, e no comprando, poistemos terras deexcelente qualidade. Um dos problemas da falta de produo agrcola adesvalorizao do "homem do campo", que humilhado nas festas juninas, em suasdanas de quadrilhas, e tido como um coitado. Pergunto: que criana diria "quandocrescer quero ser um caipira, ou homem do campo, com as roupasremendadas, na misria"? As crianas querem ser mdicos, professoras, atrizes, poisestes no so humilhados nas festas juninas. As Festas Juninas so para humilhar aspessoas do campo; o caipira, quando no banguela, desdentado, seu andar torto, 9. corcunda por causa da enxada, a botina furada, suas roupas so rasgadas e remendadas,uma aluso ao espantalho! - pois talvez seja assim que os grandes latifundirios vem ocaipira, e essa viso reproduzida por nossas crianas nas Escolas. Se isto FOLCLORE,CULTURA, no quero; agradeo; se lambuzem os que gostam de humilhar os outros. ABblia diz que "o que escarnece (humilha) do pobre insulta ao que o criou" (Pv.17:5). Disso decorrem problemas urbanos graves como o favelamento e os menoresabandonados, pois como os "caipiras" no conseguem sobreviver no campo, pensam quena cidade encontraro trabalho. A esse processo d-se o nome de "xodo Rural". E onosso pas agrcola desmatado, onde s se planta pasto para boi gordo, e expulsa ohomem do campo, o caipira das festas juninas.2. RELIGIOSO Esta escrito que "h um s Mediador entre Deus e os homens, JesusCristo" (I Tm 2:5). Se pudermos pedir diretamente a Deus, por meio do Senhor JesusCristo, o nico MEDIADOR, no precisamos pedir ou louvar aos santos, pois s Deus onico digno de receber todo louvor. No temos nada contra os santos - pelo contrrio, SoPaulo, So Pedro, So Joo e outros nos deixaram epstolas, evangelhos e doutrinas. ABblia contra a venerao das pessoas dos santos, que so humanos mortais. O prprioSo Paulo recusou adorao (At 14:11-15). Quando adoramos a Deus, somos abenoados; os que adoram aos dolos, soamaldioados. Aqueles que participam da Festa Junina, alm de humilhar e escarnecer dohomem do campo, amaldioado pelos demnios que recebem as comidas, doces e danas.Pois est escrito que"... aqueles que oferecem alimentos a estes dolos esto unidos no sacrifcio aos demnios,e no a Deus, no quero que sejais participantes com os demnios". (I Co 10:20). Festas Juninas, Santos e DanasI - Festas JuninasAs Festas Juninas, so tradicionalmente homenagens a trs santos catlicos, so eles:Santo Antonio, So Joo, So Pedro e So Paulo . A seguir, veja como surgiu taiscomemoraes.O calendrio das festas catlicas marcado por diversas comemoraes de dias desantos. As comemoraes de cunho religioso foram apropriadas de tal forma pelo povobrasileiro que ele transformou o Carnaval - ritual de folia que marca o incio da Quaresma,perodo que vai da quarta-feira de Cinzas ao domingo de Pscoa - em uma das maioresexpresses festivas do Brasil no decorrer do sculo XX. Do mesmo modo, as comemoraesde So Joo (24 de junho) fazem parte de um ciclo festivo que passou a ser conhecido comofestas juninas e homenageia, alm desse, outros santos reverenciados em junho: SantoAntnio (dia 13) e So Pedro e So Paulo (dia 29). Se pesquisarmos a origem dessasfestividades, perceberemos que elas remontam a um tempo muito antigo, anterior aosurgimento da era crist. De acordo com o livro O Ramo de Ouro, de sir James GeorgeFrazer, o ms de junho, tempo do solstcio de vero (no dia 21 ou 22 de junho o Sol, aomeio-dia, atinge seu ponto mais alto no cu, esse o dia mais longo e a noite mais curta doano) no Hemisfrio Norte, era a poca do ano em que diversos povos - celtas, bretes,bascos, sardenhos, egpcios, persas, srios, sumrios - faziam rituais de invocao de 10. fertilidade para estimular o crescimento da vegetao, promover a fartura nas colheitas etrazer chuvas. No Hemisfrio Norte, as quatro estaes do ano so demarcadasnitidamente; na regio equatorial e nas tropicais do Hemisfrio Sul, o movimento cclicoalterna o perodo de chuva e o de estiagem, mas ainda assim o ciclo vegetativo pode serobservado da mesma maneira - alterao na colorao e perda das folhas, seca erenascimento.O que ocorre com a natureza algo semelhante saga de Tamuz e Adnis,que submergem do mundo subterrneo e retornam todos os anos para viver com suasamadas Istar e Afrodite e com elas fertilizar a vida.Com o cultivo da terra pelo homem,surgiram os rituais de invocao de fertilidade para ajudar o crescimento das plantas eproporcionar uma boa colheita.Na Grcia, por exemplo, Adnis era considerado o espritodos cereais. Entre os rituais mais expressivos que o homenageavam esto os jardins deAdnis: na primavera, durante oito dias, as mulheres plantavam em vasos ou cestossementes de trigo, cevada, alface, funcho e vrios tipos de flores. Com o calor do sol, asplantas cresciam rapidamente e, como no tinham razes, murchavam ao final dos oito dias,quando ento os pequenos jardins eram levados, juntamente com as imagens de Adnismorto, para ser lanados ao mar ou em outras guas.Os rituais de fertilidade perduraramatravs dos tempos. Na era crist, mesmo que fossem considerados pagos, no era maispossvel acabar com eles. Segundo Frazer, por esse motivo que a Igreja Catlica, em vez deconden-los, os adapta s comemoraes do dia de So Joo, que teria nascido em 24 dejunho, dia do solstcioNa Europa, os festejos do solstcio de vero foram adaptados cultura local, de modo que em Portugal foi includa a festa de Santo Antnio de Lisboa oude Pdua, em 13 de junho. E a tradio crist completou o ciclo com os festejos de SoPedro e So Paulo, ambos apstolos da maior importncia, homenageados em 29 dejunho.Quando os portugueses iniciaram o empreendimento colonial no Brasil, a partir de1500, as festas de So Joo eram ainda o centro das comemoraes de junho. Algunscronistas contam que os jesutas acendiam fogueiras e tochas em junho, provocando grandeatrao sobre os indgenas.Mesmo que no Brasil essa poca marcasse o incio do inverno,ela coincidia com a realizao dos rituais mais importantes para os povos que aqui viviam,referentes s colheitas e preparao dos novos plantios. O perodo que vai de junho asetembro a poca da seca em muitas regies do Brasil, quando os rios esto baixos e o solopronto para enfrentar o plantio, que segue a seqncia: derrubada da mata, queima dasramagens para limpar o terreno e adub-lo com as cinzas e plantio. a tcnica da coivara,to difundida entre os povos do continente americano.Nessa poca os roados velhos, doano anterior, ainda esto em pleno vigor, repletos de mandioca, car, inhame, batata-doce,banana, abbora, abacaxi, e a colheita de milho, feijo e amendoim ainda se encontra emperodo de consumo. Esse um tempo bom para pescar e caar. Uma srie ritual, que duratodo o perodo, inclui um conjunto muito variado de festas que congregam as comunidadesindgenas em danas, cantos, rezas e muita fartura de comida. Deve-se agradecer aabundncia, reforar os laos de parentesco (as festas so uma tima ocasio para alianasmatrimoniais), reverenciar as divindades aliadas e rezar forte para que os espritosmalignos no impeam a fertilidade. O ato de atear fogo para limpar o mato, alm defertilizar o solo, serve principalmente para afastar esses espritos malignos.Houve,portanto, certa coincidncia entre o propsito catlico de atrair os ndios ao convviomissionrio catequtico e as prticas rituais indgenas, simbolizadas pelas fogueiras de SoJoo. Talvez seja por causa disso que os festejos juninos tenham tomado as propores e aimportncia que adquiriram no calendrio das festas brasileiras.As relaes familiares eramcomplementadas pela instituio do compadrio, que servia para integrar outras pessoas famlia, estreitando assim os laos entre vizinhos e entre patres e empregados. At mesmoos escravos podiam ser apadrinhados pelos senhores de terra. Havia duas formas principais 11. de tornar-se compadre e comadre, padrinho e madrinha: uma era, e ainda , atravs dobatismo; a outra, atravs da fogueira. Nas festas de So Joo, os homens, principalmente,formavam duplas de compadres de fogueira: ficavam um de cada lado da fogueira edeveriam pular as brasas dando-se as mos em sentido cruzado. Os laos de compadrioeram muito importantes, pois os padrinhos podiam substituir os pais na ausncia ou namorte destes, os compadres integravam grupos de cooperao no trabalho agrcola e osafilhados eram devedores de obrigaes para com os padrinhos. A instituio beneficiava ospatres, que tinham um squito de compadres e afilhados leais tanto nas relaes detrabalho como nas campanhas polticas, quando se beneficiavam do voto de cabresto. Hojeas festas juninas possuem cor local. De acordo com a regio do pas, variam os tipos dedana, indumentria e comida. A tnica a fogueira, o foguetrio, o milho, a pinga, omastro e as rezas dos santos. No Nordeste sertanejo, o So Joo comemorado nos stios,nas parquias, nos arraiais, nas casas e nas cidades. A importncia dessa festa pode seravaliada pelo nmero de nordestinos e turistas que escolhem essa poca do ano para sair defrias e participar dos festejos juninos. Na Amaznia cabocla, a tradio de homenagear ossantos possui um calendrio que tem incio em junho, com Santo Antnio, e termina emdezembro, com So Benedito. Cada comunidade homenageia seus santos preferidos epadroeiros, com destaque para os santos juninos. So festas de arraial que comeam nodcimo dia depois das novenas e nas quais esto presentes as fogueiras, o foguetrio, omastro, os banhos, muita comida e folia. A tradio caipira, especialmente a do Sudeste doBrasil, caracteriza-se pelas festas realizadas em terreiros rurais, onde no faltam oselementos tpicos dos trs santos de junho. Mas elas tambm se espalharam pelas cidades ehoje as festas juninas acontecem, principalmente, em escolas, clubes e bairros. Como emoutras partes do Brasil, o calendrio das festas paulistas destaca os rodeios e as festas depeo boiadeiro como eventos ou espetculos mais importantes, que se realizam de maro adezembro. As festas juninas, com maior ou menor destaque, ainda so realizadas em todasas regies do Brasil e representam uma das manifestaes culturais brasileiras maisexpressivasII - Santos JuninosOs trs Santos Principais: Sto Antonio, So Joo e So PedroHistria e Lendas Catlica sobre estes santos.Santo Antnio Festejado no dia 13 de junho, Santo Antnio um dos santos de maior devoopopular tanto no Brasil como em Portugal. Fernando de Bulhes nasceu em Lisboa em 15de agosto de 1195 e faleceu em Pdua, na Itlia, em 13 de junho de 1231. Recebeu o nome deAntnio ao passar, em 1220, da Ordem de Santo Agostinho para a Ordem de So Franciscoe conhecido como Santo Antnio de Lisboa ou Santo Antnio de Pdua.Santo Antnio eraadmirado por seus dotes de timo orador, pois quando pregava a palavra de Deus ela eraentendida at mesmo por estrangeiros. por assim dizer o"santo dos milagres", comoafirmou o padre Antnio Vieira em um sermo de 1663 realizado no Maranho:"Se vos adoece o filho, Santo Antnio; se vos foge um escravo, Santo Antnio; se requereis odespacho, Santo Antnio; se aguardais a sentena, Santo Antnio; se perdeis a menormiudeza de vossa casa, Santo Antnio; e, talvez se quereis os bens alheios, Santo Antnio". 12. o santo familiar e protetor dos varejistas em geral, por isso comum encontrar suafigura em estabelecimentos comerciais. tambm o padroeiro das povoaes e dossoldados, pois enfrentou em vida aventuras guerreiras como soldado portugus.Sua influncia marcante entre o povo brasileiro. Seus devotos, em geral, no tm emcasa uma imagem grande do santo e preferem levar no bolso uma pequena para se proteger. a ele que as moas ansiosas pedem um noivo. A prtica de colocar o santo de cabea parabaixo no sereno, amarrada num esteio, ou de jog-lo no fundo do poo at que o pedido sejaatendido, por exemplo, bastante comum entre os devotos.Em homenagem a SantoAntnio, geralmente realizam-se duas espcies de rezas e festas: os responsos, quando ele invocado para achar objetos perdidos, e a trezena, cerimnia que se prolonga com cnticos,foguetrio e comes e bebes de 1 a 13 de junho de cada ano.O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antnioe So Joo, quase familiar: cheio de intimidades, chega a ser, por vezes, irreverente,debochado e quase obsceno. Esse carter fica bastante evidente quando se entra em contatocom as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos feitos a esses santos. Os objetos utilizadosnas simpatias e adivinhaes devem ser virgens, ou seja, estar sendo usados pela primeiravez, seno nada de a simpatia funcionar!Nos primeiros treze dias de junho, os devotos de Santo Antnio rezam as trezenas como intuito de alcanar graas atravs da sua interveno ou de agradecer um milagre que osanto tenha realizado.So JooJoo Batista, primo de Jesus Cristo, nasceu no dia 24 de junho, alguns anos antes deseu primo Jesus Cristo, e morreu em 29 de agosto do ano 31 d.C., na Palestina. Foi degoladopor ordem de Herodes Antipas a pedido de sua enteada Salom, pois a pregao do filho deSanta Isabel e So Zacarias incomodava a moral da poca. Antes mesmo de Jesus, JooBatista j pregava publicamente s margens do Rio Jordo. Ele instituiu, pela prtica depurificao atravs da imerso na gua, o batismo, tendo inclusive batizado o prprio Cristonas guas desse rio.So Joo ocupa papel de destaque nas festas, pois, dentre os santos de junho, foi eleque deu ao ms o seu nome (ms de So Joo) e em sua homenagem que se chamam"joaninas" as festas realizadas no decurso dos seus trinta dias. O dia 23 de junho, vsperado nascimento de So Joo e incio dos festejos, esperado com especial ansiedade.Segundo Frei Vicente do Salvador, um dos primeiros brasileiros a escrever a histria de suaterra, j no ano de 1603 os ndios acudiam a todos os festejos portugueses, em especial osde So Joo, por causa das fogueiras e capelas.So Joo muito querido por todos, sem distino de sexo nem de idade. Moas,velhas, crianas e homens o fazem de orculo nas adivinhaes e festejam o seu dia comfogos de artifcio, tiros e bales coloridos, alm dos banhos coletivos de madrugada.Acende-se uma fogueira porta de cada casa para lembrar a fogueira que Santa Isabelacendeu para avisar Nossa Senhora do nascimento do seu filho.So Joo, segundo a tradio, adormece no seu dia, pois se estivesse acordado vendoas fogueiras que so acesas para homenage-lo no resistiria: desceria Terra e ela correriao risco de incendiar-se. A Lenda do surgimento da fogueira: Dizem que Santa Isabel era muito amiga deNossa Senhora e, por isso, costumavam visitar-se. Uma tarde, Santa Isabel foi casa deNossa Senhora e aproveitou para contar-lhe que dentro de algum tempo nasceria seu filho,que se chamaria Joo Batista.Nossa Senhora ento perguntou: 13. __ Como poderei saber do nascimento dessa criana? __ Vou acender uma fogueira bem grande; assim voc poder v-la de longe e saberque Joo nasceu. Mandarei tambm erguer um mastro com uma boneca sobre ele. Santa Isabel cumpriu a promessa. Certo dia Nossa Senhora viu ao longe umafumaceira e depois umas chamas bem vermelhas. Foi casa de Isabel e encontrou o meninoJoo Batista, que mais tarde seria um dos santos mais importantes da religio catlica. Issose deu no dia 24 de junho. A Lenda das bombas de So Joo: Antes de So Joo nascer, seu pai, SoZacarias, andava muito triste por no ter filhos. Certa vez, um anjo de asas coloridas,envolto em uma luz misteriosa, apareceu frente de Zacarias e anunciou que ele seria pai. Aalegria de Zacarias foi to grande que ele perdeu a voz desse momento em diante. No dia donascimento do filho, perguntaram a Zacarias como a criana se chamaria. Fazendo umgrande esforo, ele respondeu "Joo" e a partir da recuperou a voz. Todos fizeram umbarulho enorme. Eram vivas para todos os lados. Vem da o costume de as bombinhas, to apreciadas pelas crianas, fazerem parte dosfestejos juninos A festa de So Joo: Em festa de So Joo, na maioria das regies brasileiras, nofaltam fogos de artifcio, fogueira, muita comida (o bolo de So Joo, principalmente nosbairros rurais, essencial), bebida e danas tpicas de cada localidade. No Nordeste, por exemplo, essa festa to tradicional que no dia 23 de junho, depoisdo meio-dia, em algumas localidades ningum mais trabalha. Enfeitam-se stios, fazendas eruas com bandeirolas coloridas para a grande festa da vspera de So Joo. Prepara-se alenha para a grande fogueira, onde sero assados batata-doce, mandioca, cebola do reino emilho. Em torno dela sentam-se os familiares de sangue e de fogueira. O formato da fogueira varia de lugar para lugar: pode ser quadrada, piramidal,empilhada Quanto mais alta, maior o prestgio de quem a armou. Os bales levam,segundo os devotos, os pedidos para o santo. Quando a fogueira comea a queimar, omastro, que recebeu a bandeira do santo homenageado, j se encontra preparado. Ele levantado enquanto se fazem preces, pedidos e simpatias. Depois do levantamento do mastro, tem incio a queima de fogos, soltam-se os busca-ps e as bombinhas. A arvorezinha, tambm chamada de mastro, que plantada em frentes casas e, no lugar da festa, plantada perto da fogueira, est enfeitada com laranja, milhoverde, coco, presentes, garrafas, etc. A cerimnia do banho varia de uma regio para outra. No Mato Grosso, porexemplo, no so as pessoas que se banham nos rios, e sim a imagem do santo. Na RegioNorte, principalmente em Belm e Manaus, o banho-de-cheiro faz parte das tradiesjuninas. A preparao do banho de So Joo inicia-se alguns dias antes da festa. Trevos,ervas e cips so pisados, razes e paus so ralados dentro de uma bacia ou cuia com gua edepois guardados em garrafas at o momento do banho. Chegada a hora da cerimnia, osdevotos lavam e esfregam o corpo com esses ingredientes. Acredita-se que o banho-de-cheiro tenha o poder mgico de trazer muita felicidade s pessoas que o praticam. As danas regionais, o som de violas, rabecas e sanfonas, o banho do santo, o ato depular a fogueira, a fartura de alimentos e bebidas - tudo isso transforma a festa de So Joonuma noite de encantamento que inspira amores e indica a sorte de seus participantes. Nofim da festa, todos pisam as brasas da fogueira para demonstrar sua devoo.So Pedro So Pedro, o apstolo e o pescador do lago de Genezareth, cativa seus devotos pelahistria pessoal. Homem de origem humilde, ele foi apstolo de Cristo e depois encarregado 14. de fundar a Igreja Catlica, tendo sido seu primeiro papa. Considerado o protetor das vivas e dos pescadores, So Pedro festejado no dia 29 dejunho com a realizao de grandes procisses martimas em vrias cidades do Brasil. Emterra, os fogos e o pau-de-sebo so as principais atraes de sua festa. Depois de sua morte, So Pedro, segundo a tradio catlica, foi nomeado chaveiro docu. Assim, para entrar no cu, necessrio que So Pedro abra as portas. Tambm lhe atribuda a responsabilidade de fazer chover. Quando comea a trovejar, e as crianaschoram com medo, costume acalm-las dizendo: " a barriga de So Pedro que estroncando" ou "ele est mudando os mveis de lugar". No dia de So Pedro, todos os que receberam seu nome devem acender fogueiras naporta de suas casas. Alm disso, se algum amarrar uma fita no brao de algum chamadoPedro, ele tem a obrigao de dar um presente ou pagar uma bebida quele que o amarrou,em homenagem ao santo. A festa de So Pedro: Em homenagem ao santo, acendem-se fogueiras, erguem-semastros com sua bandeira e queimam-se fogos, porm no h na noite de 29 de junho amesma empolgao presente na festa de So Joo. Tambm se fazem procisses terrestres, organizadas pelas vivas, e fluviais, pois,como vimos, So Pedro o protetor dos pescadores e das vivas. Em vrias regies doBrasil, a brincadeira mais comum na festa a do pau-de-sebo. Embora So Paulo tambm seja homenageado em 29 de junho, ele no figura dedestaque nas festividades desse ms.III - Danas JuninasAmados Pais, servos do Senhor: relativamente comum os colgios (empresas ou associaes) exigirem queparticipemos ou que nossos filhos, participem das Festas Juninas que so programadas, emespecial, que sejam ativos participantes nas danas de quadrilha. luz da Palavra doSenhor, incompatvel com nossos princpios de f e condio de servos do Eterno.Este relato sobre as Festas Juninas, no deixa a menor dvida que ela uma festadedicada a santos Catlicos e toda e qualquer participao do Povo de Deus, umadesobedincia aos Seus mandamentos."No se juntem com os descrentes para trabalharem com eles. Como que o certo e oerrado podem ser companheiros? Como podem viver juntas a luz e a escurido? Comopodem Cristo e o diabo estar de acordo? O que que um cristo e um descrente tm emcomum? Que relao pode haver entre o Templo de Deus e os dolos pagos? Pois nssomos o templo do Deus vivo." ( 2Co 6:14-16)Veja a descrio de algumas danas relacionadas s Festas Juninas:Quadrilha Tambm chamada de quadrilha caipira ou de quadrilha matuta, muito comum nasfestas juninas. Consta de diversas evolues em pares e aberta pelo noivo e pela noiva,pois a quadrilha representa o grande baile do casamento que hipoteticamente se realizou. Esse tipo de dana (quadrille) surgiu em Paris no sculo XVIII, tendo como origem acontredanse franaise, que por sua vez uma adaptao da country danse inglesa, segundoos estudos de Maria Amlia Giffoni.A quadrilha foi introduzida no Brasil durante aRegncia e fez bastante sucesso nos sales brasileiros do sculo XIX, principalmente no Riode Janeiro, sede da Corte. Depois desceu as escadarias do palcio e caiu no gosto do povo, 15. que modificou suas evolues bsicas e introduziu outras, alterando inclusive a msica.A sanfona, o tringulo e a zabumba so os instrumentos musicais que em geralacompanham a quadrilha. Tambm so comuns a viola e o violo.O marcador, ou "marcante", da quadrilha desempenha papel fundamental, pois eleque d a voz de comando em francs no muito correto misturado com o portugus e dirigeas evolues da dana. Hoje, dana-se a quadrilha apenas nas festas juninas e emcomemoraes festivas no meio rural. A quadrilha mais comum no Brasil sertanejo ecaipira, mas tambm danada em outras regies de maneira muito prpria, caso de Belmdo Par, onde h mistura com outras danas regionais. Ali, h o comando do marcador edurante a evoluo da quadrilha dana-se o carimb, o xote, o siri e o lundum, semprecom os trajes tpicos.Trajes usados na danaNo fim do sculo XIX as damas que danavama quadrilha usavam vestidos at os ps, sem muita roda, no estilo bluso, com gola alta,cintura marcada, mangas "presunto" (como so?) e botinas de salto abotoadas do lado.Os cavalheiros vestiam palet at o joelho, com trs botes, colete, calas estreitas, camisade colarinho duro, gravata de lao e botinas.Hoje em dia, na tradio rural brasileira, o vesturio tpico das festas juninas nodifere do de outras festas: homens e mulheres usam suas melhores roupas. Nos centrosurbanos, h uma interpretao do vesturio caipira ou sertanejo baseada no hbito deconfeccionar roupas femininas com tecido de chita florido e as masculinas com tecidos dealgodo listrados e escuros. Assim, as roupas usadas para danar a quadrilha variamconforme as caractersticas culturais de cada regio do pas. Os trajes mais comuns so: para os cavalheiros, camisa de estampa xadrez, comimitao de remendos na cala e na camisa, chapu de palha, talvez um leno no pescoo ebotas de cano; as damas geralmente usam vestidos com estampas florais, de cores fortes,com babados e rendas, mangas bufantes e laarotes no cabelo ou chapu de palha. Fandango: Danado em vrias regies do pas em festividades catlicas como o Natale as festas juninas, o fandango tem sentidos diferentes de acordo com a localidade. No Sul(Paran, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e at em So Paulo) o fandango um baile comvrias danas regionais: anu, candeeiro, caranguejo, chimarrita, chula, marrafa, peric,quero-quero, cana-verde, marinheiro, polca etc. A coreografia no improvisada e segue atradio. Bumba-meu-boiDana dramtica presente em vrias festividades, como o Natal eas festas juninas, o bumba-meu-boi tem caractersticas diferentes e recebe inclusivedenominaes distintas de acordo com a localidade em que apresentado: no Piau e noMaranho, chama-se bumba-meu-boi; na Amaznia, boi-bumb; em Santa Catarina, boi-de-mamo; no Recife, o boi-calemba e no Estado do Rio de Janeiro, folguedo-do-boi.O enredo da dana o seguinte: uma mulher chamada Me Catirina, que est grvida,sente vontade de comer lngua de boi. O marido, Pai Francisco, resolve atender ao desejo damulher e mata o primeiro boi que encontra. Logo depois, o dono do boi, que era o patro dePai Francisco, aparece e fica muito zangado ao ver o animal morto. Para consertar asituao, surge um curandeiro, que consegue ressuscitar o boi. Nesse momento, todos sealegram e comeam a brincar.Os participantes do bumba-meu-boi danam e tocam instrumentos enquanto aspessoas que assistem se divertem quando o boi ameaa correr atrs de algum. O boi doespetculo feito de papelo ou madeira e recoberto por um pano colorido. Dentro dacarcaa, algum faz os movimentos do boi. Lundu (lundum/londu/landu)De origemafricana, o lundu foi trazido para o Brasil pelos escravos vindos principalmente de Angola.Nessa dana, homens e mulheres, apesar de formar pares, danam soltos.A mulher dana no lugar e tenta seduzir com seus encantos o parceiro. A princpio elademonstra certa indiferena, mas, no desenrolar da dana, passa a mostrar interesse pelo 16. rapaz, que a seduz e a envolve. Nesse momento, os movimentos so mais rpidos e revelama paixo que passa a existir entre os danarinos. Logo o cavalheiro passa a provocar outradama e o lundu recomea com a mesma vivacidade.O lundu executado com o estalar dos dedos dos danarinos, castanholas e sapateado,alm do canto acompanhado por guitarras e violes. Em geral a msica executada comocompasso binrio, com certo predomnio de sons rebatidos.Essa dana tpica das festas juninas nos estados do Norte (como parte da quadrilhatradicional e independente desta), Nordeste e Sudeste do BrasilCateret Dana rural do Sul do pas, o cateret foi introduzido pelos jesutas nascomemoraes em homenagem a Santa Cruz, So Gonalo, Esprito Santo, So Joo eNossa Senhora da Conceio. uma dana bastante difundida nos estados de So Paulo,Rio de Janeiro e Minas Gerais e tambm est presente nas festas catlicas do Par, Mato-Grosso e Amazonas.Nas zonas litorneas, geralmente danado com tamancos de madeira dura. Nointerior desses estados, os danarinos danam descalos ou usam esporas nos sapatos. Emalgumas cidades o cateret conhecido como catira.Em geral, o cateret danado apenas por homens, porm em alguns estados, comoMinas Gerais, as mulheres tambm participam da dana. Os danarinos formam duasfileiras, com acompanhamento de viola, cantos, sapateado e palmas. Os saltos e a formaoem crculo aparecem rapidamente. Os danarinos no cantam, apenas batem os ps e asmos e acompanham a evoluo. As melodias so cantadas por dois violeiros, o mestre, quecanta a primeira voz, e o contramestre, que faz a segunda. A Verdade Sobre Festas Juninas Existe no decorrer do ano, diversas datas que so definidas como feriado, seja,municipal, estadual ou nacional. Mas, h uma questo muito sria que encontra-se por trsde alguns destes feriados, so dias santos, por conseqncia consagrado h algumaentidade venerada por multides; isso uma forma de devotar louvor ou venerao apersonagens declarados como santos (1Co 10.19,20).As comemoraes de So Joo fazem parte de um ciclo festivo que passou a serconhecido como festas juninas e homenageia santos reverenciados em junho: SantoAntnio, So Joo, So Pedro e So Paulo . Se pesquisarmos a origem dessas festividades, perceberemos que elas remontam a umtempo muito antigo, anterior ao surgimento da era crist. De acordo com o livro O Ramo deOuro, de sir James George Frazer, o ms de junho, tempo do solstcio de vero (no dia 21 ou22 de junho o Sol, ao meio-dia, atinge seu ponto mais alto no cu, esse o dia mais longo ea noite mais curta do ano) no Hemisfrio Norte, era a poca do ano em que diversos povos -celtas, bretes, bascos, sardenhos, egpcios, persas, srios, sumrios - faziam rituais deinvocao de fertilidade para estimular o crescimento da vegetao, promover a fartura nascolheitas e trazer chuvas.No Hemisfrio Norte, as quatro estaes do ano so demarcadas nitidamente; naregio equatorial e nas tropicais do Hemisfrio Sul, o movimento cclico alterna o perodode chuva e o de estiagem, mas ainda assim o ciclo vegetativo pode ser observado da mesmamaneira - alterao na colorao e perda das folhas, seca e renascimento. O que ocorre com a natureza algo semelhante saga de Tamuz e Adnis, quesubmergem do mundo subterrneo e retornam todos os anos para viver com suas amadasIstar e Afrodite e com elas fertilizar a vida. Com o cultivo da terra pelo homem, surgiram os rituais de invocao de fertilidade 17. para ajudar o crescimento das plantas e proporcionar uma boa colheita. Os rituais de fertilidade perduraram atravs dos tempos. Na era crist, mesmo quefossem considerados pagos, no era mais possvel acabar com eles. Segundo Frazer, poresse motivo que a Igreja Catlica, em vez de conden-los, os adapta s comemoraes dodia de So Joo, que teria nascido em 24 de junho, dia do solstcio Quando os portugueses iniciaram o empreendimento colonial no Brasil, a partir de1500, as festas de So Joo eram ainda o centro das comemoraes de junho. Algunscronistas contam que os jesutas acendiam fogueiras e tochas em junho, provocando grandeatrao sobre os indgenas. As relaes familiares eram complementadas pela instituio do compadrio, que serviapara integrar outras pessoas famlia, estreitando assim os laos entre vizinhos e entrepatres e empregados. At mesmo os escravos podiam ser apadrinhados pelos senhores deterra. Havia duas formas principais de tornar-se compadre e comadre, padrinho e madrinha:uma era, e ainda , atravs do batismo; a outra, atravs da fogueira. Nas festas de So Joo,os homens, principalmente, formavam duplas de compadres de fogueira: ficavam um decada lado da fogueira e deveriam pular as brasas dando-se as mos em sentido cruzado. Hoje as festas juninas possuem cor local. De acordo com a regio do pas, variam ostipos de dana, indumentria e comida. A tnica a fogueira, o foguetrio, o milho, a pinga,o mastro e as rezas dos santos. No Nordeste sertanejo, o So Joo comemorado nos stios, nas parquias, nosarraiais, nas casas e nas cidades. A importncia dessa festa pode ser avaliada pelo nmerode nordestinos e turistas que escolhem essa poca do ano para sair de frias e participar dosfestejos juninos. Na Amaznia cabocla, a tradio de homenagear os santos possui um calendrio quetem incio em junho, com Santo Antnio, e termina em dezembro, com So Benedito. Cadacomunidade homenageia seus santos preferidos e padroeiros, com destaque para os santosjuninos. So festas de arraial que comeam no dcimo dia depois das novenas e nas quaisesto presentes as fogueiras, o foguetrio, o mastro, os banhos, muita comida e folia. As festas juninas, com maior ou menor destaque, ainda so realizadas em todas asregies do Brasil e representam uma das manifestaes culturais brasileiras maisexpressivas. Santo Antnio. festejado no dia 13 de junho, um dos santos de maior devoopopular tanto no Brasil como em Portugal, era admirado por seus dotes de timo orador,pois quando pregava a palavra de Deus ela era entendida at mesmo por estrangeiros. aele que as moas ansiosas pedem um noivo. A prtica de colocar o santo de cabea parabaixo no sereno, amarrada num esteio, ou de jog-lo no fundo do poo at que o pedido sejaatendido, por exemplo, bastante comum entre os devotos. Joo Batista, nasceu no dia 24 de junho, alguns anos antes de seu primo Jesus Cristo,e morreu em 29 de agosto do ano 31 d.C., na Palestina. So Joo ocupa papel de destaquenas festas, pois, dentre os santos de junho, foi ele que deu ao ms o seu nome e em suahomenagem que se chamam "joaninas" as festas realizadas no decurso dos seus trinta dias.No Nordeste, por exemplo, essa festa to tradicional que no dia 23 de junho, depois domeio-dia, em algumas localidades ningum mais trabalha. Moas, velhas, crianas ehomens o fazem de orculo nas adivinhaes e festejam o seu dia com fogos de artifcio,tiros e bales coloridos, alm dos banhos coletivos de madrugada. So Joo, segundo atradio, adormece no seu dia, pois se estivesse acordado vendo as fogueiras que so acesas 18. para homenage-lo no resistiria: desceria Terra e ela correria o risco de incendiar-se.So Pedro, o apstolo e o pescador do lago de Genezareth, considerado o protetordas vivas e dos pescadores, sendo festejado no dia 29 de junho com a realizao degrandes procisses martimas em vrias cidades do Brasil. Em terra, os fogos e o pau-de-sebo so as principais atraes de sua festa. So Pedro, segundo a tradio catlica, foinomeado chaveiro do cu. Assim, para entrar no cu, necessrio que So Pedro abra asportas. Tambm lhe atribuda a responsabilidade de fazer chover. Quando comea atrovejar, e as crianas choram com medo, costume acalm-las dizendo: " a barriga deSo Pedro que est roncando" ou "ele est mudando os mveis de lugar". Amados relativamente comum os colgios (empresas ou associaes) exigirem queparticipemos ou que nossos filhos, participem das Festas Juninas que so programadas, emespecial, que sejam ativos participantes nas danas de quadrilha. luz da Palavra doSenhor, incompatvel com nossos princpios de f e condio de servos do Eterno. Esterelato sobre as Festas Juninas, no deixa a menor dvida que ela uma festa dedicada asantos Catlicos e toda e qualquer participao do Povo de Deus, uma desobedincia aosSeus mandamentos."No se juntem com os descrentes para trabalharem com eles. Como que o certo e oerrado podem ser companheiros? Como podem viver juntas a luz e a escurido? Comopodem Cristo e o diabo estar de acordo? O que que um cristo e um descrente tm emcomum? Que relao pode haver entre o Templo de Deus e os dolos pagos? Pois nssomos o templo do Deus vivo."( 2Co 6:14-16) Nos dias atuais a permissividade infelizmente muito bem aceita pelas igrejas, asprticas comuns aos que andam sob os conselho da carne, so adaptadas e cristinianizadas.J possvel encontrar-se igrejas "evanglicas" montando "arraiaisjuninos", "quadrilhas" e outras manifestaes comuns ao catolicismo. No entre nessa!Festas Juninas - Folclore ou Religio?Meu filho obrigado a participar da festa junina porque vale nota no boletim!Este tem sido um problema para muitos pais evanglicos. No Inciso 5 da ConstituioFederal reza o seguinte:" inviolvel a liberdade de conscincia e de crena, sendo assegurado o livre exerccio doscultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteo aos locais dos cultos e suasliturgias". A origem desta comemorao vem desde a antiguidade, quando se prestava culto deusa"Juno" da mitologia Romana. (Migalhas folclricas, p.99 Mariza Lira), os festejos aesta deusa eram denominados Junnias, origem do nome atual "festas juninas". Como de conhecimento de todos, o Brasil foi descoberto pelos portugueses e por issoa tradio catlica veio sobre ns em forma de danas, festas, as suas comemoraes foramarraigadas em nossa tradio e folclore. A primeira festa de So Joo no Brasil em 1603pelo Frade Vicente do Salvador que se referiu aos nativos que aqui se encontravam daseguinte forma: 19. "os ndios acudiam a todos os festejos dos portugueses com muita vontade, porque erammuito amigos da novidade, como no dia de So Joo Batista por causa das fogueiras ecapelas". (Ib p.106 Mariza Lira)Para muitas crianas, esta festa explicada assim:"Que a Santa Isabel era muita amiga de Nossa Senhora e pela falta de comunicao daqueletempo, para Nossa Senhora saber que o beb tinha nascido, Isabel faria uma grandefogueira e mandaria erguer um mastro com um beb na ponta. Logo que a criana nasceuela fez conforme combinado e Nossa Senhora foi visit-la, era dia 24 de Junho. Foi ai quecomeou a ser festejado So Joo com um mastro, fogueiras e danas etc..." Esta comemorao de So Joo Batista deu o inicio das comemoraes Juninas, vindasdepois a de Santo Antonio e de So Pedro.SANTO ANTONIO, SO JOO E SO PEDRO.A devoo deste santo foi introduzida no Brasil pelos padres franciscanos, que fizeramem Olinda (PE) a primeira igreja dedicada a ele, faz parte da tradio que as moasrecorram a Santo Antonio para pedir um casamento. So Joo foi consagrado santo pela igreja catlica, em So Joo comemorado comfogos de artifcios, os devotos usam bandeirolas coloridas e danam, erguem uma fogueira ecanes ao Santo. O nascimento de Joo Batista foi um milagre, visto que os seus pais jeram idosos (Lucas 1 v; 5-25). Sabemos da importncia de Joo Batista, o prprio JooBatista reconhecia o seu lugar e se alegrava de sua posio. Joo Batista recusou qualquer tipo de homenagem ou adorao em vida, ser queagora ele aceitaria festas em sua homenagem? s lembrar no batismo de Jesus (Joo 4v.1). atribuda a festa a So Pedro, pelo motivo de ser reconhecido pelos catlicos comoo"primeiro Papa ou o principal dos apstolos", por isso atribuda a honra de umafesta em sua homenagem, podemos ver que ele considerado o patrono dos pescadores,existe procisses martimas em sua homenagem com grande queima de fogos, para muitospescadores, este dia sagrado! At hoje ele considerado o primeiro Papa de Roma, masno h nenhuma prova disto, o Pedro da bblia tambm errou como qualquer um de ns,nunca liderou a igreja de Roma, pois quando o Apostolo Paulo escreve aos Romanos, noultimo capitulo ele manda recomendaes aos membros da igreja Romana e no cita nem onome de Pedro. Pois o prprio Pedro nunca aceitou nenhuma adorao At 10 v.25-26."E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornlio para receb-lo e prostrando-se a seusps, o adorou. Pedro o levantou dizendo: LEVANTA-TE, QUE EU TAMBM SOUHOMEM". At 10.25-26PARTICIPAR OU NO DAS FESTAS JUNINAS? O costume religioso e movido pela tradio Catlica, por mais que elas tragambrincadeiras que agradem nossas crianas, o perigo que as tradies e costumes possamentrar na vida dos pequeninos, o povo de Israel sofreu com os costumes de povos que oprprio Deus pediu para no se envolver com eles. No somos contra as festas, somos um povo festeiro, mas antes de participarmos de 20. qualquer festa necessitamos avaliar qual a sua finalidade. Sabemos que existem escolasque no buscam o sentido religioso, mas ainda fico com a possibilidade da criana crescercom o conceito deturpado diante da idolatria, pois vemos hoje Catlicos se defendendoatrs de uma concepo deturpada diante das imagens. E Deus pediu para que noparticipssemos de festas com este objetivo. O que mais me chamou ateno que pastoresesto aceitando as festas juninas. Ser que no conhecem a vida de Salomo? Salomo, conhecido por receber de Deus sabedoria que era comparada a areia daPraia, I Reis 4.29"Deus deu a Salomo sabedoria, e muitssimo entendimento, e larga inteligncia como aareia da praia do mar" I Reis 4.29 mesmo que ele possua uma sabedoria tremenda, Deus no deixou de avisar que elenecessitava de andar nos seus estatutos e seus mandamentos (I Reis 3v. 11-14 / I Reis 6v.11- 13 / I Reis 9 v. 4-9) por 3 vezes Deus avisou a Salomo, mas o que aconteceu?Salomo confiou em sua prpria sabedoria e fez aliana com povos que tinham umatradio contrria a palavra de Deus, costumes diferentes e adoravam a outros deuses,tinham cultos adorando aos deuses que estavam acostumados, e isso foi com um objetivobom.Quem sabe ele pensou assim: "Se eu pegar as filhas de Fara, e as filhas dos reis queesto em minha volta, com certeza eles no vo fazer guerras contra mim, ento fareiisto, mesmo que elas tenham costumes diferentes, adoram aos seus deuses, eu que possuoa Sabedoria que Deus me deu, no vou ser contaminado". Quem sabe foi este pensamentoque ele teve, e quem sabe voc tenha este mesmo pensamento na questo destas festasjuninas que trazem louvores aos santos, mas sabe o que aconteceu com Salomo por causadesta aliana?Ele se contaminou a ponto de ele mesmo adorar a outros deuses, Milcom, Astarote queeram deuses dos amonitas e sidonios, confira l em I Reis 11.Poderamos dar o exemplo de Aro no deserto como pedido do povo para fazer umdeus para eles porque esperavam Moises voltar e ele no voltava, o que aconteceu naquelanoite? xodo 32-33O teor religioso das festas juninas no passa de um ato de idolatria, quando se fala dasfestas realizadas aos Santos, veja o Salmo 116 v. 34"E serviram aos seus dolos que vieram a ser-lhes um LAO". Salmos 116.34Esta matria tem como objetivo apresentar o perigo do envolvimento com tradies ecostumes que vo contra a palavra de Deus, pois muitas crianas foram levadas a crenasreligiosas por uma festa ou livros que so considerados por muitos um incentivo a leitura ea cultura.Normalmente as pessoas que participam destas comemoraes imaginam que estessantos podem interceder por eles, mas sabemos que eles no podem fazer nada porningum, Pedro e Joo foram discpulos obedientes a palavra de Jesus, mas eles no podemintermediar nada para ningum, porque esta misso foi dada para Jesus"Porque h um s Deus, e um s intermediador entre Deus e os Homens, Jesus Cristo" ITm 2.5 Romanos 8.34 diz 21. Cristo quem morreu, ou antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual est direitade Deus e tambm intercede por Ns. Romanos 8.34Bem espero que esta matria tenha sido beno para voc e acreditamos que abrimos ocaminho para que voc possa pensar e acabo com a mesma pergunta: - Podemos deixar osnossos filhos participarem destas comemoraes? - A resposta sua, no precisa ligar 0800. Consideraes sobre a Festa de So Joo Originalmente o calendrio religioso utilizado pela Igreja era uma adaptao doscalendrios grego e romano, e portanto foi bastante influenciado por importantes eventospagos.1. AS FESTIVIDADES RELIGIOSAS.A partir da Idade Mdia, o calendrio romano foi definitivamente adotado(cristianizado) passando a ser utilizado por toda igreja ocidental, quando foram includosa celebrao das festas dos santos e dos mrtires. Da surgiu o atual calendriodos santos da Igreja catlica (a Igreja Catlica dedica aproximadamente 42 dias noano a um(a) santo(a)). Vrios grupos protestantes eliminaram completamente o calendrioreligioso, celebrando apenas alguns eventos que consideram importantes (ex: Natal).2. DEFINIO DE ALGUNS TERMOS:Santo: No Antigo testamento a palavra hebraica mais usada (cerca de 116 vezes) paradescreversanto QADOSH, que significa separado. No Novo Testamento apalavra grega parasanto GIOS, que aparece 230 vezes de Mateus a Apocalipse, esignifica separados pelo Senhor como Sua possesso peculiar.Vs, porm, sois raa eleita, sacerdcio real, nao santa, povo de propriedade exclusivade Deus 1 Pedro 2.9 Na Igreja Primitiva todos os crentes eram chamados de santos, mesmo quando oseu carter ainda no estava completamente formado (ex: At 9.13, 32; 26.10; Rm. 8.27;12.13; 15.25,26).segundo a vontade de Deus que Ele (Jesus) intercede pelos santos. Romanos 8.27Ele mesmo concedeu uns para apstolos, outros para profetas, outros para evangelistas,outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeioamento dos santos para odesempenho do seu servio, para a edificao do Corpo de Cristo. Efsios 4.11,12 22. Canonizao: Dentro do catolicismo romano este o nome dado ao decreto que inclui uma pessoa nacategoria dos santos, os quais so recomendados venerao dos fiis. A condio paraque a pessoa sejabeatificada que j tenha falecido e que pelo menos dois de seusmilagres tenham sido confirmados. O papa, ento, proclama a canonizao. De acordo com a teologia romanista, os indivduos canonizados acumularam umtesouro de mritos, mediante suas vidas inculpveis e a prtica de boas obras.Esses mritos emreserva, ento, podem ser colocados disposio de cristos de menorenvergadura, em resposta s oraes feitas aos santos. A palavra de Deus declara que existe apenas um Mediador e Intercessor entre Deus eos homens: Jesus Cristo.Porquanto h um s Deus e um s mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo,homem. 1 Timteo 2.5o qual est direita de Deus e tambm intercede por ns. Romanos 8.343. A QUESTO DA IDOLATRIAIdolatria, no grego EIDOLOLATRIA significa: culto aos falsosdeuses ou adorao de dolos. Esta adorao pode se referir a dolos ou imagenspropriamente ditas, ou ento a tudo aquilo que porventura ocupe o lugar de Deus nocorao do homem. Por que Deus abomina qualquer tipo de idolatria?- Sl 115.4-7; 1 Co 8.4 A Bblia afirma que o dolo em si apenas um pedao demadeira, pedra, etc., esculpido por mos humanas, que nenhum poder tem em si mesmo.- x 20.3-5; Is 42.8 O nosso Deus no divide a sua Glria com ningum.- Ez 14.3,4 Note que h dolos que levantamos em nossos coraes (ex: avareza: Cl3.5). Precisamos identific-los e renunciar a sua fora em ns.-Dt 18.9-12; Is 8.19,20 O ato de comungar com pessoas que j morreram ouidolatr-las est ligado prtica do espiritismo, magia negra, leitura de sorte, feitiaria,bruxaria, etc. Segundo as escrituras, todas estas prticas envolvem submisso e culto aosdemnios, e so abominveis ao Senhor. OBS: a definio da Enciclopdia Britnica (BARSA) para FESTA RELIGIOSA : Umdia consagrado memria ou comemorao de um evento histrico religioso.-Dt 32.17; Sl 106.36; 1 Co 10.20,28 Por traz de cada dolo h demnios que estoagindo, os quais so seres sobrenaturais controlados pelo Diabo. Noutras palavras, o poderque age por detrs da idolatria o dos demnios. Ex: Alguns santos da Igreja Catlica e sua correlao com entidades espritas:- Iemanj = Senhora Aparecida.- Xang = So Jernimo.- Oxossi = So Sebastio.- Ior = Cosme e Damio. 23. 4. A CELEBRAO DO DIA DE SO JOO Registros histricos declaram que no sculo sexto, missionrios foram enviados para onorte da Europa para juntar pagos ao grupo romano. Eles descobriram que o dia 24 dejunho era muito popular entre esses povos, pois era quando ocorria o solstcio de vero(solstcio: poca em que o sol afasta-se o mximo possvel da linha do equador).Procuraram, ento, cristianizar este dia, mas como? Por esse tempo o 25 de dezembro haviasido adotado pela igreja romanista como o natalcio de Cristo. Desde que 24 de junho eraaproximadamente seis meses antes de 25 de dezembro, por que no chamar este o natalciode Joo Batista? Joo nasceu, devemos lembrar, seis meses antes de Jesus (Lc. 1:26,36).Assim sendo, o dia 24 de junho passou a ser conhecido no calendrio papal como sendo oDia de So Joo. Na Bretanha (Inglaterra), antes da entrada do cristianismo, o 24 de junho eracelebrado pelos druidas com fogos de artifcios em honra ao deus Baal. Quando este diatornou-se dedicado a So Joo, os fogos sagrados tambm foram adotados e tornaram-se as fogueiras de So Joo! Ainda hoje o dia 24 de junho largamente celebrado na Escandinvia, na Alemanha ena Finlndia com fogueiras pags. A histria relata que at o sculo passado os camponesesda Finlndia praticavam encantamentos mgicos durante o solstcio de vero, a fim deobterem maior fertilidade nos animais. No Brasil as festas juninas so realizadas em todo o pas no ms de junho (da onomejuninas, e culminam no Dia de So Joo). O principal momento da festa aquadrilha, em que vrios casais vestidos de caipira encenam uma cerimnia de casamento(que normalmente no acontece).CONCLUSO:NO PODEMOS AGIR COMO IGNORANTES (Ingnuos, imprudentes, nscios) Ef 6.2;Ef 5.15; 2 Co 2.11; Ef 4.27SE TEMOS O CONHECIMENTO DE QUE ALGO CONSAGRADO A DOLOS, DEVEMOSNOS ABSTER 1 Co 10.27,28; 2 Co 6.14-17; Ef 5.11TEMOS A RESPONSABILIDADE DE ENSINAR NOSSOS FILHOS A SE POSICIONAREM No podemos transferir para a Igreja a responsabilidade que nossa Dt 6.3-9; Pv 22.6PRECISAMOS FUGIR DE TODA A APARNCIA DO MAL 1 Co 10.23-33; Pv 6.28 Festa Junina?Esse tipo de comemorao uma herana que muitos crentes trazem do catolicismo e, muitos pastores aceitam esse tipo de comemorao nas suas congregaes o pregador Augustus Nicodemus(Foi um dos preletores da 22 conferncia Fiel - Brasil.), fez uma pregao falando sobre esse tipo de influencia no meio dos crentes. Isso um risco que pode levar vrios crentes a sarem da igreja, os crentes que realmente so convertidos e esto na igreja exclusivamente para servir ao SENHOR, e no para se expor a fatos que mancham a igreja, a comemorao denominada festa junina em muitas igrejas so organizadas por jovens que pensam estar fazendo a coisa certa, e que, tem apoio de seus pastores, que por sua vez se empolga com a quantidade de pessoas que estaro nessas festas esquecendo-se da qualidade das pessoas que estaro nas igrejas aps essas festas, certo que pela Palavra de Deus no podemos fazer distino de pessoas, mas a igreja incha de pessoas que pensam uma determinada coisa que vai mudar, quando o pastor vier com os sermes e pregaes a cerca de que no se pode haver adorao 24. de imagens ou outros santos que no seja Jesus Cristo, a igreja desincha e perdemais do que ganhou, pois, quem sai fala mal da igreja desanimando ou mesmoretarda outras almas que acrescentariam a obra do Senhor. tal de arraia deCristo, isso um absurdo, uma blasfmia, irmo no faam isso, existe muitasformas de fazer festa na igreja, temos que pensar que a maior festa adorar aCristo. A chamada festa junina seria ao santo So Joo, ser que licito aocrente participar desse tipo de festa, nas palavras do Apstolo Joo ... todas ascoisas me so licitas, mas, nem todas me convm. No licito para os crentes participar ou mesmo organizar esse tipo de festa naigreja do Senhor, seria uma forma de adorao, todos os crentes sabem como oAposto Joo morreu, por adorar somente a Jesus, ele foi decapitado, e as pessoasvo fazer festa para comemorar isso? Busque em Cristo a resposta se convm para ocrente? Deus quer que voc seja santo, por que foi Ele que deu vida a Joo, Ele queungiu Joo, toda adorao a Deus a Jesus Seu Filho e nosso Salvador e ao EspritoSanto de Deus que habita em ns. Jesus nico digno de Glria, de adorao e Louvor, no deixe que coisas domundo venha a atrapalhar voc a receber bnos do Senhor, de receber vitrias. Ascoisas velhas se passaro e voc nova criatura, essas festas, novenas, campanhasem conseqncia de algo antigo que possa ser de um apstolo ou mesmo de umarainha citada na Bblia, passar por portas que curam, beber da gua do Rio Jordo,fogueira santa etc. sua f tem que ser baseado em Cristo no amor de Deus. JesusDisse: ... somente minha glria te Basta..., no temas em falar com Deuspedir que Ele fale com voc, a cerca do que certo ou errado, somos uma naoescolhida, igreja de Cristo, a noiva de Cristo, vamos morar com Ele na cidadecelestial, cantar hinos de louvor a Deus aos seus ps, cuide de voc e de seu corpoporque voc templo do Esprito Santo de Deus. Que Deus te abenoe em nome deJesus Cristo de Nazar!