A prática musical de devotos Hare Krishna em Portugal ... · 3 para expressar devoção e para...

Click here to load reader

  • date post

    12-Feb-2019
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of A prática musical de devotos Hare Krishna em Portugal ... · 3 para expressar devoção e para...

1

A prtica musical de devotos Hare Krishna em Portugal:

uma identidade religiosa transnacional em movimento1

Debora Baldelli2

UNL/FCSH/Inet-md/Portugal

Resumo:

Nesta comunicao, apresentarei resultados preliminares de minha pesquisa de doutorado entre os devotos Hare Krishna em Portugal. Desenvolvo uma etnografia multisituada em Lisboa e no espao virtual da Internet. "Sigo" a mobilidade dos devotos por outros territrios como a ndia e o Brasil, presencialmente ou virtualmente (Marcus, 1986). Os devotos Hare Krishna em Portugal so parte de uma comunidade transnacional, com predominncia de brasileiros, russos, ucranianos, hindus do Nepal e da ndia, bem como portugueses das ex-colnias africanas que retornaram a Portugal, aps a Revoluo dos Cravos (Da Silva & Vasconcellos, 2012). Abordo o modo como a experincia musical dos devotos Hare Krishna atravs da prtica de canto de mantras impulsiona a sua mobilidade. Viagens para visitar seu guru, participar de palestras ou tocar mantras em eventos e festivais Hare Krishnas fazem parte do cotidiano dos devotos que vivem em Portugal. Viagens para outras comunidades oferecem uma oportunidade de juntar-se a grupos maiores para a prtica de cantar mantras acompanhados por msicos altamente qualificados. Pretendo, portanto, discutir como os devotos desenvolvem uma identidade religiosa coletiva em um contexto de mobilidade atravs da sua experincia musical. Proponho tambm discutir a importncia da Internet para os devotos, tanto como meio de comunicao, como de um lugar para expressar devoo e para criar e manter laos com a "comunidade" transnacional Hare Krishna.

Palavras-chaves: mobilidade; religio; prticas musicais.

1 Trabalho apresentado na 29 Reunio Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior CAPES/Brasil. 2 [email protected]

2

" to legal assim essa vida de viajar!", disse Trova Dasa animado enquanto respondia a mensagem no

chat do facebook de um devoto considerado bom pregador, que mora em Londres e que, vindo

Guiana, prometeu visit-lo em Bauru. Com isso, ele j comeava a pensar numa programao de

viagem com este devoto para fazer pregao da conscincia de Krishna, pela regio de So Paulo.

(notas de campo de Bauru, maio de 2014)

Apresento, nesta comunicao, um estudo preliminar dos devotos Hare Krishna em Portugal

baseado numa uma etnografia multisituada realizada em Lisboa (Portugal) e na Internet. "Sigo" a

mobilidade dos devotos por outros territrios mais recorrentes, como o Brasil e a ndia, presencialmente

ou virtualmente (Marcus, 1986). Pretendo discutir como os devotos desenvolvem uma identidade

religiosa coletiva em um contexto de mobilidade atravs da sua experincia musical. Proponho tambm

abordar a importncia da Internet para os devotos, tanto como meio de comunicao, como de um lugar

3

para expressar devoo e para criar e manter laos com a "comunidade" Hare Krishna transnacional. As

perguntas que proponho abordar neste texto so: Como a alterao de contexto incide na resignificao

da identidade? (Piscitelli, 2011) Que mecanismos de sobrevivncia e interao podem ser reconhecidas

no ir e vir? O que a mobilidade e/ou o constante deslocamento pode nos dizer sobre a construo da

subjetividade dos sujeitos? (Clifford, 1997)

Quem so os Hare Krishnas?

Os Hare Krishnas, conhecidos tambm como vaisnavas, so devotos de Krishna, uma das

deidades presentes nas diversas correntes do Hindusmo. O vaisnavismo baseia-se na adorao

devocional de Krishna e suas encarnaes ou avatares, tais como Vishnu. O surgimento do vaisnavismo

atribudo Sri Caitanya Mahaprabhu, em 1486, na Bengala, ndia. Segundo os devotos, foi ele quem

ensinou um processo de prtica por meio do "cantar de Seus Santos Nomes", chamado Maha Mantra,

como um mtodo que "facilitaria a prtica espiritual nos tempos atuais" pelo fato de ser mais simples de

ser realizada. No Maha Mantra todas as palavras repetidas so nomes de Deus cantados na seguinte

ordem: "Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama

Rama, Hare Hare".3

O que designo movimento Hare Krishna surgiu em 1966, nos Estados Unidos da Amrica, em

Nova York, atravs de Bhaktivedanta Swami Prabhupada, visto como porta voz na ndia e no ocidente

da teologia Gaudiya Vaishnava, e como fundador da ISKCON (Sociedade Internacional para a

Conscincia de Krishna). Prabhupada tinha como objetivo levar a f de Krishna ao ocidente, que

considerava completamente absorvido pela vida material.

De Nova York para o resto do mundo

Foi em 1967 que Prabhupada deu seguimento propagao de sua filosofia religiosa a partir dos

Estados Unidos, primeiro enviando devotos Londres, Inglaterra e, posteriormente, outros pases da

Europa. Desde ento o movimento propagou-se por diferentes partes do mundo, como Austrlia,

Amrica Latina, ndia, e mais recentemente pelo leste europeu. Apesar de ser uma tradio e filosofia

3 Devotos iniciados so aqueles que passaram por um curso de iniciao e foram acolhidos por um guru, assumindo, entre outras coisas, o compromisso de cantar 16 voltas por dia de uma japamala. A japamala assemelha-se a um tero e possui 108 contas. Repete-se o Maha Mantra completo por cada conta.

4

religiosa originria da ndia, foi somente nos anos 70, aps o incio das tentativas de propagao das

ideias do movimento na Europa, que comearam a surgir templos da ISKCON, na ndia, nos moldes

desenvolvidos por seu lder (Rochford 2007), nos Estados Unidos4.

Quem so os devotos Hare Krishna em Portugal?

O templo da capital portuguesa, chamado AICK Lisboa (Associao Internacional para a

Conscincia de Krishna de Lisboa) surge aps a morte de Prabhupada em 1980. O atual templo, na Rua

Dona Estefnia, foi aberto em 1997.

Os devotos Hare Krishna em Portugal integram uma comunidade transnacional, com

predominncia de brasileiros, russos, ucranianos, hindus do Nepal e da ndia, bem como portugueses de

ex-colnias africanas que retornaram a Portugal aps a Revoluo dos Cravos, em 1974, que estabeleceu

a democracia e aboliu a proibio de prticas religiosas no-catlicas (Da Silva & Vasconcellos, 2012).

Mobilidade

"he only for the time of milking the cow certainly

in the house of the householders

waits the most fortunate / pilgrimage transforming the residence"

"He was accustomed to stay at the door of a householder only long enough for a cow to be milked. And

he did this just to sanctify the residence" 5 (B.G. Canto 1, captulo 4, texto 8)

A citao acima foi extrada do Bhagavad-Gita6 (uma composio recente do Maabrata do

sculo IV a.c.) e alusiva da mobilidade dos devotos que pretendo abordar nesta comunicao. A

4 importante mencionar que o vaisnavismo propagado pela ISKCON apenas uma das "escolas" ou "sistemas religiosos", chamadas sampradayas, presentes no mundo dentro de quatro existentes. A seguida pelos devotos da ISKCON a Brahma, as outras trs so chamadas Sri, Rudra e Nimbarka. 5 "Ele estava acostumado a permanecer porta de um chefe de famlia apenas o tempo suficiente para a ordenha de uma vaca. E ele o fazia apenas para santificar a residncia." (traduo livre) 6 O Bhavagad-Gita uma composio recente do Maabrata do sculo IV a.c. o principal livro religioso da prtica espiritual dos Hare Krishnas, seguido pelo Srimad-Bhagavatam, considerado um livro mais difcil e, segundo os devotos, "mais direcionado aos que j tem conhecimento da cultura vdica" e j leram o Bhagav-Gita. O Bhagavad-Gita foi traduzido do snscrito para o ingls pelo fundado do movimento Hare Krishna (ISKCON), B.S. Prabhuphada. O Bhagavad-Gita relata

5

citao foi mencionada por um devoto brasileiro, que conheci em Portugal, mas que agora encontra-se

na cidade de Bauru, Estado de So Paulo, e foi dita durante uma conversa, na curta temporada de

trabalho de campo que realizei nesta cidade. Tinha lhe perguntando qual seria para ele o ponto de partida

da associao entre religio e mobilidade (ou peregrinao), quando citou este trecho do Bhagavad-Gita.

A citao acima fala justamente da peregrinao e da necessidade de estar em movimento para propagar

sua prtica espiritual para mais pessoas, a impermanncia definida como "nunca mais do que o tempo

da ordenha de uma vaca". As referncias mobilidade podem ser tambm mais contemporneas, como

no livro, (que Trova Dasa me indicou tambm na mesma conversa) do guru Indradyumna Swami,

chamado "Dirio de um monge ao redor do mundo", em que ele relata suas passagens pelo Qunia, pela

ndia, pela Repblica da Irlanda, pela frica do Sul e pelos Estados Unidos da Amrica desde 1986,

sendo ele um dos mais atuantes pregadores da ISKCON (Sociedade Internacional para Conscincia de

Krishna) da atualidade.

"Quando eu comecei a viajar mesmo foi quando entrei para os Hare Krishnas. Viajei pra Paris e

eu "oh!" Tambm bom conhecer as outras culturas, conhecer o movimento ( Hare Krishna) em outros

pases, abrir os horizontes." (Goji, portugus, Lisboa, maro de 2014)

"Eu voltei ao Brasil, quase 8 anos depois (...) Eu vim por terra (da Venezuela). Fui pra Boa Vista, Porto

da Cruz, Santarem (...) ai fui pra Manaus, fiquei um tempo com os devotos, ai fui pra Belm do Par,

depois fui pra Belo Horizonte... Eu demorei uns 3 meses pra chegar no Rio de Janeiro! (risos)

(...)Tambm tinha um tempo que eu no vinha ao Brasil, n? Tava matando a saudade de todos os

templos e tal. (sic)" ( "Carioca", Lisboa, abril de 2014)

Os trechos acima retirados de entrevistas que conduzi com devotos tratam da trajetria de

mobilidade de dois deles, um portugus e um brasileiro, ambos vivendo em Portugal no momento da

escrita desta comunicao. No caso de Goji, um devoto portugus de 41 anos, sua funo a de cozinhar

no restaurante do templo, mas ao mesmo tempo um dos participantes mais ativos nas prticas musicais

que tiveram lugar em Lisboa durante o meu trabalho de campo. Carioca tem 47 anos, msico e, desde

abril de 2013, o responsvel pelas atividades musicais do templo de Lisboa, alm de servir no

restaurante.

o dilogo entre Krishna e Arjuna, seu discpulo guerreiro, em campo de batalha. Arjuna personifica uma alma confusa a receber a iluminao de Krishna para a auto-realizao.

6

possvel dizer que a mobilidade entre os devotos Hare Krishna foi um tema imposto a mim,

seja pela dificuldade em acompanh-los nos diferentes espaos em que circulavam para alm de Lisboa

e de Portugal, seja pela constante mudana do quadro de pessoas que frequentavam o templo da cidade.

Conversas sobre os locais por onde passaram tornou-se uma constante e foi quando percebi a

importncia da viagem e do deslocamento para a experincia espiritual dos devotos. Recebi convites

para ir festivais na Ucrnia, Alemanha e Blgica, para citar alguns exemplos, mas sempre no "estilo

Hare de tempo"7, como costumo comentar brincando com meus colaboradores, ou seja, em cima da hora

criando uma impossibilidade para acompanha-los.

Existem vrias motivaes para os devotos estarem sempre em movimento. As prprias prticas

espirituais dos devotos Hare Krishna incentivam sua mobilidade. Isto acontece quando viajam para

visitar ou passar temporadas com seus gurus, para dar palestras, aulas, vender livros, participar de

eventos de temtica diversas associados s prticas como meditao, yoga, medicina ayurvdica, a

exemplo do Festival Luso Zen em Portugal, e tambm o deslocamento para grandes festivais Hare

Krishna pela Europa, e outros pases. Sendo o calendrio de festas, feriados e dias considerados

importantes bastante extenso, existe sempre uma constante movimentao para outros locais.

Mobilidade + mantras

"O maha mantra hare krishna atrai as pessoas inconscientemente. (...)Por mais que as pessoas sejam...

como chama? Materialistas, como Cheytania Mahaprabhu fala, n? (repete o verso em snscrito), (...)

ento mesmo que ela no saiba, que ela no queira, por falso ego, por materialismo que seja, que no

admita, ningum muda a sua natureza, n? Uma hora que ela t assim meio distrada, de bom humor,

ela ouve, ela sagrada, no tem jeito, n? E isso faz com que ela se conecte com Deus, n? Porque a

msica ela tem essa caracterstica." (Carioca, Abril de 2014, Lisboa)

7 Os devotos lidam com o tempo de um modo muito particular. Estar atrasado ou demorar muito para realizar determinada atividade no surge como um problema, pois cada coisa leva o tempo que precisa levar. Como exemplo, posso citar o agendamento de entrevistas que, mesmo marcando previamente e confirmando, nunca sabia exatamente se iriam de fato acontecer. Como certa vez que marquei com um devoto, esperei duas horas, restando apenas 20 minutos para a conversa, e acabei por dirigir o carro da distribuio de alimentos (Food For Life) junto desse devoto, pois num imprevisto no tinham ningum com carteira de motorista naquele dia e "a comida iria esfriar".

7

"Sempre fazemos um esforo especial para estar com os devotos de Yatra de Ucrnia. (...) So

inmeros devotos l em Ucrnia, ento o festival tambm duma dimenso maior, o ltimo festival

tiveram 11,000 devotos visitantes. (...) O festival sempre de 5 dias mais 2 dias de entrada e sada, fica

na Crimea, eles alugam o resort junto a praia que tem todas as facilidades. (...) H teatros, harinama,

ratha yatra, casamentos, iniciaes e programao fixa com mangala arti, srimad Bhagavatam, vrios

seminrios dado pelos Sanyasis gurus e outros convidados especiais, normalmente, juntam-se 11 gurus.

(...) (No kirtan v-se) todos com os braos erguidos para cima a repetirem os mantras, totalmente

absorvidos em santos nomes de Krishna, fazer parte nessa onda do amor e conexo transcendental

mesmo. Cantar com os 11mil devotos no todos os dias..." (Dina, indiana do Gujarat nascida em

Moambique, maio de 2014, por email)

O canto dos mantras desempenha um papel central nas prticas espirituais e nas atividades dos

templos Hare Krishna. Cantar mantras precede palestras, refeies e cerimnias. Em cada atividade, h

sempre um conjunto especfico de mantras cantados em modo participativo. Os devotos de Krishna

acreditam no poder dos mantras para trazer bem-estar em suas vidas atravs de sua constante repetio

que ocorre individualmente e coletivamente no espao semi-pblico do templo.

Alm de interao dentro dos templos e de atividades externas, os devotos Hare Krishna tambm

interagem atravs da Internet, que proporciona acesso cerimnias ao vivo em templos, assim como

tambm utilizada para o estudo de instrumentos musicais devocionais. E, finalmente, a Internet

oferece, aos instrumentistas avanados, a oportunidade de adquirir novas melodias de mantra atravs de

redes sociais, como o Youtube.

A experincia musical dos devotos Hare Krishna atravs da prtica de canto de mantras tambm

impulsiona a sua mobilidade. Viagens para visitar seu guru, participar de palestras ou tocar mantras em

eventos e festivais Hare Krishnas em toda a Europa, ndia e Brasil, fazem parte do cotidiano dos devotos

que vivem em Portugal. Uma vez que a "comunidade" portuguesa muito pequena em comparao com

outros pases como Rssia e Brasil, viagens para outras comunidades oferecem uma oportunidade de

juntar-se a grupos maiores para a prtica de cantar mantras acompanhados por msicos altamente

qualificados. H tambm uma intensa mobilidade e solidariedade entre devotos e entre os templos em

vrios pases. Como disse Trova Dasa: "Eu tenho amigos pelo mundo todo, tenho sempre onde dormir!"

Em conversas informais, os devotos muitas vezes narram as experincias de viagem, em especial

ndia, com grande entusiasmo. Uma vez que muitos devotos mostram interesse na prtica musical, esses

8

grandes encontros criam oportunidade para uma experincia espiritual mais profunda, como eles

mesmos mencionam. , portanto, uma comunidade em constante mudana com migrantes sazonais e

visitantes a longo prazo, de todo o mundo, que participam de atividades dos templo espalhados pela

Amrica do Norte; Amrica do Sul e Central; Sul da Europa; Norte da Europa e CEI; ndia; Pacfico

Ocidental, Sudoeste Asitico e Oriente Mdio8.

Apontamentos finais

A "mobilidade" sob o nome de peregrinao no exclusividade da prtica espiritual dos Hare

Krishnas. Sua particularidade talvez seja nesta como estilo de vida. Para alm da caracterstica de

mobilidade comum entre os pregadores religiosos, que no de exclusividade dos devotos Hare

Krishnas, o que proponho pensar na movimentao/mobilidade em si como prtica de

desenvolvimento espiritual que tem no cantar dos mantras sua principal ferramenta. possvel tambm

propor um debate em que associa-se a prtica espiritual com a sociabilidade para alm da mobilidade.

possvel dizer que a mobilidade est associada motivao que os devotos tm ao acesso locais de

sociabilidade da prtica espiritual, que no caso so os templos e os festivais com "maior nmero de

devotos" e maior possibilidade de interao devocional.

Para contribuir discusso sobre a mobilidade dos devotos, uma recente rea de pesquisa

conhecida como lifestyle migration (Benson & O'Reilly, 2009) tem procurado investigar migraes e

mobilidades motivadas pela busca do bem-estar e de um modo alternativo de vida que inclui a

espiritualidade. A questo interessante no caso dos devotos Hare Krishna pensar numa lifestyle

mobility ou numa spiritual mobility que permita discutir concepes acerca de uma mobilidade

motivada por prticas relacionadas espiritualidade. Alguns recentes trabalhos, da rea de pesquisa

mencionada, abordam o tema, a exemplo do trabalho de Mari Korpela (2009), Jouhki (2006) e D'Andrea

(2006).

O "Movimento" est sempre "em movimento" uma fala informal entre os devotos Hare Krishna

que aponta a necessidade de se pensar em "etnografias mveis", ou seja, que sigam pessoas e conexes

atravs dos espaos que produzem sentido para elas (Togni, 2011) e que reconheam a importncia de se

pensar outras formas de fazer uma etnografia. Um trabalho de campo multi-situado (Marcus, 1986) 8 Dados da BBT, Bhaktivedanta Book Trust, editora de livros da ISKCON.

9

permite pensar sobre as fronteiras dos espaos onde as "comunidades" so vivenciadas, levando a uma

melhor compreenso daquilo que as rege e de suas dinmicas prprias (Basch et alli, 1993).

No caso dos devotos Hare Krishna de Portugal, o seu territrio torna-se todos os locais onde a

devoo e o desenvolvimento da prtica espiritual parea fazer sentido. pensar em como os lugares

so significados e como as pessoas tambm se constituem por meio dos lugares (Frana, 2012 apud

Mansvelt, 2005; Jackson e Thrift, 1995; McDowell, 1997). Suas fronteiras acabam por ser mediadas

pela redes de contatos que constroem atravs do movimento Hare Krishna apontando para um dimenso

simblica do espao, produzindo tambm sentidos diversos de lugar, ou como descreve Rose (1995):

"Um sentido de lugar pode fazer sentido em relao a mais de um lugar [...] Um sentido de lugar pode

funcionar pelo convite a pessoas para a articulao de sua identidade em termos de pertencimento a um

lugar particular." (p.97)

Neste sentido, o "lugar" presente no discurso dos devotos de Portugal, que colaboraram com

minha pesquisa, parece ser o prprio movimento Hare Krishna e sua presena em diferentes territrios

pelo mundo. o "local" onde suas identidades encontram espao para a criao de um sentido de

pertena que no encontram na "vida l fora". a partir da necesidade de uma reafirmao deste

pertencimento, que a circulao por locais onde este sentido possa ser excitado cria o estmulo para que

os devotos encontrem uma confirmao da viabilidade de seu "estilo de vida" no (estar em) movimento

presente no movimento (Hare Krishna).

Bibliografia:

BASCH, Glick Schiller & SZANTON, Blanc (1993), Nations Unbound. Transnational Projects,

Postcolonial Predicaments and Deterritorialised Nation-States, Basel, Gordon and Breach Publishers

(21-48).

CLIFFORD, James (1997) Routes: Travel and Translation in the 20th Century. Harvard University

Press, Cambridge, Massachussetts, London, England.

DA SILVA & Vasconcellos. (2012) "Sarav, Op: bruxaria, Etiologias e um terreiro de umbanda em

Portugal". In: Antropologia Urbana da USP. Ponto Urbe 11, Ano 6, Dezembro de 2012.

10

http://www.pontourbe.net/edicao11-artigos/257-sarava-opa-bruxaria-etiologias-e-um-terreiro-de-

umbanda-em-portugal#_ftn1 (acessado em 2/3/14)

D'ANDREA, Anthony (2006) Global Nomads. Techno and New Age as transnational countercultures in

Ibiza and Goa. Routledge.

FRANA, Isadora L. (2012) Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade,

consumo e subjetividades na cidade de So Paulo. Ed Uerj, Rio de Janeiro.

JOUHKI, Jukka (2006) "Imagining the other : orientalism and occidentalism in Tamil-European

relations in South India". In: Jyvskyl studies in humanities, n. 47 [online], University of Jyvskyl,

Finland. http://urn.fi/URN:ISBN:951-39-2527-7 Acessado em 5 de junho de 2014.

KETOLA, Kimmo (2007) The Founder of the Hare Krishnas as Seen by the Devotees: A Cognitive

Study of Religious Charisma. Leiden, Boston.

KORPELA, Mari (2010) "A Postcolonial Imagination? Westerners Searching for Authenticity in India".

In: Journal of Ethnic and Migration Studies [online]. URL:

http://dx.doi.org/10.1080/13691831003687725 Acessado em outubro de 2013.

MARCUS, George E. (1998) Ethnography through Thick and Thin, Princeton, Princeton University

Press.

OREILLY, Karen & BENSON, Michaela (2009) Lifestyle Migration: Escaping to the Good Life?. In

Lifestyle Migration: Expectations, Aspirations and Experiences; Ashgate.

PISCITELLI, (2011) " Actuar la brasileidad? Trnsitos a partir del mercado del

sexo ", Etnogrfica [Online], vol. 15 (1), posto online no dia 25 Outubro 2011, consultado no dia 05

Junho 2014. URL : http://etnografica.revues.org/765 ; DOI : 10.4000/etnografica.765

ROCHFORD, E. Burke (2007) Hare Krishna Transformed, New York University Press.

ROSE, Gillian (1995) "Place and identity: a sense of place". In: MASSEY, Doreen B. JESS, Pat M. A

place in the world? Places, cultures and globalization. Oxford University Press, Oxford.

11

TOGNI, Paula. (2011) "O K-100 compartilhado: jovens, tecnologias e gesto da experincia

migratria". In: Cronos: Revista de Ps-Graduao em Cincias Sociais, UFRN, Natal, Brazil, v. 12,

n.2, p. 57-74, jul./dez.