Fundação Educacional de Divinópolis- FUNEDI Universidade ...· interpretation of tuberculosis’

download Fundação Educacional de Divinópolis- FUNEDI Universidade ...· interpretation of tuberculosis’

of 103

  • date post

    10-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Fundação Educacional de Divinópolis- FUNEDI Universidade ...· interpretation of tuberculosis’

Fundao Educacional de Divinpolis- FUNEDI

Universidade do Estado de Minas Gerais -UEMG

Mestrado em Educao, Cultura e Organizaes Sociais

REPRESENTAES SOCIAIS DA TUBERCULOSE CONSTRUDAS POR PACIENTES

EM REGIME PRISIONAL

DIVINPOLIS, MINAS GERAIS

2009

2

GUSTAVO DIAS ARAJO

REPRESENTAES SOCIAIS DA TUBERCULOSE CONSTRUDAS POR PACIENTES

EM REGIME PRISIONAL

Dissertao apresentada ao Curso de Mestrado da Fundao Educacional de Divinpolis, unidade Universidade do Estado de Minas Gerais, como requisito obteno do ttulo de Mestre em Educao, Cultura e Organizaes Sociais. rea de concentrao: Sade Coletiva

Orientador: Professor Doutor Gil Sevalho.

.

DIVINPOLIS, MINAS GERAIS

2009

3

Arajo, Gustavo Dias A663r Representaes sociais da tuberculose construdas por pacientes em regime prisional [manuscrito] / Gustavo Dias Arajo. 2009. 106 f., enc. Orientador : Gil Sevalho Dissertao (mestrado) - Universidade do Estado de Minas Gerais, Fundao Educacional de Divinpolis. Bibliografia : f. 89-94 1. Tuberculose - Representao social. 2. Tuberculose - Regime prisional. I. Sevalho, Gil. II. Universidade do Estado de Minas. Fundao Educacional de Divinpolis. III. Ttulo. CDD: 614.542

4

5

AUTORIZAO PARA A REPRODUO E DIVULGAO CIENTFI CA DA DISSERTAO

Autorizo, exclusivamente para fins acadmicos e cientficos, a reproduo total ou

parcial desta dissertao por processos de fotocopiadores e eletrnicos. Igualmente autorizo sua exposio integral nas bibliotecas e no banco virtual de dissertaes da FUNEDI/UEMG.

Gustavo Dias Arajo

Divinpolis, 05 de abril de 2009.

6

Dedicatria: Aos meus pais, Denise e Calazans, por minha vida.

Ao meu Av Antnio pelo exemplo, amor e ajuda. A minha Av Leila pelo carinho e f na minha vida.

A esposa Michelle e Lvia por minha famlia. A Deus por ter-me dado tudo isto: Amo todos vocs.

7

AGRADECIMENTOS

A todos que, direta ou indiretamente, contriburam para a realizao deste trabalho.

Ao meu Av Antnio por acreditar em mim mostrando sempre honestidade, amizade, carinho e amor verdadeiro no caminho a trilhar. O senhor e sempre ser uma pessoa importante em minha vida.

Ao Professor Gil Sevalho pela amizade, pela participao e incentivo em todos os momentos do trabalho na orientao recebida.

Aos colegas do mestrado, pela grande amizade e principalmente pela presena constante em todos os momentos marcantes de minha vida.

Para o Senhor Deus, pois foi a tua mo que encontrei estendida, quando realmente precisei de um amigo. Foram teus olhos que fixei, quando me senti s. Tuas palavras me orientaram, mostrando o caminho correto, que eu no encontrava. Teu sorriso consolou-me. Sua fora interior era tudo que precisava. E sempre acreditei em sua presena em minha vida, meu pai. Engraado como em nossa vida passam milhares de pessoas a cada ano, essas pessoas chegam nos conquistam e por um motivo ou outro vo A cada dia plantamos uma nova semente, sem nunca esquecemos de cuidar daquelas que j esto desabrochando! Amizade algo divino! Obrigado meus amigos pelo carinho. A minha famlia, muito obrigado, por estar ao meu lado nos momentos mais difceis. Somente vocs me fazem ter certeza do caminho verdadeiro de amor, respeito, confiana e paz. Beijo a minha esposa e filha vocs so minha vida.

8

No se contente em trilhar um caminho estabelecido.

Ao contrrio, v para onde no h caminho algum e deixe seu rastro.

Muriel Strode

9

RESUMO

REPRESENTAES SOCIAIS DA TUBERCULOSE CONSTRUDAS POR

PACIENTES EM REGIME PRISIONAL.

Resumo: A tuberculose uma das doenas mais antigas da humanidade, traz o peso de um histrico estigma e continua a ser um dos grandes desafios da Sade Pblica. Segundo a OMS (2002), a ocorrncia da tuberculose na populao prisional maior do que na populao em geral, embora dados qualitativos sobre esta questo sejam escassos no contexto brasileiro. O objetivo da dissertao apresentada investigar as representaes da tuberculose produzidas por internos do sistema prisional de uma cidade de mdio porte do Estado de Minas Gerais. Realizou-se uma pesquisa qualitativa com entrevistas semi-estruturadas exploratrias, fundamentada na Teoria da Representao Social de Serge Moscovici. Segundo esta metodologia, foram entrevistados 5 presos no perodo de setembro a dezembro de 2008. Para a anlise e interpretao dos resultados foi utilizado o mtodo do Discurso do Sujeito Coletivo de Lefvre e Lefvre. Os presos com tuberculose, em seu discurso, percebem-se como alvo de preconceitos e violncia em razo de sua condio. Isolamento, inclusive da prpria famlia, dificuldades de ordem prtica para o comprimento do tratamento no ambiente prisional, medo da morte e de represlias por parte dos demais presos so sentimentos e impresses que marcam as representaes sociais encontradas no estudo. Os achados do estudo possibilitam a interpretao das representaes sociais da tuberculose produzidas por pacientes em regime prisional, permitem uma aproximao da vivncia dos presos com tuberculose, conformam um olhar sobre a dura realidade que marca suas experincias no ambiente da priso. Palavras-chave: Tuberculose; sistema prisional; Representao Social.

10

ABSTRACT

ABSTRACT: Tuberculosis is one of the oldest disease of humanity, it brings up a weight from a historical stigma and continuous to be a big challenge to Public Health. Its known that (WHO, 2002) the occurrence of tuberculosis in the prisons population is higher than in the general population, although qualitative data in this area is scarce in the Brazilian context. The objective of this dissertation is to investigate the representations of tuberculosis produced by interns of a prison system from a medium size city in Minas Gerais State. Methodology: It was done a qualitative research with semi-structure exploratory interviews, well- founded in the social Representation Theory of Serge Moscovici. According to this methodology, five prisoners were interviewed during the period of September to November in 2008. For the analysis and interpretation of the results, it was used the Collective Subjects Speech method of Lefvre e Lefvre. Results: The prisoners with tuberculosis, in their speech, felt like targets of discrimination and violence due to their condition. Isolation, including from their own family, difficult in the accomplishment of the treatment in a prison environment, fear of the death, and others prisoners retaliations is feelings and impressions that mark the social representations found in the study. Discussion: The findings in the study make possible an interpretation of tuberculosis social representation produced by patients in a prison regime, it also can bring closer the prisoners with tuberculosis to a better social life, and form a vision over the tough reality which mark theses people experience in a prison environment. KEYWORDS: social representations, tuberculosis, prision.

11

LISTA DE ILUSTRAES

FIGURA 1- Luiz XVI (1775) Rei te toca e cura...................................................................30

FIGURA 2- Cartaz da Inspetoria de Profilaxia, Rio de Janeiro, dcada de 1920.....................34

FIGURA 3- Cartaz da Inspetoria de Profilaxia da Tuberculose, Rio de Janeiro, 1922............35

12

QUADROS

QUADRO 1- Situao estimada nos 22 pases prioritrios-2002.............................................27

QUADRO 2- Monitoramento da Tuberculose nas unidades prisionais brasileiras..................27 QUADRO 3: Caracterizao sociocultural e demogrfica dos presos......................................59

13

SUMRIO

1 INTRODUO............................................................................. 15

2 OBJETIVO.................................................................................... 21

3 REVISO DE LITERATURA .................................................... 22

3.1 A tuberculose e sua Epidemiologia................................................. 23

3.2 Histria da Tuberculose................................................................... 27

3.3 Histria da Tuberculose no Brasil...................................................