Lar-saudavel Deco Proteste

of 24 /24
riscos domésticos e como evitá-los lar saudável Independente • Credível • Perto de si

Embed Size (px)

Transcript of Lar-saudavel Deco Proteste

lar saudvel

riscos domsticos e como evit-los

Independente Credvel Perto de si

Todos os meses, a revista PROTESTE informa-o de forma clara acerca das qualidades e defeitos de centenas de produtos, aparelhos ou servios que utiliza no seu dia a dia ou pretende comprar. A encontra os resultados de testes comparativos e de inquritos aprofundados, realizados com total independncia. Quer precise de uma mquina de lavar, de um telemvel, de um televisor, de um PC multimdia, de iogurte, de caf, de um automvel ou de um operador telefnico... ns indicamos-lhe a Escolha Acertada e dizemos-lhe onde a encontrar. Assim, pode escolher de forma crtica e objetiva e comprar pelo preo mais justo! 11 nmeros por ano milhares de euros que poder economizar todos os anos

De 2 em 2 meses, a revista DINHEIRO & DIREITOS apresenta-lhe medidas concretas para proteger e administrar os seus bens, aconselha-o sobre os investimentos mais rentveis e os seguros mais vantajosos e informa-o sobre as medidas legais que podem afet-lo. Esta revista o complemento ideal da PROTESTE e ambas permitem-lhe estar mais bem protegido na sua vida quotidiana. Entre legislao, regulamentos, prticas comerciais, contratos, diligncias administrativas a DINHEIRO & DIREITOS est l para ajud-lo, quer seja proprietrio ou inquilino, independente ou assalariado, comprador ou vendedor! 6 nmeros por ano para defender os seus direitos e saber como proteger os seus bens

lar saudvel

3

ndice

As nossas casas contm substncias prejudiciais para a sade, cuja presena ignoramos. Conhea as solues para controlar esta contaminao domstica e os truques para diminuir os riscos.

O ar que respiramos gua para consumo humano Perigos escondidos em armrios e despensas

4 14 18

DECO PROTESTE, Lda. Av. Eng. Arantes e Oliveira, 13, 1. B 1900 221 LISBOA Tel. 808 200 146/218 410 801 www.deco.proteste.pt Editor responsvel Pedro Moreira Coordenao editorial Joo Mendes Projeto grfico Manuel Estrada Design Ilustraes Javier Vzquez Paginao Alexandra Lemos Redao Ins Lourinho Apoio tcnico Cristina Cabrita Isabel Oliveira Slvia Menezes Sofia Mendona Depsito Legal ISBN Impresso

Esta edio respeita as normas do novo Acordo Ortogrfico. Esta publicao, no seu todo ou em parte, no pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma ou processo, eletrnico, mecnico ou fotogrfico, incluindo fotocpia, xerocpia ou gravao, sem autorizao prvia e escrita da editora.

4

lar saudvel

O ar que respiramosQuando um vulco entra em erupo ou ocorre um incndio com causas naturais, so libertados contaminantes para a atmosfera. Mas o maior responsvel pela degradao da qualidade do ar o Homem, devido ao crescente recurso a combustveis fsseis, como o carvo, petrleo e gs natural. O trfego rodovirio e a indstria partilham o topo da lista dos mais poluidores.

O que nos entra pelas janelasEntre os diversos contaminantes que respiramos diariamente, as partculas em suspenso so, com o ozono, os que mais afetam a nossa sade. As medidas legais implementadas a nvel europeu e nacional melhoraram bastante a qualidade do ar. Mas ainda h muito por fazer. Em diversas localidades portuguesas, sobretudo em meios urbanos, os limites mximos permitidos para a concentrao de partculas e ozono continuam a ser ultrapassados.

Muitas so originadas pela prpria Natureza. O Sul da Europa frequentemente atingido por partculas provenientes das zonas ridas do Norte de frica. Mas as mais perigosas resultam das atividades humanas. Os principais responsveis por esta contaminao so a indstria, extrao de minrios, obras de construo civil e, sobretudo, o trfego rodovirio, que, por sua vez, produz partculas conhecidas como PM 2,5. Tm um dimetro inferior a 2,5 m e resultam, em especial, dos veculos a gasleo. Alm de graves crises de asma, podem provocar reaes inflamatrias nos pulmes e problemas cardiovasculares. A exposio prolongada pode levar a maior incidncia de cancro do pulmo e doena pulmonar obstrutiva crnica.

Partculas em suspensoMinsculas e perigosas, encontram-se no ar sob a forma slida ou lquida.

lar saudvel

5

O que fazer? Contra as emisses de origem natural nada h a fazer, a no ser evitar a exposio ao ar exterior em dias de alerta acionado pelas autoridades de sade. J a diminuio das concentraes de partculas caractersticas dos ncleos urbanos depende da implementao de medidas como a reduo do trfego, o planeamento adequado das cidades e rede viria e o fomento dos transportes pblicos.

A exposio ao ozono ataca as vias respiratrias. Pode provocar dificuldade em respirar e aumentar a frequncia e intensidade de ataques de asma. Produz tambm irritao no nariz, garganta e olhos, desencadeia ataques de tosse e gera uma sensao de presso no trax.

Truques para agir em caso de alerta de ozono1. No vero, permanea em casa nas horas de maior calor (entre as 12h00 e as 16h00), sobretudo se pertence a algum grupo de risco. 2. No pratique desporto ao ar livre e evite atividades que exijam esforo fsico. Quando a frequncia respiratria aumenta, a inalao de ozono maior. 3. Se tiver de sair, informe-se sobre os nveis de contaminao (por exemplo, no portal www.prevqualar.org).

Ateno ao ozonoNas camadas altas da atmosfera, o ozono constitui uma barreira que protege a Terra da radiao solar. Nas camadas mais baixas, atua como um poluente. Quando as concentraes so elevadas, torna-se perigoso. Mesmo uma breve exposio pode gerar sintomas, sobretudo em pessoas sensveis. Os nveis mais elevados so alcanados no vero, em horas de grande calor e na presena de forte radiao solar. Mas a poluio por ozono no est limitada aos centros urbanos. Os seus precursores, como os xidos de azoto, so, muitas vezes, arrastados pelo vento at grandes distncias, pelo que frequente verificarem-se nveis elevados em zonas onde a qualidade do ar, no geral, boa.

6

lar saudvel

Em indivduos de risco (idosos, crianas e portadores de problemas respiratrios), a exposio pode agravar sintomas j existentes. O que fazer? A preveno a nica arma. Por isso, muito importante a ao das autoridades, que devem informar a populao com antecedncia sobre a contaminao do ar e as medidas a adotar, sobretudo quando os nveis superam os 180 g/m3.

400 Bq/m3 (unidade de medida da radioatividade), 6 sofrem daquele tipo de cancro. Na prtica, estas condies duplicam a probabilidade de contrair a doena. O risco superior nos fumadores. A maioria dos portugueses no est exposta a nveis elevados de rado. O mesmo no acontece com os habitantes dos distritos de Braga, Vila Real, Porto, Guarda, Viseu e Castelo Branco, que vivem em zonas granticas. No distrito de Portalegre, a serra de So Mamede tambm apresenta riscos. O rado provm da desintegrao do urnio, caracterstico do granito. No geral, a concentrao na atmosfera baixa. Mas, em ambientes fechados, como habitaes, por vezes, atinge nveis preocupantes. Os valores mais elevados encontram-se em pisos inferiores, como caves, arrecadaes e superfcies trreas. O perigo diminui com a distncia do cho. O solo de granito a principal fonte de rado, que se infiltra nos edifcios por fissuras e fendas no pavimento (por exemplo, entre os azulejos) e paredes, bem como nas unies das canalizaes. As superfcies interiores revestidas de granito, como paredes e bancadas, tambm libertam quantidades significativas, sobretudo se houver pedras fraturadas no isoladas, por exemplo, com verniz.

Rado: perigo invisvelPrincipal fonte de radiao natural para o ser humano, o rado um gs sem cor, cheiro ou sabor. S possvel conhecer a concentrao medindo-o com um dispositivo apropriado. Presente em toda a superfcie terrestre, no txico, mas desintegra-se com facilidade e d origem a elementos radioativos prejudiciais. Quando inalados, chegam aos brnquios, irradiam para os tecidos vizinhos e, no limite, causam tumores pulmonares. Estima-se que seja a segunda causa de cancro do pulmo, logo a seguir ao tabaco. Estudos mostram que, em cada 100 pessoas expostas todos os dias a mais de

lar saudvelLimites de rudo aconselhados

7

Rudo no interior

Rudo no exterior

30 dB(A)

55 dB(A)

65 dB(A)

durante o sono (perodo noturno) 0h00-7h00 (perodo noturno) 7h00-24h00 (perodo diurno) Fonte: Organizao Mundial de Sade.

Algumas paredes de tijolo e cimento, em divises pouco ventiladas, podem libertar rado se contiverem areia proveniente de zonas granticas com elevado teor de rdio e urnio. No inverno, com as casas menos ventiladas, a quantidade deste gs no interior pode ser o dobro da registada no vero. A ingesto de gua com radioatividade no causa problemas, mas a inalao dos vapores mais um fator de exposio. Mas viver numa zona grantica no sinnimo de teores elevados: depende da qualidade da construo, manuteno e ventilao. Para conhecer a concentrao ter de recorrer a um laboratrio habilitado. O que fazer? Areje a casa, pelo menos, 10 minutos por dia, mesmo no inverno. Tenha especial

cuidado com habitaes fechadas por muito tempo. Abra todas as portas e janelas chegada e garanta uma boa circulao do ar. Tape fissuras no pavimento ou junto canalizao. Se tiver paredes ou bancadas de granito, uma soluo envernizar. No isole hermeticamente janelas, portas e persianas, para assegurar alguma ventilao permanente. Caso estas medidas no sejam suficientes, reforce a preveno: instale um sistema mecnico de ventilao forada.

Excesso de rudoTrfego rodovirio, obras, alarmes, msica de bares, entre outros: a vida urbana tem como pano de fundo um rudo constante, que pode repercutir-se no humor e estado de sade dos cidados. A DECO PROTESTE realizou vrias medies em diferentes pontos de Lisboa e

8

lar saudvel

chegou concluso de que os habitantes da capital esto sujeitos a nveis de presso sonora elevados. Um relatrio europeu publicado em 2008 revela que 55% da populao a viver em zonas urbanas com mais de 250 mil habitantes (cerca de 67 milhes de pessoas na Unio Europeia) esto expostos a nveis de rudo de trfego acima do limite legal (55Lden). Por isso, muitos sofrem de graves perturbaes do sono ou outras doenas induzidas pelo rudo, como dores de cabea, stresse, irritabilidade e dificuldades de concentrao. O que fazer? Reduzir a poluio sonora a nveis mais razoveis implica a interveno de todos: autoridades, a quem cabe efetuar medies e garantir que os nveis mximos legais no so ultrapassados, e cidados, que no devem causar incmodo nas suas atividades profissionais ou pessoais. Quem se sente exposto a nveis elevados de rudo deve procurar resolver o problema com a entidade responsvel pela emisso de rudo. Caso no seja bem sucedido, contacte as autoridades policiais. Se o rudo tiver origem numa ativi-

dade comercial, industrial ou no trfego, contacte ainda a autarquia e a linha SOS Ambiente (808 200 520). Em zonas que incluem habitaes, comrcio e servios, o rudo no pode exceder 65 dB(A). Entre as 0 e as 7 horas, o limite de 55 dB(A). O isolamento acstico das habitaes est tambm contemplado na lei, que estabelece valores mnimos para o isolamento face a sons areos entre habitaes (vozes, por exemplo), sons de impacto (passos, arrastar de uma cadeira, etc.) e ao isolamento da fachada.

Cafs e restaurantesA quase inexistente ou precria separao entre os espaos para fumadores e no fumadores em cafs e restaurantes deita por terra as boas intenes da lei sobre limitao ao consumo do tabaco. Em 2010, medimos anonimamente a concentrao de fumo em espaos pblicos. Os resultados provam que a coabitao entre fumadores e no fumadores, mesmo em locais com reas reservadas aos adeptos do cigarro e equipadas com sistemas de ventilao ou extrao, no soluo para proteger os cidados contra a exposio passiva.

lar saudvel

9

Em ambientes interiores, o fumo do tabaco responsvel por uma considervel concentrao de poluentes: compostos orgnicos volteis, hidrocarbonetos aromticos policclicos, partculas e gases inorgnicos, entre outros. As partculas finas, muito pequenas, permanecem no ar durante longos perodos. Por isso, so um bom indicador da qualidade do ar interior. Esto na origem do aumento da mortalidade devido a problemas respiratrios, cardiovasculares e de cancro do pulmo. Concentraes elevadas aumentam o risco de internamento devido a infees das vias respiratrias inferiores, obstruo respiratria crnica e reduo da funo pulmonar em crianas e adultos. As vias respiratrias no conseguem filtr-las nem elimin-las. Alojam-se em zonas profundas dos pulmes e podem arrastar substncias txicas, que tambm atingem esses rgos. O que fazer? Alguns pases tm leis mais restritivas do que a nossa e probem o tabaco em todos os espaos pblicos. Os estabelecimentos acima de 100 m2 deveriam ter zonas separadas por barreiras fsicas,

reforadas com sistemas de ventilao e extrao eficazes.

Dentro de casaOs cidados esto cada vez mais conscientes dos efeitos da poluio ambiental na sade, sobretudo no que respeita qualidade do ar, mas menos sobre os perigos de contaminao em casa, desconhecidos ou ignorados. Passamos 90% do nosso tempo no interior de edifcios (casa, escritrio, escola, etc.). Cada vez mais isoladas para evitar perdas de energia, as habitaes so menos ventiladas, pelo que as substncias txicas podem acumular-se mais facilmente e alcanar concentraes prejudiciais para a sade. As fontes de contaminao interior so muitas e, quando se combinam, os efeitos nocivos podem potenciar-se. No entanto, ainda existem poucos estudos cientficos sobre os efeitos cumulativos dos vrios contaminantes domsticos e os diagnsticos so difceis de estabelecer. Sabe-se que existem meios para control-los e precaues para limitar os danos. A lista de contaminantes longa. Destacamos os 5 mais frequentes.

10

lar saudvel

Partculas em suspensoP, fumo de tabaco, caros, aerossis provenientes de ambientadores e produtos de limpeza, quando inalados, podem provocar doenas pulmonares, alergias e outras perturbaes das vias respiratrias. O que fazer? Ventile frequentemente a casa e adote medidas de higiene, em especial face roupa da cama. Lave os lenis com gua quente e, de vez em quando, passe o aspirador pelas duas faces do colcho. Tenha ainda ateno a cortinas, almofadas, livros ou outros objetos que acumulem p.

Monxido de carbono (CO)Incolor e inodoro, este gs difcil de detetar e muito perigoso. Numa casa com ambiente saudvel, no deve existir CO. Encontram-se nveis elevados em lugares prximos de estacionamentos ou em instalaes de gs com fugas ou pontos de combusto deficiente. Combinado com a hemoglobina do sangue, o CO reduz o fornecimento de oxignio ao organismo e provoca tonturas e nuseas. Em casos graves de exposio, pode conduzir morte, conhecida como morte doce, pois o indivduo perde a conscincia e no se apercebe do risco. O que fazer? Faa a manuteno regular das instalaes a gs, caldeiras e esquentadores. No tape as grelhas de ventilao das divises com pontos de combusto, como a cozinha. Outra medida ventilar a casa com regularidade.

Dixido de carbono (CO2)Libertado durante a respirao por pessoas e animais, tambm um dos principais contaminantes do fumo do tabaco. Em altas concentraes, d origem a ambientes carregados, sinal de que o arejamento insuficiente. O que fazer? Ventile com frequncia, sobretudo casas onde permaneam pessoas por largos perodos durante o dia.

Compostos orgnicos volteisNuma casa, pode haver 50 a 300 substncias qumicas potencialmente txicas. Nem o material escolar resiste a uma anlise. Testmos canetas de feltro e marcadores fluorescentes e detetmos substncias perigosas quando inaladas.

lar saudvel

11

O formaldedo um dos contaminantes mais perigosos, pois est presente em quase todos os materiais de construo e mobilirio. Liberta-se sobretudo das resinas, solventes e colas usadas no fabrico de madeiras aglomeradas e contraplacados. Inalado, provoca irritao nos olhos, nariz e garganta. Mas o efeito da exposio a longo prazo pode ser mais devastador, pois esta substncia classificada como um provvel cancergeno. Outro agente contaminante o benzeno, reconhecidamente cancergeno. Encontra-se no fumo do tabaco, gases de escape dos automveis e, em quantidades cada vez menores, nos inseticidas, detergentes, corantes, tintas, etc. Provoca irritao das vias respiratrias e olhos, dor de cabea e congesto nasal. O que fazer? Frases nas embalagens como no utilizar em locais fechados ou no inalar indiciam a presena de compostos orgnicos volteis. Siga as precaues de segurana e faa uma boa ventilao. recomendvel no habitar logo uma casa nova ou recm-remodelada. Deixe secar bem a tinta, cola e outras substncias ou recorra a produtos sem solventes, com a mesma eficcia.

Bactrias e fungosA contaminao por fungos muito mais perigosa do que a bacteriana. Os fungos, que podem revelar-se muito txicos, so um indicador de problemas de limpeza e higiene. Casas com muita humidade ou manchas cinzentas, esverdeadas ou negras nas paredes indicam a presena de fungos. O que fazer? Assegure uma limpeza rigorosa, elimine o bolor visvel e controle o nvel de humidade. Uma boa ventilao e, consoante os casos, a utilizao de um humidificador ou desumidificador ajudam a obter o equilbrio desejado.

12

lar saudvel

Casa saudvel em 5 passosAbrir as janelas. Ventilar a palavra -chave. Abrir bem as janelas durante, pelo menos, 5 minutos, mesmo no inverno, ajuda a renovar o ar sem perder demasiado calor. Mais limpeza. Use mais gua e menos produtos qumicos. Casas fechadas durante muito tempo ou recentemente sujeitas a obras exigem uma boa limpeza antes de serem habitadas. Menos tabaco. Esta continua a ser a principal fonte de contaminao dos locais fechados. Procure no fumar, pelo menos, em interiores.

lar saudvelCom alguns truques simples, pode reduzir o nvel de contaminantes da sua casa.

13

Madeira natural. Escolha materiais de construo de qualidade e pouco txicos, como as madeiras naturais (carvalho, castanho, faia, pinho, etc.), que no exigem tratamentos inseticidas ou fungicidas.

Mais plantas. Vrios estudos demonstram a eficcia de algumas plantas a filtrar ou diminuir a concentrao dos componentes orgnicos volteis. Mas cuidado com os bolores: vigie a humidade da terra. Um nvel elevado pode ser novo foco de contaminao.

14

lar saudvel

gua para consumo humanoA gua doce um bem de primeira necessidade, com elevada repercusso na sade. A qualidade tem melhorado muito nos ltimos anos. Os problemas, no geral, esto limitados s zonas servidas por sistemas de distribuio de reduzida dimenso.No possvel evitar por completo a presena de contaminantes. O controlo dos nveis de nitratos, por exemplo, uma operao complicada e requer a colaborao de diversos setores: desde os agricultores, para fazerem um uso correto dos pesticidas, aos criadores de gado, para evitarem o despejo de detritos em cursos de gua, passando pelas autoridades, que devem assegurar o bom tratamento das guas residuais. ciam estes compostos, a longo prazo (30 anos), ao cancro da bexiga. Nitratos. So substncias que favorecem o crescimento de plantas e algas. No estmago humano, sobretudo em bebs, transformam-se em nitritos, que, combinados com a hemoglobina, reduzem o fornecimento de oxignio ao sangue e causam cianose e, em casos extremos, asfixia. COV. Compostos orgnicos volteis, libertam-se sobretudo temperatura ambiente. So produzidos pela queima de combustveis, mas tambm se desprendem de plsticos e solventes. Em experincias com animais, verificou-se que o 1,1,2 Tricloroetano pode afetar o sistema nervoso central. Pesticidas. Substncias qumicas, naturais ou sintticas, utilizam-se para combater pragas agrcolas. Dada a sua perigosidade, algumas, como o alacloro e

Contaminantes mais habituaisVejamos os efeitos sobre a sade dos contaminantes mais habituais. Tri-halometanos. Compostos volteis, formam-se quando o cloro reage com matria orgnica. A ingesto em quantidades elevadas e de forma contnua pode provocar danos no fgado, rins e sistema nervoso central. Estudos asso-

lar saudvel

15

o endossulfo, esto includos na lista de contaminantes a pesquisar na gua para consumo humano. Condutividade. Atravs da condutividade, podemos conhecer a quantidade de sais minerais que a gua arrasta ao passar por diferentes solos. Em quantidades reduzidas, considerada normal e at necessria para o organismo. O excesso pode agravar os sintomas de doentes cardiovasculares e renais.

Como tratar a guaAlguns dispositivos reclamam-se capazes de melhorar a qualidade da gua.

Filtros

Podem ser interessantes para purificar a gua da torneira, mas no so muito eficazes com o calcrio. Domsticos de osmose inversa Como funcionam: pela diferena de presso, uma membrana retm certas partculas. So instalados na canalizao. Avaliao: a gua muito calcria tende a deterior-los. Mas filtram bem os pesticidas, nitratos, solventes, tri-halometanos e metais pesados. S conseguem purificar 2 litros por cada 10 de gua da torneira. Para a torneira (e jarros com filtro) Como funcionam: purificam a gua com um filtro, seja de permuta inica, mecnico ou outro. Avaliao: os de permuta so os nicos medianamente eficazes contra o calcrio. Os de carvo ativo, por sua vez, reduzem a quantidade de pesticidas, enquanto os de filtro mecnico retm metais pesados. Mas, ateno, o filtro pode converter-se num ninho de algas e micrbios.

gua de captaes particularesSe usa gua de um poo ou furo, efetue anlises a cada 6 meses. Mesmo sem sinais visveis de contaminao, pode estar poluda por pesticidas, metais pesados, nitratos ou bactrias, em especial se, entre os locais de captao e consumo, existirem zonas agrcolas ou industriais. O que fazer? Se tem dvidas sobre a qualidade da gua da rede pblica, pea informao ao distribuidor, cmara municipal ou Entidade Reguladora do Servio de guas e Resduos (ERSAR). No recorra a filtros de gua sem saber se a mesma potvel.

16

lar saudvel

Descalcificadores

So concebidos para tratar gua com excesso de calcrio. Eletromagnticos e de polifosfatos Como funcionam: os primeiros mudam a forma de cristalizao dos carbonatos. Os segundos impedem a cristalizao. Avaliao: com os eletromagnticos, a gua no sofre transformaes qumicas. Permutadores inicos Como funcionam: na gua calcria, um filtro de resina troca ies de sdio (sal) por ies de carbonato de clcio e magnsio. Avaliao: so eficazes, mas no perfeitos. Consomem sal e eletricidade e deixam de funcionar durante a fase de regenerao. A gua pode ficar algo salgada.

e resduos solveis. Descasque a fruta e retire as folhas exteriores e as nervuras. So medidas teis para eliminar os pesticidas, ainda que reduzam o fornecimento de fibras. Nitratos. Escolha legumes frescos e lave as folhas, uma a uma, em gua corrente. No aproveite a gua da cozedura de vegetais ricos em nitratos. Varie o tipo de legumes. Aditivos. Quanto mais colorido, transformado ou elaborado for o alimento, maior a probabilidade de conter aditivos. Benzopirenos. Quando os grelhados ficam com partes carbonizadas, formam-se os hidrocarbonetos aromticos policclicos. O mais perigoso o benzopireno. Opte por alimentos menos gordos e rejeite os pedaos queimados. Parasitas. Um dos mais conhecidos o anisakis, por vezes, presente no peixe. Se adepto do peixe cru, congele 24 horas antes de preparar. Bactrias. No ultrapasse as datas de validade e, no caso dos frescos, tente que o consumo ocorra o mais prximo possvel da compra. No interrompa a cadeia do frio. Lave bem as mos, os utenslios e as bancadas.

Riscos nos alimentosOs alimentos podem ser alvo de contaminao qumica ou biolgica. O que fazer? Siga os nossos truques: Pesticidas. Lave fruta e legumes em gua corrente, para eliminar p, terra

Quer saber qual o tarifrio mais vantajoso para as comunicaes fixas e mveis ou qual a Escolha Acertada de televisores LCD e plasma? Contacte-nos e ter as respostas que procura sobre os produtos ou servios que pretende adquirir. Os nossos colaboradores respondem a questes em matria de consumo, mas tambm sobre assuntos de sade, seguros, etc.

Quando os seus direitos so postos em causa, a experincia dos nossos juristas pode ser determinante. Em caso de litgio, a DECO PROTESTE poder intervir junto das entidades que lesaram o consumidor. Os nossos especialistas esto sua disposio para o esclarecer. Basta um telefonema para que o seu caso seja analisado com toda a confidencialidade. No momento de preencher a sua declarao de IRS, so vrias as questes que se colocam, quer seja trabalhador independente ou por conta de outrem... Preencher a declarao de IRS um problema para si? No aceitaram uma deduo que apresentou? De que produtos com benefcios fiscais pode usufruir? Os nossos especialistas em matria fiscal respondem s suas dvidas, de maneira eficaz e discreta. Na compra de algo to importante como carro ou casa, frequente o recurso ao crdito. Mas as condies de emprstimo so sempre diferentes de instituio para instituio. Da, a importncia de optar pelas melhores condies. Qual o banco que lhe oferece o melhor crdito pessoal ou habitao? Qual a melhor opo de financiamento para comprar automvel? Graas aos nossos conselhos, o crdito ao consumo ou hipotecrio deixar de ter segredos para si. Questiona-se se, tendo em conta os seus investimentos e o seu perfil, dever privilegiar a compra de aes ou a subscrio de fundos? Os nossos especialistas dar-lhe-o conselhos especializados e personalizados que o ajudaro a tomar as melhores decises de investimento.

18

lar saudvel

Perigos escondidos em armrios e despensasAlguns artigos de consumo que usamos todos os dias escondem riscos de que no suspeitamos. Conhea-os e siga algumas precaues.

Detergentes e biocidas domsticosOs detergentes so uma fonte de contaminao ambiental, por conterem diversas substncias qumicas e serem usados com frequncia. Mas o impacto depende tambm do tipo de embalagem e peso e composio do contedo. Entre os componentes com mais impacto ambiental, esto os fosfatos, os quais em breve sero proibidos nos detergentes para roupa. Enquanto isso, recomendamos detergentes sem fosfatos, os mais comuns atualmente. As novas frmulas desenvolvidas pelos fabricantes deram origem a doses inferiores, com a mesma eficcia de lavagem, mas menos resduos contaminantes. Na luta contra os germes, bactrias e outros microrganismos, temos tendncia para inundar a casa de biocidas, ou

seja, substncias qumicas que matam diferentes formas de vida indesejveis. Em contrapartida, ficamos mais expostos s alergias, muitas acentuadas pela presena de produtos qumicos. O uso excessivo de detergentes e biocidas domsticos no benfico, em especial, se forem usados com frequncia produtos mais agressivos. O que fazer? Confira a nossa seleo de conselhos: Na limpeza da casa ou loia, no use produtos que se anunciem como antibacterianos. Os detergentes convencionais so suficientes. Na medida do possvel, evite substncias qumicas. Para o controlo das pragas, existem outras opes menos agressivas, como instalar redes mos-

lar saudvel

19

quiteiras nas janelas, apagar as luzes e usar repelentes naturais (gernio, eucalipto e cebola contra os mosquitos; canela e limo para eliminar as formigas). Proteja a roupa guardada com bolas de cedro, lavanda, pimenta e folhas de nogueira. Se necessita de um inseticida em aerossol, cubra os alimentos e utenslios de cozinha e retire os animais domsticos para outra diviso. Areje a casa depois de usar este tipo de produtos e lave as mos. No instale difusores eltricos durante a noite no quarto das crianas. No use sprays de forma generalizada: em muitos casos, basta um pulverizador. Respeite as doses aconselhadas.

Opte por produtos com base aquosa em vez de substncias com solventes volteis (derivados do petrleo), mais irritantes para os olhos e mucosas. Evite os produtos com o smbolo de txico ou pictogramas de nocivo ou prejudicial para o meio ambiente. Se os comprar, siga as instrues e no deite fora a etiqueta nem os passe para uma embalagem diferente da original, para evitar acidentes.

Cosmticos e produtos de higiene pessoalDesde manh at noite, fazemos uso da cosmtica: tomamos duche com gel ou sabo, pomos perfume, aplicamos

20

lar saudvelNovos pictogramas de perigoA 1 de dezembro de 2010, entrou em vigor o Regulamento Europeu sobre Classificao, Rotulagem e Embalagem de Substncias e Misturas (Regulamento CE n. 1272/2008). Esta legislao impe novos smbolos de perigo para os produtos qumicos. Deixa de ser usado o quadrado com um pictograma preto sobre fundo laranja para ser adotado um pictograma preto com uma moldura vermelha em redor.

1. Para os casos de toxicidade aguda com consequncias imediatas

2. Advertncia de menor intensidade para os casos de toxicidade ou leses

3. Alerta para o perigo de inflamabilidade

En caso de acidente ou ingesto, contacte o Centro de Informao Antivenenos (808 250 143) ou ligue o 112.

cremes no rosto e corpo, passamos maquilhagem, fazemos a barba, etc. Podemos usar cerca de 15 cosmticos por dia quase sem dar conta, o que nos expe a mltiplas substncias suscetveis de produzir reaes alrgicas. Cada cosmtico contm, em mdia, mais de 20 qumicos. Algumas so conhecidos alergnios, outras apresentam riscos para o ambiente devido sua persistncia ou toxicidade. As reaes mais frequentes so as alergias de contacto ou eritemas. A urticria e a bronquite asmtica ocorrem em casos mais raros. Nenhum cosmtico est livre de provocar reaes alrgicas, mas algumas substncias causam-nas com

mais frequncia do que outras ou a um maior nmero de indivduos. As alergias podem aparecer a qualquer momento da nossa vida. Um cosmtico usado desde h muito tempo tambm pode provocar reaes alrgicas. O que fazer? Antes de usar um produto, faa um teste numa pequena zona da pele. Nos produtos de uso espordico, repita a experincia ao longo do tempo e no apenas da primeira vez. Para indivduos mais sensveis, aconselhvel esperar alguns dias depois do teste at usar o produto. Se surgir uma reao alrgica, consulte o mdico, que pode receitar os medicamentos certos (por exemplo, um anti-

lar saudvel

21

Guia de compras-histamnico ou corticosteroide tomado por via oral). No caso de reaes alrgicas, lave a zona afetada com gua fria e aplique compressas frias. No coce. No confie em alegaes como clinicamente testado, hipoalergnico ou recomendado pelos mdicos. No significam que o produto foi sujeito a anlises oficiais por laboratrios independentes. Muitas vezes, so apenas argumentos de venda. No h legislao que impea os fabricantes de usarem o termo "natural", mesmo que os produtos contenham uma maioria de substncias sintticas. D menos importncia publicidade e leia com ateno a lista de ingredientes. Topouco o facto de uma loja se dizer "natural" deve ser encarado como garantia. Na lista de ingredientes, quanto mais nomes em latim, mais produtos naturais. Se estiverem no topo da lista, maior a concentrao. Mas tenha em ateno que os produtos naturais no so incuos: tambm podem originar reaes. Alguns nomes que no esto em latim correspondem a ingredientes teis. Os mais comuns so o tocoferol (vitamina E), o pantenol (vitamina B5) e o dixido de titnio (filtro solar). Um ingrediente natural deve ter quantidades reduzidas de conservantes, como os parabenos. Mas uma pequena dose de etil ou metil parabeno pode ser admissvel. J outros so dispensveis: BHT, BHA e triclosan (antimicrobianos), DMDM hydantoin, imidazolidinyl urea, diazolidinyl urea e sodium hydroxymethylglycinate (podem libertar formaldedo), petrolatum e paraffinum liquidum (derivados do petrleo), silicones (dimethicone e ethyl trisiloxane), corantes e perfumes qumicos.

MedicamentosAo mesmo tempo que salvam vidas, os medicamentos podem ter efeitos adversos. Antes de serem postos venda, so submetidos a rigorosos estudos e anlises em seres humanos e animais, que servem para avaliar se os benefcios superam possveis riscos. Mesmo assim, nenhum medicamento 100% seguro. Estimase que as reaes adversas representem 5% dos internamentos hospitalares na Unio Europeia e causem 197 mil mortes todos os anos. So mesmo a quinta causa de morte em hospitais europeus.

22

lar saudvel

Como os testes no consideram todas as hipteses (por exemplo, a interao com todos os alimentos e medicamentos) nem incluem grupos como os idosos e as grvidas, existe um sistema de vigilncia depois de as substncias entrarem no mercado. Os consumidores podem reportar problemas a um profissional de sade. O que fazer? Para usar um medicamento de forma segura, tenha em conta o seguinte: Procure um mdico. Antes de consumir medicamentos, plantas medicinais ou outras substncias ativas, avise o mdico e/ou farmacutico. Pea informao sobre substncias ou tratamentos que possam influenciar a ao dos medicamentos: modo de utilizao, riscos e mudanas de hbitos (por exemplo, deixar de beber lcool ou no apanhar sol). Relate eventuais doenas ou a toma de outros medicamentos, vitaminas, plantas medicinais, etc. Risco acrescido. Idade, problemas de fgado ou rins e a toma simultnea de vrios frmacos (por exemplo, os anticoagulantes) aumentam a probabili-

dade de efeitos adversos e toxicidade dos medicamentos. Alergias. Algumas pessoas podem ter alergia a medicamentos ou excipientes. Traga sempre esta informao consigo (por exemplo, num carto dentro da mala). Medicamentos em local seguro. Guarde os medicamentos num lugar seco e seguro, longe do calor e humidade e conserve-os na embalagem original. Tenha o cuidado de mant-los fora do alcance das crianas. Instrues. Respeite-as escrupulosamente: dose, esquema de toma, durao do tratamento, etc. Leia sempre o folheto informativo. Efeitos adversos. Se for vtima de um efeito indesejvel, consulte a bula para saber se vem referenciado. Esteja ou no includo, informe um profissional de sade, sobretudo se o medicamento for recente no mercado. No caso de reao grave, procure imediatamente um mdico ou hospital.

lar saudvel

23

RoupaAs roupas de pronto-a-vestir j pouco tm que ver apenas com as matrias-primas. Sejam fibras naturais ou sintticas, sofrem tantos processos que s a custo podemos dizer que se trata do mesmo material. A indstria txtil emprega uma enorme quantidade de tratamentos e substncias qumicas, muitas das quais no chegam ao consumidor final, a menos que permaneam resduos no eliminados. Outras, como os tintos, apliques e estampados, acabam em contacto com a pele. Muitas destas substncias podem causar alergias (formaldedo, clorofenois, corantes azoicos, etc.), sobretudo em indivduos mais sensveis, como as crianas. O que fazer? Como medida preventiva, lave os artigos antes de estrear, algo especialmente importante, por razes higinicas, no caso das peas que vo ficar em contacto direto com a pele, como roupa interior, lenis ou toalhas de banho, assim como vesturio para criana ou beb. Com esta precauo, pode eliminar os vestgios de tintos, formaldedo, etc. Os detergentes lquidos so mais suaves e, por isso, recomendveis quando a roupa no est muito suja. Se ficarem restos de detergente, elimine-os com um segundo enxaguamento. Antes de usar ou guardar no armrio, areje no exterior ou numa diviso bem ventilada as peas provenientes da lavandaria. Use, de preferncia, roupa de algodo, um dos tecidos menos irritantes.

Viva melhor, aproveitando a informao sobre consumo, sade e direitos disponvel em

www.deco.proteste.pt