Narrativas visuais e hipertextuais novas configurações de...

of 22 /22
Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Pós Graduação em Letras CCTE / Programa de Pós Graduação em Ciências da Computação - 1 - Narrativas visuais e hipertextuais – novas configurações de espaços e tempos na aprendizagem Edemir Jose Pulita 1 (UnB) Resumo: Partindo das interfaces entre as experiências de aprendizagem, as tecnologias digitais e os processos comunicacionais, analisamos narrativas fotográficas em redes sociais a propósito da visita à cidade de Brasília. Nossa hipótese é que tais narrativas, sob uma abordagem sócio-histórica de linguagem, configuram-se em bases de uma nova epistemologia nas formas de acessar, produzir e socializar conhecimentos, frente à emergência das novas mídias comunicacionais. A aprendizagem e a comunicação em rede apontam para uma transgressão de papéis, de momentos e de processos que podem responder aos novos desafios e às novas possibilidades trazidas pelas redes sociais conectadas via internet. Palavras-chave: Narrativas visuais, experiências de aprendizagem, espaço urbano. Résumé: A partir des interfaces entre les expériences d’apprentissage, les technologies numériques et les processus de communication, nous avons analysé des narratives photographiques sur les réseaux sociaux à propos de la visite de la ville de Brasilia. Notre hypothèse est que ces narratives, sous une approche socio-historique du langage, se configurent sur les bases d’une nouvelle épistémologie des manières d’accéder, de produire et de socialiser des connaissances, face à l’émergence des nouveaux médias communicationnels. L’apprentissage et la communication en réseau indiquent une transgression de rôles, de moments et de processus qui peuvent répondre aux nouveaux défis et aux nouvelles possibilités apportées par les réseaux sociaux connectés à Internet. Mots clés: Narratives visuelles, expériences d’apprentissage, espace urbain. Introdução O desenvolvimento das tecnologias na história sempre representou novas dimensões que impactaram na humanidade. Isso se verifica desde a invenção do fogo até a nanotecnologia atual. No campo educacional as tecnologias sempre estiveram 1 Edemir PULITA , Doutorando em Educação, Comunicação e Tecnologias Universidade de Brasília (UnB), PPGE/CAPES [email protected]

Embed Size (px)

Transcript of Narrativas visuais e hipertextuais novas configurações de...

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 1 -

    Narrativas visuais e hipertextuais novas configuraes de espaos e tempos na aprendizagem

    Edemir Jose Pulita1 (UnB)

    Resumo: Partindo das interfaces entre as experincias de aprendizagem, as tecnologias digitais e os processos comunicacionais, analisamos narrativas

    fotogrficas em redes sociais a propsito da visita cidade de Braslia. Nossa hiptese que tais narrativas, sob uma abordagem scio-histrica de linguagem, configuram-se em bases de uma nova epistemologia nas formas de acessar, produzir e socializar conhecimentos, frente emergncia das novas mdias comunicacionais. A aprendizagem e a comunicao em rede apontam para uma transgresso de papis, de momentos e de processos que podem responder aos novos desafios e s novas possibilidades trazidas pelas redes sociais conectadas via internet. Palavras-chave: Narrativas visuais, experincias de aprendizagem, espao urbano. Rsum: A partir des interfaces entre les expriences dapprentissage, les technologies numriques et les processus de communication, nous avons analys des narratives photographiques sur les rseaux sociaux propos de la visite de la ville de Brasilia. Notre hypothse est que ces narratives, sous

    une approche socio-historique du langage, se configurent sur les bases dune nouvelle pistmologie des manires daccder, de produire et de socialiser des connaissances, face lmergence des nouveaux mdias communicationnels. Lapprentissage et la communication en rseau indiquent une transgression de rles, de moments et de processus qui peuvent rpondre aux nouveaux dfis et aux nouvelles possibilits apportes par les rseaux sociaux connects Internet. Mots cls: Narratives visuelles, expriences dapprentissage, espace urbain.

    Introduo

    O desenvolvimento das tecnologias na histria sempre representou novas dimenses

    que impactaram na humanidade. Isso se verifica desde a inveno do fogo at a

    nanotecnologia atual. No campo educacional as tecnologias sempre estiveram

    1 Edemir PULITA , Doutorando em Educao, Comunicao e Tecnologias Universidade de Braslia (UnB), PPGE/CAPES [email protected]

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 2 -

    presentes, inclusive, muito antes do aparecimento da escola, considerada por ns

    tambm uma tecnologia. Atualmente, a mentalidade e os discursos envolvendo

    as novas tecnologias de informao e comunicao digitais na educao para

    usar uma composio contempornea e que no cessa de agregar termos e ideias -,

    indica no somente mudanas substantivas, mas verbais, predicativas e de sujeitos.

    Porm, para alm dos discursos ideolgicos (messinicos ou catastrficos),

    percebemos que uma dimenso negligenciada neste debate tem sido os impactos

    das mdias comunicacionais na cultura contempornea e as diversas novas

    configuraes da advindas. A proposta deste artigo se inscreve neste contexto,

    qual seja, problematizar como tais mudanas so sentidas, apropriadas ou

    esquecidas quando da tentativa da transposio para a escola, mais

    especificamente, como as mudanas ocasionadas pelas mdias comunicacionais

    configuram novos espaos, tempos, atores e movimentos, tanto concreta como

    potencialmente, no que se refere aos processos de aprendizagem.

    Entre os diversos esclarecimentos que consideramos importantes frente a

    nossa proposta, vamos sublinhar dois neste momento. O primeiro se refere nossa

    equivalncia em importncia, quando falamos de aprendizagem, no que tange a

    educao formal ou informal. Partimos do pressuposto que atualmente

    contraproducente falar em contedos, currculos e espaos formais de

    escolarizao, pois tal discurso, a nosso ver, o principal responsvel pelo

    distanciamento da escola em relao s tecnologias. O segundo ponto a esclarecer

    a desvinculao que fazemos, ao falar de tecnologias, de um discurso

    reducionista apenas a computador/internet e similares. Temos por pressuposto e

    definio tecnologias em todos os seus aspectos e dimenses: aparatos tcnicos,

    linguagens, mdias comunicacionais, meios de comunicao e etc. Desta forma,

    uma fala de um analfabeto to tecnolgica quanto um software sofisticado de

    mobile learning.

    As relaes que podem ser estabelecidas entre o desenvolvimento da cultura

    e a construo do conhecimento so potencializadas pelas mdias comunicacionais

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 3 -

    atualmente. Neste sentido, pretendemos refletir sobre as interfaces produzidas

    pela anlise de experincias de aprendizagem quando realizadas com a utilizao

    de tecnologias digitais (fotografias postadas em redes sociais) e verificar nos

    processos comunicacionais envolvidos, quais elementos apontam para novas

    configuraes de espaos e tempos na aprendizagem.

    Olhar a cidade - fotografia

    Desde o comeo de nossa reflexo em torno desta investigao os vrios

    elementos que emergiram so fascinantes, instigantes e hipertextuais. Diversas

    possibilidades de caminhos se abrem constantemente, como num labirinto diante

    de ns. Cada escolha de trajeto leva-nos a novos elementos ricos e variados e a

    experincia da escrita deste texto d-se como uma tentativa de seguir alguns fios

    de Ariadne.

    Deixando a potica a parte (sem negligenciar a sua importncia), definimos a

    cidade e o urbano como nosso espao e a fotografia como nosso meio de

    interlocuo. Mais especificamente vamos olhar para a Capital Federal brasileira,

    Braslia, pelas lentes fotogrficas de pessoas que por ela passaram e postaram tais

    fotos em alguma rede social. Para tanto, nesta sesso, pretendemos responder as

    seguintes questes: De que olhar falamos? O que fotografia? O que significa

    fotografar? De que cidade falamos?

    Ao iniciar a reflexo sobre as questes citadas acima, uma ressalva se faz

    necessria. Sem negligenciar que existe, ainda que minimamente ou por profisso,

    moradores que fotografam os espaos da cidade em que vivem, quando citarmos

    turistas ou turismo, no pretendemos reduzir os termos sua acepo miditica e

    comercial. Portanto, em nosso trabalho, um sinnimo melhor para turista seria

    visitante, seja ele da cidade ou no; e, para turismo, o sinnimo melhor seria

    passeio.

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 4 -

    Lvia Aquino (2013), no instigante trabalho intitulado Entre olhar o turista e

    olhar para o que ele olha, relaciona fotografia e turismo mostrando como tal

    dobradinha produziu, ao longo do sculo XX, uma srie de operaes, como por

    exemplo, a inveno dos lugares, a ocupao do tempo, o acmulo dos clichs e a

    roteirizao da memria. (p. 01) A democratizao de acesso tanto aos aparatos

    tecnolgicos da fotografia quanto aos locais considerados tursticos, fazem

    emergir relaes que a autora problematiza. A fotografia aparece como um evento

    e como uma prova da presena do sujeito em determinado local. Fotografar segue

    um protocolo social imperativo e coercitivo por meio do qual se busca

    demonstrar um conhecimento e uma representao do mundo. A autora afirma o

    surgimento de uma crtica a esta postura a partir dos anos 80, questionando-se o

    contedo e as formas de ver, a serializao, o esgotamento, a posse e a pose,

    bem como propem de anlise das fotografias como produtoras de novos modos

    de percepo e subjetivao. (p. 02)

    No livro O olhar do turista, John Urry (2001) aponta uma srie de prticas

    sociais consideradas atualmente como turismo das quais, a principal que

    devem ser realizadas em diferenciao do trabalho e do local de habitao comum.

    Tal percepo, segundo o autor citado, construda antes mesmo da viagem,

    atravs de fotos, cartes postais, filmes, msicas e reportagens, formando assim,

    um conjunto de signos. O olhar construdo atravs de signos, e o turismo

    abrange uma coleo de signos. (p. 18)

    Apesar da crtica contundente produo do turismo como uma prtica

    social padronizada com reaes previstas, dentre as quais fotografar se torna uma

    obrigao coercitiva, fazendo do turista quase o protagonista do filme Show de

    Truman, Urry (2001) aponta a necessidade da busca de olhares que escapam

    desta lgica ao mesmo tempo que denuncia que essas esferas culturais j no so

    mais aurticas, para empregar um termo de Benjamin. (p. 120)

    Se bem que j assinaladas, passamos segunda e a terceira questes postas

    no incio deste tpico. Refletir sobre o que a fotografia, o que ela representa e o

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 5 -

    que significa fotografar so elementos essenciais para compreenso das novas

    configuraes de espaos e de tempos que pretendemos discutir nas formas de

    aprendizagem contemporneas.

    Ferrari (2010) afirma que com este novo cdigo visual passamos a ver o

    mundo representado por meio de uma imagem fotogrfica, na qual a coisa real

    fotografada (capturada) em determinado momento vista pelo olhar de um sujeito

    atravs de lentes. Segundo essa autora, tal imagem alm de ser vista por outros

    sujeitos, agora pode ser aumentada, reduzida, retocada, recortada em milhares de

    outras possibilidades. Este fenmeno criou um novo conjunto de regras que

    ensinou a interpretar o mundo e a sociedade de outra maneira, que determina os

    padres ticos ou no, de acordo com o que essa sociedade escolhe como relevante

    ou irrelevante. (p. 102)

    A escritora norte-americana Susan Sontag tornou clebre a frase hoje tudo

    existe para acabar em fotografia. Alm de muito reveladora, a frase denuncia

    com uma certa dose de ironia um questionamento do que significa acabar em

    fotografia, em detrimento do olhar, do ver e do observar detidamente.

    A onipresena das fotos produz um efeito incalculvel em nossa sensibilidade tica. Ao munir este mundo, j abarrotado, de uma duplicata de mundo feita pelas imagens, a fotografia nos faz sentir que o mundo mais acessvel do que na realidade. A necessidade de confirmar a realidade e de realar a experincia por meio de fotos um consumismo esttico em que todos, hoje, so viciados. (SONTAG, 2004, 34)

    Nos interessam os sentidos e significados da imagem fotogrfica e do ato de

    fotografar. Ferrari (2010) alerta para a necessidade de uma alfabetizao para uma

    leitura significativa das imagens fotogrficas e, ainda, aponta que existem diversos

    desdobramentos de sentidos que dependem de inmeros elementos, dos quais, ela

    cita o fotgrafo, o objeto e o contexto. Segundo esta autora, a imagem fotogrfica

    composta por infinitas possibilidades sociais, culturais, ticas e estticas e,

    quando aplicada atividade turstica, circunscreve (...) tambm as necessidades

    do sujeito-turista, que podem ser ao mesmo tempo diversas. (p. 102)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 6 -

    Ferrari (2010) falando do ato de viajar (turista) e do ato de fotografar

    (fotgrafo) cunha a expresso fotgrafo-turista, afirmando que sua caracterstica

    essencial a de ser um caador de imagens. Ele e sua cmera (a arma) caam o

    diferente, o novo, o inusitado, o significante. Eles no perseguem uma caa

    qualquer; sua presa a cultura. (p. 112)

    Partindo da construo terica realizada at aqui que permeia os atos de

    viajar e/ou de passear, de ver e/ou de olhar, de fotografar e/ou de registrar,

    passamos a nossa ltima questo proposta De qual cidade falamos? -, e

    pretendemos faz-lo em conexo com o dito at agora. Para tanto nos basearemos

    no trabalho de Feij e Ferreira (2011), no qual analisam as interfaces entre

    sociologia urbana e anlise de imagens, afirmando que imagens so vestgios de

    que algo ocorreu em dado territrio, e est em permanente processo de

    transformao. (p. 14)

    Os autores lembram que a fotografia nasceu exatamente durante a

    construo do modelo atual de cidade, qual seja, da organizao de uma vida

    urbana complexa e plural, espao frtil para realizaao de experincias com a nova

    linguagem fotogrfica. Os maiores cones desta mudana, Londres, Paris e Nova

    York so tambm as cidades mais fotografas atualmente. Apesar destes autores no

    se reportarem exatamente a fotgrafos-turistas, mas aos profissionais da

    fotografia, suas consideraes so pertinentes na descrio das interfaces por ns

    tambm problematizadas.

    Faz-se necessrio, neste ponto de reflexo, para responder de que cidade

    falamos?, esclarecer de que espao e de que lugar falamos. Para tanto, nos

    reportaremos a Lefebvre, Bourdieu e Foucault.

    Lefebvre (2008) afirma que todo espao um texto social inscrito num

    contexto de textos especficos. (p. 37) Tal espao tanto percebido, concebido e

    representado (terico e mental) quanto construdo, produzido e projetado (espao

    social e prtico). A problemtica do espao vivido um aspecto importante e

    talvez essencial de um conhecimento da realidade urbana. (p. 40)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 7 -

    O espao arquitetnico e urbanstico, enquanto espao, tem essa dupla caracterstica: desarticulado e at estilhaado sob a coerncia fictcia do olhar, espao de coaes e de normas disseminadas. Ele tem esse carter paradoxal que se tenta definir aqui: junto e separado. dessa maneira que ele concomitantemente domidado (pela tcnica) e no-apropriado (para e pelo uso). Ele imediato e mediato, ou seja, pertence a uma certa ordem prxima, a ordem da vizinhana, e a uma ordem distante, a sociedade, o Estado. (Idem, p. 53)

    Sobre a questo do perigo da naturalizao da produo do espao urbano

    e esta questo nos muito cara visto que nosso objeto de pesquisa ser a cidade

    de Braslia -, Bourdieu (1999) no texto Os efeitos do lugar, afirma que todo

    espao fsico produz e produzido por um espao social, ou seja, o espao social

    se retraduz no espao fsico. (p. 160)

    Tais elementos problematizados por Bourdieu e Lefebvre coadunam com as

    reflexes propostas por Foucault (1984) no texto Outros espaos. Segundo este

    autor, vivemos numa sacralizao de oposies entre espaos pblico e privado,

    familiar e social, cultural e til, de lazer e de trabalho. (p. 413) Foucault apresenta

    o conceito de heterotopia. Para problematizar a fotografia e sua relao com a

    realidade, o tempo e o espao, vamos descrever um exemplo de heterotopia dado

    por Foucault: o espelho. Foucault chama o espelho de um lugar sem lugar uma

    vez que me vejo l onde no estou, em um espao irreal que se abre virtualmente

    atrs da superfcie. (FOUCAULT, 1984, p. 415)

    Aps apresentar uma srie de exemplos de heterotopias o cemitrio, o

    jardim, os bordis e as cidades de frias - , Foucault (1984) apresentanda o navio

    como a heterotopia por excelncia, uma vez que ele um espao flutuante, um

    lugar sem lugar, que vive por si mesmo, que fechado em si e ao mesmo tempo

    lanado ao infinito do mar e que, de porto em porto (...). (p. 421) Finalmente, o

    autor afirma que nas civilizaes sem barcos os sonhos se esgotam, a espionagem

    ali substitui a aventura e a polcia, os corsrios. (p. 422)

    Finalizando este tpico pretendemos deixar claro que, ao tratarmos dos

    olhares revelados pelas fotografias de determinados lugares, estamos falando de

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 8 -

    sujeitos e espaos concretos produzidos e produtores de sentidos e significados. O

    sujeito que fotografa localizado, determina e determinado por suas condies e

    contextos. A imagem fotogrfica, resultado dessa ao, no est desconectada do

    contexto de sua produo.

    Assim como Marco Polo, personagem de Italo Calvino em As Cidades

    Invisveis, pretendemos encontrar nas fotografias elementos que falem das

    cidades como os objetos e aes que ele mostrava ao imperador Kublai Khan, ao

    tentar descrev-las: tambores, peixes salgados, colares de dentes de facoqueros

    e, indicando-os com gestos, saltos, gritos de maravilha e de horror, ou imitando o

    latido do chacal e o pio do mocho. (2003, p. 43)

    Braslia hipertexto a cu aberto

    Falar, pensar, escrever e refletir sobre Braslia so atos que nunca se do por

    si mesmos e isolados. A histria do planejamento, da concretizao e do

    desenvolvimento da Capital Federal, transcorre permeada pelos mais de cinco

    sculos da histria do Brasil. Terceira Capital Brasileira (depois de Salvador e do

    Rio de Janeiro) e Patrimnio Cultural da Humanidade (1987), Braslia fruto de

    diversos discursos e paradoxos.

    A ambio e a determinao do ento Presidente da Repblica, Juscelino

    Kubitschek (1956-1961), o Projeto Piloto de Braslia do urbanista Lcio Costa, as

    obras arquitetnicas de Oscar Niemeyer, a administrao de Israel Pinheiro na

    Companhia Urbanizadora da Nova Capital, a fora de trabalho de milhares de

    candangos provenientes de todo Brasil e a idealizao utpica de todos os

    brasileiros construram Braslia.

    Inmeras narrativas podem ser encontradas no pouco mais de meio sculo de

    existncia de Braslia. Desde o discurso oficial at os mais ferrenhos crticos

    podemos dizer que Braslia foi construda mais com discursos do que com cimento.

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 9 -

    Destacaremos a seguir alguns excertos que julgamos expressar a polifonia de tais

    narrativas e a heterogeneidade dos olhares j lanados sobre a cidade.

    Comeamos com o discurso de inaugurao do ento presidente JK:

    Esta cidade, recm-nascida, j se enraizou na alma dos brasileiros; j elevou o prestgio nacional em todos os continentes; j vem sendo apontada como demonstrao pujante da nossa vontade de progresso, como ndice do alto grau de nossa civilizao; j a envolve a certeza de

    uma poca de maior dinamismo, de maior dedicao ao trabalho e Ptria, despertada, enfim, para o seu irresistvel destino de criao e de fora construtiva. (BRASLIA, 2012, Discurso de Inaugurao)

    Em contraposio a este discurso, apresentamos outro discurso revelador e

    em tom de denncia. O gegrafo brasileiro Milton Santos, que escreve:

    Cidade artificial surgiu de uma vontade criadora que haveria de se manifestar na prvia definio de diversos aspectos materiais e formais. A inteno que presidiu sua criao que orientaria aquela vontade criadora. Braslia j nascia com um destino predeterminado: ser a cabea do Brasil, o crebro das mais altas decises nacionais. (...) O

    subdesenvolvimento comparece como um elemento de oposio,diante daquela vontade criadora, modificando os resultados esperados. (...) Vontade criadora e subdesenvolvimento do pas so, pois, os termos que se afrontam na realizao efetiva de Braslia. da sua confrontao que a cidade retira os elementos de sua definio atual. (1965, pp. 54-55)

    Numa viso analtica mas muito bem humorada, temos a narrativa do poeta

    Nicolas Behr (1979) no poema chamado Plano Pilatos:

    duas asas partidas dois eixos fora dos eixos

    dois traos invisveis duas pistas falsas Lcio Costa fez o sinal da cruz e disse: Cruz Credo!

    A descrio do Site do Governo do Distrito Federal para a Copa do Mundo

    FIFA 2014, apresenta a seguinte discurso:

    Inaugurada em 1960, Braslia uma verdadeira obra de arte modernista a cu aberto. A cidade, especificamente o Plano Piloto, um exemplo da

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 10 -

    aplicao do urbanismo moderno. O traado original e a organizao em quatro escalas - monumental, residencial, gregria e buclica -, por si s, fazem de Braslia uma cidade nica, conferindo-lhe relevncia na milenar histria do urbanismo. Somam-se a isso as obras de artistas como Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti, Athos Bulco e Burle Marx, entre outros, que igualmente contriburam para a beleza da capital. (GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL, 2013)

    Para concluir este tpico e relacionando temtica em questo, frisamos as

    palavras da jornalista Cssia Relva na apresentao intitulada Braslias que

    transbordam do ensaio fotogrfico de Franca Cavilarinho, quando fala que no

    difcil imaginar a quantidade de flash, ngulos, focos de diversas lentes que j se

    voltaram para a nossa capital, ontem e hoje. (p. 01, s.d.)

    Que olhar lanamos sobre quem olha Braslia?

    Pela natureza de nossa temtica, os objetivos propostos e a fundamentao

    apresentada entendemos que a metodologia mais coerente para anlise dos dados

    a pesquisa qualitativa de abordagem scio-histrica. Importante lembrar,

    tambm, que nossa metodologia de pesquisa e anlise de resultados se baseia nos

    conceitos de hipertexto, conforme Bakhtin, de flneur, segundo Benjamin e de

    experincia, de acordo com Bonda.

    A pesquisa qualitativa de abordagem scio-histrica caracterizada por

    Freitas (2007) segundo a qual a fonte dos dados sempre est inserida num contexto

    que, mesmo que particular, no se desvincula de uma totalidade. As questes

    formuladas ao serem respondidas, so compreendidas numa complexidade de

    relaes e no seu devir histrico. A coleta de dados busca uma compreenso dada

    pela soma da descrio e da explicao dos fenmenos estudados, vinculando o

    individual e o social. O papel do pesquisador ativo e situado scio e

    historicamente, bem como dos sujeitos que so pesquisados, no considerados

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 11 -

    como objetos. Tanto pesquisador, enquanto pesquisa, tem a possibilidade para

    refletir, aprender e ressignificar-se no processo de pesquisa. (p. 28)

    A relao que buscamos estabelecer em nossa metodologia e a categoria de

    hipertexto em Bakhtin expressa por Ferraz (2009), quando afirma que A

    hipertextualidade aparece como uma especificao das relaes dialgicas

    presentes nas estruturas hipertextuais. As conexes que remetem a outros textos

    possibilita um dilogo com outro enunciados, estabelecendo uma relao

    semntico-axiolgica, tal como apontada por Bakhtin, remetendo para fora do

    texto, de acordo com a escolha do leitor. Desta forma, as remisses a

    outros enunciados encontradas no hipertexto sero consideradas relaes

    dialgicas hipertextuais. (p. 9)

    Neste sentido, Amorim (2007) afirma que o pluralismo do pensamento

    bakhtiniano, traduzido nos conceitos de dialogismo e polifonia, lugar de conflito

    e tenso. (p. 13) Para nossa pesquisa essa ideia de suma importncia dadas as

    inmeras faces que uma cidade pode mostrar e diante dos inumerveis elementos

    que uma fotografia pode revelar.

    Na mesma linha de reflexo, SOUZA (2007), falando sobre as imagens

    tcnicas, aponta que este olhar mquina re-significa nossa presena no

    mundo. Para esta autora, compreender o papel das imagens tcnicas atualmente

    procurar uma ampla e profunda compreenso sobre a nossa histria, nossa

    cultura e nossos modos de subjetivao. (p. 78) Concordamos ainda com essa

    autora quando afirma que as imagens so signos, portanto linguagens, sendo que o

    mundo est cada vez mais sendo-nos apresentado por meio de narrativas figuradas,

    as quais exigem novos leitores e tambm autores. Portanto, a imagem tcnica

    deve ser decifrada para que as diversas camadas de significado nela contidas

    possam emergir no discurso em forma de texto. (p. 79) As imagens tcnicas

    revelam-se como instrumentos mediadores de experincias culturais e subjetivas

    no momento atual. (p. 81)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 12 -

    A autora ainda aponta a necessidade da criao de estratgias de

    investigao condizentes com a experincia do sujeito contemporneo de ver e de

    ser visto atravs da mediao de instrumentos tcnicos. (p. 82) Tal necessidade se

    justifica na medida em que, os modos de produo de conhecimento no podem

    estar desvinculados das prticas sociais e culturais cotidianas.

    A unidade da experincia e da verdade do homem polifnica. Dialogismo e alteridade constituem as caractersticas, essenciais e necessrias, a partir das quais o mundo pode ser compreendido e interpretado de muitas e diferentes maneiras, tendo em vista seu estado de permanente mutao

    e inacabamento.(SOUZA, 2007, p. 92)

    Consideramos que as categorias de flaneur e de experincia esto alinhadas

    com a metodologia de pesquisa proposta e, relacionadas com o conceito de

    hipertexto adotado, formam uma sinergia que enriquece a anlise das fotografias e

    legendas no contexto de investigao que propomos.

    Para Matos (2001) a experincia realizada pelo flaneur o oposto da atual

    sociedade do espetculo, a presena da multido e o fenmeno do consumo e

    concorda com Benjamin ao afirmar que a sntese da modernidade, nestes termos,

    a cidade de Paris. A autora concorda com Benjamin ao afirmar que para o narrador

    assim como para o flneur, cada fragmento de histria o hierglifo de um

    texto original que confere narrativa uma qualidade arqueolgica,

    numismtica e misteriosa. (p. 10)

    O narrador, como o flneur, ao contrrio da luta entre as classes e do pathos revolucionrio, no luta nem levanta barricadas, mas desprivatiza o tempo imposto pela mercadoria, pelo consumo de massa, pela lgica da dominao, pelo princpio da indiferena que regem a troca mercantil e a livre circulao do capital. O flneur e o narrador, ao contrrio do dspota totalitrio e de seus cmplices que renunciam a qualquer juzo pessoal , captam instantneos fotogrficos do presente pelos quais realizam uma viagem interior. A viagem como a narrativa potica: iniciao suprema arte de viver. Por isso Benjamin escreveu: eu viajo para conhecer minha geografia. (MATOS, 2001, p. 23)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 13 -

    A experincia, ao contrrio da informao, no momentnea e passageira.

    Recebemos de forma acelerada, todos os dias, uma avalanche de informaes,

    como denuncia Benjamin (1994) quando afirma que cada manh recebemos

    notcias de todo o mundo. E, no entanto, somos pobres em histrias

    surpreendentes. A razo que os fatos j nos chegam acompanhados de

    explicaes. Este excesso de informao impossibilita a narrativa, pois, metade

    da arte narrativa est em evitar explicaes. (p. 203)

    Nesta mesma lgica, Bonda (2002) adverte que, para que a experincia

    acontea necessrio uma nova postura:

    A experincia, a possibilidade de que algo nos acontea ou nos toque, requer um gesto de interrupo, um gesto que quase impossvel nos tempos que correm: requer parar para pensar, parar para olhar, parar para escutar, pensar mais devagar, olhar mais devagar, e escutar mais devagar;

    parar para sentir, sentir mais devagar, demorar-se nos detalhes, suspender a opinio, suspender o juzo, suspender a vontade, suspender o automatismo da ao, cultivar a ateno e a delicadeza, abrir os olhos e os ouvidos, falar sobre o que nos acontece, aprender a lentido, escutar aos outros, cultivar a arte do encontro, calar muito, ter pacincia e dar-se tempo e espao. (BONDA, 2002, p. 24)

    Vistas desta forma, as experincias de aprendizagem, mediadas pelas

    tecnologias digitais e promotoras de processos de comunicacionais promovem uma

    fuso de horizontes alm de exigirem interpretaes dialgicas, jogos de

    interlocuo, nos quais margem ou nas bordas do prprio mtodo surge uma

    terceira figura que no outra que a evocao narrativa que se volta para

    expressar o diferente. (DROGUETT, 2004, p. 16) Para Cunha (2004) narrar equivale

    a viajar, seja no tempo, no espao, nas histrias e porque no dizermos, nas

    fotografias. Para esta autora, o poder da narrativa proporcionar o deslocamento

    da imaginao, seduzir o leitor para o que ele desconhece, fazer rir, chorar,

    assustar, prender a ateno at o fim da histria, ou para uma histria sem fim.

    (p. 71)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 14 -

    Da mesma forma uma fotografia, enquanto narrativa visual e hipertextual,

    possui uma localizao scio-histrica num determinado contexto cultural.

    Independente da narrativa, h na viagem uma fonte de inspirao criativa, de

    interpretao do mundo e de descoberta de coisas novas. (CUNHA, 2004, p. 77)

    Diante desta reflexo, nossa anlise se basear em duas categorias que

    consideramos mais subjetivas o olhar de quem fotografa e a qual (is) expresso

    (es) aparecem na imagem fotografada -, e outras duas que ao nosso ver so mais

    objetivas posio do fotgrafo e a fotografia em si. Pelas categorias subjetivas

    pretendemos verificar que olhar aquele que fotografa lana sobre o que capta no

    momento do seu clique e buscar compreender o que pretende expressar pelos

    elementos que revela sua imagem. Por meio das categorias objetivas buscamos

    analisar qual a posio do fotgrafo em relao ao que ser retratado e o que

    mostra a fotografia em si, em termos de foco, planos, elementos, destaques entre

    outros dados. Acreditamos que descrevendo e interpretando no somente as

    imagens, mas fazendo isso a partir e na tentativa de compreender o olhar de quem

    fotografa, estaremos sendo coerentes com os objetivos da investigao e seus

    pressuposstos, pois valorizamos a subjetividade e a expresso, tanto do fotgrafo

    quanto da fotografia, levando em considerao a participao do sujeito que

    analisa tais imagens.

    Anlise de dados

    Para anlise dos dados desta investigao, selecionamos duas fotografias de

    dois visitantes de Braslia. Nosso critrio levou em considerao que as imagens

    fotogrficas fossem realizadas em Braslia e que revelassem um contexto urbano,

    elementos fundamentais em nossa pesquisa. As fotos nos foram enviadas/cedidas

    pelos autores e cada est postada numa rede social Facebook e Flickr.

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 15 -

    Figura 1: (e)skates from de ministeries2

    Autor: Valentin Oros. Disponvel em Autor: Valentin Oros. Disponvel em:

    https://www.facebook.com/valioros/media_set?set=a.10200294174815884.1073741828.11

    99149495&type=3. Acesso em 08 de novembro de 2013.3

    A primeira fotografia que apresentamos foi feita em preto e branco e possui

    diversos tons de cinza. Os elementos que aparecem nela so nuvens, prdios,

    rvores, carros, pessoas e uma calada. Percebe-se que, se dividssemos a

    fotografia em trs listras horizontais, a listra superior seria basicamente somente

    de nuvens e a inferior somente composta pela calada (com exceo dos dois

    skatistas). Traando uma linha comeando pelos dois skatistas em primeiro plano,

    continuando pelas duas pessoas caminhando e retornando a esquerda at a pessoa

    2 Skatistas nos ministrios 3 Direito de cpia da foto cedida pelo autor exclusivamente para ilustrarem esse artigo.

    https://www.facebook.com/valioros/media_set?set=a.10200294174815884.1073741828.1199149495&type=3https://www.facebook.com/valioros/media_set?set=a.10200294174815884.1073741828.1199149495&type=3

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 16 -

    que, correndo, atravessa a rua, interessante notar que o desenho formaria uma

    seta que apontaria para o prdio do Congresso Nacional e o mastro da bandeira do

    Brasil.

    A posio do fotgrafo de participante da cena, pois, ele est no mesmo

    nvel das pessoas que lhe esto prximas. Tem-se a impresso, inclusive, que os

    skatistas esto vindo praticamente em sua direo. Provavelmente ele estivesse,

    no momento da foto, se deslocando.

    A densa nebulosidade j seria uma forte expresso ligada exuberncia da

    natureza e, no caso desta foto, somada com as tonalidades cinzas, ganha um

    aspecto tanto de movimento quanto de proximidade e de ligao com a paisagem

    urbana. A quantidade de nuvens somada a quantidade de carro e com uma pessoa

    atravessando a rua correndo expressam ideias e movimentos ligados a uma

    metrpole. O fotgrafo mostra Braslia, em sua dimenso claramente poltica, com

    um dos seus maiores monumentos, motivo pelo qual ela foi criada, o Congresso

    Nacional, centro do poder legislativo. Aparecem ainda parte dos Ministrios e a

    Bandeira do Brasil ao fundo como que para demarcar o territrio e sua funo.

    Interessante notar que a legenda da foto, quando comparada com a imagem,

    retrata a parte direita da mesma se fizermos um corte vertical no seu centro.

    Diante de tantos elementos dados e concretos, o fotgrafo, pela legenda, lana luz

    sobre uma atividade que envolve movimentos, pessoas que andam de skate nos

    ministrios. Parece uma tentativa de expressar a movimentao, tambm mostrada

    pelos carros e pela pessoa que atravessa a rua correndo, de uma cidade que, alm

    de ser um monumento, tambm movimentada em diversos outros sentidos.

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 17 -

    Figura 2: Shadows in Braslia4

    Autoria Carlos Ebert. Disponvel em

    http://www.flickr.com/photos/[email protected]/3201874164/in/set-72157613438025481.

    Acesso em 08 de novembro de 2013.5

    Esta imagem chamou a nossa ateno pela grande simplicidade da cena e

    pelo forte impacto causado pelas escalas e relaes entre seus componentes. A

    fotografia apresenta um homem atravessando uma avenida, uma guia que

    acompanha toda a parte superior, trs pistas de asfaltos que foi recapeado tendo

    as sinalizaes prprias apagadas, e um poste com iluminao pblica, sendo que

    neste poste existe uma placa de sinalizao de trnsito. Pela posio das sombras

    que aparecem do que provavelmente seja um poste do outro lado, do homem e do

    poste que aparece, percebe-se que seja um entardecer (ou talvez um amanhecer).

    Analisando a imagem, no se compreende imediatamente a posio do

    fotgrafo. Talvez estivesse num helicptero e tivesse dado um zoom para

    4 Sombras em Braslia 5 Direito de cpia da foto cedida pelo autor exclusivamente para ilustrarem esse artigo.

    http://www.flickr.com/photos/[email protected]/3201874164/in/set-72157613438025481

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 18 -

    aproximao ou quem sabe, mas no saberamos afirmar precisamente, estivesse

    num prdio alto. Toda a cena principal da foto se passa na metade a esquerda,

    fazendo-se um corte diagonal do canto superior esquerdo para o canto inferior

    direito. Ali se encontram o homem e o poste e suas sombras.

    Essa impreciso da localizao do fotgrafo provoca e expressa uma tenso

    entre as escalas e relaes que podemos abstrair da fotografia. A largura da

    avenida e o tamanho do poste contrastam, pela posio, com o tamanho do

    homem. Por outro lado, se compararmos o tamanho da sombra que este projeta

    com a sombra que aparece do poste, tambm vemos uma tenso que se explicita.

    Ao nomear tal imagem fotogrfica como sombras em Braslia o autor abre

    inmeras possibilidades de interpretaes, tanto concretas, como mostradas na

    fotografia, como imateriais, como por exemplo partindo da imagem, onde o

    homem segue sua sombra. Podemos questionar quais as sombras lanadas sobre o

    Brasil com a construo de Braslia e vice versa? As pessoas, que se tornam

    pequenas diante da cidade (tanto literal quanto metaforicamente) produzem que

    tipo de sombras? A provocao lanada por esta fotografia envolve praticamente

    todos os elementos contemplados em nossa pesquisa: o homem, o urbano, o olhar,

    a fotografia e todas as suas relaes.

    Concluses circunstanciais

    A pesquisa apresentada revela as diferentes dimenses de temporalidade e

    as diversas relaes de espacialidade que as mdias comunicacionais na atualidade

    permitem e possibilitam, configurando, assim, novas formas de acessar, produzir e

    socializar conhecimentos. Diante disso, o exemplo simples que apresentamos, qual

    seja, de fotos postadas em redes sociais e sua legenda, apontam a mudana

    paradigmtica que ocorre nas experincias de aprendizagem quando analisadas sob

    a tica de uma abordagem scio-histrica da linguagem.

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 19 -

    As caractersticas da construo de conhecimento realizadas e analisadas nas

    interfaces de experincias de aprendizagem, tecnologias miditicas e processos

    comunicacionais apontam para novos paradigmas de comunicao e aprendizagem.

    Partindo da anlise das imagens fotogrficas percebemos que a valorizao e a

    produo do conhecimento, partindo de um sujeito situado ao seu tempo histrico

    e que compartilha saberes, culturas e prticas, numa autoria dinmica e relacional,

    mostra a transgresso de papis, de momentos e de processos do que se

    compreende por aprendizagem e comunicao, nesta poca das redes digitais e

    virtuais.

    A cada dia que passa, erguem-se vozes para denunciar a grande distncia que separa o conhecimento da vida. Efetivamente, a forma como se desenvolve o processo de educao, hoje em dia centrado em disciplinas tcnicas e compartimentadas, acentua o isolamento do sujeito a respeito da sua realidade social, econmica e poltica, contradizendo, assim, a sua

    natureza e estrutura unitria do ideal individual que percebe e age sobre o meio como um todo. Por esta razo, um processo enfocado sob um prisma s no pode perder de vista que nada em particular explica ou implica o ser humano na sua totalidade, mas que o exerccio interdisciplinar a via mais promissora para a conquista de um saber sobre a sua interao com o espao. (DROGUETT, 2004, p. 13)

    Concordamos com Ferrari (2010) quando afirma que as experincias de viajar

    e de fotografar proporcionam benefcio ticos, estticos, sociais e psquicos e,

    acrescentamos outros como culturais, emocionais e o desenvolvimento de

    conhecimentos nas mais variadas reas: geogrfica, histrica, antropolgica...

    Como conclui a autora, trata-se de um aprendizado que se configura com base

    nessa nova gramtica visual. (p. 116)

    Urry (2001) cria a palavra edutimento para conceituar a fuso entre

    educao e divertimento, processo esse incentivado pelas narrativas visuais e

    hipertextuais aqui apresentadas. Isso somado as potencialidades do computador e

    da internet, conforme Cunha (2004) vieram transformar as noes e limites

    territoriais, acelerou o tempo de comunicao e criou uma nova dimenso do

    espao o espao virtual. (p. 80)

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 20 -

    Sabemos que esta investigao abre-se em muitas possibilidades e caminhos,

    como prprio do rizoma urbano e da hipertextualidade inerente a fotografia.

    Olhar a cidade, perceber a cidade, ler a cidade, expressar a cidade. Olhar quem

    olha, o qu olha, por que olha, como olha pela imagem fotogrfica. Analisar uma

    fotografia postada numa rede social mostra que o ato de fotografar este espao

    urbano possui diversos momentos ricos de serem analisados: o sujeito que

    fotografa, o objeto que fotografado, a imagem produzida, a postagem desta

    imagem na rede e quantas outras aes que permeiam ou so consequentes a

    estas. Outros olhares podem, precisam e devem ser lanados se quisermos avanar

    na discusso sobre em que medida as narrativas visuais e hipertextuais

    representam novas configuraes de espaos e tempos na aprendizagem.

    Referncias

    AMORIM, M. A contribuio de Bakhtin: a tripla articulao tica, esttica e epistemolgica. In Freitas, M. T., Jobim, S. e Kramer, S. (orgs). Cincias humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. So Paulo: Cortez, 2007. (2. Ed, pp. 11 25)

    AQUINO, Lvia. Entre olhar o turista e olhar o que olhar o turista. In: DOBAL, Susana e GONALVES, Osmar. Fotografia contempornea - Fronteiras e transgresses. Braslia: Casa das Musas, 2013. Disponvel em http://www.dobrasvisuais.com.br/wp-content/uploads/2013/07/Entre-olhar-o-turista-e-olhar-para-o-que-ele-olha.pdf. Acesso em 06 de novembro de 2013.

    BEHR, N. Brasilia desvairada. Poesia mimeografada. Braslia: 1979.

    BENJAMIN, Walter. O narrador: consideraes sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e tcnica, arte e poltica: ensaios sobre literatura e histria da cultura. So Paulo: Brasiliense.

    BONDA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experincia e o saber de experincia. Revista Brasileira de Educao. Jan/Fev/Mar/Abr 2002 N 19 p.20-28, 2002. (Traduo de Joo Vanderley Geraldi)

    http://www.dobrasvisuais.com.br/wp-content/uploads/2013/07/Entre-olhar-o-turista-e-olhar-para-o-que-ele-olha.pdfhttp://www.dobrasvisuais.com.br/wp-content/uploads/2013/07/Entre-olhar-o-turista-e-olhar-para-o-que-ele-olha.pdf

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 21 -

    BOURDIEU, P. Efeitos de Lugar. In: BOURDIEU, P. et. Al. A misria do mundo. Petrpolis: Vozes, 1999.

    BRASLIA, Do concreto ao papel: o nascimento de Braslia na imprensa mundial. Santaf Idias e comunicao. Braslia Santaf Idias e Comunicao, 2012.

    CALVINO, I. As cidades Invisveis. Trad. Diogo Mainardi. Rio de Janeiro: O Globo, 2003.

    CAVILARINHO, F. O Brasil dentro de Braslia. (ensaio fotogrfico). Distrito Federal, Fundo de Apoio Cultura, s.d.

    CUNHA, K. P. L., Turismo, fotograma da contemporaneidade. In: DORTA, L e DROGUETT, J. (Orgs) Mdia, imagens do turismo: uma proposta de desenvolvimento terico para as reas de comunicao e turismo. So Paulo: Textonovo, 2004.

    DROGUETT, J. Mdia e Turismo: uma relao inter, multi e transdisciplinar. In: DORTA, L e DROGUETT, J. (Orgs) Mdia, imagens do turismo: uma proposta de desenvolvimento terico para as reas de comunicao e turismo. So Paulo: Textonovo, 2004.

    FEIJ, M. e FERREIRA, V. M. Imagens de Lisboa no espelho da fotografia: Reflexos entre a sociologia urbana e a anlise de imagens. Braslia: Sala de Convergncia, 2011.

    FERRARI, C. M. M. O fotgrafo-turista: simbiose perfeita na experincia de viajar. In: NETTO, A. P. & GAETA, C. (orgs) Turismo de experincia. So Paulo: Editora Senac So Paulo, 2010.

    FERRAZ, F. S. M. A hipertextualidade enquanto instncia dialgica do enunciado. In II Encontro Nacional sobre Hipertexto. Belo Horizonte. Anais Hipertexto 2009. 2009.

    FREITAS, M. T. A. A perspectiva scio-histrica: uma viso humana da construo do conhecimento. In Freitas, M. T., Jobim, S. e Kramer, S. (orgs). Cincias humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. 2. Ed. So Paulo: Cortez, 2007.

    FOUCAULT, M. Outros Espaos. In: MOTTA, M. (Org.) Michel Foucault. Esttica: Literatura e Pintura, Msica e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitria, 1984.

    GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL. Braslia, Patrimnio Cultural da Humanidade. Site do Governo do Distrito Federal para a Copa do Mundo FIFA 2014. Disponvel

  • Universidade Federal de Pernambuco NEHTE / Programa de Ps Graduao em Letras CCTE / Programa de Ps Graduao em Cincias da Computao

    - 22 -

    em: http://www.copa2014.df.gov.br/patrimonio-da-humanidade/5554-brasilia-patrimonio-cultural-da-humanidade. Acesso em 06 de novembro de 2013.

    HOLSTON, J. A cidade modernista: uma crtica de Braslia e sua utopia. So Paulo: Companhia das Letras, 1993.

    LEFEBVRE, H. Espao e poltica. Belo Horizonte: EdUFMG, 2008.

    MATOS, Olgria. A narrativa: metfora e liberdade. CONFERNCIA APRESENTADA

    NO IV ENCONTRO DE HISTRIA ORAL da Regional Centro-Oeste, realizado em

    Braslia/DF, em abril de 2001.

    SANTOS, Milton (1965). A Cidade nos Pases Subdesenvolvidos. Rio de Janeiro, Ed. Civilizao Brasileira.

    SONTAG, Susan. Sobre fotografia. So Paulo: Companhia das Letras, 2004.

    SOUZA, Solange Jobim e. Dialogismo e alteridade na utilizao da imagem tcnica em pesquisa acadmica : questes ticas em pesquisa acadmica. In Freitas, M. T., Jobim, S. e Kramer, S. (orgs). Cincias humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. 2. Ed. So Paulo: Cortez, 2007.

    URRY, J. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporneas. So Paulo: Studio Nobel: SESC, 2001. 3. Ed.

    http://www.copa2014.df.gov.br/patrimonio-da-humanidade/5554-brasilia-patrimonio-cultural-da-humanidadehttp://www.copa2014.df.gov.br/patrimonio-da-humanidade/5554-brasilia-patrimonio-cultural-da-humanidade