OMAR KHAYYAM: GAROTAS, VINHO E evolucao-0217/lib/exe/fetch.php?media=texto...آ  OMAR KHAYYAM:...

download OMAR KHAYYAM: GAROTAS, VINHO E evolucao-0217/lib/exe/fetch.php?media=texto...آ  OMAR KHAYYAM: GAROTAS,

If you can't read please download the document

  • date post

    15-Oct-2020
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of OMAR KHAYYAM: GAROTAS, VINHO E evolucao-0217/lib/exe/fetch.php?media=texto...آ  OMAR KHAYYAM:...

  • 1

    OMAR KHAYYAM: -GAROTAS, VINHO E EQUA~OES

    Em materia de sabedoria persa e ara- be, nossa cultura ocidental e bern po- bre. Nada mais previsfvel. Se por urn lado os sarracenos foram detidos em Poitiers, os mouros enxotados da An- daluzia e da montanha de Tariq (Dja- bal al Tarik, ou Gibraltar) e as armas desembainhadas em nome de] erusa- lem, evitamos cuidadosamente con tar as crian(:as nas escolas que, entre o ~ilagre grego e este outro que e - necessariamente - o nosso, reinou durante muitos seculos, de Bagda a Samarcanda e de Ispaa a Marrakech, uma poderosa civiliza(:ao que culti- vou a sabedoria e a ciencia. N ada se conhece desse milagre arabe, a pao ser comoventes miniaturas mostran- do con;as vindo pastar nas maos de adoraveis huris ou sultoes barrigudos saboreando confeitos de petalas de rosas - imagens que datam no ma- ximo do infcio do seculo XIX, quan- do surgiram na Europa as primeiras tradu(:oes dos Rubayat (Quadras) de Omar Khayyam de N ichapur ( 1048- 1131) e das Mile uma noites.

    Se a autenticidade das Mil e uma

    .-~......:....__ :·-...... .. ~ 'i:_..

    1>-, -".

    Embora esse manuscrito (de al-Qazwini) date do seculo XIII e seja uma tradu(iio de Ptolomeu, ele evoca diversas preocupa(oes astronomicas de Omar Khayyam. Como a autoria dos celebres poemas conhecidos como Rubayat niio lhe pode ser atribuida com seguran(a, s6 podemos afir- mar que certamente realizou trabalhos de edge- brae astronomia.

    noites e indiscutfvel, a dos Rubayat sempre foi suspeita, e os especialistas reco- nhecem apenas 200 quadras de Khayyam, quando ja lhe foram atribuidas seis

  • vezes mais. E isso por dois motivos basicos: no final do seculo XI, na Persia, es- crever tais quadras abertamente niilistas e anticlericais era tao perigoso que va- lia mais a pena atribui-las a Khayyam. Ao serem descobertas no Ocidente, em contrapartida, provocaram tamanho entusiasmo que seus primeiros leitores nao hesitaram em forjar falsificac;oes e acrescenta-las as verdadeiras.* 0 poeta Byron ("De Omar nao consigo ler urn verso/ Sem lamentar nao fosse meu/ Pois sou be colocar em suas quadras/ Bern mais que outros em suas decimas") e urn desses falsarios:

    Ali, sobre a relva, quedamo-nos abandonados, Ela nao era timida, nem eu inibido: E, em seu amor, a unica defesa de sua virtude Nao foi sua frieza, mas minha inocencia!

    Tais sentimentos sao absolutamente desconhecidos de Khayyam, cujo ar- dor totalmente metafisico nada tern a ver com psicologia. Seu primeiro tradu- tor frances , j.-B. Nicolas, "primeiro interprete da legac;ao da Franc;a na Persia" nos anos 1850, ao qualifica-lo como escritor "tao essencialmente abstrato em seus pensamentos filosoficos, e tao estranhamente mistico em suas expressoes figuradas" ~ precavia contra a armadilha da gaiatice exotica e da- metafora mais ac;ucarada que urn lukum.

    Beber vinho e perseguir garotas como tulipas E melhor que ser urn devoto cujos habitos [ ... ] . Se existe inferno para os que fazem amor e bebem, En tao ninguem jamais vera o paraiso das almas. 1

    Esse despojamento radical, a milleguas do pathos dos romanticos, confe- ria-lhes surpreendentes virtudes sedativas. Em 1816, quando o medico Victor Frankenstein, nascido das cogitac;oes de Mary Shelley e de Byron, fabrica uma criatura viva, mas intratavel, e na leitura dos poetas persas que busca consolo: "A melancolia deles me serenava e sua alegria me encorajava ... Em seus livros a vida parece feita de sol e jardins repletos de rosas, sorrisos, da furia de uma bela inimiga e do fogo que consome teu proprio corac;ao. Que diferenc;a da poesia viril e heroica dos gregos e romanos! ". 2 Quando Lazare Carnot, o Orga- nizador da Vitoria, procura urn nome para seu filho (1796-1832), futuro fun- dador da termodinamica, o escolhido e o do poeta do seculo XIII Saadi ("o bem-aventurado"), nome que seu sobrinho, futuro presidente da Republica, herdara por sua vez. E Amin Malouf, em seu Samarcanda,3 cujo protagonista e

    * A hist6ria das falsifica~oes ocidentais esta contada em uma versao inglesa dos Rubayat in- titulada Life's Echoes (1923) , assinada como pseudonimo "Tis True" (e verdade).

  • OMAR KHAYYAM: GAROTAS, VINHO E EQUA

  • Descartes, a queo foram atribuidas suas descobertas, que uma linha pode ser vista como a superficie de urn quadrilatero, no qual urn lado seria igual a 1, e mostra que a resolU