Operacionalização da avaliação

Click here to load reader

  • date post

    20-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    54
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Operacionalização da avaliação

Avaliao DE PROJECTOS: Opes, decises e procedimentos de carcter operatrio

Ariana Cosme Rui Trindade

Avaliar

Concepes de avaliao

Operacionalizao da avaliao

Avaliar O que que se entende por avaliar ? Para que que serve avaliar ?

Como se avalia ?

Como se avalia ? A referencializao nas prticas de avaliao A avaliao de projectos: Como?

A referencializao nas prticas de avaliao A construo de um quadro de referncias uma operao chave no processo de avaliao. Consiste, numa primeira etapa, em definir um referido. Isto , em determinar um objecto de avaliao para o revelar ou para tentar identificar nesse objecto os elementos que lhe conferem um sentido. Numa segunda etapa consiste em construir (ou reconstruir) um sistema de referentes em funo do qual se possa avaliar aquele objecto.

A referencializao das prticas de avaliao

Os

quadros de referncia normativos e as suas implicaes do ponto de vista da avaliao

Os quadros de referncia criteriais e as suasimplicaes do ponto de vista da avaliao

A referencializao das prticas de avaliao Os quadros de referncia normativos caracterizam-se pelo investimento na obteno de resultados atravs da comparao com outros resultados, obtidos em contextos e programas similares, com o objectivo de classificar e hierarquizar desempenhos. Os quadros de referncia normativos valorizam a distncia a que contextos e actores se encontram dos objectivos definidos de forma prvia a estes contextos e sem terem em conta as singularidades daqueles actores.

A referencializao das prticas de avaliao Os quadros de referncia criteriais caracterizam-se tambm por constituir-se como instrumentos de apoio obteno de informao sobre um objecto de avaliao. O que distingue estes quadros dos quadros de referncia normativa que estes possibilitam um tipo de avaliao em que os critrios se definem tendo em conta as singularidades dos objectos a avaliar.

Projectos e referencializao prticas de avaliao

das

A avaliao de projectos poder ser construda em funo de quadros de referncia normativos? A avaliao de programas no poder ocorrer em funo de quadros de referncia criteriais?

Bibliografia Figari, G. (1992). Para uma referencializao das prticas de avaliao dos estabelecimentos de ensino. In Estrela, A.; Nvoa, A. (Org.). Avaliaes em educao: Novas perspectivas (125-137). Lisboa: Educa Currculo

Avaliao de projectos : Como?

A avaliao estratgica

de

projectos

de

gesto

A avaliao de projectos de interveno educativa

A avaliao de projectos de gesto estratgica

A avaliao estratgica

de

projectos

de

gesto

Os projectos de gesto estratgica visam promover o empoderamento das instituies, ainda que, muitas vezes, sejam utilizados como instrumentos de controlo institucional. Os projectos educativos e os projectos curriculares, se entendidos como instrumentos de controlo institucional, deveriam ser identificados como programas educativos ou programas curriculares.

O cenrio do controlo institucional: Crenas A crena de que a eventual incompetncia dos professores pode ser suprida por via da aco esclarecida daqueles que dirigem as instituies A crena de que essa aco esclarecida passa pela institucionalizao de aces de controlo

O cenrio do controlo institucional: Vulnerabilidades A concepo taylorista em funo da qual se entende: as tarefas da concepo e as tarefas de execuo como tarefas mutuamente exclusivas; que as primeiras competem queles que dirigem as organizaes, enquanto as segundas competem aos que executam as tarefas que os primeiros determinam.

O cenrio do controlo: Vulnerabilidades A desconfiana face possibilidade dos professores se assumirem como profissionais reflexivos, o que contribui para que: essa possibilidade no seja equacionada como um objectivo institucional estrategicamente decisivo; essa desconfiana se confirme, por via da sua desvalorizao como objectivo institucional.

O cenrio do controlo institucional: Vulnerabilidades

A crena na possibilidade das solues propostas, no mbito do que pode ser definido como uma postura tcnico-cientfica, permitirem desenvolver a aco educativa como o resultado de uma espcie de engenharia educativa.

O cenrio do controlo institucional: Vulnerabilidades Neste caso, as solues propostas, no mbito do que pode ser definido como uma postura tcnico-cientfica, tendem a ser entendidas: no s como as melhores solues, mas, sobretudo, como solues inquestionveis; como solues que se pensa poderem dispensar as solues provenientes de outros actores e de outras fontes.

O cenrio do controlo institucional: Um cenrio sedutor O cenrio do controlo institucional, pese as suas vulnerabilidades, um cenrio to (aparentemente) securizante quanto (aparentemente) prometedor No deixa de ser tambm um cenrio plausvel cuja credibilidade deriva da sua relao com o conhecimento cientfico O problema, contudo, no o conhecimento cientfico, mas a relao hierrquica de subordinao dos actores educativos que intervm directamente nas escolas face a este tipo de conhecimento.

O cenrio do controlo institucional: Um cenrio sedutor o cenrio que se adequa melhor do que qualquer outro ao paradigma pedaggico da instruo; , tambm, o cenrio onde se movimentam muitos daqueles que pensam poder promover a inovao pedaggica nas escolas como se esta pudesse ser difundida e imediatamente aceite.

O cenrio do controlo institucional: Vulnerabilidades A principal vulnerabilidade do cenrio de controlo institucional tem a ver com a contradio entre os seus pressupostos e os pressupostos que justificam o projecto de educao escolar visto como um projecto de desenvolvimento e produo cultural.

O cenrio do empoderamento institucional Este o cenrio desejvel quando se afirma que as escolas tero que funcionar como contextos congruentes com os pressupostos e os valores prprios de uma sociedade democrtica. um cenrio onde se reconhece, tambm, que nas escolas, hoje, os desafios so mais exigentes e imponderveis, tanto do ponto de vista cultural, como do ponto de vista relacional.

O cenrio do empoderamento institucional neste cenrio que os projectos educativos e curriculares podero ser instrumentos de gesto educativa pertinentes, na medida em que possibilitam encontrar respostas de forma contextualizada aos problemas concretos e desafios vividos pelas e nas escolas. face a este pressuposto que importa discutir o papel da avaliao no desenvolvimento e concretizao destes projectos.

O cenrio do empoderamento institucional Verificou-se que a avaliao dos projectos educativos e curriculares no se circunscreve a: ser uma etapa final desses projectos; acontecer, apenas, em torno dos resultados finais obtidos;

ser um exerccio circunscrito direco das escolas; desenvolver-se em funo de critrios estranhos aos actores educativos

A avaliao de projectos como instrumento de empoderamento institucional A avaliao de projectos como instrumento de empoderamento institucional , tal como defendem Terrasca e Caramelo (2006), um trabalho de interpelao Um trabalho de interpelao que permita aos actores educativos:

identificarem, nas iniciativas em que se encontram envolvidos,o impacto das mesmas, bem como, e por consequncia, os pontos fortes e as vulnerabilidades dessas iniciativas e da racionalidade pedaggica que as sustenta; projectarem o futuro, em termos das iniciativas que se deve continuar a prosseguir, a reformular ou a realizar.

A avaliao de projectos como instrumento de empoderamento institucional

Neste modelo, e ao contrrio dos modelos de avaliao mais preocupados com a medio, a descrio ou o julgamento (Guba e Lincoln, 1989) que entendiam que as finalidades, os parmetros e os critrios dos processos de avaliao deveriam estar determinados antes de se iniciar a avaliao propriamente dita, tais finalidades, parmetros e critrios definem-se como resultado da negociao entre os intervenientes nos referidos processos.

A avaliao de projectos como instrumento de empoderamento institucional A avaliao, neste modelo, constri-se como um processo que no pretende desvendar uma realidade, mas compreender: as dinmicas e os sentidos da mesma, a partir da escuta e da interpelao das subjectividades dos actores; que a realidade a avaliar se inscreve num tempo e num espao que no imutvel; que tal realidade complexa, o que, mais do que ser entendido como um obstculo, ter que ser entendido como uma propriedade a ter em conta no mbito do processo de avaliao

A avaliao: Controlo empoderamento institucionalControlo institucional

institucional

versus

Empoderamento institucional

A realidade objecto de um processo de A realidade pensada como objecto de simplificao, de forma a poder ser melhor avaliao complexo, assumindo-se de forma desvendada; explcita os riscos de uma tal operao. Uma realidade que , afinal, no a realidade ontolgica que se pretendia captar, mas a realidade que o avaliador construiu para poder viabilizar o seu projecto de avaliao. Sabe-se que avaliar construir um sentido sobre a realidade que o seu objecto de ateno, o que de algum modo significa que pela avaliao se constri a realidade de forma exigente e o mais fundamentada possvel

A avaliao: Controlo empoderamento institucionalControlo institucional

institucional

versus

Empoderamento institucional

O avaliador toma decises estratgicas, O avaliador um interlocutor que estimula os logsticas e metodolgicas relativamente actores educativos a tomarem tais decises, avaliao contribuindo, assim, para o seu empoderamento como actores

A avaliao visa resolver os problemas das A avaliao constri-se valorizando as leituras leituras e aces subjectivas dos actores, as e aces subjectivas dos actores como objectos quais so entendidas como obstculos dos de uma escuta atenta e interpelativa projectos de avaliao A realidade entendida como uma entidade A realidade vista como uma entidade que os autnoma e dissociada da aco cognitiva que sujeitos constroem e reconstroem no mbito os sujeitos exercem sobre ela de um tempo e de espaos historicamente situados

A avaliao: Controlo empoderamento institucionalControlo institucionalA avaliao uma operao que adquire legitimidade quer por via dos artefactos metodolgicos de que dispe, quer por via da excelncia dos saberes e da experincia dos avaliadores

institucional

versus

Empoderamento institucionalA avaliao uma operao que estimula os actores educativos a reflectirem sobre a realidade que lhes diz respeito, interpelando-a, interpretando-a e negociando com outros quer os processos , quer os produtos da interpelao e da interpretao em que esses actores se envolvem no decurso do processo de avaliao

A avaliao de projectos como instrumento de empoderamento institucional A avaliao institucional para alm de no ser inconcilivel com a finalidade da prestao de contas, responde, por outro lado, a outras finalidades, nomeadamente aquelas que se relacionam com a regulao das iniciativas que se promovem e em funo da qual se criam as condies que ao propiciarem a reflexividade dos professores e dos outros actores educativos, permitem afirmar a dimenso formadora do prprio processo de avaliao.

AVALIAO INTERNA DAS ESCOLAS COMO ESTRATGIA DE EMPODERAMENTO INSTITUCIONAL

Questes prvias A avaliao concretiza-se atravs da construo de um processo de reflexo em que se determina um referido, o objecto da avaliao, e os referentes dessa avaliao, em funo dos quais se define o que desse objecto ser avaliado Ao contrrio da avaliao-controlo, na avaliao empoderadora o processo de referencializao da avaliao, em funo do qual se define os referidos e os seus referentes, diz respeito a cada escola.

Questes prvias Ao contrrio da avaliao-controlo que visa comparar as escolas entre si, na avaliao empoderadora o confronto estabelece-se a partir dos referidos e dos referentes que se escolheram para se poder compreender como que cada escola cumpre a misso educativa que lhe diz respeito.

Questes prvias Ao contrrio da avaliao-controlo que funciona em torno de referenciais definidos de forma prvia s escolas, a avaliao empoderadora constri-se em torno de um processo de referencializao que poder ser entendido como um processo atravs do qual: se delimitam as dimenses e os elementos que, numa dada escola, importa avaliar (construo dos referidos); se definem os referentes de avaliao que permitem fornecer a informao necessria para se identificarem os pontos fortes, os pontos fracos, as oportunidades e as ameaas ou os obstculos que se colocam ao conjunto de aces e iniciativas que tm lugar nas escolas, de forma a partilharem-se resultados, a discutir-se o seu impacto, a tomarem-se decises e a configurarem-se as estratgias.

A construo dos referidosQuais as dimenses que nos interessa avaliar ? Porqu?

Construo dos referidos

Quais as actividades que dizem respeito a cada uma dessas dimenses? Quais os objectivos actividades? de cada uma dessas

Temos recursos para realizar a avaliao desejada? Podemos realizar a avaliao que queremos realizar Quais as dimenses que poderemos avaliar?

As dimenses da avaliao das escolas

Organizao da Escola e Clima Organizacional

Formao e Aco Docente

Resultados Escolares

Relao com a comunidade envolvente

Estratgias de Ensino-Aprendizagem

Actividades Scio-Eductivas

Formao Pessoal e Social

Gesto Curricular

Dimenso: Resultados escolares

DomnioIndicadoresa)

ReferentesCritrios de sucesso Manter os resultados no domnio da compreenso da leitura e no conhecimento explcito da lngua; Melhorar em 5% o n de alunos bem sucedidos no domnio da expresso escrita. % de alunos bem sucedidos na disciplina de L. Portuguesa no domnio da compreenso da leitura; % de alunos bem sucedidos na disciplina de L. Portuguesa no domnio do conhecimento explcito da lngua; % de alunos bem sucedidos na disciplina de L. Portuguesa no domnio da expresso escrita

Resultados nas provas de aferio do 4 ano de escolaridade

b)

c)

Dimenso: Formao pessoal e socialDomnioIndicadoresOrientao vocacional

ReferentesCritrios de sucesso 85% de alunos que participam Aumentar para 100% o n nos programas de Orientao de alunos que participam Vocacional nesses programas. 83 alunos foram atendidos no Diminuir em 10% o n de Gabinete de Apoio ao Aluno participaes disciplinares na Escola E.B. 2/3.

Gesto comportamental

73 % de turmas do 1 CEB Aumentar para 100% esse definiram, de forma participada, tipo de iniciativa nas escolas Quadros de Regras do 1 CEB. Comportamentais

Dimenso: Estratgias de ensino-aprendizagem

DomnioIndicadores

ReferentesCritrios de sucesso100% dos professores de Matemtica das escolas do Agrupamento devero construir Planos de Recuperao deste tipo 20 % de professores de Matemtica utilizam Planos de Recuperao que definem de forma individualizada as actividades concretas que se espera que os alunos realizem .

Tipos de utilizao dos dispositivos de diferenciao pedaggica no 2 Ciclo

Observaes Este tipo de operaes pode ocorrer em iniciativas de avaliao sujeitas a necessidades de controlo institucional, at porque mesmo que os referidos e os referentes no sejam impostos Escola, possvel que esse tipo de avaliao se concretize. O controlo institucional no tem que ser exercido pelas estruturas centrais ou locais do Ministrio da Educao, pode ser exercido, apenas, pelas direces dos agrupamentos.

Observaes Assim, o que distingue as iniciativas de avaliao sujeitas a uma lgica de controlo ou a uma lgica de empoderamento no tem a ver, apenas, com os objectivos das iniciativas em si, mas com a amplitude e a qualidade da participao dos actores educativos quer nos processos de conceptualizao e desenvolvimento dos projectos, quer, por isso, no processo de avaliao desses projectos. que os objectivos de ambas as lgicas de avaliao podendo ser, em larga medida, comuns, distinguem-se quanto ao modo como abordam a participao da comunidade educativa na definio e avaliao dos projectos.

Observaes Outra dimenso a considerar para distinguir as iniciativas de avaliao sujeitas a uma lgica de controlo ou a uma lgica de empoderamento aquela que diz respeito ao papel que a compreenso de sentidos assume numa e noutra lgica.

Para as iniciativas sujeitas a uma lgica de controlo o que importa , acima de tudo, julgar, enquanto que para as iniciativas sujeitas a uma lgica de empoderamento o que importa compreender os sentidos das representaes e das iniciativas dos actores ou dos produtos que estes constroem.

A avaliao de projectos de interveno educativa

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa

A monitorizaoO que que andamos a fazer?Monitorizao do trabalhoa. b. c. d.

Temos cumprido as tarefas previstas? Como que o grupo tem funcionado? Quais os problemas que surgiram? H novas tarefas a propor ou tarefas a cortar?

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa

O processo de monitorizao Estimula-se os alunos a avaliar o trabalho que fazem e o funcionamento de cada um no seio do grupo e o prprio grupo; Apesar de ser o professor a criar as condies para que esse trabalho acontea, so os alunos que monitorizam o funcionamento do grupo; Este processo de avaliao tem mais a ver com a necessidade de assegurar a dinmica de trabalho do grupo do que com a necessidade de assegurar a avaliao de resultados; O processo de avaliao assume-se como um factor formativo

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa

A apresentao pblica do trabalho A apresentao pblica do trabalho um factor que permite conferir significado ao projecto; Partilhar publicamente um trabalho implica expor-se e ser avaliado; A questo que se coloca a de saber como que se assegura uma avaliao que possa constituir um momento de formao

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa A avaliao final um momento-chave dos projectos, porque permite que se tome conscincia do trabalho realizado; Analisa-se o funcionamento do grupo em retrospectiva; um momento formativo, mas tambm um momento de prestao de contas; um momento em que os alunos assumem um protagonismo inequvoco.

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa A pertinncia e qualidade desse momento depende da aco do professor, por via das condies que cria e dos dispositivos de mediao que prope, bem como do seu papel como interlocutor

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa

O que que fizemos?Avaliao finala.

b. c. d.

e.

f. g.

Quais os pontos positivos e negativos do trabalho apresentado? Valeu a pena terem-se envolvido no projecto? Se voltassem atrs o que que mudariam? Quais as razes que podero explicar o sucesso do trabalho? Quais as principais dificuldades sentidas pelo grupo? Foram resolvidas? Como? Voltavam a trabalhar em grupo? Porqu? Que outros projectos gostariam de realizar? Porqu?

Elementos invariantes do processo de avaliao de projectos de interveno educativa Instrumentos de avaliaoO que que correu bem? O que que correu mal?

Observaes finais A participao dos alunos no mbito da avaliao dos projectos uma das condies necessrias ao funcionamento dos projectos quer por razes funcionais, quer por razes pedaggicas.

A avaliao de natureza holstica, no se circunscrevendo a aspectos parcelares (resultados, comportamentos, dinmica do grupo, etc.). Os alunos participam na definio do processo de avaliao que deixa de estar exclusivamente circunscrito aco do professor.

Observaes finais O professor no desaparece de cena, intervm a de forma diferente, atravs do tipo de interlocuo que prope e dos dispositivos de regulao que disponibiliza. Compreende-se melhor o que significa afirmar que o processo de avaliao negociado. Trata-se de uma negociao que balizada pelos objectivos do projecto, pela metodologia de desenvolvimento do mesmo e pelos dispositivos utilizados para concretizar o projecto.