Pra onde vai o que fica pra tras

download Pra onde vai o que fica pra tras

of 72

  • date post

    07-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    1

Embed Size (px)

description

“Pra onde vai o que fica pra trás?” é uma vídeo-instalação interativa elaborada por Stefânia Masotti, com o auxílio de Rúbia Silveira de Almeida. Aqui consta o memorial descritivo explicando como foi o processo de elaboração da obra, assim como o seu funcionamento. Em caso de dúvidas ou interesse em saber mais sobre a obra, entre em contato pelo e-mail: http://scr.im/smasotti Mais sobre Stefânia Masotti: http://flavors.me/smasotti

Transcript of Pra onde vai o que fica pra tras

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTO

    CENTRO DE ARTES

    DEPARTAMENTO DE COMUNICAO SOCIAL JORNALISMO

    STEFNIA MASOTTI

    PRA ONDE VAI O QUE FICA PRA TRS?

    VITRIA

    2011

  • STEFNIA MASOTTI

    PRA ONDE VAI O QUE FICA PRA TRS?

    Memorial apresentado Universidade Federal do Esprito Santo (Ufes) como requisito parcial para obteno de titulo de Bacharel em Comunicao Social Jornalismo. Orientador: Prof Cleber Carminati.

    VITRIA

    2011

  • STEFNIA MASOTTI

    PRA ONDE VAI O QUE FICA PRA TRS?

    Memorial apresentado Universidade Federal do Esprito Santo (Ufes) como requisito parcial para obteno de titulo de Bacharel em Comunicao Social Jornalismo. Orientador: Prof Cleber Carminati.

    VITRIA

    2011

    STEFNIA MASOTTI

    PRA ONDE VAI O QUE FICA PRA TRS?

    Memorial apresentado Universidade Federal do Esprito Santo (Ufes) como requisito parcial para obteno de titulo de Bacharel em Comunicao Social Jornalismo.

    Comisso Examinadora

    _________________________ Prof Mestre Cleber Carminati

    _________________________ Prof Mestre Rafael Paes Henriques

    _________________________ Prof Doutora Daniela Zanetti

  • minha famlia de hoje e que est por vir, fundamental em cada passo;

    queles que foram a minha turma, mesmo sendo de turmas separadas: Susana Kohler, Regina Trindade, Juliana Tinoco, Giselle Pereira, Marcel Bussular Martinuzzo;

    queles que tambm fizeram parte: Douglas Lisboa, Eduardo Valente;

    queles que me deram letra e poesia, tinta e cor, e me ensinaram arte na vida: Juliana Gabriela Caetano, Thalita Covre, Fabrcio Costa, Henrique Guimares, Coletivo Eleve e

    demais parceiros das minhas aventuras pela UFES;

    queles e quelas da AIESEC por tantos aprendizados;

    quela que me deu exemplo: Marilda Rocha;

    queles professores que plantaram sementinhas muito importantes: Rafael Paes Henriques, Ricardo Maurcio, Cleber Carminati;

    quela sem a qual este projeto no seria possvel: Rbia Silveira de Almeida;

    queles e aquelas fundamentais dentro e fora da faculdade: Bruno Nascimento (BLOK), Rafael Jumbini, Renata Murari, Carine Zorzaneli, Larissa da Cruz Aguiar;

    queles e quelas que mais ou menos distantes tambm foram importantes;

    A todos que me pararam na rua, no corredor, na grama, na ida, na volta, nos caminhos que percorri at agora, para me mostrar uma flor ou tirar um espinho que me incomodava;

    A cada um o meu sincero MUITO OBRIGADA!, e o meu desejo que nossos caminhos continuem se reencontrando.

  • minha famlia de hoje e que est por vir, fundamental em cada passo;

    queles que foram a minha turma, mesmo sendo de turmas separadas: Susana Kohler, Regina Trindade, Juliana Tinoco, Giselle Pereira, Marcel Bussular Martinuzzo;

    queles que tambm fizeram parte: Douglas Lisboa, Eduardo Valente;

    queles que me deram letra e poesia, tinta e cor, e me ensinaram arte na vida: Juliana Gabriela Caetano, Thalita Covre, Fabrcio Costa, Henrique Guimares, Coletivo Eleve e

    demais parceiros das minhas aventuras pela UFES;

    queles e quelas da AIESEC por tantos aprendizados;

    quela que me deu exemplo: Marilda Rocha;

    queles professores que plantaram sementinhas muito importantes: Rafael Paes Henriques, Ricardo Maurcio, Cleber Carminati;

    quela sem a qual este projeto no seria possvel: Rbia Silveira de Almeida;

    queles e aquelas fundamentais dentro e fora da faculdade: Bruno Nascimento (BLOK), Rafael Jumbini, Renata Murari, Carine Zorzaneli, Larissa da Cruz Aguiar;

    queles e quelas que mais ou menos distantes tambm foram importantes;

    A todos que me pararam na rua, no corredor, na grama, na ida, na volta, nos caminhos que percorri at agora, para me mostrar uma flor ou tirar um espinho que me incomodava;

    A cada um o meu sincero MUITO OBRIGADA!, e o meu desejo que nossos caminhos continuem se reencontrando.

    Se vira, minha filha, voc no nasceu quadrada!

    Marlene Livi Masotti, minha me

  • RESUMO Pra onde vai o que fica pra trs? uma vdeo-instalao que gera uma sequncia

    de vdeo a partir das respostas do usurio ao programa elaborado para a obra. Em

    resumo, o programa gera uma sequncia nica de vdeos a cada pessoa que

    responde completamente o formulrio, utilizando como base o significado do nmero

    final de cada resposta segundo a Numerologia. Desta forma, cada resposta se

    transforma em um nmero e cada nmero carrega um significado. Este significado

    exposto no vdeo e reunido em uma sequncia. Tudo feito na hora. Como pano de

    fundo, uma poesia narrada. E em outra tela, vdeos pr-editados so exibidos.

    Palavras-chave: vdeo-instalao, arte mdia, interao, arte e tecnologia.

  • RESUMO Pra onde vai o que fica pra trs? uma vdeo-instalao que gera uma sequncia

    de vdeo a partir das respostas do usurio ao programa elaborado para a obra. Em

    resumo, o programa gera uma sequncia nica de vdeos a cada pessoa que

    responde completamente o formulrio, utilizando como base o significado do nmero

    final de cada resposta segundo a Numerologia. Desta forma, cada resposta se

    transforma em um nmero e cada nmero carrega um significado. Este significado

    exposto no vdeo e reunido em uma sequncia. Tudo feito na hora. Como pano de

    fundo, uma poesia narrada. E em outra tela, vdeos pr-editados so exibidos.

    Palavras-chave: vdeo-instalao, arte mdia, interao, arte e tecnologia.

    ABSTRACT Pra onde vai o que fica pra trs? is a video installation that generates a video

    stream from user responses to the software program developed for the work. In

    summary, the program generates a unique sequence of videos to each person who

    completely answer the form, using as basis the meaning of the final number of each

    response according to Numerology. Thus, each response is translated to a number

    and each number carries a meaning. This meaning is exposed in the video and

    combined in a sequence. All done on time. As background, a poetry is narrated. And

    on another screen, pre-edited videos are displayed.

    Keywords: video installation, media art, interaction, art and technology.

  • SUMRIO

    1. Pra onde vai o que fica pra trs? ........................................................................................... 6

    2. Rosa dos ventos: V, ande, caminhe! .................................................................................. 8

    3. Sentido Norte: contraste, estranhe, caminhe! .................................................................. 10

    4. Sentido Sul: mas pra! Olhe por onde. .............................................................................. 14

    5. Sentido de Leste a Oeste: veja que esquisito, se esquisite, se inquiete, se perceba de costas, tropece, caia nos seus limites.................................................................................. 21

    5.1 Poesia como grito ........................................................................................................................ 23

    5.2 Vdeos como relatos .................................................................................................................... 23

    5.3 udio como acaso necessrio ..................................................................................................... 28

    5.4 Computador como suporte ......................................................................................................... 28

    5.5 Programa como meio viabilizador .............................................................................................. 31

    5.6 Nmeros como pano de fundo ................................................................................................... 35

    5.7 Numerologia como tradutora ..................................................................................................... 37

    5.8 Vdeo-instalao como dinmica ................................................................................................ 44

    5.9 Interator como resposta ............................................................................................................. 48

    5.10 Esttica como sensibilidade ...................................................................................................... 50

    6. Sentido que vir: invente um novo resultado ................................................................... 52

  • SUMRIO

    1. Pra onde vai o que fica pra trs? ........................................................................................... 6

    2. Rosa dos ventos: V, ande, caminhe! .................................................................................. 8

    3. Sentido Norte: contraste, estranhe, caminhe! .................................................................. 10

    4. Sentido Sul: mas pra! Olhe por onde. .............................................................................. 14

    5. Sentido de Leste a Oeste: veja que esquisito, se esquisite, se inquiete, se perceba de costas, tropece, caia nos seus limites.................................................................................. 21

    5.1 Poesia como grito ........................................................................................................................ 23

    5.2 Vdeos como relatos .................................................................................................................... 23

    5.3 udio como acaso necessrio ..................................................................................................... 28

    5.4 Computador como su