Relatório Obras Revitalização

Click here to load reader

  • date post

    14-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    48
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Relatório Obras Revitalização

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Jos Willian Bezerra Pereira

RELATRIO DE ESTGIO SUPERVISIONADO I

Guarulhos/SPOutubro/2009

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Jos Willian Bezerra Pereira

RELATRIO DE ESTGIO SUPERVISIONADO I

EXECUO DE OBRAS DE REVITALIZAO DAS AV. SERAFIM GONALVES PEREIRA E JOS MARIA FERNANDES

Guarulhos/SPOutubro/2009

Jos Willian Bezerra Pereira R.A.: 2007-045.901

RELATRIO DE ESTGIO SUPERVISIONADO I

EXECUO DE OBRAS DE REVITALIZAO DAS AV. SERAFIM GONALVES PEREIRA E JOS MARIA FERNANDES

Guarulhos/SPOutubro/2009

II

SUMRIO

LISTA DE FIGURAS LISTA DE FOTOS LISTA DE ANEXO 1 INTRODUO 2 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 2.1 Acompanhamento da Obra 2.1.1 Cronograma de Obra 2.1.2 Sinalizao 2.1.3 Servios de Demolio 2.1.4 Execuo de Guias e sarjetas a) PMSP/SP IE 01/92 Servios Preliminares para Pavimentao b) PMSP/SP IE 02/92 Preparo do terreno de fundao c) PMSP/SP IE 03/92 Assentamento de Guias d) PMSP/SP IE 10/92 Base de Concreto Magro e) PMSP/SP IE 04/92 Execuo de Sarjetas de Concreto 2.2 Verificao, Acompanhamento e Adequao dos Custos da Obra 2.3 Interface com rea de Arquitetura para elaborao de s BUILT 2.4 Elaborao de Medio 3 CONCLUSO 4 BIBLIOGRAFIA

III IV V 06 07 08 08 09 11 12 12 12 13 15 16 20 21 22 24 25

III

LISTA DE FIGURAS

Fig.01 Perfil da guia de concreto padro PMSP Fig.02 Perfil da guia/sarjeta de concreto padro PMSP Fig. 03 Especificaes da Tela de Ao

13 15 18

IV

LISTA DE FOTOS

Foto 01 - Segurana da Obra; Proteo a Terceiros Foto 02 - Segurana da Obra; Proteo a Terceiros e Propriedades Vizinhas Foto 03 Limpeza e Higiene no Canteiro Foto 04 - Demolio de Trecho da Obra Foto 05 - Trabalhos paralisados em funo das chuvas Foto 06 - Abertura de caixa: Corte do terreno Foto 07 - Caixa preparada para execuo da sarjeta Foto 08 - Assentamento de guias sobre lastro de concreto e alinhamento Foto 09 - Escoramento das guias com bola de concreto Foto 10 Lastro de brita 5 cm Foto 11 Concreto Magro 10 cm Foto 12 - Forma de madeira Foto 13 - Juntas do tipo seco enfraquecida a cada 6,00 m Foto 14 Lanamento de tela tipo Q-61 Foto 15 Lanamento de concreto

09 10 10 11 11 12 12 14 14 16 16 17 17 18 19

V

LISTA DE ANEXOS

ANEXO 01 Modelo de Cronograma Fsico-Financeiro de Obra ANEXO 02 Modelo de Dirio de Obra ANEXO 03 Modelo de Acompanhamento e Controle de Materiais ANEXO 04 Croqui de Situao do local de execuo dos servios ANEXO 05 Modelo de Memria de Clculo de Servio Executado ANEXO 06 Modelo de Planilha de Medio ANEXO 07 Modelo de Ordem de Incio de Obra ANEXO 08 Declarao de Concluso do Estgio Supervisionado I ANEXO 09 Cpia do CREA-SP do Engenheiro Supervisor

26 27 28 29 31 32 33 35 37

6

1. INTRODUO

Como requisito para concluso do 6 semestre do curso de Engenharia Civil da Universidade Guarulhos, o presente trabalho tem como misso apresentar atividades desenvolvidas durante o perodo de Estgio Supervisionado, que foi realizado na empresa A.TONANNI Construes e Servios ltda, no municpio de Taboo da Serra/SP, durante o segundo semestre de 2009. Por j ser funcionrio da empresa, o processo para realizao de estgio foi facilitado, porm, precisou de um entendimento entre as partes para que pudessem ser realizadas outras atividades, alm daquelas j executadas. Tendo como funo principal de Oramentista, foi proposta a empresa atividades que so basicamente complementares afim de um crescimento profissional, mas que, ao mesmo tempo pudessem acrescentar a atividade curricular acadmica. As atividades realizadas no perodo de estgio foram: Elaborao e Acompanhamento de Cronograma de Obras; Verificao, Acompanhamento e Adequao dos Custos de Obra; Interface com rea de Arquitetura para elaborao de s BUILT; Elaborao de Medio para recebimento do Cliente e pagamento de Empreiteiros. O estgio foi realizado em uma obra de Revitalizao das Avenidas Serafim Gonalves Ferreira e Jos Maria Fernandes, na regio jurisdicionada a Subprefeitura de Vila Maria/Vila Guilherme no municpio de So Paulo, cujos servios essenciais so o de demolio e reconstruo de guias e sarjetas.

7

2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Como j dito anteriormente, O estgio foi realizado em uma obra de revitalizao de Avenidas, cujos servios principais so o de demolio e reconstruo de guias e sarjetas. O prazo de execuo dos servios de 90 dias, tendo um desenvolvimento muito rpido, exigindo um acompanhamento muito prximo e cuidadoso, tanto quanto ao cronograma, aos custos da obra, aquisio de materiais, sinalizao, segurana, etc. Por se tratar de uma obra de rua, as questes de segurana tornam-se essencial para a proteo no s dos funcionrios, mas tambm dos transeuntes. Em obras pblicas as normas executivas so determinadas pelo Edital de Licitao. Com isso foram seguidas as normas contidas no Memorial Descritivo, parte integrante do edital.

8

2.1. Acompanhamento da ObraSendo uma obra pblica, houve a necessidade de aguardar a liberao das reas pela Prefeitura bem como da Companhia de Engenharia e Trfego CET. Essas liberaes ocorreram quadra a quadra, onde, aliado ao curto prazo de execuo, tornou-se invivel a reavaliao e readequao do cronograma. Dessa forma o acompanhamento da obra ocorreu atravs do Dirio de Obra (verAnexo 01).

Na execuo dos servios foram obedecidas as disposies contidas na: NR-18 Condies e Meio Ambiente de Trabalho na Indstria da Construo; NBR 7678: Segurana na Execuo de Obras e Servios de Construo; Guias e sarjetas PMSP/SP IE 02/92 - Preparo do terreno de fundao; PMSP/SP IE 03/92 Assentamento de guias; PMSP/SP IE 04/92 Execuo de sarjetas de concreto; PMSP/SP IE 10/92 Base de concreto magro.

2.1.1 Cronograma De Obras

Sendo uma obra de curto prazo foi elaborado um cronograma fsico-financeiro de barras (ver Anexo 02), baseado nas atividades principais da obra. Infelizmente, o cronograma mostrou-se ser uma pea formal, tendo a funo somente a de cumprir seu papel burocrtico. Como j mencionado no tpico anterior, por se tratar de uma obra pblica, haver a necessidade de aguardar a Prefeitura e da CET, e tambm por essas liberaes ocorrerem por etapas, num espao de tempo que, aliado ao curto prazo de execuo, tornou-se invivel a reavaliao e readequao do cronograma.

9

2.1.2 Sinalizao

A sinalizao foi executada de forma a atender as normas SEGURANCA NA EXECUO DE OBRAS E SERVICOS DE CONSTRUO NBR 7678:1983, principalmente nos quesitos: Item 4.1 - Segurana Individual: principalmente em Item 4.1.4 Obrigatrio uso de capacete; Item 4.1.5 Obrigatrio o uso de calado de segurana; Item 4.1.7 Obrigatrio o uso de luva de segurana adequado; Item 4.1.8 Obrigatrio o uso de protetor auricular. Item 4.2 Segurana Coletiva na Obra; Item 4.3 Segurana de Mquinas e Equipamentos na Obra; Item 4.4 Segurana da Prpria Construo; Item 4.5 Segurana a Terceiros;Foto 01 - Segurana da Obra; Proteo a Terceiros.

Fonte: Empresa A.TONANNI

10

Item 4.6 Segurana a Propriedade Vizinhas e Servios Pblicos;Foto 02 - Segurana da Obra; Proteo a Terceiros e Propriedades Vizinhas.

Fonte: Empresa A.TONANNI

Item 4.7 Limpeza e Higiene no canteiro: principalmente em Item 4.7.4 O entulho dever ser depositado fora do canteiro, e local apropriado e permanecer o menor tempo possvel; Item 4.7.5 Na remoo de entulho de ser utilizado, sempre que possvel, equipamentos mecnicos; Item 4.7.6 No permitido manter entulho em vias pblicas.Foto 03 - Limpeza e Higiene no Canteiro

Fonte: Empresa A.TONANNI

11

2.1.3 Servios de DemolioAtendendo ao escopo e para atender aos prazos de execuo, foi utilizado mquina tipo BOBCAT equipado com martelete hidrulico (Foto 04), para os servios a demolio.Foto 04 - Demolio de Trecho da Obra.

Fonte: Empresa A.TONANNI

A execuo da demolio foi feito em etapas, abrangendo trechos delimitados pela fiscalizao da prefeitura, sendo que a programao e planejamento eram dirias. Por ocorrncia de chuvas, os trabalhos eram paralisados diversas vezes em respeito s normas de segurana (Foto 05), em funo de descargas atmosfricas, conforme se comprova atravs do Dirio de Obras (ver modelo Anexo 02).Foto 05 - Trabalhos paralisados em funo das chuvas

Fonte: Empresa A.TONANNI

12

2.1.4 Execuo de Guias e Sarjetas

Na execuo de guias e sarjetas foram as normas e procedimentos da Prefeitura do Municpio de So Paulo a saber: a) PMSP/SP IE 01/92 Servios Preliminares para Pavimentao; Como j dito neste documento, escopo do contrato objeto do estgio o levantamento planialtimetrico cadastral. O cadastro de guias e sarjetas trata-se de servios de topografia para locao das guias e sarjetas existentes, indicando seu estado, tipo, metragem e localizao. b) PMSP/SP IE 02/92 Preparo do terreno de fundao; O terreno de fundao das guias e sarjetas abrange um faixa de 1 (um) metro do passeio e consiste nos servios de corte do terreno, carga, transporte e descarga e aterro, bem como, substituio de materiais instveis por material apropriado de acordo com o que determina o projeto.Foto 06 - Abertura de caixa: Corte do terreno Foto 07 - Caixa preparada para execuo da sarjeta

Fonte: Empresa A.TONANNI

Fonte: Empresa A.TONANNI

13

c)

PMSP/SP IE 03/92 Assentamento de Guias;

As guias de concreto no padro da Prefeitura do Municpio de So Paulo (PMSP), tem 30 cm de altura, 15 cm de largura na base e 13 cm no topo e 1,00 m de comprimento, conforme indicado no figura na Fig. 01.Fig.01 Perfil da guia de concreto padro PMSP

Fonte: Prefeitura do Municpio de So Paulo Instruo de Execuo Pavimentao de Vias Pblicas (1992)

O assentamento de guia de concreto foi executado sobre base de concreto magro com largura de 30 cm e espessura uniforme de 10 cm (Foto 08). O concre