  – CARACTERÍSTICAS  O tecido muscular possui células alongadas e ricas em filamentos...

download   – CARACTERÍSTICAS  O tecido muscular possui células alongadas e ricas em filamentos contráteis.  FUNÇÕES  A contração do tecido muscular promove.

of 17

  • date post

    07-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    234
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of   – CARACTERÍSTICAS  O tecido muscular possui células alongadas e ricas em filamentos...

  • CARACTERSTICAS O tecido muscular possui clulas alongadas e ricas em filamentos contrteis.

    FUNES A contrao do tecido muscular promove o movimento de estruturas ligadas a ele, como os ossos, e, consequentemente, do corpo. Permite ainda o movimento, pelo organismo, de substncias e lquidos, como o alimento, o sangue e a linfa. Tecido Muscular

  • COMPONENTES clulas pela matriz extracelular

    TIPO DE MSCULOtipos celulares: clulas musculares estriadas esquelticas, clulas musculares estriadas cardacas ou clulas musculares lisasTecido Muscular

  • Tecido Muscular

  • Fibra muscular = micito = clulaAltamente contrties, devido ao encurtamento das miofibrilas, que so filamentos citoplasmticos dispostos ao logo do seu cuprimento, constituidas por protinas contrteis sendo s mais abundantes a actina e a miosona.Sarcossmo Sarcoplasma Plasmalema Miofibrila -Tecido Muscular

  • Msculo Estriado EsquelticoSo originadas da fuso de centenas de clulas precursoras, os mioblastos, o que as tornam bastante grandes e alongadas, sendo que os ncleos ficam em posio perifrica.

    Possuem filamentos de actina e de miosina em abundncia, e a sua organizao faz com que se observem estriaes transversais ao microscpio de luz, o que conferiu o nome estriado ao tecido. Tecido Muscular

  • O termo esqueltico devido sua localizao

    Alguns desses ncleos perifricos pertencem a mioblastos latentes, as clulas-satlites. Essas clulas so mononucleadas e fusiformes e esto posicionadas entre a lmina basal e a membrana plasmtica da clula muscular. As clulas-satlites podem se dividir, fusionar e originar clulas musculares no processo de reparo aps leso ou de hipertrofia decorrente do exerccio intensoTecido Muscular

  • Msculo Estriado CardacoPossui clulas alongadas, mais delgadas e mais curtas que as clulas musculares esquelticas, so ramificadas e possuem um ou dois ncleos centrais ou prximos ao centro, com cromatina frouxa e nuclolo proeminente. Ao microscpio de luz, este msculo exibe, alm das estriaes devido ao arranjo dos filamentos contrteis, os discos intercalares, linhas retas ou em escada que correspondem a complexos juncionais.

    Os discos intercalares so constitudos por interdigitaes, junes de adeso e desmossomos, que impedem a separao das clulas com o batimento cardaco, e junes comunicantes, que, ao permitir a passagem de ons de uma clula outra, promovem a rpida propagao da despolarizao da membrana e a sincronizao da contrao das clulas.

    Tecido Muscular

  • Assim como ocorre nas clulas epiteliais, os filamentos de actina ancoram-se nas junes de adeso, e os filamentos intermedirios, nos desmossomos. Entretanto, nas clulas musculares, os filamentos intermedirios so de desmina.

    Este msculo apresenta contrao involuntria.

    O msculo estriado cardaco regenera-se somente nos primeiros anos de vida. Depois no mais capaz, porque no possui uma populao de clulas precursoras, como as clulas-satlites do msculo esqueltico. As leses do corao so reparadas pela proliferao dos fibroblastos, que formam uma cicatriz de tecido conjuntivo denso.Tecido Muscular

  • Msculo lisoAs clulas so alongadas, ncleo central, ovoide, com um ou mais nuclolos. Quando esto contradas, o ncleo assume a aparncia de saca-rolhas. A disposio dos feixes de filamentos contrteis em diferentes planos faz com que as clulas deste msculo no apresentem estriaes, por isso a denominao de msculo liso.

    As clulas propagam a despolarizao da membrana por junes comunicantes e realizam intensa pinocitose para a entrada de ons Ca2+. Essas vesculas endocticas so denominadas cavolas.

    Tecido Muscular

  • A contrao deste msculo involuntria e lenta

    As clulas musculares lisas podem se dividir, o que permite o reparo do tecido lesado e o aumento de rgos, como o tero durante a gravidez.

    Tecido Muscular

  • Contrao Muscular

    A contrao das fibras musculares esquelticas estimulada por fibras nervosas motoras, que entram no perimsio e originam numerosas terminaes. Prximo superfcie da clula muscular, o axnio perde a bainha de mielina e dilata-se, formando a juno neuromuscular (ou placa motora). O impulso nervoso transmitido com a liberao de acetilcolina do terminal axnico. Essa substncia difunde-se atravs da fenda sinptica e prende-se a receptores na membrana da clula muscular, tornando-a permevel ao Na+ , o que resulta na despolarizao da membrana. Tecido Muscular

  • A membrana plasmtica leva a despolarizao para o interior da clula atravs de invaginaes que envolvem as junes das bandas A e I no msculo estriado esqueltico e situam-se na linha Z no msculo estriado cardaco. Essas invaginaes compem o sistema de tbulos transversais (ou tbulos T).

    No msculo estriado esqueltico, em cada lado do tbulo T, h uma expanso do retculo sarcoplasmtico, a cisterna terminal. O conjunto de um tbulo T e duas expanses do retculo sarcoplasmtico conhecido como trade. No msculo estriado cardaco, entretanto, h dades devido associao de um tbulo T com uma expanso lateral do retculo sarcoplasmtico (por ser pequena, no considerada como cisterna terminal). Na trade, a despolarizao dos tbulos T transmitida atravs de pontes proteicas ao retculo sarcoplasmtico, promovendo a abertura dos canais de Ca2+ com a consequente sada desse on para o citoplasma. Na clula muscular cardaca, o Ca2+ deve ser transportado ativamente do lquido extracelular. Tecido Muscular

  • O Ca2+ liga-se troponina. Essa protena constituda por trs polipeptdeos: troponina C, que se liga ao Ca2+, a troponina T, que se liga tropomiosina, e a troponina I, que se une actina e inibe a sua interao com a miosina. A tropomiosina uma protena longa que se enrola nos filamentos de actina para estabiliz-los.

    Quando a subunidade troponina C se liga a quatro ons de Ca2+, a troponina sofre mudana conformacional, empurrando a tropomiosina para dentro do sulco do filamento de actina, liberando o stio de ligao da actina miosina. A miosina-II tem uma poro alongada, em basto, formada por duas cadeias pesadas (cada qual uma -hlice) enroladas em uma espiral e, na extremidade, duas pores globulares, com atividade ATPsica.

    A poro alongada denominada cauda, e as pores globulares correspondem cabea. A cada cabea aderem duas cadeias leves, com papel estrutural na estabilizao da miosina. As cabeas dispem-se em espiral ao longo do filamento de miosina. Tecido Muscular

  • A quebra de ATP faz com que a cabea e parte da cauda dobrem-se, levando junto a actina. A ligao e a quebra de outra molcula de ATP promovem a dissociao entre a actina e a miosina.

    O ciclo de ligao e dissociao repete-se vrias vezes, promovendo o deslizamento dos filamentos finos e espessos uns em relao aos outros. Na contrao muscular, h o encurtamento dos sarcmeros e assim de toda a fibra, devido maior sobreposio dos filamentos de actina aos de miosina. As bandas I e H tornam-se mais estreitas, enquanto a banda A no altera a sua extenso. O relaxamento do msculo estriado esqueltico ocorre quando cessa o impulso nervoso, e os ons Ca2+ so retirados do citoplasma, atravs de bombas de Ca 2+ (Ca2+ -ATPases), para o retculo sarcoplasmtico, onde se ligam protena calsequestrina. Tecido Muscular

  • Se no for fornecido ATP para a dissociao entre a actina e a miosina e para o recolhimento dos ons Ca2+ para o retculo sarcoplasmtico, o msculo estriado esqueltico mantm-se contrado, por isso a rigidez muscular aps a morte, chamada de rigor mortis.

    Tecido Muscular