08a - HOBSBAWM, E.J. - Nações e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

download 08a - HOBSBAWM, E.J. -  Nações e nacionalismo desde 1780  (19 cps)

of 19

Embed Size (px)

Transcript of 08a - HOBSBAWM, E.J. - Nações e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    1/19

    FAPLIVROS-lVP ro c. N : 99/08922-5Coord.: Mario S~rgio Vasccn;". .Item: ~~.~.c~P~"~~":""""Ulfraria ..~ .Not7l.?f.~~.$?Data~:!J.Ll J.g!? V a l o r ~ . _ L ~ . " , i . . ..R u b r lc a . . . . P ro c . Do~2~o3

    E.]. HOBSBAWM

    W ' "T ~1Jo'h rf r b t . ~4VbI t , . X l O S A

    Na~oese nacionalismo desde 1780Programa, mito e realidade

    Traduoio deMaria Celia Paoli e Anna Maria Quirino

    3 Edlcao~

    ffiPAZ E TERRA

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    2/19

    '\

    IA naciio como novidade:da reuoludio ao liberalismo

    A caracteristica basica da na~ao modema e de tudo 0que aeIa esta ligado e sua modernidade. Isso, agora, e bern compreen~dido. embora a suposicao oposta - a de que a identificacaonadonal seja tao natural. fundamental e permanente a ponto depreceder a hist6ria - ainda seja tao amplamente aceita que talvezseja util esclarecer a modemidade do vocabularlo a respeito doassunto, 0 Dicionario da Real Academia Espanhola, cujas variasedicoes foram pesquisadas com esse objerivo,' nao usa a terrnino-logia de Estado, nacao e lingua no sentido modemo antes de suaedicao de 1884. Ai. pela primeira vez, aprendemos que a lenguanacumal e "a lingua oficial e l iteraria de urn pals e, a diferenca dedialetos e linguas de outras nacoes, e a lingua geralmente falada to.A mesma relacao e estabelecida no verbete "dialeto" entre este e al ingua nacional. Antes de 1884. a palavra naci6n significava sirn-plesmente "0 agregado de habitantes de uma provincia. de urnpais ou de urn reino" e tambem "urn estrangeiro". Mas agora eradada como "urn Estado oucorpo politico que reconhece urn cen-tro supremo de govemo comum" e tarnbem "0 territorio constitui-do par esse Estado e seus habitantes, considerados como urntodo" - e, portanto, 0elemento de urn Estado comum e supr~mo e central a tais definicoes, peIo menos no mundo iberico, Anaci6n e 0"conjunto de los habitantes de urn pais regido por unmismo gobiemo" (grifos meus)," Na recente Enci clo p id i a Bra s il e ira

    27

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    3/19

    Mbilo,! a nacao e "a comunidade de cidadiios de um Estado, vi-vendo sob 0mesmo regime ou governo e tendo uma cornunhaode interesses; a coletividade de habitantes de um territorio comtradicoes, aspiracoes e interesses comuns. subordinados a urn poriercentral que Sf encarrega de manter a unidade do grupo (grifos meus): 0povo de um Estado, excluindo 0poder govemamental", Alerndlsso, no Dicionario da Academia Espanhola, a versao final de"nacao" nao e encontrada ate 1925, quando e descrita como "acoletividade de pessoas que tern a mesma origem etn ica e, emgeral , falam a rnesma lingua e possuem uma tradicao comurn".

    Gobierno, 0governo, nao foi, portanto, ligado ao conceito denaci6n ate 1884. Na verdade, como a filologia poderia sugerir, 0primeiro significado da palavra "nacao" indica origem e descen-dencia: "naissance, extraction, ranff para citar urn dicionario fran-ces antigo que cita a frase de Froissart, "je fus retourne au pays derna nation en la conte de Havnnau" (Eu retomei a terra de meunascimentoz'origern, no condado de Hainaultl , "E, na medida emque a origem ou descendencia estao ligadas a urn corpo de ho-mens. este dificilrnente poderia ser aquele que formou urn Estado, (menos no caso dos dirigentes e seu cla), Na medida em queligado a urn territorio, esse corpo de homens apenas fortuitamen-te seria uma unidade politica, e nunca muito grande. Para 0dicio-mirio espanhol de 1726 (primeira edicao), a palavra palna ou, nouso mats popular. tum-a , "a patria", significava apenas "0lugar, 0municipio ou a terra onde se nascia", ou "qualquer regiao, pro-vincia ou distrito de qualquer dominio senhorial ou Estado", Estesentido estreito de patria, que foi diferenciado do sentido lato dotermo no espanhol moderno como patria chico; "a pequena pa-tria", e bastante universal antes do seculo XIX. exceto entre aspessoas cultas com conhecimento da Roma antiga. Ate 1884, alien-a nao era vinculada a um Estado; e ate 1925 nao ouvimos anota emotional do patriotismo moderno, que define patria como"nossa propria nacao, com a soma total de coisas materials e ima-teriais passadas, presentes e futuras, que gozam da amavel leal-dade dos patriotas". Certamente, a Espanha do seculo XIX naoestava exatamente na vanguarda do progresso ideologico, emboraCastela - enos estamos falando da lingua castelhana - Fosseurndos primeiros reinos europeus ao qual nao e totalmente inexato

    28 :{Itt;

    atribuir 0rotulo de "Estado-nacao". De qualquer rnaneira, pode-se duvidar de que a Grii-Bretanha ou a Franca do seculo XVIIIfossern "Estados-nacoes" em sentido muito diferente, Portanto, 0desenvolvimento de seu vocabulario especffico pode ter interessegeral.

    Nas l inguas rornanicas, a palavra "nacao" e vernacula. Emoutras linguas, quando e usada, e urn ernpresnrno estrangeiro.Isso nos permite tracar as distincoes no seu uso de modo maisclaro. Assim, no alernao culto e no vulgar. a palavra Volk (pOVO)tern hoje c1aramente asmesmas associacoes que as palavras deriva-das de "natio", mas essa interacao e complexa. No alernao vulgarmedieval,o tenno (nalie), quando usado - e pode-se pressupor,a partir de sua origem latina. 'que de era dificilmente usado a naoser entre os literates e pessoas de extracao real, nobre ou senhori-al -, nao tern ainda a conotacao de Vo/h, que foi adquirida ape-nas no seculo XVI. Como no frances medieval. significa nascrrnen-to ou grupo de descendencia (Geschlecht). 5

    Como em outros lugares, a palavra desenvolveu-se para des-crever grandes grupos fechados, como guild as e outras corpora-~6es, que necessitavam ser diferenciados de outros com os quais.coexrstiam: dai as "nacoes" aparecerem como sinonimo de estran-geiro, como no espanhol, as ....acoes ..de mercadores estrangeiros("comunidades estrangeiras, especialrnente de comerciantes, vi-venda em uma cidade e nela gozando de privUegios");6 as farnili-ares "nacoes" de estudantes nas antigas universidades. Dar tam-bern 0menos familiar "regimen to para a nacao de Luxernburgo".'Contudo, parece claro que a evolucao da palavra tenderia a des-tacar 0lugar ou 0territorio de origem - 0pays natal de umaantiga definicao francesa que rapidamente se tornou. ao men osna cabeca dos iiltimos lexicografos, 0equivalente a "provincia","enquanto outros enfatizam 0grupo de descenclencia comum,movendo-se portanto na direcao da etmcidade, como na insis-tenda holandesa a respeito do Significado fundamental de natiecomo "a total idade de homens que se supoe pertencer ao mesmostam".

    De qualquer modo. continua intrigante 0 problema da rela-~ao dessa "na~ao" vernacula, mesmo tao alargada, com 0Estado,pois parece evidente que. em termos etnicos, lingiiisticos e outros,

    29

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    4/19

    Ii

    na rnaioria, os Estados, qualquer que fosse seu tarnanho, naoeram homogeneos e portanto nao poderiarn ser simplesmenteequalizados com as nacoes. 0 dicionario holandes especifica-mente destaca, como uma peculiaridade do frances e do ingles, 0fato de estes usarem a palavra "nacao" para designar pessoas que;pertencem a urn Estado, mesmo que nao falem a mesma lingua,"Uma discussao multo instrutiva a respeito desse enigma vern daAlemanha do seculo XVIII.IO Em 1740. para 0encidopedistaJo-hann Heinrich Zedler, a nacao, em seu sentido realmente origi-nal. significava urn mimero unido de Bilrger (na Alemanha dametade do seculo XVIII, e melhor deixar esta palavra com suanotoria ambigfiidade), os quais partilhavam urn corpo de costu-mes. vaIores e leis. Disto se segue que a palavra nao pode tersignificado territorial . desde que as membros de diferentes na-coes (divididos por "diferencas nos modes de vida - Lsbensarten- e costumes") podiam viver juntos em uma mesma provincia.por pequena que esta fosse. Se as nacoes tivessem uma conexaointrinseca com 0territorio, os wends* da Alemanha teriam queser chamados de alema~s'. 0 que eles patentemente nao sao. 0exemplo vern naturalmente a mente de urn estudioso saxao, fami-liar com a ultima - e ainda sobrevivente - populacao eslava daAlernanha linguisuca, a qual ainda niio the ocorreu rotular com 0problernatico termo "rninoria nacional". Para Zedler. a palavraque descreve a totalidade das pessoas de todas as "nacoes", viven-do em uma mesma provincia ou Estado, e Volek. Todavia - etanto pior para a precisao terminologica - na pratica 0termo"nacao" e freqiientemente usado no mesmo sentido que "Va lek" ;a s vezes como sinonirno de "estarnento" da sociedade (Stand, orda:e outras vezes para qualquer associacao ou sociedade (Gesellschaf t.societas) .

    Qualquer que seja 0significado "proprio e original" (ouqualquer outro) do termo "nacao", ele ainda e clararnente dire-rente de seu significado modemo. Podemos, portanto, sem irrnais alern no assunto, aceitar que, em seu sentido moderno ebasicamente politico, 0conceito de nariio e historicarnente muitorecente. De fato, outro monumento l ingiiistico, 0New English. . Urn dos povos eslavos da Alemanha do Lesre. (N.T.)

    30

    Diclionnary, jo 1 subIinhava isso ao indicar, em 1908, que 0velhosignificado da palavra contemplava principalmente a unidade e t-nica, embora seu uso recente indicasse rnais "a nocao de indepen-dencia e unidade politica","

    Dada a novidade historica do conceito moderno de "na-- ; i i O N , sugiro que 0melhor modo de en tender sua natureza eseguir aqueles que, sistematicamente, comecararn a operar comesse conceito em seu discurso pol itico e social durante a Era dasRevolucoes, espedalmente a partir de 1830, com 0nome de"principio da nacionaIidade". Esta digressao na Begrif fsgeschichlenao e facil de ser feita, parte porque, como veremos, os contern-poraneos se davam pouca conta do uso de tais palavras, e parteporque a mesma palavra podia significar simultaneamente coisasmuito diferentes.o significado fundamental de "nacao", e tarnbem 0maisfreqiientemente ventilado na literatura, era politico. Equalizava"0povo" e 0 Estado a maneira das revolucoes francesa e america-na, uma equalizacao quesoa familiar em expressoes como "Esta-do-nacao", "Nacoes Unidas" ou a ret6rica dos ultimos presidentesdo seculo XX. Nos EVA, 0 discurso anterior preferia falar em"povo", "uniao", "confederacao", "nossa terra comum", "publico"."bem-estar publico" ou "comunidade", com 0 fim de evitar asimpllcacoes unitarias e centralizantes do termo "nacao" em rela-~ao aos direitos dos estados federados.P Na era das revolucoes,fazia parte ou cedo se tornaria parte do conceito de na~ao queesta deveria ser "una e indivisa", como na frase francesa." Assimconsiderada, a "nacao" era 0corpo de cidadaos cuja soberaniacoletiva os constituia como urn Estado concebido como sua ex-pressao politica. Pois, fosse 0que fosse uma naeao, ela sempremcluiria 0elemento da cidadania e da escolha ou participacao demassa, John Stuart Mil l nao definiu uma nacao apenas pela possedo sentimento nacional . Tambem acrescentou que os membrosde uma nacionalidade "desejam que seja um govemo deJes pro-prios, ou exclusivamente de uma porcao deles",H Observamossem surpresa que Mil l nao discute a ideia de nacional idade em simesma, em uma publicacao separada, mas caracteristicamente-e brevemente - no contexte de seu pequeno tratado sobre 0governo representative, ou democracia .

    31

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    5/19

    A equacao nac;:iio=: Estado "" povo e: especia~~~te, P?VOsoberano vinculou indubitave1mente a nacao ao terntono, pOlSaestrutura e a definicao dos Estados eram agora essencialmenteterritoriais, Implicava tarnbern uma multiplicidade de E~~dos-na-c;:oesassim constituidos, e de fato isso era uma consequen~la. daautodeterrninacao popular. A Declaracao francesa dos Direitosem 1795 assim propos:

    "Cada povo ii independente e soberano, qualq~er que sej,a~ ,mime-TO de mdividnos que 0cornpoern e a extensao do terntono queocupa. Esta soberania e inalienavel"."Contudo, pouco e dito a respeito do que constitui "urn

    povo", Particularmente, nao ha conexao 10gica entre 0corp? decidadaos de urn Estado territorial. por uma parte. e alden tifica-pia de urna "nacao" em bases lingiifsticas. etnicas ou em ,outrascom caracteristicas que permitam 0reconhecirnento coletivo dopertencimento de grupo. De fato, por causa disso ja foi mos~ad?que a Revolucao Francesa ''foi completame,nte estranha ~o pnn"c:;pio e ao sentimento de nacionalidad~.!; era mc1uslv~ hos~l a de ~Como notou perspicazrnente 0leXicografo.holandes. ~ hngua naotern nada a ver, em pr inc i p ia . com 0ser Ingles ou frances e. de fato,como verernos, os especialistas franceses lutararn t:~azmen te.con-tra as tentativas de fazer da lingua falada um cnteno de nacrona-lidade, pois este, segundo eles, era determinado puramente pelacidadania francesa, A lingua que os alsacianos e gascoes faIavamcontinuou pouco irnportante para seu status como mernbros dopovo frances. ., _." _ "De fato, se do ponto de vista revolucionario a nac;:~o ternalgo em comurn, nao era. em qualquer sentido, a etnicl~ad~. alingua ou 0mais, mesrno que estas tambern pudessem ser indica-c;:ii.ode vinculo coletivo, COmo rnostrou Pierre ~lar.17 0que ca-racterizava 0povo-nacao, visto de baixo. era pr~clsamente 0~atode ele representar 0nteresse comum contra os mteresses parucu:lares e 0bem comum contra 0privilegio, como na verdade esugerido pelo termo que os am_ericanos usara~ antes de !8~Opara indicar a existencia de nacoes, e~~ora eVl~sem a p_ro~napalavra. Do ponto de vista revolucionario, as diferencas etrucas

    32

    g~p~iS erarn ,tao secundcirias quanto iriarn ser rnais tarde para ossoclahstas. EVldentemente, 0que distinguia os colonos america-no~ ~o rei Jorge e seus seguidores nao era a linguagem ou aetnicidada e, do mesmo modo, a Republica francesa noloviu difi-culdade alguma em eIeger 0anglo-americano Thomas Paine paraa sua Assembleia Nacional,

    Nao podemos, portanto, Ier na nac;:ao revolucionaria nadaparecido com 0programa posterior de estabelecer Estados-na~6espara corpos (socials) deflnidos em terrnos dos cnterios tao inten-samente debatidos pelos teoricos do seculo XIX. tarscomo etnici-dade. lingua comurn, religiao, territ6rio e lembranc;:as hist6ricascomuns (para citar de novo John Stuart Mill).18 Como vimos, ex-ceto para urn territorio de extensao indefinida (e talvez para a corda pete) ncnhurn desses criterios uniu a nova nacao americana.Alem disso, na medida em que durante asguerras revoluciomirlase napole6nicas a "grande nation" francesa alargou suas fronteiraspara areas que noloeram francesas sern possuir nenhum dos crite-rios citados de vinculo riacional, torna-se claro que nenhum delesera a base de sua constituic;:ao.

    No entanto. estavam com certeza presentes os varies ele-mentos posteriormente usados para descobrir definic;:6es danacionalidade nao estatal, sejam os assodados com a nacao revo-luciomiria. sejam os que criavam problemas para ela; e quantomats esta se queria Una e indivisa mats a sua heterogeneidademterna c~iava problemas. Nao ha duvida de que. para a maioriados jacooinos, urn frances que nao falasse frances era suspeito eque, na pratica, 0criterm etnolingiiistico de nacionalidade erafreqiientemente aceito. Como colocou Barere em seu relat6rio aoCornite de Seguranc;:a Publica:

    Quem. n~5DepartarnenlOsdo Alto Reno: do BaixoReno,JunlOu-se aos traidores, chamando a prussia e a Austria em nossas frontei-ras lnva~idas? Foi 0 habitante do campo (alsadano}, que fala arnesrna lingua de nossos inimlgos e que conseqiienternente consi-dera-se maisseu irmao e seu cidadao-cornpanherro do que compa-nheiro-cidadao e mnao dos franceses. que se dirtgem a ele emoutra lingua e tern outros Costumes.V

    33

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    6/19

    ./

    rIA insistencia francesa na uniformidade lingiiistica, desde a

    Revolucao, foi realrnente marcante e, para a epoca, era bastanteexcepdonaL Retornarernos a i sso posteriormente. Mas 0que deveser notado e que. na teoria, nao era 0uso nativo da lingua francesaque fazia de uma pessoa urn frances - e como poderia se-lo se apropria Revolucao gastou tanto tempo provando que poucas pes-soas na Franca reaimente dela se utili zavam?20 - e sim a disposicaode adotar a lingua francesa junto com outras coisas como as liber-dades, as leis e as caracteristicas comuns do povo livre da Franca,Em cerro sentido, adotar 0rances era uma das condicoes da plenaddadania francesa (e. portanto. da nacionalidade), da mesma for-ma que adotar 0Ingles se tomou condicao da cidadania americana.Para i lustrar a diferenca entre uma definicao bas icamente l ingiiist i-ca de nacionalidade e ados franceses, rnesrno em sua forma extre-ma, l embremo-nos do filologo alemao que vamos encontrar adian-teo ten tando convencer 0Congresso Estatistico Intemacional danecessidade de jnserir a questao da lingua nos censos estatais (cf.adiante, pp. 98-9). Richard Bockh, cujas influentes publicacoes nadec ada de 1860 argumentavam que a lingua era 0iinico indicadoradequado da nac ionalidade, urn a rgumento ajustado ao nacionaiis-mo alemao desde que os germiinicos estavam amplamente distri-buidos na Europa central e oriental. foi obrigado a classificar osjudeus ashkenaum. como alemaes, na medida em que a idiche era,sem diivida, urn diaieto gennanico derivado da Alemanha medie-val. Essa conclusiio nao podia ser partilhada pelos alemaes anti-semitas, como Bockh sabia, Par seu lado, os franceses revoluciona-rios nao precisavam nem entendiam esse argumento. dado quelutavam pela integracao dos judeus na nacao francesa, De seuponto de vista, os judeus sefardim, que falavam 0espanhol medie-val e os judeus ashhenazim; que falavam idiche - e a Franca conti-nha ambos - eram igualmente franceses desde que aceitassem ascondicoes da cidadania francesa, 0que naturalmente incIuia fala rfrances. Correlatamente, 0argumento de que Dreyfus nao podiaser "realrnente" ~nces parque descendia de judeus foi correta-mente entendido como urn desafio a propria natureza da Revolu-!;ao Francesa e a sua def inicao de na! ;ao francesa.E . contudo, na altura do relatorio Barere que se encontramdois conceitos multo diferentes de nacao: 0revolucionario-de-

    34

    ""..rr.,.h,rn eo nacionalista. A equacao Estado = nacao ""pavo ajus-a ambos, mas para os nacionalistas a sua inclusao na criacao

    politicas derivava da existencia anterior de a lgumasC;OITIUnu:!a(1esistintas de outras, estrangeiras, enquanto que para a

    revolucionario-dernocratica 0concei to cent ral era 0de sobe-do povo-cidadao = Estado, a qual constituia uma "nacao" em

    ao restante da raca humana." Nem podemos esquecer queDS' ,.SlraOlOS,qualquer que fosse sua consti tuicao, teriam doravante

    rdar-se conta de seus sujeitos, pois, na Era das Revolucoes, tor-mais dif icil governa-los , Como expressou a libertador grego

    nao era rnais verdade que "0 povo pensa que os reisioneuses sobre a terra e que sua obrigacao e dizer que 0que reis

    esta bem-feito"." A divindade nao mais os cercava. Quando825 Carlos X da Franca reviveu a antiga cerimonia de coroa-em Reims e tambern (relutantemente ) a cerirnonia da cura

    apenas 120 pessoas ficaram curadas de escrofula pelo to-real. Na ultima coroacao antes da dele, em 1774, 2 400 pessoas

    sido curadas," Como veremos, depois de 1870 a de~ocrati-tomaria urgente e agudo 0problema de legitimidade e 0da

    _>.:1;, -s: de cidadaos , Para os governos. 0it em central na equa-Estado ;:;nacao = povo era. plenamente, 0Estado,Todavia, qual era a Locus da nacao - ou, para 0que aqm

    da equacao Estado = nacao '" povo. qualquer que seja ados tennos - no discurso teorico daqueles que. afinal,

    mats firmemen te sua marca na Europa do seculoespecialmente no periodo entre 1830 e 1880. quando 0

    da nacionalidade" mudou 0mapa da Europa do mododramatico: as burguesias l ibera is e seus inte1ectuais? Mesmo

    eles quisessem, nao poderiam ter evitado refl etir sobre 0pro-na medida em que. nestes cinqiienta anos, 0equil ibr io defoi transformado peIa emergencia de dois grandes poderes

    iaseados no principia nacional (AIemanha e Italia), na partilhade urn terceiro poder nas mesmas bases (Austria e Hun-

    depois do Compromisso de 1867), para nao mencionar 0hecimento de urn mimero de entidades politicas meno-

    como Estados independentes, que demandavam urn novocomo povos nacionaimente fundados, do Oeste da BHgica

    .Estados que sucederam aos otomanos no Sudeste europeu35

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    7/19

    (Grecia, Servia, Romenia, Bulgaria), alem de duas revoltas nacio-nais dos poloneses exigindo sua reconstituicao como Estado-na-~ao do modo como 0imaginavam. Na verdade, a burguesia e seusintelectuais nao desejavam evitar essa reflexao, Pois0que WalterBagehot havia chamado de "formacao de nacao" constituia 0con-tetido essencial da evolucao do seculo XIX.2~

    No entanto, desde que 0mimero de Estados-nacoes era pe-queno no inicio do seculo XIX, a questao obvia para as mentesinquiridoras era quais das numerosas populacoes europeias classi-ficaveis como uma "nacionalidade", com alguma base. poderiamtornar-se urn Estado (ou alguma forma menor com reconheci-mento administrativo e politico distinto) e quais dos numerososEstados existentes estariarn imbuidos do carater de "nacao". Aconstrucao de l istas com criterios de existencia de nacao poten-dais ou reais servia a esse objetivo. Parecia obvio que nem todosos Estados coincidiam com nacoes e vice-versa. Por urn lado, afamosa questao de Renan - "por que a Holanda c uma nacao,enquanto Hanover ou 0Grao-ducado de Parma nao 0sao?"75-levantava urn conjunto de questoes analiticas, Por outro lado, aobservacao de John Stuart Mill de que 0estabelecimento de urnEstado nadonal tinha que ser viavel e desejavel pela propria na-cionalidade levantava outro conjunto de questoes. Mesmo para osnacionalistas da metade da era vitoriana, os quais nao tinhamduvida quanto a resposta a ambos os tipos de questao , isso eraassirn desde que seu interesse era com sua propria nacionalidadecom 0Estado em que viviam, Mesrno des encontravam-se frenteas demandas de outras nacional idades e Estados com olhos frios.

    Todavia, alem desse ponto, encontramos no discurso liberaldo seculo XIX urn surpteendente grau de vaguidade. Isto se devenao tanto a falencia em pensar ate 0firn 0problema da nacao, massim ao pressuposto de que a nacao nao devia ser explicada, pois jaera 6bvia. Dai 0fato de boa parte da teoria liberal das nacoesernergir apenas a rnargem do discurso de escritores liberais. Alerndisso, como veremos, uma area central do discurso liberal te6rieoimpedia considerar a "nacao" intelectualmente. Nossa tarefa norestante deste capitulo e a de reconstruir urna teoria liberal coeren-te da "nacao", muito ao modo como os arque6logos reconstroemrotas comerciais a partir de depositos de moedas.

    36

    1I I

    A melhor maneira parece ser a de comecar com a nocaomenos satisfat6ria de nacao, ou seja, a do sentido dado a palavrapor Adam Smith no titu lo da sua grande obra, Pois, no contexte,nac;ao significa simplesmente urn Estado territorial ou, nas pala-vras de John Rae - urna afiada cabeca escocesa que na Americado Norte, no corneco do seculo XIX, criticava Smith - "cadacomunidade, sociedade, nacao, Estado ou povo separado (termosque. no que conceme ao nosso assunto, podem ser consideradossin6nimos) ",26 No en tan to. 0 pensamento dos grandes economis-tas politicos liberals certamente deve ser relevante para pensado-res liberais de dasse media que consideraram a "nacao" de outroponto de vista, rnesrno que nao fossem economistas, como JohnStuart Mil l, ou, como Walter Bagehot, editores do The Economist:Teria sido urn acaso hist6rico 0fato de a era classica do liberalis-rno do livre-comercio ter coincidido com a "formacao de nacoes"que Bagehot considerava tao central em seu seculo? Em outraspalavras: 0Estado-nacao, como tal, desernpenhou uma funcaoespecifica no processo de desenvolvimento capitalista? Ou ainda:como a analise liberal contemporanea viu essa funcao?

    Pois e evidente ao historiador que 0papel das economiasdefinidas pOl' fronteiras estatais era grande. A eeonomia do mun-do novecentista era mais iniemacional do que cosmopolita. Teori-cos do sistema mundial tentaram mostrar que 0capitalismo foicriado como urn sistema global em urn continente, e nao emoutro iugar, precisamente por causa do pluralismo politico daEuropa. a qual nao constituia nem fazia parte de urn unico "impe-rio mundial". 0 desenvolvimento econ6rnico nos seculos XVI aXVIII foi feito com base em Estados territoriais, cada urn dosquais tendia a perseguir politicas mercantil istas como urn todounificado. De modo rnais 6bvio ainda, quando falamos de capita-lismo mundial no seculo XIX e comeco do XX, falamos das suasunidades nacionais componentes no mundo desenvolvido - daindustria britanica, da economia americana. do capital isrno ale--mao diferente do capitalismo frances e assim pOl' diante, Duranteo longo periodo que vai do seculo XVIII aos anos que se seguirama Segunda Guerra Mundial, pareee nao haver espaco e lugar naeconomia global para aquelas unidades genuinamente extraterri-toriais, transnacionais ou intersticiais que desempenharam urn

    37

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    8/19

    papel tao grande na genese da economia capitalista mundi~l ~que sao, hoje, novamente tao proeminentes: por exemplo, rmm-Estados independentes cuja slgnificancia economlca esta fora deproporcao ao seu tamanho e recursos - Lubeck e Gand no secu-10 XIV, Cingapura e Hong-Kong novamente hoje. De fato, consi-derando 0 desenvolvimento da economia mundial moderna, ten-demos a ver a fase na qual 0 desenvolvirnento econornico foiintegralmente vinculado a s "economias nacionais" de urn mimerode Estados territoriais desenvolvidos como situada entre duas erasessencialmente transnacionais.

    A dificuldade dos economistas liberals do seculo XIX ou dosliberais que. como esperado, aceitavarn os argurnentos da econo-rnia politica classica era a de poderem reconhecer 0significadoeconornico das nacoes apenas na pratica; mas nao na teoria. Aeconornia politica classica, e especialmente a de Adam Smith. foiformulada como uma critica do "sistema mercantil", ou seja, pr~cisamente 0sistema no qual os governos tratararn as econorni-asnacionais como conjuntos a serem desenvolvidos pelos esforcose politicas estatais. 0 Iivre-comercio e 0livre-mercado se dirigiramprecisamente contra esse conceito de desenvolvimento economi-co nacional, que Smith acreditava ter demonstrado ser contrapro-dutivo. A teoria economlca foi entao elaborada unicamente nabase de unidades individuais de empresa - firmas ou pessoas -racionalmente maximizando seus ganhos e minimizando suas per-das em um mercado que nao tinha extensao espacial espedfica.No limite. esse era 0mercado mundial, e nao poderia deixar de5&10 . Embora Smith estivesse longe (tao longe quanto a teoriageral do crescimento econornico) de se opor a certas funcoes dogoverno que eram reievantes para a economia, nao havia lugarpara a na~ao ou qualquer coletividade maior do que uma e.mpresa.a qual, a proposito , ele nao se importou em mvesngar muito.

    Assim, J . E. Cairnes, no auge da era liberal. chegou a gastarseriamente dez paginas considerando a proposicao de que umateoria do comercio~ntemacional nao era necessaria se fosse dis-tinta de qualquer comercio entre individuos.F Concluiu que.embora as transacoes intemacionais estivessem indubitavelmentese tomando cada vez mais constantes, havia ainda muitas friccoesque justificavam consideracoes a . parte a respeito do problema do

    38

    cornercio entre Estados, 0 economista liberal alemao Schonbergduvidava que 0conceito de "renda nacional" tivesse algum signifi-cado. Essa ideia pode ter tentado aqueles que nao se contentavamcom ideias superficiais, mas os econornistas Iiberais estavam indolonge demais mesmo que as estimativas da "riqueza nacional", em

    termos monetarios, estivessern erradas." Edwin Cannan" pensavaque a "nacao" de Adam Smith consistia apenas de uma colecao de....indivfduos vivendo em um territorio do Estado, e considerava que0 fate de em cern anos toda esta gente estar morta tornava impos-.sivel falar da "nacao" como lima entidade continuamente existen-te. Em termos de uma polftica economica, isso significava que.....somente a alocacao de recursos atraves do rnercado era mais favo-ravel, e que atraves de suas operacoes os ganhos dos indivfduos

    .automaticamente produziriam os interesses do todo - na medidaque havia lugar, na teoria, para conceitos tais como ganhos dea comunidade. Correlatamente, John Ray escreveu seu livro

    1834 especificarnente para demonstrar, contra Smith. que osi

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    9/19

    de que eles ultrapassaram com alguma frequencia 0 teste davantagem nacional como criterio de polltica econornica, e me-nos ainda de que estavam preparados para aceitar a dissolucaodos Hames nacionais"Y Em resume, eles nao podiam nem que-riarn escapar da "nacao", cujo progresso Porter inquiria comsatisfacao a partir de 1835. pois pensava que era desejavel "deter-minar os meios peios quais qualquer comunidade consegue asuperioridade entre as nacoes", Nem e necessario acrescentarque por "qualquer comunidade" de queria dizer "a propria co-munidade'v"

    Na verdade, como poderiam ser negadas as funcoes econo-micas e mesmo os beneficios do Estado-nacao? A existencia deEstados com mono polio da moeda, corn financas publicas e, por-tanto. com atividades e politicas fiscais era urn fato. Eram ativida-des econornicas que nao poderiam ser aboIidas mesmo por aque-les que quisessern eliminar suas intervencoes danosas na econo-rnia. Alern disso, mesmo extrernados libertarios podiam aceitar,corn Molinari, "que a divisiio da humanidade em nacoes autono-mas e essencialrnente econcmica"," Pois, na era pos-revoluciona-ria do Estado-nacao, 0Estado garantia, afinal de contas, a segu-ranca da propriedade e dos contratos - e como disse J . B. Say,notoriamente urn inimigo da empresa publica. "nenhuma nacaoconseguiu urn nivel de riqueza sem estar sob urn governo regu-lar".30As funcoes do governo podiam ate ser racionalizadas peloseconomistas liberais como livre-competicao, Assim, Molinari argu-mentava que "a fragmentacao da humanidade em nacoes e u t i! namedida em que desenvolve urn principio extremamente poderosode competitividade econornica ". 17 Mencionava a Grande Exposi-~ao de 1851 para basear tal ideia. Mas mesmo sem essas justifica-~oes, a funcao do governo no desenvolvimento economico foiassumida.J. B. Say, que njio via muita diferenca entre uma na~oe seus vizinhos e duas provincias vizinhas, acusava no entanto aFranca - isto e. 0Estado e govemo frances - de descuidar dodesenvolvimento des recursos domesticos do pais. preferindo aconquista estrangeira. Em resume, nenhum econornista - mes-rna da mais extrema conviccao liberal - podia negligenciar ounao levar em conta a economia nacional. Apenas eles nao gosta-yam de referir-se a ela, ou nao sabiam como faze-lo.

    40

    Nos paises que perseguiarn 0dcscnvolvimcnto econorniconacional contra a superioridade economica da Inglaterra, no en-tanto, 0Iivre-comercio srnithiano era bern menos atrativo. Ali naofaltavam hornens ansiosos para falar sobre a economia nacionalcomo urn todo. 0esquecido escoccs-e;umomie) ou de "econornia do povo" (Vo-lkswirth-schaft) a "economia pol itica" - era a de "real izar 0desen-

    41

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    10/19

    volvimento economico da nacao e preparar sua entrada na socie-dade universal do futuro"." E desnecessario acrescentar que essedesenvolvimento tornaria a forma de uma industrializacao capita-lista levada adiante par uma burguesla vigorosa.

    Contudo,o que e realrnente interessante aqui a respeito deList e da posterior "escola historica ndos economistas al,emiies queo tomaram como inspiracao - como tarnbern econormstas nacio-nalistas de outros paises como Arthur Griffith , da Irlanda" - eque ele claramente formulou uma caracteristica do conceito "l~be-ral" de nacao ate entao comumente considerada como garanuda.A nacao teria que ser de tamanho suficiente para formar umaunidade viavel de desenvolvimento. Se caisse abaixodesse pata-mar nao teria justificativa historica. Is50 parecla muito obvio pararequerer argumentac;iio, e era raramente discutido. 0 DicuonnairePoliuque de Garnier-Pages de 1843 pensava ser "ridiculo" que aBelgica ou Portugal quisessern ser nacoes independentes. dadoseu visivel pequeno tamanho.43 John Stuart Mill justificava 0 ine-gavel nacionalismo dos irlandeses na base de que des eram, afinalde contas, apos todas as consideracoes, "suficientemente numero-50Spara serem capazes de eonstituir uma nacionalidade respeita-vel".44Outros diseordavam. entre 05 quais Mazzmi e Cavour. em-bora fossem apostolos do principio da nacionalidade. De fato, 0proprio New Eng li sh D i c li on n a ry definia a pala~a "nac;a~nnao ape-nas da forma usual familiarizada por J. S. Mill na Gra-Bretanha,mas tambern como "urn agregado amplo de pessoas" com caracte-rfsticas adequadas (grifos meus}.45

    List elaramente afirrnou que:urn territorio extenso e urna grande populaC;ao.dotados de mulu-plos recursos nacronais, sao exigencies essenciais da nacionalidadenormal ...Uma nacao restrna em populacjio ou terrrtorio, especial-mente se possuir uma lingua diaunta, pode apenas possuir umalitera lura estropiada, e institUiC;Oesstropiadas para promover suaarte e ciencia, Urn Estado pequeno nao pode, em seu terntOrio,promover a perfeicao os varies ramos de produ~ao.~

    Os beneficios econ6micos de Estados de larga escala(Grossstaal.en), pensava 0professor Gustav Cohn. eram dernonstra-

    42

    dos pela historia da Gci~Bretanha e da Franca. Eram beneficrosmenores, sem duvida, do que aqueles provindos de uma iirncaecorrornia global. mas .infelizmente a unidade muridial ainda njioera alcancavel. Enquanto iS50. "tudo a que a humanidade aspirapara toda a raca hurnana ... ate agora ja foi (zuniichst einmaiv at-cancado por uma significativa fracao da humanidade, isto e, 30 a60 milhoes de pessoas". E assim "segue-se que 0futuro do mundocivilizado, por urn longo tempo ainda, tornara a forma de grandesEstados (Grossstaatenbildung) ".47A proposito, notamos 0 pres-suposto constante de as "nacoes" serern a segunda melhor opcaopara aunidade mundial, ponto que retomaremos adiante.

    Duas conseqiiencias decorrem dessa tese, as quais eram quaseuniversalrnente aceitas por pensadores senos do assunto, mesmoquando nao as formulavam tao explicitarnente como 0 fizeram osalemaes, os quais tinham algumas razoes hist6ricas para faze-lo.

    Primeiro, segue-se que 0"princfpio da nacionalidade", apli-cado na pratica, serviaapenas para nacionalidades de urn certotamanho. Dar 0 fato, de.outra forma surpreendente, de Mazzini, 0apostolo desse principio, nao visualizar a independencia da Irian-da. Quanto a s demandas das nacionalidades menores ainda oudas nacionalidades potenciais - sicilianos. bretoes, galeses -podiam ser levadas menos a serto ainda. De fato, a palavraKlemstaaterei (0 sistema de mini-Estados) era deliberadamente de-preciativa. Representava aquilo contra 0que os nacionalistas ale-maes lutavam. A palavra "balcanizacao", derivada da divisao doterritorio antes formado pelo imperio turco em varies pequenosEstados independentes,ainda retem sua conotacao negativa. Am-..bos os termos pertenciam ao vocabulario dos insultos politicos.Esse "principio do ponto crinco" e excelenternente ilustrado pelomapa da futura Europa das nacoes desenhado pelo proprio Maz-

    em 1857, que compreendia urna duzia precisa de Estados edos quais apenas urn (desnecessario dizer, a Italia)nao seria obviamente cIassificado como rnultinacional por crite-

    rios posteriores.t'' 0 "principio da nacionalidade" na formulacaowilsoniana, que dorninou os tratados de pazap6s"aPrimeira Guer-Mundial, produziu a Europa de 26 Estados - 27 se agregarmos

    o Estado Livre Irlandes que seria logo estabelecido. Eu apenasque urn estudo recente dos movimentos regionalis-

    43

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    11/19

    tas somente da Europa oriental registrou 42 deles." dernonstran-do portanto 0que acontece quando 0"principio do ponto criti-co" e abandonado.o importante a notar, no entanto, e que no periodo classicodo nacronalismo liberal ninguem sonharia em abarrdona-lo. Aautodeterminacao das nacoes ajustava-se apenas para as nacoesconsideradas viaveis: ou seja, via.veis culturalmente e, e logico,economicamente (qualquer que fosse 0significado exato de viabi-l idade) . Nessa medida, a ideia de Mazzini e de Mill a respeito daautodeterminacao nacional era fundamentalmente diferente dado presidente Wilson. Considerarernos adiante as razoes da mu-danca de uma a outra. Todavia, vale a pena notar en passant que 0"prmcipio do ponto critico" nao foi inteiramente abarrdonadomesmo na era wilsoniana. Entre as guerras, a existencia de Lu-xemburgo e Liechtenstein restou como urn leve embaraco, mes-mo que estas estruturas politicas fossem muito bem-vindas pelosfilatelistas. Nirrguern sentia-se feliz pe1a existencia da cidade li-vre de Danzig, nem mesmo nos dois Estados vizinhos que aqueriarn dentro de seu proprio territor' io: menos ainda aque1esque sentiam que nenhuma ddade-Estado seria viavel no seculoXX como tinha sido nos dias hanseatlcos. Os habitantes daperiferica Austria quase unanimemente desejavam a sua inte-gracao na Alemanha, porque simplesmente nao podiarn acre-ditar que urn Estado tao pequeno quanto 0deles fosse viavelcomo uma econornia independente (lehensJiihlg). Foi apenas apartir de 1945 e. mats ainda, depots da descolonizacao, que seabriu caminho ria entidade de nacoes para entidades comoDominica ou ilhas Maldivas ou Andorra.

    A segunda conseqirencia e que a construcao de nacoes foiinevitavelmente vista como urn processo de expansao. Esta eraoutra razao para a anomalia do caso irlandes ou para qualqueroutro nacionalismo puramente separatista. Como virnos, era acei-to na teoria que a evolucao social expandiria a escala de unidadessociais humanas, da famil ia e da tribo para 0condado e 0cantao,do local para 0regional. para 0nadonal e ocasionalmente para 0global. Assim sen do. as nacoes estavam armadas com a evolucaohistorica na medida em que elas ampliassem a escala da sociedadehumana. permanecendo iguais as outras condicoes.

    Se nossa doutrina fosse sumarizada na forma de uma proposicao,poderiamos talvez dizer que, genericamente, 0pnncipto das nacio-nalidades e legitimo quando tende a unir, em urn todo compaclO,grupes disperses da populacao; e ilegftimo quando tende a dividirurn Estado."

    Na pratica, isso significava que se esperava que os movimen-tos nadonais fossem movimentos pela expansao ou unificadio na-donal. Assim, todos os alemaes e italianos esperavam juntar-se emurn Estado nacional, tal como osgregos. Os servios iriarn fundir-secom os croatas em uma unica Jugoslavia (ate entao sem nenhumprecedente historico) e, para alern disso, 0sonho de uma federa-~ao batcanica assombrava aqueles que procuravarn uma unidadeainda maior, Tornou-se urn cornpromisso dos movimentos cornu-nistas ate depots da Segunda Guerra Mundial. Os tchecos fundir-se-iam com os eslovacos, os poloneses iriarn se cornbinar comlituanos e rutenos - e, de fato, des ja formavam urn iinico gran-de Estado na Polonia pre-partilha -, os romenos da Moldaviairiam se unir com aqueles da Valaquia e da Transilvania e assimpor diante. Tudo isso era evidentemente incompatfvel com defi-nieces de nacoes baseadas na etnicidade, lingua ou historia co-mum; mas. como vimos, estes nao erarn criterios decisivos daformacao liberal de nacoes, Em qualquer caso, ninguern chegou anegar. nunca, a real rnultinacionalidade ou multilingualidade oumultietnicidade dos mais antigos e inquestionaveis Estados-na-~oes. ou seja, Cra-Brctanha, Franca ou Espanha.

    Que os "Estados-nacoes" seriam nacionalmente heteroge-neos nessa forma foi algo prontamente aceito, pois havia muitaspartes da Europa e do resto do rnundo onde as nacionalidadesestavam tao obviamente misturadas no mesmo territorio que de-senreda-las em bases puramente espaciais parecia ser bastante ir-realista. Essa seria a base das interpretacoes de nacionaiidadecomo as dos austro-marxistas, que a vinculava nao ao territorio,mas a s pessoas. Tarnbem nao era urn acaso que a iniciativa nesseassunto, dentro do partido social democrata austriaco, tenha vin-do em grande parte dos eslovenos, que viviam em uma area deassentarnentos eslovenos e germanicos, freqiientemente existindocomo enclaves dentro de enclaves ou zonas de fronteiras com

    44 45

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    12/19

    identificacao incerta e mutavel, particularrnente dificeis de sererndesenredados." Contudo, a heterogeneidade nacional dos Esta-dos-nacoes foi aeeita sobretudo porque parecia dare que as na--cionalidades pequenas, e especialmente as pequenas e atrasadas,so tinham a ganhar fundindo-se em nacoes maiores e fazendo,atraves destas, sua contribuicao para a humanidade, "Aexperien-cia ", disse Mill articulando 0consenso de observadores sensfveis,"prova que e possivel para uma nadonalidade fundir-se e ser ab-sorvida por outra", Para os inferiores e atrasados, isso seria urnganho enorme:

    Ninguern pode super que nao seja mats benefice para urn bretao,ou para urn basco ou urn navarro frances ser . .. urn membro danacionalidade francesa. admitido em termos iguais aos privilegioada cidadania francesa ... do que azedar, em suas rochas, 0arcaismosemi-selvagemdos tempos passados remoendo-o em sua pequenaorbita mental, sern participacao ou interesse no rnovimento geraldo mundo. A mesma observacao se aplica aos galeses e escocesesdas terras altas, como membros da nacao britsmca."Uma vez aceito que uma nacdo independente ou "real" teria

    tambem que ser viavel pelos criterios entiio definidos, seguia-seque algumas das men ores nacionalidades e linguas estavam fada-das a desaparecer como tal. Friedrich Engels tern sido forternenteatacado como chauvinista alemiio por ter predito 0desapareci-mento dos tchecos como povo e de ter feito comentarios poucoelogiosos sobre 0 futuro de alguns outros povos.5' Na verdade,Engels era orgulhosamente alemao, inclinado a comparar favora-velmente seu povo corn outros, exceto a respeito de sua tradicaorevolucionaria. Sem a menor duvida, estava tambem totalmenteequivocado a respeito dos tchecos e outros povos. Contudo, e urnpuro anacronismo critica-lo por sua postura essencial, a qual erapartilhada por qualquer observador imparcial de meados do secu-1 0 XIX. Algumas pequenas nacional idades e Iinguas njio tinhamfuturo independente. Muitas eram geralmente aceitas, mesmopor pessoas que estavam longe de ser hostis, em principio ou napratica, a Iibertacao nadonal.

    Nao havia nada de chauvinista nessa atitude generica. Naoimplicava hostilidade a s linguas e a s culturas de tais vitimas coleti-

    46

    vas das leis do progresso (como entao certarnente seriam chama-das), Pelo contrario, onde a supremacia da nacionalidade estatale da Ilngua estatal mio estava em questao, a nacao maior poderiaacolher e patrocinar os dialetos e Hnguas menores e as tradicdeshistoricas e folcloricas das comunidades menores que continha,ao menos para provar 0espectro de cores de sua palheta macro-national. Alem disso, as nacionalidades pequenas au mesmo Esta-dos-nacoes que aceitaram, como algo de positivo, sua integracaona nacao maior - ou, se se preferir, aceitaram as leis do progres-so - tambern nao reconheciam diferencas irreconciliaveis entre amicrocultura e a macrocultura, chegando mesmo a se reconciliarcom a perda daquilo que nao poderia ser adaptado a Idade MOoderna, Forarn os escoceses, e nao os ingleses, que inventararn aconceito de "britanicos do Norte" depois da Uniao de 1707.~Foram os porta-vozes e lideres galeses no Pais de Gales do seculoXIX que duvidararn que sua propria lfngua, tao poderosa comomeio para a religiiio e a poesia, poderia servir como lingua utilpara a cultura no mundo do seculo XIX - isto e, assumiram anecessidade e as vantagens do bilingiiisrno." Sem duvida eles es-tavam conscientes das possibilidades de carreiras britanicas aber-tas para os galeses que falavam ingles, mas isto nao dirninui seuvinculo emocionai com a antiga tradicao. Isso e evidente atemesmo entre aqueles que aceitavam 0eventual desaparecimentodo idiorna, como 0reverendo Griffiths, do Dissenting College, deBrecknock, que demandava apenas que a evolucao natural fossedeixada a seu curso:

    Deixe-a (a lingua galesa) morrer acreditada, condignamente e empaz. Ligados a ela como somos,pouces desejariam adiar sua euta-nasia, Masnenhum sacrificioseria julgado grande demais para pre-venir seu assassmato."Quarenta anos depois, outro membro de uma nacionalida-

    de pequena, 0teorico socialista Karl Kautsky - por origem. urntcheco -, falava em termos sernelhantes, resignado mas nao desa-

    ~ linguas nacionais serao crescentemente confinadas ao uso do-mestico e, mesmo la o serao tratadas como uma.velha pe~a herdada

    47

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    13/19

    da mobilia familiar, algo que tratamos com veneracao rnesmo quenao tenha uso prauco.57 outros Estados-nacoes da mesma modesta magnitude, como osPaises Baixos ou a Suica, Como veremos, a emergencia de movi-mentes nacionais de massa, pedindo atencao, implicaria revisoessubstanciais de julgamento; mas na era classics do liberalismopoucos deles, com excecao do imperio otomano, reaImente pa-reciam pedir reconhecimento como Estados soberanos indepen-dentes, algo distinto da demanda de autonomia em Vadas formas.Como sempre. 0caso irlandes era anomalo tambem a esse res-peito - ou pelo menos assim ficou com 0 aparecirnento dosfenianos. reivindicando uma Republica Irlandesa que s6 poderiaser independente da Grii-Bretanha.

    Na pratica, havia apenas tres criterios que permitiam a urnpovo ser firmemente dassificado como nacao, sempre que fossesuficientemente grande para passar da entrada. 0 primeiro destescriterios era sua associacao hist6rica com urn Estado existente oucom urn Estado de passado recente e razoavelmente duravel, Ha-via pouca controversia sobre a existencia de urn povo-na.cao Inglesou frances ou de urn povo russo ou polones, e tambern poucacontroversia fora da Espanha sobre a existencia de uma nacaoespanhola com caracteristicas nacionais bern compreendidas.s"Pois uma vez dada a identificacao da nacao com 0Estado, eranatural que estrangeiros pressupusessem que 0unico povo emurn pais fosse aquele pertencente ao povo-Estado, urn habito queainda irrita os escoceses.o segundo criterio era dado pela existencia de uma eliteculturaliongamente estabelecida, que possuisse urn vernaculo ad-ministrativo e Iiterario escrito. Isso era a base da exigencia italiana ealema para a existencia de nacoes, embora os seus respectivos "po-vos" nao tivessem um Estado iinico com 0 qual pudessem se iden-tificar, Em ambos os casas, a identificacao nadonal era, em conse-qiienda. fortemente lingiiistica, mesmo que (em nenhum dos doiscasas) a lingua nacional fosse falada diariamente por mais do queuma pequena minoria - na Italia foi estimado que esta era 2.5%da populacao no momento ci a unificac;a059- e que 0 resto fa1assev.irios idiomas, com freqiiencia incompreensiveis mutuamente.fo terceiro criterio, que infel izmente predsa. ser dito, eradado POI'uma provada capacidade para a conquista. Niio h:i nadacomo um povo imperial para tornar uma populacao consdente

    /

    Todavia, esses eram problemas de nadonalidades men orescujo futuro independente parecia problematico, Os ingleses difi-cilmente se sensibilizavam com as preocupacoes dos escoceses oudos galeses, da mesma forma como se vangloriavam dos crescen-tes exotisrnos dornesticos das ilhas britanicas, De fato, como logodescobriram os estereotipados irlandeses, as nacionalidades mal-ores acolhiam as menores, desde que nao as desafiassem: quantamenos eles se comportassem como ingleses. mais podiam cultivarsua maneira de ser irlandesa ou escocesa. Do mesmo modo, osnacionalistas pan-germanicos na verdade encorajaram a producaoda Iiteratura em baixo-alernao ou frisao," desde que esta miocompetisse com 0alto-alernao e fosse reduzida, de modo seguro,a urn apendice deste: e nacionalistas ital ian os orgulhavam-se deBelli. Goldoni e cancoes napolitanas. Por este lado, os belgasfranc6fonos nao fizeram objecao aos belgas que falavam flamen-go. Foram os flammgants que resistiram ao frances. Houve real-mente casos em que a naciio Hder ou 0Staatoolk tentou, ativa-mente, suprimir as lfnguas e culturas men ores, mas isso foi rarofora da Franca no seculo XIX.

    Assim, alguns povos ou nacionalidades foram destin ados anunca se tornarern nacoes integrais, Outros conseguiram. ouconseguiriarn, a sua total existencia como nacoes. Todavia, quaisdeles tinham urn futuro e quais nao tinham? Os debates sobreaquilo que constituia as caracteristicas da nacionalidade-territorio, lingua, etnia, etc. - nao ajudavam muito. 0 "principledo ponto critico" era naturaimente mats util. pais eliminava urnnumero de pequenos povos, mas, como vimos, nao era tarnberndecisivo, visto que existiam "nacoes" inquestionaveis mas de tarna-nho bastante modesto, para nao mencionar movimentos nacio-nais como 0irlandes, cuja capacidade em formar nacoes viaveisera objeto de opinioes diversas, 0 interesse imediato da questiiode Renan sobre 0Hanover e 0Gcio-ducado de Parma era, afinalde contas, nao 0de contrasta-los com qualquer nacao, mas com Frisiio:lingua germanica dos fIhOes, ainda hoje falada no Nordeste da Holanda.(N.T.)

    48 49

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    14/19

    r!ii de sua existencia coletiva como povo. como bern sabia Friedrich

    List. Alern disso, no seculo XIX. a conquista dava a provadarwiniana do sucesso evoluciomsta enquanto especies sociais,

    Outros candidatos a existirern como nacao nao estavam sim-plesmente exclui'dos a priori, mas tarnbern nao havia nenhumaprobabilidade a priori. a seu favor. 0 carninho rnais segura para seconseguir anacionalidade era provavelmente 0de pertencer aalguma entidade politica a qual. pelos padroes do liberalismoseculo XIX. Fosse anomala, obsoleta e condenada pela historia epelo progresso. 0 imperio otomano era 0mais obvio fossil evo-lucionario dessa especie, mas tambern, corn crescente evidencia, 0imperio Habsburgo.

    Essas eram, entao, as concepcoes de nacao e Estado-nacaodos ideologos da era do triunfante liberalismo burgues: digamos,de 1830 a 1880. Essas concepcoes faziam parte da ideologia liberalde dois modos. Primeiro, porque 0desenvolvimento das nacoes erainquesrionavelmente .urna fase do progresso ou da evolucao hu-mana que ia do pequeno ao grande grupo, da familia a tribo, aregiao, a nacao e, em ultima instancia, ao mundo unificado dofuturo no qual . para citar 0superficial e portanto tipico G. LowesDickinson, "as barreiras da nacionalidade que pertencem a infanciada raca irjio dissolver-se e fundir-se no brilho da ciencia e da arte"."

    Esse zrnundo seria unificado mesmo lingiiisticamente. Umaunica lingua mundial, sem duvida coexistindo com linguas nacio-nais reduzidas ao papel domestico e sentimental dos dialetos, esta-va nos pianos tanto do presidente Ulysses S.Grant quanta de KarlKautsky.62 Essas predicoes, como sabemos, nao estavam inteira-mente fora dos limites. As tentativas de construir Hnguas mundiaisartificiais, feitas a partir de 1880, seguindo os codigos internacio-nais de sinal izaeao e os telegraficos da decada de 1870, forarn, naverdade, fracassadas, mesmo que uma delas, 0esperanto, aindasohreviva entre grupos pequenos de entusiastas e sob a protecaode alguns regimes derivados do internacionalismo soclalista doperfodo, Par outro lado, 0ceticismo sensfvel de Kautsky a respel-to desses esforcos e sua predicao de que uma das linguas estataisrnaiores seria transformada na lingua mundial, mostrou-se de fatocorreta. 0 Ingles se tornou a lingua global. mesmo que eta su-plemente, mats do que substitua, as linguas nacionais,

    50

    Assim, na perspectiva da ideologia liberal, a nacao (isto e, agrande nacao viavel) representava 0estagio de evolucao alcanca-do na metade do seculoXIX. Como vimos, a outra face da moeda"nacao como progresso" foi portanto. e Iogicamente, a assimila-cao de comunidades e povos menores aos maiores. Isso nao impli-cou necessariamente abandono de antigas lealdades e sentimen-tos, embora isso pudesse acontecer, As populacoes geognifica e.socialmente moveis, que nao tinham nada de muito val ioso a bus-car em seu passado, poderiam estar prontas a faze-lo, Este era.notadamente, 0caso de muitos judeus de classe media nos paisesque ofereciam igualdade total atraves da assimilacao - Paris vali~urna missa para alem do rei Henrique IV- ate que eles descobn-ram. do final do seculo em diante, que uma prontidao ilirnitadapara assimilar nao era suficiente se a nacao que os recebia nao sepredispusesse a aceitar plenamente os assimilados. Por outroiado, nao deve ser esquecido que osEstados Unidos erarn 0unicoEstado que oferecia abertamente associacao em uma "nacao" paraquem quisesse, e as "nacoes" se abriam mais rapidamente a enu:_a-da livre do que as classes. As gera.;:oes de antes de 1914 estaocheias de chauvinistas patrioticos cujos pais. para nao falar dasrnaes, nao falavam a lingua do povo escolhido pelos seus mhos ecujos nomes, eslavos ou alernaes magiares, testemunh~v~m suaescolha. Os premios da.assimilacao podiam ser substanciais,

    Mas tambern emoutro sentido a nacao moderna era parteda ideologia liberal. Estava ligada ao que sobrou dos grandes slo-gans liberais a respeito da associacao duravel, ~ais do que ~ res-peito de sua necessidade logica: assim como a hberdade e ~ igual-dade estiio para a fraternidade, Em outras palavras, na medida emque a propria nacao era historicarnente nova, opunha-se aos con-servadores e tradicionalistas e, portanto, atraia seus oponentes. Aassociacao entre essas duas l inhas de pensamento p~de ser ilus-trada pelo exemplo de urn ti'pico pan-germanico da Austria. nas-cido em uma area de conflito nacional agudo. a Moravia. ArnoldPichler.P que serviu a politica de Viena com urna devocao in-quebrantavel ate mesmo pelas transformacoes poHticas de 1901 a1938, permaneceu durante toda a sua vida urn apaixonado nacio-nalista alemao, antitcheco e anti-semita - embora tenha ultrapas-sado 0 limite quando colocou todos os judeus em campos de

    51

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    15/19

    concentracao, como sugeriram seus cornpanheiros anti-sermtas.P'Ao mesrno tempo, ele era acerbamente anticlerical e mesmourn l iberal em politica: de qualquer maneira, ele contribuia nomais liberal dos jornais diarios da Vierra da primeira republica.Em seus escritos, 0nacionalismo e0raciocinio eugenico vaojuntoscom urn entusiasmo pela revolucao industrial e, mais surpreenden-te ainda, pela criacao de urn corpo det' 'cidadaos do mundo' (Wel-tbiirger) ... que ... longe dos provinciaIismos de cidades pequenas ede horizontes ligados pela torre da igreja", abrisse 0planeta paraaqueles ate entao prisioneiros de seus cantos regionais.P

    Tal era, portanto, 0conceito de "nacao" e "nacionalisrno"visto pelos pensadores liberals no apogeu do liberalismo burgues,a era em que 0"prmcipio da nacionalidade" tornou-se, pela pri-meira vez, urn tema maior na politica internacional. Como vere-mos, este diferia em urn aspecto fundamental do principio wilso-niano da autodeterminacao nacional, que e tambern, na teoria, 0princfpio leninista e que dominou 0debate sobre esses assuntosdo final do seculo XIX em diante, e ainda predomina hoje. 0"principio da nacionalidade" nao era incondicional. A esse respei-to, diferia tambern da visao radical-democratica tal como colocadana Declaracao de Direltos da Revolucao Francesa citada anterior-mente, a qual especificarnente rejeitava 0 "principio do pontoentice". No entanto, na pratica, os minipovos que tinham seusdireitos de soberania e autodeterminacao assim garantidos naopodiam exerce-ios, irnpedidos pelos seus gran des e rapaces vizi-nhos, e a maioria deles nao contava com muitos simpatizantes dosprincipios de 1795. Pensa-se nos can toes livres das montanhas daSuica, que dificilmente estariarn longe das mentes dos Ieitores deRousseau que escreveram na epoca a Declaracao dos Direitos doHomem. Os dias de movimentos autonomistas ou independentes,em tais comunidades, ainda njio haviam chegado.

    Do ponto de vista do liberalismo - e, como 0exemplo deMarx e Engels 0demonstra, nao apenas do l iberalisrno - a causada "nacao" estava no fato de esta representar urn estagio no de-senvolvimento historico da sociedade humana: e a questao doestabelecimento de urn Estado-nacao especlfico dependia de esternostrar-se adequado ao progresso ou a evolucao hist6rica avanca-

    52

    da - para alem dos sentimentos subjetivos dos membros da na-cionalidade envolvida ou das simpatias pessoais do observador.r" Aadmiracao burguesa universal pelos escoceses das terras altas naolevou, ao que eu saiba, algum escritor a demandar a sua existenciacomo nac;ao para des - nem mesmo os sentimentalistas quelamentavam 0fracasso da restauracao Stuart sob Bonnie PrinceCharlie, apoiados principalrnente pelos cliis das terras altas,

    Portan~o, se 0tinico nacionalismo historicamentejustificavelex: aquel~ a~ustado ao progresso - isto e , aquele que alargava, enao restrmgra, a escala de operacao humana na econornia nasodedade e ~a cultura -, qual podia ser a defesa dos povos pe-quen~s. das linguas m:nores e das tradi~oes menores, na grandemarorra dos casos, a nao ser uma expressao da resistencia censer-vadora ao avanco inevitavel da hist6ria? Os pequenos povos, lfn-guas e cul turas ajustavam-se ao progresso apenas no caso de acei-tarem urn status subordinado a alguma unidade maior ou caso seretirassern da ~atalha para se tornar um repositorio de nostalgia ede outros senumentos - em uma palavra, se aceitassern 0statusde ser a antiga mobilia da familia que Kautsky atribuiu a eles, 0qual. e claro, rnuitas das pequenas comunidades e culturas domundo parecem ter aceitado, Como 0observador liberal cultopo~~ria ter raciocinado, por que deveriam as pessoas de l inguagaehca comportar-se diferentemente dos que falarn 0 dialeto deNorthumberland? Nada os irnpedia de serern bilfngues, Os escri-tores em dialetos ingleses nao escolheram seu idioma contra al~ngua nacional padrao, mas com a consciencia de que ambastinharn seu valor e seu lugar. E. se no curso do tempo, 0idiomalocal retrocedesse diante do idiorna nacional, ou mesmo desapa-r:ce~se. como aconte~eu com algumas linguas celtas marginais (0COr?lCOe 0manx deixaram de ser falados ja no seculo XVIII),entao, certamerite, isso era inevitavel, embora lamentavel, Essaslinguas nao mo:reriam sem larnentos, pois uma geracao que in-v~ntou 0concerto e 0termo "foJdore" poderia contar sobre adiferenca entre 0presente vivo e as sobrevivencias do passado.

    Para cornpreender a "nacao" da era liberal classica e portan-to esse?dal ter e~ ~e~t~ que a "construcao de nacoes", por maisque seja central a historia do seculo XIX. aplicava-se somente aalgumas nacoes, E. de fato, a demanda pelo "principio de nacio-

    53

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    16/19

    nalidade" tambern nao era universal. Como problema internacio-nal e como problema politico dornestico, 0"princfpio da naciona-lidade" atingia urn lirnitado mirnero de povos ou regioes. mesmoem Estados multilingiies e rnultietnicos como 0imperio Habsbur-go, onde ja dominava daramente a polftica, Nao seria dernaisdizer que. depois de 1871. e com excecao da lenta desagregacaodo imperio otomano, poucos povos esperavam alguma subse-qiiente rnudanca substancial no mapa da Europa e reconheciampoucos problemas nacionais aptos a envolve-los, exceto a perenequestao polonesa, De faro, fora dos Balcas, a iinica mudanca nomapa da Europa entre a criacao do imperio germanico e a Pri-rneira Guerra Mundial foi a separacao da Noruega da Suecia.Alern disso, depois dos sinais de alarrne e as excursoes nacionaisdos anos 1848-1867. nao se supunha sequer que os animos nacio-nais iriam esfriar na Austria-Hungria, De qualquer modo. e istoque os funcionarios do imperio Habsburgo esperavam quando.de modo muito relutante, decidiram aceitar uma resolucao doCongresso Estatistico Intemacional de Sao Petersburgo ern 1873.a de incluir uma questao sobre lingua nos futuros censos, emborapropusessem adiar sua aplicacao ate 1880 para permitir que aopiniao se acalmasse com 0 tempo.?? Eles nao poderiarn estarmais espetacularmente errados em seus prognosncos.

    Segue-se que, de qualquer forma. as nacoes e os nacional is-mos nao eram, nesse periodo, problemas domestic os maiorespara as entidades polfticas que tinham alcancado 0status de "Es-tados-nacoes", apesar de serem nacionalmente heterogeneos pe-los padrces modernos, embora nacoes e nacionalismos fossemproblematicos para irnperios nao-nacionais que nao eram classifi-caveis (anacronicamente) como "multinacionais", Nenhum Esta-do europeu a leste do Reno havia enfrentado ainda complicacoesdesse tipo, exceto a Cra-Bretanha com sua perrnanente anomalia,os irlandeses, Isso nao significa que politicos nao se apercebessemdos catalaes e bascos, dos bretoes e'flamengos. dos escoceses egaleses, mas sim que estes eram olhados do ponto de vista dealguma forca politica estatal como adiciorrando ou subtraindoforcas. Os escoceses e galeses funcionavam como reforcos do libe-ralisrno, os bretoes e flamengos como referees ao catolicismotradicionalista. E clare que os sistemas politicos dos Estados-na-

    54

    ~oes ainda se beneficiavam da ausencia da democrada eleitoral,que minaria a pratica e a teo ria l iberal da nacao tal como rninariatanta coisa mais do liberalismo do seculo XIX.

    Talvez seja essa a razfio pela qual a literatura teorica conse-qiiente sobre 0nacionalismo na era l iberal seja pouca e tenha dealguma forma urn ar casual. Observadores como Mill e Renansentiam-se despreocupados 0suficiente sobre os elementos queconstruiam 0"sentimento nacional" - a etnicidade (a despeitoda apaixonada preocupacao vitoriana com a "raca"), a l ingua. areligiiio, 0territorio, a historia, a cultura e 0restante - porque.pollticamente, ainda nao importava muito qual dentre eles era 0rnais importante. Mas de 1880 em diante 0debate sobre "a ques-tao nacional" tomou-se serio e intensive, especiaimente entre ossocialistas, porque 0apelopolftico dos s logans nacionais para asmas-sas de votantes potenciais e reais, ou para os que apoiavam mo-vimentos pol iticos de massa, era agora objeto de uma preocupa~~ao pratica real . E 0 debate sobre questoes tais como os criteriosteoricos da nacional idade tornaram-se apaixonados porque seacreditava que qualquer resposta particular implicava uma formaespecffica de estrategia, luta e programa politico. Era urn assunt?de importancia nao apenas para governos ccnfrontados com va-rios tipos de agitacdc ou reivindicacao nacional, mas tarnbempara os partidos politicos que procuravam eleit~rad?s na~base dechamados nacionais, niio-nacionais ou alternatives a nacao, Paraos socialistas da Europa central e oriental, fazia urna grande dife-renca qual a base teorica sobre a qual a nacao fosse definida,Marx e Engels, como Mil l e Renan, consideraram tais questeesmarginais, Na Segunda Internacional os debates foram c~ntrais. ~uma constelacao de figuras erninentes, ou figuras que senam emf-nentes - como Kautsky, Luxemburgo, Bauer. Lenin e Stalin -contribuiram para eles com importantes escritos. Se tais questoespreocupavam os teoricos marxistas, tarnbem era de u~a ~por-tancia pratica aguda para. digamos, os croatas e os servros, 05macedonios e 05 buigaros saber se a nacionalidade dos eslavos doSuI era definida de urn modo ou de outro.58o "principio da nacionalidade", que os diplomatas debate-ram e que mudou 0 mapa da Europa entre 1830 e 1878, eraportanto diferente do fenomeno politico do nacional ismo que se

    55

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    17/19

    tornou crescentemente central na era da politica de massas e dademocratizacao europeia. Nos dias de Mazzini, pouco importavapara a maioria dos italianos se 0Risorgimento tinha existido, demodo que, como Massimo d'Azeglio admitiu em sua famosa frase,"Nos fizernos a Italia, agora temos que fazer italianos"," Nao im-portava nem mesmo para aqueles que, preocupados com "a ques-tao polonesa", sabiam que provavelmente a rnaioria dos campone-ses polacos (para nao mencionar 0terco da populacao do antigoRzecspopolita pre-1722 que falava outros idiomas) nao se sentiamainda como poloneses nacionalistas: como recon~eceu 0liberta-dor da Polonia, coronel Pilsudski, em sua frase, "E 0Estado quefaz a nacao e nao a nacao que faz 0Estado".70Contudo, depois de1880, importaria crescentemente de fato como home~s e mulhe-res comuns sentiam-se a respeito da nacionalidade, E entao im-portante considerar os sentimentos e atitudes desse tipo dos po-vos pre-industriais, sobre os quais 0novo apelo do nacionalisrnopolitico poderia ser construido. 0roximo capitulo tratara disso.

    NOTAS

    1. Lluis Garcia iSevilha, "Llengua, Nacio IEstat al Diccionario de JaReal Academia Espanvola" (L~venf, 16.5.1979, pp. 50-55).

    2. Enaclopedia Uruuersai Ilusttada Europeo-Amencann (Barcelona. 1907-34). vol, 37 , pp. 854-867: "nacion",

    3. (Sao Paulo-Rio-Porto Alegre. 1958-1964), vol. 13, p. 581.4. L. Cume de Sainte Pelave, Dictionnasre Historique de 1~71aen La71gage

    FranfDlS (Nior t, s. d. ) 8 vols.: "nation".5. Dr. E. Verwijs e Dr.]. Verdarn, M id de ln ed er la n ds ch W o or dt n bo dt , vol.4(Haia, 1899). col. 2078.6. WOOTdenboek tier Nederlandsche T(U].~vol. 9 (Ha ia, 1913) , col s. 1586-90.7. Verwijs e Verdam, Middelenderlandsdi Woordenbotk, vol. 4.8. L. Huguet, Dict ionnaire de la La71g 'lU Fm71 f lUse duUl Siide, vol. 5 (pa-

    ris 1961). p. 400.9 . Woordenhoek (1913), col. 1588.

    10. John Heinrich Zedler, Grosses vools t i indiges Ilruuersal-Lexicon. allerWissrnschaften und Kilrute .. vol , 23 (Leipzig-Haia, 1740, reproduzidopo r Graz, 1961), cols. 901-3.

    11 . Oxford Eng l is h D i c t io n a r y. vol. VII (Oxford. 1933), P. .30.12. John]. Lalor (org.) , Cyc lopedia o f Polit ical Scunce (Nova York. 1889),

    vol. I I, p. 932: "nation". As notas relevantes sao reirnpressas, ou mes-mo traduzidas, grandernente de anugos trabalhos franceses,

    13. "Poder-se-ia concluir dessa definicao que a Nacao esta dest inada aformar apenas urn Estado e que este consuuii urn todo indivtsivel,"(ibidtm. p. 923). A definicao que advem desse "poder-se-ra concluir"e que uma Nar;ao consuunu Mumagregado de homens falando amesma lingua, tendo os mesmos costumes. e partilhando certas qua-l idades rnorais , que os disunguern de out ros gropos de naturezasimilar", Esse e urn dos numerosos exercfctos na arte de questionar,pela qual 0argumento nacionalista muitas vezes foi nocauteado.

    14. ]. S. Mill. Utilitariamsm, Liberty an d Repr zs e ru aUVf : Go v er nme n t (ed. pa-pular. Londres, 1910). pp. 359-366.

    56 57

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    18/19

    15. Pode-se observar que na Declaracao dos Dirertos de 1789 ou de 1793nao hi referencias ao dire i to dos povos a soberania e a independen-cia. Ver Lucien Jaume, Le Discou rs jawbin et fa Democraue (Paris.1989). Apendices 1-3,pp. 407-414. Contudo, para a mesma visao em1793, vel' O. Dann e J . Dinwiddy (orgs.) , Nationalism Inhe Agzoof thFrench Reuolutum. (Londres, 1988), p. 34.

    16. Maurice Blok, "Nationalities, princrple of', InJ . Lalor (org.),Cycwpedia of Politual SCIence,vol. II. p. 939.

    17. P. Vilar, "Sobre 105 fundarnentos de las estructuras nacionales"(Histone. 16/Extra V (Madrt , abr, 1978), p. I I.

    18. J . S. Mill. Utilitarianism, Liberly and Representauu Couernment: pp, 359-366.

    19. Cit, InM. de Certeau, D. Julia, e J. Revel, Une Politique cU fa Langue.La Rivolution Francaise d les Patois: L 'Enquil t de l 'Abbe GregoIre (Paris,1975), p. 293. Para 0problema geral da Revolucao Francesa e alingua nacional, ver tarnbern Renee Balibar e DOminique Laporte, LeFrancais National. Polit ique et Pratique de fa Langue . Natumale sous laRiuolution (Pans, 1974). Para 0problema especifico da AlsaCla. ver E.Philipps. Les Luttes Linguis tzques en Alsace jusqu 'm 1945 (Estrasburgo,1975), e P. I . . . e V Y . Histone Linguis tique d'Alsace et de Lorraine (2 vols.,Estrasburgo, 1929).20. De Certeau, julia e Revel, Une Po t iu ou dt la Langue.

    21. "Em relacao ao Estado, os cidaddos constituern 0pouo ; em relacao araca humana eles constituem a NafOO",]. Helie, "Nation, definitionof", InLalor. Cyclopedia of Poli tical Saerue, vol, II, p.923.

    22. Destacado in E.]. Hobsbawm, The Ag~ of Reuolutior: 1789-1848 (Lon-dres, 1962), pp. 91-92.

    23. Marc Bloc, L I !: SRms Tha umat u rg e s (Parts, 1924). pp. 402-404.24. Walter Bagehot, Pbisics and Politics (Londres, 1887), caps. III. IV em

    "Nation-making" .25. Ernest Renan, "What is a nation?", mAlfred Zimmem (org.), Modern

    Poliucal Doctrines (Oxford, 1939). p. 192.26. John Rae, TJu sociological Throry of Capital , Being a Comple t Repnnt o f

    TJu New Principles of Political Economy by John Ra e (1834). org, C. W.Mixter (Nova York, 1905). p. 26.27. j. E. Cairnes, Some Leading Principles of Po liucal Economy NewlyExpound~d (Londres, 1874). p. 26.

    28. Dr. Gustav Schonberg (org.) Handbucli der politisclun Oekonomie, vol. I(Tiibingen. 1882), pp. 158 e s eg s .29. Edwin Cannan, History of the Theoria of Produdi tm and Distn'bu4im inEnglish PoliticalEronumy from 1776 to 1848 (Londres, 1894), pp. 10e s eg s .

    30. Rae. The Soaological Thwry of CapitaL31. Nauveau Dictumnaire d'Economie Polit ioue, Loon Say e Joseph Chailley

    (orgs.) , (Paris, 1892).32. Michel Chevalier. CouTS diwnomlt Politique fait au Colli~ de Fronce.,

    vol . I (Paris. 1855). p. 43. A aula foi dada origtnalmente em 1841.33. L. Robbins, The Throry of Economic Policy in English Classical Polit ical

    Economy (2' ed . Londres, 1977), pp. 9-}0. Entretanto, pode-se fazeruma excecao para 0bemhamismo genuinamente global.

    34. George Richardson Porter, The Progress of the Nation, in its VariousSocial and Economic Relat ions , from the &g tnn ing of the Ninett!enthC e nt ur y t o t he PrI!:Srni. Time. 2 _partes (Londres, 1836), Prefacio.

    35. Molinari, In Dictumnaire d'Economie Poliuque (Paris. 1854) reed. inLalor. Cyclopedia of Political Science, vol. n, P: 957: "Nations inpoliticaleconomy",

    36. Ibidem, pp. 958-959.37. Ibidem, p. 957.38. Ibidem,? 933.39. Cf. j. Schurnpeter, History of Economic Analysts (Oxford. 1954). pp.

    515-516.40. Ele escreveu Outline of Ammcan Polit ical Economy (Filadelfia, 1827).

    que antecipa sua visao posterior. Para Friedrich List na America. vel'W . NOlZ, "Friedrich List in Amerika", (Wellwtrlschaftlichl!:S Archiv. 29.1925, pp. 199-265. e vol. 22, 1925, pp. 154-182. e "Frederick List inAmerica" (American Economic Review, 16, 1926. pp. 249-265).

    41. Friedrich list, The Nat ional Sys tem of Pol it ical Economy (Londres,1885), p. 174.

    42. Para urn born sumario de seus pontos de vista. E. Strauss, IrIShNationalism and Bntsl: Democracy (Londres, 1951) pp.218-220.

    43. "Nation ft. por Elias Regnault, Dictionnaire Politique; com uma intra-ducao de Gamier-Pages (Paris, 1842), pp. 623-625. "Nao hi qualquercoisa de derrisorto em charnar a Belgica de Nacao?"

    44. Considerations on Ref=smtative Government, in UliIi tarlanism. p. 365.45. Oxford English Dictionary, vrr, p. 30.46. Ibidem; pp. 175-176.47. GustaV Cohn, Grundlegung dcr Nationaloekonomie, Vol. I(Stuttgart,1885), pp. 447-449.4S. Vel ' Denis Mack Smith (org.j, Il Risorgimento (Ban, 1968), P: 422.49. Jochen Blaschke (org.) , Handbucb: der wes teuropii is chm

    Regionalhewtgungzon (Frankfurt, 1980).50. Maunce Block. InLalor, Cyclopedia of Political Science, vol. II, P: 941.51. Para a contribuicao de Etbin Kristan ao Congresso de Brunn. que

    58 59

  • 5/17/2018 08a - HOBSBAWM, E.J. - Naes e nacionalismo desde 1780 (19 cps)

    19/19

    elaborou seu programa nacional , ver Georges Haupt, Michel Lowy eClaudie Weill, Le s M a TX is te s e i la Q J u st tf Jn N a tum a le 1848-1914 (Paris,1937), pp. 204-207.52. Mill, Utilitarianism, Liberty and Repraenuuiu Gooemment, pp. 36~364.

    53. Cf. Roman Rosdiolsky, "Frtedrich Engels und das Problem der'geschichtslosen VolkerO ( A rc h iv f or Sozia~chichCl!, 4/1964, pp. 87-282).

    54. Ver Linda Colley, "Whose Nation? Class and national consciousnessin Britain 1750-1830" (Past & Present; 113.1983), pp. 96-117.55. Ieuan Gwynedd Jones, "Language and Community in Nineteenth-Century Wales", InDavid Smith (org.) , A Pettple and a Proletariat:Essays In lhs Hiswry a/Wales 1780-1980 (Londres, 1980), pp. 59-63.

    56. Enqui te sobre educacao no Pais de Gales. Parliamentary Paper, 1847.xxvn . parte II (Relatorio dos condados de Brecknock, Cardigan eRadnor), p. 67.57. Haupt, Lowy e Weill, L e t ; Marxistes, p. 122.

    58. Dentro da Espanha erarn evidentes as diferencas culuirais, l ingulsu-cas e insutucionais entre as pessoas dos reinos de Aragao e deCastela. No imperio espanhol, do qual Aragao fot excluido, eramrnais amda.59. Tullio de Mauro, Stana Linguistica deU'/lalia Uruta (Bari, 1963), P: 41.

    60. "Obwoh! sie aile in einern Reich 'Deutscher Nation' nebeneinanderIebten, da n mchts dariiber hinwegtauschen, dasz ihnen sogar diegemeinsame Umgangssprache fehlte." Hans-Ulrich Wehler, DeutscheGesellschaftsgeschichte, vol. I (Munique, 1987), p. 50.

    61 B. Porter, Critics of Empire. Bri tish Radical Att itudes to Colornalism InA/rica, 1895-1914 (Londres, 1968), p. 331, citando G. LowesDickinson na obra A Modem Sympos ium (1908).

    62. Para uma cita~ao importante do discurso inaugural do presidenteGrant, ver E. J. Hobsbawm, The Age of Capital 1848-1875 (Londres,1975), epigrafes do cap. Ill.63. Franz Pichler. P o li ze ih o fr a ; P . E i n treuerDiener seienes ungetreuen Staates.Wiener Polizsidienst 1901-1938 (Viena, 1984). Agradeco a ClemensHeller por esta referenda.

    64. Ibidem, p. 19.65. Ibidem, P: 30.66. Cf. carta de Friedrich Engels a Bernstein en 22/25.2.1882 (WerU,

    vol. 35, pp. 278 e segs.j , sobre as eslavos dos Balcas: "E mesrno queesses rapazes fossem tao admiraveis quanto os escoceses das TerrasAltas, consagrados por Walter Scott - outro bando de Iadroes degado terriveis -, 0maximo que podemos fazer e condenar as modos

    como a sociedade as trata hoje, Se esuvessernos no poder, nQ s t amb imteriamos que negociar com 0bandiusmo dessa gente, a qual fazparte de sua heranca."

    67. Emil Brix, Die Umgangsprachen InAlJosterrnch zunschen. Agilalion undAssimilauon. Die Sprachenstatistik in dm ziesleithanischen. Volksziihlungm1880..1910 (Viena-Colonia-Craz, 1982),

    68. Cf. Ivo !>anac, The National Quest ion InYugoslaVIa: Ongtns. History,Politics (Itaca e Londres, 1984), pp. 76-86.

    69. Dito na pnmeira reuniao do parlamento do recern-unido remo ita-liano (E. Latham, Famous Saytngs and Their Authors , Detroit, 1970).70. H. Roos, A History 0/ Modern Poland (Londres, 19M), p. 48.

    60 61