AULA FUNDAÇÕES

of 42/42
2 FUNDAÇÃO ELETIVA I Prof. Luiz Humberto Camilo Fundação em estacas pré-moldadas Fundação em sapata
  • date post

    14-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    115
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of AULA FUNDAÇÕES

2 FUNDAO

Fundao em estacas pr-moldadas

Fundao em sapataELETIVA I Prof. Luiz Humberto Camilo

2.1. DEFINIO DE FUNDAO:

FUNDAO: parte de uma estrutura que transmite ao terreno adjacente a carga da obra.

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

2.2 Classificao das fundaes: NBR 6122 - ABNT

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

Fundao superficial: elementos de fundao em que a carga transmitida ao terreno, predominantemente pelas presses distribudas sob a base da fundao, e em que a profundidade de assentamento em relao ao terreno adjacente inferior a duas vezes a menor dimenso da fundao.

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

Fundao profunda: a base est implantada a mais de 2 vezes sua menor dimenso, e pelo menos 3 m de profundidade.

Bate estaca

Estaca prmoldada em concreto sendo cravada

Estacas j cravadas

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

2.3 ENGENHARIA DE FUNDAES: - projeto e a execuo de fundaes

- conhecimentos necessrios: . Geotecnia . Clculo estrutural

Escavao para execuo de uma sapataELETIVA I Prof. Luiz Humberto Camilo

2.3.1 INVESTIGAO GEOTCNICA:

Equipamento para sondagem de simples reconhecimento percusso (SPT)ELETIVA I

Sondagem rotativa em rocha

perfurao

Prof. Luiz Humberto Camilo

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

2.4 DESENVOLVIMENTO DAS PRESSES NO SOLO BULBO DE PRESSES:

Para uma profundidade de 1,5 vezes a largura da sapata, existe uma presso de aproximadamente 20% da presso mxima aplicada.

O conhecimento dos bulbos de presso permite uma anlise segura do comportamento dos recalques da fundao, sendo de grande importncia em locais onde e estratificao geolgica apresenta-se em camadas muito diferentes logo abaixo da superfcie de apoio da estrutura

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

2.5 Fundaes superficiais: a) Bloco

Elemento de fundao superficial de concreto, dimensionado de modo que as tenses de trao nele produzidas possam ser resistidas pelo concreto, sem necessidade de armaduraELETIVA I Prof. Luiz Humberto Camilo

DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL: Roteiro para dimensionamento: a) rea da base do bloco (S):

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

b) Lado do bloco: . bloco quadrado:

. Bloco retangular de lados A x B: . estabelecer uma relao entre A e B

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

b) Sapata Fundao superficial de concreto armado, dimensionado de modo que as tenses de trao nele produzidas no sejam resistidas pelo concreto, mas sim pelo emprego da armadura. b.1) Sapata isolada: para cada pilar existe uma sapata FORMAS MAIS USUAIS DAS SAPATAS:

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

b.2) Sapata corrida: L > 5B; est sujeita ao de uma carga distribuda linearmente

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

b.3) Sapatas associadas: empregadas nos casos em que, devido proximidade dos pilares, no possvel projetar-se uma sapata isolada para cada pilar. Nestes casos, uma nica sapata serve de fundao para dois ou mais pilares.

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

b.4) Sapata de divisa com viga alavanca: pilar est encostado em uma divisa ou junto ao alinhamento do lote referente ao passeio pblico. Como a sapata deve ficar dentro dos limites do terreno, no se consegue coincidir o centro da sapata com o centro do pilar, gerando uma excentricidade que ser corrigida atravs da viga alavanca ou viga de equilbrio.

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

2.6 Dimensionamento da base da sapata isolada: PP = 0,1 . P: peso prprio da sapata; PP: estimado em 10% da carga normal transmitida pelo pilar

SolicitaesELETIVA I Prof. Luiz Humberto Camilo

Diemensionamento

ELETIVA I

Prof. Luiz Humberto Camilo

3 Projeto estrutural de fundao em sapata:E1

P1 (20X20) S1 V1 (20X70)

P2 (30X20) S2

P3 (30X20) S3

P4 (30X20) S4

P5 (30X20) S5

P6 (30X20) S6

V54A (20X40)

-50

P7 (30X20) S7 E2

V2 (20X20)

V3 (20X50) V46 (20X30) V40 (20X30) V4 (20X30)

P8 (12X30) S8 V6 (12X50) V7 (20X30) V54 (20X50)

P9 (30X12) S9

V5 (20X40)

V37 (20X40)

(20X30)

V8 (20X50)

V9 (20X50)

V10 (20X60)

P10 (12X40) S10 V11 (20X30) P11 (12X30) S11 P18 (12X40) S18 V12 (20X30)

V56

V38 (20X70)

V30 (20X60)

V32 (20X60)

V39 (20X70)

V42 (20X70)

V49 (20X70)

NOTAS DE PROJETO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12PT1 (40X12) V59 (12X50) V58 (12X70) V62 (20X55)

CONCRETO CLASSE C20 (fck = 20 MPa); AOS CA-50 E CA-60; MDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO Eci = 25000 MPa; CLASSE DE AGRESSIVIDADE AMBIENTAL I (NBR 6118:2003, TABELA 6.1); RELAO GUA/CIMENTO EM MASSA