Balanco 2011

Click here to load reader

  • date post

    11-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    92
  • download

    9

Embed Size (px)

Transcript of Balanco 2011

Balano 2011 - Doutores da Alegria - 21 anos

201121 anos

Balano

NDICEIntroduoWellington Nogueira Luis Vieira da Rocha Thas Ferrara 8 10 12

O que fazemosNos hospitaisVisitas dos besteirologistas Plateias Hospitalares Boas Misturas

36

Prestao de contas Por que investir nos Doutores Quem faz

64

Registro 21 anosOnde tudo comeou A expanso da misso Onde estamos Aonde vamos Raio X Linha do tempo

38 42 46

16 18 20 22 23 24 26

FormaoEscola Programa de Formao de Palhao para Jovens Palhaos em Rede 50 52 54 56

78

84

PesquisaDoutores em cena Intervenes em empresas Espao Cultural

Quem somosMisso, viso e valores Reconhecimento4

30 32 34

Alm dos hospitais58 60 62

Parceiros e Scios da Alegria 945

6

Hospital do Mandaqui Nina Bruno

7

INTRODUO

INTRODUO

INTRODUO21 anos a maioridadeWellington Nogueira Fundador e coordenador geralSomos totalmente responsveis por todos os nossos atos perante a sociedade. Se, em 1991, o palhao profissional entrando regularmente no hospital era uma novidade, hoje uma realidade que gerou uma folha corrida bem extensa de desdobramentos e rompimentos de fronteiras: do surgimento de mais de 555 iniciativas semelhantes pelo Brasil ao fenmeno dos universitrios da rea de Sade que aprendem tcnicas de palhao para melhor trabalhar com os pacientes e estabelecer conexes plenas com eles. Mdicos que tambm se formaram palhaos e hoje trabalham integrando ambas as profisses com mais propriedade, em benefcio dos pacientes. Palhaos visitando locais de trabalho, onde o adulto se interna, como diz a veneranda dra. Ferrara Se formos vasculhar, no vamos parar de encontrar pelo mundo todo exemplos incrveis de maluquice beleza instituda, compartilhada e reconhecida! T dominado! Este um momento em que cada um de ns pode fazer histria, promovendo uma verdadeira virada. Vide Fora, Wall Street!. Quando investigo todas essas aes e as demandas crescentes para transportar esse conhecimento para outras reas como educao e trabalho percebo que o denominador comum : queremos ser mais felizes. O professor Serge Ouakine, da Universidade 8 de Toronto, diz que a felicidade o encontro de duas alegrias: possvel ser feliz sozinho, mas a alegria acontece quando compartilhada. Na besteirologia, entendemos que alegria sair da nossa zona de conforto para tornar melhor a vida de algum. Nunca falamos tanto da tal da sustentabilidade e, surpresa, ela comea com a qualidade de nossa relao com a vida. Conscincia de mim e da minha relao com o outro, para a construo coletiva da alegria. Para construir esses futuros desejveis precisamos de imagens inspiradoras, j diz a futurloga Lala Deheinzelin. Juntando tudo isso, assumimos, na maioridade, esse compromisso, de contaminar as pessoas para a construo coletiva de alegria. Sim, anos e anos de individualismo adoeceram o mundo e o pior: a enfermidade do mundo o reflexo daquela iniciada por ns. Existe antdoto? Sim, dentro de cada um de ns h a capacidade de sairmos de nossas zonas de conforto para corrermos o risco de tornar melhor a vida dos alguns nossa volta. A maioridade isso: trazer para o mundo o resultado da educao e da formao que recebemos. Obrigado a todos os nossos mestres, em especial, as crianas que tanto nos ensinaram ao longo dessa jornada. 9

INTRODUO

INTRODUO

INTRODUOO desassossego da organizaoLuis Vieira da Rocha Diretor executivo

Doutores da Alegria assumiu o compromisso de promover a tica da alegria por meio da arte, possibilitando seu acesso sociedade como um direito social. Escolhemos levar a experincia da alegria para os ambientes que carecem de uma mudana na qualidade nas relaes. Essa misso s teve sentido com o apoio da sociedade, compartilhando esse desafio e se realizando, tambm como agente, nessa concretizao. O engajamento amplo, inclusive de artistas comprometidos como desenvolvimento da arte e seu impacto social. Em 21 anos de existncia, amadurecemos nossa prtica e ampliamos nossas aes para alm dos hospitais: compartilhamos o conhecimento por meio de programas de formao, criaes artsticas, dilogos com a sociedade; orientamos grupos semelhantes para um movimento artstico mais engajado, com base em nossos valores; ampliamos o acesso de pacientes arte de qualidade local; e, a partir da experincia inicial nos hospitais, traduzimos em arte acessvel comunidade, ou seja, ningum precisa ficar hospitalizado para conhecer os Doutores da Alegria e conhecer a leitura que fazem dos contextos hospitalares. Mesmo com tantos avanos na vida de uma organizao sempre necessrio rever seus compromissos. O tempo e as conquistas nos cobram. Aqui tratamos de uma outra arte que gerir um importante patrimnio social e aplicar cada vez melhor os recursos a ns confiados, escolhendo os caminhos que traro os melhores resultados nessa tarefa de construo de uma cultura de alegria.

O caminho de maturidade dos 21 anos nos exige isso. Em 2011, durante trs dias, reunimos toda a nossa equipe artistas, tcnicos e representantes das reas da Sade, Cultura e Educao para um grande encontro que chamamos de Conferncia de Busca de Futuro. Nela olhamos dentro e fora. Conferimos, uns com outros, vrios pontos de vista. Analisamos tendncias, necessidades sociais. Revimos o ponto de partida da instituio. Identificamos mais uma vez nossos desejos e vocao para o debate de novas possibilidades para os prximos anos. Esse foi um belo e primeiro pontap que demos no nosso traseiro... Quando tudo parecia estar organizado maturidade artstica, uma estrutura organizacional com reas complementares surge mais uma inquietao: a de contribuir para um futuro onde a alegria seja um valor na nossa sociedade. Esse desassossego em que nos encontramos, para a construo de uma nova viso, da natureza do artista e de uma organizao que concluiu uma grande etapa. Agora o desafio parece ser maior do que o comeo, mais do que a garantir a presena de uma dupla de palhaos profissionais num hospital, coisa totalmente estranha realidade de duas dcadas atrs. Ao olharmos para o incio, a possibilidade de ver palhaos profissionais atuando no hospital era como uma viso, um futuro a ser conquistado. Hoje a nossa realidade. Com a maioridade, temos o desafio de nos reinventar, descobrir o futuro que nos aguarda. E nos aguardem! 11

10

INTRODUO

INTRODUO

INTRODUOMuito alm do narizThas Ferrara Diretora artsticaEstamos chegando aos 21 anos com a certeza do caminho. Aprendemos a reconhecer o que causa a presena dos Doutores da Alegria em ambientes ridos como os hospitais, no s pelo fato de tratarem doenas mas pela difcil qualidade das relaes no trabalho, a presso a que seus funcionrios esto submetidos, o pouco reconhecimento, e a realidade social que enfrentam, muito alm das enfermidades. Depois de vinte anos levando a boa arte do palhao para interagir com o cotidiano dos hospitais, observamos que misturar esse cotidiano com um pensar criativo, bem-humorado, inusitado, que estimula um olhar livre, acaba gerando respiros, amplia a percepo, impregna o corpo e at faz ver que h luz no fim do tnel. Este movimento denominado Doutores da Alegria feito a vrias mos: De artistas que visitam hospitais; De profissionais competentes que nos bastidores enfrentam a difcil arte da administrao e mobilizao de recursos para que a misso artstica acontea plenamente; De um conselho diretor atuante que, generosamente, disponibiliza seu tempo, seus conhecimentos e talentos para o bom andamento da organizao. E de um grupo de atores e palhaos que depois de muitos anos visitando hospitais, hoje colocam suas habilidades em prol da criao e do desenvolvimento de novos programas, ampliando assim a capacidade dos Doutores de dar acesso queles que no esto hospitalizados mas que desejam compartilhar da misso e valores dos Doutores da Alegria. Um movimento simples que torna acessvel a boa arte do palhao. No cultuamos a alegria pra distrair do sofrimento, mas para que o sofrimento tenha um espao de cuidado. No fundo, no fundo, procuramos fazer do mundo um lugar melhor, e a arte nossa matria-prima.

12

13

Hospital da Restaurao, Recife Helder Tavares

14

15

REGISTRO 21 ANOS16

Parece que foi ontem que o primeiro palhao entrou no hospital. Ele espelhou-se na figura do mdico e tratou de se formar em Besteirologia para aprender a lidar com chuls encravados, parafusos soltos e miolos moles. Duas dcadas depois, mais portas se abriram em outros hospitais, nos palcos, nas empresas e mostraram que a cultura da alegria no tem contraindicao. A ideia de fazer um registro dos 21 anos uma forma de deixar essa histria marcada no tempo e possibilitar que, daqui a vinte e tantos anos, outras geraes possam abrir este livro e reviver a alegria que marca toda esta trajetria. O registro na medida: curto o bastante para que voc no boceje e longo o suficiente para que voc se atenha a alguns detalhes. E o detalhe, para o palhao, cheio de significados.17

REGISTRO 21 ANOS

Juan Esteves

Onde tudo comeouWellington Nogueira conheceu o trabalho em Nova York em 1988, por intermdio do Clown Care Unit do Big Apple Circus. Em 1991, seu pai adoeceu e ele voltou ao Brasil. Quando entrou no hospital fez uma interveno como palhao, a pedido da famlia. Foi ento que percebeu que no havia nada semelhante no pas e que o trabalho se traduzia muito bem. Assim, em setembro do mesmo ano, numa luminosa iniciativa do Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, em So Paulo (hoje Hospital da Criana), teve incio o programa. Era o nascimento dos Doutores da Alegria. Levar a arte do palhao para o ambiente hospitalar motivou outros artistas a se unirem ao Wellington. J pensou o palco ser um quarto de UTI, a plateia uma criana hospitalizada e o aplauso um sorriso? Era a possibilidade de transformar obstculo