Bloco 1 - introdução

Click here to load reader

  • date post

    09-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    33
  • download

    2

Embed Size (px)

description

pavimentação

Transcript of Bloco 1 - introdução

  • 1ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Bloco 1

    Introduo

    Histrico

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    AutoriaAutoria

    As aulas contidas neste CD foram elaboradas pela seguinte equipe de professores:

    Liedi Lgi Bariani Bernucci - Universidade de So Paulo

    Jorge Augusto Pereira Ceratti - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

    Laura Maria Goretti da Motta - Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Jorge Barbosa Soares - Universidade Federal do Cear

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Lista dos assuntos do CD completoLista dos assuntos do CD completoEste CD contm 30 aulas, em 10 blocos organizados por assunto:

    Bloco 1 Introduo

    Bloco 2 Asfaltos

    Bloco 3 Agregados e Fler

    Bloco 4 Tipos de Revestimentos Asflticos

    Bloco 5 Dosagem de Misturas Asflticas e de Tratamento superficial

    Bloco 6 Propriedades Mecnicas de Misturas Asflticas

    Bloco 7 Materiais de Bases e Solues de Pavimentao Asfltica

    Bloco 8 Tcnicas Executivas

    Bloco 9 Avaliao de Pavimentos Asflticos

    Bloco 10 Tcnicas de Restaurao e Reabilitao de Pavimentos Asflticos

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    O contedo das aulas aqui apresentadas tem carter educacional e foi elaborado pelos quatro autores a partir das respectivas experincias em ensino, pesquisa e extenso. As informaes possuem a contribuio de alunos e profissionais envolvidos nestas atividades.

    Na melhor de suas possibilidades, os autores registraram o crdito devido nas diversas informaes, incluindo fotos e figuras. Nenhuma informao dever ser entendida como conselho ou recomendao de qualquer ordem.

    Os materiais referidos no podero ser copiados, reproduzidos, adaptados, publicados ou distribudos em qualquer forma sem o consentimento prvio dos autores.

    ObservaoObservao

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Lista dos AssuntosLista dos Assuntos

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Pavimento do Ponto de Vista Estrutural e FuncionalPavimento do Ponto de Vista Estrutural e Funcional

    Pavimento uma estrutura de mltiplas camadas de espessuras finitas, construda sobre a superfcie final de terraplenagem, destinada tcnica e economicamente a resistir aos esforos oriundos do trfegode veculos e do clima, e a propiciar aos usurios melhoria nas condies de rolamento, com conforto, economia e segurana.

    Mais recentemente h uma tendncia de usar-se a nomenclatura pavimentos de concreto de cimento Portland (ou simplesmente concreto-cimento) e pavimentos asflticos, respectivamente, para indicar o tipo de revestimento do pavimento.

  • 2ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Pavimento do Ponto de Vista Estrutural e FuncionalPavimento do Ponto de Vista Estrutural e Funcional

    As camadas de base, sub-base e reforo do subleito so de grande importncia estrutural.

    Limitar as tenses e deformaes na estrutura do pavimento, por meio da combinao de materiais e espessuras das camadas constituintes, o objetivo da Mecnica dos Pavimentos.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    O revestimento asfltico a camada superior destinada a resistir diretamente s aes do trfego e transmiti-las de forma atenuada s camadas inferiores, impermeabilizar o pavimento, alm de melhorar as condies de rolamento (conforto e segurana).

    Pavimento do Ponto de Vista Estrutural e FuncionalPavimento do Ponto de Vista Estrutural e Funcional

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    No inteno apresentar um texto de referncia, mas apenas uma coletnea de informaes selecionadas a partir de trabalhos nacionais e internacionais especficos no assunto.

    No Brasil, Bittencourt (1958) apresenta um apanhado desta histria desde os primeiros povos organizados at o incio do sculo XX. Destaca-se tambm o esforo de Prego (2001) de concluir a ao iniciada em 1994 pela ABPv, por meio de sua Comisso para Elaborar a Memria da Pavimentao, que nomeou inicialmente o Engenheiro Murillo Lopes de Souza para escrever sobre o tema.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    Percorrer a histria da pavimentao nos remete prpria histria da humanidade, passando pelo povoamento dos continentes, conquistas territoriais, intercmbio comercial, cultural e religioso, urbanizao e desenvolvimento.

    Como os pavimentos, a histria tambm construda em camadas e, freqentemente, as estradas formam um caminho para examinar o passado, da serem uma das primeiras buscas dos arquelogos nas exploraes de civilizaes antigas.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    EGITO

    Uma das mais antigas estradas pavimentadas implantadas no se destinou a veculos com rodas, mas a pesados trens destinados ao transporte de cargas elevadas. Para construo das pirmides (2600-2400 AC), vias com lajes justapostos em base com boa capacidade de suporte. Atrito era amenizado com umedecimento constante (gua, azeite, musgo molhado)

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    SIA

    Estrada de Semramis (600a.C.) entre as cidades da Babilnia (regio da Mesopotmia em grego, regio entre rios que abrangia na antiguidade aproximadamente o que hoje o territrio do Iraque) e Ecbatana (reino da Mdia, no planalto Iraniano); cruzava o Rio Tigre; transformou-se hoje em estrada asfaltada

    Estrada Real (500a.C.) na sia Menor ligando Inia(feso) do Imprio Grego ao centro do Imprio Persa, Susa; vias com at 2000 km de extenso

    poca de Alexandre, o Grande (anos 300a.C.), havia a estrada de Susa at Perspolis (aproximadamente a 600km ao sul do que hoje Teer, capital do Ir), passando por um posto de pedgio, as Portas Persas, possibilitando o trfego de veculos com rodas desde o nvel do mar at 1.800m de altitude

  • 3ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    Velhos caminhos da China (200a.C.) e ndia

    Destaque: Estrada da Seda, uma das rotas de comrcio mais antigas e historicamente importantes devido a sua grande influncia nas culturas da China, ndia, sia e tambm do Ocidente.

    Localizada na regio que separa a China da Europa e da sia, nas proximidades de um dos mais hostis ambientes do planeta, o Deserto de Taklimakan, cercado ao N pelo Deserto de Gobi e nos outros 3 extremos pelas maiores cadeias de montanha do mundo, Himalaya, Karakorum e Kunlun.

    A Estrada da Seda no existia apenas com o propsito do comrcio da seda, mas de diversos outros bens como ouro, marfim, animais e plantas exticas. O bem mais significativo carregado nesta rota no era a seda, mas a religio, o budismo.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    Apogeu da estrada foi na dinastia Tang (anos 600d.C.) e, aps um perodo de declnio, voltou a se tornar importante com o surgimento do Imprio Mongol sob a liderana de Gngis Khan (anos 1200d.C.), por ser o caminho de comunicao entre as diversas partes do Imprio.

    Um dos visitantes mais conhecidos e melhor documentado na histria da estrada foi Marco Plo, negociante veneziano, que iniciou suas viagens com apenas 17 anos em 1271 (Bohong, 1989).

    O declnio da estrada se deu ainda no sculo XIII com o crescimento do transporte martimo na regio. O interesse na rota ressurgiu no final do sculo XIX aps expedies arqueolgicas europias.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    Embora seja reconhecida a existncia remota de sistemas de estradas em diversas partes do globo, construdas para fins religiosos (peregrinaes) e comerciais, ficou atribuda aos romanos a arte maior do planejamento e construo viria.

    Visando, entre outros, objetivos militares de manuteno da ordem no vasto territrio do Imprio, que se inicia com Otaviano Augusto no ano 27a.C., deslocando tropas de centros estratgicos para as localidades mais longnquas, os romanos foram capazes de implantar um sistema robusto construdo com elevado nvel de critrio tcnico.

    ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Breve Histrico da PavimentaoBreve Histrico da Pavimentao

    O sistema virio romano j existia anteriormente instalao do Imprio, embora o mesmo tenha experimentado grande desenvolvimento a partir de ento.

    Portanto, h mais de 2000 anos os romanos j possuam uma boa malha viria, contando ainda com um sistema de planejamento e manuteno. A mais extensa das estradas contnuas corria da Muralha de Antonino, na Esccia, Jerusalm, cobrindo aproximadamente 5.000km (Hagen, 1955).

  • 4ASFALTOS Associao Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos

    Via piaPrximo a Roma, Itlia

    Lyon, Frana

    Pompia, Itlia

    ROMANOS

    Viae publicae; Viae militare;

    Actus (vias locais); Privatae

    Pavimento (espessura 1m-1,5m) Fundao: pedras grandes

    Camada Intermediria: areia, pedregulho, argila

    Camada de Superfcie: p