GESTÃO DE SOBRESSALENTES - tecem.com.br · PDF fileA Criticidade de um sobressalente...

Click here to load reader

  • date post

    13-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of GESTÃO DE SOBRESSALENTES - tecem.com.br · PDF fileA Criticidade de um sobressalente...

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    GESTO DE SOBRESSALENTES

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo

    1 INTRODUO

    A PRODUO pode ser conceituada como a atuao direta da OPERAO + MANUTENO.

    No h Produo sem Operao como tambm no h Produo sem Manuteno.

    A Operao responsvel pelo cumprimento de um Plano de Produo estabelecido a partir das

    necessidades do mercado ou tratativas com clientes, o que conseguido atravs dos ativos

    (equipamentos e sistemas) que so por ela operados.

    Manuteno cabe garantir a Disponibilidade (e a Confiabilidade inerente) dos ativos

    (equipamentos e sistemas) de modo que o Plano de Produo seja cumprido.

    Enquanto a Operao depende de matria prima para fabricar os produtos, peas, conjuntos,

    etc, a Manuteno depende de materiais e sobressalentes para garantir o estado de

    operacionalidade dos ativos, que traduzido pela disponibilidade.

    Em geral, a rea responsvel pelo fornecimento da matria prima, materiais e sobressalentes

    denominada SUPRIMENTOS.

    Dessa forma, pode-se afirmar que:

    O ATENDIMENTO AO PLANO DE PRODUO E O CONSEQUENTE ATENDIMENTO S

    NECESSIDADES DOS CLIENTES PASSA, DENTRE OUTROS, PELA DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS

    (MQUINAS, EQUIPAMENTOS, SISTEMAS)

    Figura 1 Suprimentos, Operao e Manuteno

    A disponilidade dos ativos, condio necessria para o atendimento ao Plano de Produo

    depende, dentre outros, do desempenho da rea de Suprimentos.

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    2 O DESAFIO

    A Gesto de Suprimentos busca administrar os estoques de modo que o capital investido seja otimizado. A funo do estoque de peas de reposio fornecer meios para que a Manuteno consiga garantir a disponibilidade adequada, dos ativos, necessria ao cumprimento do Plano de Produo. Do mesmo modo que a gesto dos estoques de peas de reposio impacta a disponibilidade, a gesto da Manuteno tambm influencia a disponibilidade e os custos de suprimentos. O grande desafio da interface Manuteno Suprimentos se traduz pela eficcia do planejamento de peas sobressalentes ou de reposio. A tabela 1 mostra a influncia do nvel de estoque em algumas variveis da empresa.

    Figura 2 Relao nvel de estoque e outros parmetros empresariais

    O custo da indisponibilidade o custo mais elevado dentro de uma instalao industrial quando comparado a outros custos, como por exemplo o custo de manuteno. Os indicadores considerados como classe mundial, para a relao suprimentos manuteno, apontam para os seguintes valores:

    KPI benchmark

    Valor do estoque (geral) / imobilizado 1 a 2%

    Giro do estoque (anos) >2

    Nvel de atendimento do estoque >90%

    Taxa de falta de sobressalentes < 1%

    Custo do estoque (geral) / Custo de manuteno 10 30%

    Custo estoque de manuteno / Faturamento bruto 0,8 1,6%

    Figura 3 KPI relacionados com suprimentos e manuteno J os custos decorrentes dos tipos de manutenao empregados est indicado na figura 4.

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    Figura 4 Custo por tipo de manuteno

    O custo da indisponibilidade deve ser calculado em funo do tipo de indstria e, nela, da rea, unidade, linha de produo ou sistema ou ainda de determinado equipamento. Para exemplificar sero mostradas as informaes constantes da referncia 2.

    Figura 5 Downtime (Indisponibilidade) mdia por ano e por ms para diversas indstrias (2)

    Em 2006 os executivos da indstria automotiva mostraram que o downtime (indisponibilidade) levou a paradas de produo cujo custo mdio foi de US$ 22.000,00 por minuto. (2) Considerando o grfico da figura 5, para 700 horas anuais de perda de produo na indstria automotiva, o custo correspondente foi de 700h x 60 min x US$22.000,00/minuto = US$ 924.000.000,00 !!

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    As informaoes mostradas indicam que:

    De modo geral, o custo da indisponibilidade muitas vezes maior do que os custos de sobressalentes ou da gesto de estoques e dos servios de manuteno;

    Indicadores de suprimentos podem variar de um tipo de indstria para outra. Por exemplo, o nvel de desgaste de equipamentos em uma minerao, pode recomendar um nvel mais elevado de peas de reposio em estoque do que seria necessrio em um hospital ou um shopping center para os equipamentos daqueles tipos de instalao.

    A adoo de tcnicas preditivas reduz o custo de manuteno por privilegiar a no interveno alm de refletir na reduo do consumo de sobressalentes pois a troca s feita quando diagnosticada a necessidade. Isso afeta positivamente os custos de suprimento e, em consequncia, os custos de produo.

    Existe um compromisso entre os custos, a indisponibilidade e o nvel de estoque conforme mostra a figura 6. A faixa tima deve ser buscada para cada indstria em particular em funo das suas peculiaridades.

    Figura 6 Relao entre custos de estoque e custo da indisponibilidade

    3 VARIVEIS A SEREM CONSIDERADAS 3.1 Caractersticas do estoque da Manuteno

    De modo simplificado, pode se considerar que as necessidades da Manuteno incluem MATERIAIS e SOBRESSALENTES (ou peas de reposio). Enquanto os materiais so itens de uso geral, os sobressalentes so especficos para determinadas mquinas. Alguns sobressalentes chegam a ser exclusivos de determinado equipamento enquanto outros podem ser encontrados em diversas mquinas mesmo de fabricantes diferente, como o caso de rolamentos, por exemplo. A definio de colocar ou no esses itens em estoque uma deciso que envolve diversos fatores que incluem os aspectos abordados no pargrafo 2 e fatores que sero tratados nos prximos pargrafos.

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    Figura 7 Itens de Manuteno

    Dentre os itens considerados como SOBRESSALENTES, podemos encontrar conjuntos montados para pronta substituio; motores eltricos, tambm para reposio imediata; cilindros hidrulicos completos, todos esses mantidos em estoque para evitar indisponibilidades prolongadas nas linhas de produo. Uma das prticas consagradas com vistas a reduzir a quantidade de itens em estoque, adquirir no mercado itens que so facilmente encontrados nos fornecedores e/ou representantes. Exemplos: lmpadas, fios e cabos, determinados tipos de rolamentos, adesivos, dentre outros. 3.2 Variveis a serem consideradas na formao ou consolidao do estoque Alguns autores consideram que o processo de formao ou consolidao do estoque de sobressalentes se d em 3 estgios, conforme mostra a figura 8. Os itens que compem cada um dos estgios est comentado adiante.

    Figura 8 Formao / consolidao do estoque

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    CRITICIDADE o principal fator que define a necessidade de manter um item em estoque com ressuprimento automtico. A Criticidade de um sobressalente definida pela criticidade do ativo ao qual pertence. Dessa forma, para os equipamentos cuja criticidade A, recomenda-se que existam sobressalentes em ressuprimento automtico desde que sua indisponibilidade afeta significativamente os resultados. A Criticidade dos Ativos definida, em conjunto, pela Operao, Manuteno, Segurana, Suprimentos e Engenharia de modo que represente o consenso das principais reas envolvidas na Produo. Em empresas que j operam h mais tempo (acima de 5 anos), a Criticidade deve ser sempre revista de modo a se confirmar que fatores mais relevantes impactaram a disponibilidade. Da a importncia de se ter um histrico confivel. Dentre esses fatores, a ausncia de sobressalentes crticos deve ser considerada. A figura 9 mostra a distribuio dos ativos de uma indstria nas critiidades A, B e C. Observar que para os ativos de criticidade A, que representam entre 10 e 20% do total, devem ser elaboradas recomendaes de estoque para sobressalentes que tero ressuprimento automtico. Em todas as Recomendaes de Estoque, que o instrumento de comunicao entre a Manuteno e Suprimentos, deve constar a Criticidade do Ativo.

    Figura 9 - Distribuio de ativos de criticidade A, B e C

    Outro aspecto importante que deve ser definido claramente no documento Recomendao de Estoque a procedncia ou garantia de qualidade do item. Isso significa, por exemplo: Caso 1: uma determinada pea s deve ser adquirida do fabricante do equipamento; Caso 2: uma determinada pea pode ser adquirida de qualquer fornecedor. Esse tipo de informao importante para Suprimentos pois, pelas prprias caractersticas da funo, suprimentos sempre busca o menor preo de aquisio e isso, em certos casos, pode ensejar a aquisio de peas importantes de fornecedores no qualificados. Assim, cabe Manuteno fazer a recomendao expressa de quem adquirir. Esse tipo de recomendao deve ser restrito queles ativos que sao especficos. Por exemplo: O fuso de um centro de usinagem Mazak deve ser adquirido diretamente desse fabricante. No entanto, um rolamento fixo de uma carreira de esferas que porventura seja utilizado nesse

  • TECM Tecnologia Empresarial Ltda www.tecem.com.br [email protected]

    Jlio Nascif e Luiz Carlos Dorigo abril 2017

    centro de usinagem no precisa ser adquirido do fabricante da mquina, podendo