Logística Reversa na Sustentabilidade

of 54 /54

Embed Size (px)

description

Logística Reversa na Sustentabilidade. Renato Binoto 14/11/2012. Instrutor:. - PowerPoint PPT Presentation

Transcript of Logística Reversa na Sustentabilidade

Slide 1

Logstica Reversa na SustentabilidadeRenato Binoto 14/11/2012

Instrutor: Renato Binoto Mestre em Engenharia Urbana UFSCar, Tecnlogo em Logstica com nfase em Transportes FATEC Ja, possui treinamento em Gerncia de Projetos Prticas Alinhadas ao PMI (Project Management Institute) SENAC- So Carlos.Atua e possui experincia em Projetos de otimizao de processos logsticos, Supply Chain Management, Ferramentas da qualidade, Logstica Reversa , Gesto da Cadeia de Suprimentos Integrada a Tecnologia da Informao. Executa Treinamentos Corporativos, possui Vivncia em congressos , simpsios e palestras. Associado do CIESP Araraquara, Palestrante do SENAC-So Carlos Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade So-Francisco Campinas, Docente de MBA do IPOG Goinia, ISIE- Instituto de Sustentabilidade Inovao e ensino, ministrando aulas em modais de transportes, logstica Empresarial e Reversa. educador da Plataforma Liderana Sustentvel, e Integrante da Rede Conesus (Conexes e Sustentabilidade).

Qual e Diferena entre informao e Conhecimento

VISO HOLSTICAAconteceu comigo em sala de aula!

Qual a quantidade de gua necessria, para se produzir um quilo de po?

A palavra hlos veio do grego e significa inteiro; composto.

Empresa/Mundo depende de ?

Gerao de resduos Slidos descontrolado

Falta de Responsabilidade empresarial com o ambiente

Falta de canal revervo e infraestrutura

Falta de conscientizao permanente

Acesso ao fim do mundo para todos sem distines

Mundo de Hoje Assim?Individualismo

ConsumismoEu no abrao rvores

Independente da polemica e existncia ou no do AQUECIMENTO GLOBAL, chegamos a um cenrio consumista, que se no diminuirmos a gerao de resduos slidos no teremos mais qualidade e condies de vida.

Vamos deixar de lado a problemtica poltica do pas para andamento do curso ok?

Equilbrio

O que Sustentabilidade???

O que Sustentabilidade???Para onde est indo a maioria dos nossos resduos slidos gerados?

Como jogar lixo fora, se no existe fora?

Que mundo devemos escolher?

ilha no PacficoDe uma distncia, parece uma ilha paradisaca no meio de uma deslumbrante azul do mar. Mas, se aproximar e voc logo v que essa ilha localizada a poucos quilmetros no Oceano Pacfico realmente um dump - literalmente. Thilafushi foi criado para resolver o problema de uma crescente montanhas de lixo nas Maldivas, e agora contm milhares de toneladas de resduos slidos repleto de substncias qumicas txicas, incluindo mercrio, cdmio, chumbo e amianto.

Obra representa a quantidade de resduos plsticos jogados pelo homem a cada 15 segundos. Foto: DivulgaoNa tentativa de conscientizar sobre os problemas causados pelo lanamento de plstico no mar, o Museu de Design de Zurique, Suia, lanou no ltimo dia 4 de julho o programa Out To Sea - The Plastic Garbage Project.http://waves.terra.com.br/surf/noticia/ate-onde-vai-o-lixo/53660

13

Logstica Reversa

Falta de Infraestrutura ReversaReciclagemReusoCooperativismo

Se o resduo nosso, a responsabilidade tambm!!!Nosso maior problema ambiental social!!! Sejamos bem vindos a era do comodismoSacolinha plstica exemplo clssicoLivramento rpido do resduoNo destinamos de forma adequada, nos livramos de nossos resduos

Destinao e no separao

17

Simples porm no existeO que logstica???

O que a teoria nos ensina ?Fonte PrimriaFornecedoresFbricaDistribuidorVarejistaCliente FinalFluxo de ProdutosFluxo de DemandaFluxo de InformaesLogstica de AbastecimentoLogstica InternaLogstica de DistribuioLogstica IntegradaHISTORIA

HISTORIA

Crescimento Desordenado Versus Conscientizao Permanente

Trnsito, poluio e enchentes so alguns dos problemas que resultam do crescimento explosivo da cidade. Mas a falta de planejamento que fez a cidade crescer do jeito errado

Crescimento Desordenado Versus Conscientizao PermanenteComo criar Conscientizao permantente e coleta seletiva nestes cenrios?O termo ciclo de vida refere-se maioria das actividades no decurso da vida do produto desde a sua fabricao, utilizao, manuteno, e deposio final; incluindo aquisio de matria-prima necessria para a fabricao do produto.

decurso da vida do produto desde a sua fabricao, utilizao, manuteno, e deposio final; incluindo aquisio de matria-prima necessria para a fabricao do produto.

MontagemManufaturaProcessamentoMatria-primaExtrao de RecursosConsumoFim da vida til

Logstica na Sustentabilidade

importante destacar:Os bens de ps-consumo no precisam necessariamente retornar cadeia de origem ou aos elos anteriores da cadeia de negcios.

Esses produtos podem seguir adiante, sendo enviados como matrias primas secundrias ou componentes a outras indstrias, onde se inicia o processo de produo de um novo produto em uma nova cadeia de suprimentos.

Processo pelo qual o material ps-consumo poder ser coletado, selecionado e entregue na indstria de revalorizao (KUDRJAWZEW, 2001)

Papel da logstica no retorno de produtos, reduo na fonte, reciclagem, substituio de materiais, reuso de materiais, disposio de resduos, reforma, reparao e remanufatura.... STOCK (1998)Definio

Logstica Reversa???RESPONSABILIDADE PS-CONSUMOColaborao no nvel inter-pessoal: estabelecer a confiana entre pessoas. Este grupo tambm engloba aes operacionais e culturais entre os parceiros.Colaborao no nvel ttico: trocas de informaes importantes para a melhora do desempenho logstico e reduo dos custos logsticos;Colaborao estratgica: compartilhamento de estoques e programao da produo;Compartilhamento reverso para a coleta de resduos geradosContratos estabelecidos em cada elo da cadeiaInboundOutboundESTRUTURA DO MODELO LGSTICOCultura organizacional nicaECRVMiCriar redes de colaborao- Mxima LogsticaMapeamento da cadeia logsticaPara ns empresasPara ns consumidoresEm qual ponto da cadeia logstica se inicia o canal reverso?23

Princpios da Sustentabilidade

Quais desses princpios existem no seu trabalho?

O conceito do Triple Botton Line John ElkintonLogisticamente insustentvelCenrio Reverso - Viabilidade

VolumeCustoEstratgiaInfraestrutura26

Fornecedores sustentveis

Formas de COLETA SELETIVA URBANAPorta a Porta Veculos coletores percorrem as residncias em dias e horrios especficos que no coincidam com a coleta normal de lixo. Os moradores colocam os reciclveis nas caladas, acondicionados em contineres distintos;

PEV (Postos de Entrega Voluntria) - Utiliza contineres ou pequenos depsitos, colocados em pontos fsicos no municpio, onde o cidado, espontaneamente, deposita os reciclveis;

PICs - Outra modalidade de coleta a PICs, Programa Interno de Coleta Seletiva, que realizado em instituies pblicas e privadas, em parceria com associaes de catadores.

Postos de Troca Troca do material a ser reciclado por algum bem.

Grandes Geradores Coleta combinado por cooperativa ou terceiros em estabelecimentos que geram grande volume de residuos. Roteiro de coleta especifica.Coleta seletiva o termo utilizado para o recolhimento dos materiais que so possveis de serem reciclados, previamente separados na fonte geradoraQuesto fiscal do SubprodutoEstratgia logsticaViabilidade de coletaVolume?Conscientizao PermanenteReprocessoControle do Ciclo de vida do produtoPaga-se novamente o transporte do resduo coletadoTributos ao reprocesso do resduo a subproduto. Subproduto retorna a indstria como matria-prima

Colaborao no nvel inter-pessoal: estabelecer a confiana entre pessoas. Este grupo tambm engloba aes operacionais e culturais entre os parceiros.Colaborao no nvel ttico: trocas de informaes importantes para a melhora do desempenho logstico e reduo dos custos logsticos;Colaborao estratgica: compartilhamento de estoques e programao da produo;Compartilhamento reverso para a coleta de resduos geradosContratos estabelecidos em cada elo da cadeiaInboundOutboundESTRUTURA DO MODELO LGSTICOCultura organizacional nicaECRVMiCriar redes de colaborao- Mxima LogsticaMapeamento da cadeia logsticaPara ns empresasPara ns consumidoresEm qual ponto da cadeia logstica se inicia o canal reverso?30

Cenrio Inicial de responsabilidade das empresas nestes setoresMaior Problema

Por que ser que coletamos e reciclamos apenas 4% das possibilidades de produtos?

Realidade das Cooperativas de So Carlos

PRENSA DE MATERIAL TETRA PACK

DISPOSIO DOS RESDUOS NO GALPO

BANCADAS PARA TRIAGEM DE RESDUOS

MOVIMENTAO DE COOPERADOS E RESDUOS SLIDOS COLETADOS Catador de Material Reciclvel profisso reconhecida pelo Ministrio do Trabalho e Emprego. O Ministrio do Trabalho e Emprego com o auxlio de uma equipe tcnica formada por catadores, em discusso sobre as novas ocupaes que surgiram no mercado brasileiro, regulamentaram a categoria dos catadores de materiais reciclveis. TempoAtende e EntregaAtende e no EntregaNo AtendeResidnciasTempo Mdio1,550,771,37Desvio Padro0,430,700,38Edifcios ResidenciaisTempo Mdio3,930,0-Desvio Padro2,180,0-

Problemas da cadeia reversa

O fim do cooperativismo10 anos?

20 anos?A PNRS incentiva o cooperativismo tirando o agente coletor da informalidadePoltica Nacional de Resduos slidos EuropeiaPoltica Nacional de Resduos slidos BrasileiraBem DefinidaSistema de Coleta em Barcelona

Lei Federal n 12.305, de 02/08/2010Decreto Federal n 7.404, de 23/12/2010Portaria MMA n 113, de 08/04/2011Portaria MMA n 177, de 30/04/2011Etc... (instrumentos legais e normativos federais, estaduais e municipais)Sujeito: pessoas fsicas ou jurdicas, de direito pblico ou privado, responsveis, direta ou indiretamente, pela gerao de resduos slidos e as que desenvolvam aes relacionadas ao gerenciamento de resduos slidos.Resduos Slidos: material, substncia, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinao final se procede, se prope proceder ou se est obrigado a proceder, nos estados slido ou semisslido, bem como gases e lquidos cujas particularidades tornem invivel o seu lanamento na rede pblica de esgotos ou em corpos dgua, ou exijam para isso solues tcnica ou economicamente inviveis em face da melhor tecnologia disponvel;Rejeitos: resduos slidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperao por processos tecnolgicos disponveis e economicamente viveis, no apresentem outra possibilidade que no a disposio final ambientalmente adequada;Instrumentos PNRS

Planos de resduos slidos;

Coleta seletiva, os sistemas de logstica reversa e outras ferramentas relacionadas implementao da responsabilidade compartilhada;

Incentivo criao e ao desenvolvimento de cooperativas ou de outras formas de associao de catadores de materiais reciclveis;

Cooperao tcnica e financeira entre os setores pblico e privado para o desenvolvimento de pesquisas de novos produtos, mtodos, processos e tecnologias de gesto, reciclagem, reutilizao e disposio final;

Incentivos fiscais, financeiros e creditcios;

Sistema Nacional de Informaes sobre a Gesto dos Resduos Slidos; Acordos setoriais;

Termos de compromisso e os termos de ajustamento de conduta;

Responsabilidade compartilhada e Instrumentos da pnrs

artigo 30 da PNRS fabricantes, atacadistas, varejistas, importadores, Poder Pblico e consumidores finais. criao de canais reversos para equacionar a necessidade de gerenciamento dos resduos e para isso h a necessidade premente da constituio de acordos setoriais, visando tornar a gesto dos resduos slidos e a implementao da logstica reversa de forma vivel economicamente e tambm sustentvel.

Plano Nacional de Resduos SlidosPlano Estadual de Resduos SlidosPlano Municipal de Resduos SlidosResponsabilidade AdministrativaArt. 61. Causar poluio de qualquer natureza em nveis tais que resultem ou possam resultar em danos sade humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruio significativa da biodiversidade:Multa de R$ 5.000,00 a R$ 50.000.000,00.Art. 62. Incorre nas mesmas multas do art. 61 quem: IX - lanar resduos slidos ou rejeitos em praias, no mar ou quaisquer recursos hdricos;

X - lanar resduos slidos ou rejeitos in natura a cu aberto, excetuados os resduos de minerao;

XI - queimar resduos slidos ou rejeitos a cu aberto ou em recipientes, instalaes e equipamentos no licenciados para a atividade;

XII - descumprir obrigao prevista no sistema de logstica reversa implantado nos termos da Lei no 12.305, de 2010, consoante as responsabilidades especficas estabelecidas para o referido sistema;Responsabilidade PenalArt. 54. Causar poluio de qualquer natureza em nveis tais que resultem ou possam resultar em danos sade humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruio significativa da flora:

2 Se o crime:V - ocorrer por lanamento de resduos slidos, lquidos ou gasosos, ou detritos, leos ou substncias oleosas, em desacordo com as exigncias estabelecidas em leis ou regulamentos:

Pena - recluso, de um a cinco anos. 3 Incorre nas mesmas penas previstas no pargrafo anterior quem deixar de adotar, quando assim o exigir a autoridade competente, medidas de precauo em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversvel.Educao???

Versus

Ministrios!?Estratgia

Sustentabilidade

PNRSA logstica reversa se inicia na fabricao do produto e no na gerao do resduoControle do ciclo de vida do produto

"Se voc quer transformar o MUNDO, experimente primeiro promover o seu aperfeioamento pessoal e realizar inovaes no seu prprio interior."Dalai Lama

ObrigadoDevemos salvar a raa humana e no o planeta!!!