Pim Unip Web3

of 23 /23

Click here to load reader

Embed Size (px)

Transcript of Pim Unip Web3

UNIP INTERATIVA Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores de Tecnologia REDE SOCIAL WEB3.PIM DE INTEGRAO UNIVERSITRIA UNIP Plo Rio de Janeiro UNIP INTERATIVA Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores de Tecnologia REDE SOCIAL WEB3.PIM DE INTEGRAO UNIVERSITRIA Nomes: Wagner Moreira da Silva RA: 1004022 Diogo Bitencourt da Silva RA: 1006238 Marcelo de Souza Dias RA: 1005839 Gesto da Tecnologia da Informao 2 Semestre UNIP Plo Rio de Janeiro RESUMO No final dos anos 60 e inico dos anos 70 foi marcado pela criao do embrio do que hoje conhecemos como internet. Desse perdo em diante, pudemos observar um crescimento cada vez mais acelerado no desenvolvimento de novas tecnologias que utilizam o meio virtual para integrar e informar o usurio. Entre algumas dessas ondas de desenvolvimento, podemos destacar o surgimento do conceito de Web 1.0 que nada mais do que o conceito de web unidirecional, onde o usurio acessava as pginas e podia extrair o contedo de forma passiva. A segunda onda o que conhecemos como Web 2.0 e que abrange grande parte das pginas que conhecemos hoje em dia, onde o usurio tambm participa de forma bidirecional com o contedo das pginas, contribuindo de forma ativa, seja atravs de preenchimento de formulrios ou atravs de fruns e etc. Hoje estamos vivenciando o surgimento do conceito de Web 3.0 onde a participao do usurio muito mais ativa e contribui com o contedo em tempo real e modificando de forma dinmica o que antes era apenas esttico. Podemos destacar como smbolos desse novo conceito, as redes sociais, como o Orkut, Facebook e LinkdIn. As redes sociais so compostas de usurios que compartilham de um mesmo tipo de relaes, ou interesses comuns. Desse conceito, apresentamos nossa proposta de rede social voltada ao ambiente acadmico onde, de forma dinmica e colaborativa, podemos partilhar de contedo para orientao do aluno onde a contribuio no deriva apenas dos mestres, mas se vale do

esprito comunitrio j presente nos ambirntes comunitrios. Apresentamos nosso projeto de rede social WEB3.PIM de integrao universitria. Palavras-chave: Web 3.0, universidade, internet, colaborativa. ABSTRACT In the late '60s and early '70s saw the creation of the embryo of what we now know as the internet. Period prescribed in this front, we saw an increasingly rapid growth in developing new technologies that use virtual means to integrate and inform the user. Among some of these "waves" of development, we highlight the emergence of the concept of Web 1.0 which is nothing more than the concept of one-way web, where users could access the pages and extract the content passively. The second "wave" is what is known as Web 2.0, which covers much of the pages that we know today, where you also participates in a bidirectional manner with the content of the pages, actively contributing to, either by filling in forms or through forums and so on. Today we are experiencing the emergence of the concept of Web 3.0 where user participation is much more active and contributes to the content in real time and dynamically changing what was once just static. We stand out as symbols of this new concept, social networks like Orkut, Facebook and LinkedIn. Social networks are composed of users who share the same type of relations or interests. This concept, we present our proposal for social network dedicated to the academic environment where, in a dynamic and collaborative, we can share content to guide the student where the contribution is not derived solely from teachers, but relies on the sense of community already present in ambiences community. We present our design of social network integration university WEB3.PIM. Keywords: Web 3.0, university, internet, collaborative. SUMRIO Introduo ................................................................................................................06 2 Aspectos Fsicos do Terminal................................................................................07 2.1 Terminal Especfico para Portadores Deficincia.....................................07 2.2 Direito Constitucional de Acesso aos Bens Culturais............................. ..07 3 Locais de Instalao...............................................................................................09 4 Tecnologia Touch Screen.......................................................................................09 5 Rede Wireless........................................................................................................10 5.1 WMAN - Wireless Metropolitan Area Network. ....................11 6 Sistema Operacional Utilizado nos Terminais..............................................................11 7 Servidor WEB.........................................................................................................12 7.1 Caractersticas ..........................................................................................12 7.2 Pginas Dinmicas e Estticas..................................................................13 7.3 Banco de Dados........................................................................................14 8 O Hardware ...........................................................................................................14 8.1 Processador..............................................................................................14 8.2 Memria ....................................................................................................16

8.3 Hard Disk...................................................................................................17 9 Distribuio de Contedo.......................................................................................18 10 Estrangeiros .........................................................................................................19 11 Respeito Ambiental...............................................................................................19 12 Relatrios e Estatsticas .......................................................................................21 13 Organograma Terminal de Acesso........................................................................21 14 Fluxograma Bsico de Funcionamento do Terminal.............................................22 Concluso ..................................................................................................................23 Fonte de Pesquisas ...................................................................................................24 INTRODUO Buscamos atravs do servio WEB3.PIM oferecer uma ferramenta web, nos moldes de uma rede social, buscando a intergrao dos alunos de diferentes plos do Brasil, alm de estimular o compartilhamento de conhecimento e material didtico, assim como as interaes sociais e otimizao do tempo e dinheiro no que se refere a pesquisa sobre determinado tema. Tambm promover a unio e troca cultural, j que estar integrado em uma nica rede social, todos os Estados do Brasil. sabido que o conceito de rede social j bem difundido entre os universitrios que se utilizam desses meios como forma de integrao social. Queremos, com nosso sistema, criar um ambiente que alm de promover a integrao social, seja tambm um facilitador de estudos, acolhendo o uso de fruns, onde se discutiro temas relacionados as materias, um meio de compartilhamento de contedo didtico. Esse tipo de interao ser beneficiar a Universidade, que ter um canal de comunicao mais acessvel com o aluno e o aluno tambm obter vantanges pois ele poder compartilhar seus obtidos e poder se beneficiar das experincias de outros alunos. O objetivo implantar o WEB3.PIM em todos os plos da UNIPIM espalhados por todos os Estados do Brasil. Sabendo que a UNIPIM no possui uma WAN, pretendemos utilizar a prpria Internet (maior WAN que existe) atravs de uma conexo VPN (Virtual Private Network) para o acesso dos alunos. Ser insalado um DATACENTER na Matriz da UNIPIM em So Paulo para controle da aplicao e criado uma sala WEB3.0 Experience em cada Estado alm do Distrito Federal. Na sala WEB3.0 Experience, sero instalados 4 Estaes de trabalho e um Switch nvel 2 para uso e consulta do sistema quando em teste. 1 ASPECTOS GERAIS DO WEB3.PIM O sistema WEB3.PIM contm uma pgina de PERFIL do aluno, um feed de informaes atualizadas, uma rea de postagem de arquivos, um calendrio, uma caixa de email e uma aba de bate-papo online com possibilidade de audio conferncia. 1.1 PERFIL Na pgina de PERFIL do sistema, o aluno poder inserir as seguintes informaes: Foto do Perfil, composta de uma imagem jpg, ou bmp de no mximo 500kb que possa ser visualizada por outros alunos e ajude a identific-los visualmente.

Informaes Pessoais, onde haver os campos para incluso de dados como gnero, idade, local de nascimento, contato. Essas informaes tm como objetivo fornecer um mapa de informaes sobre o aluno para que ele possa ser identificado melhor e, que se possa saber de sua localizao fsica. Informaes Profissionais, rea onde o aluno, que j est inserido no mercado de trabalho possa informar sua rea de atuao. Da mesma maneira, alunos que ainda no esto inseridos no mercado de trabalho podem preencher as informaes sobre sua rea de interesse, facilitando ao candidato ser identificado por possveis empregadores. Essa parte do banco de dados poder ser enviada para empresas que buscam no meio acadmico, futuros profissionais em formao. Informaes de Interesses, rea onde o usurio poder incluir informaes sobre interesses, como hobbies, livros, filmes, religio, etc. Essas informaes ajudam na hora de se formar interaes com usurios que partilham os mesmos gostos e interesses, que a premissa bsica de uma rede social. lbum do Aluno, onde o aluno poder inserir algumas fotos com comentrios. Cada aluno ir dispor de 20 Megas de espao em disco para incluso de fotos. Esse espao poder ser ampliado de acordo com o desenvolvimento do sistema. Caso o usurio atinja o limite de cota de espao, dever excluir algum arquivo para liberar o espao desejado. 1.2 REA DE MENSAGEM Os e-mails recebidos ficam armazenados em uma pasta, chamada de Caixa de Entrada, em aluso s caixas de correio tradicionais. Na Caixa de Entrada so listados os assuntos das mensagens, seus remetentes e a data de envio. Para acessar o texto da mensagem e seus anexos basta clicar. Com a mensagem aberta, voc poder encaminh-la a outras pessoas, responder a mensagem ao remetente ou responder a todos os destinatrios. Na Caixa de Sada ficam as mensagens pendentes de despacho (sincronizao) para outros usurios. As mensagens podem ser enviadas endereos internos do sistema e tambm para endereos externos. Na caixa Enviadas ficam armazenados os registros de mensagens que j foram enviadas. . 1.3 FRUM DE DISCUSSO Frum de discusso uma ferramenta para pginas de Internet destinada a promover debates atravs de mensagens publicadas abordando uma mesma questo.

O sistema tambm contempla um frum organizado que ser de vital importncia e estimulador do uso do sistema pelos usurios pois nele estaro contidos debates de assuntos de relevncia para os alunos. Atravs desse frum o aluno poder estar retirando muitas dvidas e debatendo sobre matrias com outros alunos. Por experincia prpria, sabemos que muitas dvidas so sanadas nos fruns sem a necessidade de uso de hora-aula do professor. Desta forma, alm dos alunos estarem se ajudando, tambm ajudam ao professor que poder utilizar este tempo na melhor aplicao da matria. Os fruns de discusso basicamente possuem duas divises organizacionais, a primeira faz a diviso por assunto e a segunda uma diviso desse em tpicos. As mensagens ficam ordenadas decrescentemente por data, da mesma forma que os tpicos ficam ordenados pela data da ltima postagem. Todo frum possui regras prprias. Mas a grande maioria dos fruns possuem regras em comum, contra spam, fakes, flood, brigas, tpicos inteis, double posting e ressucitar tpicos. Geralmente quando um usurio desrespeita uma dessas regras, punido com alerta, advertncia, suspenso ou banimento. No caso de usurios no cadastrados (mas tambm pode servir para usurios cadastrados), o bloqueio de IP tambm pode ser aplicado. As regras so mantidas, executadas e modificadas pela equipe de moderao, mas os usurios tambm podem ajudar os moderadores via um sistema de report. 2 DISPOSIO DOS EQUIPAMENTOS NAS UNIDADES Os equipamentos sero instalados em cada uma das 27 Unidades federativas onde a UNIPIM mantm plos. Ser mantido um DATABASE na unidade de So Paulo,que ser descrito com mais detalhes em um captulo posterior. Em cada uma das unidades federativas, ser criada uma sala denominada WEB3.0 Experience onde sero instalados 4 equipamentos para uso dos alunos que no possuem notebooks para acesso a rede wireless. 5 REDE WIRELESS Todas as estaes precisam estar conectadas a um mesmo servidor para que as informaes sejam transmitidas em tempo real e que todos estejam exibindo as mesmas informaes. Uma rede sem fio refere-se a uma rede de computadores sem a necessidade do uso de cabos sejam eles telefnicos, coaxiais ou pticos por meio de equipamentos que usam radiofreqncia (comunicao via ondas de rdio) ou comunicao via infravermelho, como em dispositivos compatveis com IrDA. O uso da tecnologia vai desde transceptores de rdio como walkie-talkies at satlites artificiais no espao. Seu uso mais comum em redes de computadores, servindo como meio de acesso Internet atravs de locais remotos como um escritrio, um bar, um aeroporto, um parque, ou at mesmo em casa, etc. Sua classificao baseada na rea de abrangncia: redes pessoais ou curta distncia (WPAN), redes locais (WLAN), redes metropolitanas (WMAN) e redes geograficamente distribudas ou de longa distncia (WWAN).

Desta forma, o uso da rede wireless de cada plo servir de apoio ao acesso do aluno que j possui um equipamento que possibilite o acesso ao WEB3.PIM. Por questes de segurana, o acesso somente ser disponibilizado para notebooks que possuem 6 SISTEMA OPERACIONAL UTILIZADO NAS ESTAES O Windows 7 a mais recente verso do Microsoft Windows, uma srie de sistemas operativos produzidos pela Microsoft para uso em computadores pessoais, incluindo computadores domsticos e empresariais, laptops e PC's de centros de mdia, entre outros.[1] Windows 7 foi lanado para empresas no dia 22 de julho de 2009, e comeou a ser vendido livremente para usurios comuns s 00:00 horas do dia 22 de outubro de 2009, menos de 3 anos depois do lanamento de seu predecessor, Windows Vista. Diferente de seu predecessor, que introduziu um grande nmero de novidades, o Windows 7 uma atualizao mais modesta e focalizada para a linha Windows, com a inteno de torn-lo totalmente compatvel com aplicaes e hardwares com os quais o Windows Vista j era compatvel. Apresentaes dadas pela companhia no comeo de 2008 mostraram um "Shell" novo, com uma barra de tarefas diferente, um sistema de "network" chamada de "Homegroup", e aumento no desempenho. Algumas aplicaes que foram includas em lanamentos anteriores do Windows, como o Calendrio do Windows, Windows Mail, Windows Movie Maker e Windows Photo Gallery no sero includos no Windows 7; alguns sero oferecidos separadamente como parte gratuito do Windows Live Essentials. O Windows 7 oferece suporte a interface grfica aprimorada, com nova barra de tarefas e suporte para telas touch screen e multi-tctil (multi-touch). Aqui, devemos lembrar que o usurio no ter acesso aos recursos ou menus do Sistema Operacional, apenas ao seu browser e, os links utilizados no sero conectados a internet, somente a intranet que contar com as informaes de maneira fcil e rpida, para impedir que um usurio passe muito tempo ocupando um terminal. Esta tecnologia de bloqueio de menus j existe e de uso comum em diversas lan houses espalhadas pelo Brasil. Apesar da utilizao ser diferente, o objetivo o mesmo: bloquear o acesso a contedo no permitido, protegendo assim o terminal e a rede. 7 O HARDWARE UTILIZADO NAS ESTAES Listamos abaixo a configurao que melhor atende o requisito custo-benefcio para o hardware empregado nas estaes das salas WEB3.0 Experience. 7.1 Processador O microprocessador, popularmente chamado de processador, um circuito integrado que realiza as funes de clculo e tomada de deciso de um computador. Todos os computadores e equipamentos eletrnicos baseiam-se nele para executar suas funes. O microprocessador moderno um circuito integrado formado por uma camada chamada de mesa epitaxial de silcio, trabalhada de modo a formar um cristal de extrema pureza, laminada at uma espessura mnima com grande preciso, depois cuidadosamente mascarada por um processo fotogrfico e dopada pela exposio a altas temperaturas em fornos que contm misturas gasosas de impurezas. Este processo repetido tantas vezes quanto necessrio formao da microarquitetura do componente.

Responsvel pela execuo das instrues num sistema, o microprocessador, escolhido entre os disponveis no mercado, determina, em certa medida a capacidade de processamento do computador e tambm o conjunto primrio de instrues que ele compreende. O sistema operativo construdo sobre este conjunto. Dentre os modelos disponveis no mercado, o da fabricante AMD o que apresenta o melhor custo/benefcio. Destaca-se do seu concorrente direto a INTEL que por muito tempo dominou o mercado mas que hoje baseia-se mais em propaganda do que em tecnologia propriamente dita. A srie de Athlon sempre foi e continua como a principal linha de produtos da AMD. Os CPUs com nomenclatura Athlon possuem recursos e tecnologias voltadas aos usurios que necessitam de alto desempenho, mas que no querem esbanjar no processador mais caro do momento. Atualmente a AMD comercializa quatro tipos de Athlon, os quais sero abordados a seguir.: AMD Athlon X2 Os processadores Athlon X2 so quase iguais entre si (pelo menos quanto s tecnologias que suportam). Todos os CPUs desta srie possuem dois ncleos, compatibilidade com sistemas operacionais de 32 e 64 bits e recursos semelhantes. O que diferencia um Athlon X2 de outro a quantidade de memria interna (cache L1, L2 e L3) e, evidentemente, a freqncia. Alm disso, alguns CPUs Athlon utilizam soquetes (AM2 e AM2+) diferentes. AMD Sempron O Sempron , basicamente, uma verso simplificada do Athlon, desenvolvido para usurios menos exigentes. Evidentemente, a arquitetura interna dos Sempron bem diferente, mas em sntese ele possui vrios recursos presentes nos processadores da srie Athlon. Dentre todos os CPUs vendidos pela AMD, os Sempron so os nicos voltados aos Desktops que no possuem mltiplos ncleos. Obviamente, os processadores da srie AMD Sempron possuem total compatibilidade com instrues de 64 bits, porm eles no apresentam um desempenho to satisfatrio quanto processadores de ncleo duplo ao trabalhar com sistema e programas de 64 bits. At algum tempo atrs, os Sempron acompanhavam grande parte dos computadores, porm com a popularizao de computadores de ncleo duplo, eles esto caindo em desuso. Abaixo voc pode conferir os modelos que a AMD ainda vende desta srie. 7.2 Memria Memria de acesso aleatrio (do ingls Random Access Memory, frequentemente abreviado para RAM) um tipo de memria que permite a leitura e a escrita, utilizada como memria primria em sistemas eletrnicos digitais. O termo acesso aleatrio identifica a capacidade de acesso a qualquer posio em qualquer momento, por oposio ao acesso sequencial, imposto por alguns dispositivos de armazenamento, como fitas magnticas. O nome no verdadeiramente apropriado, j que outros tipos de memria (como a ROM) tambm permitem o acesso aleatrio a seu contedo. O nome mais apropriado seria Memria de Leitura e Escrita.

Apesar do conceito de memria de acesso aleatrio ser bastante amplo, atualmente o termo usado apenas para definir um dispositivo eletrnico que o implementa, basicamente um tipo especfico de chip. Nesse caso, tambm fica implcito que uma memria voltil, isto , todo o seu contedo perdido quando a alimentao da memria desligada. H dois tipos de tecnologia de memria RAM que so muitos utilizados: esttico e dinmico, isto , SRAM e DRAM, respectivamente. H tambm um tipo mais recente chamado de MRAM. Eis uma breve explicao de cada tipo: - SRAM (Static Random-Access Memory - RAM Esttica): esse tipo muito mais rpido que as memrias DRAM, porm armazena menos dados e possui preo elevado se considerarmos o custo por megabyte. Memrias SRAM costumam ser utilizadas como cache (saiba mais sobre cache neste artigo sobre processadores); - DRAM (Dynamic Random-Access Memory - RAM Dinmica): memrias desse tipo possuem capacidade alta, isto , podem comportar grandes quantidades de dados. No entanto, o acesso a essas informaes costuma ser mais lento que o acesso s memrias estticas. Esse tipo tambm costuma ter preo bem menor quando comparado ao tipo esttico; - MRAM (Magnetoresistive Random-Access Memory - RAM Magneto-resistiva): a memria MRAM vem sendo estudada h tempos, mas somente nos ltimos anos que as primeiras unidades surgiram. Trata-se de um tipo de memria at certo ponto semelhante DRAM, mas que utiliza clulas magnticas. Graas a isso, essas memrias consomem menor quantidade de energia, so mais rpidas e armazenam dados por um longo tempo, mesmo na ausncia de energia eltrica. O problema das memrias MRAM que elas armazenam pouca quantidade de dados e so muito caras, portanto, pouco provavelmente sero adotadas em larga escala. 7.3 Hard Disk Disco rgido ou disco duro, no Brasil popularmente chamado tambm de HD (derivao de HDD do ingls hard disk drive) ou winchester (termo em desuso), "memria de massa" ou ainda de "memria secundria" a parte do computador onde so armazenados os dados. O disco rgido uma memria no-voltil, ou seja, as informaes no so perdidas quando o computador desligado, sendo considerado o principal meio de armazenamento de dados em massa. Por ser uma memria no-voltil, um sistema necessrio para se ter um meio de executar novamente programas e carregar arquivos contendo os dados inseridos anteriormente quando ligamos o computador. Nos sistemas operativos mais recentes, ele tambm utilizado para expandir a memria RAM, atravs da gesto de memria virtual. Existem vrios tipos de discos rgidos diferentes: IDE/ATA, Serial ATA, SCSI, Fibre channel, SAS, SSD. Os principais so: IDE - Embora o standard tenha tido a designao ATA desde sempre, o mercado inicial divulgou a tecnologia como IDE (e sucessora E-IDE). Embora estas designaes fossem meramente comerciais e no Standards oficiais, estes termos aparecem muitas vezes ao mesmo tempo: IDE e ATA. Com a introduo do Serial ATA em 2003, esta configurao foi retroactivamente renomeada para Parallel ATA (ou PATA, ATA Paralelo) referindo-se ao mtodo como os dados eram transferidos pelos cabos desta interface. SATA - Diferentemente dos discos rgidos IDE, que transmitem os dados atravs de cabos de quarenta ou oitenta fios paralelos, o que resulta num cabo enorme, os discos rgidos SATA transferem os dados em srie. Os cabos Serial ATA so formados por dois pares de fios (um par para transmisso e outro par para recepo) usando

transmisso diferencial, e mais trs fios terra, totalizando 7 fios,[1] o que permite usar cabos com menor dimetro que no interferem na ventilao do gabinete. As principais vantagens sobre a interface parallel ATA so: maior rapidez em transferir os dados, possibilidade de remover ou acrescentar dispositivos enquanto em operao (hot swapping) e utilizao de cabos mais finos que permitem o resfriamento de ar de forma mais eficiente. Outra questo que deve ser levada em considerao a capacidade de armazenamento do HD que tambm deve atender a uma lgica custo/benefcio. 8 DATACENTER O WEB3.PIM utiliza dois servidores, um de aplicao e outro de Banco de Dados. Esses servidores ficaro alocados no DATACENTER da UNIPIM localizado em So Paulo. Normalmente os DATACENTER so projetados para serem extremamente seguros, abrigam milhares de servidores e bancos de armazenamento de dados, processando grande quantidade de informao. Montados em um salo protegido contra acesso indevido, tem piso elevado para possibilitar a passagem de cabos eltricos e de dados, armrios metlicos (racks), onde so montados os equipamentos e um ambiente totalmente controlado. Contam com sistemas de ltima gerao para extino de incndios, sistema inteligente de deteco precoce de fumaa , e extino de incndio com gs inerte, para no afetar os equipamentos. O acesso controlado por cartes eletrnicos e/ou biometria, o monitoramento permanente, o acesso por porta-eclusa. Ar-condicionado de preciso, com monitoramento constante, mantem a temperatura constante, resfriando os equipamentos. Ambiente operacional monitorado permanentemente, em todos os aspectos, fsico e lgico. O suprimento de energia, alm da concessionria local, usa geradores de energia de grande capacidade e fonte de alimentao ininterrupta (tambm comumente chamados de UPS ou no-breaks) de grande porte, montados em salas anexas, para manter os equipamentos ligados, mesmo em caso de queda no fornecimento. Datacenters consomem at cem vezes mais energia que um escritrio comum. Datacenters da UNIPIM so projetados para atender a rigorosos padres internacionais. A infraestrutura de datacenters exige alta segurana fsica e lgica, asseguradas pelas mais modernas tecnologias do mercado. 9- SEGURANA DA INFORMAO E SISTEMAS DE INFORMAO Identificamos alguns problemas de tratamento e classificao da informao no projeto que est sendo desenvolvido pela WEB.PIN3 para UNIPIM e como o tema se enquadra dentro do mbito de segurana da informao e Sistemas de Informao iremos fazer um breve esboo sobre esse assuntos e logo aps daremos tratamento as questes identificadas. 9.1 A IMPORTNCIA DA INFORMAO

A informao o dado com uma interpretao lgica ou natural dada a ele por seu usurio. A informao tem um valor altamente significativo e pode representar grande poder para quem a possui. A informao contm valor, pois est integrada com os processos, pessoas e tecnologias. A prxima figura demonstra, do ponto de vista estratgico, o relacionamento dos processos, tecnologias e pessoas. [pic] Vivemos em uma sociedade eu se baseia em informaes e que exibe uma crescente propenso para coletar e armazenar informaes e o uso efetivo da informao permite que uma organizao aumente a eficincia de suas operaes. A informao um ativo que, como qualquer outro ativo importante para os negcios, tem um valor para a organizao e conseqentemente necessita ser adequadamente protegida (NBR 17999, 2003). Na sociedade da informao, a informao o principal patrimnio da empresa e est sob constante risco. A informao representa a inteligncia competitiva dos negcios e reconhecida como ativo crtico para a continuidade operacional e sade da empresa. A informao e o conhecimento sero os diferenciais das empresas e dos profissionais que pretendem destacar-se no mercado e manter a sua competitividade. As empresas j perceberam que o domnio da tecnologia como aliado para o controle da informao vital. O controle da informao um fator de sucesso crtico para os negcios e sempre teve fundamental importncia para as corporaes do ponto de vista estratgico e empresarial. Dispor da informao correta, na hora adequada, significa tomar uma deciso de forma gil e eficiente. Com a evoluo dos dados e sistemas, a informao ganhou mobilidade, inteligncia e real capacidade de gesto. A informao substrato da inteligncia competitiva; deve ser administrada em seus particulares, diferenciada e salvaguardada. 9.2- SISTEMAS DE INFORMAO Um sistema de informao pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta (ou recupera), processa, armazena e distribui informaes destinadas a apoiar a tomada de decises, a coordenao e o controle de uma organizao. Alm de dar suporte tomada de decises, coordenao e ao controle, esses sistemas tambm auxiliam os gerentes e trabalhadores a analisar problemas, visualizar assuntos complexos e criar novos produtos. Os sistemas de informao contm informaes sobre pessoas, locais e coisas significativas para a organizao ou para o ambiente que a cerca. Trs atividades em um sistema de informao produzem as informaes de que as organizaes necessitam para tomar decises, controlar operaes, analisar problemas e criar novos produtos ou servios. Essas atividades so a entrada, o processamento e a sada (veja a prxima figura). A entrada captura ou coleta dados brutos de dentro da organizao ou de seu ambiente externo. O processamento converte esses dados brutos em uma forma mais significativa. A sada transfere as informaes processadas s pessoas que as utilizaro ou s atividades em que sero empregadas. Os sistemas de informao tambm requerem um feedback, que a entrada que

volta a determinados membros da organizao para ajud-los a avaliar ou corrigir o estgio de entrada. Os sistemas de informao so partes integrantes das organizaes. Na verdade, para algumas empresas, como as que fazem avaliao de crdito, sem sistema de informao no haveria negcios. Os administradores de hoje devem saber como estruturar e coordenar as diversas tecnologias de informao e aplicaes de sistemas empresariais para atender s necessidades de informao de cada nvel da organizao e s necessidades da organizao como um todo. 9.3- Informao, Competitividade e Estratgia A informao desempenha papis importantes tanto na definio quanto na execuo de uma estratgia. A informao auxilia os executivos a identificar tanto as ameaas quanto as oportunidades para a empresa e cria o cenrio para uma resposta competitiva mais eficaz. A informao funciona tambm como um recurso essencial para a definio de estratgias alternativas. A informao essencial para a criao de uma organizao flexvel na qual existe um constante aprendizado. As organizaes esto modificando-se profundamente, invertendo suas pirmides organizacionais, criando unidades de negcios autnomas, descentralizando decises e constituindo parcerias. A garantia de sua integrao e da manuteno de parmetros comuns de atuao dada pela informao, que flui entre suas vrias partes.A eficcia de uma empresa pode ser definida pela relao entre resultados obtidos e resultados pretendidos. Para que uma empresa possa adotar polticas estratgicas eficazes, necessrio que estas sejam baseadas em informao, que passa a ser a principal matria-prima de qualquer organizao. Da perspectiva de uma empresa, o sistema de informao uma soluo organizacional e administrativa baseada na tecnologia de informao para enfrentar um desafio proposto pelo ambiente (Laundon e Laudon, 2004). Desta forma, os sistemas de informao so essenciais para qualquer organizao. Ter o controle sobre este ambiente essencial para a qualidade dos servios prestados pela empresa. A informao certa comunicada a pessoas certas de importncia vital para a empresa. Para a tomada de decises, necessrios um cuidado detalhado com a integridade, preciso, atualidade, interpretabilidade e valor geral da informao. 9.4- Classificao das Informaes Nem toda informao crucial ou essencial a ponto de merecer cuidados especiais. Por outro lado, determinada informao pode ser to vital que o custo de sua integridade, qualquer que seja, ainda ser menor que o custo de no dispor dela adequadamente. Em (Wadlow, 2000; Abreu, 2001; Boran, 1996) exposto, a necessidade de classificao da informao em nveis de prioridade, respeitando a necessidade de cada empresa assim como a importncia da classe de informao para a manuteno das atividades da empresa: 9.4.1- Pblica informao que pode vir a pblico sem maiores conseqncias

danosas ao funcionamento normal da empresa, e cuja integridade no vital; 9.4.2 -Interna o acesso a esse tipo de informao deve ser evitado, embora as conseqncias do uso no autorizado no sejam por demais srias. Sua integridade importante, mesmo que no seja vital; 9.4.3 -Confidencial informao restrita aos limites da empresa, cuja divulgao ou perda pode levar a desequilbrio operacional, e eventualmente, perdas financeiras, ou de confiabilidade perante o cliente externo, alm de permitir vantagem expressiva ao concorrente; 9.4.4 -Secreta informao crtica para as atividades da empresa, cuja integridade deve ser preservada a qualquer custo e cujo acesso deve ser restrito a um nmero bastante reduzido de pessoas. A manipulao desse tipo de informao vital para a companhia. Entretanto, independentemente da relevncia ou tipo da informao, a gesto dos dados organizacionais estratgica, pois possibilita o apoio para a tomada de decises em qualquer mbito institucional. Algumas informaes so centrais para organizao e a divulgao parcial ou total destas pode alavancar um nmero de repercusses cuja complexidade pode ser pouco ou nada administrvel pela organizao com conseqncias possivelmente nefastas. 9.5- Questes relacionadas encontradas no Projeto WEB.PIN3 Com embasamento dos itens acima sobre a importncia da segurana da informao identificamos algumas questes delicadas em nosso projeto e tentamos corrigi-la. Questo 1 : O reitor da faculdade ser o dono da informao, e todo o projeto ficar sob custdia da WEB3.PIM, porm o Coordenador do Curso de engenharia tentou classificar o projeto como importante ou pblico. Problema identificado: Se o dono da informao o reitor e a WEB.PIN3 est com a custdia do projeto, logo que deve classificar o projeto o Reitor e a WEB.PIN3 como prestadora de servio deve acatar somente a orden do reitor ou a quem ele delegar. Uma informao classificada incorretamente pode por em risco o projeto. Questo 2: Durante a elaborao do Projeto um funcionrio da rea de TI (Jos Silva) levou documentos confidenciais para fora da empresa (constado pelo Time de segurana atravs de rastreamentos) a fortes indcios que esse material foi vendido para o concorrente da UniPIM. Detalhamento do Caso: A WEB.PIN3 possui as polticas de segurana de Informao implantada em toda empresa, tando a parte de classificao da informao quanto a parte de segurana no armazenamento dos dados logo foi identificado uma operao no conforme com um de nossos analistas que foi rastreado pela nossa equipe de segurana.

O erro cometido pelo analista muito grave e pode por em risco inclusive a imagem da WEB.PIN3, pois se tratava de um projeto confidencial, pois se trata de uma inovao no mbito de Univerdidades. Este Projeto WEB 3.0 Experience considerado confidencial at a sua implantao, pois se as universidades concorrentes ficarem sabendo, a UniPIN perder a vantagem de estar na vanguarda com esse novo produto. Aps a implementao do projeto, a classificao das informaes deixar de ser confidencial e passara a ser pblica, conforme definio do dono da informao. 10 - Implementao da Rede WAN Ser implementado uma WAN interligando a rede LAN em cada plo da UNIPin. Ser criado uma sala com 4 PCs desktops chamada de WEB 3.0 Experience Room com um Switch de nvel 2 em cada sala. Os servidores de (aplicao e banco de dados), iro ficar na sala de equipamentos da UniPIM (Data Center) em So Paulo. A WAN de forma a garantir boa performance ser interligada atravs do meio fsico de fibra ptica. 10.1 Plano de REDE Abaixo na figura em anexo segue plano de rede para estabelecer as necessidade do Projeto da UniPIM, com endereamento de IP de classe C, IP V4 e range de Ips privados para WAN. [pic] 11- Linha do Tempo [pic] 12- Tabela de Custos Projeto |Itens |Qtd |Custo | |PC's Desktops |100 |R$ 150.000,00 | |Switches Nivel 2 |25 |R$ 75.000,00 | |Infra Estrutura Servidor |2 |R$ 200.000,00 | |Infra Estrutura de Rede (Sala WEB 3.0 ) |25 |R$ 125.000,00 | |Custo WEB.3PIN |1 |R$ 1.500.000,00 | |Custo Total | |R$ 2.050.000,00 | CONCLUSO Conclumos assim que, o sistema WEB3.PIM ser de extrema utilidade para o aluno e promover, a curto prazo a integrao de alunos e professores, alm de servir como um canal de informao entre a UNIPIM e seus alunos. O uso de um sistema que utiliza como base as redes sociais, de fcil assimilao por seus usurios, uma vez que quase todos so utilizadores de algum tipo de rede social. Dessa forma, o interesse e a curva de aprendizado so bastante acentuados.

O benefcio maior que podemos concluir, alm da integrao, o uso dos fruns para fins acadmicos onde o prprio aluno poder interagir de forma a sanar dvidas de outros. Essas respostas, estando disponveis para consulta, atendero outros alunos. Gerando com isso um repositrio de informao relevante e que proporcionar uma economia de tempo de aula, onde so gastos para retirar essas dvidas. Claro que no estamos querendo que alguns alunos substituam os mestres na resoluo de problemas, uma vez que os professores sero orientados a estarem monitorando os fruns que dizem respeito as suas matrias e respondendo esses questionamentos e dvidas. O sistema dar destaque para as respostas dos professores de forma que elas sejam encontradas com maior facilidade. A Segurana da Informao tambm foi pensada de forma que os dados dos usurios sejam mantidos em mbito interno da UNIPIM. REFERNCIAS: HTTP://wikipedia.org REZENDE, Denis Alcides e ABREU, Aline Frana. Tecnologia da Informao Aplicada a Sistemas de Informao Empresariais. Editora Atlas. So Paulo, 2000. -------. NBR ISO/IEC 17799 Tecnologia da Informao. Cdigo de Prtica para Gesto da Segurana da Informao. Associao Brasileira de Normas Tcnicas. Rio de Janeiro, 2003. DIAS, Cludia. Segurana e Auditoria da Tecnologia da Informao. Axcel Books. Rio de Janeiro, 2000. WADLOW, Thomas. Segurana de Redes. Editora Campus. Rio de Janeiro, 2000. ABREU, Dimitri. Melhores Prticas para Classificar as Informaes. Mdulo e-Security Magazine. So Paulo, agosto 2001. Disponvel em www.modulo.com.br. Acessado em: 17/03/2004.