Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emílio Merino

Click here to load reader

  • date post

    25-Jul-2015
  • Category

    Environment

  • view

    182
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emílio Merino

  • PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE SUSTENTVEL

    Dr. Emilio Merino Consultor Transportes JULHO 2014

    1 SEMINRIO CICLOVIRIO CANOAS

  • INDICE

    Situao atual: fatores da mobilidade urbana

    Conceitos da Mobilidade Urbana e Sustentvel

    Planejamento e poltica cicloviria

    Concluses e recomendaes

  • 1. Situao atual

    OCUPAO TERRITORIAL COM BAIXA DENSIDADE

  • 2. Cenrios Urbanos

    SEGREGAO ESPACIAL MUNDOS DIFERENTES TRANSPORTE DIFERENTE

    PROCESSOS DE URBANIZAO CANOAS: O Patinho feio que virou Cisne

  • 1. Situao atual

    CONGESTIONAMENTO TRNSITO CATICO

    I-MOBILIDADE

  • 1. Situao atual

    Transporte Pblico ineficiente Equilibrio entre oferta-demanda

  • Transporte Pblico ineficiente

    Transporte Pblico

    Sobrelotao

    Transporte Pblico Baixa qualidade no servicio

    1. Situao atual

  • Mobilidade Urbana e poluio ambiental

    1. Situao atual

  • 2. Conceitos de Mobilidade Urbana no Brasil

    Se o objetivo do transporte facilitar o movimento de pessoas e mercadorias a sustentabilidade ser encontrada atravs da promoo dos meios de transporte que facilitem os deslocamentos com um menor impacto ambiental e social. Se o objetivo do transporte facilitar o acesso a bens, servios e contatos, se pode repensar a sustentabilidade a partir da reduo das viagens motorizadas em favor de viagens a p e em bicicleta.

  • 2. Polticas e Diretrizes de Mobilidade Urbana no Brasil

    ESTATUTO DA CIDADE Lei 10257/2001

    Diretrizes I. Garantir diversidade dos modais de transporte. Prioridade ao transporte

    coletivo e no-motorizado e valoriza ao pedestre II. Gesto da Mobilidade urbana integrada ao Plano Diretor Urbano Municipal III. Respeito s especificidades locais e regionais IV. Controle da expanso urbana, universalizao do acesso cidade, melhoria

    da qualidade ambiental e controle dos impactos no sistema de mobilidade gerados pela ordenao do uso do solo.

    Cap. III. Referente ao Plano Diretor, no artigo 41, determina que cidades com mais de 500.000 hab. Dever ser elaborado um plano de transporte integrado, compatvel com o plano diretor urbano

  • 2. Polticas e Diretrizes de Mobilidade Urbana no Brasil

    POLTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTVEL - M.Cidades, 2004

    Diretrizes: foram elaboradas 30 diretrizes

    Princpios : foram enunciados 10 princpios Participao e controle social Desenvolvimento das cidades por meio da mobilidade Mobilidade urbana centrada nos deslocamentos das

    pessoas

    1. Prioridade para T. coletivo e no-motorizados e pedestres 2. Participao social e incluso social 3. Barateamento das tarifas 4. Financiamento da infraestrutura 5. Planos diretores urbanos: melhor distribuio de atividades e reduzam a necessidade de deslocamentos motorizados 6. Circulao do transporte de carga 7. Transporte eficiente e de qualidade 8. Articulao entre municpios e Estado para melhorar a mobilidade metropolitana 9. Plano Diretor integrado > 500.000 hab 10. Coibir o transporte ilegal de passageiros 11. Plano Diretor: considerar os Polos geradores De trfego

    Estratgias A. Melhoria de transporte urbano B. Planejamento integrado e Transporte e

    Uso do solo C. Promoo da circulao no-motorizada D. Uso racional do automvel

  • 2. Conceitos de Mobilidade Urbana no Brasil

  • 3. Planejamento e Poltica Cicloviria: Entraves !!!

    1. PLANO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTVEL:

    Documento que oriente as polticas, diretrizes , estratgias e aes da mobilidade sustentvel de Canoas. Interfaces entre TODOS os modais de transporte, priorizao e gesto.

    2. GESTO DA MOBILIDADE: Problemas da mobilidade

    enfrentados desde o lado da oferta e no da demanda.

    Palavras chave: Organizao-Coordenao-

    Informao-Comunicao

  • 3. Planejamento e Poltica Cicloviria: Entraves !!!

    Janeiro 2012

  • 3. PLANO DIRETOR CICLOVIARIO:

    Planejamento/ execuo a. Normativa da compensao

    ambiental: financiamento b. Promoo da bicicleta como modo

    de transporte urbano c. Gesto onde se assegure a

    participao efetiva dos atores sociais e parceiros. Incluir indicadores de gesto.

    d. Material de divulgao (manual, guias, etc.).

    Plano Participativo e Colaborativo para a

    PROMOO DAS BICIS como modo de Transporte Urbano

    : CANOAS Como vamos

    3. Planejamento e Poltica Cicloviria: entraves

  • 3. Integrao da bici na poltica geral de transporte (b)

    Parceria de bicicletas com pedestres

    juntos na idealizao do espao e desenho urbano

    as melhorias das bicis significam, tambm, melhorias para os pedestres

    reivindicaes comuns: moderao do trafego; regulao semafrica; mobilirio urbano; arborizao, etc

  • 3. Integrao da bici na poltica geral de transporte (c)

    Parceria com o transporte pblico

    potenciao de ambos: bici alimentador dos trajetos de T.P de longo percurso

    uso compartido do virio, paradas e estaes de intercambio

    transporte das prprias bicis dentro dos veculos : TRENSURB

    acessibilidade micro e macro

  • 3. Facetas de uma poltica favorvel Pro- bicis

    Uma poltica de promoo da bici ligado a seu aspecto de engenharia (construo da infraestrutura) foram um fracasso..... e no recuperaram a bici para a cidade como modo de transporte urbano....

    Pesquisas de promoo de bicis no se encontram exclusivamente na oferta de infraestrutura, seno que estas devam entender entender o comportamento dos usurios diante do transporte...

    Lajeado RS

    Uso de ciclovias como estacionamento 21,6 km - 7 hr 18 hr.

  • 3. Facetas de uma poltica favorvel Pro- bicis

    Uma poltica de promoo das bicis deve partir de um Plano para recm desenvolver os aspectos de engenharia, e valorar aspectos educativos, culturais e normativos....

    Lajeado RS

    Um Plano ciclovirio deve incluir, por outro lado, uma anlise financeira e oramentria e colocar forte nfase na participao cidad...

  • 3. Uma poltica favorvel: planejamento

    Iniciativas no integradas num planejamento global, levam ao fracasso

    Resolver primeiro os obstculos e condicionantes do uso da bici.

    Construir um marco minimamente coerente de objetivos, priorizao e hierarquia

    identificar ao destinatrio da promoo. No todos os ciclistas so iguais

    Contar com um Plano global para o desenvolvimento das bicicletas

  • 3. Uma poltica favorvel: engenharia

    Realizar um planejamento da infraestrutura coerente com o plano global de desenvolvimento das bicicletas

    Informao: estrutura urbana, modelo de transportes, barreiras artificiais e naturais.

    Linhas de desejo dos futuros/ potenciais deslocamentos de bici (croquis da rede) conjunto articulado de diversos tipos de vias que facilitem a circulao dos ciclistas

    Esquema global de circulao (no sujeitos a vontade municipal)

    Consistncia com os usos previsveis e sintonia com as necessidades locais de espao e circulao

  • 3. Uma poltica favorvel: educao e cultura

    Processo de extenso e difuso do conhecimento de trafego e segurana

    objetivo: estabelecer um marco de valorao social da bici. Conhecimento das vantagens individuais e coletivos da bici e desvanecer a ideia de que esta serve s para lazer,esporte, crianas e pobres

    Educao no s para ciclistas seno para toda a populao

    No caso dos ciclistas a educao deve focar no comportamento que permite reduzir os riscos... ciclismo defensivo

    Educao vial do ciclista infantil < habilidades e capacidade de compreender as diversas circunstancia do trafego>

  • 3. Uma poltica favorvel: educao e cultura

    ALEMANHA 7 X 1

  • 3. Uma poltica favorvel: Promoo

    Deve-se evitar 4 erros fundamentais:

    1. Suposto de que os meios de comunicao, tcnicos e polticos esto em sintonia com a opinio pblica. Importncia dos formadores de opinio

    2. Atribuir infundadas expectativas de cmbios s simples campanhas de promoo. Quando os cmbios na imagem no se traduzem, necessariamente, em mudanas comportamentais

    3. realizao de campanhas em vazio, sem o suporte de um plano integral

    4. No se deve restringir a uma ao localizada no tempo e espao. Deve-se envolver todos os mecanismos de comunicao pblica

  • 3. Uma poltica favorvel: Financiamento

    O fato de que a infraestrutura das bicis custe bem menos que a do transporte motorizado, no significa que esforo e dedicao sejam menores

    Em Londres (1981) A Administrao se comprometeu a empregar 1% do oramento do Departamento de Transporte nas bicicletas

    Na Holanda (Delft e Groningen) durante vrios anos se dedicou todo o oramento municipal de transportes, dedicado s as bicicletas.

  • 3. Uma poltica favorvel: Participao Social

    Participao Social = exigncia democrtica na promoo das bicis que garanta que as necessidades dos usurios sejam plasmadas no projeto

    A falta de expertise de ciclista que caracteriza a boa parte dos tcnicos da prefeitura pode ser paliada com a participao dos ciclistas (usurios)

    Planejamento compartilhado por parte da prefeitura e os grupos de defesa das bicis

    * Grupo de Trabalho da bici (Amsterd)

    * Comit de Enlace entre a prefeitura e os ciclistas (Londres)

    * Comisso Cvica da Bici (Barcelona)

  • 3. Uma poltica favorvel: Normativa

    Conjunto de Normas de aspectos variados da atividade social e econmica da cidade; Regras de jogo urbansticas at as que probem ou permitem a circulao de bicis nos parques ou mesmo com os estacionamentos/ circulao pela calcada de pedestres

    Regras urbansticas (corto/meio/longo prazo) que permitam realizaes concretas

    No esta livre de conflitos e dificuldades (beneficio de ciclistas restam privilgios ao transporte motorizado)

    Aceitao das regras de trafego pelos ciclistas, dependem de que estes percebam de que elas contribuem para sua comodidade e segurana

  • 3. Uma poltica favorvel: Avaliao e seguimento

    O xito de uma poltica de promoo da bici no se pode medir exclusivamente atravs de parmetros numricos: numero de ciclistas que usam uma via ou numero de acidentes

    No se pode esperar cmbios drsticos e imediatos nos hbitos de deslocamento da populao e por conseguinte esperar um uso massivo da bici, ali onde antes havia uns quantos esportistas

    Deve-se ter muita precauo hora de avaliar os resultados locais e globais de qualquer poltica de promoo de bicicletas, especialmente, no terreno dos acidentes.

  • 4. Propostas e Sugestes

    Morte de ciclista Bairro Mario Quintana ( 01/06/2012)

  • 3. Propostas e Sugestes

    MUITO OBRIGADO

    Dr. Emilio Merino Domnguez

    [email protected]