REFLEXÕES EM TORNO DO ENSINO DE ARTE E SUAS RELAÇÕES COM A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ms. Miguel Luiz...

download REFLEXÕES EM TORNO DO ENSINO DE ARTE E SUAS RELAÇÕES COM A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ms. Miguel Luiz Ambrizzi – miguelirou@hotmail.com - CEPAE-UFG / FESURVmiguelirou@hotmail.com.

If you can't read please download the document

  • date post

    17-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    107
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of REFLEXÕES EM TORNO DO ENSINO DE ARTE E SUAS RELAÇÕES COM A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ms. Miguel Luiz...

  • Slide 1
  • REFLEXES EM TORNO DO ENSINO DE ARTE E SUAS RELAES COM A EDUCAO AMBIENTAL Ms. Miguel Luiz Ambrizzi miguelirou@hotmail.com - CEPAE-UFG / FESURVmiguelirou@hotmail.com Rosilda Alves Bessa Nunes rosildabessa@hotmail.com - Escola Estadual Justiniano Jos Machado - Pontalina-GOrosildabessa@hotmail.com Resumo: Discutimos a importncia do ensino de Arte e o seu cruzamento com a educao ambiental, relatando o resultado de uma pesquisa no campo da teoria do ensino e da histria da arte que resultou em projetos realizados na Escola Rural Dr. Jos Guimares, com os alunos da 6 srie, em 2006 e no CEPAE-UFG, com alunos do 3 ano do ensino fundamental, em 2007. Pretendemos mostrar que dentro de Arte possvel trabalhar este tema transversal no se distanciando do objetivo geral da disciplina. Levar os alunos a refletirem sobre as questes do ambiente no sentido de que as relaes do ser humano com a natureza e com as pessoas assegurem uma qualidade de vida no futuro, educando as crianas e jovens para proteger, conservar e preservar. Tivemos por objetivos discutir com os alunos a presena de problemas ambientais e desenvolver a percepo esttica do mundo natural, contemplao e preservao da natureza tendo como referncia as obras e as intenes do artista Frans Krajcberg, para elaborar trabalhos artsticos com materiais naturais que perderam suas vidas naturalmente (galhos, pigmentos, etc). Os contedos trabalhados foram conceitos e princpios aprendidos primordialmente via interao e re-construo de sentidos (atribuio de significado pelo aprendiz). Palavras-chave: ensino de arte, Frans Krajcberg, arte e natureza. A sociedade est em risco devido destruio da natureza e aos problemas humanos decorrentes da degradao ambiental. A sobrevivncia humana est ameaada principalmente para as pessoas que vivem em lugares sem nenhuma infra- estrutura adequada como: nas favelas, nos cortios, nas moradias inadequadas e na zona rural. Do ponto de vista pedaggico, todas as vises sobre preservao ambiental: conservacionista, naturalista e gesto ambiental no se excluem. A educao ambiental contribui na formao humana e pode contar com o apoio da Arte. Este trabalho tem como objetivo mostrar a importncia da Arte Natureza na educao ambiental, relatando o desenvolvimento de um projeto realizado na Escola Rural Dr. Jos Guimares, com os alunos da 6 srie, em 2006 e no Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada Educao CEPAE-UFG, em 2007, com alunos do 3 ano do Ensino Fundamental. O que motivou este projeto foi mostrar que a disciplina Arte pode trabalhar este tema transversal Meio Ambiente sem se distanciar do objetivo geral da disciplina, levando os alunos a refletirem sobre as questes do ambiente, no sentido de que as relaes do ser humano com a natureza e com as pessoas, assegurem uma qualidade de vida no futuro. Buscamos educar as crianas para proteger, conservar e preservar espcies, o ecossistema e o planeta como um todo; ensinando-os a promover o auto-conhecimento e a integrao com a natureza, introduzindo a tica da valorizao e do respeito diversidade das culturas, s diferenas entre as pessoas. As inmeras experincias que ocorrem no dia-a-dia nos fazem refletir um pouco mais quanto temos que estar atentos quanto significao das aulas de arte. No caso da cidade de Pontalina, a zona rural foi o ponto de partida nas prticas artsticas onde Rosilda pde deixar marcas de experincias e tomar conscincia do valor das artes na sua vida e na dos seus alunos. O entorno do Cepae, cheio de campos e bosques serviu como incio das reflexes sobre a preservao e conservao do local de estudo, se estendendo para o bairro e para a cidade. A proposta escolhida foi trabalhar com a produo do artista Frans Krajcberg. Ensinamos os alunos a perceberem as cores, os pigmentos e as formas encontradas na natureza local na sua realidade alm de proporcionar-lhes uma reflexo sobre a preservao do meio ambiente, to defendida por este artista. Portanto, ao trabalharmos com a apreciao leitura das obras de um artista e se propusermos uma atividade prtica em sala de aula, tomando como referncia tal produo, vemos que a releitura seria uma forma ideal para conduzir este trabalho. Pensando em todas essas questes tericas e histricas a respeito da leitura e da releitura, percebemos e identificamos que os alunos necessitavam diferenciar um material natural e a sua utilizao na arte, distinguir um objeto natural de um artstico. Para os alunos que vivem numa realidade rural sem condies e acesso arte em grandes instituies como galerias e museus o trabalho seria levar a arte at eles, mesmo que em forma de reprodues. Acreditamos que, atravs deste contato, os alunos puderam ter um grande salto de conhecimento ao conhecer a produo de um artista que est intimamente ligado s questes ambientais. Atravs destas atividades, os alunos refletiram sobre o seu prprio lugar em que vivem e, com a valorizao de tal realidade, olharam e releram o seu espao, como a natureza se apresenta aos seus olhares. Dentre os vrios artistas que trabalham na temtica do cruzamento da arte e da natureza, escolhemos o artista Frans Krajcberg que ativamente defensor ambiental e manifesta o seu sentimento de revolta contra a devastao das florestas no Brasil e no mundo. O artista polons busca a natureza integral para dar novos significados aos valores individuais com que opera o sensvel e cria a obra de arte. Pretende restabelecer o pacto entre homem e natureza e assim reverter os caminhos j percorridos (LUZ, 2000). Trabalhos feitos por visitantes que iniciaram a visita com as atividades de arte e cincia e oficina de artes plsticas Trabalhos realizados por visitantes que freqentaram primeiro a exposio com monitoria Neste contexto de significativas experimentaes artsticas, pudemos desenvolver com os alunos trabalhos de pinturas com pigmentos naturais (lminas) e esculturas com galhos e troncos colhidos (danarinos) nos passeios realizados em torno das dependncias das escolas. Buscamos, desenvolver a personalidade e a percepo artstica e esttica do mundo natural que os rodeiam e uma conscincia critica em relao ao meio ambiente, despertando assim a sensibilidade para a arte. Apresentamos, sinteticamente, os procedimentos metodolgicos das 6 aulas, apresentados abaixo seguidos de uma avaliao: - Discusso sobre os problemas ambientais que esto perto da realidade dos alunos: nas escolas, nas casas e nos bairros. Trabalhamos um texto sobre as marcas da destruio desordenada da natureza, sobre a harmonia nas relaes entre os seres vivos, entre si e os seres vivos e o meio ambiente - chamado equilbrio ecolgico - e o desequilbrio ambiental, provocando grandes estragos mo meio ambiente. - Questes como: O homem, com suas atitudes equivocadas, est destruindo o meio ambiente. Ser que poderamos aproveitar esse vestgio de queimadas, restos de troncos e galhos, materiais que no servem muito, e us-los atravs da Arte? E assim, ser que poderamos conscientizar os homens de seus erros e as suas futuras consequncias?. - Apreciao de um videoclipe com imagens de obras do artista leitura de reprodues de obras (aspectos formais, materiais, linguagem, bidimensionalidade e tridimensionalidade) e abordagem biogrfica guerra vinda ao Brasil lutas pela natureza relaes entre beleza natural e destruio humana preservao ambiental e o papel da arte. - Atividade de leitura e releitura trabalhando os conceitos propostos pelo artista, atravs das reprodues os trabalhos dos alunos foram feitos com lpis de cor e grafite. Percebemos que os materiais limitaram suas releituras,pois os alunos se deteram percepo da forma da reproduo, variando somente o tratamento cromtico. Neste caso, o trabalho no atinge o cerne da proposta do artista e de nossa ao pedaggica que a de trabalhar a percepo da forma natural e transforma-la em arte. Para isso, os alunos realizaram um passeio pelo entorno das escolas. Em Pontalina, os pais acompanharam o passeio. - Um trabalho interdisciplinar com as aulas de geografia foi desenvolvido em Pontalina, onde a professora trabalhava o contedo composio e camada do solo e havia montado um laboratrio com diversas amostragens de solo, coletado pelos prprios alunos na regio onde moram. Realizaram a observao das vrias tonalidades de pigmentos do solo, que estavam expostos na sala de aula. Relaes com as pinturas rupestres e as obras de Krajcberg foram materializadas com os trabalhos de pintura utilizando os pigmentos naturais do solo. - Preparao de tintas com pigmentos e elementos naturais como: folhas cadas, troncos queimados, urucum e aafro; trabalhos de pintura com o tema arte e meio ambiente foram desenvolvidas trabalhando figurao e abstrao (a cor a expresso). Os alunos exploraram a textura das tintas, variaes tonais e estudos compositivos. -Em Pontalina, foram feitos trabalhos de colagem sobre telas de algodo cru foram elaborados com os materiais colhidos no passeio (Fig. 2). Conceitos de simetria, proporo e textura. No local, vrios membros da escola nos visitaram, ficaram maravilhados com o trabalho realizado. No Cepae, os alunos fizeram pinturas e colagens sobre papel carto A3 (Fig. 3, 4 e 5). -- Trabalhos com esculturas conhecer, relacionar e ressignificar os materiais naturais tridimensionalidade: cips, galhos e troncos queimados, cascas - e tcnicas de pintura com os pigmentos naturais (Fig. 6 e 7). Materiais utilizados: furadeira, serrote, faco, faca. O processo de percepo destes materiais demonstraram que os alunos trouxeram sua forma de acordo com o que eles achavam mais parecido antes de resignificar, como por exemplo: um aluno pegou um galho queimado e disse que parecia jacar e que iria trabalhar no formato do jacar, outras era uma cabea de vaca, e assim foram todos os grupos. A aprendizagem pela resoluo do problema de preservao da natureza, interpretao do problema e convvio com as dvidas foi orientada no processo de desenvolvimento do projeto, o qual foi parte integrante do todo social e desenvolveu aes em parceria com a famlia