a08s01 - Rotinas

of 14/14
9/18/2010 1 ROTINAS DE TRABALHO PROCEDIMENTOS NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade NR10: 10.11 Procedimentos de Trabalho 10.11.1 Os serviços em instalações elétricas devem ser PLANEJADOS e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho específicos, PADRONIZADOS, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR. Serviços em Instalações Elétricas Planejados Conformidade com Procedimentos de trabalho específicos Padronizados Descrição Detalhada 10.11.1 Um aspecto importante é que o procedimento técnico não é mais separado do procedimento de segurança.
  • date post

    24-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    311
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of a08s01 - Rotinas

9/18/2010

ROTINAS DE TRABALHO PROCEDIMENTOS

NR10: 10.11 Procedimentos de TrabalhoNR-10 - Segurana em Instalaes e Servios com Eletricidade

10.11.1

Planejados

Os servios em instalaes eltricas devem ser PLANEJADOS e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho especficos, PADRONIZADOS, com descrio detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR.

Descrio Detalhada

Servios em Instalaes Eltricas

Conformidade com Procedimentos de trabalho especficos

Padronizados

10.11.1

Um aspecto importante que o procedimento tcnico no mais separado do procedimento de segurana.

1

9/18/2010

10.11.2

10.11.3

Os servios em instalaes eltricas devem ser precedidos de ordens de servio especificas, aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mnimo, o tipo, a data, o local e as referncias aos procedimentos de trabalho a serem adotados. a08.1 - OS.pdf

Os procedimentos de trabalho devem conter, no mnimo, objetivo, campo de aplicao, base tcnica, competncias e responsabilidades, disposies gerais, medidas de controle e orientaes finais.

Objetivo: Alvo que pretende atingir se

Campo de aplicao: Limite ou situao para o emprego do documento

Base tcnica: Fundamentao e embasamento tcnico adotado

Medidas de controle: Coletivo das aes estratgicas de preveno destinadas a eliminar ou reduzir, sob controle, as incertezas com capacidade potencial para causar leses ou danos sade dos trabalhadores e ao patrimnio, na atividade e ambiente objeto da anlise.

Competncias e responsabilidades: Indicao das atribuies e responsabilidades em todos os nveis envolvidos

Disposies gerais: Distribuio organizada dos assuntos tratados no documento

a08.1 - Procedimento.pdf

10.11.4

10.11.5

Os procedimentos de trabalho, o treinamento de segurana e sade e a autorizao de que trata o item 10.8 devem ter a participao em todo processo de desenvolvimento do Servio Especializado de Engenharia de Segurana e Medicina do Trabalho - SESMT, quando houver.

A autorizao referida no item 10.8 deve estar em conformidade com o treinamento ministrado, previsto no Anexo II desta NR.

2

9/18/2010

10.11.6

10.11.7

Toda equipe dever ter um de seus trabalhadores indicado e em condies de exercer a superviso e conduo dos trabalhos.

Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto com o responsvel pela execuo do servio, devem realizar:Uma avaliao prvia; Estudar; e Planejar as atividades e aes a serem desenvolvidas no local,

de forma a atender os princpios tcnicos bsicos e as melhores tcnicas de segurana aplicveis ao servio.

10.11.8

A alternncia de atividades deve considerar a anlise de riscos das tarefas e a competncia dos trabalhadores envolvidos, de forma a garantir a segurana e a sade no trabalho.

Rotinas de trabalho Procedimentos

NR-10 - Segurana em Instalaes e Servios com Eletricidade

Rotinas de trabalho Procedimentos

Instalaes desenergizadas; Liberao para servios; Sinalizao; Inspees de reas, servios, ferramental e equipamento;

Instalaes desenergizadas

3

9/18/2010

Objetivo

Campo de aplicao

Definir procedimentos bsicos para execuo de atividades/trabalhos em sistema e instalaes eltricas desenergizadas.

Aplica-se s reas envolvidas direta ou indiretamente no planejamento, programao, coordenao e execuo das atividades, no sistema ou instalaes eltricas energizadas.

Impedimento de equipamento

Isolamentos eltricos do equipamento ou instalao, eliminando a possibilidade de energizao indesejada, indisponibilizando operao enquanto permanecer a condio de impedimento. Desenergizao

Conceitos Bsicos

NR-10 - Segurana em Instalaes e Servios com Eletricidade

Responsvel pelo servioEmpregado da empresa ou de terceirizada que assume a coordenao e superviso efetiva dos trabalhos. responsvel pela viabilidade da execuo da atividade e por todas as medidas necessrias segurana dos envolvidos na execuo das atividades, de terceiros, e das instalaes.

PES Pedido para Execuo de Servio

Documento emitido para solicitar a rea funcional responsvel pelo sistema ou instalao, o impedimento de equipamento, sistema ou instalao, visando a realizao de servios.

4

9/18/2010

AES Autorizao para Execuo de Servio

Desligamento programado

a autorizao fornecida pela rea funcional, ao responsvel pelo servio, liberando e autorizando a execuo dos servios.

A AES parte integrante do documento PES.

Toda interrupo programada do fornecimento de energia eltrica, deve ser comunicada aos clientes afetados formalmente com antecedncia contendo: Data; Horrio; Durao

pr-determinados do desligamento.

Desligamento de emergncia

Interrupo do fornecimento de energia eltrica sem aviso prvio aos clientes afetados, se justifica por motivo de fora maior.

Bairro do Valentina jul/2010

5

9/18/2010

Interrupo momentnea

Interrupo momentnea???

Toda interrupo provocada pela atuao de equipamentos de proteo com religamento automtico.

O sistema de distribuio de energia eltrica est sujeito a perturbaes de vrias origens tais como:

Sobretenses

Descargas atmosfricas Comutao (maquinas de grande potncia ou Manobras e/ou defeitos na alimentao eltrica)

Problemas mecnicos na rede; Problema de natureza trmica; Atos de vandalismo; e Curto-circuito.

Religadores

Por sua versatilidade podem proporcionar religamentos automticos dando maior versatilidade ao sistema eltrico.Maior continuidade; Grande parte dos (fortuitos).

Estudos estatsticos revelam que cerca de 96% dos curtos circuitos so temporrios e que so eliminados quase que em sua totalidade no primeiro religamento. Estes defeitos tm como causa os seguintes agentes:

defeitos

serem

temporrios

Umidade; Galhos de rvores; Fauna; Fortes ventos; Salinidade; Contaminao dos isoladores; Sobretenses na rede que podem romper o isolamento causando a ionizao do ar, provocando o arco-eltrico dando origem a curtos-circuitos.

video0055.avi

Procedimentos gerais de seguranaNR-10 - Segurana em Instalaes e Servios com Eletricidade

6

9/18/2010

Procedimentos gerais de segurana

Procedimentos gerais para servios programados

Todo servio deve ser planejado antecipadamente e executado por equipes devidamente treinadas e autorizadas de acordo com a NR-10.

O empregado que coordenar a execuo das atividades/trabalhos em sistema e instalaes eltricas desenergizadas, ter como responsabilidades:Apresentar os projetos a serem analisados, com os respectivos estudos de viabilidade, tempo necessrio para execuo das atividades/trabalhos; Definir os recursos materiais e humanos para cumprimento do planejado; Entregar os projetos que envolverem alterao de configurao do sistema e instalaes eltricas rea funcional responsvel.

Emisso do PES

Etapas de Programao

Dever ser emitido para cada servio, quando de impedimentos distintos. Quando houver dois ou mais servios que envolvam o mesmo impedimento:

Elaborao da Manobra ProgramadaSeqncia das manobras necessrias para garantir a ausncia de tenso no trecho do servio e a segurana nas operaes; Seqncia de manobras para retorno situao inicial;

Data, horrio previsto para inicio e fim do servio;

Apenas um PES; Emitido um para cada responsvel.

Descrio sucinta da atividade;

Trecho eltrico a ser desligado, identificado por pontos significativos;

Divulgao do desligamento programado, aos envolvidos;

Nome do responsvel pelo servio;

Dados dos clientes interrompidos, rea ou linha de produo;

As reas/clientes afetados pelo desligamento programado devem ser informadas com antecedncia da data do desligamento.

Etapas de Programao

Etapas de Programao

Aprovao do PES Procedimentos Gerais Caso o responsvel pelo servio no esteja de posse do PES/AES, a rea funcional responsvel no autorizar a execuo do desligamento. O impedimento do equipamento/instalao depende da solicitao direta do responsvel pelo servio rea funcional responsvel, devendo este j se encontrar no local onde sero executados os servios.

Procedimentos Gerais Para todo PES dever ser gerada uma Ordem de Servio OS. A rea funcional responsvel autorizar o incio da execuo da atividade aps confirmar com o responsvel pelo servio, os dados constantes no documento em campo, certificando-se de sua igualdade. Aps a concluso das atividades e liberao do responsvel pelo servio, a rea funcional responsvel, coordenar o retorno configurao normal de operao, retirando toda a documentao vinculada execuo do servio.

7

9/18/2010

Etapas de Programao

Servios de Emergncia

Procedimentos Gerais Caso haja mais de uma equipe trabalhando em um mesmo trecho, a normalizao somente poder ser autorizada pela rea funcional responsvel aps a liberao do trecho por todos os responsveis. Nos casos em que os servios no forem executados ou executados parcialmente conforme a programao, o responsvel pelo servio dever comunicar rea funcional responsvel, para adequao da base de dados e reprogramao dos servios.

Registro de Reclamao no Callcenter

Callcenter rea funcional responsvel Envio de equipe para o local Informaes:O motivo do impedimento; O nome do solicitante e do responsvel pelo servio; Descrio sucinta e localizao das atividades a serem executadas; Tempo necessrio para a execuo das atividades; Elemento a ser impedido.

Etapas de Programao

Procedimentos para servios de emergncia A rea funcional responsvel dever gerar uma Ordem de Servio OS e comunicar, sempre que possvel, os clientes afetados. Aps a concluso dos servios e conseqente liberao do sistema por parte do responsvel pelo servio, rea funcional responsvel coordenar o retorno configurao normal de operao, retirando toda a documentao vinculada execuo do servio.

Liberao para servios

Objetivo

Campo de Aplicao

Definir procedimentos bsicos para liberao da execuo de atividades/trabalhos em circuitos e instalaes eltricas desenergizadas.

Aplica-se s reas envolvidas direta ou indiretamente no planejamento, programao, liberao, coordenao e execuo de servios no sistema ou instalaes eltricas.

8

9/18/2010

Falha

Irregularidade total ou parcial em um equipamento, componente da rede ou instalao, com ou sem atuao de dispositivos de proteo, superviso ou sinalizao, impedindo que o mesmo cumpra sua finalidade prevista em carter permanente ou temporrio.

Conceitos Bsicos

NR-10 - Segurana em Instalaes e Servios com Eletricidade

Defeito

Interrupo

Irregularidade em um equipamento ou componente do circuito eltrico, que impede o seu correto funcionamento, podendo acarretar sua indisponibilidade.

Programada

Interrupo no fornecimento de energia eltrica por determinado espao de tempo, programado e com prvio aviso aos clientes envolvidos. Interrupo no fornecimento de energia eltrica sem prvio aviso aos clientes.

No Programada

Procedimentos gerais

Procedimentos gerais

Definio das equipes e dos recursos alocados sero considerados todos os aspectos, tais como:comprimento do circuito; dificuldade de acesso; perodo de chuvas; existncia de cargas; e clientes especiais.

Definio e considerados:

liberao

dos

servios,

sero

os pontos estratgicos dos circuitos; tipo de defeito; tempo de restabelecimento; importncia do circuito; comprimento do trecho a ser liberado; cruzamento com outros circuitos; seqncia das manobras necessrias para liberao dos circuitos envolvidos.

9

9/18/2010

Procedimentos gerais

Procedimentos geraisTransmitir claramente as normas de segurana aplicveis, dedicando especial ateno execuo das atividades fora de rotina; Certificar de que os envolvidos esto conscientes do que fazer, onde fazer, como fazer, quando fazer e porque fazer.

Antes de iniciar qualquer atividade o responsvel pelo servio deve reunir os envolvidos na liberao e execuo da atividade e:Certificar-se de que os empregados envolvidos na liberao e execuo dos servios esto munidos de todos os EPIs necessrios; Explicar aos envolvidos as etapas da liberao dos servios a serem executados e os objetivos a serem alcanados;

Sinalizao de segurana Sinalizao

A sinalizao de segurana consiste procedimento padronizado destinado a:Orientar; Alertar; Avisar; e Advertir

num

Pessoas quanto aos riscos ou condies de perigo existentes, proibies de ingresso ou acesso e cuidados e identificao dos circuitos ou parte dele.

Placas

Placas

Destinada advertir as pessoas quanto ao perigo de ultrapassar reas delimitadas onde haja a possibilidade de choque eltrico, devendo ser instalada em carter permanente.

Destinada a advertir para o fato do equipamento em referncia, mesmo estando no interior da rea delimitada para trabalhos, encontrar-se energizado.

10

9/18/2010

Placas

Placas

Destinada a alertar quanto a possibilidade de exposio a rudo excessivo e partes volantes, quando de partida automtica de grupos auxiliares de emergncia.

Destinada a advertir quanto ao perigo de exploso, quando do contato de fontes de calor com os gases presentes em salas de baterias e depsitos de inflamveis, devendo a mesma ser afixada no lado externo.

Placas

Placas

Destinada a alertar quanto obrigatoriedade do uso de determinado equipamento de proteo individual.

Destinada a alertar quanto a necessidade do acionamento do sistema de exausto das salas de baterias antes de se adentrar, para retirada de possveis gases no local.

Placas

Placas

Destinada a alertar a Operao, Manuteno e Construo quanto a necessidade de espera de um tempo mnimo para fazer o Aterramento Mvel Temporrio de forma segura e iniciar os servios.

Advertir terceiros quanto aos perigos de choque eltrico nas instalaes dentro da rea delimitada. Instalada nos muros e cercas externas das subestaes.

11

9/18/2010

PlacasAdvertir terceiros para no subir, devido ao perigo da alta tenso. Instaladas em torres, prticos e postes de sustentao de condutores energizados

Identificao de circuitos eltricos

Delimitaes de Segurana

Sinalizao de impedimento de energizao

Identificao de equipamento ou circuito impedido.Inspees de reas, servios, ferramental e equipamento

12

9/18/2010

Objetivo

Inspees gerais

Vigilncia e controle das condies de segurana do meio ambiente laboral; Identificao de situaes perigosas e riscos integridade fsica dos empregados, contratados, visitantes e terceiros que adentrem a rea de risco, evitando assim que situaes previsveis possam levar a ocorrncia de acidentes.

Realizadas anualmente, com o apoio dos profissionais do SESMT e Supervisores das reas envolvidas. Estas inspees atingem a empresa como um todo. Algumas empresas j mantm essa inspeo sob o ttulo de "auditoria", uma vez que sistemtica, documentada e objetiva.

Inspees parciais

Inspees peridicas

Realizadas nos setores seguindo um cronograma anual com escolha pr-determinada ou aleatria. Quando se usam critrios de escolhas, estes esto relacionados com o grau de risco envolvido e com as caractersticas do trabalho desenvolvido na rea. So as inspees mais comuns, atendem legislao e podem ser feitas por cipeiros no seu prprio local de trabalho.

Realizadas com o objetivo de manter a regularidade para uma rastreabilidade ou estudo complementar de possveis incidentes. Esto ligadas ao acompanhamento das medidas de controle sugeridas para os riscos da rea. So utilizadas nos setores de produo e manuteno.

Inspees por denncia

Inspees cclicas

Atravs de denncia annima ou no, pode-se solicitar uma inspeo em local onde h riscos de acidentes ou agentes agressivos a sade e meio ambiente. Deve-se ainda efetuar levantamento detalhado sobre o que de fato est acontecendo, buscando informaes adicionais junto : fabricantes, fornecedores, SESMT e supervisor da rea onde a situao ocorreu. Detectado o problema, cabe aos responsveis implementar medida de controle e acompanhar sua efetiva implantao.

Realizadas com intervalos de tempo pr-definidos, uma vez que exista um parmetro que norteie esses intervalos. Exemplo: as inspees realizadas no vero, onde aumenta as atividades nos segmentos operacionais.

13

9/18/2010

Inspees de rotina

Realizadas em setores onde h a possibilidade de ocorrer incidentes/acidentes. Esta inspeo no pode ser duradoura, ou seja, medida que os problemas forem regularizados, o intervalo entre as inspees ser maior at que se torne peridico.

14